AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Menina dos meus Olhos















VÍDEO



VEJAM COMO A MERDA SE FUNDE !


EDITORIAL – BREXIT, OU O FUTURO DE UM PAÍS DA EUROPA


logo editorial

Nestes dias, há quem ande a tentar convencer-nos de que a agitação nas bolsas, agências de rating e outras entidades é da responsabilidade do acordo PS/BE/PCP/PV. Procuram fazer-nos crer que o entendimento entre estes quatro partidos, ou formações políticas, conforme prefiram, está a ameaçar desencadear uma crise de proporções tais que, se não pusermos cobro rapidamente àquela aliança, ocorrerão enormes desastres, e que teremos de pagar bem caro os prejuízos decorrentes. Até porque, dizem, temos os tratados europeus que temos de cumprir, e nos impõem a austeridade que temos “aguentado” (conforme nos informou o banqueiro Ulrich).

Evidentemente que quem nos pretende impingir estas histórias põe um ar ingénuo, de quem não tem nada a ver com o assunto, quando se fala do BES, do BPN, do BCP, das PPP (ppp = parcerias público-privadas, lembram-se’) ou das rendas da energia e das auto-estradas,  e nem quer ouvir falar dos submarinos ou de quanto realmente vai custar a privatização da TAP. Entretanto procura pôr as instituições europeias contra a formação de um governo de esquerda em Portugal.

As instituições europeias talvez não apreciem que se forme um governo de esquerda em Portugal. Isso é sem dúvida muito grave, até porque pode ser o golpe decisivo na ideia de uma Europa democrática, a servir de exemplo e a dar lições ao resto do mundo, como têm pretendido os seus líderes desde a Segunda Guerra Mundial. Contudo, neste momento, estes devem estar mais preocupados com o “brexit”, ou seja, a saída do Reino Unido da União Europeia. David Cameron parece mesmo determinado em realizar em 2017 o referendo sobre a permanência do seu país, e não há ameaças nem queixinhas que o travem. Dirão: o Reino Unido tem outra dimensão. É maior, mais populoso e tem a City e armas atómicas. Nada disso o faz melhor do que nós, mas sempre consegue meter medo aos outros. Mas, de qualquer modo, mesmo tendo em conta as diferenças, faz-nos compreender que não ganhamos nada em andar a fingir que somos bons alunos (de quê?) ou a lamber botas.

Propomos as leituras seguintes:



aviagemdosargonautas.net

Três razões para Cavaco dar posse a Costa



2000px-Coat_of_arms_of_Portugal_svg
Primeira – Estabilidade
A solução de um governo PS com apoio parlamentar do PCP, BE e PEV é a única que garante suporte político maioritário no atual quadro de forças existente na Assembleia da República. A coligação PSD-CDS revelou-se incapaz de assegurar uma solução estável. Apesar das eventuais fragilidades que lhe possam ser apontadas (que só poderão ser avaliadas mais adiante!), a solução liderada por A. Costa corresponde à vontade de mudança de ciclo, maioritariamente expressa pelo eleitorado. E, com uma certa ironia, à continuada exigência de um governo com apoio maioritário, desde há muito formulada pelo Presidente Cavaco Silva.
Segunda – Legitimidade
Não restam dúvidas sobre a legitimidade da solução conseguida pelos partidos da esquerda, que tem abrigo constitucional indiscutível: “O Primeiro-Ministro é nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais.” (art.º 187º da Constituição). Tendo havido um histórico de governos liderados pelo partido mais votado, esse não é, em rigor, o critério determinante; a existência de uma maioria parlamentar sim!
Terceira – Urgência
O governo de P. Coelho está demitido e em gestão. O prolongamento do estado de indefinição governativa é a pior das situações. Para que o país possa funcionar com normalidade necessita de ter um governo em plenitude de funções e um orçamento aprovado com a maior das brevidades. Qualquer outra solução – governo de gestão, ou de iniciativa presidencial, aguardando eleições antecipadas, teria elevados custos. Pesados custos em todas as latitudes, das pessoas aos mercados passando pelas empresas e pelo próprio Estado. Qualquer uma destas soluções significaria ainda um governo sem capacidade de acção, adiamento de decisões e de investimentos e um país em campanha eleitoral e instabilidade durante muitos meses.

