AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 1 de dezembro de 2015

VOCÊ SABE PORQUE É QUE OS VEGETAIS DO ALASCA SÃO GIGANTESCOS !? - A Feira Estatal do Alasca acontece anualmente em Palmer, a 70 quilômetros a nordeste da cidade de Anchorage. Ali os agricultores do Vale do Matanuska-Susitna exibem rotineiramente vegetais de tamanhos gigantescos: um repolho de 60 kg, um melão de 30 kg ou um brócolis de 16, que são só alguns dos monstros que surgiram do solo do Alasca nos últimos anos.

 Segundo a superintendente da colheita da feira, Kathy Liska, algumas coisas são tão grandes e estranhas aos olhos, que nem sequer podem ser reconhecidos. Mas, por que os vegetais crescem tanto no Alasca? Devido ao sol.

01
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 01
Via

O Alasca normalmente tem uma temporada de cultivo muito curta. Apenas 105 dias, em média. Para efeito de comparação, a estação de cultivo em regiões tropicais supera os 300 dias. No entanto, este período de cultura não tem longas noites escuras. O estado está localizado perto do polo norte onde desfruta de até 19 horas de sol por dia, durante o verão e no pico da estação de cultivo. As horas extras de luz solar permitem que a lavoura do Alasca siga crescendo sem parar, proporcionando aos agricultores locais alguns dos maiores vegetais do mundo.

O impulso fotossintético também torna o produto mais adocicado. As cenouras do Alasca, por exemplo, gastam quase 3/4 do dia, enquanto o sol está disponível, fabricando açúcar, e apenas o restante, 1/4 de seu tempo, é gasto transformando esse açúcar em amido. Plantas como o repolho, brócolis, couve-flor, couve de Bruxelas, rabanetes, nabos, batatas, beterraba, cenoura, espinafre e alface abundam por todo o Alasca.

02
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 02
Via
03
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 03
Via
04
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 04
Via
05
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 05
Via
06
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 06
Via
07
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 07
Via
08
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 08
Via
09
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 09
Via
10
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 10
Via
11
Você sabe por que os vegetais do Alasca são gigantescos? 11
Via
Fonte: npr.


 http://www.mdig.com.br

UMA EXPLICAÇÃO MUITO COMPLETA - QUEM SÃO OS CRIADORES DO ESTADO ISLÂMICO?



