AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 24 de novembro de 2015

O QUE O PS PROMETE FACE AOS ACORDOS NEGOCIADOS COM O PCP, OS VERDES E O BE - Mais dinheiro a partir de janeiro


Salário mínimo passa para 530 euros. Metade do valor da sobretaxa será reposto. Funcionários públicos vão receber um quarto dos cortes salariais. Pensões serão atualizadas. Abono de família e RSI voltam a ser pagos com o mesmo valor de 2011. É assim que o Governo PS promete começar o ano de 2016


As medidas constam dos acordos assinados entre o PS e os restantes partidos da esquerda parlamentar. E estão plasmados logo nas primeiras páginas da proposta de programa de Governo que António Costa submeteu, no passado dia 7, à aprovação da comissão nacional do PS.
Os parceiros da esquerda negociaram com os socialistas um conjunto de "soluções de política inadiáveis", como referem os acordos assinados com o PCP ou com o BE. E a promessa de uma "mudança" de política é para ser concretizada logo a partir do arranque do próximo ano. Isso mesmo está expresso no primeiro ponto do programa de Governo.
"Aumentar o rendimento disponível das famílias para relançar a economia", é assim que começa o primeiro capítulo das propostas que António Costa traz para o Governo do País. A ideia é assumir "uma viragrem de política" e isso quer dizer, desde logo, que serão repostos salários, pensões e prestações sociais que, nos últimos anos foram reduzidos em nome do memorando assinado com a troika.
Em resumo, o PS promete:
. repor integralmente os salários da função pública em 2016, ao ritmo de devolução de 25% dos cortes por cada trimestre do ano
. descongelar pensões e aumentar o valor real de todas aquelas abaixo dos 628 euros
. reduzir a TSU dos trabalhadores com salários abaixo dos 600 euros. A partir de janeiro a redução será de 1,33%
. reduzir para 13% do IVA da restauração
. devolver metade do valor da sobretaxa do IRS (o restante será reposto em 2017)
. aumentar o salário mínimo para os 530 euros (a meta é que atinja os 600 euros em 2019). Manuel Caldeira Cabral, indicado como ministro da Economia, já admitiu que o aumento pode não acontecer logo em janeiro. Não esclareceu se terá efeitos a partir do primeiro mes do ano, mesmo que venha a ser decidido meses mais tarde
. respor o abono de família, complemento solidário para idosos e rendimento social de inserção, nos valores praticados em 2011
. criar uma nova prestação - o complemento salarial anual - destinado aos trabalhadores que não consigam auderir rendimentos acima da linha de pobreza

100 nomeações para o Governo PSD/CDS no dia em que Costa foi chamado


Assessores, motoristas, adjuntos, técnicos. Terça-feira foram publicadas cerca de 100 nomeações para cargos nos gabinete do Governo PSD/CDS, no dia em que Costa foi chamado a formar novo Executivo.
MÁRIO CRUZ/LUSA
Autor
    São assessores, técnicos especialistas, adjuntos, motoristas, auxiliares, chefes de gabinete, secretárias. E foram todos designados para exercer funções nos gabinetes do Governo liderado por Pedro Passos Coelho, designadamente nos ministérios das Finanças, Segurança Social, Ambiente, Justiça, Agricultura, Economia, Cultura e Saúde.
    A publicação da sua nomeação saiu no mesmo dia em que o Presidente da República chamou António Costa para formar um novo executivo. Os despachos de nomeação foram assinados entre o final de outubro e início de novembro, alguns a 10 de novembro, dia em que o programa apresentado pela coligação Portugal à Frente foi votado e chumbado no Parlamento. Estas nomeações produzem efeitos antes da sua publicação. 
    Só esta terça-feira, foram cerca de 100 as designações publicadas no Diário da República para preencher lugares no Governo da dupla PSD-CDS que está já de saída, depois de se terem dissipado todas as dúvidas sobre quem irá governar Portugal, pelo menos nos próximos meses. 
    O novo Executivo poderá tomar posse ainda esta semana (sexta-feira é hipótese), dia em que todos os cargos que foram designados pelo atual governo caem.
    O XX Governo está em gestão desde o dia 10 de novembro, mas tem de se manter em funções até ser exonerado com a nomeação de um outro Executivo. E como tal, também os gabinetes têm de estar preenchidos. Muitas destes designados, transitam do anterior governo, como aliás os próprios ministros e secretários de Estado. 

