AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 11 de maio de 2015

Eleição do 1.º Presidente da República - Há cem anos, o advogado e professor Manuel de Arriaga foi eleito o primeiro Presidente da República Portuguesa, cargo que ocupou durante quatro anos, muito longe do 'recorde' de Óscar Carmona, que esteve em Belém 25 anos.

Eleição do 1.º Presidente da República



Há cem anos, o advogado e professor Manuel de Arriaga foi eleito o primeiro Presidente da República Portuguesa, cargo que ocupou durante quatro anos, muito longe do 'recorde' de Óscar Carmona, que esteve em Belém 25 anos.
Manuel de Arriaga foi eleito a 24 de Agosto de 1911, mas resignou antes do final do mandato, a 26 de Maio de 1915, numa altura de grande instabilidade governativa. Saiu do Palácio de Belém escoltado por forças da Guarda Republicana.
Teófilo Braga substituiu Manuel Arraiga a 14 de Maio de 1915. Contudo, acabaria por ser um Presidente de transição, por apenas quatro meses.
O terceiro Presidente da I República foi Bernardino Machado, que ocupou por duas vezes a chefia do Estado, entre 1915-1919 e 1925-1929, não tendo cumprido nenhum dos mandatos até ao fim.
Sidónio Pais foi o quarto Presidente e o primeiro a ser eleito por sufrágio direto e universal. O mandato acabaria por ser interrompido oito meses mais tarde com o seu assassinato na estação do Rossio.
João do Canto e Castro foi o 'inquilino' seguinte do Palácio de Belém. Depois de um mandato marcado por revoltas e tentativas de restauração monárquicas, a 05 de outubro de 1919 passou o testemunho a António José de Almeida, o médico que acabou por ser o único chefe de Estado da I República que cumpriu os quatro anos de mandato estabelecidos na Constituição.
Manuel Teixeira Gomes teve depois um mandato marcado pela instabilidade governativa, acabando por se demitir em 1925, dois anos depois de tomar posse.
Mendes Cabeçada assumiu de seguida a chefia do Estado, mas por escassas semanas, acabando afastado do cargo por Gomes da Costa, que liderou no final de maio o golpe militar que a partir de Braga pôs fim à I República.
Gomes da Costa ocupou a chefia do Estado e do Governo entre 17 de junho e 9 de julho de 1926, altura em que foi deposto por Óscar Carmona e Sinel de Cordes.
Eleito Presidente da República por decreto de 1926, Óscar Carmona recorreu às urnas dois anos depois para legitimar o seu poder. Foi reeleito em 1935 e 1942, mantendo-se no cargo até à morte, a 18 de Abril de 1951.
Em pleno regime salazarista, o nome escolhido para suceder a Óscar Carmona foi o de Craveiro Lopes, que cumpriu apenas um mandato, até 1958.
Eleito pela primeira vez a 8 de Junho de 1958, Américo Tomás foi depois reeleito em 1965 e 1972, por colégio eleitoral, mantendo-se em Belém até ao dia 25 de Abril de 1974, quando foi derrubado pelo Movimento das Forças Armadas.
Já em democracia, António Spínola foi nomeado Presidente da República pela Junta de Salvação Nacional a 15 de Maio de 1974, demitindo-se menos de seis meses depois.
Costa Gomes assumiu de seguida a chefia do Estado, também por indicação da Junta de Salvação Nacional, mantendo-se em Belém até 14 de Julho de 1976.
Dando início a uma época de estabilidade na Presidência da República, Ramalho Eanes foi eleito a 27 de Junho de 1976.
Cinco anos mais tarde, foi reeleito para um segundo mandato, que terminou a 9 de Março de 1986, altura em que Mário Soares assumiu a chefia do Estado, depois de umas eleições renhidas e só decididas à segunda volta.
Soares foi mais tarde reeleito para um segundo mandato, que cumpriu entre Março de 1991 e Março de 1996. Dez anos depois, ainda se candidatou a um terceiro mandato, mas acabou derrotado pelo atual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.
Em 1996, Jorge Sampaio chegou a Belém e também ele cumpriu a 'tradição' candidatando-se para um segundo mandato cinco anos mais tarde, eleição que venceu sem dificuldades.
A 9 de Março de 2006 teve início o primeiro mandato do actual chefe de Estado, que cumpre agora os últimos cinco anos em Belém, depois da reeleição que garantiu no início deste ano.

