AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 29 de agosto de 2015

VÍDEO - Um encontro incrível com um gigante, e raro, peixe deixa dois pescadores boquiabertos.

Um encontro incrível com um gigante, e raro, peixe deixa dois pescadores boquiabertos.

Enquanto pescava à  garoupa perto de Islamorada, Florida, o apresentador norte-americano Fisherman-TV Tyler Kapela e Capt. Jim Willcox pescaram um peixe-serra de 15 pés que decidiu comer não um mas ambas as iscas do pescador. 
Porque o peixe-serra é uma espécie protegida, a dupla fez uma libertação imediata no Boatside.


vídeo


video

Pescadores do Algarve indignados com Governo



A Cooperativa dos Armadores de Pesca do Barlavento (Barlapescas) não se conforma com a proibição de pesca da sardinha em Portimão.

A captura de sardinha em Portimão está interdita a partir do meio-dia, devido ao esgotamento da quota local anual de captura, de 700 toneladas.

Jorge Vairinhos, da Barlapescas, aponta o dedo em duas direções, nomeadamente Governo e Direção-Geral dos Recursos Naturais: “O senhor secretário de Estado por incompetência e o senhor diretor-geral não souberam gerir a quota nacional”.

“A pesca ficou hoje dividida por cartéis”, queixa-se. “Não é admissível que nós estejamos parados e os meus colegas de outro lado qualquer estejam a trabalhar”, argumenta Jorge Vairinhos.

Há quase uma semana foi interdita a pesca de sardinha nas zonas de Peniche e Nazaré. Uma portaria publicada em Diário da República prevê que os armadores e tripulantes recebam compensações financeiras pela interdição. No caso dos pescadores a compensação pode ir até 27 euros por dia.



JÁ NÃO HÁ “CHARLIES”


Aos simples do regimento balofo e hipócrita dos “je suis charlies”.
À “fruta” esquizofrénica duma esquerdite patibular e neo-democrática da ex-campanha (rapidinha, rapidinha) dos maravilhosos “je suis charlies”.
Aos fascistas psicóticos, chefes de governo do chamado mundo “livre” e ocidental, e também eles magníficos “je suis charlies”.
São aos milhares os seres humanos que diariamente chegam à Europa refugiados (não são emigrantes, seus montes de esterco) dos seus países em guerra, como se fossem gado. Morrem como tordos, assassinados por forças fascistas, ora em barcos que se ondeiam pelo Estige, ora amontoados em camionetas como carne em salmoura, com a única serventia para a produção do garum.
Nem um simples gentio desses tontos ex-charlies, nem um único desses psicopatas chefes da manifestação-espectáculo de Paris, dos mesmos charlies, do tipo merkel, hollande, junker, netanyahu, etc, etc, moveu um só músculo para se inquietar, sequer, com a sorte dos ex-seres humanos destroçados pela guerra patológica da ideologia de Bilderberg, que os EUA estão a levar a cabo nesta “invasão” europeia.
GA – Facebook

AS PRIMEIRAS VINTE FOTOS DA HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA


# 1. A primeira fotografia

Primeira fotografia do mundo feita cim uma câmera foi  em 1826 por Joseph Nicéphore Niépce. A fotografia foi tirada a partir das janelas do upstair  na região de Borgonha em França. Esta imagem foi captada através de um processo conhecido como heliografia, que utilizava um betume Judéia revestindo uma folha de vidro ou de meta

# 2. A primeira fotografia a cores


A primeira fotografia colorida foi feita pelo físico matemático, James Clerk Maxwell. A peça acima é considerada a primeira fotografia da cor durável e foi invejada por Maxwell  numa palestra em 1861. O inventor do SLR, Thomas Sutton, foi o homem que apertou o botão do obturador, mas Maxwell é creditado com o processo científico que a cor possível. Para aqueles que têm problemas para identificar a imagem, é um arco de três cores.

