AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

14 Curiosidades sobre filmes famosos


Muita gente não tem ideia de quantos truques, execuções, improvisos e planos são necessários para colocar um filme no ar. Por isso, fizemos uma pesquisa que mostra 14 curiosidades sobre filmes famosos. Confira.
obutecodanet.ig.com.br

O PREGO IMPOSSÍVEL





















SOLUÇÃO



VÍDEO



DONALD J.TRUMP


Costa quer um juiz na Justiça e tem equipa pronta para levar a Cavaco


Mouraz Lopes poderá suceder a Fernando Negrão na Justiça. São ambos juízes de carreira
  
José Mouraz Lopes, 53 anos, licenciado em Direito em Coimbra, juiz desde 1987, atualmente colocado no Tribunal de Contas, ex-diretor adjunto da PJ entre 2004 e 2006, com o pelouro da corrupção.
José Mouraz Lopes, 53 anos, licenciado em Direito em Coimbra, juiz desde 1987, atualmente colocado no Tribunal de Contas, ex-diretor adjunto da PJ entre 2004 e 2006 com o controlo da direção de combate à corrupção, ex-presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (2012-2015).
Nos circuitos judiciais este tem sido o nome referido como a escolha de António Costa para ministro da Justiça. Isto, claro, se o líder do PS for convidado a formar governo, o que não é ainda claro (ver texto principal nestas páginas). Confirmando-se, Mouraz Lopes sucederá a um outro juiz, o atual titular da pasta, Fernando Negrão.
António Costa já terá tudo a postos para levar um elenco governativo feito ao Palácio de Belém, se o Presidente o nomear.
A orgânica sofrerá alterações e o líder do PS quer criar, segundo já anunciou em entrevistas, quatro pastas ministeriais novas: Infraestruturas e Planeamento, Assuntos Europeus (têm sido falados dois nomes, ou de Margarida Marques ou o de Vitalino Canas, ambos deputados), da Modernização Administrativa (Maria Manuel Leitão Marques, a jurista, atualmente deputada, que com Sócrates a primeiro-ministro ergueu o programa Simplex) e o Mar (tem sido referida a possibilidade de o titular ser o deputado José Apolinário). O programa eleitoral do PS também referia a necessidade de criar um Ministério da Cultura - mas Passos Coelho antecipou-se no seu atual governo, criando-o.
Garantidos parecem ser os nomes de Mário Centeno (nas Finanças), de Manuel Caldeira Cabral (na Economia), de Adalberto Campos Fernandes (na Saúde) e de Helena Freitas (no Ambiente). Eduardo Cabrita, deputado, já foi referido como possibilidade na Administração Interna mas as últimas indicações referem-no como ministro da Presidência. Para a Administração Interna fala-se agora em Rocha Andrade (acompanhou em tempos Costa neste ministério como subsecretário de Estado). Pedro Nuno Santos deverá ficar nos Assuntos Parlamentares, pasta central na negociação permanente com as esquerdas. Já em torno do nome de Vieira da Silva tudo são incógnitas.

Reflexões em torno do massacre de Paris, em torno do cinismo da política Ocidental


Caros Argonautas

Bem antes do drama de Paris tínhamos colocado  dois textos no blog para serem publicados logo que fosse possível relativos à guerra na Síria.   Um  dos dois horários  que me foram atribuídos  é ocupado com uma série de textos sobre a Grécia, onde alguns deles são mesmos fabulosos,  e o outro horário tem sido ocupado pela crise da Europa e de Portugal também,  tem  levado  a que os textos referidos tenham ficado na fila de espera.

O drama de Paris desenterrou-os. Com efeito eu próprio procuro entender, para lá dos médias e das grandes caixas, algumas das razões  que possam explicar  o que aconteceu. Nesse sentido organizei um caderno de  textos sobre o tema que passaremos agora a apresentar e esses dois textos  retomam  o seu lugar nesta série. Procuro entender e, se não entendendo, ou é porque  me falta capacidade de conhecimento porque será tudo simples, ou será antes porque assistimos  a uma brutal mistificação  à escala internacional sobre o que se tem passado. Puxo a brasa à minha sardinha e entre as duas hipóteses opto pela segunda.

