AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 25 de agosto de 2015

12 coisas que você limpou errado sua vida inteira


Limpar a casa e alguns objetos, em específico, é sempre um tormento. Tem gente, por exemplo, que prorroga a tarefa até o último segundo possível e, quando vai cumprir a missão, acaba enfrentando uma situação ainda mais difícil, porque as coisas e a casa – com o tempo – acabam ficam sujas demais.
Mas, mesmo que a faxina sempre vá ser um momento desagradável na vida da maioria das pessoas, há formas de torná-la mais rápida e eficiente. Para isso, no entanto, é preciso limpar as coisas do jeito certo!
Veja, abaixo, uma lista com uma série de objetos que você passou a vida toda limpando do jeito errado e mais complicado:

1. Tábua de carne

1
Sabão, na verdade, não limpa tábuas de carne adequadamente, uma vez que sempre ficam restos de alimentos entre as fibras da madeira. A melhor forma de limpar esses objetos é usando a metade de um limão e um pouco de sal para esfregar sua superfície. Em seguida você pode usar o sabão normalmente.

2. Assadeiras de alumínio

2
Quem cozinha sabe que assadeiras são uma das coisas mais difíceis de ficarem completamente limpas depois de irem ao forno. Elas acabam com os restos dos alimentos grudados em sua superfície, especialmente se for algo gorduroso. Elas também queimam um pouco com o calor do forno, o que dificulta na hora de restaurar seu brilho. Mas tudo isso pode ser resolvido com um pouco de bicarbonato de sódio. Você só precisa esfregar a substância na forma, levemente diluída em água; e deixar a vasilha de molho por algumas horas. Depois é só esfregar de novo e enxaguar.

3. Chuveiro

3
Quando o chuveiro estiver entupido, não caia na besteira de tentar desencaixar sua peça inferior (dos furinhos) para limpá-la. Isso pode quebrar seu chuveiro ou, na hora de voltar a peça para o lugar, ela pode ficar mal encaixada e deixar água vazando para todos os lados quando você for tomar banho. O ideal quando é preciso limpar esse objeto é usar um pouco de vinagre branco em um saco plástico, no qual você vai envolver o chuveiro por cerca de uma hora. Depois é só usar um pano molhado para limpar sua superfície e pronto!

4. Colchões

SONY DSC
A pergunta é: você limpa seu colchão? A maioria das pessoas nunca pensou nisso, a gente sabe, mas é preciso fazer esse processo algumas vezes por ano em nome de sua saúde! A tarefa que pode parecer difícil, no entanto, pode ser facilitada se você usar um aspirador de pó, para começar os trabalhos. Depois que as migalhas e poeiras forem eliminadas, polvilhe um pouquinho de bicarbonato de sódio sobre ele, de forma a cobrir toda sua superfície. Deixe o colchão descansar com essa substância por algumas horas e, então, aspire de novo. Seu colchão estará limpo.

5. Ralador de queijo

5
Esse é sempre um problema na cozinha quando se precisa limpar. Isso porque os raladores acabam machucando as mãos ou mesmo desgastando as esponjas usadas na limpeza. Tudo isso faz com que esse objeto da cozinha não seja limpo adequadamente pela maioria das pessoas. Mas, o que nem todo mundo sabe, é que existe uma forma simples e eficiente de fazer essa limpeza, sem qualquer esforço: ralando uma batata. O vegetal, segundo que entende do assunto, conta com um tal de ácido oxálico, que ajuda a tirar os resíduos do ralador.

6. Cafeteiras elétricas

6
Para limpar a cafeteira elétrica, basta você usar o mecanismo que ela própria usa para fazer o café. No espaço para colocar água, coloque um pouco de água e um pouco de vinagre. Em seguida, ligue a máquina e espere. Quando o processo terminar, esvazia e cafeteira e repita o procedimento somente com água, para tirar os resíduos de vinagre. Se ficar com cheiro forte, é só usar a água mais algumas vezes.
7. Panelas de ferro fundido
7
Nada de água e sabão para essas belezinhas! Tudo que você precisa fazer para limpá-las é esfregar uma mistura grossa de sal e água em sua superfície, usando um papel toalha, para tirar os resíduos dos alimentos. Depois (e pode parecer estranho, mas é útil) que estiver completamente seca, aplique uma leve camada de óleo no interior da panela antes de guardá-la.

