AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 21 de junho de 2015

dois segundos para atar as sapatilhas

Solidarités International - Water ink

VÍDEO - ANTI-ROUBO

VÍDEO

video

VÍDEOS - FANTÁSTICO ! - As corridas mais desafiantes do mundo - Mais de 600 corredores estiveram este ano em Tauplitz, na Áustria, para a terceira edição da Red Bull 400, considerada uma das corridas mais difíceis do mundo. O Público Running dá a conhecer esta e outras provas alternativas, indicadas para os atletas mais radicais.


As corridas mais desafiantes do mundo

Mais de 600 corredores estiveram este ano em Tauplitz, na Áustria, para a terceira edição da Red Bull 400, considerada uma das corridas mais difíceis do mundo. O Público Running dá a conhecer esta e outras provas alternativas, indicadas para os atletas mais radicais.




Os atletas que treinam regularmente têm em comum (na sua maioria) o desejo de participar numa maratona ou ultramaratona. Porém, existem provas em que só os corredores com músculos de “aço” podem tentar a sua sorte.Corridas com mais de 240 quilómetros numa floresta tropical ou 225 quilómetros no deserto, a temperaturas quem podem ir até -50 ºc ou 40 ºc, com uma duração de dez ou mais dias, são cada vez mais procuradas por organizadores e atraídas por milhares de participantes.
O Público Running destaca as 10 corridas mais difíceis do mundo, segundo a lista da Men´s Fitness e a opinião de atletas (a lista não tem uma sequência): 
1º Red Bull 400 – Completar uma corrida de 400 metros pode não soar um grande desafio, mas quando se trata de uma das colinas mais íngremes do Mundo, com uma inclinação média de cerca de 45%, as coisas complicam-se. A primeira edição do Red Rull 400 ocorreu em 2011, e desde então centenas de atletas tentam a sua sorte na encosta de Kulm, na Áustria. Até agora, nenhum atleta conseguiu roubar o lugar de campeão de Ahmet Arslan, o montanhista e corredor profissional turco que este ano estabeleceu um novo recorde com um tempo de 4:57:50. 
2º Marathon des Sables (Maratona das Areias) – A mais quente das provas acontece nas areias do deserto no Saara, sempre em um percurso diferente que pode variar entre 230 e 250 quilómetros (o equivalente a seis maratonas). Desde 1986 que os participantes têm de lidar com temperaturas de zero graus à noite e 40 graus Celsius (pode chegar a 50ºC) durante o dia. Popularmente conhecida como “a caminhada mais difícil da Terra”, os atletas têm de carregar todo o seu equipamento que inclui um kit anti-veneno para cobras e escorpiões. Até agora o melhor tempo foi de 16h27 min. 
3º North Pole Marathon (Maratona do Polo Norte) – A Maratona e Ultramaratona de Gelo Antártica são provas de maratona no continente antárctico criadas em 2006, cujas temperaturas podem chegar a baixar dos 40 graus negativos e atingir ventos fortes. Os perigos inerentes a esta prova incluem o nível reduzido de energia do corpo, fendas no gelo e ainda eventuais encontros com ursos polares. A Maratona tem uma extensão de 42, 195 Km. Prova agendada para 9 de Abril de 2016.
4º Everest Marathon – 42,195 Km, 2 777 de subida e descida 4 579m, todo feito nas trilhas da montanha, atribuem à Maratona do Evereste lugar de destaque no livro de recordes mundiais. Desde 1987 que corredores reúnem-se por um período de 25 dias no Nepal para a corrida mais alta do planeta que, embora seja basicamente ladeira abaixo, tem duas subidas íngremes, com neve e gelo na parte superior. 
5º Jungle Marathon – Seis dias em plena floresta amazónica, num percurso de 240 Km, no qual o próprio corredor tem de levar os seus próprios recursos (kit de sobrevivência). A prova desafia os participantes com escaladas e trilhos no meio de pântanos, numa densa vegetação, em condições de humidade de 99% e ainda com as probabilidades de encontrar escorpiões, anacondas, piranhas, felinos e outros animais que fazem parte da fauna da região. É considerada a corrida mais selvagem do mundo.
6º Great Wall Marathon (Maratona da Grande Muralha da China) – Em 2013, a portuguesa Filipa Elvas foi a única mulher dos 140 atletas (entre os quais 30 mulheres) a concluir a prova. Outro português, Álvaro Leite, ficou em 4º lugar. Apenas 15 atletas chegaram ao fim na edição desse ano. Os participantes da Maratona da Grande Muralha da China têm a oportunidade de conhecerem uma das maravilhas construídas pelo homem há mais de dois mil anos, ao mesmo tempo que são desafiados a subir os 5.164 degraus e rampas muito inclinadas. A Maratona da Grande Muralha da China disputa-se desde 1999. 
7º Chasqui Challenge – Peru – Com o Inca Trail Marathon pelo meio, esta prova dura dias (cerca de dez), ou seja, são 42 km de uma corrida que parte de Cusco, no Peru, e termina em Machu Picchu, a que se somam mais 50 Km caminhada+corrida em torno do monte Ausangate, com subida aos cinco mil metros e mais alguns dias de pequenas corridas. Ao todo, são 161 quilómetros a elevada altitude. 
8º Comrades Marathon – África do Sul – A mais conhecida e popular no mundo das corridas é a Comrades, com cerca de 18 mil participantes em cada edição. Todo o percurso é “sobre e desce”, por estradas asfaltadas, num total de 89 km a percorrer em 12 horas. Quem conseguir completar a prova dentro do tempo-limite tem direito à medalha. Quem chega depois não tem direito sequer a cortar a meta. 

