AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 2 de julho de 2015

HUMOR NEGRO - JÁ NÃO ESTOU POR AÍ


Afinal, Ricardo Sá Fernandes é o cabeça de lista do Livre pelo Porto

Afinal, Ricardo Sá Fernandes é o cabeça de lista do Livre pelo Porto

Suspeitas de manipulação dos votos que deram vitória a Daniel Mota no Porto levaram a uma recontagem. Ricardo Sá Fernandes passa agora de número 3 a cabeça de lista e Daniel Mota vai para o 11º lugar.
Paulo Spranger
Autor
    Afinal, o advogado Ricardo Sá Fernandes, que tinha ficado em terceiro lugar no círculo eleitoral do Porto nas primárias do Livre/Tempo de Avançar para as legislativas deste ano, vai ser cabeça de lista. Suspeitas de irregularidade nos votos que deram vitória a Daniel Mota levaram a queixas à comissão eleitoral que acabou por considerar 46 votos inválidos e fazer a reorganização da lista: Daniel Mota passa agora para 11º lugar, na nova lista já ordenada com o critério da paridade.
    A decisão foi tomada depois de a Comissão de Ética e Arbitragem ter recebido várias queixas sobre o processo eleitoral realizado no Porto, todas elas recaindo sobre os votos que deram vitória ao candidato Daniel Mota. Perante as suspeitas, a Comissão decidiu analisar o caso e optou pela recontagem dos votos, explica o Livre/Tempo de Avançar em comunicado.
    Em causa está o facto de os 46 votos por correspondência que foram enviados através do círculo do Porto terem todos “a mesma hora de registo no posto de correios”, lê-se no comunicado. Ou seja, a situação insólita levantou dúvidas sobre a individualidade do voto e sobre o caminho que o voto terá feito até chegar à urna, que é, neste caso, a caixa postal.
    A Comissão de Ética e Arbitragem relembra que o voto é único, pessoal, direto, presencial, secreto e universal. Ainda, o voto é um ato não delegável. Por isso mesmo, torna-se crucial que nestas situações não existam quaisquer dúvidas acerca do caminho percorrido pelo boletim de voto, desde que preenchido e colocado no envelope até ao momento em que é depositado no correio”, escreve a comissão responsável pela decisão num comunicado enviado aos jornalistas.
    Ao Observador, Filipa Vala, membro da comissão coordenadora do Livre/Tempo de Avançar confirmou o sucedido e acrescentou que as queixas “foram feitas no período de 32 horas em que as pessoas podem recorrer” daquilo que a comissão eleitoral publicou como sendo os resultados das primárias.
    Assim, considerados inválidos os votos sobre os quais houve suspeitas, Daniel Mota que antes estava em primeiro passa para o 11.º lugar na lista ordenada com o critério da paridade (um homem, uma mulher), e Ricardo Sá Fernandes, que antes aparecia em terceiro, passa para o primeiro lugar, também em respeito pela regra de alternância entre candidatos e candidatas.
    Os seis primeiros passam a ser os seguintes: Ricardo Sá Fernandes, Diana Barbosa, Jorge Morais, Mariana Topa, Rui Feijó e Manuela Juncal”.

    DESCULPA VANDO !

    JOÃO TABORDA DA GAMA

    Desculpa, Vando!