8. Pinturas

8
Quando as pessoas ouvem falar em limpeza de pinturas, normalmente ficam escandalizadas. Mas, na verdade, dá para fazer a limpeza desses quadros pintados à mão sem danificá-los. Você vai precisar apenas da metade de um pão macio, mas que não esfarele, tipo bagel, por exemplo. Então, tudo o que tem a fazer é passar, delicadamente, o alimento sobre a superfície empoeirada.

9. Liquidificador

9
Outro objeto da cozinha que as pessoas são mestres para limpar errado são os liquidificadores. Ao invés de machucar as mãos e danificar as esponjas de louça, que tal usar um jeito mais fácil e até mesmo mais preguiçoso para cumprir essa tarefa? Basta enxaguar o copo do liquidificador em água corrente (para tirar o excesso dos alimentos) e depois enchê-lo com água quente com um pouco de detergente. Use a função “pulsar” por duas ou três vezes (ou até que veja que ficou limpo e fez espumas). Depois é só enxaguar o sabão.

10. Escovas de dente

10
Assim como o colchão, as escovas de dentes não costumam ser limpas regularmente pela pessoas. Isso porque a maioria de nós tem na cabeça que durante os três meses de usa, antes de substitui-las, elas estão completamente boas para o uso diário. Não é bem assim… as escovas também precisa de limpeza, até porque estão sempre em contato direto com a sujeira de nossa boca. Bom, para deixar esse artigo de higiene pessoal limpinho, você precisa de um pouco de vinagre branco em uma xícara limpa. Então é só colocar a escova lá dentro e deixá-la de molho por algumas horas. Então, tire o excesso do vinagre.

11. Torradeiras

11
Para tirar as migalhas do interior, não tem jeito, precisa ser do modo tradicional mesmo: uma batidinhas ao contrário, de cabeça para baixo; ou tirando a gaveta de resíduos que algumas delas têm. Depois disso, é preciso limpar também a parte de fora desses objetos, especialmente quando elas são espelhadas. Ajuda bastante se você esfregar um pouco de creme tártaro, com a ajudar de uma esponja de louças. Depois é só usar um pano úmido para tirar o excesso e ela vai ficar brilhando!

12. Forno

12
Outra coisa que o bicarbonato de sódio pode mudar em sua vida é a forma de limpar o forno. Tem gente que quase morre de esfregar esse artigo da cozinha difícil de limpar, mas a verdade é que nada disso é necessário. Tudo que você precisa é de uma pasta de bicarbonado com água, deve ser espalhada pelo interior do forno e precisa ficar ali, agindo, durante uma noite inteira. Depois, use um pano molhado para limpar a parte de fora, também com a mistura de bicarbonato. Em seguida, borrife um pouco de vinagre no interior do forno e limpe com um pano molhado. Para secar, ligue o eletrodoméstico, em temperatura não muito alta, por 20 minutos.