pracadobocage.wordpress.com

É MENTIRA QUE SEJAM OS SOBRINHOS DA ESPOSA DE NICOLAS MADURO OS DETIDOS POR TRÁFICO DE DROGA




  • A verdade sobre alegados sobrinhos Cilia Flores 



  • LAIGUANA.TV / Clubes - 
    Vários usuários do Twitter, blogs e meios de comunicação da oposição como TalCual.com, usaram uma foto de dois homens jovens, afirmando que são os retratos de polícia dos sobrinhos do lutador venezuelano First.
    Dentro de minutos, através da rede social Twitter user  Lubrio poderia encontrar a mesma imagem dos pressupostos sobrinhos, e que realmente pertencem a Jorge e José Castillo irmãos, moradores da cidade de Filadélfia, EUA, que foram presos com encargos  numa briga em num jogo de futebol na cidade, de acordo com um comunicado de imprensa do Yahoo News site em sua seção de desporto.
    Vários usuários do Twitter, partidários do presidente Maduro, argumentaram que, em função da utilização da falsa imagem, podemos estar na presença de um novo "falso positivo" contra o governo venezuelano usado pelos USA


  • Há algumas horas atrás os mídia relataram a captura de dois traficantes de drogas jovens no Haiti, que foram relatados por diversos meios de comunicação como "sobrinhos" da esposa do presidente Nicolas Maduro.

  • periodicodigitalwebguerrillero.blogspot.pt
  • Há 40 anos, um cerco à AR – amanhã, não sabemos




    Quando vi as imagens das concentrações em frente à Assembleia da República, há dois dias, tive bem presente outras, de 12 de Novembro de 1975. Nos antípodas? Certamente. Mas nada a ver? Gostava de ter a certeza.

    O governo foi rejeitado, a crispação está altíssima, o Presidente da República não tem pressa para desatar os nós e decidiu ouvir nem se sabe quantas entidades e que pessoas (tendo começado por algumas que alinham bem com os seus desejos). Estará talvez a tentar ganhar tempo, sem que se conheça exactamente para quê. Mas nem é muito difícil imaginar.

    A PàF começou ontem uma pós-campanha eleitoral pelo país, registei, e guardo para memória futura próxima, que Paulo Portas pediu, em Setúbal, apoio à "maioria silenciosa" e que houve quem sugerisse que a direita descesse à rua. Serão palavras vãs? Não tenho qualquer certeza.

    Por tudo isto, e por muito mais, era bom que as «esquerdas» estivessem preparadas para o que pode por aí vir, mais depressa do que possamos hoje pensar e, eventualmente, que antecipassem iniciativas. A rua, não só mas também ela, espera pelos partidos que estão num dos lados da barricada e pelos cidadãos que os suportam neste momento de esperança (e não, não é, nem deve ser, a CGTP a liderar o processo).

    P.S. – Para detalhes sobre o cerco de 1975, ver aqui

    entreasbrumasdamemoria.blogspot.pt

    O PASSOS TÁ APANHADO E TÁ COM MEDO COMO TODOS ELES . MEDO DE RESPONDEREM POR MUITA ALDRABICE QUE FIZERAM E FAZEM. SE O POVO CONTINUAR UNIDO TALVEZ SEJA POSSÍVEL UM DIA VER ESTES PASSARÕES NA CADEIA.