    Sobretaxa. Última polémica da coligação explicada no Parlamento

    E até chegar o novo Executivo, ainda há tempo para ouvir os secretários de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, e do Orçamento, Hélder Reis, chamados ao Parlamento para explicar a última polémica da coligação PSD/CDS. A devolução ou não da sobretaxa do IRS vai ser objeto de uma audição na comissão de orçamento e finanças esta quarta-feira.

    Há agora notícias de que os pilotos russos que se ejectaram foram assassinados a tiro VEJA AQUI OS VÍDEOS -Los pilotos rusos fueron asesinados a tiros mientras descendían en paracaídas

    Los pilotos rusos fueron asesinados a tiros mientras descendían en paracaídas 




    3
    Los dos pilotos rusos del caza Su-24 abatido por Turquía fueron asesinados a tiros por las milicias turkmenas mientras descendían en paracaídas tras abandonar el aparato derribado, según ha asegurado a la agencia Reuters un subcomandante de una brigada turkmena en Siria.
    “Cuando recuperamos a ambos pilotos ya estaban muertos. Nuestros camaradas abrieron fuego y [los pilotos] murieron en el aire”, afirmó Alpaslan Celik, subcomandante de una brigada de turkmenos sirios.
    Según Reuters, Celik hablaba desde un lugar próximo a la aldea siria de Yamadi y sostenía un pedazo de tela, que aseguró que era parte del paracaídas de uno de los pilotos.

    VÍDEOS
    El portal de noticias Orient News ya había publicado un video que, supuestamente, mostraba cómo un grupo de rebeldes rodeaba el cuerpo de uno de los dos pilotos rusos del avión estrellado. En la grabación se apreciaba que la cara del militar tenía múltiples hematomas y heridas.
    Este martes, varios medios informaron, remitiéndose a la televisión turca, que un avión militar no identificado se había estrellado en Siria, cerca de la frontera con Turquía. Más tarde, el Ministerio de Defensa de Rusia comunicó que se trataba de un bombardero táctico Su-24 perteneciente a su Fuerza Aérea. Según las autoridades rusas, citadas por la agencia de información RIA Novosti, el avión siniestrado volaba sobre el territorio de Siria y no violó la frontera con Turquía, tal como señalan sus medios objetivos de control.
    Rusia ha tachado de grave el incidente del derribo del bombardero Su-24 en Siria. “En lugar de establecer contacto con nosotros de inmediato como debe hacerse, por lo que sabemos Turquía se dirigió a sus socios de la OTAN para discutir el tema, como si nosotros hubiéramos derribado su avión, y no ellos el nuestro”, dijo Putin en el marco de la reunión con el rey Abdalá II de Jordania.
    RT

    periodicodigitalwebguerrillero.blogspot.pt

    DOU-LHES EM ALGUNS CASOS O BENEFÍCIO DA DÚVIDA ! ANTÓNIO COSTA JÁ TEM GOVERNO - NÃO VOU COMEÇAR A ENPINGARDEAR MAS HÁ AQUI NOMES QUE.... OXALÁ ME ENGANE

    António Costa já tem Governo e a lista completa foi avançada pela TSF. Há vários repetentes de Governos anteriores, mas também estreias como João Soares, na Cultura ou Azeredo Lopes, na Defesa.

