AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 23 de agosto de 2015

Passos Coelho foge aos debates com a CDU

NOTA DO GABINETE DE IMPRENSA DA CDU, LISBOA



Passos Coelho foge aos debates com a CDU

A decisão agora divulgada pela Coligação PSD/CDS representa, independentemente da tortuosa justificação a que recorre, a fuga de Passos Coelho aos debates com Jerónimo de Sousa.
A base de debates que resultaria quer da proposta adiantada pelas televisões quer pelas decisões anunciadas pela Coligação PSD/CDS – ou seja a atribuição a esta coligação do privilégio de ter dois representantes em contraste com a Coligação Democrática Unitária - constituiria uma grosseira violação do principio de não discriminação e igualdade de tratamento.
Para que a verdade seja integralmente conhecida é preciso recordar que quer o PCP, quer o PEV sempre admitiram que os debates pudessem ter 4 ou 6 representantes (candidaturas ou partidos com representação parlamentar). O que não aceitaria era o caucionamento a uma situação de desigualdade traduzida na participação do CDS e na exclusão do PEV, para a qual, diga-se concorreram as posições de veto do PS e BE. Posição assumida no quadro concreto em debate com os canais de televisão, sem prejuízo de soluções que viabilizassem a participação de todas as forças políticas concorrentes.
A CDU reservará para mais tarde a sua decisão sobre o modo de participação no conjunto dos debates.

Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno

Steve Cutts é um ilustrador e animador londrino bastante mordaz e crítico em seus trabalhos. No Mdig, já mostramos alguns de seus curtass de animação como o "Em queda livre" ou o espetacular "Homem", onde desde o primeiro momento ele provoca um sem número de reflexões. Ele se autodefine como "Ermião autodidata que, de vez em quando, desfruta fazendo ilustrações, animações, escultura e fazendo bolos e tortas". Isto nos dá uma ideia de que seus trabalhos não podem ir pelo caminho ordinário.


Se a arte urbana de Banksy consegue acuar como um catalizador de mudanças, as ilustrações Steve Cutts não prvocam menos, por mostrar um mundo onde muitas coisas deveriam ser diferentes: que o trabalho não deveria ser uma terrível corrida que tira a vontade de viver para conseguir dinheiro, que o consumismo não deveria reger nossas vidas com mão de ferro, e que as redes sociais, bem, precisamos delas para chacolara os grilhões que tão alegremente colocamos nós mesmos.

Steve afirma que "sociedade moderna é uma fonte de inspiração quase inesgotável para meus trabalhos", e na seguinte série de ilustrações podemos entender o que ele quer dizer: uns tantos tapas de realidade que todos devíamos levar uma vez e outra.


Os zumbis da era digital.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 01

A esparrela de acreditar apenas na felicidade financeira.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 02

O homem moderno.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 03

Retroalimentação.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 04

Somos tratados como ratos no transporte público.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 05

Que aconteceu com Roger e Jessica Rabbit?
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 06


Quem é dono de quem?
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 07

E assim seguirá até que esgotemos todos os recursos, esquecendo que dinheiro não se come.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 08

A maldita segunda-feira.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 09

Não nos damos conta de que os "gatos" controlam nossas vontades.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 10

Existem muitos Papais Noeis assim, só que eles contratam o João Santana.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 11


A maioria das redes de TV estão lendo e cagando para seus telepectadores.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 12

Este momento será quando se felicitem "por um trabalho bem feito".
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 13

O dinheiro manda, mas... isso todo mundo já sabia, não?
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 14

Não posso seguir com esta porr@ por mais tempo!
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 15

No mundo real a Pocahontas materia o Ursinho Pooh.
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 16

Este é o preço que o planeta paga por nossa "felicidade".
Estas ilustrações proporcionam, uma nova perspectiva do mundo moderno 17
Fonte: Steve Cutts.


 http://www.mdig.com.

Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia

Se "Dismaland" soa para você como uma versão de pesadelo da Disneylândia, provavelmente tenha razão. Este parque "de atrações" é obra do famoso artista de rua Banksy, tem uma extensão de 2,5 acres e abriu hoje no Reino Unido. Este projeto, secreto até ontem, está situado no centro turístico abandonado Tropicana, em Weston-Super-Mare, em Somerset. Tem atrações temáticas com um toque tétrico e retorcido, bem como obras de Banksy e outros 50 artistas de todo mundo. A entrada a Dismaland custa 3 libras e só estará disponível durante 5 semanas. O folheto oficial descreve-o da seguinte maneira:


01
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 01
"Está buscando uma alternativa à trivialidade desalmada e açucarada do típico dia com a família? Ou Talvez algo mais barato. Então, este lugar é para você: um novo mundo caótico onde pode escapar das fantasias sem sentido. Em vez de uma lanchonete, temos um museu. Em lugar de uma loja de presentes, temos uma biblioteca, ainda que bom, também temos uma loja de presentes… Este evento contém temas adultos, imagens angustiantes, muitas luzes estroboscópicas, efeitos de fumaça e palavrões. É estritamente proibida a entrada com os seguintes objetos: facas, sprays de pintura, drogas ilegais e advogados da Walt Disney".
02
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 02
O complexo artístico busca refletir sobre temas tão controversos como o maus tratos animais, a guerra, a imigração, a violência e a repressão policial entre outros. As instalações da "Terra da Demolição." ficam em um parque abandonado e não há nada de mais sórdido que os parques de atrações abandonados. Instalações, ruas e restaurantes onde ressoavam os risos e gritos de felicidade, e que hoje são o lar do silêncio e da ferrugem.

Apesar de tudo, possuem uma beleza decadente que convida a pensar sobre as voltas que a vida dá e os motivos que levaram os fundadores a fechar a atração. Um lugar em que melancolia se faz presente parece o local perfeito para localizar uma instalação artística com forte crítica social.
03
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 03
04
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 04
05
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 05
06
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 06


07
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 07
08
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 08
09
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 09
10
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 10
11
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 11


12
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 12
13
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 13
14
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 14
15
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 15
16
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 16
17
Dismaland, por Banksy: esta é a versão obscura da Disneylândia 17
18



 http://www.mdig.com.b

Foi revelado um relatório secreto americano sobre Portugal que está a chocar os portugueses!

Foi revelado um relatório secreto americano sobre Portugal que está a chocar os portugueses!

Foi revelado um relatório secreto americano sobre Portugal que está a chocar os portugueses!


Foi recentemente revelado um relatório americano sobre Portugal, que se tem mantido em segredo até à data. Nesse mesmo relatório Portugal é apontado como “O país que compra brinquedos caros e inúteis” por “orgulho”. Esse relatório tinha sido divulgado por um conhecido jornal na sua versão online, mas foi recentemente apagado (vamos lá saber porquê). E foi-nos agora revelado pelo famoso site Wikileaks.
Sabia que o ministério da defesa está isento de concursos públicos? Livre para fazer as suas compras milionárias a quem der mais luvas? E não a quem faz o preço mais justo? Tudo para salvaguardar o secretismo das operações do ministério?
O resultado é o que se tem visto. As compras mais escandalosas, menos transparente e mais megalómanas do estado, têm tido origem neste ministério. O caso dos submarinos, dos Pandur, dos torpedos, dos helicópteros, etc etc etc, a lista é interminável, muitos deles em investigação. Outros já provados na fonte estrangeira que houve luvas, mas em Portugal nada se faz.
Mais uma vez o oportunismo dita a lei que por decisão deles, os beneficia a eles e lesa o interesse nacional. O concurso público é uma das regras básicas, para travar alguma corrupção mas os que nos desgovernam não gostam dessas regras?

GASTAR DINHEIRO IMPRUDENTEMENTE

O importante é fazer muitas compras e de muitos milhões mesmo que inúteis, servirão essas compras para fazer entrar dinheiro em partidos e em contas privadas dos envolvido? Compram inutilidades, sucata, usados, avariados, e até brinquedos para os quais não possuímos dinheiro para o combustível, para a manutenção nem recursos humanos técnicos.
Em Portugal poucos sabem, mas quem negoceia com os nossos (des)governantes, sabe algumas coisas que todos deveríamos saber.
O Wikileaks revelou um relatório confidencial que desmascara algumas tramóias do Ministério da Defesa. Retirando algumas imprecisões, ficam algumas revelações.

