AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 15 de julho de 2015

BEM TOCADO







VÍDEO

video

O NAVIO CREOULA

CREOULA na Base Naval de Lisboa



DO BLOG:

chipa - barco à vista - Blogger

barcoavista.blogspot.com/search/label/CHIPA






Imagens do NTM CREOULA obtidas a 28 de Abril de 2015 na Base Naval de Lisboa, dias antes de o navio fazer 78 anos. Com efeito, a 10 de Maio de 1937, o CREOULA foi lançado ao Tejo na Rocha do Conde de Óbidos no meio de uma grande festa, celebrando-se a capacidade de o Estaleiro da CUF ter construído os cascos do CREOULA e do seu irmão SANTA MARIA MANUELA em apenas 62 dias úteis, e a qualidade das construções está aí a provar que ambos os cisnes bacalhoeiros são do melhor que flutua nos sete mares, para além de belos, muito belos. 
Olhar para o CREOULA e para o seu irmão ainda me empresta algum orgulho em ser português, apesar dos tempos dificeis que caracterizam a nossa época. Só memo a MARINHA PORTUGESA para dar o exemplo na boa gestão dos dinheiros públicos que, com a grande dedicação que caracteriza a Guarnição do CREOULA, vai superando as dificuldades e continua a mostrar a nossa bandeira nos mares e a dar a conhecer o mar a tantos jovens. 

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

CREOULA SORRIDENTE

Há 78 anos as carreiras de construção naval da Rocha do Conde de Óbidos transpiravam de azáfama com os lugres bacalhoeiros CREOULA  e SANTA MARIA MANUELA em contagem decrescente para a cerimónia de lançamento à água, que viria a acontecer com o maior sucesso na tarde de 10 de Maio de 1937, tendo ambos participado na campanha de pesca do bacalhau desse ano. Quase 78 anos depois pode dizer-se que a vida tem sorrido a estes dois navios magníficos, e em especial ao CREOULA, que no passado dia 28 de Abril apresentava este sorriso em arte de marinheiro da guarnição do navio a assinalar o "Dia Mundial do Sorriso".

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia


CREOULA a subir o Tejo a 24 de Abril de 2015

Depois de ter saído a Barra de Lisboa na tarde de 21 de Abril, o NTM CREOULA cumpriu um período de três dias de mar para treino da guarnição, regressando ao Tejo e à Base Naval de Lisboa ao amanhecer de 24 de Abril, seguindo quase na esteira do NRP TRIDENTE. 
O CREOULA subiu o Tejo com topo o pano latino içado, proporcionando uma imagem muito bonita que fez parar muita gente ao longo da margem norte do rio, disparando-se fotografias, fazendo-se comentários, demonstrando a apreciação popular positiva por um navio intemporal em termos de beleza, tradição e utilidade em resultado da melhor recuperação de navios históricos promovida entre nós por iniciativa estatal nas últimas décadas. 
O CREOULA continua lindo e vai navegar intensamente na época de 2015. Parabéns à Marinha, que opera o navio, ao Sr. Comandante Cruz Martins, aos oficiais e guarnição do NTM CREOULA por nos mostrarem assim o CREOULA e proporcionarem uma manhã no Tejo com tantas velas.
Fotografias de Luís Miguel Correia que acompanhou a subida do Tejo do NTM CREOULA a 24 de Abril de 2015 ao longo da margem norte do Tejo de Belém até ao Cais do Sodré. E se tivesse um meio anfíbio, em vez de 100 imagens, teriam sido 1000. De qualquer forma aqui se partilha uma pequena selecção.  






Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

CREOULA a sair de Lisboa 21 de Abril de 2015



O CREOULA encontra-se de novo preparado para mais uma época de muitas navegações a dar a descobrir o nosso Mar a mais umas centenas de jovens. Aqui vemos o navio a sair de Lisboa na tarde de 21 de Abril de 2015 para mais um período de treino da guarnição. Inconfundível a personalidade deste navio histórico que dentro de duas semanas comemora 78 anos da data do lançamento à água no estaleiro do Porto de Lisboa, à Rocha do Conde de Óbidos. O estaleiro ainda existe mas é uma sombra ligeira de um passado recente, já não se sabe construir navios na Rocha, muito menos em 62 dias como aconteceu em 1937 com o CREOULA e o seu irmão SANTA MARIA MANUELA. 

Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

CREOULA: "Içar as Extensulas"

Estava a acompanhar a largada do CREOULA de Lisboa para o Douro e Avilez, com um grupo de membros da Aporvela embarcados, na tarde de 24 de Julho último, quando, ao passar por baixo da Ponte 25 de Abril, o navio iniciou a manobra de içar as extênsulas, pelo que aqui fica um registo do acontecimento que prendeu as atenções de diversas pessoas em lazer na Junqueira, incluindo uma avozinha que chamou a atenção do neto para aquela "linda Caravela". 
Quem sabe se qualquer dia não temos mais um Amigo do CREOULA neste netinho? Ninguém fica indiferente à presença do nosso CREOULA e o facto de se procurar sempre que possível largar de Lisboa com o pano içado, aumenta em muito a visibilidade do navio...
Mais um pequeno grande contributo do CREOULA para que se vá mantendo viva  a ligação dos Portugueses aos navios e ao Mar...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia







CREOULA passando o EMPIRE STATE

Ao sair de Lisboa no dia 24 de Julho de 2014 no início da última viagem deste ano para a APORVELA, o NTM CREOULA cruzou-se com o navio-escola norte americano EMPIRE STATE de entrada para uma visita de 4 dias, frente à Banática, tendo os navios trocado apitos. 
Do Comando do CREOULA recebemos estas três fotografias tiradas de bordo, e por coincidência eu registei o momento precisamente na mesma ocasião, proporcionando uma perspectiva diferente, "de fora"...
Foi um momento único, cheio de significado histórico: o EMPIRE STATE navega há 52 anos e foi construído como navio de carga e passageiros rápido utilizado nas carreiras do Pacífico pela companhia States Steamship Lines com o nome original OREGON. Trata-se de um navio com turbinas a vapor capaz de uma velocidade de serviço de 20 nós, testemunho da geração de navios de carga geral rápidos que antecedeu os primeiros porta-contentores na década de 1960, e um dos únicos navios deste tipo ainda  a navegar, desde há 20 anos ao serviço da Escola Náutica de Nova Iorque, utilizado para instrução dos futuros oficiais da Marinha Mercante dos EUA.
O CREOULA não fica atrás em nada em termos de valor histórico e utilidade, navegando desde há 77 anos...
Texto e imagens /Text and images copyright L.M.Correia e NTM CREOULA. Favor não piratear. Respeite o meu trabalho / No piracy, please. For other posts and images, check our archive at the right column of the main page. Click on the photos to see them enlarged. Thanks for your visit and comments. Luís Miguel Correia

chipa - barco à vista - Blogger

barcoavista.blogspot.com/search/label/CHIPA

SEM ALTERNATIVA À ECONOMIA DE MERCADO?

SEM ALTERNATIVA À ECONOMIA DE 


MERCADO? 




POR MAURÍCIO CASTRO

QUARTA-FEIRA, 15 DE JULHO DE 2015


Assim de contundente foi o líder da alternativa eleitoral ao bipartidarismo espanhol vigorante, em declaraçoes recentes ao The Wall Street Journal. Num ataque de sinceridade que deveríamos agradecer, Pablo Iglesias afirmou que “nom há umha verdadeira alternativa à economia de mercado”.
Umha sentença que dá continuidade a um pensamento constante nas diversas correntes de pensamento defensoras do sistema em vigor. Talvez a mais conhecida e divulgada tenha sido nas últimas décadas a do filósofo japonês Francis Fukuyama, pensador da direita neoliberal, no seu best seller do fim dos anos 80: “O fim da história”. Eram os tempos da queda do chamado campo socialista no leste da Europa. Lembram?