www.fatosdesconhecidos.com.br

Recorde nas presidenciais? Já há 17 candidatos – e faltam os nomes à direita



Com Maria de Belém, são já 17 os candidatos presidenciais. A segunda volta é cada vez mais provável. E ainda faltam os da direita. Marcelo ficou surpreendido ontem, mas insiste: não há pressa.
Luís Filipe Catarino/Presidência da República
Com a confirmação da candidatura de Maria de Belém, a hipótese de uma segunda volta nas presidenciais ganha força. A socialista junta-se a um rol de 16 pré-candidatos que já oficializaram a sua vontade de concorrer, deixando antever que esta será uma das campanhas mais disputadas de sempre.
Mesmo admitindo as desistências que sempre acontecem pelo caminho – ora pela falta de apoio político, ora pela falta de cumprimentos dos requisitos para oficializar a candidatura -, há candidatos que parecem sólidos na intenção de ir a votos. Henrique NetoSampaio da NóvoaMaria de Belém ou Paulo Morais garantem já uma corrida… concorrida, muito perto do máximo de candidatos que disputaram uma primeira volta presidencial: seis (1980, 2006 e 2011). 
Mas nestas contas falta ainda o candidato à direita. Melhor dizendo, os candidatos à direita. E são muitos os que se perfilam. Marcelo Rebelo de Sousa é um deles: é “prematuro fazer cenários”, especialmente quando se desconhecem os resultados das legislativas, diz ao Observador. Mas sempre adianta que tanto Maria de Belém como Sampaio da Nóvoa poderão ter mais de 20% dos votos – o que reforça a tese de uma segunda volta obrigatória, face à dificuldade de alguém recolher mais de 50% dos votos à primeira. Marcelo admite até que, dependendo de quem avança pela direita, essa segunda volta, até pode ser decidida “só com candidatos de esquerda”.
Para levar a corrida a uma nova votação muito contará, também, a decisão final do PCP. Se o Livre já fez um referendo que resultou num apoio a Nóvoa, se o Bloco continua uma incógnita, os comunistas já decidiram em Comité Central apresentar um candidato próprio. Desde 2001 que o PCP apresenta um candidato sem desistir.
Marcelo Rebelo de Sousa acha que esta multiplicidade de candidaturas se deve, também, ao cenário que temos pela frente nas legislativas: a de um governo sem maioria absoluta. “Isto dá uma importância acrescida à corrida para as presidenciais. Tem-se a noção que o próximo Presidente vai resolver”, ganha outra relevância. Até o fenómeno de termos eleições legislativas coladas às presidenciais é rara na história da democracia portuguesa – e tem influência, garante o muito anunciado pré-candidato, que admite só tomar uma decisão final lá mais para o fim do ano.
Ainda à direita, há outros dois candidatos possíveis e anunciados: Rui Rio e Santana Lopes. Se todos avançarem, teremos 21 candidatos ao todo – pelo menos oito sem vontade de desistir. “Não tem mal nenhum”, diz uma fonte próxima do atual provedor da Santa Casa, que foi o primeiro à direita a falar da primeira volta como uma etapa, sem dramas. Só em Portugal é que “a direita tem este complexo de um candidato unitário. Deve estar nos genes”, admite a mesma fonte, esperando que, com estes avanços de Nóvoa e Belém, “a direita aprenda”. Em Portugal, as presidenciais só foram uma vez à segunda volta (1986) e são raras as corridas com mais de uma mão cheia de candidatos:
Candidatos-Presidenciais
Marcelo Rebelo de Sousa diz ter ficado “surpreendido” com o timing da candidatura de Belém – “Entre Maria de Belém e o processo entre o Benfica e Jesus, a mensagem de António Costa desapareceu”. E continua a defender que ninguém deveria avançar antes das legislativas, mesmo os candidatos à esquerda. “Se Nóvoa tivesse esperado pelas legislativas, talvez não tivesse aparecido Maria de Belém”, afirma.
Quanto aos potenciais candidatos à direita, Marcelo diz que a oficialização de uma candidatura enfraquece as hipóteses de uma vitória por parte da coligação nas legislativas. “Em vez de unir, vem desunir o partido. Olhemos para o PS: há intenções manifestadas à direita, mas ninguém anunciou coisa nenhuma. Houve bom senso, até porque há uma irreversibilidade nas candidaturas. Quando avançam, partem os partidos”, diz o académico.
Já agora, olhemos para os outros candidatos, aqueles de que ninguém fala e que já oficializaram a sua intenção de concorrer: Manuela Gonzaga, historiadora, escritora e ex-jornalista; Paulo Freitas do Amaral, antigo autarca e militante do CDS; Graça Castanho, professora universitária; Orlando Cruz, empresário; Jorge Sequeira, psicólogo; Manuel Almeida, ninja e segurança – que entretanto já retirou a sua candidatura-; Fernando Vale, conhecido como “o advogado de Ermesinde”; Sérgio Gave Fraga, advogado de Braga; Cândido Ferreira, médico; Paulo Borges, fundador do PAN; Castanheira Barros, advogado e militante do PSD, Manuel João Vieira, cantor, e Paulo Antão. Nenhum dos candidatos terá ainda reunidos as 7500 assinaturas necessárias para formalizar a candidatura.

Um dos carrascos da Grécia vem apoiar António Costa


«O acampamento receberá, no próximo sábado, à hora de almoço, a visita do secretário-geral do PS António Costa, acompanhado por Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, e por Sergei Stanishev, presidente do partido dos socialistas europeus. À tarde, António Costa assim como Martin Schulz participam no comício Festa da Juventude, no mesmo local. » (Público)

Pois é, ao contrário do que se possa pensar por causa do antetítulo e do título deste post, a prova de que as minhas boas-vindas ao sr. Martin Schulz, membro do PSD que governa com Merkel e Presidente do PE (graças ao velho sistema de «pataca a mim, pataca a ti»), são sinceras está na presença deste grande «socialista» nesta chafarica. Se não vejam aqui

e ainda aqui e aqui


abrildenovomagazine.wordpress.com

Passos Coelho e os Kiss




«A banda norte-americana Kiss nunca foi conhecida pela qualidade da música mas sim por os seus membros surgirem com a cara pintada durante os concertos. Os espectadores, mais do que escutarem o que cantava o vocalista, eram conquistados pela pirotecnia utilizada, de guitarras que deitavam fumo, ao fogo que saia da boca dos músicos.

