AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Redacções do Rogérito - 28 ("Carta à Senhora Dona República")


Tema da redacção: A República
Querida Senhora Dona República
Eu sei que não é da Senhora a culpa de isto estar como está de não ser culpa sua no ano passado virarem a bandeira ao contrário e de o Presidente estar desta vez ausente a pensar a pensar a pensar numa coisa que já disse saber há muito e só por isso devia ser considerado um presidente parvo com parvoiçes frequentes pelo que devia ser considerado parvo-todos-os-dias e não só às vezes.

Querida Senhora Dona República 
Lembre ao PS aquilo que tanto lhe esquece que chegou a hora de mudar a merda de política pois se não o fizer bem mal lhe fica e que isso de andar a fazer bulling lá dentro onde as moscas têm acento nem no meu recreio é permitido. 

Querida Senhora Dona República 
Termino com o meu apelo de sempre que não desanime nem emigre nem pense em se afastar de nós pois que nós andaremos sempre consigo pois o povo unido jamais será vencido e o que custa mais é o (re)começo  pois depois voltaremos tudo do avesso e reiniciaremos o interrompido.

A bem de si, agora e sempre
O Rogérito, presente





conversavinagrada.blogspot.pt

INCLÚI VÍDEO - Maioria dos trabalhadores e do povo votou contra a coligação PSD/CDS e a política de direita


eleicoes








Nas eleições de 4 de Outubro, os trabalhadores e o povo votaram maioritariamente contra o Governo PSD/CDS, contra a política de direita, contra os cortes nos salários e nas pensões, contra o ataque à contratação colectiva e os direitos laborais e sociais, a precariedade e o desemprego, o aumento da carga fiscal sobre os trabalhadores e os pensionistas, as privatizações, a destruição da Escola Pública e do Serviço Nacional de Saúde e a tentativa de transformar a Segurança Social pública, universal e solidária, num sistema assistencialista.
Com uma abstenção elevada, este processo eleitoral fica ainda marcado por factos e números que confirmam a forte penalização da coligação PSD/CDS. Nestas eleições perderam mais de 700 mil votos, caíram 12 pontos percentuais e perderam mais de 20 deputados, sendo este o seu segundo pior resultado desde 1976. Acresce que, em 2015, PSD e CDS juntos tiveram um resultado inferior ao obtido apenas pelo PSD nas eleições para a Assembleia da República de 2011.
Num contexto de forte chantagem e bipolarização, a luta desenvolvida pelos trabalhadores ao longo desta legislatura foi, mais uma vez, determinante para derrotar a maioria absoluta do Governo do PSD/CDS e fundamental para esvaziar a base eleitoral da coligação destes partidos. O PSD e o CDS estão hoje em minoria na Assembleia da República!
Neste quadro, a nova composição do Parlamento perspectiva maiores potencialidades para responder aos inúmeros problemas e desafios com que os trabalhadores e o povo estão confrontados e para a efectivação de uma política contra a exploração, as desigualdades e o empobrecimento.
Tal facto implica que os restantes partidos que hoje constituem a maioria na Assembleia da República concretizem os compromissos assumidos com o eleitorado e convirjam na defesa de propostas que respondam às necessidades e anseios dos trabalhadores e na rejeição da perpetuação da política do PSD/CDS.
Este é o momento certo para construir uma alternativa que, respondendo ao sentido de voto maioritário do eleitorado, abra as portas a uma nova política, que valorize o trabalho e os trabalhadores, promova uma justa distribuição da riqueza, a criação de emprego com direitos, a aposta na produção nacional, a defesa dos serviços públicos e das funções sociais do Estado, a afirmação de Portugal como país independente e soberano.
Este é o momento certo para pôr termo à política anti-laboral e anti-social, para revogar as normas gravosas do Código do Trabalho e da Lei Geral de Trabalho em Funções Públicas, para exigir o aumento geral dos salários, do SMN e das pensões, a melhoria da protecção social e dos apoios para os desempregados e as famílias, para assegurar a dinamização da contratação colectiva e reverter o processo de privatizações.
Este é o tempo para a implementação de uma política fiscal que incida sobre os rendimentos do capital e alivie os das famílias, uma política que salvaguarde os interesses nacionais, com a renegociação da dívida e a rejeição do Tratado Orçamental.
O dia 4 de Outubro confirmou que vale a pena lutar. Os trabalhadores e o povo pronunciaram-se pela mudança de governo e de política. Compete ao Presidente da República respeitar o sentido de voto e a vontade popular.
A CGTP-IN convocou, para os dias 14 e 15 de Outubro, o Conselho Nacional e o Plenário de Sindicatos, respectivamente, para perspectivar a intensificação da luta reivindicativa nos locais de trabalho da Administração Pública, do sector empresarial do Estado e do sector privado, com vista a responder aos problemas com que os trabalhadores e suas famílias se debatem.
A CGTP-IN saúda os trabalhadores e trabalhadoras e exorta-os a prosseguir e intensificar a luta nos locais de trabalho em torno das suas reivindicações específicas, sendo que, em simultâneo, irá apresentar a sua Política Reivindicativa para 2016 aos partidos políticos com assento parlamentar, confrontando cada um com as reivindicações e propostas que concretizam uma política verdadeiramente alternativa, de esquerda e soberana.
 VÍDEO
Via: CGTP-IN