    Primeiro-ministro – António Costa
    Ministro das Finanças – Mário Centeno
    Ministro Adjunto – Eduardo Cabrita
    Ministro dos Negócios Estrangeiros – Augusto Santos Silva
    Ministra da Presidência e da Modernização Administrativa – Mª Manuel Leitão Marques
    Ministra da Justiça – Francisca Van Dunem
    Ministra da Administração Interna – Constança Urbano de Sousa
    Ministro da Defesa – Azeredo Lopes
    Ministro do Planeamento e Infraestruturas – Pedro Marques
    Ministro da Economia – Manuel Caldeira Cabral
    Ministro da Trabalho, Solidariedade e Segurança Social – José António Vieira da Silva
    Ministro da Saúde – Adalberto Campos Fernandes
    Ministro da Educação – Tiago Brandão Rodrigues
    Ministro da Ciência Tecnologia e Ensino Superior – Manuel Heitor
    Ministro do Ambiente – João Pedro Matos Fernandes
    Ministro da Agricultura – Capoulas Santos
    Ministra do Mar – Ana Paula Vitorino
    Ministro da Cultura – João Soares
    Secretária de Estado Adjunta do Primeiro-ministro – Mariana Vieira da Silva
    Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares – Pedro Nuno Santos
    Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros – Miguel Prata Roque

    "Cavacabou-se" ou o "mais longo engano da política portuguesa"


    No artigo de opinião intitulado 'Cavacabou-se', no Jornal de Notícias, a deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, teceu duras críticas ao Presidente da República.

    Global Imagens
    Cavaco é "um dos maiores responsáveis pelo trágico percurso da economia portuguesa", começa por afirmar Mariana Mortágua.
    Para a bloquista, "o percurso político de Cavaco explica por que lhe é tão difícil aceitar a democracia. Passos e Portas não seriam, idealmente, os seus interlocutores preferidos, é certo, mas é da sobrevivência do projeto da Direita que falamos. O que interessa a este Presidente da República não é a Constituição, ou a estabilidade do país, é a continuação de uma governação que não ponha em causa a estratégia da austeridade como um instrumento para eternização do seu sonho de Direita". 
    Mariana Mortágua refere ainda que a exigência de compromissos formais que Cavaco Silva fez ao PS será a última coisa a ser feita como Presidente. "Não podia, por isso, haver pior fim para a longa carreira política do Presidente da República do que ser ele próprio o mestre de cerimónias do enterro da austeridade. Estou no entanto certa de que é isso que fará. Não por convicção, mas por ausência de alternativas", explica. 
    "Cavaco sabe hoje, como sabia no início deste processo, qual será o desfecho do impasse. A lista de exigências que fez a António Costa não passa de um airoso recuo face ao inevitável. Será a última decisão de Cavaco, não sei se o maior, mas certamente o mais longo engano da vida política portuguesa", remata.

    ESTE É UM TWITTER DEGABRIELA CANAVILHAS, AINDA POR CIMA RESPONDE NA MINHA OPINIÃO COM ARROGÂNCIA


    VEM AÍ UM NOVO (ou velho) PRESIDENTE ?


     DO BLOG: docarlos.blogs.sapo.pt

                            Esta é a pergunta do momento.
                            Incrivel, como num instante, a direita se uniu em torno de Marcelo Rebelo de Sousa. Eles sabem, pelos vistos, melhor do que a Esquerda, como é importante ceder nas suas ambições pessoais, em favor das de classe.
                             Que se passa na esquerda? Quantos candidatos e, o mais importante, que defendem eles?
    Como de habitual, os comunistas apresentam o seu próprio candidato, mas cujo propósito, é sempre o de explicar aos portugueses, o papel que do PR, em determinada altura e circunstâncias, face à Constituição. É uma candidatura de formação civica, que será sempre de desistência em favor de um candidato que reuna um concenço mais alargado e melhor posicionado para derrotar a direita, geralmente numa segunda volta. Mas, e os outros? Já se ouviram Maria de Belém ou Sampaio da Novoa explicarem o motivo das suas candidaturas? Não. E a falta desta justificação, só é justificavel, com a ambição pessoal de ser PR.
                            E a Marisa Matias, como justifica o BE, a sua  candidatura, se apareceu depois da do Edgar? Se for para o mesmo, não valia a pena, se foi para defender as posições do Bloco, está incorrecto, porque cai no mesmo erro de Cavaco. Depois, temos todos os outros, dentro das ambições pessoais e, em algo comum: a divisão e pelos vistos, dar a victória ao candidato da direita, que, andou anos e anos em campanha, partindo em larga vantagem. Vantagem essa, que as sondagens, não como reflexo das intensões de voto, mas fabricantes de intensões, ainda ajudam.
                           E o PS? Quer um PR socialista ou não? Quer um PR de esquerda, ou não? Quer um defensor da Constituição ou não?
    . Tanta gente a candidatar-se, dá vantagem a quem concentra os votos em si. Marcelo, se aparecer nas urnas com previsões de 47/8%, deixando o segundo na casa da dezena (17/18%), levará os eleitores a dar-lhe o suficiente para a eleição, por considerarem inutil o voto noutros ou por abstenção. A esquerda, tem até 14 de Janeiro, para se definir. Se Marcelo Rebelo de Sousa, for eleito, irá procurar conflitos inter partidos de esquerda, para dissolver o Parlamento, e continuar o trabalho de Cavaco: não tenhamos ilusões.

