AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 16 de julho de 2015

ATENAS EM MOVIMENTO - UM BELO CLIP QUE VEIO DA GRÉCIA


Atenas em Movimento





vídeo

Atenas em movimento é o mais recente na série de Cidades em Movimento filmadas por Jevan Chowdhury , onde os habitantes de cidades ao redor do mundo se envolvem com seu ambiente urbano por meio da dança. Ele serve como lembrou que, apesar de seus problemas, a Grécia ainda tem muito a oferecer ao mundo.


www.kuriositas.com

O JARDIM DOS MONSTROS DE PIER FRANCESCO ORSINI - LÁZIO, ITÁLIA

O Jardim dos Monstros

No século XVI Itália a nobreza, muitas vezes deixar testemunho de sua grandeza através do formulário de arte religiosa.  Pier Francesco Orsini. queria ser lembrado de uma forma totalmente diferente - através de seu Parque dos Monstros. Ele não queria os seus monumentos para agradar - ele queria surpreender.

Escondidoa em Bomarzo  a quase 70 km de Roma, os jardins estão localizados numa seção da floresta perto do fundo do vale em que o castelo da família Orsini foi construído. Aqui, depois de uma carreira como  mercenário Orsini e se estabeleceram  numa vida de epicurismo de meia-idade. O parque é, talvez, seguramente um espelho para sua imaginação (ou mesmo estado de espírito) depois de uma vida de turbulência política e social.

A vegetação natural do parque é natural e as esculturas podem ser encontradas em intervalos variados de modo que o visitante curioso, prendendo a respiração, nunca está completamente certo do que vai ser na próxima esquina. Algumas das esculturas foram esculpidas diretamente da base da pedra . Esta área do norte de Lazio é conhecida pela sua paisagem rochosa, na maior parte estéril.

Pier Francesco Orsini, que também foi referido como Vicino viveu entre 1528 e 1588, apesar de ser mercenário foi dedicado à sua esposa. Arrasado quando ela morreu, ele colocou suas energias para a criação de jardins. Para o ajudar ele tinha Pirro Lugorio que era um arquiteto popular na época.

Os monstros parecem não  ter nenhuma ligação uns com os outros em termos de mitologia ou período de tempo e também não há racionalidade em torno de seu posicionamento.
Uma inscrição em um obelisco diz que a área é sol por sfogare il núcleo ("apenas para definir o coração livre") 
Enquanto nós não podemos considerar algumas das esculturas de serem monstros, per se , o tempo de construção deve ser levadas em conta quando se trata de o nome. Pegasus, Poseidon e Proteus estão todos presentes no jardim. 

Uma enorme elefante esmaga um soldado romano em uma reencenação da jornada de Hannibal sobre os Alpes. 

Cerberus levanta a cabeça peluda enquanto gigantes destroem seus inimigos em pedaços. 

Pegasus sobe a partir de uma fonte e uma Triton cuida de tudo um pouco cansado.

Podemos imaginar a desconfiança com que este jardim pode ter sido visto no século XVI - e até mesmo mais tarde. 

 Talvez a dor de Vicino para a morte prematura de sua esposa levou-o a criar este jardim. Autores têm especulado sobre as verdadeiras razões para a construção de The Park of the Monsters há centenas de anos.

www.kuriositas.com

OUTROS CONTOS - SOPA DOS POBRES - A minha aldeia era uma das maiores do Concelho. Nela viviam muitas gentes, de todas as formas e cores, uns assim e outros assados, como habitualmente se dizia pelas minhas bandas.

«Sopa dos Pobres»
O Comedor de Feijão/ Annibale Carracci

562- «SOPA DOS POBRES»

A minha aldeia era uma das maiores do Concelho. Nela viviam muitas gentes, de todas as formas e cores, uns assim e outros assados, como habitualmente se dizia pelas minhas bandas.

Uns eram ricos, outros pobres, uns assim,  assim outros remediados, havia os que bebiam vinho, só vinho e os que bebiam água e nunca vinho.

Eram gostos dizia o povo.

Trabalhava-se no duro, na minha aldeia. Uns na agricultura outros nas oficinas, fazendo um ou dois cabazes de vime, que mais tarde vendiam para ganhar mais algum dinheiro e comprar mais alguma mercearia ou algum litro suplementar de petróleo para os candeeiros ao petrolino de passagem.

