NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

domingo, 31 de maio de 2015

31 de Maio de 1859: - O Big Ben entra em funcionamento

31 de Maio de 1859: O Big Ben entra em funcionamento

O célebre relógio da Torre Santo Estevão da Parliament House, de 98 metros de altura, perto da Abadia de Westminster em Londres, entrou em funcionamento no dia 31 de Maio de 1859. Ele é composto por quatro mostradores de 7 metros de diâmetro e de um sino que pesa 13,5 toneladas. O sino é chamado de Big Ben como uma espécie de homenagem a Benjamin Hall, o ministro de Obras Públicas, de exagerada corpulência. 

Após um incêndio que destruiu boa parte do Palácio de Westminster – sede do Parlamento britânico – em Outubro de 1834, um aspecto relevante do projecto do novo palácio era um grande relógio no alto de uma torre. O astrónomo real, Sir George Airy, queria que o relógio tivesse uma precisão extrema, enquanto muitos relojoeiros consideravam que essa meta era impossível, Airy contava com a ajuda de Edmund Beckett Denison, um conceituado advogado conhecido pela sua experiência em relojoaria. 

O projecto de Denison, construído pela companhia E.J. Dent & Co., foi finalizado em 1854. Cinco anos mais tarde, a própria torre Santo Estevão foi concluída. Pesando mais de 13 toneladas, o enorme sino foi transportado pelas ruas de Londres até à torre por 16 cavalos, sob a aclamação de espectadores que ali se encontravam. Uma vez instalado, o Big Ben dobrou a primeira badalada em 31 de Maio de 1859. Exactos dois meses depois, no entanto, o pesado badalo desenhado por Denison rachou o sino. Três anos mais  passaram até que um badalo mais leve fosse acoplado e o relógio pudesse funcionar normalmente como previsto. 

O nome "Big Ben" originalmente designava apenas o sino, porém mais tarde passou a  referir-se a todo o relógio. Existem duas histórias principais a respeito de como se adoptou o nome de Big Ben. Muitos afirmam que a denominação se deve ao loquaz Benjamin Hall, o popular ministro de Obras Públicas à época da construção. Outra história famosa conta que o nome do sino se devia ao famoso pugilista peso-pesado Benjamin Caunt.
Mesmo depois de uma bomba ter destruido o plenário da Câmara dos Comuns durante a Segunda Guerra Mundial, a torre de Santo Estevão resistiu e o Big Ben continuou a funcionar normalmente. A sua famosa precisão cronométrica é regulada por uma pilha de moedas colocadas no imenso pêndulo do relógio, garantindo um movimento constante e regular dos ponteiros do relógio. 
À noite, as quatro faces do relógio, cada qual com 7 metros de diâmetro, são iluminadas. Para conhecimento público, uma luz sobre o Big Ben também permanece acesa quando o Parlamento está em sessão.  


 Fontes: Opera Mundi
 wikipedia (imagens)
File:Big-ben-1858.jpg
O Big Ben representado na revista The Illustrated News of the World, Dezembro de 1858

File:Clock Tower - Palace of Westminster, London - May 2007.jpg
estoriasdahistoria12.blogspot.pt

Dia do Pescador em Olhão C.M.OLhão, esquece-se mais uma vez de Homenagear os verdadeiros Herois do Mar!

Dia do Pescador em Olhão C.M.OLhão, esquece-se mais uma vez de Homenagear os verdadeiros Herois do Mar!



Homenagem do Olhão Livre aos 3 pescadores desaparecidos  desde Dezembro de 2013
Começo por publicar o texto  de Nori André que em Dezembro de 2013 dizia o seguinte nas suas páginas do f.b.

"Há que manter a esperança!
Infelizmente, por vezes para se ganhar o dia, perde-se a vida! A inquietação e a tristeza ancoraram nos corações dos pescadores, deixando um mar de lágrimas e de angústia nos lares dos familiares, que anseiam pelo regresso a terra dos seus entes queridos! Infelizmente e até ao momento nenhuma brisa de vida soprou na tristeza dos aguardam em terra firme, mas até ao ultimo sopro há que manter a esperança!"


