AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 4 de outubro de 2015

quase a chorar


FOI O BLOCO DE ESQUERDA QUEM MAIS CAPITALIZOU O DESCONTENTAMENTO DOS PORTUGUESES COM A COLIGAÇÃO DE DIREITA


DESTAQUE UM GRANDE ABRAÇO FRATERNO E SOLIDÁRIO A UM GRANDE AMIGO (EMBORA VIRTUAL) E CAMARADA JOSÉ GONÇALVES CRAVINHO

DESTAQUE
UM GRANDE ABRAÇO FRATERNO E SOLIDÁRIO A UM GRANDE AMIGO (EMBORA VIRTUAL) E CAMARADA JOSÉ GONÇALVES CRAVINHO, ALGARVIO DE GEMA, INFELIZMENTE EMIGRADO HÁ MUITO NA HOLANDA E QUE ME SURPREENDE NA SUA LUCIDEZ E COMBATIVIDADE APESAR DOS SEUS 91 ANOS.
SEGUIDOR DO MEU BLOG E UM ÁVIDO COMENTADOR DÁ-ME FORÇAS PARA CONTINUAR A ESCREVER.
HOMEM DE GRANDE FIRMEZA E INTELIGÊNCIA SOFRE MUITO A SUA AUSÊNCIA DE PORTUGAL MAS AS SUAS PALAVRAS SÃO ARMAS QUE MUITO ADMIRO, ESTIMO E PREZO.
UM GRANDE ABRAÇO JOSÉ !

AS MINHAS CONSIDERAÇÕES FACEBOOKIANAS SOBRE O ACTO ELEITORAL
















Coligação PSD/CDS vence eleições, Bloco ultrapassa CDU



A coligação Portugal à Frente é a vencedora das eleições legislativas, com 36,4% a 40,2% dos votos, segundo a sondagem à boca das urnas realizada pela Eurosondagem para a SIC. Mas PSD e CDS terão no máximo 108 deputados, aquém da maioria absoluta O PS terá entre 29,5% e 33,1%. O Bloco de Esquerda é terceira força política mais votada.


PartidoVotosMandatos
PaF36,4% - 40,2%100 - 108
PS29,5% - 33,1%84 - 90
BE8,1% - 10,5%16 - 19
CDU6,8% - 9,0%15 - 18
Outros-0 - 2
Ficha Técnica
Estudo efetuado pela Eurosondagem, S.A. no dia 4 de outubro de 2015, tendo como Universo a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e que participou no ato eleitoral para Deputados à Assembleia da República.
Entrevistas diretas e pessoais, realizadas por entrevistadores selecionados, credenciados pela Comissão Nacional de Eleições e supervisionados, entre as 08 horas e as 18 horas, em cinquenta locais de voto de outras tantas Freguesias, selecionadas para este efeito. As entrevistas, que tiveram lugar após os inquiridos terem votado e fora do local de voto conforme estabelece a lei nº 10/2000 de 21 junho, consistiram na entrega de um boletim de voto idêntico ao oficial, e na sua recolha, após preenchido, em urna fechada.
Foram recolhidos 46.626 boletins de voto validados, que constituem a amostra.
O erro máximo da Amostra é de 0,45%, para um grau de probabilidade de 95,0%.
Um exemplar deste Estudo está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
Lisboa, 4 de outubro de 2015
O Responsável Técnico da Eurosondagem: Rui Oliveira Costa

Conhece a palavra portuguesa que não tem tradução em mais nenhuma língua?























Diz a lenda que o termo foi cunhado na época dos Descobrimentos portugueses e do Brasil colónia, quando esteve muito presente para definir a solidão dos portugueses numa terra estranha, longe de entes queridos. Define, pois, a melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou ações.

Uma visão mais especifista aponta que o termo saudade advém de solitude e saudar, onde quem sofre é o que fica a esperar o retorno de quem partiu, e não o indivíduo que se foi, o qual nutriria nostalgia. A gênese do vocábulo está directamente ligada à tradição marítima lusitana.

Existe o mito de que a palavra 'saudade' só existe na língua portuguesa e como tal não pode ser traduzida correctamente. De fato, o sentimento de saudade não tem significação específica em outras línguas.

A empresa britânica Today Translations promoveu uma listagem das palavras mais difíceis de traduzir adequadamente, onde "Saudade" granjeou o sétimo lugar.

A palavra que mais se assemelha é "Hiraeth" do galês e é a única com uma conotação textualmente semelhante.