LOS ANGELES: A VERDADEIRA FACE DOS ESTADOS UNIDOS







LOS ANGELES











1 – Querem ver o retrato dos verdadeiros 
Estados Unidos da América reparem na actual sociedade de Los Angeles.

Alguns dados sobre a cidade e a sua área metropolitana: 
Los Angeles – conhecida nos 
EUA por LA - é a segunda cidade mais 
populosa dos EUA, com perto de 3.800.000 
habitantes, dados do Censo de 2012. 
A sua área metropolitana comporta perto 
de 17,7 milhões de habitantes.

Los Angeles é considerada a terceira 
cidade norte-americana na especulação 
financeira, logo seguida de Nova Iorque 
e Chicago, bem como uma urbe mundial 
onde se centram comércio internacional, meios 
de comunicação social, indústria do 
entretimento, produções cinematográficas, 
musicais e televisivas.

Afirma-se, actualmente, como o maior centro industrial norte-americano, principal na tecnologia de ponta, a indústria aeroespacial, e ainda aprodução de roupas, móveis,computadores, softwares, borracha e pneus, bem como produtos químicos, electrónicos,  vidro e cerâmica, ferro e aço, brinquedos e a pesca.


Hotel Sunset Boulevard

2 - A realidade.

 A LA da ilusão, com as luxuosas limusinas, os néons, o desfiles de *bonecas e bonecos* articulados que chamam estrelas de cinema, surgem as milhares de pessoas que medigam, não têm lugar para dormir, nem assistência médica

Em LA, e de acordo com números estatísticos oficiais, mais de 500 mil cidadãos norte-americanos (desconhece-se a quantidade de imigrantes ilegais nas mesmas situações e são milhões, não só na cidade, mas na Califórnia) vivem, não na pobreza, mas em extrema pobreza.

Pelo meio dos guindastes da construcção de grandes prédios e vivendas para a grande e média burguesias de Los Angeles, o recenseamento municipal dos sem-abrigo (Autoridade de Serviços a Moradores da Rua) registou que existem 50 mil pessoas a viverem pelas avenidas na conhecida Sunset Boulevard dos filmes e outras diversões, em cidades-tendas do sul da cidade.

Porque é que isto sucede?

mãe solteira nas ruas de LA

Deve-se à degradação do nível de vida em todos Estados Unidos da América, que se dizem campeões dos direitos do homem.

E, em particular em Los Angeles.

Em Junho deste ano, o departamento de estatísticas daquela cidade registou um número elevado de pedidos de subsídios de desemprego – 281.000. O que significou um aumento de 3,7% face ao mês anterior. As previsões adiantavam uma subida de apenas 0,7%.

Os números oficiais aponta um decréscimo do desemprego de cerca de 10% este ano, face ao mesmo período do ano anterior, mas os resultados reais sobrepõem-se ao arranjo estatístico.