In DNPortugal - 24-8-2011
republicamortagua.blogspot.pt

Empreendedorismo, a doença senil do capitalismo - 3 [The factory school]

Empreendedorismo, a doença senil do capitalismo - 3 [The factory school]

imagem retirada deste vídeo
Em Janeiro de 2013, julgava ser o empreendedorismo uma moda. Mas temia o risco de ela se instalar, e escrevia: "A moda do empreendedorismo nasce de mãos dadas com o neoliberalismo, ambos se fundamentam no mito que o valor do homem apenas está no «valor que o "mercado" lhe dá». Por isso é preciso que a moda não passe com a tranquilidade com que as modas passam de moda. O que é preciso, necessário, urgente é que acabemos com ela. É preciso acabar com a moda, agora!"
Em Agosto de 2014, confirmava a suspeita de o empreendedorismo se ter imposto, o DN dava-lhe rosto, dedicando-lhe página inteira divulgando o projecto "EmpCriança". Então, pensei "Vai ser muito difícil sair desta selva".

Hoje, percebi que na selva o "neoliberalismo" teria já ultimado o efeito predador. Estamos próximos do que a escola já fora, embora com outros métodos e bandeiras.
Recordam-se disto?


conversavinagrada.blogspot.pt

CMVM aplica coima de 100 mil euros a Oliveira Costa - A CMVM anunciou coimas por infracções cometidas pelos administradores do BPN. O BIC, comprador do banco, é alvo de uma coima de 200 mil euros. Oliveira Costa é o mais castigado dos sete ex-gestores.

CMVM aplica coima de 100 mil euros
 a Oliveira Costa

A CMVM anunciou coimas por infracções cometidas pelos administradores do BPN. O BIC, comprador do banco, é alvo de uma coima de 200 mil euros. Oliveira Costa é o mais castigado dos sete ex-gestores. 
.
OLIVEIRA É FIXE
José Oliveira Costa foi alvo de uma coima única no valor global de 100 mil euros por infracções cometidas entre 1999 e 2008 no âmbito do Banco Português de Negócios (BPN), segundo anunciou a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com os dados revelados esta segunda-feira, 11 de Maio, o supervisor do mercado de capitais revela que a decisão é definitiva, não tendo sido alvo de impugnação judicial. Oliveira Costa é um dos sete ex-administradores do BPN visados neste processo.

As infracções em causa passam pela intermediação financeira não autorizada e pelo incumprimento de deveres dos intermediários financeiros. O processo de contra-ordenação foi lançado em 2010 e diz respeito a factos ocorridos entre 1999 e 2008 (o BPN foi nacionalizado no último ano deste intervalo depois de reveladas irregularidades, como contabilidade paralela).

José de Oliveira Costa é, entre as sete individualidades referidas nas decisões do supervisor, a que sofre a maior coima. São 100 mil euros por quatro tipos de infracção, todas a "título doloso": gestão de carteiras sem autorização; violação de dever relativo ao conteúdo contratual mínimo dos contratos de gestão de carteiras; violação do dever de prestação de informação devida aos clientes; e violação do dever de organização interna.

Ao contrário de outros dos alvos da decisão da CMVM, não há qualquer suspensão parcial da coima que foi aplicada ao fundador e antigo presidente do BPN.