# 3. O Lançamento primeira fotografia Cape Canaveral

Fotógrafos da NASA tiraram a primeira fotografia de um lançamento de Cabo Canaveral em julho de 1950. O foguete sendo lançado era conhecido como o "pára-choques 2 ';era um foguete de dois andares com um míssil V-2 na base e um foguete WAC incorporado. A foto também mostra claramente outros fotógrafos alinhados e prontos para começar suas imagens do evento.

# 4. A primeira fotografia digital

A primeira fotografia digital foi tirada à volta de 1957 quase 20 anos antes do engenheiro da Kodak inventar a primeira câmera digital.A imagem retrata o filho de Russell Kirsch e tem uma resolução de 176 × 176 - uma fotografia  em quadrado digno de qualquer perfil de Instagram.

# 5. A primeira fotografia de uma pessoa

A primeira fotografia de um ser humano acima apareceu num instantâneo capturado por Louis Daguerre. A exposição durou cerca de sete minutos e tinha como objetivo capturar a Boulevard du Temple, uma rua em Paris, França. Podemos ver um homem cliente de um engraxador. Numa análise mais aprofundada do quadro encontraram-se  mais tarde algumas outras figuras - veja se descobre?

# 6. A fotografia do retrato Primeiro Auto

 Robert Cornelius configurou uma câmera e tirou o primeiro auto-retrato do mundo na parte de trás de um negócio na rua da castanha em City Center, Filadélfia. Cornelius sentou-se em frente da lente  pouco mais de um minuto, antes de deixar o assento e cobrir a lente. A fotografia agora icônica foi capturada há 185 anos em 1839.

# 7. A primeira fotografia Hoax

A primeira fotografia hoax foi tirada em 1840 por Hippolyte Bayard. Ambos Bayard e Louis Daguerre lutaram para reivindicar o título de "Pai da Fotografia." Bayard tinha supostamente desenvolvido o seu processo de fotografia antes de Daguerre Em um movimento rebelde, Bayard produziu esta fotografia de um homem afogado alegando que ele se matou por causa duma contenda.

# 8. A primeira fotografia aérea

A primeira fotografia aérea não foi feita pelo zangão, mas por balão de ar quente em 1860. Esta fotografia aérea mostra a cidade de Boston de 2.000 pés. O fotógrafo, James Wallace Preto, intitulou seu trabalho "Boston, como a Águia e o ganso selvagem See It".

# 9. A primeira fotografia Sun

A primeira fotografia do nosso Sol foi feita pelo francês Louis Fizeau físicos e Leon Foucault em 2 de abril de 1845. O instantâneo foi capturado usando o processo Daguerreótipo (não diga Bayard) e resultou após um 1/60 de um segundo. Se você observar a fotografia com cuidado, você pode detectar várias manchas solares.

# 10. A primeira fotografia espacial

A primeira fotografia do espaço foi feita pelo V-2 # 13 foguete, que foi lançado em outubro,  de 1946. A foto mostra a Terra em preto-e-branco a partir de uma altitude de 65 milhas. A câmera que capturou o tiro era uma câmera de 35mm que disparou um quadro a cada segundo e meio 

# 11. A primeira fotografia Notícias

Enquanto o nome do fotojornalista pode ter escapado, o seu trabalho não foi. Esta fotografia tirada em 1847 por meio do processo Daguerreótipo pensa-se ser a primeira fotografia para a notícia; ele descreve um homem ser preso na França.

# 12. A primeira fotografia Presidente

John Quincy Adams, o sexto presidente dos Estados Unidos, foi o primeiro presidente a ter a sua fotografia . O daguerreótipo foi tirado em 1843, um bom número de anos após Adams deixar o cargo em 1829. O primeiro a ter sua foto tirada  no escritório  era James Polk, o 11º Presidente, que foi fotografado em 1849.