Havia aqueles que, fruto dos tempos e das necessidades, depois das horas solares, avançavam para o vale ou para os cortes da companhia Americana que explorava os minérios metálicos da zona, ludibriando os guardas que tentavam assegurar que o minério não era roubado pelos meliantes que procuravam mais algum tostão para as suas vidas.

Claro que havia os senhores tais, os senhores engenheiros, os brasonados, os Doutores da saúde, os amigos dos senhores tais, os bufos do costume, os que foram e ainda eram e os que não eram mas foram. Vivia-se no regime do Estado novo e tudo circulava nessa forma de viver.

Assim era a minha aldeia, um pouco igual a centenas de outras, que existiam em Portugal. 

Estávamos, devo dizer, em 1940, década de muitos sacrifícios de um povo que não teve guerra mas que a viveu na sua existência do dia a dia, com racionamentos, fome, miséria e muita propaganda emanada dos altos oficiais da nação fazendo acreditar que os Portugueses eram um povo eleito pelo Deus do poder, porque os tinha livrado da guerra ou seja, da morte provocada pela guerra, porque a fome e a miséria, os Portugueses tinham.

Os mais remediados e amigos do regime, para desentorpecer dos dias mais aborrecidos, jogavam nessa altura um jogo que se baseava numa hipotética invasão de Portugal pelos...bem, pelos inimigos, pois o regime inclinava-se mais para os aliados.

Desde usar máscaras contra os gases venenosos, fornecidas pelos serviços civis, reunir-se em grutas e túneis, cavernas e outros buracos em caso de emergência, ter lanternas e outros afins preparados para essas alturas, enfim, um pouco à Americana.

Os mais pobres eram os peões do jogo, aqueles que entravam em último ou que ficavam no exterior sem as máscaras para ver no que dava.

Eram dias felizes para alguns, tristes para outros.

Mas quero-vos contar sobre algo que havia na minha aldeia que não sendo uma novidade ou inovação local, era um motivo de orgulho para os ricos da altura.

Mas para isso tenho de vos falar de uma Senhora tal, de uma brasonada esposa de um engenheiro, que viva na minha aldeia.

Chamava-se Inês, Inês Hargreaves de Macedo. Por casamento com um senhor tal, engenheiro (com a devida vénia ou o chapéu acenado) Rabaça de Carvalho, ficou Inês Hargreaves de Macedo Rabaça de Carvalho.

Esta senhora, Inês, não tinha uma profissão definida, era a Senhora dona Inês, a esposa do Senhor Engenheiro, não produzia nada, apenas existia para permitir ao Senhor Engenheiro ter filhos, uma família e ter uma esposa.

Nessa altura, os racionamentos e a miséria faziam que a fome batesse á porta de 90% das famílias da minha aldeia. Muitos dos homens, trabalhavam para os Senhores tais nos seus terrenos em troca de alguma comida, vegetais e frutas, que, por ironia do destino, eles próprios plantavam e colhiam. No final do dia, lá vinha o capataz que em nome do senhor tal e tal, permitia que fulano e cicrano levassem um balde de batatas e uma couve, um nabo e um bacalhau da horta, duas mãos-cheias de azeitonas para curtir.

Para alguns, esta era uma boa paga, uma sorte, diziam muitos, que alguns havia que nem tinham onde ir buscar e viviam de esmolas na rua.

Como mais famílias iam ficando sem sustento e a doença insistia em ficar acamada, os mais novos, mais atrevidos e com boa corrida nas pernas de galgos, surripiavam aqui e ali, o que podiam, entrando nos pobres casebres com sorrisos de orelha a orelha e o fruto do galinheiro ou da coelheira do senhor tal, ou o alforge de isto ou daquilo das hortas, em calmaria em dias de domingo por alturas das missas.

A Dona Inês, como Senhora da casa de seu marido, o Senhor engenheiro, sempre ocupado nos seus afazeres, tomava conta da cozinha, quer dizer, ordenava as ementas, ordenava as ordenanças, os criados, a horta etc., etc. Já havia aqui, podem alguns dizer, trabalho.

E a D. Inês já se tinha apercebido que entre um domingo e outro, ao voltar da missa, havia sempre falta de galinhas, coelhos, as hortas eram rebuscadas, pisadas pelos surripiantes em pressas de dar às de vila-Diogo, ou seja, fugir.