O filho de Oliveira Costa, José Augusto, também sofre uma coima de 25 mil euros, "pelo exercício de actividade de gestão de carteiras por contra de outrem sem registo na CMVM, a título negligente".

BIC com coima de 200 mil euros
O Banco BIC Português, que comprou o BPN por 40 milhões de euros, é alvo de uma coima única de 200 mil euros, com suspensão parcial da execução, por dois anos, de metade do valor, por exercício de gestão de carteiras sem registo no regulador e por várias violações na prestação de informação, todas a "título doloso". Ainda não foi possível obter uma reacção por parte do banco.

O ex-administrador António Coelho Marinho é alvo de uma coima única de 25 mil euros, metade do valor que é aplicado a António Franco. Nenhum dos dois, ambos acusados de violações a título doloso, tem metade da coima suspensa, como ocorreu com outros ex-colegas. António Coelho Marinho recorreu da decisão.

Teófilo Carreira tem coima única de 25 mil euros, com suspensão parcial da execução de metade do montante por dois anos.

Já a Armando Pinto, que tal como Coelho Marinho impugnou judicialmente a coima, é aplicada uma coima de 25 mil euros, com suspensão parcial de 12,5 mil euros. As infracções apontadas foram cometidas, segundo o supervisor, a "título negligente".

Também a "título negligente" foi cometida a infracção cometida pelo antigo presidente da SLN, dona do BPN, Abdool Vakil, que sofre uma coima de 25 mil euros, com metade dela suspensa por dois anos.

De acordo com a CMVM, as decisões são definitivas, excepto as de Armando Pinto e Coelho Marinho, que as contestaram judicialmente.

O caso BPN tem, segundo palavras de Carlos Tavares na comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública em Abril, "uma relação limitada com a CMVM", tendo em conta que o banco não era uma empresa cotada. As decisões divulgadas esta segunda-feira fazem parte de um dos quatro processos de contra-ordenação determinados pelo supervisor do mercado de capitais.

Também há processos em curso devido a contra-ordenações aplicadas pelo Banco de Portugal, o supervisor do sector financeiro, e da própria justiça. 

* Coimas de 100 mil  e 200 mil são trocos para o embusteiro e para o banco.


apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

Ativistas pedem libertação de pai de menino encontrado dentro de uma mala - Rede Espanhola de Imigração lança campanha para que pai de Abou, o menino de oito anos descoberto dentro de uma mala na fronteira de Ceuta, não seja acusado do crime de tráfico de seres humanos

Ativistas pedem libertação de pai de menino encontrado dentro de uma mala

Rede Espanhola de Imigração lança campanha para que pai de Abou, o menino de oito anos descoberto dentro de uma mala na fronteira de Ceuta, não seja acusado do crime de tráfico de seres humanos. 
.
A Rede Espanhola de Imigração, que integra fundações, Organizações Não Governamentais e juristas, lançou uma campanha e pediu a mediação do Ministério Público espanhol para que o pai de Abou, natural da Costa do Marfim e a residir na ilha de Gran Canária desde 2013, seja libertado. Os ativistas pedem que o progenitor não seja acusado do crime de tráfico de seres humanos.


Citado pelo "El Mundo", o coordenador desta campanha, o advogado Estanislao Naranjo Infante, diz ser "difícil entender que se aplique com semelhante dureza uma lei pensada para travar o tráfico de seres humanos a um pai que, levado pelo estado de necessidade, tratou apenas de, e segundo os indícios, unir a sua família após ver negado o pedido de reagrupamento familiar devido à aplicação de um princípio injusto de índole económica".

Para aquele advogado, "o tráfico de seres humanos é uma situação execrável e deve ser perseguida, contudo não se pode penalizar tudo de forma genérica". Por outro lado, diz não compreender por que razão aquele pai foi colocado em prisão preventiva, "quando tem autorização de residência em Espanha, domicílio conhecido, trabalho fixo, mulher e filha no país".