# 13. A primeira fotografia relâmpago

Raio pode ser um assunto interessante para capturar e o primeiro fotógrafo para pegar um snapshot fez isso em 1882. Fotógrafo, William Jennings, usou as suas descobertas para mostrar que o raio era muito mais complicado do que se pensava - Observe o ramificado do relâmpago .

# 14. A Primeira Fatal fotografia Avião Bater

Fotografia  de desastre pode não ser o mais agradável dos indivíduos, mas podemos aprender com nossos erros do passado. Esta foto de 1908 mostra a morte do aviador Thomas Selfridge. O avião era um projeto experimental pela Associação Experimental Aérea, que fazia parte do Exército dos EUA. O avião também levava Orville Wright quando caiu; no entanto, ele sobreviveu.

# 15. A primeira fotografia da lua

A primeira fotografia da lua foi tirada por John W. Draper, em 26 de março de 1840. A fotografia foi um Daguerreótipo que Draper tirou do observatório no último andar na Universidade de Nova Iorque. A imagem posteriormente sofreu danos

# 16. A primeira fotografia da paisagem colorida

A primeira paisagem colorida para mostrar ao mundo em foi feita em 1877. O fotógrafo, Louis Ducos du Hauron, foi um pioneiro na fotografia a cores e foi o cérebro por trás do processo que criou essa foto. O tiro retrata sul da França e é apropriadamente intitulado "Paisagem do sul da França".

# 17. A primeira fotografia da Terra a partir da Lua

A Terra foi fotografada a partir da Lua em toda sua glória em 23 de agosto de 1966. A Lunar Orbiter viaja nas imediações da Lua e dispara o tiro que em seguida, foi recebido no Robledo De Chervil em Espanha.

# 18. A primeira fotografia Tornado

A natureza pode ser uma força destrutiva, e esta imagem de um Tornado foi feita em 1884. O fotógrafo foi capturado por um agricultor de Anderson County, Kansas. O fotógrafo amador, AA Adams, reuniu a sua câmera de caixa e tirou a fotografia a  14 milhas do ciclone.

# 19. A primeira fotografia de Marte

A primeira imagem do planeta Marte foi feita pelo Viking 1 logo  que pousou no planeta vermelho. A fotografia foi tirada em 20 de julho de 1976, conforme  noticiou a NASA  As imagens foram utilizadas para estudar a paisagem de Marte e a sua estrutura.

# 20. O primeiro presidente americano 3D fotografia do retrato

Especialistas em informática do Smithsonian e do Instituto USC para Tecnologias Criativas uniram-se para fazer  o primeiro Retrato presidencial 3D. O tiro de Barrack Obama utilizou uma matriz de LED 50 custom-built luz, oito câmeras sports ', e seis câmeras de grande angular. A fotografia era de 3D impresso e está disponível para visualização no Smithsonian.

www.rockingfundas.com

AS MULHERES VITORIANAS QUE NUNCA CORTAVAM O CABELO

Na era vitoriana, o cabelo de uma mulher ocidental era considerado uma parte importante da sua aparência, ao marcar o seu estatuto e sua feminilidade. Um importante ritual de passagem para uma adolescente durante este tempo era o momento em que ela começava a usar o cabelo para cima com coques, presos, semi-presos e com tranças rebuscadas. Antes disso elas somente usavam os cabelos soltos ou em trançinhas ou amarrados com laço de fita.

01
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 01
O cabelo de uma mulher era usado em espiral e enrolado em uma variedade de penteados elaborados, às vezes, enfeitados com jóias ou penas. Os penteados mudavam constantemente ao sabor das modas, mas o cabelo não era cortado a menos que fosse absolutamente necessário.

Como em muitas sociedades, a doutrina religiosa foi um fator no policiamento do cabelo das mulheres vitorianas, exigindo que ele fosse coberto com lenços e chapéus ou presos em coques, especialmente se a mulher fosse casada. Deixar toda a melena à mostra era comumente visto como indecente, até mesmo pecaminoso, como se a mulher estivesse pelada.