    docarlos.blogs.sapo.pt

    Há razões acrescidas para a mobilização das manifestações de 28 de Novembro


    TARJETA A5 LX CURVAS 1
    A luta dos trabalhadores deu um importante contributo para forçar o Presidente da República a indicar um Governo resultante da nova maioria de deputados na Assembleia da República. Este é mais um exemplo de que valeu a pena lutar e dá ainda mais força aos objectivos e à mobilização dos trabalhadores e do povo para as Manifestações de 28 de Novembro em Lisboa (Belém), Porto (Pç. Batalha) e Braga (Arcada).
    A luta dos trabalhadores foi decisiva para o esvaziamento da base política, eleitoral e social do PSD-CDS e determinante para derrotar e remover estes dois partidos do Governo.
    A CGTP-IN saúda os trabalhadores e o povo português e exorta-os a prosseguir e intensificar a luta por uma verdadeira mudança de política.
    Atingido um dos objectivos da jornada de luta de 28 de Novembro, é indispensável que os restantes, nomeadamente o respeito pela Constituição da República, a mudança de política e a resposta às propostas e reivindicações da CGTP-IN e dos trabalhadores, sejam concretizados.
    Tal facto implica uma intervenção activa do Movimento Sindical e dos trabalhadores no sentido de influenciar, agora, as políticas que queremos que sejam implementadas amanhã.
    Neste contexto, a Comissão Executiva do Conselho Nacional considera fundamental que redobremos os esforços no envolvimento dos trabalhadores na acção nacional de luta, que se realiza no próximo sábado, dia 28 de Novembro.
    Este é o dia certo para sairmos à rua, festejar em conjunto a queda definitiva do Governo do PSD-CDS e exigir uma mudança de políticas que correspondam às propostas e reivindicações da CGTP-IN e dos trabalhadores, nomeadamente:
    A revogação das normas gravosas da legislação do trabalho nos sectores público e privado;
    A revogação da caducidade das convenções colectivas e a reintrodução do princípio do tratamento mais favorável;
    Um modelo de desenvolvimento que aposte na produção nacional, no emprego estável, seguro e com direitos, na valorização das profissões;
    Uma justa distribuição da riqueza, que assegure o aumento geral dos salários, do SMN e das pensões;
    Mais e melhores serviços públicos e funções sociais do Estado.
    O momento que vivemos é crucial, exige acção e uma forte participação cívica de todos quantos lutam pela defesa e ampliação dos direitos individuais e colectivos dos trabalhadores! Tal como há 41 anos, naquele 1º de Maio que traçou definitivamente o rumo da Revolução de Abril, atravessamos um momento em que os trabalhadores e o povo têm de ser protagonistas da história e fazer da acção colectiva, organizada e em unidade, nos locais de trabalho e na rua, o instrumento que clarifique e potencie a concretização de uma política que respeite e valorize os direitos de Abril!
    Vamos todos fazer do dia 28 de Novembro um dia histórico de luta dos trabalhadores, pelo progresso e justiça social, por um Portugal com Futuro!