A expressão "matar a saudade" (ou "matar saudades") é usada para designar o desaparecimento (mesmo temporário) desse sentimento. É possível "matar a saudade" relembrando, vendo fotos ou vídeos antigos, conversando sobre o assunto, reencontrando a pessoa que estava longe etc. "Mandar saudades", por exemplo no sul de Portugal, significa o mesmo que mandar cumprimentos.

A saudade pode gerar sentimento de angústia, insatisfação, nostalgia e tristeza, e quando "matamos a saudade" geralmente sentimos alegria.

Em Portugal, o Fado, oriundo do latim "fatum", destino, está directamente associado com este sentimento. Do mesmo modo, a sodade cabo-verdiana está intimamente ligada ao género musical da morna. No Brasil, esse sentimento está muito retratado no samba de fossa e na bossa nova.





http://www.ruralea.com/

7 incríveis factos sobre o Coliseu Romano que você precisa conhecer.

Capa
O Coliseu Romano, era na antiguidade, uma das maiores obras de engenharia. Triunfo da excepcional capacidade inventiva e arquitetônica dos romanos. Podia ser visto a centenas de quilômetros e se erguia como um verdadeiro colosso, chamando atenção para o poderio da cidade de Roma. E para os condenados, que ali chegavam simbolizava o começo do fim.
Localizado próximo ao Fórum Romano, o Coliseu é na realidade um gigantesco anfiteatro, comissionado pelo imperador Vespasiano por volta do ano 70 DC, que pertencia à dinastia Flávia. A poderosa e megalítica estrutura foi criada como um presente ao povo romano, que em épocas passadas haviam sofrido perdas e reveses indescritíveis nas mãos de Nero. Daí o fato do Coliseu ser chamado oficialmente de Anfiteatro Flávio. Sua construção foi impressionante e originou métodos novos e cálculos matemáticos extremamente avançados até para a época, bem como estudos de solo que ainda hoje impressionam pela acurácia. Foi inaugurado cerca de 9 anos depois, com os famosos 100 dias de jogos, que envolviam combates entre gladiadores e feras selvagens.
Caiu em desuso naturalmente após 4 séculos. A magnífica arena resistiu a inúmeros terremotos ao longo das eras, mas parte de sua estrutura foi perdida, assim como parte dos seus materiais, inclusive o maravilhoso mármore travertino, foi usado como fonte para outras obras consideradas mais importantes.
Alguns fatos históricos chamam muita atenção na vida deste gigantesco ícone da Roma Antiga:


“Enquanto o Coliseu se mantiver de pé, Roma 


permanecerá. Quando o Coliseu ruir, Roma ruirá. E 


quando Roma ruir, todo o mundo ruirá!” – Bede, o 


venerável.


1. O local onde hoje se encontra o Coliseu, era um vale e originalmente ficava a cerca de 15 metros abaixo do nível atual.

O sítio original onde o Coliseu foi criado, chamado vale do Coliseu, era na realidade uma região completamente inóspita, cercada por morros dentre eles o Palatino, o Celio, o Velia, que desapareceu e outros. Nos tempos anteriores à sua construção, o nível do chão se encontrava a impressionantes 15 metros abaixo. Chuva e água enchiam estas depressões e formavam neste vale, dependendo da estação do ano, um grande lago ou um pântano completamente inabitável. Estas águas por épocas inundavam tudo ao redor e se espalhavam pela cidade. Seu volume imenso era drenado naturalmente para o rio Tibre.
Tempos mais tarde, a área ganhou popularidade. Mais uma vez o espírito empreendedor romano veio à tona. Drenagens foram realizada e a construção de gigantescas residências foi iniciada. Por volta de 64 DC, com o impiedoso incêndio que tomou conta de Roma, o imperador Nero, usou esta área para uma de suas mais extravagantes obras, a criação da Domus Aurea, aquela que seria sua residência, seu palácio. Muitos cidadãos romanos, pobres, ricos, senadores e influentes foram impiedosamente desapropriados para a construção. Conta-se que a Domus Aurea continha tantos prédios e construções, que nem Nero conseguiu em vida conhecê-los todos.
A extravagante Domus Aurea
A extravagante Domus Aurea
Fonte: http://www.the-colosseum.net
Na depressão do vale, onde se formava o lago com as chuvas, Nero fez construir um lago artificial, extravagante e ornado com um pórtico e colunas. O antigo lago se tornou um gigantesco parque particular, cercado de mansões luxuosas, animais, fontes belíssimas e extravagâncias de toda sorte.
Com a morte de Nero, Roma entrou em colapso político, fome e revolta. Algo precisava ser feito. Vespasiano, num ato de coragem e manobra política impressionante, ganhou a simpatia dos romanos devolvendo à cidade a área que a ela pertencera outrora. Desta forma por cima do suntuoso palácio de Nero, iniciou a construção do Anfiteatro que levaria o nome de sua dinastia – Anfiteatro Flávio. É importante saber, que a obra-prima que é o Coliseu, não existiria caso algum visionário romano não houvesse visto um futuro naquela região tão infeliz e inóspita que era o vale do coliseu.