WASHINGTON ARRASA NEGÓCIOS DO MINISTÉRIO DA DEFESA

Relatório confidencial: 
O embaixador americano em Lisboa escreveu uma apreciação implacável sobre os submarinos, as fragatas e os tanques em que Portugal gastou milhões. O pequeno parágrafo, a meio do telegrama de seis páginas, resume a coisa assim:
“No que diz respeito a contratos de compras militares, as vontades e ações do Ministério da Defesa parecem ser guiadas pela pressão dos seus pares e pelo desejo de ter brinquedos caros. O Ministério compra armamento por uma questão de orgulho, não importa se é útil ou não. Os exemplos mais óbvios são os seus dois submarinos e 39 caças de combate (apenas 12 em condições de voar).”
O tom não varia muito nos outros parágrafos. O que varia é o nível do detalhe. Cruel e despojado, mas também comprometido com interesses directos americanos e contendo erros factuais, o telegrama enviado em 2009 para Washington pelo então embaixador dos EUA em Lisboa, Thomas Stephenson, não deveria ter chegado às mãos de um estrangeiro. Tem a classificação de NOFORN, “no foreigners”. Talvez por isso seja tão declaradamente depreciativo para Portugal, para as altas chefias militares e para os últimos governos que têm estado no poder.
O telegrama (em boa verdade, um relatório) analisa o que se passa dentro do Ministério, tentando explicar porque é que as coisas, na perspectiva americana, correm tão mal. O título diz tudo: O que há de errado no Ministério da Defesa português?
Embaixador dos EUA em Lisboa de Novembro de 2007 até 2009, depois de uma longa carreira como empresário em Silicon Valley, Stephenson escreve:
“Portugal sofre de um complexo de inferioridade e da percepção de ser económica, política e militarmente mais fraco do que os seus aliados.”
Na tese americana, o gosto pelos “brinquedos caros” tem a ver com isso. Stephenson aponta o caso dos submarinos que custarammil milhões de euros e que, segundo ele,não seriam precisos“Com 800 quilómetros de costa e dois arquipélagos distantes para defender, os dois submarinos alemães comprados em 2005 não são o investimento mais sensato. Os submarinos não têm uma missão formal atribuída e faltam-lhes os meios para fazer patrulhas sem objectivo. Portugal comprou os submarinos mas não encomendou sistemas de mísseis, o que significa que não terão capacidade de ataque mesmo que tenham uma missão.”
Fazendo eco da polémica discussão pública sobre o assunto, o embaixador toma partido mas demonstra algum desconhecimento. Com uma área marítima 20 vezes maior do que o seu território terrestre, há muito que a doutrina militar portuguesa prevê uma missão formal para os submarinos. Além disso, estes estão equipados com torpedos, minas e um sistema de mísseis Harpoon (ironicamente, fabricados nos EUA).
Mas o telegrama vai mais longe. O dinheiro gasto nos submarinos falta noutros lados.“Portugal tem poucos navios-patrulha operacionais para defesa do litoral e para dar conta do narcotráfico, imigração e pesca ilegais.” E avança, quanto à Força Aérea:“Portugal tem alguns caças F-16 antigos, mas apenas um C-130 em condições de transportar militares e equipamento.”
O país tem de facto um “excesso” de caças (39, dos quais nove estão para venda), todos comprados aos EUA mas, ao contrário, possui seis e não apenas um C-130. O embaixador aborda depois o delicado tema das compras, considerando que a opção portuguesa de “comprar europeu”(em detrimento dos equipamentos americanos) lhe é frequentemente imposta pelos seus parceiros da União. Reportando ao caso das fragatas holandesas adquiridas em 2006 por decisão do então ministro da Defesa, Luís Amado, em detrimento das americanas Oliver Hazard Perry, que haviam sido escolhidas por Paulo Portas, Stephenson diz que Portugal o fez “por pressão dos Estados europeus”.
“O Ministério da Defesa optou por gastar mais de 300 milhões de euros em fragatas holandesas usadas. As americanas teriam exigido apenas cerca de 100 milhões de euros na sua modernização e apoio logístico”, escreve o diplomata, acusando de falta de credibilidade o “estudo” que serviu de base à decisão, pois comparava “as fragatas americanas usadas com fragatas holandesas novas, sendo que estas tinham mais de 15 anos”.
Na realidade, as Perry tinham mais 20-25 anos do que as holandesas e, nunca foi feita uma estimativa do seu custo de modernização “por ser uma verdadeira dor de cabeça a sua eventual sustentação”. As holandesas custaram 248 milhões.
Stephenson acrescenta que o mesmo tipo de situação (que chama de “contabilidade curiosa”) ocorreu com os helicópteros-patrulha, “uma necessidade crítica” para Portugal. Mais uma vez, os Sikorsky americanos foram preteridos em favor dos EH-101 europeus, mais baratos, mas apenas porque “as peças sobresselentes e a manutenção não foram incluídas na proposta europeia. Semanas depois de entrarem ao serviço, os EH-101 ficaram parados por falta de peças. Os velhos Pumas com 20 anos que os EH-101 deviam substituir tiveram de voltar a voar”.
O embaixador foi certeiro. Decididos ainda no tempo de Rui Pena, o último ministro da Defesa de António Guterres, estes helicópteros foram adquiridos sem um efectivo contrato de manutenção. Já o mesmo não se pode dizer relativamente à compra à Holanda de 36 tanques Leopard A6. “Os tanques são bons, mas Portugal não tem doutrina operacional, nem cadeia de manutenção nem peças sobressalentes. Além disso, a aquisição representou um afastamento do objectivo declarado do Exército em tornar-se uma força mais expedicionária, projetável e ligeira”, escreve.
O que aconteceu depois o embaixador já não conta. O Exército português adaptou-se aos novos “brinquedos” e ganhou competências novas como força expedicionária. Mas três quartos dos Leopard estão hoje encostados porque falta o dinheiro para comprar peças de substituição. E os tanques nunca saíram do país.