    por JOÃO TABORDA DA GAMAOntem
    Como não sei como te chamas, chamo-te Vando, diminutivo de Vândalo, porque Vândalo não é nome que se chame a ninguém. Tu vandalizaste o meu carro, de sexta para sábado, já passava das três e meia, mas eu é que tenho de te pedir desculpa. Aquilo não é carro que se apresente a ninguém. Nem sequer a uns jovens que querem fazer as coisas que os jovens fazem dentro dos carros dos outros. Não sei quantos eram, acho que dois, um casalinho. Se tu és o Vando, ela é a Vanda.
    Presumo que a coisa se tenha passado assim. Estavam os dois a namorar no banco do jardim, a coisa aqueceu, ou o tempo arrefeceu, e viram um carro com cara de ter a porta aberta. E tinha, meia culpa, metade tua, metade minha (tenho de mudar a pilha do comando, mas nunca dá jeito, vocês um dia vão perceber que há coisas que nunca dão jeito). Devia ter verificado se a porta estava bem fechada. Há esta coisa muito portuguesa do amor dentro dos carros, casas pequenas, rigidez de costumes, tudo a viver com os pais, eu sei, é complicado. Entraram e tentaram baixar os bancos, para estarem mais à vontade, compreendo. Mas havia cadeiras de criança em todos os bancos de trás, o banco não ia mais, instalou-se alguma frustração.
    E o que é que fizeram? E, Vando, espero que tenhas sido tu. Saíste do carro e arrumaste a cadeira de criança, a mais leve e mais fácil de tirar, a que não tem isofix, que a do isofix é pesada para burro, pegaste nela e colocaste-a, com jeitinho, na terceira fila de bancos. Essa cadeira, a mais leve, era por de trás do banco do condutor, e por isso foi esse que tiveram de baixar. E lá fizeram o que tinham a fazer.
    O que tenho mesmo é de te pedir desculpa pelo estado em que estava o carro. Aquele pacote de batatas do MacDonalds com uma batata ressequida no fundo, o cheiro de vomitados acumulados, vocês um dia vão perceber que o cheiro nunca sai bem, por mais que laves, fica sempre um leve travo a queijaria. As pás da praia e a areia, os patins em linha, os ganchos de cabelo, os convites para festas de anos, os Abatons e os Invizimals. Bonecas desmembradas pelo Estado Islâmico. Não excluo um ou outro piolho, já autóctones do próprio carro, para além de uma carga viral próxima da da Serra Leoa. Um carro com história.
    Vando, eu percebo que por vezes não dá para aguentar, mas não percebo o que te levou a continuar ali, havia tantos carros, imaculados, com Ambi Pur, sem aquela mancha de uma ameixa do verão passado que não conseguimos tirar do tabliê. Carros que fazem higienização completa regular. A Vanda, tenho a certeza, não gostou disso, meu, ou achou o carro muito sujo para uma coisa mais à séria, ou demasiado familiar para uma coisa mais à maluca, e nenhuma das duas é bom. E por falar nisso, Vando, atividade de risco, rodeado de fraldas e toalhetes, pode ser mau agoiro, acredita puto, sei do que falo.
    Mas há mais coisas que não compreendo. Tiraram as coisas todas do porta-luvas (reparaste que temos lá duas lâmpadas, dizem que é obrigatório, apesar de não fazer ideia quando e como usá-las, obrigado por terem-nas deixado no mesmo sítio). Acredito que estivessem à procura de uma caixa de lenços tipo Kleenex para a higiene íntima do casal de Vândalos, desculpem outra vez, mas não temos nada disso, nem sequer uma camurçazinha, macia, dobrada em quatro, nada. Agora limparem-se ao colete refletor é que não, vou ter de comprar outro, que é obrigatório ter um, podiam ter usado o mapa do ACP que já é de 2009, ou as declarações amigáveis, ou as multas da EMEL, juntavam três ou quatro.
    Eu não te culpo muito pelo que fizeste a seguir. Depois do fulgor racionalizaste, olhaste em volta, percebeste nos olhos dela que tinhas escolhido mal o carro. E o que fizeste para desviar as atenções?
    Desataste a fumar dentro do carro, cumpriste o cliché. Mas não te vou esconder que fica um cheiro desagradável, pelo menos diferente daquele a que nos habituámos. As beatas apanhei-as todas, uma a uma. JPS Duo, puto? Cigarros que no fim deixam um saborzinho a mentol? Por amor de Deus, Vando. A menos que tenha sido a Vanda... também pode ter sido. Desculpa estereotipar, eu sei que isto já não se usa, mas eu esperava que alguém que escreveu, com a cinza da beata, no teto do carro, frases como "FUCK UNITED PENIS 4", fumasse uma coisa mais de homenzinho, um Ventil pelo menos, se é que ainda há Ventil, ou ganzas, vá. Os teus tags no teto do carro são uma infantilidade, Vando, e vão custar-me muito dinheiro. E as miúdas já sabem ler em inglês, e vão perguntar, e eu não vou saber explicar. Uma higienização completa bem feita são mais de cem euros. Mais o colete refletor, uns dez. O carregador de iPhone que levaram, mais uns vinte. Ao todo cento e cinquenta euros. Pelo menos - porque quando a minha mulher ler isto vai querer uma higienização extra, porque eu não lhe tinha dito nada daquilo do colete refletor. Combinamos assim: da próxima vez que eu chegar a casa e me esquecer de fechar o carro e vocês estiverem no banco do jardim, vêm logo ter comigo e conversamos. É que se calhar prefiro pagar-vos uma noite no Ibis. Ou no Tivoli, que são 144 euros, vi agora no Booking. Ficam vocês melhor e nós também. Combinado?