Para um observador da era vitoriana, fotografias de mulheres com longos cabelos soltos era o mesmo que as "revistinhas de sacanagem" dos nossos dias.

Na moda da sociedade vitoriana, entre as classes média e alta, o cabelo de uma senhora se tornou o ponto focal de interesse sexual, a principal expressão de sua feminilidade. Para as classes mais pobres, manter tranças longas com a falta de higiene da época era altamente impraticável. Muitas mulheres recorriam a vender seus cabelos e não constituía um problema se elas normalmente usassem cabelos curtos, mas eram consideradas feias e sem nenhum atrativo para os homens.

O cabelo de uma mulher tinha uma enorme significância, com rigorosos códigos sociais de conduta a respeito de como uma mulher deveria usar o cabelo ou cobri-lo em determinadas situações. Escritores e artistas da época focaram nas grandes melenas, com descrição elaboradas em suas novelas.

Acreditava-se que a personalidade de uma mulher poderia ser inferida a partir de seu cabelo. Mulheres de cabelos encaracolados eram consideradas mais doces e bem humoradas do que as mulheres com cabelos lisos. Cabelo longo e volumoso solto era associado com a sexualidade feminina, quanto maior o volume mais "boa de cama" era a mulher.

Talvez tenha sido por essa razão que as mulheres começaram a ser fotografadas de lado ou por trás, não para mostrar o derriere avantajado, conforme hoje em dia, senão para mostrar seus longos cabelos fluindo livremente por suas costas.

A obsessão com o cabelo das mulheres tornou-se quase um fetiche, que pode ser ilustrado pelo caso das Sete Irmãs Sutherland (duas últimas fotos), que se tornaram grandes estrelas da época e ganharam uma grande fortuna somente exibindo a cabeleira e fazendo dinheiro com publicidade e também vendendo produtos criados por seu pai, conforme contamos no artigo "A incrível história das sete irmãs Sutherland e suas fartas melenas".

Os cabelos longos caíram em desuso depois que as mulheres adotaram estilos de vida mais ativos, especialmente durante a I Guerra Mundial, quando elas foram empregadas em fábricas e outras formas de trabalho, onde cabelos fartos eram contraproducentes. As mulheres adotaram então penteados curtos e mais livres, com roupas mais soltas que não exigiam corsets rígidos, levando ao visual "melindrosa" dos anos vinte.
02
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 02
03
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 03
04
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 04
05
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 05
06
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 06
07
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 07
08
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 08
09
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 09
10
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 10
11
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 11
12
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 12
13
As mulheres vitorianas que nunca cortavam o cabelo 13


http://www.mdig.com.br

CONTINUA A PUBLICAÇÃO DAS ABÉCULAS QUE ESTÃO NO GOVERNO E DOS QUE QUEREM PARA LÁ IR SE CONTINUARES A NÃO TER JUÍZO. DEPOIS NÃO TE VENHAS QUEIXAR ! VEJA ESTA !

É UM FACTO











VÍDEO


video

Palestrante negro é barrado em portaria de hotel cinco estrelas que sedia seminário em São Paulo


Carl Hart, professor da Universidade de Columbia, foi barrado por seguranças do hotel que sedia seminário sobre Ciências Criminais; 'Olhem para o lado, vejam quantos negros estão aqui. Vocês deviam ter vergonha', disse durante apresentação
O psicólogo norte-americano Carl Hart, referência internacional em políticas de drogas. Imagem: Simon Fraser University / Flickr CC
O psicólogo norte-americano Carl Hart, referência internacional em políticas de drogas. Imagem: Simon Fraser University / Flickr CC
No Seminário Internacional do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, o palestrante Carl Hart, professor associado de psicologia e psiquiatria da Universidade de Columbia, foi barrado pela segurança do hotel cinco estrelas Tivoli Mofarrej, que sedia o evento. A organização do Instituto teve que se mobilizar para autorizar a sua entrada no hotel.
 