VÍDEO VIOLENTO - A FALTA DE EDUCAÇÃO, A FALTA DE HUMANISMO, A MISÉRIA RELIGIOSA CRIAM ESTES FACÍNORAS

VÍDEO


NUMA SOCIEDADE COM FANATISMOS NUNCA HAVERÁ RESPEITO PELA VIDA E PELA DIGNIDADE HUMANA

video

DOIS PINTORES DOIS ESTILOS - ADAM STYKA (MARROCOS) e OMAR ORTIZ (MAIDEN)

DWC Marrocos - Artista Adam Styka


Adam Styka nasceu na Polónia em 1890. Ele completou sua educação formal na Academia Francesa de Belas Artes, Academia de Artes Beau, e pintou 
 sob a tutela de seu pai, Jan Styka. A cada ano, Adam exibiu suas pinturas em galerias de Paris e nos 'mais prestigiados lugares como Salon de Paris, Champs Elysses Des e outros na Europa e em países de ambas as Américas, onde constantemente lhe foram concedidos os mais altos elogios.


Depois de se formar na Academia Militar Francesa em Fontainebleau, Adam serviu na artilharia f durante a Primeira Guerra Mundial I. Ele foi decorado com uma Cruz de Mérito. Também como uma recompensa foilhe concedida "Cidadania e Nacionalidade" e uma assistência especial do Governo francês para visitar colônias francesas no norte da África. Como resultado dessas viagens anuais, Adam desenvolveu todo um gênero de temas orientais do Oriente Médio e. Sua habilidade requintada e cativante  transportou para suas pinturas fielmente as cores fortes vibrantes cheias de contraste do quente deserto do Saara da África do Norte, cores harmoniosamente juntas, fizeram dele um mestre sem comparação e lhe rendeu o apelido, "The Master of Sunlight" .









DWC Maiden - Artista Omar Ortiz


Omar ORTIZ nascido em Guadalajara, Jalisco, México, em 1977, onde ainda reside. Atraindo muito interesse para o desenho e ilustração de tenra idade ele ganhou seu BA em Design de Comunicação Gráfica, onde aprendeu a trabalhar com diferentes técnicas, tais como desenho, pastel, carvão vegetal, aguarela, acrílico, e airbrush. Após completar seus estudos em Design Gráfico decidiu dedicar-se ao mundo da pintura. Em 2002 ele fez suas primeiras lições de pintura a óleo com o pintor Carmen Alarcon que ele considera seu principal professor de arte. Atualmente, pinta com tintas a óleo, considerando a arte mais nobre. 














danceswithcolors.blogspot.com

Novas revelações de Salgado envolvem Cavaco, Portas e Passos - o antigo presidente do BES admite ter-se encontrado com Cavaco Silva, Paulo Portas, Pedro Passos Coelho e outras personalidades políticas