    VEJA AQUI NESTES VÍDEOS RAROS AS PRIMEIRAS IMAGENS DE BERLIM NO FIM DA 2ª GUERRA MUNDIAL




    RUAS VAZIAS, EDIFÍCIOS DESTRUÍDOS, POUCOS AUTOMÓVEIS EIS AS PRIMEIRAS IMAGENS DE BERLIM NO FIM DA 2ª GUERRA MUNDIAL

    VÍDEOS



    PARA QUEM GOSTA AQUI ESTÃO TRÊS VÍDEOS COM O MELHOR DAS ÓPERAS "FLAUTA MÁGICA" E "VALQUÍRIAS"





    vídeos


    a flauta mágica





    as Valquírias



    Greek Music - Dance! Greece - Wonderful Music Tradition!







    vídeo

    EUA e Cuba reatam relações ao fim de meio século

    EUA e Cuba reatam relações ao fim de meio século

    Ontem
    O presidente norte-americano anunciou o restabelecimento das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba, após mais de meio século de tensões herdadas da Guerra-Fria, sublinhando "um novo capítulo" das relações bilaterais.
    "Hoje os Estados Unidos aceitaram formalmente restabelecer relações diplomáticas com (...) Cuba, para reabrir as embaixadas nos nossos respetivos países", declarou Barack Obama, a partir dos jardins da Casa Branca.
    Obama acrescentou que esta "é uma etapa histórica" nas relações norte-americanas-cubanas.
    "No final do verão, o secretário de Estado John Kerry deslocar-se-á a Cuba para hastear orgulhosamente a bandeira dos Estados Unidos, uma vez mais, na nossa embaixada", declarou Obama.
    O presidente cubano, Raul Castro, confirmou o restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, suspensas desde 1961, numa carta dirigida ao homólogo norte-americano.
    "É com satisfação que confirmo que a República de Cuba decidiu restabelecer as relações diplomáticas com os Estados Unidos e abrir missões diplomáticas nos nossos respetivos países", declarou Castro, numa carta lida durante a emissão da televisão estatal cubana.
    Washington e Havana anunciaram já que a reabertura das embaixadas está prevista "a partir de 20 de julho", de acordo com cartas trocadas entre os dois presidentes.
    As relações diplomáticas entre os dois países estavam suspensas desde 1961, após uma decisão do presidente norte-americano John F. Kennedy, na sequência de uma aproximação dos revolucionários castristas à URSS e a confiscação dos bens norte-americanos.
    Desde 1977, os dois países, separados apenas pelo estreito da Florida (sudeste dos Estados Unidos), estão representados apenas através de seções de interesses em Washington e Havana, encarregadas de tarefas consulares.
    A reabertura de embaixadas segue-se ao anúncio histórico, em dezembro, de uma reaproximação entre estes dois países, após mais de cinco décadas de hostilidade e desconfiança.
    No final de maio, Washington levantou o principal obstáculo ao restabelecimento de relações diplomáticas, ao retirar Cuba da "lista negra" norte-americana de Estados que apoiam o terrorismo.