LÓBI RENDEU 100 MILHÕES.

O Ministério da Defesa escolheu o gigante norte-americano Lockheed Martin para um contrato de 100 milhões de euros, depois de o Governo dos EUA ter feito lóbi junto do então ministro socialista Nuno Severiano Teixeira a favor do maior grupo de aeronáutica militar. Com o título “Recent commercial sucess stories” (“histórias recentes de sucesso comercial”), um telegrama enviado para Washington pelo embaixador Thomas Stephenson, 2008, relata que no início de 2007 um adjunto comercial e o chefe do departamento de cooperação militar da embaixada americana em Lisboa encontraram-se com o director de uma das unidades da Lockheed Martin, Michael Meyer.
No encontro, Meyer contou que estava a tentar garantir há anos um contrato de 135 milhões de dólares (100 milhões de euros) para a reconversão dos cinco aviões P-3C Orion que a Força Aérea Portuguesa tem para fazer controlo marítimo, mas a mudança de governo em 2005 (do PSD para o PS) “manteve a proposta num limbo”. Além disso, a Lockheed tinha informações que uma concorrente espanhola, a CASA EADS, “estava a fazer trabalho de bastidores junto do Ministério da Defesa para ganhar o concurso”.
Uma carta foi elaborada em conjunto por vários departamentos em Lisboa e em Washington e foi assinada por Alfred Hoffman, embaixador que antecedeu Stephenson em Lisboa, sendo enviada ao ministro a 2 de maio de 2007. Quatro meses depois, a 6 de setembro, a Lockeed ganhou o contrato.

UM PAÍS DE GENERAIS SENTADOS

Há uma cultura nas Forças Armadas em que quase sempre, a melhor decisão que se pode tomar é não tomar decisões, dizem os americanos. Até para uma banda tocar é preciso autorização de topo.
A visão da diplomacia americana sobre a gestão e o exercício do poder dentro das Forças Armadas portuguesas é tudo menos diplomática, pelo que se pode ler num relatório assinado pelo embaixador Thomas Stephenson e que consta de um extenso telegrama já citado nas páginas anteriores, enviado a 5 de Março de 2009 para Washington com o título “O que há de errado com o Ministério da Defesa português?”
O documento inclui um diagnóstico desassombrado sobre uma estrutura “rígida” e incapaz de tomar decisões. “A imagem de generais sentados sem fazerem nada não é uma mera alegoria”. “Os militares têm uma cultura de status quo em que as posições-chave são preenchidas por carreiristas que evitam entrar em controvérsias, em vez de serem preenchidas com pensadores criativos, promovidos pelo seu desempenho”, escreve o embaixador americano.
Espera o tempo suficiente, dizem-nos os oficiais, e chegarás a coronel ou a general. Esta cultura fomenta um pensamento adverso a correr riscos e um corpo de oficiais superiores para quem adiar uma decisão é quase sempre a melhor decisão”.
Stephenson explica o que quer dizer com um caso: “Pedimos ao comandante da academia militar portuguesa se a banda da academia podia actuar numa recepção da embaixada americana. O general de duas estrelas respondeu que isso teria de ser aprovado pelo chefe do Estado-Maior do Exército”.
O problema não está na falta de recursos humanos. “Como a maioria dos aliados da NATO, Portugal encontra-se abaixo do padrão oficial que determina 2% do PIB para o orçamento de defesa. Portugal está nos 1,3% e gasta esse dinheiro de forma imprudente.Portugal tem mais generais e almirantes por soldado do que quase todas as outras forças armadas modernas: 1 para cada 260 soldados. Em comparação, os Estados Unidos têm um rácio de 1 para cada 871 soldados”. Mais, existem ainda “170 generais adicionais que recebem o ordenado por inteiro enquanto se mantêm inactivos na reserva”.