1 – Um avião comercial russo despenhou-se, há cerca de um mês, no Sinai, Egipto, morrendo 224 pessoas, devido a um atentado, que foi reivindicado por um grupo denominado Al-Qaeda, que é o ramo local da Irmandande Muçulmana egípcia
Na terça-feira passada, um avião militar russo foi abatido junto à fronteira turco-síria por um caça F-16 da Turquia, sob a alegação de que voou em território turco. A Turquia é governada por um partido islamista radical, identificado, tal como a Irmandade Muçulmana, com o wahbadismo proveniente da Arábia Saudita.
Mas, antes, dia 12, já houvera atentados sangrentos (43 mortos) na capital libanesa Tripoli, numa área de controlo do Hezbollá, a que se seguiram um hotel no Sinai (Egipto) e um atentado em Tunis, Tunísia, com 12 mortos, polícias da guarda presidencial. Sempre em nome do EI ou da sua cara-metade Al Qaeda.
Em plena campanha eleitoral turca, que veio a dar a maioria governamental, ao líder islamista Recip Erdogan, foi realizado um brutal atentado em Istambul, (cerca de 100 mortos), mas, estranhamente, contra os apoiantes do partido secular HDP que integra, essencialmente, a população étnica curda do país. 
Também aqui houve uma reivindicação do EI, mas quem a oficializou foi o próprio Erdogan, depois de ter procurado acusar um partido pró-curdo, ilegalizado, o PKK. 
Nihil obstat, diria o Papa católico...
A 13 de Novembro, ocorreram vários atentados em Paris, que provocaram 130 mortos e centenas de feridos, reivindicado pelo EI, sendo que os seus executantes, na sua maioria, foram cidadãos franceses e belgas, segundo fontes oficiais, acrescentando um vago: foram planeados longe.
De repente, o Chefe de Estado francês, François Hollande, considerou que o seu país estava *em guerra*, situação esta que se estendeu, em pouco tempo, à Bélgica e à Alemanha, com repercussões imediatas nos restantes países da União Europeia, que não os mais recentes de Leste, o que temos de classificar como *curiosidade*.
Não sabiam os EUA e a UE que o fluxo de homens para as fileiras e treino, bem como toda a logística, em bens e armamento, do EI, no interior da Síria somente se podia (e pode processar) através das fronteiras com a Turquia, Jordânia e Israel?
E que todo esse movimento era, tacitamente, autorizado por aquelas potências, incluindo o seu regresso aos países da UE? 
Não é do conhecimento público que os campos de treino e de retaguarda dos chamados «rebeldes» opositores do regime da Síria se situam, justamente, na Turquia, Jordânia e Israel?
E, finalmente, a Turquia atrever-se-ia a abater o avião militar russo, se não tivesse as costas quentes ou até o assentimento da parte dos Estados Unidos?
A Síria está rodeada de fronteiras de países que favorecem o EI
2 – A política de violência desenfreada do chamado Estado Islâmico não nasce, por acaso, fora do chamado *mundo ocidental*,  nem foi planeada +algures+ no Médio-Oriente, por obra e graça do espírito santo.
Senator John McCain with ISIS Chief Abu Bakr Al-Baghdadi (circled left) and terrorist Muahmmad Noor (circled right).
O senador John McCain, responsável pela Comissão dos Serviços Secretos do Senado, com líderes jihadistas. À direita, al Bahagadi, à esquerda, Mohammad Noor, ambos assinalados.
Recuemos um pouco.
A desagregação da antiga União Soviética, após a renúncia de Mikhail Gorbatchov à Presidência da URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas) e de secretário-geral do PCUS (Partido Comunista da União Soviética) leva a um frenesim de ascenso imperialista no Mundo por parte dos Estados Unidos da América, e a cumplicidade abjecta das oligarquias políticas e económicas, ainda hoje dominantes, na União Europeia.
Esse frenesim, num julgamento apressado de que o domínio total do Mundo seria a realidade do sistema financeiro de Wall Street, levou Washington a apostar no apoio à fragmentação, explosiva e sanguenta, da Jugoslávia, por nacionalidades e grupos étnicos, um processo iniciado, de maneira difusa, em 1990.
Impulsionou então, de maneira aberta e sem qualquer rebuço ou preocupação de consultar os povos locais sobre os seus interesses nacionais, em fazer avançar a máquina militar da NATO (directa ou indirectamente), não só sobre os países do leste europeu, que se sacudiram do Pacto de Varsónia e da suserania da ex-URSS, mas igualmente como sucedeu em 1990, no Iraque, em 2001 no Afeganistão e 2003, novamente, no Iraque, e, posteriormente, na Síria, depois de se imiscuir em todo o Magreb, a pretexto das chamadas *primaveras árabes*.
Tudo isto, com a conivência total e a incapacidade dos dirigentes mais abjectos e senis, não só da UE, mas também do próprio Médio-Oriente e do Extremo-Oriente.
Incluindo, numa primeira fase, as classes dirigentes da Federação Russa e China, que, em nome do *realismo* sucumbiram às suas dificuldades económicas, políticas e militares.
Ora, toda esta situação não podia continuar, nem, mesmo, ter uma duração mais dilatada.
Em primeiro lugar, devido à deterioração crescente interna da economia norte-americana, cuja visibilidade surgiu na crise bolsista de 2001, e que provocou uma recessão enorme e o aumento exponencial do desemprego. 
A crise financeira de 2007 agravou o afundamento económico.
Aliado a estes revezes, somaram-se os custos astronómicos do militarismo desenfreado, com derrotas sucessivas no Iraque e Afeganistão, e, o impasse evidente na Síria.
O retrocesso do seu dispositivo operacional castrense reflectiu-se nas suas fraquezas geo-políticas actuais.
Em segundo lugar, o ressurgimento de *frentes* concorrenciais na hegemonia de grande potência económica e militar.
A que mais preocupou a oligarquia norte-americana, na entrada do século XX, foi a pujança comercial da UE, erigida, então, a principal potência comercial do mundo, e, acima de tudo, a capacidade que a moeda europeia começou a adquirir nas trocas internacionais, pondo em causa a hegemonia do dólar.
Daí, os ataques sistemáticos à unidade europeia -elo fraco -, forçados, abertamente, desde a crise de 2007.
Em terceiro, o renascimento, por um lado, da potência militar russa interventora, depois da crise política e económica subsequente à destruição da ex-URSS, por outro, o incremento da China, como potência económica mundial e a sua militarização acelerada em crescendo.