    Ator português confundido com terrorista e foi detido em Paris

    Ator português confundido com terrorista e foi detido em Paris


    Heitor Lourenço estava a meditar num avião, à partida de Paris, quando foi confundido por um terrorista, suspeito de querer detonar uma bomba a bordo. O mal entendido resultou na detenção do ator.

    O ator português Heitor Lourenço foi confundido com um terrorista em Paris, esta terça-feira, uma situação caricata que aconteceu dias depois de três atentados terem abalado o mundo (em França, na Tunísia e no Kuwait). A história passou-se a bordo de um avião da companhia aérea Transavia, que ia iniciar a ligação entre Paris e Lisboa, e que acabaria por ser evacuado devido a um mal-entendido.
    Devido a problemas técnicos e à falta de combustível, tal como conta a SIC, o voo foi adiado, pelo que Heitor Lourenço e os restantes passageiros ficaram retidos no avião durante algumas horas. À semelhança do que costuma fazer noutras viagens, o ator começou a meditar. Resultado? Foi confundido com um terrorista, com intenções de detonar uma bomba a bordo, e chegou a ser detido pela polícia no aeroporto de Paris.
    “Quando ponho o pé nas escadas do avião estavam várias pessoas a olhar para mim. A polícia do aeroporto de Paris agarrou em mim, um polícia de cada lado a segurar-me nos braços, e puseram-me dentro do carro da polícia. Disseram-me que tinha sido denunciado por suspeitas de terrorismo a bordo e que tinha estado a recitar o Corão em voz alta. Que estava a ler um texto que envolvia as palavras morte e bomba”, disse em declarações à SIC.
    heitor
    Segundo o que o Heitor Lourenço contou à SIC, foram os passageiros ao seu lado que o denunciaram e que fizeram com que o piloto ordenasse que todos saíssem do avião. Uma vez escoltado pela polícia parisiense, o ator só ficou a conhecer os motivos da detenção no interior da esquadra, em Orly, onde ficou retido durante seis horas.
    Acontece que o texto que estava a ler, e que servia para orientá-lo na meditação, continha carateres tibetanos e foi, por isso, confundido com o árabe do Corão. Já a dita “contagem decrescente” dizia respeito ao facto de o ator estar a cronometrar o tempo de meditação no tablet.
    Segundo Heitor Lourenço, as forças policiais só chegariam à conclusão da verdadeira identidade do português quando descobriram vídeos na Internet onde se tornou claro que este era uma figura conhecida da sociedade nacional. Mas a Wikipédia também serviu como fonte de informação, através da qual os agentes confirmaram que o português estava referenciado como budista.
    O ator não se livrou de ser citado num processo formal e espera agora que as autoridades arquivem o caso.

    O ALGARVE NÃO É SÓ PRAIA - O ALGARVE NAS PALAVRAS E NAS IMAGENS DE UM ESPANHOL

    Sitio das Fontes, un gran descubrimiento


    UNA PISCINA NATURAL JUNTO AL RÍO ARADE



    En el libro de los secretos del Algarve, si lo hubiera, tendría que aparecer escrito el nombre del Sitio das Fontes, un vergel escondido entre Estômbar y Lagoa, ignorado por la mayoría de los folletos turísticos y que, sin embargo, es uno de esos lugares que hace especial esta región. Un parque para pasar un día diferente y original de baños, barbacoa y paseos; para acabar convencidos, una vez más, de que la naturaleza nos brinda regalos difíciles de superar con la mano del hombre. Y no lo digo yo, sólo recojo la opinión de mi hijo convencido que no hay piscina más bonita que la de este lugar. 

    Hace unos cuatro años, fruto de la curiosidad de un insistente cartel en una carretera entre Ferragudo y Lagoa, acabamos llegando, con ciertas dudas, al aparcamiento delSito das Fontes y descubriendo con ello un lugar muy especial. Desde entonces, algunas veces a lo largo del año volvemos hasta aquí para compartir el secreto con nuestros amigos. 