    CGTP/IN

    Administrador da Segurança Social recebeu salários a que não tinha direito





    Pagamentos cessaram quando o PÚBLICO questionou o Governo sobre negócios do Instituto de Informática com a empresa à qual requisitara o administrador e que é o seu principal fornecedor. Administrador diz que foi um “lapso” da empresa.

    Um dos membros do conselho directivo do Instituto de Informática (II) do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, João Mota Lopes, acumulou durante nove meses as remunerações correspondentes às funções que ali exercia em exclusividade com as que anteriormente auferia enquanto quadro superior do principal fornecedor daquele instituto, a multinacional Oracle. Mota Lopes garante que se tratou de um erro ao qual é alheio e que devolveu o dinheiro logo que se apercebeu de que os salários estavam a ser indevidamente depositados na sua conta. A Oracle não se pronuncia sobre o assunto.
    Mota Lopes, um militante do PSD que integrou as listas deste partido para a Câmara de Lisboa em 2013, foi nomeado vogal da direcção do II em Setembro de 2012. No currículo que acompanha o despacho de nomeação publicado no Diário da Repúblicaconsta que “colaborou em diversas multinacionais do ramo das tecnologias de informação e comunicação”.
    Na sua página na rede social Linkedin é mais concreto e refere que entre 2007 e Setembro de 2012 trabalhou na Oracle, onde, desde 2010, ocupava o lugar de senior account manager, com responsabilidades nos negócios com a administração pública portuguesa — uma área em que a empresa factura uma grande parte das suas vendas, directamente ou através dos seus revendedores.
    Quando foi requisitado pelo ministro da Solidariedade e Segurança Social, Mota Lopes deixou de receber o ordenado da Oracle e tornou-se responsável pelos departamentos de Arquitectura e Desenvolvimento e de Administração de Sistemas do Instituto de Informática. Entre Setembro e Novembro de 2012 a Oracle ainda lhe pagou cerca de nove mil euros, a título de comissões e de subsídio de Natal, mas os pagamentos pararam nessa altura.
    Nove meses depois, em Agosto de 2013, a empresa depositou na sua conta bancária o valor de 3064 euros, relativo ao subsídio de férias desse ano, embora o contrato de trabalho estivesse suspenso desde Setembro do ano anterior. A partir daí, a Oracle transferiu todos os meses aquele mesmo valor para a conta de Mota Lopes, a título de remuneração base, pagando-lhe também o subsídio de Natal de 2013 e o subsídio de refeição mensal.
    Conforme se verifica no extracto de remunerações emitido pelo Instituto da Segurança Social — que o próprio disponibilizou ao PÚBLICO depois de ser confrontado há alguns meses com o caso —, os pagamentos mensais voltaram a cessar em Maio do ano passado. O extracto da Segurança Social indica também que dez dos 11 registos de remunerações e subsídios de férias e Natal inscritos em seu nome naquele período foram posteriormente anulados, tal como os subsídios de refeição.
    Questionado em Julho deste ano sobre o facto de ter estado a receber o ordenado e os subsídios da Oracle durante nove meses, Mota Lopes respondeu por escrito. “Após a saída da Oracle, em Agosto de 2012, fiquei ainda credor de pagamentos de prémios em atraso e acertos de conta que não tinham sido realizados, referentes a comissões de vendas de bens e serviços [relativos] aos anos em que exerci funções na empresa. Porém, ao consultar o extracto da conta onde me depositavam a remuneração, para elaboração do IRS de 2013, verifiquei que os montantes tinham regularidade mensal e correspondiam à minha remuneração de base liquida.”
    Foi por isso, garante o administrador do II, que só ao fim de mais de meio ano é que pediu à empresa para resolver o assunto, deixando de lhe pagar o que não lhe era devido. “Disseram-me que se tratava de um lapso por ter sido considerada uma licença sem vencimento de um ano e por isso o sistema iniciou automaticamente o processamento das remunerações”, escreve Mota Lopes. O erro, acrescenta, foi cometido pelo serviço (payroll) que processa os pagamentos da Oracle, centralizado na Roménia, e atingiu “mais oito colaboradores de Portugal”.
    De acordo com estas explicações, o seu contacto com a empresa ocorreu “antes de Maio de 2014”, em data que não indica, tendo a Oracle cessado os pagamentos a partir desse mês — altura em que perguntou quanto é que lhe tinha sido pago indevidamente. Passados quatro meses, em Agosto, “imediatamente após” ter recebido a informação de que esses montantes ascendiam a “15.074,99 e 5436,87 euros”, devolveu o valor em questão, através de três transferências bancárias. Nessa conta ficou apenas com 114 euros, conforme extracto que forneceu ao PÚBLICO.
    CLIQUE NO LINK ABAIXO PARA VER O VÍDEO