Excelente texto e foto  de Nori André , aquando o naufrágio dos  dois pescadores que desapareceram para não mais tornar a aparecer, e assim ficaram eternamente  esquecidos, por quase todo o mundo, nesse dia ainda havia esperança, mas não passou disso mesmo esperança... pois as buscas acabaram rapidamente, talvez porque  eram simples pescadores, que ficaram esquecidos mas que  ficaram a fazer falta aos seus familiares, e saudades as seus verdadeiros amigos.


 

Passados mais 5 meses outro pescador de Olhão, embarcado na embarcação de pesca Anadia,  cai à agua em plena faina de pesca ao polvo  e  continua desaparecido até aos dias de hoje. pode ler a noticia do Algarvepressnahora carregando aqui
Também aqui as buscas pouco duraram, pois mais uma vez foi um simples pescador filho de Olhão que desapareceu.
A esses três  pescadores desaparecidos nas aguas do mar a CMOlhão e toda a vereação,  no dia do pescador do ano passado não teve sequer uma palavra sobre o seu desaparecimento.. 
Triste sina é ser pescador em Olhão,quando nem uma palavra de conforto se tem no dia do Pescador para com as suas famílias ,que devido à falta do corpo, nem sequer podem fazer o período de luto.

Vem a CMOlhão este ano de 2015 mais uma vez festejar o Dia do Pescador.
Nós no Olhão Livre viemos deste modo avivar a memória, que  no dia 28 de Outubro de 2014 mais um naufrágio aconteceu em Olhão,  desta vez na Barra da Armona,  uma Barra assoreada , e sem condições, de segurança para os pescadores, essa Barra onde nem sequer há sinalização, deu origem à morte de um mestre de pesca de uma embarcação da pesca da Ganchorra sendo o corpo desse pescador resgatado das aguas do mar, pela tripulação do Bemvinda Maria, e  o outro pescador salvo por a tripulação da  embarcação Alamar, que estavam no local do naufrágio.
Mais uma vez a heróica e rápida acção dos pescadores dessas duas embarcações, salvaram um pescador em perigo e resgataram o corpo do infeliz pescador falecido.

Mais uma vez se celebra o Dia do Pescador em Olhão, festejos esses que tem  presença do secretário do Mar, Pinto de Abreu que devia ter vergonha de vir a Olhão sabendo que a Barra da Armona onde morreu um pescador devido ao assoreamento dessa Barra e passado 9 meses a Barra da Armona continua sem ser dragada, ou seja cada vez mais assoreada e cada vez mais perigosa para quem governa a vida no Mar ,ou seja o governo promete promete uma grande aposta no Mar,  mas quando toca a fazer obra para segurança dos pescadores nem uma palha mexe e a Barra  da Armona.continua um cemitério.O que os pescadores e as associações deviam neste dia do pescador era terem exigido Pinto de Abreu o rápido desassoreamento da Barra da Armona assim como dos canais de acesso à Barra.

Curioso muito curioso ou talvez não, é que mais uma vez ficaram esquecidos,  os gestos heróicos dos pescadores que arriscaram a vida no salvamento do  pescador salvo desse naufrágio da Barra da Armona feito pela tripulação,  da embarcação de pesca da Ganchorra  Alamar,e da tripulação do Bemvinda Maria que devido sua coragem resgataram o corpo do mestre da embarcação naufragada,que caso contrário corria o risco de também ele desaparecer para sempre nas aguas do mar.
Triste  governantes tem Olhão,  que tanto pregoam o mar, mas esquecem-se de fazer, neste Dia do Pescador, uma singela mas merecida homenagem aos verdadeiros Heróis do Mar,  que colocaram a sua própria vida em risco, para salvar o seus camaradas de uma morte certa nas ondas do Mar.
às famílias dos pescadores desaparecidos e falecido nesses acidentes do mar, o nosso sentido pesar.
Aos Heróis das embarcações Alamar e Bemvinda Maria o nosso reconhecimento e Homenagem  pela vossa abnegação e altruísmo em salvar e resgatar os corpos dos pescadores naufragados na Barra da Armona. 