2. O nome Coliseu tem relação com o Imperador Nero.

 Lawrence Alma-Tadema (1877).
Esculpindo o Colosso de Nero.
Lawrence Alma-Tadema (1877).
http://clicks.robertgenn.com/off-game.php
Segundo as fontes da época, no monte Velia, hoje inexistente, que ficava entre o monte Esquilino e o monte Palatino, numa área ocupada pelo templo de Vênus e Roma ficava o suntuoso vestíbulo para a entrada do palácio de Nero.  Nesta entrada de seu suntuoso complexo, ou vestíbulo, Nero erigiu uma gigantesca estátua  de si próprio de bronze, que era metal importantíssimo na época, de cerca de 37 metros de altura, o famoso Colosso de Nero – Colossus Neronis. Nome que originaria futuramente o nome Coliseu. Uma ironia política, uma vez que o Coliseu haveria de ser criado para que se esquecesse a memória do tirano Nero. E esta estátua, segundo fontes históricas dão a entender, permaneceu nas proximidades do Coliseu por muito tempo, tendo seu rosto alterado diversas vezes para homenagear outros nomes além do tirano Nero.
A gigantesca monstruosidade foi criada nos moldes do famoso Colosso de Rhodes.

3. Foi necessária a criação de uma via especial para sua construção.

O Coliseu e seu interior.
O Coliseu e seu interior.
Os números da espetacular obra de engenharia conhecida como Colloseo falam por si só. O Anfiteatro tem nada menos que 188 metros em seu maior eixo por 155 metros em seu menor. As paredes do anel externo se erguem a mais  de 52 metros acima do solo. Mais de 100.000 metros cúbicos de mármore travertino foram utilizados na sua construção, sendo 45000 apenas na área externa.
Contam dados antigos que a quantidade de trabalhadores era tão grande que não era possível que ficassem todos dentro do espaço de construção ao mesmo tempo. Tal fato obrigou a criação de uma estrada gigantesca com cerca de 6 metros de largura e mais de 20 quilômetros, para permitir que todos se locomovessem e os materiais fossem trazidos ao local de construção. Os blocos de mármore ficavam presos um a um por presilhas de ferro e se estima que foram usados mais de 300 toneladas de ferro.
Você pode saber mais sobre o Coliseu em um roteiro por Roma de 4 dias aqui neste post.

4. A aparência final do Coliseu Romano, é pouco lembrada hoje em dia.

Quando se pensa em Coliseu, a lembrança é das ruínas de uma icônica obra de arquitetura, em meio a uma praça por onde circulam milhões de turistas diariamente, como a mostrada abaixo. Porém, deve-se lembrar que o Coliseu foi construído no mais fino material da época, o mesmo que foi usado em inúmeras estátuas famosas pela cidade de Roma, e anos mais tarde, utilizado em outras edificações como igrejas e Basílicas, que foi o mármore travertino. Desta forma, deve-se ter em mente que além de ser uma obra de grande porte, o Anfiteatro Flávio era igualmente uma obra de enorme e grandiosa beleza.
Coliseu Hoje Roma - Itália
Coliseu Hoje
Roma – Itália Crédito: R.A. Stacciolli – Inside Imperial Rome
Esta é a imagem icônica em nossa mente. Uma poderosa obra de engenharia e deleite para turistas do mundo inteiro.
O Coliseu na antiguidade. Roma - Itália
O Coliseu na antiguidade.
Roma – Itália Crédito: R.A. Stacciolli – Inside Imperial Rome
Esta é a visão que se tinha do magnífico Coliseu à época de sua construção e de seu apogeu. As duas imagens se sobrepõem, nos dando uma ideia da grandiosidade da construção. Dados técnicos da época mostram que o Coliseu permitia a entrada fácil de mais de 50 mil espectadores, divididos por áreas específicas, conforme seu bilhete de entrada, por suas mais de 80 entradas em forma de arco. Obra nenhuma na atualidade é capaz de igualar tal feito. Os corredores foram projetados para que a multidão se locomovesse de forma rápida e disciplinada.

