AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Este trator movido a pedal É de combustível Fora de Agricultura


01 Bicitractor Cover - STEFANO BORGHI
As explorações mais pequenas têm necessidades significativamente diferentes dos maiores, mas as ferramentas certas nem sempre estão disponíveis para atender a essas necessidades - uma oportunidade perfeita para um projeto open source para intervir e preencher a lacuna. Essas fazendas são grandes o suficiente para precisar de ferramentas especializadas poderosos, mas podem não ter o orçamento ou espaço para grandes tratores. Bicitractor hacks seu caminho em torno destas questões, fornecendo um, silencioso alternativa verde, saudável.
Bicitractor é um trator movido a pedal de código aberto adequado para pequenas plantações de legumes médias. Criado pelos agricultores para os agricultores, ele executa uma variedade de tarefas agrícolas, trabalhando o solo a uma profundidade máxima de 5 cm, que é popular com o plantio direto movimento de agricultura. Ele pode ser usado para semeadura, capina, capina, colheita linhas abertas, e transporte de cargas, entre outras aplicações.

VÍDEO
02 Bicitractor Sketch - AGRICULTURA SOUL
Tratores tradicionais são caros e consomem muita energia de combustíveis fósseis. Bicitractor podem ser construídos e mantidos de forma acessível por qualquer pessoa (com as ferramentas eo treinamento direito) e não precisa de gasolina, economizando dinheiro adiantado e no longo prazo. Com seu baixo custo, esta solução DIY ajuda os agricultores ficar fora da dívida e aumenta a sua auto-suficiência.
04 Bicitractor montar - MICHAEL FLOYD

Sabe uma fazenda que poderia usar um Bicitractor? Confira o modelo beta inicial: o Bicitractor B300 noInstructables! O Instructable apresenta um sneak peek em contínua evolução do projeto. O próximo protótipo, o B310, vai incorporar algumas correções de bugs, mais engrenagens, e assistir elétrica. Os criadores do Bicitractor,o coletivo Agricultura Alma, encorajar-nos a esperar por esta versão seguinte antes de tentar construir um. Mas para alguém disposto a pesar sobre o próximo projeto, esta é sua chance.
Farming Alma em breve estará oferecendo oficinas para os agricultores que querem construir seu próprio Bicitractors.
Este é um dos muitos projetos interessantes para sair da conferência POC21 onde 100 eco-hackers reunidos em um castelo francês para discutir formas de melhorar o mundo.

makezine.com

Morte no Hospital deSão José, por falta de médicos! Há dinheiro para salvar os bancos, não há dinheiro para salvar vidas!



Morte no Hospital deSão José, por falta de médicos!Há dinheiro para salvar os bancos, não há dinheiro para salvar vidas!



No dia 14 de Dezembro morreu no Hospital de São José em Lisboa o cidadão português David Duarte,  por falta de assistência médica, pois os médicos neurocirurgião não fazem operações cirúrgicas ao fim de semana,desde que o governo do PSD/CDS deixou de pagar aos médicos o serviço de fim de semana.
Essa morte criminosa, por falta de assistência médica,  só nos pode revoltar pois dinheiro é coisa que não falta para salvar vários bancos de um sistema capitalista,que o sistema politico instalado(seja ele de que cor seja), em Portugal quer salvar à força dos bolsos dos contribuintes,mas querem-nos fazer querer que não há dinheiro para salvar o Serviço Nacional de Saude,que se tivesse a funcionar em pleno esta morte criminosa nunca tinha acontecido
.
«O Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), ao qual pertence o Hospital de São José, confirmou que a prevenção aos fins de semana de neurocirurgia vascular está suspensa desde abril de 2014. Como a prevenção ao fim de semana é de regime voluntário, alguns especialistas optaram por deixar de a fazer, devido à alteração dos regimes remuneratórios.
Embora existam dois neuro-cirurgiões no Hospital de São José 24 horas por dia, a neurocirurgia de urgência de aneurismas é "altamente especializada", disse ao DN porta-voz do CHLC, e requer uma equipa "especialmente habilitada" para a realizar "com resultados satisfatórios"»

Esta noite os directores do SNS de Lisboa  demitiram-se em bloco,pois dizem que já há muitoque tinham reportado esta situação vergonhosa e os ministros da saúde nada fizeram!
As pessoas deve-se organizar e vir para a rua exigir um Serviço Nacional de Saúde digno, e  fim do roubo dos bancos,onde quem paga é o cidadão que é roubado nos salários pensões e impostos em cima de impostos,sem que um único canalha que está à frente da banca seja  julgado e condenado.
Lutemos por um SNS digno!
A Luta continua!


olhaolivre.blogspot.pt

Em 5 de Janeiro de 2013 o PCP alertava... - 1 -A comunicação social tem vindo a divulgar nos últimos dias, que o governo terá decidido realizar uma operação financeira, recorrendo a capitais públicos, de recapitalização do Banif