Nos serões de domingo, em que a entente senhorial se encontrava nas casas de um ou de outro, em que o pároco da aldeia era então convidado de honra e o sermão discutido enquanto que o presbítero avançava na sua peça de cabrito e enxafordava-se no tinto da adega do dono da casa tudo em glória de Deus, um dos convivas, um tal de Simões, levantou a voz e disse:

- Esta manhã foi um bacorito. Já é o segundo desta criação que me desaparece não há respeito, 
é o que é, roubam e ainda fazem pouco, dizia a Dona Inês com o seu brandy após o repasto. Não 
sei o que querem, ainda no outro dia a Maria da Felicidade me veio bater à porta para pedir 
um pouco de leite para os cachopos.

Essa desgraçada, deita-se com qualquer um depois agarra-se de barriga e lá vem mais outra boca, o Padre Joaquim, acabando o vinho e lambendo a beiça, engordorada da carne. 
Já a tenho chamado à atenção, mas está perdida.

Temos de fazer alguma coisa ou não há quem os pare, afirmou o senhor engenheiro, o mais experiente nestas coisas de manipular o povo.

- Que comam erva, disse o Simões, com ar anafado e já por tudo.

- Antes o comem a si do que a erva. Há que haver cuidado em manobrar isto. Não há que deixar sair a gentalha do que estão acostumados.

 O Engenheiro pigarreou a garganta e continuou, servindo-se de uma aguardente velha amadurecida na quinta das Fragas pelos seus criados.

- Tenho uma ideia. Se têm fome, roubam e nós não podemos controlar o que roubam, estragam e levam o que querem, não adianta chamar a guarda e o regedor não resolve nada. A melhor maneira é evitar que roubem e façam estragos e que comam o que nós podemos controlar. 

O Engenheiro virou-se para a esposa, a D. Inês que estava ao lado do Padre Joaquim 
com um rosário nas mãos:

- A minha esposa vai instruir os criados para juntarem as couves que não usamos e as batatas ratadas dos escava-terras, o feijão partido e outros restos, para que todos os dias se faça uma caldeira de sopa que a horas de almoço será distribuída aos pobres, à porta da nossa cozinha. Vou mandar vir da sede de concelho umas malgas próprias e vou mandar fazer uma banca. O senhor prior, no próximo domingo, avisará no sermão para passar palavra. A caridade cristã está sempre nos nossos corações e fazemo-lo por Nosso Senhor e pelo Divino Espírito Santo.

- Ámen, responderam em coro os presentes, apiedando-se de tal condição cristã do Senhor Engenheiro, fazendo o que a palavra de Deus manda, pois é sabido, quem dá aos pobres, empresta a Deus. Acabarão todos no paraíso, alvos de boas referências pois aos anjos nada se lhes escapa.

E assim foi, passada que foi uma semana, o povo, esfomeado e curioso, (já se falava em toucinho e osso cozido, chouriço a corte e pão e presunto novo do tenro, não faltando o queijo à fatia) perfilou à porta da cozinha do Senhor Engenheiro, esperando a abertura do reino que há-de vir em comida.

Os criados saíram primeiro com a tal banca, onde um caldeirão fumegante foi colocado e uma pilha de malgas foi trazida. Um a Um, recebiam uma malga de sopa e uma fatia de pão, cozido no forno por aqueles que agora faziam fila.

A sopa não era má, batata com fartura, faz a sopa grossa, as couves eram as necessárias, nabo e cenoura e três ossos da salgadeira para dar sabor.

A quem trouxesse vasilha, era permitido levar mais uma concha para casa, os que não podiam vir por doença, eram também fornecidos por vizinhos ou almas caridosas que lha levavam.

É claro que a D. Inês aparecia, para saber se tudo ia bem, se o povo estava contente. O Simões tinha agora uma criação inteira, sem furtos nem surpresas. Dava por mês, duas chouriças e três ossos de salgadeira, os restos das folhas das couves depois dos animais estarem fartos, havia que dar de comer aos animais, é desumano deixá-los à fome.

Com o tempo, os pobres iam também trazendo algumas couves e batatas, para o dia seguinte, era um Estado Social a funcionar.

Os roubos diminuíram e o caso foi levado ao concelho, onde o Engenheiro, homem com um peso já deveras influente, foi homenageado e tido em consideração.

O Bispo visitou tal instituição que ficou conhecida como sopa dos pobres, elogiando a D. Inês em pleno sermão dominical o que deixou a excelsa Senhora embevedecida, mas não em excesso, devido à ameaça de pecado.

A D. Inês que não tinha nada para fazer e que se aborrecia por isso, encontrou uma actividade que lhe deu, durante alguns anos, uma forma de existência, louvada que foi em público e amada que era pelo povo, que a tratava com mimos e carinhos quando a viam e encontravam.