A música era irrelevante. A pré-campanha eleitoral nacional é, neste momento, um gigantesco concerto dos Kiss: tem muito ruído e poucas ideias. Só os partidos do Governo têm interesse nisto, como parece ser evidente. (...)

PSD e CDS usam a táctica de Maquiavel: dividir para reinar, calar para ganhar. A sua política é a de liquidificador: ruído máximo enquanto se mistura o que é importante com o que não é. Em vez de fruta, os cidadãos bebem um batido com muito gelo feito com água da torneira. É esta ideologia da confusão que tem servido desde há muito a Passos Coelho, desde os tempos em que se socorreu dela nas chamadas "redes sociais", para conquistar o poder no PSD e, depois, no país. É também a sua política: viver sem olhar para trás, em máxima aceleração, para impedir o sossego e deformar a realidade. Os Kiss não fariam melhor.»

Fernando Sobral
entreasbrumasdamemoria.blogspot.pt

VÍDEOS - 25.08.1944: a Libertação de Paris

25.08.1944: a Libertação de Paris



Entre 19 e 25 de Agosto de 1944, a libertação de Paris pôs fim a quatro anos de ocupação.

Nesse mesmo dia 25, Charles de Gaulle, chefe do Governo Provisório, fez um discurso à população, que ficou célebre e imortalizado em algumas frases: «Paris outragé! Paris brisé! Paris martyrisé! Mais Paris libéré!».






E há também canções «eternas»:




entreasbrumasdamemoria.blogspot.pt
.

campanha orquestrada ou simples coincidência?





Vou tentar acreditar que tudo não passa de coincidência, que o recato familiar não se compadece com a visibilidade inerente às funções de Estado, que a Lolita é uma mulher de força e o marido um homem de inesgotável bondade. Vou crer em tudo. Até no Pai Natal, no Gato das Botas, na reencarnação, na Nossa Senhora da Conceição.


ouropel.blogspot.pt

AH, OS PIRATAS! OS PIRATAS!



  A “toxina botulínica” esgotou
Como tranquilizante e agente moderador da
COPROLALIA
“Ah, os piratas! Os piratas!
A ânsia do ilegal unido ao feroz”
Álvaro de Campos
É certo que muitas das obscenidades mudam de força e mesmo de significado consoante o grupo social ou a região. Há palavrões corriqueiros no Norte que passam horizontalmente por todas as classes, mas no Sul fazem corar quem quer que seja; e o mesmo acontece a alguns que são correntes no Sul, mas que os nortenhos não aceitam de bom grado. A intensidade e o modo como são pronunciados podem também mudar-lhes o significado ou atenuar-lhes o sentido. Tudo isto não nos é estranho e não nos preocupa grandemente. São palavrões, obscenidades, asneiras ou asneirolas que, por vezes, até dão colorido ao discurso ou saem de jacto, quando da clássica martelada no dedo ou da canelada, e que não admitem a educadinha interjeição: “bolas!”
O que nos preocupa, sem quaisquer laivos de puritanismo, é a violência e a constância das obscenidades; por todo o país, em todas as classes, desde a média burguesiazinha parda aos mais desprotegidos, para usar a terminologia em moda, o palavrão, a propósito de tudo ou papagueado como simples desabafo, tornou-se numa constante.
Entre os sociólogos instalou-se um autêntico pandemónio e, porque não encontram resposta científica para o compulsivo chorrilho de palavrões que surgem de todos os horizontes, designam de fenómeno o acontecimento; outra corrente no campo da sociologia classifica o facto de pandemia verbal, enquanto os linguistas esfregam as mãos de contentes e enriquecem os dicionários de calão.
O novo linguajar surge-nos com nova coloração e sonoridade até então pouco usual. Um primor!
Para complicar ainda mais a compreensão do “fenómeno”, os neurologistas afirmam tratar-se de uma vertente do Síndrome de Tourette: a “Coprolalia”, tendência patológica compulsiva para proferir obscenidades, enfermidade totalmente incontrolável porque desinibidora, sendo que esta tendência abrange todas as palavras e frases consideradas culturalmente tabus ou inapropriadas socialmente.
O governo está atento e preocupado; os governos estão sempre atentos e preocupados, não é novidade para ninguém. Assim, uma vez diagnosticado o mal e encomendadas doses massivas de “toxina botulínica” que é injetada nas cordas vocais, o que noutros países tem surtido algum efeito, para nós, portugueses, cada picadela era um estímulo para novos palavrões.
As dificuldades aumentam de intensidade e o mal-estar social agrava-se; segundo os especialistas – os especialistas bem pagos têm uma linguagem académica – há uma relação direta entre a injustiça social e as obscenidades e, bem entendido, quando os analistas nos aparecem na televisão fazendo-nos crer que vivemos no melhor dos mundos, são apodados de tudo e mais alguma coisa, sobrando ainda o suficiente para os governantes, ex-governantes e outros pilantras.
Quando o Costa nos surge qual querubim escondendo o ferrete Bilderberg ou quando Passos tira o Portas da cartola e ambos encenam mais uma farsa, quando fecham escolas e o Serviço Nacional de Saúde se degrada, quando os salários minguam e sobra mês e o desemprego se torna endémico, os palavrões surgem tão vernáculos, tão compulsivos e com tamanha intensidade, traduzidos até em linguagem gestual, com raízes nas Caldas e em Bordalo Pinheiro, que o próprio Albino Forjaz de Sampaio, de quem tanto se falou, deixou de ser referência na matéria, e porque ainda não perdemos a criatividade, mil novos palavrões foram inventados, tão agressivos que os não devo transcrever.
PS/PSD/CDS saquearam-nos todo o património e, de futuro empenhado e escassos meios de sobrevivência, a inflação de palavrões tem sido tal que se elevou a insulto.