Um Acto  dessa Nobreza   faz  a diferença, e destinge como já Platão distinguia assim os Homens do Mar ""Existem três tipos de homens: os vivos, os mortos e os que andam no mar."
Por esse motivo era obrigação da C.M.Olhão ,no Dia do Pescador,  Homenagear a família  desses Homens que no mar morreram,  e inteirar-se das sua situação económica, pois sabe-se que a lei  portuguesa, quando os corpos não aprecem as devidas compensações tardam e por vezes nem aparecem.

 Era também obrigação da CMOlhão,  medalhar com a medalha de Ouro da CMOLhão, quem arriscou a vida para salvar a do Próximo.
Triste sina é ser pescador em Olhão e em Portugal, quando a autarquia só se lembra do dia do Pescador para as festas do costume,e  nada faz para pressionar o governo central,  em desassorear as Barras da Armona e da Fuzeta de modo a criar condições de segurança aos pescadores que teimam em ser pescadores em Olhão.


olhaolivre.blogspot.pt

Ordem de despejo - opinião Carvalho da Silva

Ordem de despejo
Há diversos tipos de ordens de despejo, nomeadamente as que afetam pessoas comuns, que por diversas situações deixaram de poder pagar hipotecas ou arrendamentos; as que os cidadãos emitem em eleições, e que originam despejos como o recentemente sofrido pelo Governo da direita espanhola. A coligação PSD-CDS pressente que vai receber, no início do outono, uma ordem de despejo semelhante.
Passos Coelho e seus pares desenvolveram políticas ofensivas e claramente direcionadas a retirar o maior efeito possível da dinâmica neoliberal de retrocesso social e civilizacional que varre a Europa, para fazerem em Portugal, em nome da inevitabilidade e da não existência de alternativa, um acerto de contas com o regime democrático construído a partir de Abril de 1974. A direita tem aproveitado a oportunidade para destruir as bases de compromisso político que nos permitiram ganhar dignidade no trabalho e direitos universais nas políticas sociais fundamentais. Ao mesmo tempo tem colocado meios e instrumentos económicos que ainda pertenciam ao Estado ao serviço do grande capital nacional e internacional.
O Governo, com frieza e ancorado na proteção do presidente da República, pôs em marcha uma autêntica lavagem ao cérebro dos portugueses: procurou inculcar a ideia de que andamos a viver acima das nossas possibilidades, criou mensagens antissolidárias, colocando-nos uns contra os outros - no emprego e no desemprego, nas relações entre gerações e na família, no acesso a direitos sociais -, isolou cada um de nós, e em particular os mais desprotegidos, na responsabilização pelos problemas com que nos deparamos, denegriu a responsabilidade pública que emerge dos compromissos coletivos. A sociedade portuguesa foi anestesiada e submetida nos últimos anos. Mas há sempre possibilidade de renascer a esperança e de o povo mudar o rumo das coisas. E há cada vez mais portugueses que não se deixam amedrontar.
O Governo sente que o seu fim está próximo. Como um inquilino desesperado e sem princípios aproveita o tempo que lhe resta para destruir a casa que habita e governa. Nos meses próximos irão recrudescer atos de governação atentatórios dos interesses e património dos portugueses. Na saga das privatizações repetem-se os atos sôfregos contra o interesse nacional. Fala-se, muito provavelmente com conhecimento de causa, que a intenção do Governo vai no sentido de privatizar toda a TAP, exceto as suas dívidas. Ora, é sabido que todos os problemas da TAP resultaram das dívidas e dos respetivos juros. Sem dívidas e sem juros a TAP, como diz o povo, é bife do lombo. Se vier a ser concretizado esse plano, ficam garantidos lucros chorudos para os amigos e as dívidas entregues à responsabilidade do Estado, o que significará mais uma fatura para o povo pagar.
Algo parecido parece preparar-se no Novo Banco. O plano em curso visa limpar o Banco para quem ficar com ele: o imbróglio jurídico e as diversas indemnizações, que em última instância a justiça determinará, ficam para nós, contribuintes. Entretanto, já está reconduzido o governador do Banco de Portugal - cujas falhas no controlo e supervisão do BES/GES nos ficou cara - para que o processo seja "bem concluído".
Na Segurança Social o ataque é brutal e o Partido Socialista já entrou demasiado no jogo; aliás, no grupo dos seus técnicos há quem também alinhe na equipa do inimigo. O Governo, a direita e representantes de grandes interesses económicos pintam-nos um quadro negro e "sem alternativa" e reclamam cortes nas pensões. Estes pulhas políticos sabem muito bem que o desequilíbrio da Segurança Social é, em primeiro lugar, o resultado da perda de 620 mil empregos, da redução dos salários, da destruição da contratação coletiva, da proliferação da precariedade, do insuficiente combate à fraude e à evasão. Inverter estas políticas e buscar novas fontes de financiamento que tragam riqueza produzida pelo trabalho para a solidariedade do sistema não lhes interessa: o que querem é, desde já, assegurar a transferência definitiva de rendimentos que pertencem ao trabalho para o capital. É hora de acordar. É hora de assegurar o despejo deste Governo e destas políticas.