A situação dos sem-abrigo em Los Angeles não é pior do que em Nova Iorque, embora nesta última o seu número seja superior. As autoridades nova-iorquinas, todavia, fazem o possível para os retirar do meio da rua, para não dar muito nas vistas. E assim criam casas de recolhimento à noite para os *mendigos*, evitando a propaganda inconveniente de os ver morrer de frio.

sem- abrigos de LA em tendas

3 – A razão deste estado de coisas em Los Angeles prende-se com a gestão da economia dos EUA, ou seja o próprio sistema capitalista vigente.

O que sucedeu nas ultimas décadas na região de Los Angeles foi a destruição de um número elevado de emprego, tanto no sector público, como privado, com relevância para o desaparecimento, por exemplo da indústria automobilística, a partir dos anos 90 do século passado.

Embora tivesse acorrido nesse período à região de LA a indústria aeroespacial, tal facto não representou um acréscimo maior para o emprego que se perdeu.

Realmente, assistiu-se a um incremento da pobreza, no meio de uma aparente e superficial ilusão de boa vida, com a indústria de lazer.
Igualmente se registou uma diminuição do salário real e a existência de empregos temporários. Atingiu além da classes proletárias, também a pequena burguesia trabalhadora.

Os apoios estatais diminuiriam nos direitos à educação e à saúde.

Por detrás dos filmes de Hollywwod, onde estes personagens,praticamente, não entram, mas casas e moradias da lumpen grande burguesia local, como os magnates judeus do cinema, a paisagem real das ruas de Los Angeles está a ser percorrida por pessoas a procurar comida nos contentores.

Eis, a imagem da América profunda.


tabancadeganture.blogspot.pt

NA ÍNDIA - VEJA AQUI NESTE VÍDEO A PACIÊNCIA, O TRABALHO, O ESMERO E A ARTE DE COMO SE CRIA UM MOSAICO ARTESANAL

Assim é criado um mosaico peça a peça de maneira artesanal








Os mosaicos são uma obra pictórica fabricada com pequenas peças, chamadas tesselas. de pedra, cerâmica, vidro ou outros materiais similares. Estas tem formas e cores variadas que são unidas entre si mediante gesso, ou outro aglomerante, para formar composições decorativas geométricas ou figurativas. Os antigos assírios e romanos, entre outros, já utilizavam esta técnica há mais de dois mil anos. Prova disso, são os belos vestígios que conseguiram chegar a nossos dias, que mostram a grandiosidade e a glória das épocas passadas.

No seguinte vídeo é possível ver como sãos feitos os mosaicos de forma artesanal, peça a peça, algo que no ocidente se perdeu quase por completo, onde a industrialização substituiu toda esta beleza intrincada criada pela mão humana.
No entanto, em países como a Índia, ainda seguem aplicando o antigo costume. Mas nem por isso devemos menosprezar o resultado, pois apesar de não ter a mesma precisão que as máquinas, estes artesãos conseguem criar umas composições dignas de louvor, que não têm nada que invejar às peças manufaturadas. E se você não acredita, basta pressionar o Play e se deliciar com o método.




VÍDEO


 http://www.mdig.com.br

CONHEÇA TODOS OS DEPUTADOS DO NOVO PARLAMENTO - AS FOTOS E NOMES


ATENÇÃO





CHEGADO(A) AO SITE NO CANTO SUPERIOR DIREITO TERÁ O + E O -  ONDE PODERÁ AUMENTAR OU DIMINUIR A IMAGEM ASSIM COMO PODERÁ ARRASTAR COM O RATO PARA A ESUQREDA E DIREITA DIREITA


CLIQUE ABAIXO NO LINK A AZUL PARA 
O ACESSO AO SITE


Conheça todos os deputados do novo Parlamento - JN

A TERMINOLOGIA FASCISTA DO MILHAZES



A TERMINOLOGIA FASCISTA DO MILHAZES


Caros amigos, já li talvez dezenas de análises sobre os resultados das eleições, mas não encontrei uma coisa fundamental na discussão: o que significa ser esquerda ou direita no mundo actual?


Por que é que a esquerda é boa e a direita é má, e vice-versa. O exemplo da Grécia ainda me deixou mais "grego". 

Segundo a ciência política clássica, o Syriza é um partido da extrema-esquerda, mas realiza uma política de direita. Mais, no norte da Europa, há países onde a direita governa bem mais à esquerda do que qualquer esquerda no sul da Europa. 