Dia 4 de Outubro com a simplicidade dos íntegros, lá estaremos sem palavrões, firmes e conscientes.

A LEI DO FUNIL - A direita faz batota A lei do funil é uma das principais leis porque se regem os políticos de direita. O lado largo do funil voltado para a direita e o estreito para a esquerda.

A LEI DO FUNIL

A direita faz batota
A lei do funil é uma das principais leis porque se regem os políticos de direita. O lado largo do funil voltado para a direita e o estreito para a esquerda. 

Fazer batota, ou trapaça, significa usar de vantagem ilegítima ou indevida para ultrapassar parceiros ou competidores usualmente sem grande impacto económico ou social. Não cumprimento das regras de um jogo, de maneira que outro ou outros jogadores não se apercebam.
Em Comunicado, de ontem, 24 de agosto, de que se faz uma síntese, a CDU – Coligação Democrática Unitária – manifestou:
– a sua disponibilidade para estar presente, em pé de igualdade, nos debates e “frente a frente” com as forças políticas que estejam dispostas a participar.  Assim no “frente a frente” com a Coligação PSD/CDS em que participará o líder do segundo partido da coligação, a CDU participará também com o líder do segundo partido Heloísa Apolónia em representação do PEV.
Resumidamente, a CDU sublinhou:
 – Desde a primeira reunião, das três realizadas com a sua participação, o PCP manifestou inteira abertura e interesse na concretização de uma solução que assegurasse o conjunto de debates que permitisse o pleno esclarecimento e o desejável confronto de projectos e posicionamentos em discussão nas eleições legislativas de 4 de Outubro.
– É falso o que dizem o CDS e PSD, o PCP tenha vetado a participação do CDS nos debates.
– Para o PCP só são aceitáveis dois critérios objectivos:
 – o da participação nos debates de 4 candidaturas (CDU, PaF, BE e PS) ou,
– ou dos seis partidos com representação parlamentar (PSD e CDS, PCP e PEV, PS e BE).
Duma forma manhosa, desonesta, a coligação PSD/CDS-PP queria o privilégio de ter dois representantes e a CDU apenas um.
Qualquer pessoa honesta compreende que:
– Se a Coligação PSD/CDS quer ter dois representantes nos debates, por ter dois partidos, também a CDU deve ter dois representantes uma vez que também tem dois partidos, o PCP e o PEV.
Quem se opôs à solução de haver representantes dos partidos foram PS e BE que concorrem isolados.
Esclarecida a questão do número de representantes, por Coligação ou por Partidos, as televisões prepararam nova armadilha:
– Realizar programas “frente a frente” com Passos Coelho e António Costa, nos principais canais, deixando de fora os outros partidos que apenas falariam nos canais cabo, com muito pouca audiência.
No comunicado da CDU, recorda que a nova legislação sobre cobertura jornalística de campanhas eleitorais foi cozinhada entre PS, PSD e CDS contra os votos do PCP e PEV. No entanto os três partidos da troika aprovaram a legislação que está a dar estes problemas. Não acusem a CDU de querer um tratamento igual, lá porque eles tentam aplicar a Lei do Funil.
Via: C de …

SE CONTINUAREM.....