A arte e os horrores de Auschwitz Exposição em Berlim mostra a obra de artistas que sobreviveram aos campos de concentração nazistas. Além de documentar atrocidades, eles fizeram arte.

A arte e os horrores de Auschwitz

Exposição em Berlim mostra a obra de artistas que sobreviveram aos campos de concentração nazistas. Além de documentar atrocidades, eles fizeram arte.









www.dw.de

Polícia dos EUA mata cerca de duas pessoas por dia - Análise do jornal americano Washington Post revela que neste ano 385 pessoas já foram mortas por policiais dos EUA. Entre vítimas que estavam desarmadas, grande maioria era negra ou de origem latina.

Polícia dos EUA mata cerca de duas pessoas por dia

Análise do jornal americano Washington Post revela que neste ano 385 pessoas já foram mortas por policiais dos EUA. Entre vítimas que estavam desarmadas, grande maioria era negra ou de origem latina.
Somente nos primeiros cinco meses deste ano, 385 homicídios foram cometidos pela polícia dos Estados Unidos, ou seja, aproximadamente duas pessoas são mortas diariamente por agentes de segurança, revelou uma pesquisa do jornal americano Washington Post divulgada neste sábado (30/05).
De acordo com o jornal, metade das vítimas era branca. Mais de 80% delas carregavam objetos potencialmente letais, como armas ou facas. Outras 16% estavam desarmadas. Entre elas, dois terços eram negros ou de origem latina. A idade dos mortos varia entre 16 anos e 83 anos. Entre as vítimas, 92 delas sofriam de alguma doença mental.
Washington Post acompanhou casos de homicídio cometido pela polícia em todo o país. Não há dados oficiais exatos sobre mortes cometidas por agentes de segurança nos EUA, pois os departamentos de polícia não precisam relatar esse tipo de informação ao governo federal.
Porém, o número revelado pelo jornal é duas vezes maior do que o registrado nas estatísticas oficiais. Segundo o FBI, ao longo da última década, cerca de 400 pessoas foram mortas pela polícia anualmente, ou seja, uma taxa de 1,1 homicídio policial por dia.
Sem números oficiais
"Nós nunca iremos reduzir o número de homicídios cometido por parte da polícia se não começarmos a registrar corretamente essa informação", afirmou Jim Bueermann, presidente da Fundação da Polícia, uma ONG destinada a melhorar a aplicação da legislação.
Nos EUA, policiais são autorizados a atirar contra suspeitos quando estirem em uma situação, na qual suas vidas ou outras pessoas estão em risco. O jornal mostrou que em apenas três dos 385 homícidios os agentes estão respondendo judicialmente pelo crime.
Autoridades da polícia disseram ao jornal que a instituição precisa começar a assumir a responsabilidade por essas mortes. Eles disseram ainda que muitos dos casos fatais são resultado de má-conduta dos agentes.
Recentemente casos de homicídios cometidos por policiais nos Estados Unidos causaram revolta eprotestos em várias regiões do país.