Não chegou a hora de repensar a terminologia política?


Por exemplo, honestidade é uma qualidade da direita ou da esquerda? E a competência? E a meritocracia, etc., etc.
José Milhazes

TURCOS ESTÃO CERCANDO E REPRIMIMNDO O POVO CURDO EM CIDADES DO CURDISTÃO - (3 VÍDEOS)

Vídeos - RECOLHER OBRIGATÓRIO (Curdistão / Turquia)






VÍDEOS



  

  


Estes são vídeos recentes de há 2 e 3 dias que mostram nitidamente o cerco militar do regime fascista turco está submetendo o povo curdo em muitas cidades do Curdistão na Turquia. As imagens falam por si.

LEGISLATIVAS 2015 - DEPUTADOS


 DEPUTADOS PELO ALGARVE

FARO

PàF
José Carlos Barros
Cristóvão Norte
Teresa Caeiro (CDS)

PS
José Apolinário
António Eusébio
Jamila Madeira
Luís Graça

BE
João Vasconcelos

CDU
Paulo Sá

ENTREGOU-SE O HOMEM QUE ESTAVA BARRICADO EM LAGOS E QUE BALEOU UM POLÍCIA - O HOMEM EXIGIA VER OS FILHOS - VEJA VÍDEOS, HOMEM FALOU AO TELEFONE COM CMTV


PSP detém barricado em Lagos 

Em conversa exclusiva com jornalista do CM, o homem que feriu um polícia e fez três reféns exigiu ver os filhos. 

Barricado em Lagos fala ao telefone com a CMTV A PSP deteve por volta das 18h00 o homem armado que se barricou esta segunda-feira de manhã, cerca das 9h15, em Lagos, no Algarve. 

Os reféns foram libertados. O homem "rendeu-se à polícia após oito horas de negociações com avanços e recuos, não tendo sido necessária a utilização da força". Em conferência de imprensa, o comandante distrital de Faro da PSP, Viola da Silva, explicou que o homem, que acabou por libertar os reféns quando se entregou, tinha em sua posse duas armas - uma pistola de calibre 765 milímetros e uma caçadeira de canos serrados -, bem como várias munições, nomeadamente 29 cartuchos e 24 munições, e um punhal de mato. 

Um polícia ficou ferido O suspeito estava armado com uma caçadeira dentro das instalações da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens. Um polícia ficou ferido e três pessoas foram feitas reféns. O polícia foi levado para hospital com ferimentos ligeiros na cabeça. 

O Grupo de Operações Especiais da PSP esteve no local. Homem barricado em Lagos

À CMTV, a subcomissária Maria do Céu, explicou que depois de receberem o alerta, dois agentes dirigiram-se de imediato ao local. O agente da PSP de Lagos que ia à frente foi atingido na cabeça. "Já temos a informação de quem é o indivíduo que se encontra lá dentro", disse a oficial acerca do agressor. As instalações da CPCJ de Lagos situam-se numa zona habitacional, perto da Escola Júlio Dantas.


VÍDEOS


video



video





http://www.cmjornal.xl.pt

SCHAUBLE ESTÁ CONTENTE ! Schauble diz que resultado eleitoral encoraja reformas (VEJA VÍDEO)