Esta série é dividida em duas partes. A primeira onde se fala da Síria e da mascarada ocidental sobre o assunto a começar pela política de guerra  promovida pelo   belicista que se chama Barak Obama.   Curiosamente o que se passa na Síria parece decalcado a papel químico do que se passou no Iraque  com a assinatura  de George W. Bush e o aval de Tony Blair,  José Maria Aznar e Durão Barroso com a cimeira dos Açores e não só.  Aznar, ao que disse depois a Imprensa, queria uma medalha do Congresso americano  e pagou  para isso, Blair queria importância mundial e milhões depois, o que se verificou. Durão Barroso queria ser o criado americano, o que se confirmou.

Mas  entre um tempo e outro chegamos à conclusão que Obama é afinal mais ignorante, mais simplista que Bush. Bush não teria aprendido, não havia nenhuma situação de ocupação equivalente naquela zona, mas isto não se passa com Obama. Mas Obama está a querer repetir a mesma história. Apoiado nas ditaduras da região opõe-se a Bachar e quer pois destituir um ditador, possivelmente o menos ditador da região!   Bush tinha um problema psicanalítico: Saddam tinha injuriado o seu papá! E Obama, que complexos o movem, para estar a repetir  o mesmo erro depois da lição dada pela História a George W. Bush e ao mundo? Deixo a pergunta em aberto.

 É dessa semelhanças e paralelos que nos falam estes primeiros textos

Começaremos por um texto, redigido a quente pelo bloguer de Crises.fr. relativamente ao drama de Paris. Depois publicaremos:

I ª Parte

  1. Introdução -Um texto de Olivier Berruyer do blog Les-Crises.fr

  2. Ataque químico na Síria : o relatório que incomoda – Jornal Le Point

  3. Os rebeldes sírios dizem receber mais armas para a batalha de Aleppo- um artigo com   a chancela Reuters.

  4. Porque é que os Estados Unidos terá tão silenciosamente bombardeado a rede de electricidade da Síria- um artigo de Clearing House

  5. Exploram-se as emoções acerca de Paris para culpar  Snowden e para nos distrairmos relativamente aos verdadeiros culpados que armaram o ISIS. Um texto com a chancela de Glenn Greenwalde do blog  The Intercept.

Com a segunda parte, ainda em elaboração,  interrogamos-nos sobre se é possível ver o drama e o massacre de Paris à luz dos textos anteriores e tudo nos indica que isso é possível.

Boa leitura e que no final se sintam um  pouco mais esclarecidos que eu próprio quando comecei a compilar estes textos.

Coimbra, 19.11.2015

Júlio Marques Mota

aviagemdosargonautas.net

A pintura de Edwin Longsden Long!

Edwin Longsden Long!

Edwin Longsden Long RA (12 de julho de 1829 – 15 de Maio de 1891)foi um pintor inglês de história, bíblica e pintor de retratos.
Long, nasceu em Bath, Somerset, filho de E. Long, um artista (de Kelston em Somerset), e foi educado na Escola Dr. Viner, em Bath. 
Adoptou a profissão de pintor, veio para Londres e estudou no Museu Britânico. 



Edwin Longsden Long
Edwin Longsden LongEdwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
File:Edwin Long 001.jpg
File:Edwin Long 002.jpg
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
Edwin Longsden Long
File:Esther haram.jpg
Long_Edwin_Longsden_An_Eastern_Lily_1885_Oil_on_Canvas-huge Long-Edwin-Longsden E-LONG-22- EdwinLong (2)  EdwinLong2A long--- EdwinLong1 Long_Edwin_Longsden_A_Votary_of_Isis_1883 EdwinLong-Egypt
Long_Edwin_Alethe_Attendant_of_the_Sacred_Iblis_1887_Oil_on_Panel-large
green-1