QUALQUER UM PODE SER UM OBSTÁCULO

“Um corolário da regra de que ninguém toma decisões de comando”, continua o embaixador, “é que qualquer pessoa pode bloqueá-las. Ultrapassar estes obstáculos exigiria que um oficial viesse a público desafiar a oposição interna, num acto raramente valorizado”.
O cenário de bloqueio interno é agravado pela segregação que existe entre os três ramos das forças armadas e o Estado-Maior-General. O telegrama refere-se aos ramos (exército, marinha e força aérea) como “feudos”. “O chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas não tem orçamento nem autoridade sobre os chefes dos ramos, queregularmente ignoram as ordens dele”.
“A necessidade de consenso na estrutura militar”, diz Stephenson, “inviabiliza muitas vezes os planos do Governo”, e dá um exemplo: “Nas reuniões da comissão bilateral luso-americana, elementos do Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Ministério da Defesa têm implorado para que cooperemos em programas de formação militar na África lusófona. Nós concordámos, mas só um dos 16 projectos de cooperação trilateral propostos por nós, a pedido do Governo português, teve a participação de Portugal (um único sargento associado à formação do exército americano sobre desminagem na Guiné-Bissau)”.
Segundo o telegrama, há franjas no Ministério da Defesa que têm um sentimento de posse em relação à África lusófona e não querem o envolvimento de outros países em programas militares com as ex-colónias.

DEVEMOS FAZER O TRABALHO INTERNO DOS PORTUGUESES

A par da radiografia negativa sobre as Forças Armadas, o telegrama estabelece linhas orientadoras de como a diplomacia norte-americana deve abordar o Ministério da Defesa, e também o Governo português em geral. O princípio básico, para o embaixador, passa por incentivar Lisboa sempre que possível. “Nunca deveríamos perder uma oportunidade para encorajar o Governo português, porque o Governo português nunca perderá uma oportunidade de procrastinar (adiar)”.
Para isso, Stephenson acredita numa táctica de infiltração nas estruturas internas do poder: “Devemos envolver-mo-nos cedo e frequentemente e estarmos prontos para fazermos as consultas internas por eles dentro do Ministério da Defesa”.

 

fonte
www.vamoslaportugal.com


À ITALIANA ! - Prostitutas passam a ter que usar coletes refletores à noite


Deputado brinca com a situação. "Espero que os clientes não confundam os trabalhadores de estrada com prostitutas", diz.



Na Itália, as prostitutas foram aconselhadas a usar coletes refletores durante a noite. O objetivo, refere o Metro, não é que se tornem mais visíveis para potenciais clientes, mas sim para que garantam a sua segurança.

A medida foi implementada depois do deputado da cidade de Spino d’Adda ter afirmado que estas profissionais deveriam ser consideradas “trabalhadoras de estrada”.
“As profissionais do sexo devem ser tratadas como os funcionários que trabalham nas obras rodoviárias e que são obrigados a usar coletes refletores que os tornam mais visíveis”, afirmou Luciano Sinigaglia.
A obrigatoriedade da medida deve ter início em setembro, sendo que as prostitutas que não cumpram a regra podem ser sujeitas a uma multa de até 500 euros.

a barbárie continua



Os denominados rebeldes sírios destruiram o antigo mosteiro de Mar Elian, na cidade de al-Qaryatein, provincia de HOMS, A idade do mosteiro remonta ao século 4 D.C. São portanto 1500 anos de História. O mesmo aconteceu em Igrejas e locais sagrados de Raqqa e Deir Ezzor. O mundo deve responsabilizar as nações ocidentais e países árabes que originaram esta catástrofe civilizacional.