Carl Hart é negro e veio a São Paulo palestrar sobre a guerra às drogas e como ela é usada para marginalizar e excluir parte da população. Antes de se tornar um cientista respeitado, com três pós-doutorados, e um dos maiores nomes sobre o estudo de drogas, era usuário de crack. Ele decidiu tornar-se especialista nos efeitos do crack para entender como a droga tinha destruído sua comunidade. E virou um neurocientista, com seus dreads e os três dentes de ouro.
 

 
Ao começar sua fala, provocou as mais de mil pessoas que estavam no auditório: "Olhem para o lado, vejam quantos negros estão aqui. Vocês deviam ter vergonha". Não havia nenhum negro na plateia.
 
Para Sérgio Salomão Shecaira, Presidente da Organização do Seminário, o fato evidencia racismo: "é bom para mostrar como vivemos em um país racista".
 
Até o momento, o Justificando não encontrou alguém para falar pelo hotel.
 
 
Atualização: Por telefone, Samuel entrou em contato com o hotel e foi informada de que não haveria nenhum funcionário apto a se pronunciar sobre o caso até segunda-feira

operamundi.uol.com.br

Oferta do dia: um par de óculos


Bom, não são bem óculos mas também servem para ver melhor a coisa. E há muita gente necessitada. Aos senhores e às senhoras que defendem uma resposta musculada que afaste o problema da vaga de refugiados para bem longe porque "se aqui já não há para nós,  quanto mais também para eles" gostaria de os recordar apenas de uma coisinha. Nos últimos dois anos entraram no espaço europeu cerca de 500 mil refugiados. E 500 mil foi também o número aproximado de refugiados das ex-colónias que chegou a Portugal em 1975. Portugal, um rectangulozinho minúsculo situado num canto da imensidão europeia, mesmo saída de uma revolução, com todas as implicações organizacionais e orçamentais que o processo teve, com todos os aspectos vergonhosos que sempre estiveram presentes, também é verdade,foi capaz de garantir transporte em segurança e de acomodar esse meio milhão em apenas um ano e não em dois. A grande Europa, um espaço mais de 50 vezes maior e com um múltiplo ainda maior dos recursos que não tínhamos em 1975, reage como sempre reage quando há um problema, não reagindo. Enquanto as migalhas nos bastarem, sempre será muito mais fácil porem-nos à estalada pela nossa migalhinha, dar músculo às vozes que se levantam contra os imigrantes e guardar o que há – e sabemos que há sempre e muito – no mega celeiro da hiper-panificação para quando se descobrirem mais calotes dos nossos amigos banqueiros. Podia não ser assim.


opaisdoburro.blogspot.pt

Bebé perde consulta por atraso de minutos




Bebé perde consulta por atraso de minutos 

Médica recusa atendimento a bebé de nove meses.  

Um atraso de nove minutos levou uma médica do centro de saúde de Vila Franca de Xira a recusar, no dia 25 deste mês, o atendimento a um casal com uma filha de nove meses. O casal apresentou queixa no livro de reclamações. "Não é admissível que a médica não nos atendesse por um atraso de nove minutos, devido ao trânsito, e justificaram a recusa com normas internas", afirmou ao CM Patrícia Vicente, 30 anos, mãe de Ariana, de 9 meses. O marido, Francisco Vicente, 35 anos, recorda que o caso se repetiu com outro casal. "Se uma consulta demora meia hora e houve duas recusas, a médica esteve uma hora sem atender. Podia atender-nos no fim das marcações", afirmou Francisco Vicente. O atendimento destinava-se à bebé, que agora terá de esperar até dia 29 de setembro para nova consulta. Ao Correio da Manhã, o gabinete de comunicação da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo afirmou que a agenda da médica, no dia 25 de agosto, estava "totalmente preenchida". "Não sendo possível o reagendamento no próprio dia, foi efetuado o agendamento para a primeira vaga do Programa de Consulta Infantil", segundo a fonte. Acrescenta que os utentes devem "estar presentes 30 minutos antes da hora prevista".

http://www.cmjornal.xl.pt

Ateus Obrigam Escola Pública a Remover Imagem de Jesus Cristo



Mas, em vez disso como nós obrigamos a remoção do governo das escolas?