LA MAFIA DE NUEVA YORK OFRECE SU PROTECCIÓN A LA CIUDAD ANTE EL TERRORISMO ISLÁMICO



El hijo de un jefe de la mafia de Nueva York ha advertido que protegerán a la ciudad ante el terrorismo y que los terroristas de Estado Islámico tendrán que lidiar con la mafia siciliana si intentan atacar Nueva York.
LucianoLansky
Giovanni Gambino, hijo de una figura clave en la familia mafiosa Gambino, dice que la mafia está mejor posicionada que los cuerpos de seguridad, para proteger a los neoyorquinos.
Giovanni Gambino
Giovanni Gambino
“Ellos actúan a menudo demasiado tarde, o no ven un panorama completo de lo que está sucediendo debido a la falta de ‘inteligencia humana'”, declaró en una entrevista con NBC News. Gambino agregó que “el conocimiento de la mafia de los movimientos individuales y de la interacción con la gente local le da la ventaja, incluso en comparación con las últimas tecnologías de vigilancia”.
“El mundo es peligroso actualmente, pero las personas que viven en los barrios de Nueva York con conexiones de Sicilia deben sentirse seguros. Nos aseguramos de que nuestros amigos y familias están protegidos de los extremistas y terroristas, especialmente de la brutal organización psicópata llamada Estado Islámico”
paul-castellano-P
Gambino Jr, quien fue criado en Torretta, una zona montañosa con vistas a Palermo, capital de Sicilia, dice que Estado Islámico teme a la mafia siciliana, y esto ha sido una de las principales razones por las que no han tratado de establecer ninguna célula terrorista en Sicilia.
La isla italiana no ha sufrido ningún ataque terrorista y Gambino cree que la mafia puede ofrecer protección en Nueva York de forma similar.
“La mafia tiene una mala reputación, pero en gran parte es inmerecida. Como con todo en la vida, hay partes buenas, malas y feas, pero el aumento del terrorismo mundial le da a la mafia una oportunidad de mostrar su lado bueno”.
Lo que hay que ver…
periodicodigitalwebguerrillero.blogspot.pt

O SIGNICADO DA PALAVRA MUHARRAM , MARRÃO, MARRANO E O FACTO DE JUDEUS E MUÇULMANOS NÃO COMEREM CARNE DE PORCO

Marrano

Marranos eram originalmente judeus que viviam na Península Ibérica e que se converteram ou foram forçados a se converter ao cristianismo,alguns dos quais podem ter continuado a praticar o judaísmo em segredo. O termo passou a ser usado mais tarde em 1492 com o decreto castelhano de Alhambra, revertendo protecções originalmente noTratado de Granada (1491).
Os convertidos eram também conhecidos como cristianos nuevos(espanhol) ou cristãos-Novos (Português), que significa "cristãos-novos", ou conversos (os convertidos). Em hebraico a termos anusim("os forçados") e Zera Yisrael ("semente [o povo de] Israel") são usados ​​às vezes.

“Homens! Comei dos alimentos lícitos e bons que há sobre a terra e não sigais os passos do Demônio! Ele é para vós um inimigo declarado. Ordena-lhes o mal e o desonesto e que digais contra Deus o que não sabeis”. (Alcorão Sagrado, 2: 168-169).


Etimologia 


Em Português a palavra
 marrano (do espanhol) geralmente se refere a "cripto-judeus", embora isso também significa um tipo de suíno (dialetalmente), "sujo" ou "sujo" (sujo), e "pária" (maldito, excomungado) ; enquanto os termos relacionados marrao [mɐʁɐw] e marrancho [mɐʁɐʃu]. significam apenas o animal: "porco" ou "suíno" O termo marrano deriva do árabe Muharram; que significa "proibido, marrano no século 15 Espanhol significava "sujo", "imundo", "porco", "porco", a partir do ritual proibição de comer carne de porco, praticado por ambos os judeus e os muçulmanos.



 Wikipédia
 POR QUE OS MUÇULMANOS NÃO COMEM CARNE DE PORCO?











“Homens! Comei dos alimentos lícitos e bons que há sobre a terra e não sigais os passos do Demônio! Ele é para vós um inimigo declarado. Ordena-lhes o mal e o desonesto e que digais contra Deus o que não sabeis”. (Alcorão Sagrado, 2: 168-169).