NOTA DO GABINETE DE IMPRENSA DO PCP
Banif – um novo BPN
5 Janeiro 2013
1 -A comunicação social tem vindo a divulgar nos últimos dias, que o governo terá decidido realizar uma operação financeira, recorrendo a capitais públicos, de recapitalização do Banif num valor superior a 1100 milhões de euros. A ser assim, confirma-se o que o PCP há muito tem dito sobre a verdadeira natureza da crise económica e social em que o País está mergulhado e quem dela se serve.
Aos trabalhadores, aos reformados e pensionistas, aos pequenos e médios empresários, ao povo português em geral, o governo impõe sacrifícios, reduz-lhes os rendimentos através do roubo dos salários e do aumento brutal dos impostos, aos banqueiros mantém-lhes os benefícios fiscais e recapitaliza-lhes as empresas com dinheiros públicos. Ao contrário da história do herói mítico, este Robin Hood dos novos tempos (governo PSD/CDS-PP), rouba aos pobres para dar aos ricos.
É inaceitável que precisamente no momento em que é promulgado o Orçamento do Estado para 2013 -o pior orçamento desde o fascismo – que contempla um brutal aumento de impostos com o argumento de que o País precisa de reduzir o défice das contas públicas através da redução da despesa do Estado, o governo negocie com a administração do Banif uma operação financeira de recapitalização do banco com dinheiros públicos. Um autêntico brinde de Natal oferecido em bandeja de ouro aos accionistas do Banif, os mesmos que durante anos sacaram centenas de milhões de euros de lucros do Banco. Só na primeira década do novo milénio este Banco teve de lucros líquidos 508,4 milhões de euros e entregou aos seus accionistas de dividendos 216 milhões de euros (41% do total de lucros), o que é muito dinheiro para um banco da dimensão do Banif.
2 -De acordo com o que tem sido divulgado, a operação financeira de 1 100 milhões de euros inclui a compra de acções do Banco, ficando o Estado português detentor da quase totalidade do Banco e um empréstimo no valor de 400 milhões de euros (só esta parte vence juros). Vale a pena lembrar que estando este Banco cotado em Bolsa o seu valor bolsista é hoje de apenas 83 milhões de euros, mas o Estado decide injectar 13,3 vezes esse valor.
Tal como aconteceu com o BPN, o governo prepara uma «nacionalização» temporária cujo objectivo é, mais uma vez, resolver os problemas do banco e depois entregá-lo limpinho para que os seus accionistas continuem a sacar os seus lucros. Vamos certamente assistir a um processo de transferência dos prejuízos de uma entidade privada para as contas do Estado, prejuízos acumulados nestes dois últimos anos em resultado de uma gestão irresponsável e determinada pelos ganhos da especulação financeira.
Esta é uma falsa nacionalização em que o alto risco será coberto pelo dinheiro dos contribuintes. O banco não só não tem activos suficientes como dificilmente vai gerar proveitos aceitáveis para devolver o dinheiro ao Estado. Acresce que o Estado fica em posição maioritária mas só pode nomear um administrador não executivo. E um membro para o conselho fiscal. Uma vergonha!
Este é o mesmo banco que já depois de ter encerrado 17 balcões em 2011 e despedido mais de 120 trabalhadores, anunciou o encerramento de mais 50 balcões com o despedimento de mais 160 trabalhadores. Ou seja, também no Banif, tal como está a acontecer no BCP e no BPI, o Estado financia com dinheiros públicos ( a concretizar-se esta operação serão mais de 7 mil milhões de euros nestes três bancos) processos de reestruturação que incluem o despedimento de milhares de trabalhadores, ao mesmo tempo que reduz para 12 dias de salário por ano de trabalho, a indemnização por despedimento, aos trabalhadores por conta de outrem.
3 – A solução para os problemas do sector financeiro em Portugal não passa por injectar dinheiros públicos em empresas cuja existência e gestão são determinadas pelo lucro fácil e especulativo, e muito menos através de falsas nacionalizações que apenas garantem a transferência dos prejuízos dessas empresas para a órbita do Orçamento do Estado.

Como o PCP há muito vem defendendo, a recuperação do comando político e democrático do processo de desenvolvimento, com a subordinação do poder económico ao poder político democrático, coloca na ordem do dia a necessidade de um sector público forte e dinâmico, especialmente em sectores estratégicos da economia, como é o caso do sector financeiro, e designadamente em relação à banca comercial.


cris-sheandbobbymcgee.blogspot.pt

The Banker - Legendado em Português








VÍDEO

VÍDEO E POEMA - Dia de Natal de António Gedeão por Joaquim Lopes








VÍDEO




Dia de Natal

Hoje é o dia de era bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.


É dia de pensar nos outros- coitadinhos- nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua
miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.

Comove tanta fraternidade universal.

É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
Entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.


De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus
nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso
antimagnético.)


Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.


Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de
cerâmica.


Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.


A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra- louvado seja o Senhor!- o que nunca tinha pensado
comprado.


Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.


Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha,
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.


Ah!!!!!!!!!!

Na branda macieza
da matutina luz
aguarda-o a surpresa
do Menino Jesus.


Jesus
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.


Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
Tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.


Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.


Dia de Confraternização Universal,
Dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.



António Gedeão






REFLEXÕES EM TORNO DO MASSACRE DE PARIS, EM TORNO DO CINISMO DA POLÍTICA OCIDENTAL – FRANÇOIS HOLLANDE NO CONGRESSO: PALAVRAS, PALAVRAS? O CONSELHO DE ESTADO PODERIA ENTERRAR AS SUAS PROPOSIÇÕES CRIPTO-SARKOSISTAS – por NIL SYMCHOWICZ





















Selecção e tradução por Júlio Marques Mota
aviagemdosargonautas.net


























ARTE COM CONCHAS