Recorde-se que Abou foi descoberto pela Guarda Civil de Ceuta na semana passada dentro de uma mala. O pai teria pago a uma jovem marroquina de 19 anos para tentar atravessar a fronteira com Abou. Ambos foram detidos e Abou entregue às autoridades.

O objetivo do progenitor era reunir a família, depois de ver indeferido, pelas autoridades espanholas, o pedido de reagrupamento familiar. Sobre esta matéria, a Rede Espanhola de Imigração pede que se abra, o quanto antes, um amplo debate sobre o assunto.

* Os emigrantes do Mediterrâneo são pessoas absolutamente desesperadas, não têm nada a não ser o ar que respiram, fazem tudo para fugir da certeza da morte precoce e muitos precocemente morrem.
Não são criminosos mesmo que roubem um pão ou fruta ou até um bife, todos nós que temos pão, fruta e até um bife, faríamos o mesmo, não tenho dúvidas. Libertar o pai de Abou é um acto de humanidade, ele só queria o filho junto de si.


apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

Rossi vs Verdi - Calcio Storico fiorentino Semifinale 2014

Irish Rebel Songs - Come out and Fight

Le Gouffre [curta animação] - Le Gouffre é um curta de animação absolutamente incrível. De fato, é uma daquelas obras que merecem o conselho de "Assista!", sem nenhuma restrição.

Le Gouffre [curta animação]


Le Gouffre é um curta de animação absolutamente incrível. De fato, é uma daquelas obras que merecem o conselho de "Assista!", sem nenhuma restrição. 

O curta de animação nos conta a história de dois jovens amigos aventureiros que acabam se deparando com um grande obstáculo: um grande cânion, que dá nome ao curta. "Gouffre" pode ser traduzido como "abismo". O curta não tem diálogos, por isso, pode assistir sem se preocupar se vai entender ou não. Vejam:



Le Gouffre from Lightning Boy Studio

Em sua descrição, Le Gouffre se diz como um conto inspirador sobre amizade, sacrifício e conquistar o impossível. É uma definição perfeita.

Le Gouffre é o primeiro curta de animação produzido pelo Lightning Boy Studio, um trio formado por Carl BeaucheminThomas Chrétien e David Forest, três jovens que se conheceram em 2009 enquanto frequentavam uma escola de animação. E se você quiser saber um pouco sobre como a animação foi feita, eles disponibilizaram também um pequeno making-of:



The Journey Behind Le Gouffre from Lightning Boy Studio.

Argentina, Ilhas Malvinas - O Presidente da Argentina, Cristina Fernández, salientou que seu país nunca deixará de reclamar a soberania das Ilhas Malvinas, pela via do diálogo e pediu para parar a militarização do Atlântico Sul.

Argentina, Ilhas Malvinas

Argentina nunca deixará de reclamar a soberania das Ilhas Malvinas


O Presidente da Argentina, Cristina Fernández, salientou que seu país nunca deixará de reclamar a soberania das Ilhas Malvinas, pela via do diálogo e pediu para parar a militarização do Atlântico Sul.

Em uma cerimônia por ocasião do trigésimo terceiro aniversário da guerra das Malvinas, na Praça Malvinas de Ushuaia, uma das cidades mais ao sul do país, Fernandez denunciou a política do Reino Unido para aumentar o destacamento de tropas no Atlântico Sul.

O presidente argentino disse que "nós retornaremos para ver as Malvinas como parte de nosso território" e insistiu que Argentina "não é uma ameaça em termos militares" para o Reino Unido.

Fernandez criticou o governo de Londres por empunhar perigos inexistentes para promover agressivo geopolítica.

Neste contexto, ele criticou o governo de Londres por empunhar perigos inexistentes para promover agressivo geopolítica.

Ele rejeitou que o Reino Unido fornecer investimento mais militar que o desenvolvimento dos povos. "Não ponha um quilo mais na defesa das Ilhas Malvinas, colocá-los em dar bem-estar ao povo britânico, porque a Argentina não é um perigo para ninguém".