    Cavaco receberá individualmente todos os portugueses antes de tomar uma decisão

    Cavaco receberá individualmente todos os portugueses antes de tomar uma decisão
    O presidente da república anunciou que ouvirá todos os cidadãos portugueses em audiência individual antes de decidir o que fará em relação à substituição do governo derrubado no parlamento. Os cidadãos serão convocados por carta e as audiências terão início na próxima semana, ao ritmo de três por dia.
    Cavaco, já falecido, negou estar a tentar encontrar formas de não dar posse a um governo apoiado por partidos que lhe provocam indigestão quando pensa neles e recordou que é inútil tentar pressioná-lo porque não cede nem a pressões nem a cócegas ou a outros esforços para lhe provocar reações humanas.
    Depois de receber individualmente a totalidade dos portugueses, o presidente poderá ordenar uma contagem dos grãos de areia da nossa costa para poder tomar uma decisão que leve em conta a totalidade dos fatores.
    imagem adIcionada por AG

    "Não ganharam coisa nenhuma. Perderam 700 mil votos, 25 deputados e a maioria absoluta"


    "Não ganharam coisa nenhuma. Perderam 700 mil votos, 25 deputados e a maioria absoluta"

    João Oliveira (PCP) sublinha que CDS-PP e PSD insistem numa "fraude imposta aos portugueses há 40 anos" de que as eleições são para primeiro-ministro e não para o Parlamento



    clique no link abaixo para ver o vídeo

    Não ganharam coisa nenhuma. 

    SETE HERÓICAS MULHERES FIZERAM O IMPOSSÍVEL PARA SALVAR 200 CAVALOS ISOLADOS NUMA ILHA

    Caía a noite de 31 de outubro de 2006, quando um forte temporal açoitou todo o litoral do norte da Holanda trazendo como consequência a elevação das águas do Mar Frísio. O nível mais alto provocou inundações perto da pequena aldeia de Marrum, na província de Friesland, e a água chegou mesmo a subir quase 5 metros em algumas regiões. Foi assim que um grupo de cavalos, que estava pastando sobre uma colina, de repente ficou rodeado de água, como se estivessem aprisionados em uma pequena ilha.

    7 heróicas mulheres fizeram o impossível para salvar 200 cavalos presos em uma ilha
    Durante 3 dias os cavalos ficaram esperando por um milagre. 19 deles morreram afogados, e o restante se mantinha o mais próximos possível para suportar o vento gelado e a água gélida que em momentos chegava aos joelhos.

    Os noticiários de todo mundo se dedicaram a transmitir a notícia, as autoridades fizeram várias tentativas frustradas de resgatar os animais, e finalmente, quando parecia que tudo estava perdido porque as águas seguiriam subindo com a próxima tempestade, é que um grupo de heroínas local se apresentou.
    7 heróicas mulheres fizeram o impossível para salvar 200 cavalos presos em uma ilha
    Norma Miedema, uma mulher de 40 anos contatou às autoridades e começou o resgate por sua própria conta. Sustentou a cabeça de um potro no momento que morria afogado, se submergiu até o pescoço nas gélidas águas para levar água fresca aos animais e esteve presente durante o dia do resgate, apesar da forte pneumonia que contraiu.

    Com respeito ao resgate em si, outras 6 valente mulheres (entre 19 e 40 anos) entraram no água sobre seus próprios cavalos para avançar uns 400 metros (ida e volta) entre grades de arame farpado, tocos de madeira e buracos, para finalmente chegar à ilha e guiar os animais de volta a terra firme.

    O último cavalo teve que ser escoltado por ginetes, desmaiou justamente ao chegar à margem e foi atendido pelos veterinários. Finalmente todos os cavalos foram salvos, e as mulheres foram honradas pelo Governo da Holanda por sua valentia e coragem.

    VÍDEO



     http://www.mdig.com.br

    ESTÁ DESESPERADO ! PASSOS REVER A CONSTITUIÇÃO E ELEIÇÕES ANTECIPADAS JÁ !