VÍDEO



video

Pessoas que morreram para que você possa votar hoje


http://www.vortexmag.net/

Durante mais de 30 anos António de Oliveira Salazar governou Portugal com punho de ferro. Através de um regime nacionalista, autoritário e repressivo despolitizou-se, desmobilizou a participação cívica dos portugueses e criou uma única e determinada imagem do país.
Pretensamente sem conflitos, problemas, miséria e dificuldades, segundo a norma de «o que se parece é». Mas os homens e mulheres de então tinham fome, viviam amordaçados pelo lápis azul dos censores, controlados por escutas telefónicas ou violação do seu correio, intimidados pelos informadores que colaboravam com o regime.
Atormentados pelas torturas da estátua ou do sono perpetrados pela PIDE. Julgados por tribunais fantoches onde a liberdade ficava à porta e onde os próprios advogados passavam a réus. Se a sua atitude fosse considerada suspeita eram saneados, impedidos de exercer a função pública, exilados ou deportados para campos de concentração, ou simplesmente assassinados.
Estes homens e mulheres têm um rosto, sofreram a repressão, enfrentaram-na de forma corajosa e muitos morreram de forma heróica a combatê-la.
Foram 32 os prisioneiros políticos que morreram no Tarrafal; os seus corpos só depois do 25 de Abril puderam voltar à pátria:
Francisco José Pereira
Marinheiro, nasceu em Lisboa em 1909. Em Setembro de 1936, é preso em sequência da sua participação na Revolta dos Marinheiros. É enviado para o Tarrafal no dia 17 de Outubro do mesmo ano. Morre em 20 de Setembro de 1937.
Pedro de Matos Filipe 
Nasceu em Almada em 19 de Junho de 1905 e era descarregador. No dia 30 de Janeiro de 1934 é preso, sendo enviado para o Tarrafal no dia 23 de Outubro de 1936. Morreu no dia 20 de Setembro do ano seguinte.
Francisco Domingues Quintas 
Industrial, nasceu em Grijó, no Porto, em Abril de 1889. Preso no dia 28 de Agosto de 1936, é enviado no dia 17 de Outubro para o Tarrafal, onde morre no dia 22 de Setembro de 1937.
Rafael Tobias Pinto da Silva 
Nascido em 1911 em Lisboa, este relojoeiro é preso em 7 de Novembro de 1935. Enviado para o Tarrafal a 17 de Outubro de 1936, depois de ter sido absolvido pelo Tribunal Militar Especial, morre no dia 22 de Setembro do ano seguinte.
Augusto Costa
Operário vidreiro nascido em Leiria, é preso no dia 1 de Fevereiro de 1934, na sequência do levantamento do 18 de Janeiro. Em 23 de Outubro de 1936, é enviado para o Tarrafal, onde viria a falecer menos de um ano antes, a 22 de Setembro de 1937.
Cândido Alves Barja
Marinheiro, nascido em Castro Verde em Abril de 1910, é preso na revolta dos marinheiros. Enviado para o Tarrafal em finais de Outubro de 1936, morre no campo a 29 de Setembro de 1937.
Abílio Augusto Belchior
Marmorista nascido em 1897, é preso em Janeiro de 1932. Enviado para o Tarrafal no dia 23 de Outubro de 1936, acabou por morrer a 29 de Outubro do ano seguinte.
Francisco do Nascimento Esteves
Nascido em Lisboa em 1914, torneiro mecânico, foi preso em Maio de 1937. Passado um mês, é enviado para o Tarrafal, onde acabou por falecer, pouco mais de seis meses depois, a 21 de Janeiro de 1938.
Arnaldo Simões Januário
Barbeiro nascido em Coimbra em 1897, é preso no início de 1934. A 23 de Outubro de 1936, é enviado para o Tarrafal, onde morreu em Março de 1938.
Alfredo Caldeira
Nascido em Lisboa, em 1908, era pintor decorador. Preso em Outubro de 1933, é enviado, dois anos depois, para o Tarrafal. No primeiro dia de Dezembro de 1938, morre.
Fernando Alcobia
Vendedor de jornais nascido em Lisboa, é preso em Dezembro de 1935. Enviado para o Tarrafal a 29 de Outubro de 1936, faleceu em Dezembro de 1939. Tinha 24 anos.
Jaime da Fonseca e Sousa
Impressor na Casa da Moeda nascido em Tondela em 1902, foi enviado para o Tarrafal a 29 de Outubro de 1936. Morre em Julho de 1940.
Albino António de Oliveira Coelho 