Casamentos sem noção

Ilha do Farol; E se a Ponte de embarque cai devido às dragagens ilegais na Ria Formosa?



Mais uma vez somos alertados  que o Polis está a fazer dragagens ilegais  na Ria Formosa, mais uma vez não respeitando  a Declaração de Impacte Ambiental  sobre as dragagens na Ria Formosa, aprovado pelo governo, e assinadas por Paulo Lemos,  que diz, que não pode haver dragagens na Ria Formosa, entre Junho e Setembro,.

Desta vez as dragagens ilegais,  estão ser feitas  mesmo ao lado da Ponte de embarque da Ilha do Farol.

Perguntamos nós se essas dragagens ilegais,  não colocam em risco a Ponte de embarque da Ilha do Farol uma vez que há anos essa ponte foi alvo de uma intervenção, pois estava em risco de ruir, por falta de areia que sustentava os seus alicerces.

Toda a gente sabe que quando se retira areia da proximidade de uma ponte,como o que estão a fazer mesmo ao lado Oeste da Ponte do Farol, as areias que a sustentam movem-se indo parar aos fundões criado por essas dragagens.

 Temos ainda na memória, a queda  dramática da Ponte Hintze Ribeiro em Castelo de Paiva, onde aconteceu   uma tragédia em 2 001, e onde morreram 59 pessoas devido à queda da Ponte devido à extracção de areia sem controlo no rio Douro, nas proximidades e a montante dessa ponte
.
Onde está o plano de dragagens da Ria Formosa afixado? Quem é o seu autor?

Será que houve estudos acerca do que pode acontecer à Ponte da Ilha do Farol?

Porque razão estão a fazer dragagens encostados  à Ilha do Farol se a desculpa e omotivo das dragagens, são afundar o canal de navegação?

O local onde estão a fazer as dragagens do lado poente da Ponte da Ilha do Farol,  é bem longe do canal de navegação!
Porque razão estão a  estão a roubar as areias nesse local ?
Se a Ponte cair de quem será a culpa?

Porque se calam quase todos os notáveis defensores camaleónicos sobre essas dragagens ilegais?
Será que por terem parado as demolições na Ilha do Farol que estão em silêncio?
Seráque já  questionaram, os partidos do arco do poder, PSD, CDS, e PS, qual a posição desses partidos,que aprovam o Polis Ria Formosa que previa as demolições de TODAS as casas de 2ª habitação,  na Ilha do Farol, qual a posição deles sobre as demolições na Ilha do Farol caso vençam as eleições?

Deve ser interessante saber o que prometem, e se o vão cumprir, quando já se sabe que grandes grupos  estrangeiros, estão a afiar o dente à Ilha do Farol,  para nela construírem resorts privados e Marinas privadas na Ilha do Farol?
De realçar que há pessoas, que não se calam e que ousam lutar estando na linha da frente na denuncia  dessas situações ilegais,  foi da página do f.b  de uma dessas pessoas, que fomos roubar a foto que publicamos.