Os convivas da entente senhorial, continuavam a encontrar-se aos serões de domingo, em que planeavam o futuro do povo. O próprio regedor foi chamado a estes convívios e o Senhor Engenheiro ofereceu-lhe um fato de cashmira que ele já não usava por estar já muito usado.

Também o regedor passou a ser parte da entente, apesar de não perceber nada do que lá se dizia, (segundo afirmava ele, quando bêbado) mas o vinho era bom e a comida de qualidade.

Com o tempo, o povo começou a sentir-se usado, indignificado e família por família, rua por rua, bairro por bairro, começou a juntar-se a a reunir as suas poucas comidas e a fazer mais comida para todos.

A D. Inês apercebeu-se que a fila estava a diminuir dia a dia. A passos vistos.

Nesses pequenos grupos comunitários, já se fazia comida em condições, não só sopa, mas outros condutos. Já se conseguia sardinha que era salgada na costa pelos pescadores que assim a enviavam sem grandes custos e o povo da minha aldeia mandava para os pescadores, também sem grandes custos, batatas e couves.

De Trás-os-Montes, de Montalegre, chegaram umas reses de ovelhas que tinham sido juntas uma por uma que a casa de cada pobre tinha, para uso de leite. Como não havia grandes prados lá pelas serranias e havia bastantes baldios na minha aldeia, cheios de erva tenra, as ovelhas vinham pela invernia ficavam ali e deixavam o leite e meia criação.

O povo aprendia a viver com ele próprio. Mas a entende senhorial não aceitava estas coisas.

- Isto é coisa de comunistas, dizia o prior, mais no uso das palavras.

- Qualquer dia ainda montam uma cooperativa e produzem por eles próprios, dizia o Simões, já cheio de bacorinhos e sem saber o que lhes fazer. Já têm ovelhas e consta que até porcos.

O Engenheiro era um homem experimentado e sabia bem que, sem grande vontade, o povo não chega a lado nenhum, sem capataz, não se orienta.

Elaboraram então mais um plano, desta vez, com todas as armas.

Um domingo que veio, o Engenheiro com a justificação de ser a festa anual, abriu a adega e o vinho escorreu pelas gargantas dos homens sequiosos.

Dois barricos de 200 litros cada foram preparados e um cântaro de aguardente foi junto ao vinho.

Com tal tamanha e explosiva mistura, muitos dos homens do povo, travaram-se de razões onde não havia razão nenhuma, muitos ficaram a mal, outros bateram-se criando ódios familiares que nunca mais passaram, uma morte aconteceu.

Na igreja o padre Joaquim fazia a sua prática e atacava no povo e na sua independência dos senhores e dos capatazes. Não era cristão, dizia em voz afectada e consumida pela raiva que tais acções o faziam sentir. Tinha notado um abandono do povo pelas missas dominicais.

A D. Inês desabafava que o povo estava a viver num sonho, que nunca iria a vida ser assim, que havia quem estivesse para comer carne e quem estivesse para comer sopa. Que haveria sempre pobres e ricos e que sorte tinham estes pobres por os ricos se interessarem por eles.

- Há sempre uma malga de sopa quente, pronta para ser servida, na nossa casa a quem quiser voltar e tiver fome, dizia ela para a Maria da Felicidade. Se quiseres leite, podes levar quanto queiras. Ontem, metade da ordenha da semana passou-se e tivemos de deitar o leite fora.

A D. Inês voltou a ser apenas a mulher do Senhor Engenheiro e voltou a estar aborrecida. Nunca entendeu bem porque o povo lhe voltou as costas e porque não quiseram mais sopa de graça. Há muitas pessoas que também não entendem o significado deste conto.

O povo da minha aldeia, esse mudou, não voltou mais a ter sopa dos pobres nem a ser usado para caridade cristã e um dia, construiu mesmo uma cooperativa. Sonhou com coisas novas, com outras vidas, acabou por cair sempre no vinho do Engenheiro e nunca conseguiu livrar-se das razões sem razão nenhuma.

A D. Inês já não existe. Morreu à alguns anos atrás muito idosa.

Saiu da minha aldeia e nunca mais voltou. Chamava o povo de vermelhos e nem já se lembrava de nomes que tinham sido parte da sua vida.