    Todavía hoy me pregunto cómo no dimos antes con este parque natural. Durante años pasamos muchas vacaciones en Mexilhoeira da Carregação, frente al río Arade; subíamos a comer con frecuencia a Estômbar a la tasquinha de O Charneco o algunas de sus casas de pastos;  conocimos incluso su verbena, y algunos días de nuestras vacaciones quedaban reservados para el parque acuático Slide&Splash y, justo al lado, delante mismo de nuestras narices, estaba uno de los parajes más auténticos y bonitos del Algarve, anónimo en aquel tiempo para nosotros. 


    El hallazgo llegaría años más tarde, después de una intensa mañana de playa en las calas de Carvoeiro. Aquel día decidimos alargar la siesta de los niños en el coche de vuelta a Portimão fisgoneando por el laberinto de carreteras que conectan con Lagoa, donde una vez y otra aparecía el cartel de Sitio das Fontes, aumentando nuestra intriga por el lugar en cuestión. 

    Seguimos fielmente todas las indicaciones mientras los niños continuaban su dulce sueño y, pasando Estômbar dirección a Lagoa, desembocamos en un camino estrecho y de tierra donde los coches paraban su marcha para dejarse pasar. En ese momento nos invadió la duda de continuar o de dar marcha atrás, aquello tenía la apariencia de un paraje natural más para pasar un día en el campo, no muy propio para aquella tarde de junio donde el calor ya apretaba. Sin embargo, ya estábamos a un paso y era más difícil dar la vuelta en el coche por aquellos caminos que llegar al lugar en cuestión, así que continuamos hasta una gran explanada acotada de aparcamientos gratuitos. 

    Los niños, con la pereza que da una buena siesta y enfadados por no estar ya en la piscina del hotel, se resistían a bajarse del coche, así que hubo que echar mano de la imaginación para convencerlos de que íbamos a hacer una excursión realmente especial y llena de sorpresas. Aunque me tachan con  frecuencia de ser una gran fabulista a la hora de convencer a mis hijos, aquel día la imaginación maternal no supo estar a la altura de las circunstancias, el Sitio das Fontes era realmente precioso, más bonitos que mis propias fantasías. 


    Entre abundante vegetación, senderos rodeados de flores, caminos de agua y una coqueta zona de merenderos había una gran piscina natural, como esas que hoy llaman  infintas o sin fin, que terminaba en una de las entradas del río Arade, el que conecta Portimão con la ciudad musulmana de Silves.  

    Frente a la piscina familias y grupos de amigos se reunían en torno a un gran merendero con barbacoas y tras ellos un gran anfiteatro. 

     
     
    Nos quedamos entusiasmados con el lugar y bajamos de nuevo al coche por las toallas y la sombrilla para hacernos un hueco junto a la gran piscina y los juegos infantiles. 
    Mientras nosotros nos quedábamos pendrados, allí tumbados, de la serenidad de aquel paisajes, los niños estaban perplejos ante los atrevimientos de un grupo de chavales, que habían elegido el tejado de una antiguo molino mareal como trampolín, pese a las prohibiciones.


    Después de una rápida y bonita expedición, un recorrido por un sendero señalizado de poco menos de 2 kilómetros en torno al parque, ya estábamos todos dentro del agua, de aquella piscina natural de agua fría, reparadora, muy similar a las albercas de las huertas de mi infancia. 


    La piscina tenía un agua transparente pero verdosa por el efecto de la verdín que recubría las piedras del fondo y sobre la que era extraño andar en el agua. Aquel primer día en Sitio das Fontes nos encantó, lo que no intuíamos entonces es que la siguiente vez sería todavía más especial. 


    Después del verano volvimos con la intención de sorprender a nuestros amigos y ante el anuncio de la celebración del Festival Obrigado Portugal, una fiesta promovida por la comunidad extranjera que reside en la región con mercadillo, zona de comida, actuaciones en directo y muchas cosas interesantes y divertidas que hacer. 


    Un antiguo coche de bomberos, una haima, burros paseando por la zona, baños, juegos, música...todo aquello cambiaba el aspecto del Sitio das Fontes y le daba un toque mágico y sorprendente a aquel paraje en medio del campo.
     