Comissão Novas revelações de Salgado envolvem Cavaco, Portas e Passos

Numa carta enviada esta quinta-feira à comissão parlamentar de inquérito ao BES, Ricardo Salgado desmente algumas das suas declarações durante a sua audiência em dezembro. Nesta carta, conta o Observador, o antigo presidente do BES admite ter-se encontrado com Cavaco Silva, Paulo Portas, Pedro Passos Coelho e outras personalidades políticas
PAÍS
Novas revelações de Salgado envolvem Cavaco, Portas e Passos
DR
Já era de conhecimento público alguns destes encontros, aquando da sua audição na comissão de inquérito em dezembro, no entanto Salgado detalha agora as datas de todos os encontros.
Durante a comissão afirmou ter-se encontrado com Cavaco Silva em abril de 2014 para o assegurar de boas relações mantidas com Angola. Contudo, disse que o Presidente “não teve mais nenhuma intervenção neste processo”.
Mas esta quinta-feira desmente estas afirmações, admitindo ter-se encontrado novamente com Cavaco Silva em maio de 2014 para fazer um “pedido de apoio institucional” e “confiança nos planos de recuperação” do BES.
Também não se sabia de uma reunião que teve com Paulo Portas em maio, explicando que marcou a reunião com o mesmo intuito da com Cavaco.
A carta de Salgado, de que dá hoje conta o Observador, refere ainda que se encontrou a 2 de maio com Carlos Moedas e a 14 de maio com Maria Luís Albuquerque e Pedro Passos Coelho.

portugal em estado de choque - E tudo isto porque Francisco Assis, não o santo coitado mas o outro, o sujeito para lamentar, anunciou que não votará Sampaio da Nóvoa.

Portugal em estado de choque

O país entrou em pânico. A terra tremeu, os rios transbordaram, os ventos sopraram numa fúria nunca antes vista. Oh tormento! Oh martírio! E tudo isto porque Francisco Assis, não o santo coitado mas o outro, o sujeito para lamentar, anunciou que não votará Sampaio da Nóvoa. Os portugueses ficaram assim a saber em quem não votar. Que ganhe o Rio do rabelo ou o Rebelo de banho no rio mas nunca, nunca por nunca ser, esse perigoso elemento da esquerda radical disfarçado de reitor universitário. É assim o PS, um partido pluralista, amplamente democrático, sobejamente liberal. Tanto acolhe no seu seio gente sincera da esquerda autêntica, poucos mas bons, como, em grande maioria, carreiristas, oportunistas, direitistas, direitinhas e direitíssimas criaturas que, se lá estão, é a fazer pela vidinha, que a vida custa a todos e os alhos estão pela hora da morte. Assis, o político e não o santo que este de santo não tem nada, já avisou: Nóvoa nunca! E o país acordou em sobressalto. O Chico falou. A terra tremeu. Os rios transbordaram. Os ventos uivaram. Portas e Passos agradecem embevecidos. Uma maioria, um governo, um presidente? Parece que sim, é para continuar.









ouropel.blogspot.pt

VEREADOR LISBOETA DEFENDE FECHO DA ESTAÇÃO DE SANTA APOLÓNIA PARA DAR LUGAR A JARDIM


Manuel Salgado considera que é uma área com enorme potencial" para acolher um espaço verde.



O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado, defendeu hoje, "numa visão de futuro", o encerramento da estação de comboios de Santa Apolónia para dar lugar a um espaço verde com ligação ao rio Tejo.


"Pensando no longo prazo, é uma área com enorme potencial" para acolher um espaço verde, afirmou Manuel Salgado, relacionando-o com a possível concretização do porto de contentores do Barreiro, o que permitiria "desativar a área portuária em conjunto com uma reorganização da área ferroviária" na capital.


O autarca falava à agência Lusa à margem de uma convenção autárquica do PS Lisboa, que juntou esta tarde militantes e simpatizantes do partido no Pavilhão do Conhecimento (Parque das Nações) sob o tema "Um futuro virado ao rio".


Salgado acrescentou que esta seria também "uma oportunidade única para fazer a ligação dos vales de Santo António e de Chelas ao rio".


Também na sua intervenção "A requalificação da frente ribeirinha -- do rio à cidade", o responsável disse que "se for viável e oportuno transferir" para o Barreiro a atividade portuária de Santa Apolónia, "isso iria libertar a área".


A seu ver, "não faz sentido" que a estação esteja no centro da cidade, já que grande parte dos passageiros que chegam a Lisboa saem na gare do Oriente.


Além destas estações, a de Entrecampos também recebe comboios com ligações para fora da região de Lisboa.