O Islão é uma religião racional. Todos os seus princípios e mandamentos estão baseados em uma profunda racionalidade. O Islão demonstra que o homem é inocente ao nascer, que o bem e o mal se aprendem gradualmente. O Islão ensina que se devem alcançar as virtudes e evitar costumes que arrastam à perversão, uma vez que o bem e o mal estão no homem, de acordo com a educação que recebe e o meio-ambiente em que se desenvolve sua vida quotidiana.
O ser humano possui desejos naturais, que se referem ao alimento, à necessidade de sono e de sexo; também tem sentimentos naturais, por exemplo, felicidade, rancor, dor, amor, temor, fastio e avareza. Esta última é originada pelo instinto de posse. Um instinto insatisfeito alimenta a inveja e, eventualmente, ambas suscitam o egoísmo. O Islão, não obstante, não recomenda que se eliminem estes sete sentimentos, como o fazem outras religiões, senão que oferece um método para controlá-los, porque enquanto o homem viver, eles existirão. Eles são semelhantes ao motor de um veículo: o condutor é quem deve controlá-los e guiá-los a metas úteis. A educação islâmica é a guia do homem em direção ao bem.
A proibição de comer porco no Islão constitui um grande salto adiante na história da evolução humana. Considerando que o sangue é, virtualmente, nossa corrente vital e que tudo o que consumimos afeta, em última instância, nosso sistema sanguíneo, é necessário selecionar nossos alimentos. Resulta evidente que o homem de concepção revolucionária mais avançada é aquele que mais cuidadosamente seleciona seus alimentos.
Sabemos que no passado, alguns povos da África foram antropófagos. Alguns aborígenes do arquipélago malaio e certos povos de Borneu e Nova Guiné não sabem distinguir os alimentos: ingerem víboras, vermes, ratos e tudo o que esteja ao seu alcance. Na atualidade, a evolução da natureza humana não se limita à abstenção da carne de porco, mas compreende, também, a carniça e a carne de caça, ainda que sejam de vacas, cordeiro ou galinhas. Isto está proibido pelo Islão.
Aparte o que foi exposto até aqui, os muçulmanos rechaçam a carne de animais predadores, como o leão, tigre, leopardo, víboras, gatos, cachorros, ratos, etc., considerados dentro das Leis Islâmicas como animais impuros. Esta proibição está baseada no desejo de purificação da própria natureza, já que o alimento, uma vez ingerido, não entra apenas no intestino e se converte em excremento; é absorvido e metabolizado no sistema e circula por todas as partes do corpo humano, incluindo o cérebro e isto, de uma maneira não insignificante, por certo, afeta a natureza do homem. Disse o Imam Ali (a.s.): “O estômago é a porta de todos os males”.
O Islão permite aos muçulmanos ingerir carne pura e não proíbe nem estimula ninguém a converter-se em vegetariano. Alguns argumentam que se o porco é alimentado com nutrientes sãos, pode-se, então, consumir sua carne. A resposta para esta controvérsia é a seguinte: pode-se alimentar um porco com uma lavagem saudável, mas não se pode mudar sua natureza, um porco é um porco, não pode sofrer variantes por meio de enxertos, como uma planta.
O porco é, por natureza, preguiçoso e indulgente no sexo. Desgosta-lhe a luz do sol e ele carece de energia para lutar. Come quase tudo o que encontra ao seu redor, sejam excrementos ou qualquer imundice. De todas as carnes de animais, o porco constitui-se no principal receptor de germes daninhos e é o principal reservatório para a infecção humana. Ademais, a percentagem de gordura no porco é muito maior que em qualquer outra carne: 91%, contra 56% no cordeiro e 35% na de gado vacum.
Pode-se fazer uma experiência em carnes: tomem-se três pedaços de carne de igual idade e tamanho, um de porco, outro de vaca e um terceiro de cordeiro; exponham-se todos ao sol. O de porco será o primeiro a apodrecer, vindo em seguida o de cordeiro e finalmente o de vaca. Algumas vezes, a carne de vaca seca sem chegar a apodrecer. Mas, se colocamos os mesmos pedaços de carne em um recipiente e os colocamos para cozinhar, o de porco será o último a cozinhar e ninguém pode garantir que não existam germes daninhos na carne cozida.
De acordo com investigações médicas, requerem-se três horas para a digestão da carne de cordeiro e de vaca; por sua vez, necessitam-se cinco horas para a do porco.
Proliferam tantas plantas que são comestíveis: algumas podem curar enfermidades, outras são venenosas e causam a morte. De igual maneira, existem carnes daninhas para o homem, como a do porco, cujo efeito tóxico está latente e com o transcurso dos anos degenera em sérias enfermidades.

www.ibeipr.com.br