    Ahora sabemos que Sitio das Fontes es uno de los lugares más especiales de Lagoa, no sólo para pasar un día de campo, picnic y baños, sino también elegido para albergar otros muchos eventos, como el Festival de Jazz de esta ciudad. Uno de esos rincones algarvios que merece la pena pisar.
    Dicen que soñar con un estanque rodeado de verdor aumenta el significado de nuestra vida. A veces algunos tenemos la suerte de vivir los sueños.

    VÍDEOS  




    VÍDEOS RECOLHIDOS NO YOUTUBE  POR:ANTÓNIO GARROCHINHO

    alalgarveconmigo.blogspot.pt

                                      

    SITIO DAS FONTES está ubicado entre Estômbar y Lagoa.
    Coordenadas GPS:
     37º 09'42.17''N 08º 29'02.27''W

    NOTAS - O VÓMITO




    OLHÓ AVANTE ! - A TODA A BRIDA





    INCLÚI VÍDEO - 10 meses para restaurar uma pintura de 355 anos, o resultado é incrível

    10 meses para restaurar uma pintura de 355 anos, o resultado é incrível

    Concluída em 1660, a pintura foi feita por Charles Le Brun retratava Everhard Jabach e sua família.
    Encontrada, a pintura de 355 anos de uma família estava coberto de um verniz velho e tinha vários arranhões superficiais, alguns danos estruturais que quebravam a tinta como se esfarelasse.
    Um vídeo foi realizado para acompanhar os bastidores da restauração, que levou cerca de 10 meses e fora realizada no Museu de Arte Metropolitana Nova Yorkpor Michael Gallagher.
    O trabalho de restauração envolveu a remoção do verniz antigo, retoques na pintura, uma nova camada de verniz e inúmeras outras técnicas de conservação para trazer esta pintura gigante de volta à vida. E o resultado ficou incrível!

    Veja Vídeo 

    Confira algumas fotos da pintura de 355 anos;

    pintura_de_355_anos_1
    pintura_de_355_anos_2
    pintura_de_355_anos_3
    pintura_de_355_anos_4
    pintura_de_355_anos_5
    pintura_de_355_anos_6
    Measure
    Measure
    momentocurioso.com.br

    SEM ABRIGO DESLUMBRA TOCANDO PIANO NA RUA - VEJA VÍDEO

    Sem-teto deslumbra tocando piano público
    Como muitas outras cidades, Sarasota, na Flórida, colocou alguns pianos nas ruas da cidade para que as pessoas, que queiram, possam tocá-lo. Uma mulher que estava andando pelo local viu e ouviu um homem sem-teto tocando lindamente o piano. Ela então gravou e postou o clipe no Facebook. Em apenas um dia, o vídeo recebeu mais de 2 milhões de acessos! Agora, a Internet está ajudando Donald, o mendigo, com uma página de angariação de fundos.

    Donald Gould conta que tocava quando estava na Infantaria da Marinha e também quando estudava n universidade. Mas nos últimos anos as drogas e o álcool condenaram-no a viver nas ruas de Sarasota, e que uma das poucas coisas boas que restou de sua vida no passado é tocar nos pianos públicos da cidade.