"O centro de Lisboa era até aos anos 60 a Baixa e depois migrou para norte, para a Avenida da Liberdade. No mapa de Lisboa, o centro geométrico é Entrecampos, que é onde está a estação com mais afluência" da capital, precisou Salgado, referindo que "no futuro" este será considerado o centro da cidade.


O vereador assinalou também que a estação 
de Santa Apolónia é mais usada para 
"estacionar e lavar os comboios".


Definindo a frente ribeirinha e o Tejo como o 
"maior ativo que Lisboa tem", Manuel Salgado referiu que "é inadmissível que o rio não tenha muito maior utilização do ponto de vista da náutica de recreio".


Para o autarca, urge também apostar no transporte fluvial por ser "muito menos poluente" do que o rodoviário.


Falando à Lusa, Manuel Salgado sublinhou que "em várias cidades dos mundos existe esta forma de utilizar os rios, que é fazer transporte fluvial não margem com margem mas ao longo da margem".
"Acho que era de se estudar isso. Não só de pessoas como também de mercadorias", rematou.


Também presente na ocasião, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, referiu que ainda existem "muitos e muitos quilómetros de rio a serem devolvidos à cidade".


O socialista falou também na modernização da linha de Cascais: "Não concordaremos nem aceitaremos uma solução que signifique retirar à cidade de Lisboa a hipótese de serem devolvidos oito quilómetros de rio que estão a ser usados para a linha férrea".


Questionado pela agência Lusa sobre o resultado do concurso de subconcessão da rodoviária Carris e do Metro de Lisboa, levado a cabo pelo Governo e ganho pela operadora espanhola Avanza, Medina recusou-se a comentar.


O responsável disse apenas que foram entregues na sexta-feira as ações principais que estão na base das providências cautelares interpostas pelo município para travar o concurso.

DN

A MANA VENDEU A TAP - Agora é meter mãos ao trabalho, sobra muito negócio a tratar, muita letra pequena, a ver se alguém se chega à frente com a massa da dívida