Nasceu em 1897 e era motorista. Enviado para o Tarrafal em Novembro de 1937, faleceu em Agosto de 1940.
Mário dos Santos Castelhano
Empregado de escritório, nasceu em Lisboa em Maio de 1896. Preso em Janeiro de 1934, vai para o Tarrafal em Outubro de 1936. Morreu quatro anos depois.
Jacinto de Melo Faria Vilaça
Marinheiro nascido em Maio de 1914, foi preso em sequência da revolta dos marinheiros. Em Outubro de 1936, é enviado para o Tarrafal, onde morreu em Janeiro de 1941.
Casimiro Júlio Ferreira
Nasceu em Lisboa a 4 de Fevereiro de 1909. Funileiro de profissão, foi preso em Janeiro de 1934. Enviado para o Tarrafal em 29 de Outubro de 1936, morre em Setembro de 1941.
Albino António de Oliveira de Carvalho 
Nasceu em 1884, na Póvoa do Lanhoso. Comerciante, é preso em 1937 e enviado para o Tarrafal em Junho de 1939. Faleceu a 22 de Outubro de 1941.
António Guedes de Oliveira e Silva 
Motorista, nasceu em Vila Nova de Gaia a 1 de Maio de 1901. Em Novembro de 1937 foi preso, tendo sido desterrado para o Tarrafal dois anos depois, em Abril de 1939. Morreu em Novembro de 1941.
Ernesto José Ribeiro
Nasceu em Março de 1911, em Lisboa. Padeiro ou servente de pedreiro, é preso em Janeiro de 1934. a 23 de Outubro de 1936 é mandado para o Tarrafal. Morreria em Dezembro de 1941.
João Lopes Dinis
Canteiro nascido em Sintra, em 1904, é preso em Dezembro de 1934. Em Outubro de 1936 é enviado para o Tarrafal, onde viria a falecer a 12 de Dezembro de 1941.
Henrique Vale Domingues Fernandes
Nascido em Agosto de 1913, este marinheiro foi preso em Setembro de 1936. Dois meses depois rumava ao Tarrafal de onde não sairia com vida. Morreu no dia 7 de Janeiro de 1942.
Bento António Gonçalves
Nascido em Março de 1902 e natural de Santo André de Fiães do Rio, no concelho de Montalegre, era torneiro mecânico no Arsenal da Marinha. Em Novembro de 1935 é preso e onze meses mais tarde é enviado para o Tarrafal. Morreu a 11 de Setembro de 1942.
Damásio Martins Pereira
Operário, é enviado para o Tarrafal no dia 12 de Junho de 1937. Faleceu em Novembro de 1942.
António de Jesus Branco 
Descarregador nascido em Carregosa, no dia de Natal de 1906, é preso em Julho de 1936. A 29 de Outubro do mesmo ano é enviado para o Tarrafal. Morre em1942, três dias depois de ter completado 36 anos.
Paulo José Dias 
Nasceu em Lisboa no dia 24 de Janeiro de 1904. Fogueiro-marítimo de profissão, é preso no dia 7 de Julho de 1939. Enviado para o Tarrafal em junho de 1940, faleceu em Janeiro de 1943.
Joaquim Montes
Operário corticeiro nascido em Almada em 11 de Setembro de 1912, é preso a 30 de Janeiro de 1934. Enviado para o Tarrafal em Outubro de 1936, acabaria por morrer em Fevereiro de 1943.
Manuel Alves dos Reis
De Manuel Alves dos Reis pouco se sabe. Apenas que faleceu em 11 de Junho de 1943 no Campo de Concentração do Tarrafal.
Francisco Nascimento Gomes
Condutor, nascido em Vila Nova de Foz Côa a 28 de Agosto de 1909, foi preso em Outubro de 1937. Em Abril de 1939, é enviado para o Tarrafal onde acabou por falecer em Novembro de 1943.
Edmundo Gonçalves
Nascido, em Fevereiro de 1900, em Lisboa, foi preso em Dezembro de 1936. Enviado para o Tarrafal em Junho de 1937, morreu sete anos depois, em junho de 1944.
Manuel Augusto da Costa
Pedreiro da Amora, chega ao Tarrafal a 29 de Outubro de 1936. Faleceu a 3 de Junho de 1945, pouco menos de um mês depois da derrota no nazifascismo na Europa.
Joaquim Marreiros
Marinheiro nascido em Lagos em 1910, é preso em Setembro de 1936, na sequência da Revolta dos Marinheiros. Estava no grupo de 150 presos que «inaugurou» o Campo do Tarrafal, em Outubro de 29 de Outubro de 1936. Morreu em 1948.
António Guerra
Nascido na Marinha Grande, a 23 de Junho de 1913, este empregado do comércio foi enviado para o Tarrafal a 29 de Outubro de 1936. Lá faleceu, no final de 1948. Foi a última vítima do «Campo da Morte Lenta».