cris-sheandbobbymcgee.blogspot.pt

Paraquedistas (melhor comercial - SIEMENS) - VEJA AQUI O VÍDEO


 Sensacional! A lavadora Siemens está num preço ótimo, confiram a oferta. BELDADES PARAQUEDISTA ACROBÁTICAS 
Cruzando a fronteira norte da Alemanha, já na Dinamarca, existe um gigantesco supermercado chamado Fleggaard, onde se pode comprar tudo que se pode imaginar, desde bichos de pelúcia até caixas fechadas de vinhos, passando por sabão industrial, tudo com um desconto de 30% sôbre seu preço regular. 
.
Trata-se de “Costco”, uma empresa dinamarquesa criada, precisamente, para burlar o fisco alemão. Participaram deste comercial mais de 100 mulheres paraquedistas que, em acrobática queda livre, se dão as mãos  para formar uma imagem em que se lê “Lavaroupas Siemens a somente 269 euros”. Ao final, o comercial diz “Bem no limite” (em óbvia alusão à fronteira com a Alemanha).

Não ficou na Dinamarca um único homem que não tenha visto o comercial sem dele gostar e a grande surpresa é que foi, precisamente, criado para impactar os espectadores masculinos. Veja no link que se segue o que foi considerado o melhor comercial de todos os tempos:

Para o fantástico vídeo clique  AQUI



aquitailandia.blogspot.pt



A história do bom aluno continua, desta vez aplicada à sardinha...

foto sacada daqui
Dez municípios do país exigem o aumento da quota 
de captura de sardinha para este ano e o próximo solidarizando-se com os pescadores de Peniche e da Nazaré, impedidos desde hoje de 
capturar aquela espécie.
“Há condições para que possa haver um 
aumento de quota para que se possa pescar 
por mais algumas semanas”, afirmou 
nome de todas as autarquias que se solidarizaram 
com aqueles dois municípios, uma vez que nos seus 
territórios, a quota irá também esgotar-se, nalguns 
casos nas próximas semanas e noutros em poucos 
meses.
Na posição conjunta, os dez municípios exigem ainda 
ao Governo que sejam rapidamente definidas “as medidas de acompanhamento para responder 
aos problemas resultantes da interdição e imobilização temporária das embarcações”
medidas essas que serão discutidas na terça-feira 
pela Comissão de Acompanhamento da Pesca da 
Sardinha.
A posição é subscrita pelas câmaras de Peniche, 
Nazaré, Figueira da Foz, Matosinhos, Sesimbra, 
Sines, Loulé, Portimão e Setúbal e Olhão, que se manifestaram ainda disponíveis para apoiar acções 
que venham a ser definidas pela Federação dos 
Sindicatos da Pesca


Em tempo.
"Por este ano já se acabou a sardinha... 
Não, não acabou a época da sardinhada. Até ao fim do 

Verão ainda haverá por aí umas sardinhadas... Com 
sardinha espanhola, e ainda mais cara...
Também é para isto que serve o bom aluno... convenientemente confundido com o aluno obediente, 

que come e cala. Que, no fim de contas, é o que importa: 
para isto e para outras coisas semelhantes!Por isso 
a ministra Cristas diz que tem de ser assim... Que o  que 
tem que ser tem muita força. Que temos de cumprir, se 
não no futuro teremos ainda quotas menores... É assim. Sempre foi assim... É sempre esta a história do 
bom aluno!"
 Eduardo Louro



outramargem-visor.blogspot.pt

23 DE AGOSTO DE 1939: É ASSINADO O PACTO MOLOTOV-RIBBENTROP ENTRE A RÚSSIA E A ALEMANHA

Cerimónia de assinatura: Molotov a assinar, Ribbentrop atrás (com os olhos fechados), com Estaline à sua esquerda

À esquerda as fronteiras conforme o Pacto Molotov-Ribbentrop. À direita, as fronteiras reais em 1939

Caricatura no jornal semanal "Mucha", de Varsóvia, em 8 de Setembro de 1939, já com a invasão Nazi em andamento. Ribbentrop faz reverência a Estaline





estoriasdahistoria12.blogspot.pt

23 DE AGOSTO DE 1926: MORRE O ÍDOLO DO CINEMA MUDO, RODOLFO VALENTINO



Ficheiro:Rudolph valentino i sangue e arena, 1922.jpg


No filme Sangue e Areia