A MANA VENDEU A TAP



Clara Ferreira Alves
       
Agora é meter mãos ao trabalho, sobra muito negócio a tratar, muita letra pequena, a ver se alguém se chega à frente com a massa da dívida
Os dois cavalheiros mediram-se mutuamente do alto do seu metro e meio. Mediram-se com açúcar e afeto, depois do embate das Quatro Assoalhadas Advogados com a Abriu Advogados. Caramba, ganhou o melhor. Fonte presente na reunião disse ao jornalista: ele era o brilhozinho nos olhos, ele era a paixão, o entusiasmo, a estrutura, ele era tudo. O Nihilman é tudo menos nihil. É um man, disse a fonte um tudo nada azougada com a recordação da venda da companhia-traço-bandeira. O man já tinha todas as “Histórias de Portugal” em vários volumes, do Oliveira Martins ao Mattoso, do Alexandre Herculano ao Magalhães Godinho, do Rui Ramos ao Fernando Rosas. Mais as enciclopédias em segunda mão, as “Décadas da Ásia” do Barros e as “Crónicas” do Lopes. Leitura de férias, porque gerir uma empresa falida ia dar muito trabalhinho, era preciso reunir com o resto dos brasileiros e ver o que se tirava dali. A companhia tinha sido barata, dada. Aturar trabalhadores, pilotos, perdigotos, enfim, era preciso não entrar numa fria. Havia que partir o bolo em fatias fininhas e distribuir.
Os dois cavalheiros estavam habituados a encontrar-se nestes palcos, das renováveis à compra e venda de estalinhos, serpentinas e foguetes tudo lhes passava pelas mãos, e depois tinham a vantagem suprema do spinning porque um dos cavalheiros, talvez o mais baixinho dos dois, não é certo, tinha um programa de televisão onde anunciava ao Portugal dos Pequenitos as medidas da semana, a agenda ministerial, os recaditos e, de um modo geral, o que se precisasse. Se é para o xôr Dom Fradique… Ainda por cima pagavam-lhe. O outro tinha a reputação de pertencer a um partido que era contra a venda da bandeira aérea mas isso nunca fora obstáculo aos negócios das Quatro Assoalhadas não só porque ele era o homem mais inteligente do partido mas também porque havia quem no partido jurasse que ele era o único homem inteligente do partido. Isto dava-lhe muito campo para fazer o bem e pegar no telefone. Caramba, era assim que a democracia se fizera, com trabalho e muito içar de pulso de homens como ele, homens de grande estatura teórica. Ultimamente, e para o prejudicarem, tinham falado no partido em lançá-lo como candidato a Belém mas não era coisa que lhe interessasse. A ideia de fazer qualquer coisa pelo país que não lhe fosse pessoalmente proveitosa horrorizava-o e além disso tinha inimigos que não viam com bons olhos a alma comercial a servir destino presidencial, tanto mais que andava por aí o vírus da ética. A ética não se come. A ética não alimenta. A ética não é democrática. O outro cavalheiro da Abriu, que se fartava de abrir portas, sabia isso tão bem como ele. Eram os dois do que de melhor o sistema político-partidário do centrão tinha produzido na pátria mas a pátria era mal-agradecida e achava que se fazem omeletas sem ovos. Quem não tem cão caça com gato, era o que era. Estavam numa de aforismos, estas ocasiões negociais davam sempre para a beatitude e a beatitude negocial conduz ao aforismo. Ao provérbio. À anedota. A companhia aérea era um buraco, uma cratera, uma fossa mais funda que o Mindanao, dez mil metros abaixo do nível do mar. Buraco para onde a tinham atirado todos enquanto se passeavam pelo mundo em executiva e primeira a servir o país em missão patriótica. Talvez o negócio do Brasil tivesse contribuído, mas que diabo somos dois povos irmãos e a trapalhice é a mesma, a incompetência igual, a bajulice semelhante. Quem iria notar as diferenças? E o Nihilman injetaria nesta parvoíce não apenas o seu gene americano, o gene do business, como o seu bom aspeto nórdico, o seu olho azul e apaixonado, a sua extensa cultura histórica de Portugal. O homem até sabia o que era o esternocleidomastoideo. Tinha sido um belo combate entre os dois escritórios mas ganhara o socialista, os socialistas são homens para grandes combates. E tinha o melhor candidato. O judeu polaco colombiano brasileiro era portador assintomático de demasiados passaportes. Os portugueses ouvem falar em americanos e ficam aos pulos: temos dono! (Porra, esquecemo-nos do Barraqueiro!). Agora é meter mãos ao trabalho, sobra muito negócio a tratar, muita letra pequena, a ver se alguém se chega à frente com a massa da dívida. O Estado, a ver vamos… O Estado é rico e o contribuinte insanamente generoso. Depois das eleições. Mas todos estavam felizes.
O Presidente aliviou-se. O mano da senhora do Governo que entrara na negociação até escreveu no Facebook, nimbado de orgulho: a minha irmã vendeu a TAP. A mana. Que bonito. Portugal é uma família feliz, daquelas que como diz o Tolstoi não têm história e não interessam nada. Pensou nisto o mais inteligente dos dois. O outro nem sabia quem era a Ana Karenina.
Nota: Com um agradecimento ao Pedro Santos Guerreiro e ao seu maravilhoso artigo no Expresso online, no passado dia 14 , “Vitorino bate Marques Mendes na venda da TAP”.

(Clara Ferreira Alves, in Expresso, 20/06/2015)

NOTAS - AI PORTUGAL, PORTUGAL




OLHÃO: QUE ESCONDE ANTÓNIO PINA? - As deliberações camarárias, bem como as dos respectivos titulares, destinadas a ter eficácia externa, são publicadas em edital afixado nos lugares de estilo e ainda na pagina na internet do município, pelo menos é assim que reza o Regime Jurídico das Autarquias Locais, actualizado.

OLHÃO: QUE ESCONDE ANTÓNIO PINA?

As deliberações camarárias, bem como as dos respectivos titulares, destinadas a ter eficácia externa, são publicadas em edital afixado nos lugares de estilo e ainda na pagina na internet do município, pelo menos é assim que reza o Regime Jurídico das Autarquias Locais, actualizado.
A Câmara Municipal de Olhão a ultima acta ou deliberação tomada, publicadas na sua pagina na internet, remonta a 11 de Fevereiro, ou seja, há mais de quatro meses, impedindo que qualquer cidadão interessado, se possa pronunciar, atempadamente, sobre as actividades da autarquia.
A opacidade das decisões, o esconder de informação de interesses geral, é sintoma de que algo não vai bem naquela casa.
Uma questão que tem sido omitida desde os tempos do defunto Francisco Leal, é que os despachos com os quais são aprovadas operações urbanísticas, têm eficácia externa e como tal a sua publicação é também de publicitação obrigatória, o que não tem acontecido.
As operações urbanísticas, são aquelas onde campeia a corrupção a nível das autarquias e como tal requerem uma maior vigilância por parte do cidadão comum, farto de assistir ao enriquecimento ilegítimo ou ilícito de alguns "amigos".
Nos tempos difíceis que atravessamos, com o aperto do cinto e de algibeiras vazias, assistir à edificação imobiliária em áreas com algum grau de protecção e sem a necessária publicitação, no local e ou na pagina da câmara, faz-nos pensar na possibilidade de indícios da pratica de crimes conexos aos de corrupção.