Porém, na verdade, a origem desse pensamento remonta nada menos que ao maior filósofo do pensamento burguês nascente, a cavalo entre os séculos XVIII e XIX: Georg Wilhelm Friedrich Hegel, que o formulou, inspirando-se na ascensom das ideias de progresso trazidas primeiro pola Revoluçom Francesa e depois pola extensom do império napoleónico frente ao esmorecimento do Antigo Regime. O genial filósofo idealista alemám afirmava que a monarquia liberal e democrática traria o equilíbrio final em que a civilizaçom mais avançada, a europeia e burguesa, atingiria o fim da história sob um Estado situado por cima das classes e representativo de todas elas.

Bebendo da inesgotável fonte hegeliana, mas também ultrapassando o seu idealismo, outro alemám, Karl Marx, conseguiu desmontar, com base no rigor analítico e na evidência histórica, essa tese do velho Hegel, situando o Estado burguês e o modo de produçom capitalista nos termos reais que lhes correspondem, como mais um entre os diferentes que já tenhem existido na história da humanidade, sempre ao serviço da classe dominante em cada modo de produçom.

Como as anteriores, a conceçom do mundo burguesa carateriza-se pola autoconsideraçom como a melhor, a definitiva e a única possível. Tal como no interior das sociedades escravistas ninguém tinha dúvidas sobre o seu caráter universal e eterno, também o feudalismo se caraterizou por idêntica autoconsideraçom, até um e outro serem ultrapassados polo desenvolvimento das suas contradiçons internas num desenrolar histórico das capacidades e necessidades humanas por cima dos espartilhos impostos polas relaçons sociais de cada época.

Umha versom espanhola e vulgarizada da mesma ideia de Hegel e Fukuyama foi também formulada, como sabemos, polo presidente Felipe González: “Vivemos no melhor dos mundos possíveis”, afirmou o principal artífice da incorporaçom do Estado espanhol a um neoliberalismo cujas conseqüências padecemos em toda a sua crueza.

Sintomaticamente, Pablo Iglesias, o líder carismático que está a encarreirar os indignados para o rego da institucionalidade pró-sistema, também afirma agora o seu compromisso com a conceçom do mundo burguesa-capitalista, que como todas as anteriores é considerada a única possível, universal e eterna, mesmo em plena crise terminal como a que vivemos.

A importáncia dessa afirmaçom nom está na curiosa equiparaçom com os dous antecedentes referidos: Fukuyama e González. O verdadeiramente relevante é o significado dessa leitura da realidade política sobre a qual operam Pablo Iglesias e o seu novo partido: o capitalismo é insuperável e, portanto, só cabem políticas compensatórias das suas intrínsecas desigualdades e injustiças. A redistribuiçom da riqueza, os subsídios aos setores excluídos e a “democratizaçom” de um sistema de exploraçom inevitável.

É essa, no fundo, umha aberta identificaçom com os restos do que historicamente foi a social-democracia. Um movimento que a inícios do século XX aspirou a um progresso linear que conduzisse ao socialismo através do desenvolvimento progressivo e mundial do próprio capitalismo. Que mais tarde deixou atrás o objetivo socialista para se conformar com umha razoável democratizaçom e distribuiçom da riqueza no centro capitalista, numha miragem que pareceu real durante as décadas de Estado de Bem-Estar a cujo fim agora assistimos.

Com aquela social-democracia convertida definitivamente em social-liberal, as lideranças neo-reformistas do movimento indignado levantam o punho para reclamar o retorno a 2007, antes do rebentamento da atual crise. Eis o programa de Podemos e, no nosso país, das candidaturas cidadanistas que tam bons resultados obtivérom nas recentes eleiçons municipais.

Nom som relevantes as diversas doses de boa vontade ou oportunismo que podam alimentar essas iniciativas críticas de esquerda reformista. O relevante está na declaraçom de parte que agora Pablo Iglesias verbaliza com a sua frase: “nom há alternativa à economia de mercado”.

Podemos e o chamado cidadanismo, tal como o seu referente grego, Syriza, assumem a conceçom de vida burguesa e a impossibilidade material de quebrar a lógica mercantil-capitalista, hoje representada para nós, como galegos/as, polos poderes institucionalizados na Uniom Europeia, na NATO, na uniom monetária e no Estado espanhol.