    Passos disponível para rever Constituição e ir para eleições

    Em Actualização
    No encerramento das jornadas conjuntas PSD/CDS, primeiro-ministro em gestão acena com dissolução do Parlamento.
    Miguel Manso
    O primeiro-ministro em funções, Passos Coelho, defendeu que o PS não tem uma solução alternativa de governo “estável e duradouro” e disse estar disponível para fazer uma revisão constitucional extraordinária para permitir fazer eleições já.
    "Estou inteiramente disponível para dar o meu apoio à revisão constitucional para que  o Parlamento possa ser dissolvido", disse Passos Coelho esta noite numa sessão com militantes, em Lisboa, referindo-se à limitação que existe na Lei fundamental para a convocação de novas legislativas.
    Nas jornadas conjuntas PSD/CDS, o líder social-democrata defendeu que um governo “não pode governar contra a maioria absoluta do Parlamento e se o Parlamento não respeita a vontade popular”. “Em circunstâncias normais, o Parlamento devia ser dissolvido para que fosse  o povo a decidir”, disse, defendendo que “quem quer governar em alternativa a quem ganhou com o apoio popular, devia comprometer-se em garantir as condições de dissolução do parlamento”.
    Num discurso violento, Passos Coelho acusou os socialistas e os restantes partidos de estarem a querer o poder sem terem o voto popular. “Será impossível estes partidos [PS, PCP, BE e PEV] prosseguirem a sua actuação no Parlamento e no Governo sem admitirem que vão ter um Governo que representa uma fraude eleitoral e um golpe político”, disse. 
    Estas palavras duras foram repetidas para desafiar António Costa a aceitar o repto. “Mas se não aceitarem, se preferirem governar, como quem assalta o poder e defrauda os eleitores, não têm nenhuma legitimidade para exigir ao PSD e CDS seja o que for”, advertiu, sugerindo que o PSD e o CDS vão opôr-se sistematicamente às iniciativas do PS no Parlamento. “Não vale a pena virem perguntar como é que vamos votar. Vamos votar de acordo com a nossa consciência”, disse.
    Referindo-se ao debate do programa de Governo, o primeiro-ministro acusou António Costa de se ter furtado à discussão. E concluiu que o motivo se tornou claro: “Disse que nunca derrubaria um governo sem ter uma alternativa de Governo estável, duradouro, coeso e consistente. E esse governo não existe”.
    Passos apontou ainda o que considerou serem as fragilidades dos acordos à esquerda, sem compromissos com a participação de Portugal no euro e na NATO. “É dito com uma certa pompa que os partidos, que se uniram, mantiveram intacta a sua visão da democracia, da Europa. Quem é como quem diz, nunca se entenderão”, disse, arrancando, neste momento e noutros, algumas gargalhadas na sala.
    Referindo-se à ideia de que o PCP terá sido “assaltado pela CGTP” para ficar com o domínio sindical “das empresas de transportes”, Passos Coelho contestou essa via, lembrando que “o país não quis um reviralho e uma espécie de frente de esquerdas desunida”. E rematou: “É preciso que os políticos se comprometam com umas novas eleições”.  
    Já antes da intervenção de Passos Coelho que entusiasmou os militantes dos dois partidos, Nuno Melo, vice-presidente do CDS, tinha feito um discurso duro contra os partidos à esquerda. “Não quero acreditar que vivemos num país em que se possa enganar um Chefe de Estado impunemente. Há semanas, António reclamava que podia ser primeiro-ministro porque tinha uma solução estável, duradoura. Ficámos a saber há dias que não há acordo nenhum, afinal não há uma mas três manigâncias e que só têm uma coisa em comum: uma aversão à direita, PSD e CDS”, afirmou.
    Quanto aos acordos à esquerda, Nuno Melo não poupou na descrição:  “São três textos, assinados em surdina, assinados numa esquina de uma mesa, com uma foto de terceira categoria porque nem sequer tiveram a dignidade de chamar a imprensa para mostrar ao país”.
    Measure
    Measure

    A LUTA CONTINUA !


    Toma cuidado ! não elejas outro safado !

















    VÍDEO
    video

    A LENDA DA MELANCIA




    A LENDA DA MELANCIA

    ( quase como ler melancia ao contrário)

    Conta a lenda, que uma jovem índia da tribo Tupi,estava em busca de solucionar o problema da aldeia.
    Em sua aldeia estavam passando necessidades por falta de água, devido a uma maldição lançada por Tupã.

    A tribo tupi, não ajudava as outras aldeia e como castigo Tupã tirou-lhes a água

    A jovem índia de nome Acianlme, era filha do cacique.

    Ela era uma jovem guerreira, de olhos e cabelos negros, a boca vermelha e carnuda.