5. Na Roma moderna, um dos montes que formam a cidade foi completamente destruído em favor do Coliseu.

Monte Velio destruído
A destruição da região do Monte Velia para a construção da via dei Imperio, por Mussolini. Fonte: http://www.the-colosseum.net/architecture/velia.htm
Roma é classicamente descrita como a cidade dos sete morros. Na antiguidade, ela foi erigida por sobre morros de diferentes tamanhos, cujos nomes ainda perduram até hoje. Um dos primeiros documentos que lista estes montes, data da época de Constantino, que cita os seguintes nomes: Celio, Aventino, Palatino, Capitolio, Esquilino, Quirinale e Viminale. Em escritos anteriores, uma região, conhecida como Velia ou monte Velio, que é um prolongamento do Palatino em direção ao monte Esquilino é também reconhecida.
É difícil acreditar, entretanto, que com o decorrer das eras um destes montes foi literalmente destruído para dar origem a uma imensa avenida, que passou a cortar um dos maiores tesouros da humanidade, o Fórum Imperial Romano em direção ao Coliseu.
Isto aconteceu por volta de 1930, por ordem de Benito Mussolini. O monte Velio sempre foi, na Roma antiga aquele que dava um aspecto de Sagrado ao local. Em sua região foram erigidos templos importantes e relacionados com as vitórias do povo romano, como por exemplo o templo de Júpiter. Ele foi literalmente riscado de sua existência, tendo sido aplanado até seu completo desaparecimento, de forma que hoje mal se tem lembrança de que houvera um morro ali.
Tal fato não é novo na história Romana. Para a construção do Mercado de Trajano, Apolodoro de Damasco, o inigualável arquiteto que acompanhava Trajano em suas campanhas, escavou e destruiu parte do monte Quirinale, fazendo sua obra gigantesca dentro das região escavada do monte.
A foto acima, reflete o início da obra pelos anos 30, demonstrando parte do morro já sendo destruída. Na foto abaixo, a construção final com as tropas de Mussolini andando por ela com o Coliseu ao fundo.
Parada fascista nos anos 30 na Via dei Fori Imperiali.
Parada fascista nos anos 30 na Via dei Fori Imperiali. Fonte: Wikipedia
Via dei Foro Imperiali
Fotos da construção da via dei foro Imperiali.
Fonte: http://www.mmdtkw.org/RenRom0112-ColnacceViaForiImperiali-c.jpg

6. Os Romanos criaram uma forma extremamente engenhosa de reduzir o calor e da chuva dentro do anfiteatro.


O sistema de velas - Velarium do Coliseu.
O sistema de velas – Velarium do Coliseu. Fonte: www.rome4all.com
A temperatura dentro do anfiteatro poderia chegar a extremos nos meses quentes do ano, de forma que o risco de morte ou asfixia ou mesmo hipertermia poderia ser muito acentuado. Durante as épocas chuvosas o espetáculo não poderia continuar. Desta forma alguma medida deveria ser tomada para proteger os espectadores e para que o Coliseu não parasse.
Foi criado o engenhoso Velarium, que como o próprio nome sugere, vem de velas de navio. Um destacamento de navegadores foi trazido do Golfo de Napoles para operar o imenso mecanismo que fechava o Coliseu, deixando-o completamente coberto. Um sistema de polias era o responsável pela engenhosa estrutura que direcionava o vento para as pessoas que ali estavam, amenizando o calor. Na foto acima pode-se ver oVelarium fechado. na foto do item 4, também pode-se ter uma ideia do Velarium.