    AVEIRO - Polícia trava linchamento





    Polícia trava linchamento 

    Jovem condutor invadiu praça e espalhou pânico.

    Um condutor de 29 anos invadiu a Praça do Peixe em Aveiro, onde estavam centenas de pessoas que poderiam ter sido atropeladas, e só parou ao embater no muro da Ria de Aveiro, após percorrer 150 metros da estreita rua pedonal Trindade Coelho a alta velocidade. 

    Francisco Oliveira foi arrancado do carro pela multidão em fúria, na madrugada de domingo, e só não foi linchado devido à intervenção de um agente da PSP de folga e um guarda-noturno. Tudo começou quando o homem, aparentemente alcoolizado, foi expulso de um bar, pelas 04h00. 

    Pouco depois entrou com o Honda Civic na Praça do Peixe, onde estavam centenas de pessoas. "Foi um momento de terror com as pessoas a fugirem, a atirarem-se para o chão para não serem atropeladas", contou ao CM uma testemunha. Logo depois o carro embateu contra o muro da Ria de Aveiro e ficou imobilizado. "A multidão estava furiosa e começou espancá-lo", diz a testemunha. 

    A intervenção do PSP e do guarda noturno evitou o pior: Francisco sofreu ferimentos na cabeça e foi para o hospital sob detenção

     http://www.cmjornal.xl.pt

    A pintura de Arthur John Elsley!




    Arthur John Elsley!
    Arthur J. Elsley oil painting artist
    Arthur John Elsley (20 de novembro de 1860 – 19 Fevereiro 1952) foi um pintor Inglês dos períodos vitoriana e eduardiana, famoso por suas cenas de idílicas de crianças brincando e seus animais de estimação. Ele alcançou grande popularidade durante sua vida e muito de seu trabalho apareceu em calendários, revistas e livros. 
    Elsley nasceu em Londres, um dos seis filhos de John Elsley, cocheiro e artista amador, e Emily Freer. O pai de Elsley ainda expôs na Exposição de uma Instituição Britânica em 1845, mas mais tarde na vida contraiu tuberculose que o obrigou a aposentar precocemente. 
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Arthur John Elsley
    Ruff Play by Arthur J Elsley / Frederick Morgan - 26 x 36 inches Signed by both Arthur J. Elsley & Fred Morgan british victorian genre figures dog terriers jack russell
    https://i1.wp.com/2.bp.blogspot.com/_dLSVgS5AxBI/S9GgjTmxYHI/AAAAAAAAqrc/o862dKUjVEA/s1600/Guardian_Elsley.jpg
    Learning to Swim by Arthur J. Elsley - 34 3/4 x 25 1/2 inches Signed & dated 1904 british victorian genre children ducks figures figurative
    Good Night by Arthur J. Elsley - 43 x 30 inches Signed and dated 1914 british victorian children baby genre interior figures figurative
    All Mine by Arthur J. Elsley - 30 x 20 inches Signed and dated 1895
    [by+Arthur+Elsley6.jpg]
    Playtime by Arthur J. Elsley - 30 x 22 inches Signed and dtaed 1893
    AJElsley-5-
    a-j-elsley-
    a-j-elsley-3-
    apiggyback-elsley
    Elsley-Arthur-John-He-Won-t-Hurt-You
    ArthurJElsley(7)
    arthur-john-elsley-6-
    arthur-john-elsley-54-
    Arthur John Elsley (London 1860-1952) «Home Team» 1903
    elsley-9-
    artesehumordemulher.wordpress.comBarrinhase