Um grupo ateu obrigou uma escola pública a remover um retrato de Jesus Cristo, alegando que era uma "flagrante violação da Primeira Emenda."

A Freedom From Religion Foundation disse que estavam satisfeitos pela administração escolar de Chanute, Kansas, por agir rapidamente para remover a pintura de Jesus que tinha pendurado no ensino médio da cidade desde pelo menos a década de 1950.

"Eu consultei os conselheiros jurídicos e ambos me disseram que para estar em conformidade com lei estadual e federal nós teríamos que removê-lo", disse o superintendente da escola pública Chanute, Richard Proffitt.

O grupo ateu teve como alvo a administração escolar depois da reclamação de um "membro da comunidade local".

"[Ele estava com] medo de falar sobre o assunto com eles, então [ele] veio até nós", disse Ryan Jayne, advogado da Freedom From Religion Foundation. "Em áreas que são predominantemente cristãs, a reação que os não-cristãos recebem quando eles se manifestam contra o endosso governamental da religião pode ser muito grave."

Mas Jesus era uma figura histórica, cuja crucificação e batismo tiveram consentimento quase universal pelos historiadores, e se os ateus estão argumentando que o mero retrato do homem histórico é um "endosso da religião", isso não significaria que a remoção desse retrato seja um ataque à expressão religiosa?

Quando a liberdade para expressão religiosa como defendida pela Primeira Emenda transformou-se em liberdade sem expressão religiosa?

E não há algo intrinsecamente errado ao obrigar os cristãos - ou qualquer um na verdade - a pagarem impostos para as escolas públicas que habitualmente suprimem suas crenças? Na verdade, os ateus podem fazer o mesmo argumento e eles fazem rotineiramente.

O fato é, cristãos e ateus estão constantemente lutando entre si pela influência sobre a educação pública, mas se fôssemos remover o governo de educação - uma separação de escola e Estado - não haveria um conflito em primeiro lugar.

"Quanto maior a esfera do público em oposição ao ensino privado, maior o alcance e a intensidade do conflito na vida social," escreveu o economista austríaco, Murray Rothbard. "Porque, se uma agência [governo] tomar a decisão: educação sexual ou não, tradicional ou progressista, integrado ou segregado, etc., então torna-se particularmente importante ganhar o controle do governo e impedir que os adversários tomem o poder para si."

"Por isso, na educação, bem como em todas as outras atividades, por mais que as decisões do governo substituam a tomada da decisão privada, os mais diversos grupos discutirão uns contra os outros em uma corrida desesperada para garantir que a única decisão em cada área vital siga seu próprio caminho".

Rothbard prossegue:

"Se a educação fosse estritamente privada, então cada grupo de pais poderia e iria patrocinar seu próprio tipo de escola. Uma série de diversas escolas surgiriam para encontrar a estrutura variada de demandas educacionais para pais e filhos. Algumas escolas seriam tradicionais, outras progressivas. As escolas oscilariam através da escala tradicional/progressista; algumas escolas iriam experimentar a educação igualitária e de menor grau, outras destacariam a aprendizagem rigorosa dos temas e classificação competitiva; algumas escolas seriam seculares, outras enfatizariam vários credos religiosos; algumas escolas seriam libertárias e destacariam as virtudes da livre iniciativa, outras iriam pregar vários tipos de socialismo."

Em outras palavras, um sistema de educação de mercado livre iria dar aos pais mais opções de mais escolaridade para seus filhos e provavelmente seria mais barato do que o atual sistema escolar financiado pelo contribuinte.


http://www.anovaordemmundial.com