7. Durante muito tempo, o Coliseu foi envolto em mitos e não se sabia para que ele servia.

Uma panorâmica do coliseu romano.
Uma panorâmica do coliseu romano.
Na idade Média, mais precisamente por volta do século VII, as fontes históricas começaram a associar o termo Colysaeus ao Anfiteatro Flavio. Tal fato pode parecer estranho, uma vez que o coliseu hoje é mundialmente famoso e séculos e séculos de história já foram contadas e recontadas. Outrora, nos primórdios da Idade Média, o acesso à informação era muito seletivo e sua divulgação sofria censuras e distorções impressionantes.
Por estas épocas se começou  a falar o nome Coliseu, em referência ao Colossus Neronis, a qual permanecia nas proximidades. Isto passa a ideia de que a função primordial do monumental anfiteatro há muito havia sido perdida e havia sido substituída por uma aura de mistério e lendas. Os cidadãos pareciam haver esquecido para que aquela monumental obra fora construída.  Algumas fontes medievais, falam dele como o Templo do Sol, um lugar de adoração. Outros, como por exemplo o historiador cristão Tertuliano, descreve o lugar com grande indignação e pavor, citando-o como um templo dedicado à adoração de todos os demônios. É interessante perceber como a memoria transforma os fatos ao longo das eras.
Só muitos anos mais tarde, com os estudos dos primeiros humanistas como Poggio Bracciolini é que o Coliseu foi novamente associado ao Anfiteatro Flavio relacionado às fontes antigas.
À espera da Via Crucis no Coliseu, em Roma, com o Papa Francisco.
À espera da Via Crucis no Coliseu, em Roma, com o Papa Francisco. Fonte: www.sacbee.com
Interessante notar ainda é o fato de que após a mudança da liderança papal para oVaticano, o Coliseu passou paradoxalmente a ocupar mais espaço na mente da população, por ser uma obra gigantesca e afastada do centro da cidade e carregada de fatos históricos importantes. Se tornou tão importante e tão venerada que se tornou o símbolo da urbs Aeterna, o que mais uma vez distorceu seu significado, chegando a ser proclamado como o símbolo do TRIUNFO DO CRISTIANISMO sobre seus perseguidores. De fato, com o passar dos séculos o monumento ganhou cada vez mais associações com o cristianismo e com os martírios dos primeiros cristãos, que haviam sido enviados para a morte em sua arena. Esta ideia foi tornada oficial através de um decreto papa datado de 1675. Em 1720, uma das estações da Via Crucis foi estabelecida no Coliseu.
A famosa frase citada no início deste nosso artigo, retrata o espírito desta época e demonstra a veneração que se tinha ao Coliseu como elemento de vitória e triunfo.

viagemearquitetura.com.br

11 Factos históricos sobre a bomba atómica que talvez não saiba

Como referência e em termos de conhecimento uma bomba atómica (ou nuclear), é um dispositivo explosivo que deriva a sua força destrutiva das reacções nucleares, tanto de fissão ou de uma combinação de fissão e fusão.
Apenas duas armas nucleares foram utilizadas durante uma guerra quando os Estados Unidos bombardearam duas cidades japonesas no fim da Segunda Guerra Mundial. Em 6 de agosto de 1945, uma bomba de fissão de urânio cujo codinome era “Little Boy” foi detonada sobre a cidade japonesa de Hiroshima. Três dias depois, em 9 de agosto, um tipo de bomba de fissão de plutônio, de codinome “Fat Man”, explodiu sobre a cidade de Nagasaki, no Japão. Estes dois ataques resultaram na morte de cerca de 200 mil pessoas – a maioria civis – por causa dos graves ferimentos decorrentes das explosões e da radiação.
  1. Hiroshima e Nagasaki não são cidades radioactivas principalmente porque as bombas não tocaram no solo, foram detonadas no ar.
  2. Um homem japonês sobreviveu aos bombardeios atómicos tanto de Hiroshima como Nagasaki durante a Segunda Guerra Mundial. (Tsutomu Yamaguchi)
  3. Um sobrevivente do bombardeio atómico de Hiroshima foi a Boston em 1951 e venceu a Maratona. (Shigeki Tanaka)
  4. Kokura, no Japão, era o alvo original da bomba atómica que foi lançada em Nagasaki.
  5. Uma árvore Bonsai plantada em 1626 sobreviveu à bomba atómica de Hiroshima e reside agora num museu americano.
  6. Um mês após o bombardeio nuclear de Hiroshima, um tufão atingiu a cidade matando mais de 2.000 pessoas.
  7. 10% da eletricidade dos EUA é produzida a partir de bombas atómicas desmanteladas.
  8. Em 1962, os EUA explodiram uma bomba de hidrogênio no espaço que era 100 vezes mais poderosa do que a de Hiroshima.
  9. Testes de bombas atómicas foram uma grande atração turística em Las Vegas durante os anos 1950.
  10. Durante a Guerra Fria, os EUA consideraram seriamente deixar cair uma bomba atómica sobre a Lua para mostrar a sua superioridade militar. (Fonte)
  11. Rússia tem mais de 8.400 armas nucleares
Testes alucinantes feitos durante os anos da Guerra Fria

VÍDEO
Tags:  #Curiosidades#Factos#História#Humanos
portalinho.com

A PINTURA HIPER-REALISTA DE EDUARDO NARANJO


























 O PINTOR