olhaolivre.blogspot.pt

VEJA AQUI OS VÍDEOS DO AVIÃO QUE CAUSOU 11 MORTOS EM INGLATERRA




A nossa construção


O pequeno almoço é às 8h00 e a jornada começa às 8h30, ok?
Respondi que sim e sorri. E ao sorrir apercebi-me de quanto tempo passou desde a primeira jornada. Quando peguei num nível a primeira vez durante uma tarde inteira, juntamente com três camaradas, tentámos colocar placas direitas num terreno muito inclinado.
Quando olhava para o Luís, lá em cima nos tubos, e ele, em vez de fazer o que tinha a fazer, andava a passear-se como um funambulista, brincando com ferrolho que achou por bem atirar para cima de mim. Quando ouvia os camaradas mais velhos a rirem-se que nem uns perdidos porque tinham dito aos que estavam ali pela primeira vez para irem tirar as toupeiras dos buracos com uma mangueira ou endireitar as árvores com o maço.
Felizmente nunca ninguém deu conta da minha primeira implantação e safei-me das praxes. Mas não me safei de ouvir anos seguidos, incluindo este, a anedota (….) do gajo que gostava muito de farturas.
Num dos anos, já não estava nas brigadas da cidade da Juventude, mas em Aveiro, fiquei quase um mês. Penso que terá sido o meu primeiro ano em Aveiro. O Ricardo abria a mala do carro, ouvíamos os artistas da Festa desse ano, ríamos o dia todo (enquanto outros camaradas olhavam para nós sem perceber o motivo de tanta parvoíce) e nas pausas eu sentava-me a apreciar o camarada Álvaro, o responsável pelo vegetariano, a «comandar» as tropas. Lembrou-me ele que, na altura, tinha rastas e mal eu sabia que dali a dois anos ia passar a Festa a fazer turnos ali e a dizer que havia comida vegan por achar que vegan era diminutivo de vegetariano. Ao servir um prato com natas rapidamente percebi, pelo volume da voz da miúda que falava comigo, que vegan não devia ser bem o que eu achava que era. Virou-me as costas e foi-se embora e eu acho que ainda demorei uns tempos a perceber afinal o que tinha feito.
Cheguei mesmo a escrever cartas durante a implantação. Acabava a jornada por volta das 17h30 e, depois do banho, ficava deitada na tenda a escrever e depois pedia a quem fosse à cidade fora da Atalaia, que a metesse no correio.
Ao entrar na quinta, o mundo parece que pára. E só existe aquela construção. Do tubo às placas, das projecções nocturnas às pinturas murais, a decoração com vinil e o rapar do tacho dos ovos moles feitos pela Emília na quinta à noite, das recentes e incessantes visitas da ASAE nas semanas anteriores, do café às 18h00 no bar de apoio aos convívios no Telheiro, dos encontros de construtores às canções inventadas enquanto pintas ou metes ferrolho (que odeio!), é inexplicável o que se sente a construir a Festa.
Os abraços aos que não vemos há anos, os sorrisos cúmplices, as histórias que se contam mais uma e outra vez, as filas enormes na cantina ao fim de semana, o «então agora o que é que estás a fazer?» e o reencontrar de pessoas que crescem e se constroem connosco todos os anos, não há nada que se assemelhe à construção da nossa Festa.
Aquele dia em que apareceram três miúdos a perguntar se podiam ajudar e ficar lá a dormir e nunca mais deixaram de ir à implantação (mesmo que não conseguissem ir à Festa), aquela quinta feira em que estiveste com os teus amigos antes da abertura e depois só os viste no ano seguinte, o Búzio (o cão) que já todos sabem quem é e levanta as orelhitas assim que chega à Atalaia como quem já sabe ao que vai, aquele ano, na Cidade Internacional em que desatei aos gritos porque tinha passado o exame de agregação na Ordem dos Advogados sem ter que ir a oral e os camaradas acorreram com medo que tivesse caído e estivesse magoado e, sem me conhecerem, festejaram comigo a alegria do virar de página. Aquela tarde, depois de três horas à torreira do sol a colar folhas de vinil, uma por uma, quando chegam os camaradas do DEP de sorriso aberto e explicam (mas apenas três horas depois) que não era assim: era colar tudo de uma vez e não folha a folha. Nada se esquece. E a árvore com a cortiça ficou muito bonita e nesse ano acho que o pavilhão ficou mais bonito do que o de Santarém.
Mudou muita coisa em todos estes anos. Mas assim que se passa aquela entrada, há uma certeza que não esmorece, que arrepia, que conforta: é um chegar a casa. Onde nos tratamos por iguais. Onde percebemos que somos nós quem está sempre em construção. E que não há construção que aconteça sem a solidariedade e o companheirismo. Sem alguém a segurar-te a escada ou a ensinar-te a montar o tubo. Sem alguém a rir-se à gargalhada e a inventar canções contigo enquanto outros te mandam calar porque cantas mal. Sem alguém a contar-te a mesma anedota pela milésima vez. E no fim, começa a Festa. Num fim que é só um até já. Porque a nossa construção é perene. Nunca está terminada. E nunca estás sozinha nessa construção.

Outra vez o Comboio de Lata

            Muito se tem falado ultimamente, na Marinha Grande, acerca do Comboio de Lata, ou seja, da antiga locomotiva “MNN3” que resta do que foi o célebre comboio que circulou no Pinhal do Rei de 1923 a 1965. O estado de conservação da velha máquina e a necessidade de a expor em lugar público de modo a que todos a possam admirar e tomar conhecimento da sua história tem interessado muitos marinhenses.