Ele disse que o governo britânico primeiro-ministro David Cameron está tentando militarize a questão da ilha "para dar uma resposta para o lobby de armas ou para ganhar uma eleição, que não sei como fazer para ganhá-los".

Finalmente, Fernandez exigiu novamente para sentar de Londres à mesa de negociações para resolver a disputa territorial, a mesma que da organização das Nações Unidas (ONU) considera-se um caso colonial.

Convém recordar que a Argentina e o Reino Unido mantenham uma disputa sobre a soberania de estas ilhas, solicitado um confronto militar entre 2 de abril e 14 de junho de 1982, em que matou 649 soldados argentinos e 255 britânicos e 3 civis Ilhéus.

Argentina solicitou por diversas vezes para a Reino Unido se senta à mesa de negociações para resolver a disputa; um pedido que tem sido descurado por Londres.

» #NoticiasCotidianoMundo »» »Sociedade
» Article Argentina nunca dejará de reclamar la soberanía de las MalvinasSpanish» [HispanTV]
Notícias Cotidiano Mundo » Argentina, Ilhas Malvinas

noticiascotidianomundo.blogspot.pt

Will dance troupe UDI be left out in the cold? | Britain's Got Talent 2015

PONTE VECCHIO - A PONTA MEDIEVAL CHEIA DE JÓIAS EM FLORENÇA ITÁLIA

Muitos séculos atrás, as pontes serviam a muitos propósitos. Além de atravessar um curso de água, era comum que as pontes medievais tivessem capelas e lojas construídas sobre elas, e muitas foram fortificadas com torres e muralhas porque serviam como pontos de entrada para importantes cidades. A Ponte Velha sobre o rio Arno, em Florença, Itália, é uma ponte de pedra medieval notável por ter lojas construídas ao longo dela.

01
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 01
Via
A primeira ponte sobre o rio Arno foi provavelmente construída pelos romanos em pedra e madeira e é mencionado em um documento que remonta a 996. A ponte foi varrida por uma enchente em 1117 e foi reconstruída em pedra para ser destruído novamente por outra inundação em 1333, restando apenas seus dois pilares centrais. Novamente a ponte foi reconstruída, 12 anos depois, projetada por Taddeo Gaddi, pupilo mais talentoso do arquiteto e pintor Giotto.

Hoje, o rio Arno é cruzado por seis pontes e todas permitem a travessia de carros e pedestres, exceto a Ponte Vecchio. Isso porque esta ponte medieval icônica está sempre lotado de turistas e compradores.

A Ponte Vecchio foi o lar de lojas em toda a sua extensão desde o século 13. Comerciantes vinham vender suas mercadorias em bancadas após receber a aprovação para fazê-lo junto das autoridades competentes. Quando um comerciante não podia pagar suas dívidas, a bancada sobre a qual ele vendia suas mercadorias (banca) era quebrada (rotta) fisicamente pelos soldados, fechando efetivamente o seu negócio. Esta prática era chamada de "bancarrota" e acredita-se que o conceito econômico de falência originou aqui.

As lojas pertenciam à Comuna e eram alugadas originalmente para açougueiros, peixarias, e curtidores. Mas estes comerciantes produziam tanto lixo e mau cheiro que o Duque Ferdinando de Medici expulsou-os dali substituindo-os por ourives. O problema era que o Corredor de Vasari, que liga a Câmara Municipal de Florença com o palácio da família governante, passa sobre a Ponte Vecchio e tinha que suportar o mau cheiro. Assim, o duque decidiu que os novos ocupantes da ponte deviam ser ourives.

Os joalheiros ainda compõem a maioria das lojas de Ponte Velha hoje. Na verdade, alguns dos melhores joalheiros de Florença vendem suas criações nesta ponte medieval. Existem também alguns estúdios de arte e lojas de souvenires.