    VÍDEO

    http://www.mdig.com.br

    DRAGHI, O ANJO EXTERMINADOR

    DRAGHI, O ANJO EXTERMINADOR


    Onde estava Mário Draghi, presidente do Banco Central Europeu, a entidade que executa as ordens dos credores para asfixiar o povo grego, quando se teceram as malhas fraudulentas que ajudaram a trepar a dívida soberana da Grécia aos níveis estratosféricos em que se encontra?
    Consultando o seu currículo profissional apura-se que, durante os primeiros anos do século, Mário Draghi foi o vice-presidente para a Europa do banco norte-americano Goldman Sachs, o tal que “governa o mundo”, de acordo com alguma comunicação social que não enferma de quaisquer doenças de esquerda, e pelo qual passaram ainda nomes sonantes envolvidos nas malfeitorias da União Europeia e da troika, como é o caso doméstico do secretário adjunto do primeiro ministro de Portugal em exercício, Carlos Moedas.
    Nessas funções, Draghi tinha sob a sua alçada as relações do Goldman Sachs com as empresas e os países europeus. O actual presidente do Banco Central Europeu é, sem qualquer dúvida, um dos responsáveis pelas manobras realizadas a partir de 2001 pelo Goldman Sachs e os gestores gregos para esconderem a dimensão da dívida de Atenas de modo a enganar Bruxelas e a mascarar a grosseira violação pela Grécia dos critérios de convergência estabelecidos no Tratado de Maastricht.
    A história foi descoberta e contada há tempos por órgãos de comunicação como a Der Spiegel, o New York Times, a BBC, a própria Bloomberg, catedrais do neoliberalismo reinante, pelo que até as consciências virgens e tão incomodadas com os supostos gastos sumptuosos que o governo grego pretende renegociar deviam por de lado as hipócritas e convenientes amnésias.
    Sob a tutela do actual presidente do Banco Central Europeu, Mário Draghi, na primeira década do século o Goldman Sachs providenciou empréstimos à Grécia envolvendo swaps cambiais com valores fictícios de mercado – imagine-se, nem o mercado escapou – que praticamente duplicaram a dívida grega ao banco. Só entre o momento do primeiro acordo e o dia da assinatura, estava-se então em Junho de 2001, as fraudulentas trocas de swaps em ienes e dólares por euros, a taxas falsas, fizeram crescer a dívida grega em 600 milhões de euros, ao mesmo tempo que os descomunais excessos desta desapareciam dos radares de Bruxelas. Além disso, o banco norte-americano cobrou grossa comissão para por em prática tal engenharia financeira
    Os gestores da dívida grega confessaram depois que assinaram de cruz porque não se aperceberam da complexidade e dos alçapões do acordo. Pediram então ao Goldman Sachs uma renegociação dos reembolsos e este banco, generoso como sempre, envolveu novos produtos tóxicos que agravaram a situação. Não contente com isso, precavendo-se de um eventual incumprimento grego, tratou de vender os swaps ao Banco Nacional da Grécia, presidido por Petros Christodoulos, um gestor com afinidades ao citado banco norte-americano e que depois passou a gerir a dívida grega. Como se percebe, o actual presidente do Banco Central Europeu esteve em todas.
    Não se julgue que Mario Draghi era um estreante nestas actividades, que já testara no seu país natal, a Itália. Quem o explica é o ex-presidente Francesco Cossiga. Segundo ele, Draghi favoreceu a Goldman Sachs em contratos importantes quando exercia funções de diretor do Tesouro, numa altura em que avançava a todo o vapor o processo privatizador italiano.
    Conta-se que em 2010, quando a crise explodiu e tramoias como estas se tornaram conhecidas, a senhora Merkel comentou que “será um escândalo quando se descobrir que os mesmos bancos que nos deixaram à beira do abismo ajudaram a falsificar as estatísticas”.
    Disse “escândalo”? Não se incomode! Lukas Papademus, governador do Banco da Grécia quando tudo foi congeminado, tornou-se primeiro-ministro grego não eleito, indicado pela senhora Merkel para substituir Papandreu e cumprir as ordens de Bruxelas e da troika para combater a dívida – com os resultados que estão à vista.
    E o homem que esteve ao leme de tudo, Mário Draghi, foi recompensado com o lugar de presidente do Banco Central Europeu, a instituição que – sob ordens do governo de Merkel e dos credores agiotas em geral – fustiga o povo grego para o fazer pagar uma dívida que ele ajudou a mascarar enquanto contribuía para a aumentar desmedidamente. É nesta Europa que estamos, à mercê de traficantes de humilhação e miséria como Mário Draghi.
    Lloyd Blankfein, o número 1 do Goldman Sachs e um dos responsáveis pelas fraudes que catapultaram a dívida grega para os níveis actuais, costuma dizer que é “um banqueiro a fazer o trabalho de Deus”. Sendo assim, Mário Draghi é o seu anjo exterminador.

    mundocaohoje.blogspot.pt