Com essa limitaçom autoimposta, nada de substancialmente diferente à decadente barbárie capitalista poderá vir, como nunca véu, da mao de quem nom aspira a ser nada mais que a sua consciência crítica.

*Autor Convidado
Maurício Castro, membro do Colectivo Editor do Diário Liberdade e militante da esquerda independentista galega

O SENHOR COSTA


 O senhor Costa tem asas curtas para ser falcão, o senhor Costa é “La voix de son maître” ou seja, a dos verdadeiros falcões que o trazem pela arreata. No grupo do senhor Costa o predador Martin Schulz rege a matilha e François Hollande, o matraquilho da senhora Merkel, atiça o Pit Bull, Petro Poroshenko contra o povo da Ucrânia. 
O senhor Costa tem o mesmo discurso do senhor Passos, a quem não se cansa de fazer cocegas frente às câmaras de televisão que traz amarradas às canelas. Passos, cujo bestunto já é cotado na bolsa, encontrou a solução que Costa enaltece. Do Povo grego nem falam, para ambos a única e principal preocupação sãos os mercados.
A LUTA DO POVO GREGO CONTRA ESTES NEO-FASCISTAS É DOLOROSA E MAIS UMA VEZ O ENALTECE.

 O senhor Costa tem asas curtas para ser falcão, o senhor Costa é “La voix de son maître” ou seja, a dos verdadeiros falcões que o trazem pela arreata. No grupo do senhor Costa o predador Martin Schulz rege a matilha e François Hollande, o matraquilho da senhora Merkel, atiça o Pit Bull, Petro Poroshenko contra o povo da Ucrânia. 
O senhor Costa tem o mesmo discurso do senhor Passos, a quem não se cansa de fazer cocegas frente às câmaras de televisão que traz amarradas às canelas. Passos, cujo bestunto já é cotado na bolsa, encontrou a solução que Costa enaltece. Do Povo grego nem falam, para ambos a única e principal preocupação sãos os mercados.
A LUTA DO POVO GREGO CONTRA ESTES NEO-FASCISTAS É DOLOROSA E MAIS UMA VEZ O ENALTECE.

PORTA MATA MENINO EM MARVILA (vídeo)


                                     


vídeo


video

CM

ASAE multa Pingo Doce em meio milhão pelo 1.º de maio de 2014

ASAE multa Pingo Doce em meio milhão pelo 1.º de maio de 2014

15/07/2015 | 12:17 |  Dinheiro Vivo

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) vai aplicar uma multa de 500 mil euros ao Pingo Doce, confirmou esta quarta-feira uma fonte do Ministério da Economia à Agência Lusa. Em causa está a venda de produtos abaixo do preço de custo, conhecido como "dumping", no âmbito da campanha do 1.º de maio de 2014, confirmou ao Dinheiro Vivo fonte oficial da empresa, que impugnou a decisão.

"A decisão surpreende-nos porque estamos convictos de que observámos e cumprimos a lei e agimos, de resto, com a concordância expressa dos nossos fornecedores, com os quais celebrámos acordos para esse efeito. Impugnámos judicialmente, por isso, esta decisão", refere a mesma fonte.
O Pingo Doce explica ainda que está em causa a "campanha do 1º de Maio de 2014, a que os nossos parceiros se associaram, tendo em vista o objectivo de gerar um dia de vendas forte e com oportunidades relevantes para os nossos clientes".
Esta informação corrobora o que fora adiantado minutos antes por uma fonte contactada pelo Dinheiro Vivo: a cadeia de distribuição referida por Pires de Lima, cujo nome não foi revelado, seria, de facto, a Jerónimo Martins, dona do Pingo Doce.
A empresa terá sido notificada em junho pela multa de 500 mil euros relativa a uma "venda com prejuízo de alguns produtos". O montante da multa enquadra-se na lei sobre as práticas individuais restritivas de comércio(PIRC), em vigor desde fevereiro de 2014.
Como o Pingo Doce é considerado uma grande empresa, está sujeito a uma "coima mínima de 5 mil euros e máxima de 2,5 milhões de euros. Este montante também se justifica para "dissuadir, no futuro, a adoção de práticas idênticas", refere fonte oficial do Ministério da Economia, que tutela a ASAE.
O ministro da Economia, adianta a Lusa, afirmou que hoje a ASAE "faz menos gala em ser forte com os fracos" e passou a ser "forte com os fortes", exemplificando com uma multa de 500 mil euros aplicada a uma grande empresa de distribuição.