    Acianlme, tinha o coração puro e não aceitava ver o seu povo sofrer.

    Certa noite, Acianlme arrumou seu arco e flecha, pintou o seu corpo e saiu decidida a encontrar água.

    Em meio à escuridão, ela ouvia o barulho das águas.
    A jovem índia se animou e acelerou seus passos ,sem perceber pisou na cobra que era a guardiã das águas .Acianlme, mesmo ferida, enviou uma mensagem ao cacique, por meio de uma linda arara .
    Ao perceber a aflição da arara, o Cacique ordenou que os guerreiros a seguissem.
    Ao chegarem próximos do local, onde estavam as coisas de Acianlme, encontraram ramos verdes, com folhas e grandes frutos.
    Deram-lhe o nome de melancia, ao abrirem o fruto e perceberem que era suculento e continha a água, que a jovem guerreira procurava.



    Maria Rita Jesus de Oliveira (google+)

    MAS COMO É POSSÍVEL EXISTIR GENTE QUE ELEGE TAIS DETRITOS ! É ESTA A MERDA, A PORCARIA RUIM QUE NOS DIAS DE HOJE CHEGAM AOS GOVERNOS DA EUROPA E DO MUNDO - Crise migratória na Europa é "um plano" da esquerda para ganhar votos


    Primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, diz que "tudo indica que a esmagadora maioria destes migrantes votará nos partidos de esquerda assim que se tornarem cidadãos".
    Orbán diz que "é impossível não imaginar que existe um grande plano por trás disto" LASZLO BALOGH/REUTERS

    O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, considera que a chegada à Europa de centenas de milhares de pessoas em fuga de países como a Síria, o Afeganistão ou o Iraque faz parte de um "grande plano" dos partidos de esquerda para reforçar o seu eleitorado e ganhar eleições.
    "A migração é vista como uma oportunidade. Tudo indica que a esmagadora maioria destes migrantes votará nos partidos de esquerda assim que se tornarem cidadãos [de um país europeu], e é por isso que estes futuros eleitores da esquerda estão a ser importados para a Europa", disse o chefe do Governo húngaronuma entrevista à revista suíça Die Weltwoche, publicada esta quinta-feira.
    De acordo com Viktor Orbán, o "grande plano" dos partidos de esquerda explica também a posição da chanceler alemã, Angela Merkel, que tem defendido uma política mais tolerante em relação aos migrantes e refugiados – segundo Orbán, os parceiros de coligação do SPD, de centro-esquerda, estão a reduzir a margem de manobra de Merkel. 
    "Muitos de nós estamos a dar voltas à cabeça em relação a esse assunto. A Alemanha é a chave. Se os alemães dissessem amanhã 'Estamos cheios, já chega', a enchente seria travada imediatamente", disse o primeiro-ministro húngaro na entrevista citada pela agência Reuters.
    A chanceler alemã tem sido alvo de contestação no seu país, mas essa pressão é contra a entrada de mais refugiados, tanto no interior do seu próprio partido, a CDU, de centro-direita, como nos sectores mais à direita.
    "Não tenho coragem suficiente para falar sobre esta questão publicamente com certezas absolutas, mas é impossível não imaginar que existe um grande plano por trás disto", afirmou Viktor Orbán. Este "grande plano", segundo o primeiro-ministro húngaro, é a concretização das ideias defendidas "pela esquerda europeia e pelos Democratas americanos radicais" com vista ao fim dos países tradicionais e à sua substituição por um único e gigantesco Estado europeu.
    O Governo da Hungria instalou vedações ao longo das suas fronteiras com a Sérvia e a Croácia e enviou o Exército para travar a entrada de migrantes e refugiados no seu país. Segundo o primeiro-ministro húngaro, a maioria dos que tentam entrar na Europa não são refugiados, mas sim emigrantes em busca do "estilo de vida da Alemanha ou da Suécia" que poderão determinar "o fim da Europa".
    De acordo com os números mais recentes da Agência das Nações Unidas para os Refugiados, desde o início do ano chegaram à Europa 792.833 migrantes e refugiados, a maioria através da rota que liga a Turquia à Grécia e a partir de países do Norte de África como a Tunísia, a Líbia e o Egipto.
    Das quase 800.000 pessoas que chegaram à Europa por travessia marítima, 52% são de nacionalidade síria, um país devastado por uma guerra há mais de quatro anos que já fez mais de 300.000 mortos, sete milhões de deslocados no interior do país e mais de quatro milhões de refugiados registados em vários países.
    A Turquia, com 78 milhões de habitantes, recebeu cerca de metade dos refugiados sírios (2.181.293), seguindo-se o Líbano (seis milhões de habitantes e 1.075.637 refugiados sírios) e a Jordânia (5,6 milhões de habitantes e 630.776 refugiados sírios).
    No dia 22 de Setembro, a União Europeia aprovou um plano para a distribuição de 160.000 refugiados que estão na Grécia e em Itália (com os votos contra da Hungria, da República Checa, da Roménia e da Eslováquia). Até dia 4 de Novembro tinham sido recolocados 130 refugiados.
    Dos 4754 refugiados que Portugal se comprometeu a receber ao longo dos próximos dois anos ainda não chegou nenhum – os 22 que chegaram no fim-de-semana passado fazem parte de um programa coordenado pelo ACNUR que existe desde 2007.