A imagem, acima, mostra-nos uma sucata instalada em Reserva Agrícola e Perímetro de Rega do Sotavento Algarvio. Mas não está em causa apenas a sucata em si, mas também a edificabilidade ali permitida. É que confrontando esta imagem com o ortofoto do voo de 1995, ano em que foi aprovado o Plano Director Municipal, a imagem de então é bem diferente desta, ou seja a maior parte do edificado sucateiro, foi feito já na vigência do PDM.
Sabemos também que se requer o estatuto de interesse municipal para a dita sucata como forma de a legalizar, o que não espanta perante o facto de termos uma câmara que é ela própria uma sucateira.
Se juntarmos á sucata, o armazém construído, não se sabe como, ali bem perto, e às obras no Moinho do José Guerreiro na Fuzeta, situado em área complementar de protecção da natureza, segundo o POOC, em Domínio Publico Marítimo, e não havendo publicitação alguma sobre estas obras. por parte da autarquia, somos levados a pensar que nos estão a esconder alguma coisa e isso torna-se suspeito de irregularidades, varias.
É óbvio que estas situações só são possíveis porque ao conceder ao presidente a delegação de competências do órgão, a oposição se demitiu da sua função fiscalizadora, permitindo toda a espécie de atropelos. 
António Pina vive no obscurantismo e conta com a cumplicidade dos vereadores do PSD, essa é a verdade!
ATÉ QUANDO?

olhaolivre.blogspot.pt

DÍVIDAS - Casal encontrado morto por dívidas

Casal encontrado morto por dívidas 

Céu e Rui Brites desapareceram na sexta-feira à noite. 

 Paula Gonçalves Afogado em dívidas, Rui Brites, contabilista, de 59 anos, não aguentou ver a casa onde residia com a mulher, em Martinela, Leiria, ser penhorada no início desta semana. 

Desesperado, na sexta-feira à noite desapareceu de casa com a mulher, Céu Brites. 

Ontem, foram encontrados mortos, dentro do carro, num pinhal em Coimbrão, no mesmo concelho. 

Céu Brites estava no banco do pendura, despida da cintura para baixo, e Rui caído no lugar do condutor. 

Ao que tudo indica, terá sido homicídio seguido de suicídio por causa das dívidas. 

Já no início da semana, Rui Brites tinha desaparecido de casa. Quando voltou, na quarta-feira, a casa estava penhorada e cercada pela GNR. 

Ontem, na aldeia, o assunto era tabu, mas o desespero de Rui Brites após saber da penhora foi testemunhado por todos. 

Quando, na sexta-feira à noite, o casal desapareceu, a família já temia o pior e alertou os militares da GNR. 

A descoberta macabra foi feita ontem de manhã por um morador, que chamou a GNR. José Pinto contou ao CM que viu o carro do casal quando foi carregar lenha: "De cima do trator, gritei e ninguém respondeu. 

Começo a espreitar e vejo lá dentro uma senhora um pouco descomposta. 

Dou a volta ao carro e vejo o senhor caído." Assustado, viu que o carro estava trancado e não havia ferimentos visíveis. 

Só a autópsia irá esclarecer inequivocamente as causas da morte, mas as suspeitas apontam para homicídio seguido de suicídio.

 http://www.cmjornal.xl.pt

Esculturas de madeira de crianças por Gehard Demetz

 Esculturas de madeira de crianças por Gehard DEMETZ 

Artista italiano Gehard Demetz  um escultor de madeira 


criando esculturas religiosas tradicionais.. Ele cria 

esculturas principalmente inquietantes que caracterizam

 crianças. 

Demetz usa um estilo áspero muitas vezes incorporando 

blocos de madeira nelas. As esculturas de Gehard falam 

sobre o peso da culpa endividado  dos seus antepassados.
























http://netdost.com