O ministro da Economia, António Pires de Lima, está hoje a ser ouvido na comissão parlamentar de Economia e Obras Públicas sobre a privatização da TAP, na sequência de um requerimento apresentado pelo Partido Socialista (PS), e para debater a política geral do ministério e outros assuntos de atualidade.
Na sua intervenção, Pires de Lima criticou a antiga atuação da ASAE, salientando que "nos dias que correm" a entidade tem uma "ação menos orientada para o espetáculo", seguindo agora o "caminho certo"
"Quando não estava no Governo não gostava particularmente, nem creio que os próprios membros do PS gostassem, de uma atuação [da ASAE] que muitas vezes enveredava pelo espetáculo, sempre coberto de televisões, intimidando e fechando pequenas instalações que se fossem objeto de um tratamento preventivo" tal não aconteceria, afirmou o governante.
Pires de Lima disse ainda que os responsáveis da ASAE serão ouvidos na mesma comissão parlamentar ainda durante esta sessão legislativa, no âmbito dos resultados do inquérito hoje tornado público.
ASAE sem "lista VIP"
A secretaria-geral do Ministério da Economia concluiu que "não existe qualquer lista VIP" na Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), nem "é utilizado qualquer instrumento que implique um tratamento diferenciado na atuação" da inspeção económica.
As conclusões constam de um inquérito instaurado pelo ministro da Economia, após a Associação Sindical dos Funcionários da ASAE (ASF-ASAE) ter denunciado, em junho, situações em que os inspetores foram proibidos de fiscalizar determinados agentes económicos e em que as brigadas receberam ordens para abandonar os locais que estavam a inspecionar.
Os resultados "são bastante conclusivos, não existe qualquer lista VIP, neme qualquer instrumento diferenciado na atuação", ao contrário "da insinuação que foi feita por um sindicato", considerou Pires de Lima, citado pela Lusa.

Libertada menor escravizada durante cinco anos

Libertada menor escravizada durante cinco anos

 
A Polícia Judiciária libertou uma menor, hoje com 17 anos, que foi escravizada durante cinco por um casal a quem a vítima tinha sido "vendida" pela própria mãe.
 O casal, com 36 e 37 anos, foi detido pela PJ, em Ovar, pelos crimes de tráfico de seres humanos, abuso sexual de criança, maus tratos e falsificação de documentos.
Em comunicado, a PJ do Porto adianta que nesta investigação apurou-se que a vítima "foi retirada contra a sua vontade do seu seio familiar quando tinha apenas 12 anos de idade, vindo a ser obrigada a viver uma relação marital, tendo os suspeitos contado com a cumplicidade da mãe da criança que terá recebido uma quantia monetária para o efeito".
A mesma criança "terá já vivenciado anteriormente um outro episódio de vitimização, uma vez que, com apenas 10 anos de idade, terá sido entregue em circunstâncias semelhantes a uma outra família que a transportou para um outro país, submetendo-a durante um ano à prática da mendicidade forçada e forçando-a igualmente a manter uma relação marital contra a vontade, vindo a ser depois restituída à progenitora", garante ainda a PJ.
Em Portugal, a menor tinha a seu cargo toda a lide doméstica da casa, incluindo zelar pelos cuidados de cinco filhos menores dos suspeitos, para além de ser por estes obrigada a praticar furtos em alguns estabelecimentos comerciais. Caso não cumpria as ordens que lhe eram impostas pelo casal era espancada "com um bastão, instrumento de agressão que veio a ser apreendido"