    VELHAQUICE (2)

    12/11/2015 · por  · in O Castendo 

    BALANÇA capital-trabalho
    «Três patriotas  condecorados por Cavaco , três grandes empresas , Corticeira Amorim , Jerónimo Martins e Altri vão usar as suas reservas de capital para distribuir até ao final do ano mais de 319 milhões de euros em dividendos extraordinários e outros que deveriam entregar em 2016
    Qual a razão ?
    Querem evitar os riscos fiscais …
    Clarificando :não querem pagar eventuais aumentos de impostos que  um novo governo com apoio do PCP e Bloco venha a introduzir.
    Percebe-se por que é que eles dizem tal como o governo : não estraguem o que já foi conseguido com o sacrificio dos portugueses.
    Sacrificio não deles que ganharam e muito com a crise e que ainda querem fugir aos impostos . São os amigos de Belém.»

    Via: O CASTENDO http://ift.tt/1llVUBi

    CENSURA CAPITALISTA À ARTE

    OS ASSASSINOS DE CRIANÇAS, OS COMERCIANTES DA PORNOGRAFIA, OS TRAFICANTES DE MULHERES, OS PEDÓFILOS, OS QUE LEVAM AS GRANDES VIDAS DE DEBOCHE E POR FIM OS QUE GANHAM DINHEIRO COM ISSO TUDO, O CAPITALISMO, ANDA A CENSURAR PINTURAS DE PICASSO E AGORA MODIGLIANI.
    OS "PURITANOS" ANDAM A POR BARRAS PRETAS NOS SEIOS, NOS PELOS PÚBICOS DAS PINTURAS DAS IMAGENS QUE OS ARTISTAS CRIARAM HÁ MUITO TEMPO.
    CURIOSO É QUE SÃO ELES QUE AS TÊM NA SUAS PRÓPRIAS MANSÕES DE LUXO.
    NÃO É !?
    AG