Este avanço de potências capitalistas concorrentes, em ascensão, em confronto directo com a potência, económica, política e militar, ainda em supremacia, mas ferida por uma decadência que se acentua, exige que se construam, cada vez mais, grandes espaços territoriais assentes em poderes estatais consolidados e livres de entraves conflituosos, que prejudicam um maior enquadramento negocial comercial internacional.
Ora, a intervenção imperial actual norte-americana, decadente e desesperada, cria desmembramentos de Estados, procura recriar novas estruturas neo-coloniais, de carácter quase feudal e de retrocesso civilizacional.
Em quarto lugar, o menosprezo pelos interesses dos povos e a sua exploração sem freio em que a auto-elogiada intervenção em nome da «segurança nacional» e o seu desígnio messiânico de imposição dos «direitos humanos» e a democracia sob a égide norte-americana, conduziu à formação de grupos e partidos, particularmente no Médio-Oriente, de inspiração nacional e libertadora.
Todos eles inspirados e organizados, sob a cobertura da ideologia religiosa, no caso em apreço, pelo sunismo wahbadista que enquadra um visão imperial de submissão política religiosa.
Aproveitando esta orientação, os Estados religiosos do Golfo de ideologia wahabadista, como Árabia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Barein, Omã, principalmente o primeiro, financiaram e impulsionaram as formações fundamentalistas da al Qaeda, Frente al Nusra e Estado Islâmico, com o controlo político e militar dos Estados Unidos.
Estes, desde a invasão do Afeganistão pela antiga US, formataram, organizaram e financiaram, em estreita ligação com a monarquia saudita, a primeira formação político-militar sunita wahbadista, a Al Qaeda, para ser a *tropa de choque* da sua estratégia geopolítica no Médio-Oriente, e, posteriormente, em África e no Magreb.
Na África do norte, o wahadismo procurou impor-se, primeiro na Argélia, sem o conseguir, apesar de uma guerra civil mortífera e prolongada, e, posteriormente, com as chamadas *primaveras árabes*, através da implantação da al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQIM), que hoje, sem preocupações, dizem «obedecer» ao Estado Islâmico.
Na África, a sul do Magreb, o wahbadismo espalhou-se pela *missionação* de organizações não governamentais sauditas, como a Liga Mundial, a Assembléia Mundial da Juventude Islâmica e a Federação de Mab, de onde foi emanados grupos, como o Boko Haram.
Os chefes das principais organizações, como o EI e a AQIM, são elementos que passaram pelasmãos da CIA, serviços secretos norte-americanos. 
Abu Bakr al-Bagdadi, que se auto-intitula califa do EI, é um iraquiano, que esteve quatro anos num campo de internamento norte-americano e que foi *solto* após uma *reeducação* à mão dos agentes americanos. Em poucos meses, juntou a chamada al Qaeda do Iraque com a Frente al Nusra (que era chamada estrutura oposicionista «moderada» síria, apoiada pelos EUA e França), dando origem ao EI.
O responsável da AQIM e actual «governador» da região de Tripoli, da dividida Líbia, Abdelhakim Belhaj, foi detido na Malásia, em 2003, no que foi publicamente divulgado como uma "rendição" extraordinária.
Esteve, aparentemente, durante uns anos, numa prisão secreta em Banguecoque, e, foi considerado «recuperado». Apareceu, em 2011, na invasão da Líbia pelas tropas ocidentais, à frente de um grupo da al Qaeda.
3 – A parceria entre os interesses islâmicos whabadistas retrógrados, nacionalistas e imperialistas, e os norte-americanos e os seus cúmplices ocidentais, está a entrar em
em conflito à medida que os primeiros se sentem com capacidade para avançarem pela sua própria via.
Essa é a fase actual, ainda que embrionária, mas que já mostra um processo que pode ter pernas para andar, se não for combatido de forma revolucionária e progressista.
Os atentados de Paris mostram, por um lado, que existe, no interior da sociedade europeia, um descontentamento larvar entre uma comunidade de migrantes e seus descendentes, provindos de países islâmicos, que estão espezinhados no seu bem-estar e injusticiados.
Por outro, que esse grupo social, no seu combate por um melhor nível de vida, procura a organização em torno de interesses reaccionários e retrógrados da religião que dizem professar.
Espaço este não não é ocupado por formações políticas de vanguarda nos Estados europeus.
Para lutar contra o islamismo wahabadita, quer no Médio-Oriente, quer nas suas *bolsas* europeias, a via a seguir terá de se centrar, quer no desenvolvimento económico e comercial dos territórios árabes, quer na sua organização política estatal nacional estável, dando satisfação, não a processos militaristas, mas a reivindicações de liberdade, de separação entre a religião e os Estados, de destruição das estruturas monárquicas semi-feudais.
O mesmo se coloca para o islamismo xiita.
campo de treino do EI na Turquia
4 – Mas, agora, a finalizar, uma questão secundária, mas importante:
Porque será que os militantes fundamentalistas islâmicos se organizaram, com relativa facilidade, no interior dos países da União Europeia?
Ou existiu um menosprezo enorme pela segurança colectiva, ou uma cumplicidade descarada com as estruturas *jihadistas*.
Naturalmente, os dois aspectos co-existem.
Mas, o segundo aspecto é o mais grave: os jihadistas «adormecidos» fazem parte da rede de parceiros que os serviços secretos utilizam, por vezes, nas *operações sujas* contra os interesses concorrentes das potências internacionais e regionais, como a Rússia, a China ou o Irão.
Os serviços de segurança europeus podiam não ter um conhecimento total das organizações islamistas no espaço da UE, mas, certamente, estavam a par da sua movimentação constante e sem controlo entre a Turquia, a Arábia Saudita, Qatar, a Jordânia, Israel, as zonas controladas pelo al Qaeda na Líbia, Síria ou Iraque.
Não podem agora limpar as mãos como tivessem sido violados como virgens inocentes.
Não, eles são cúmplices conscientes, como os seus próprios governos.
E tem de se lhe pedir responsabilidades.