A sopa dos pobres é ainda uma memória viva para os mais idosos que ainda hoje vivem na minha aldeia, tal como o local para onde foi mudada, em frente à cozinha da casa brasonada do Senhor Engenheiro.

O padre Joaquim, foi meu professor muitos anos depois.

A minha aldeia e o meu povo nunca mereceram tal coisa.

José Perfeito

wwwpoetanarquista.blogspot.pt

SAPATOS ROSA - A PINTURA DE KAY BOYCE

rosa Shoes - Pintor Kay Boyce

Kay estudou ilustração em Wrexham  na faculdade antes de trabalhar como ilustradora freelancer. Ela produziu um trabalho editorial para Women s Weekly, Bella,  Weekly, Sunday Express e Mulher s Own. Seu trabalho de ilustração levou-a através de grandes editoras de livros, tais como Hodder e Staughton, Wadsworth Romantics,  e Mills and Boon. Embora Kay seja orgulhosa da sua realização na ilustração comercial sua verdadeira vocação é como pintora. Kays floresceu na carreira como artista e seus desenhos a pastel e lápis se tornaram instantaneamente reconhecíveis, e o seu trabalho foi agraciado por colecções particulares


Seu uso delicado de pastéis e amor por roupas antigas e tecidos dão uma qualidade feminina suave ao seu trabalho que agrada a homens e mulheres .Ela praticou balé e dança contemporânea (e agora Salsa), e isso  lhe deu um insight no assunto e uma aptidão para reproduzi-lo. Ela tem sido uma artista  de top  












dancewithcolors.blogspot.com

ELE DIVERTE-SE E DIVERTE-NOS ! (vídeo)






VÍDEO

video

A ILHA AMALDIÇOADA - GAIOLA ISLAND - UMA PEQUENA ILHA HISTÓRICA NA ITÁLIA - CONHEÇA AQUI

Gaiola Island - Itália


Gaiola ilha é uma das ilhas mais pequenas de Nápoles, Itália ao largo de Posillipo e dá o seu nome ao Parque Subaquático de Gaiola (Parco di Sommerso Gaiola), uma área marinha protegida.


A ilha tem o seu nome a partir das cavidades que pontilham a costa de Posillipo (do cavea Latina ", pequena caverna", e depois através do dialeto "Caviola"). Originalmente, a pequena ilha era conhecida como Euplea, protetora da segurança da navegação, e foi o local de um pequeno templo.


A ilha é muito perto da costa, acessível em  natação. Supõe-se que originalmente não era nada mais do que uma extensão do promontório oposto e foi artificialmente separada apenas  num momento posterior ao mando de Lucullus.


No século 17, a ilha foi praticamente repleta de fábricas romanas, enquanto que dois séculos mais tarde, a ilha serviu como uma bateria em defesa do Golfo de Nápoles.


No início do século 19, a ilha era habitada por um eremita, apelidado de "The Wizard", que vivia graças à caridade dos pescadores.Logo depois, a ilha viu a construção da moradia que a ocupa hoje e que ao mesmo tempo foi possuída por Norman Douglas autor de Land of the Siren. Na década de 1920 houve um carro de cabo que ligava a ilha ao continente.


 A população de Nápoles considerou Gaiola uma "ilha amaldiçoada", que com sua beleza esconde um "destino inquieto". A reputação surgiu por causa da morte prematura e freqüente de seus proprietários. Por exemplo, na década de 1920, ela pertencia ao suíço Hans Braun, que foi encontrado morto e envolto em um tapete; um pouco mais tarde, sua esposa se afogou no mar. O proprietário seguinte foi o alemão Otto Grunback, que morreu de um ataque cardíaco durante a sua estada na casa de campo. Um destino semelhante se abateu sobre o industrial de farmacêutica Maurice-Yves Sandoz, que cometeu suicídio em um hospital psiquiátrico na Suíça; seu proprietário subseqüente, um industrial siderúrgica alemã, Baron Karl Paul Langheim, foi arrastado à ruína económica . A ilha também pertenceu à Gianni Agnelli, que sofreu a morte de muitos parentes, e a Paul Getty, que suportou o seqüestro de um neto. O último proprietário privado da ilha foi Gianpasquale Grappone,  foi preso.Jornais falaram novamente sobre a "Gaiola Malediction" em 2009, após o assassinato de Franco Ambrosio e sua esposa Giovanna Sacco, que possuía uma casa em frente à ilha.


Origem Wikipedia ...

A NATUREZA DO MUNDO

thenatureoftheworlds.blogspot.com.tr