    UM TEMA VELHO

    POR VEZES QUANDO SE DIZ QUE TEMOS QUE SER AMIGOS DOS NOSSOS INTERESSES, DO NOSSO TRABALHO, DO DIREITO A TER CASA, PÃO,TRABALHO, DIZÊ-MO-LO DE ÂNIMO LEVE E TEMOS QUE EXPLICAR, FAZER ENTENDER, QUE CUIDAMOS DA NOSSA VIDA MAS NÃO EXCLUÍMOS, NÃO IGNORAMOS E LUTAMOS PARA QUE ESSE SEJA UM DIREITO DE TODOS.
    SALVAGUARDANDO OS QUE AINDA SÃO VERDADEIROS E PRATICAM A AMIZADE ACIMA DE TUDO, TODOS NÓS SABEMOS QUE QUASE TUDO O QUE NOS RODEIA, CHEIRA, É, POR INTERESSE.
    O QUE ME CONFUNDE MUITAS VEZES É COMO MUITA GENTE CONSEGUE CONCILIAR OU FAZER CRER QUE CONCILIA AS DUAS COISAS, A AMIZADE E O INTERESSE SEM QUE DAÍ RESULTEM PREJUÍZOS.
    UMA DELAS TEM QUE SER MENTIRA, E A NÃO SER PRATICADO DE OUTRAS MANEIRAS, A MENTIRA, NESSA GENTE É A AMIZADE.
    OU ENTÃO VIVER COM INTELIGÊNCIA E SEM EXCLUSÃO, TER AMIZADES, E TER INTERESSES, E SABER SEPARAR AS COISAS, SER DESSA MANEIRA, E ASSUMIR.
    OS INTERESSES, SÃO INIMIGOS DA AMIZADE GLOBAL. SE FOREM INDIVIDUAIS NÃO RESOLVEM OS GRANDES PROBLEMAS DO MUNDO.
    O MUNDO MERO DOS INTERESSES LEVOU-NOS A COISAS QUE SÃO CATIVANTES E QUE SÃO FACILMENTE DESEJADAS MAS SÓ DÃO FELICIDADE A ALGUNS.
    MESMOS NESSES, ESSA FELICIDADE É ILUSÓRIA.
    O MUNDO DA AMIZADE NADA TEM A VER COM ISSO, É MAIS HIGIÉNICO, MAIS PURO E NÃO INTERFERE COM O BEM ESTAR DAS PESSOAS SEJAM ELAS POBRES OU NÃO.
    DIFÍCIL HEIM !
    António Garrochinho

    SEM MEDO, SEM PAPAS NA LÍNGUA

    SEM MEDO E SEM PAPAS NA LÍNGUA !

    SE MUITOS DOS FASCISTAS QUE ANDAM NOS PARTIDOS E NOS GOVERNOS TIVESSEM SIDO PENDURADOS NO INÍCIO, HOJE TERÍAMOS UM PORTUGAL COM RESPEITO, COM JUSTIÇA, UM PORTUGAL PRÓSPERO, COM TRABALHO, COM SAÚDE, COM EDUCAÇÃO PARA TODOS E NÃO PARA ALGUNS QUE NEM ISSO SABEM SER E PRATICAR.

    UM "GOVERNO" QUE JÁ NÃO O É, UMA MEIA DÚZIA DE PALHAÇOS, LACAIOS E VIGARISTAS ANDAM A BRINCAR COM OS PORTUGUESES IMPUNEMENTE ! - Venda da TAP aprovada Decisão tomada em Conselho de Ministros.





    Venda da TAP aprovada Decisão tomada em Conselho de Ministros.

    O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros a minuta final do acordo relativo à conclusão do processo de privatização da TAP, considerando que a celebração do contrato é uma necessidade urgente e inadiável. 

    A decisão irá permitir que entrem na transportadora 150 milhões de euros. Recorde-se que o PS apelou esta quarta-feira ao presidente da Parpública – a empresa pública que conduz o processo de privatização da TAP – para não fechar a venda dos 61% da TAP ao consórcio Gateway. A venda de 61% do capital da TAP ao consórcio Gateway, de David Neeleman e de Humberto Pedrosa, será concretizada ainda esta quinta-feira, deixando de ser uma empresa pública, segundo a secretária de Estado do Tesouro. "Iminente colapso" 

    O ministro da Presidência disse que o "iminente colapso" financeiro da TAP levou o Governo a atuar de imediato no fecho da privatização da empresa, acusando o PS de estar a ser "prepotente" e "arrogante" sobre a matéria. "Os governos quando estão em gestão aquilo que podem fazer é limitar-se à prática de atos urgentes e inadiáveis para o tratamento dos negócios públicos e funcionamento da administração", disse Luís Marques Guedes em conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros. A TAP, sublinhou, encontra-se num "iminente colapso financeiro" e há o "risco objetivo de aviões ficarem sem gasolina e os próprios salários de muitos trabalhadores da empresa" estarem ameaçados. "A entrada de capitais na empresa é inadiável", prosseguiu o governante, e "é essa a razão pelo que o governo, embora em gestão, não pode deixar cair a empresa". 