ARQUIVOS HISTÓRICOS - IMAGENS DE REPRESSÃO AOS COMUNISTAS NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA EM 1932 e 1935 E COMEMORAÇÕES DO 1º MAIO










EUA



REPRESSÃO

A MILITANTES



COMUNISTAS
























 REPRESSÃO A COMUNISTAS NOS EUA 1932

 MILITANTE COMUNISTA AGREDIDA PELA POLÍCIA EM MANIFESTAÇÃO


 REPRESSÃO COM CARGA POLICIAL AOS COMUNISTAS NOS EUA 1935

1º MAIO NOS USA 1934




https://ephemerajpp.files.wordpress.com

MEMÓRIAS - COMUNICADOS DO PCP


















https://ephemerajpp.files.wordpress.com

PORQUE HOJE É DOMINGO - Wuthering Heights

CANAVILHAS E O ACORDO ORTOGRÁFICO


PINTURA E DESENHO - AS MULHERES DE JUAN MEDINA

Do DWC Juan Mulheres - pintor Juan Medina


Juan Medina é um artista latino-americano nascido na República Dominicana, em 1948. Ele se formou com honras da Escola Nacional de Belas Artes
Desde 1974 ele é professor na mesma escola encarregado de estudos de pintura nu e pós-graduação. Ele foi nomeado Diretor em 2002.


A um jovem profissional que estava muito impressionado com os problemas sociais e políticos no seu país e estava inclinado para realismo social em 1970 a cidade de Santo Domingo encomendou um grande mural fresco ao ar livre intitulado "Educação". No final dos anos 70, ele trabalhou com temas esotéricos, principalmente em azul. Expôs essas obras em 1979  num show  no Centro de Arte C'ndido Bido


Entre 1982 e 1992 Medina trabalhou em pinturas e desenhos encomendados para as Comemorações do Descobrimento e Evangelização da América e do 150 º aniversário da República Dominicana. Estes trabalhos são encontrados na Catedral de Santo Domingo, Museu de Casas Reales, Patronato de la Ciudad Colonial e do Panteão Nacional. Durante este período, ele apresentou duas exposições individuais: "Momentos históricos" (1989) no Museu de Casas Reales e "As Crônicas de América" ​​(1992) na sede da Comissão Dominicana para a celebração do V Centenário do Descobrimento e Evangelização da América. Ele é autor de desenhos para a multi exposição comemorativa do 150 º aniversário da República Dominicana, "A Independência Nacional, Processo" em forma de grandes cartazes, publicados em forma de livro. 


Depois de um período intenso de trabalho num estilo de arte tradicional Medina sentiu a necessidade de investigar mais profundamente dentro do moderno. Desde 1992 ele vem trabalhando em técnicas de mídia mista, experimentando com cores, texturas, efeitos no seu elegante desenho. Sua última exposição intitulada "euritmia" foi realizada em sua Estudio-Pinacoteca de 2003.














VÍDEO


video

TRÊS MULHERES BONITAS - A PINTURA DE JEFFREY OURO

WC Três mulheres bonitas - Pintor Jeffrey Ouro


"Nascido em 1958, em Los Angeles, Jeffrey Ouro estudou no Art Center College of Design em Pasadena, recebendo seu diploma BFA em 1983. Enfocando o nu, e em particular o corpo feminino, Ouro emprega chiaroscuro dramática para gerar retratos e suas introspectivas . A beleza calma permeia cada um desses retratos,














danceswithcolors.blogspot.com