tabancadeganture.blogspot.pt

1º de Dezembro - os três hinos



















VÍDEO



GIFS ANIMADOS - DIVIRTA-SE













Thom Yorke compara YouTube e Google ao nazismo


 
O vocalista dos Radiohead Thom Yorke criticou o YouTube e a Google e acusou estas plataformas de "monopolizarem o controlo" da arte.
 
JOÃO GIRÃO/GLOBAL IMAGENS/ ARQUIVO

Numa entrevista recente ao jornal italiano "La Repubblica", Thom Yorke criticou o YouTube e a gigante que o detém, a Google, de "monopolizarem o controlo" da arte e chegou a comparar as duas plataformas à Alemanha Nazi.
Questionado sobre a forma como os músicos conseguem ganhar dinheiro, nos dias de hoje, o vocalista dos Radiohead explicou: "Não tenho solução para esse problema. As pessoas continuam a dizer que estamos numa era em que a música é gratuita, o cinema é gratuito. Isso é mentira. Os criadores destes serviços ganham dinheiro, a Google, o YouTube. E uma grande quantidade de dinheiro. Levam tudo com eles. Monopolizam o controlo da arte, é como aquilo que os nazis fizeram durante a II Guerra Mundial", frisou o britânico de 47 anos

JN.

ARTE COM OVOS