    Cerimónia privada A cerimónia de venda que decorre esta quinta-feira será privada, sem a presença da comunicação social, e o Governo estará representado pelos secretários de Estado dos Transportes e Tesouro. O ato contará com a presença secretário de Estado dos Transportes, Miguel Pinto Luz, e da secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco, revelou o primeiro na conferência de imprensa que se seguiu à reunião de hoje do Conselho de Ministros. A secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco, disse posteriormente não ter ainda conhecimento da hora da cerimónia e reforçou que a organização do ato "cabe à Parpública", sociedade gestora de participações sociais de capitais exclusivamente públicos. Projeto para cancelar privatização O grupo parlamentar do PCP apresentou esta quinta-feira no parlamento um projeto de lei para cancelar e reverter a privatização da transportadora aérea TAP, anunciou o líder da bancada comunista, João Oliveira, em conferência de imprensa. Para o PCP, "o XX Governo Constitucional está limitado ao exercício de funções de gestão", considerando ser necessárias "medidas estritamente necessárias para que a decisão política quanto ao desfecho deste processo seja assumida por um Governo em exercício pleno das suas funções". 

    Conclusão fica à espera de parecer definitivo da ANAC e do TdC O consórcio ainda tem que provar ao regulador que o empresário Humberto Pedrosa lidera o consórcio e obter luz verde do Tribunal de Contas. A 13 de outubro, a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) deu parecer positivo à venda da TAP ao consórcio Gateway, mas pediu esclarecimentos sobre a estrutura acionista do consórcio comprador, para verificar se ela é controlada pelo português Humberto Pedrosa, como as regras europeias impõem. No processo de alteração aos estatutos do consórcio para responder aos apelos do regulador, o presidente executivo da TAP, Fernando Pinto, foi nomeado a 06 de novembro para a direção do consórcio, cargo a que renunciou três dias depois. Governo não tem legitimidade para privatização O Bloco de Esquerda (BE) sustentou que o Governo PSD/CDS-PP, por estar demitido e em gestão, não pode fazer uma privatização, e lançou "um repto" ao Presidente da República para que trave a venda da TAP. 

    Em conferência de imprensa, na Assembleia da República, o líder parlamentar do BE defendeu que é preciso "dizer a este Governo que ele não tem legitimidade para fazer uma privatização", e que "essa era uma matéria que o Presidente da República deveria assumir, dado que está nas suas mãos agora uma decisão fundamental para o futuro do país". Pedro Filipe Soares qualificou de ilegal e inconstitucional a conclusão da venda da TAP e, num recado a Cavaco Silva, considerou que essa decisão reforça a urgência de substituir o Governo PSD/CDS-PP demitido pelo parlamento: "Começa a ser cada vez mais incompreensível ao país que o Presidente não faça o óbvio, que não convoque os partidos, que não decorra todos os trâmites para dar posse a um novo Governo". PSD defende decisão "urgente e inadiável" 

    O deputado do PSD Luís Leite Ramos defendeu que a decisão do Governo para a privatização da TAP visa antecipar a injeção de 150 milhões de euros na transportadora, sendo uma decisão "urgente e inadiável" que compete a um executivo de gestão. "É uma decisão que visa antecipar a injeção de 150 milhões de euros pela Gateway na TAP porque a situação de rutura iminente de tesouraria põe em risco a situação da empresa. Como está previsto na Constituição, perante uma matéria desta natureza, urgente e inadiável, o Governo limitou-se a junto da Gateway conseguir que aquilo que estava para ser realizado em julho do próximo ano", disse Luís Leite Ramos. Falando aos jornalistas no parlamento, o deputado social-democrata sublinhou que a "venda da TAP foi decidida pelo Governo anterior, foi aprovada anteriormente pelo parlamento, os portugueses sabem o que foi essa decisão e estão à espera dessa venda".

    http://www.cmjornal.xl.pt