            De facto, é premente a exibição pública e permanente deste património marinhense. Porém, tendo surgido rumores de uma proposta para colocação da antiga locomotiva em S. Pedro de Moel, perto do local de onde foi retirada por ter chegado a um enorme estado de degradação, levou-me a fazer, há alguns dias atrás, numa página marinhense de uma conhecida rede social, um comentário que, creio, não é demais voltar a publicar, pois, no meu entender, alerta para a eventualidade de se virem a repetir alguns erros do passado.
__

            Acerca da colocação da antiga locomotiva “MNN3” e respectiva carruagem de passageiros do antigo Comboio de Lata em S. Pedro de Moel, espero que não venham a ser cometidos os mesmos erros do passado quando esta foi ali foi colocada em espaço aberto o que, com o decorrer dos anos, levou à sua degradação por vários motivos.
            Recordo que S. Pedro de Moel, sujeito à influência de ares marítimos, não será porventura o melhor espaço para a colocação deste interessante património marinhense dados os efeitos corrosivos de tais ares, a não ser que seja colocado em espaço fechado e de preferência com acesso condicionado ao público.
            Por outro lado, a colocação do dito Comboio em espaço permanentemente aberto (apenas coberto por um telheiro como esteve no passado), para além do problema da corrosão, há que ter em conta o problema do vandalismo que, creio não ser preciso recordar, foi uma das principais causas do estado de degradação a que chegou o Comboio e que levou à sua retirada de S. Pedro de Moel em 1996.
            O futuro deste comboio, quanto a mim, passará sempre por colocá-lo em exposição e mostrar ou apenas recordar, o que foi o célebre “Comboio de Lata” que circulou no nosso Pinhal do Rei. O que é bom ter em conta será a escolha do lugar para expô-lo, sem pressas e tentando evitar erros do passado. Um dos locais ideais para expor o Comboio de Lata seria a existência no nosso concelho do, já tão falado, museu da floresta. Ora, como se sabe, esse projecto está longe de se concretizar, e enquanto isso não for possível, quanto a mim, o melhor espaço para colocar o Comboio seria num dos espaços ainda vagos no antigo Edifício da Resinagem, agora recuperado. Desta forma o Comboio de Lata estaria protegido e exposto ao público, quase permanentemente, no centro histórico da cidade e em espaço museológico, perto de outros museus da cidade e num local que, também ele, pertenceu às Matas Nacionais.
            Não queiram voltar a fazer ao Comboio de Lata o que se vê nas imagens de Miguel Costa que publico.





O Comboio de Lata em S. Pedro de Moel – anos 80 do Séc. XX
(Fotografias de Miguel Costa)

            Em complemento, e caso seja viável, não invalido a hipótese de uma recuperação total da velha locomotiva, colocando-a de novo a circular no Pinhal do Rei para pequenos passeios turísticos no Verão ou em épocas festivas. Veja-se, aqui, o que fizeram os ingleses com a “MNN1”, uma das outras locomotivas do antigo Comboio de Lata, depois de estar exposta como atracção turística no exterior de um café em Cascais e em 1969/70 ter sido vendida para Inglaterra onde após várias mudanças de propriedade acabou como sucata de um ferro velho sendo, por volta de 1984, adquirida por um antiquário de material ferroviário.
            É claro que a viabilidade de uma tal recuperação só poderá ser avaliada por técnicos competentes
.




Pinhal do Rei - Blogger

opinhaldorei.blogspot.com

EUA continua derramando gasolina na Ucrânia


 
O presidente Barack Obama prometeu no domingo que seu país apoiará 
a Ucrânia contra a "agressão" russa no leste, na sua mensagem
de felicitações na véspera do vigésimo quarto aniversário da 
independência da Ucrânia.
 
Apesar da agressão russa no leste e 
da ocupação da Criméia, a América vai permanecer fiel 
em seu apoio  à Ucrânia", disse Obama 
na sua mensagem ao presidente ucraniano Petro Poroshenko.
 
Obama ressaltou que a Ucrânia deu "passos importantes" para alcançar a meta de 
um país livre, democrático e "integrado no coração da Europa".

odiodeclase.blogspot.pt

Cofres cheios, cofres vazios!..

Os cofres das finanças públicas nacionais estão a ficar cada vez mais vazios e divida pública está a crescer 43 milhões por dia.


Com que então cofres cheios?.. 


Do sucesso ao fracasso, afinal, Passos, vai um passo!.. 


O Estado perdeu em junho deste ano cerca 
de seis mil e 500 milhões de depósitos mas não 
só. Nos últimos seis meses as receitas caíram 
cerca de dois mil e 400 milhões de euros.

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental estima que as 

contas para este ano possam ser atenuadas se o governo conseguir vender o Novo Banco e encaixar 3,9 mil 
milhões de euros.
Uma medida que poderá impedir uma contínua 

recorrência aos mercados.




outramargem-visor.blogspot.pt