No século 15, as lojas que eram originalmente alugadas foram vendidas a proprietários privados e começaram a alterar a superestrutura acrescentando terraços externos e quartos que se estendiam em direção ao rio apoiados em suportes de madeira. Até o século 17 a ponte havia assumido uma aparência caótica.

Durante a Segunda Guerra Mundial, quando os alemães se retiraram da Itália para a Alemanha, eles destruíram muitas pontes na Itália para impedir os avanços dos Aliados. Todas as pontes de Florença foram explodidas, mas a Ponte Vecchio foi poupada. Em vez de ser demolida, seu acesso foi bloqueado com a demolição dos edifícios medievais de cada lado. O próprio Adolf Hitler reconheceu que destruir a Ponte Vecchio seria um crime contra o patrimônio histórico e cultural.
02
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 02
Via

03
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 03
Via

04
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 04
Via

05
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 05
Via

06
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 06
Via

07
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 07
Via

08
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 08
Via

09
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 09
Via

10
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 10
Via

11
Ponte Vecchio: A Ponte Medieval cheia de lojas em Florença, Itália 11
Via


 http://www.mdig.com.br

CADA RECÉM NASCIDO NA FINLÂNDIA DORME NUMA CAIXA DE PAPELÃO, VEJA PORQUÊ -E se cada bebê que chegasse a este mundo recebesse a mesma caixa para começar sua jornada na vida? Hoje em dia você vê todos esses altos preços ridículos das lojas de recém nascidos, berços que custam o olho da cara e roupinhas que servem apenas como símbolo de status.


Cada recém-nascido na Finlândia dorme em uma caixa de papelão pela razão mais simples e brilhante
E se cada bebê que chegasse a este mundo recebesse a mesma caixa para começar sua jornada na vida? Hoje em dia você vê todos esses altos preços ridículos das lojas de recém nascidos, berços que custam o olho da cara e roupinhas que servem apenas como símbolo de status. No outro extremo do espectro, vemos mães que mal podem se dar ao luxo de comprar fraldas ou os itens básicos necessários para ques os pequenos venham ao mundo com um pouco de dignidade e cuidados elementares. Na Finlândia eles fazem coisas diferentes.

Cada recém-nascido na Finlândia dorme em uma caixa de papelão pela razão mais simples e brilhante
Não importa de que cor seja, a quantidade de dinheiro que seus pais tenham, ou onde vivem. Cada mulher grávida na Finlândia recebe uma caixa que inclui os seguintes elementos:
  • Colchão, capa de colchão, lençol, capa de edredom, cobertor e colcha.
  • A própria caixa em realidade é utilizada como um berço.
  • Traje para a neve, gorro, luvas isolantes, e botinas.
  • Vestido e macaquinhos com capuz.
  • Meias, luvas gorro de lã.
  • Camisetas, babygrows compridos e leggings em cores e padrões unissex.
  • Toalha de banho com capuz, uma tesoura de unhas, escova de cabelo, escova de dentes, termômetro de banho, creme troca fraldas, toalha.
  • Jogos de fraldas de pano e lenços de musselina
  • Álbum de fotografias e brinquedos para a dentição.
  • Sutiãs acolchoados e camisinhas.
Cada recém-nascido na Finlândia dorme em uma caixa de papelão pela razão mais simples e brilhante
O melhor de tudo isto? Tudo isto é totalmente grátis. As "caixas de bebê" são fornecidas pelo governo para ajudar a garantir a segurança e bem-estar de todas as crianças recém-nascidas.
Cada recém-nascido na Finlândia dorme em uma caixa de papelão pela razão mais simples e brilhante
Um recente relatório dizia que as mães finlandesas são as mais felizes do mundo e a caixa de bebê certamente tem algo a ver com isso, já que permite que as novas mães comecem a vida de forma menos estressante, especialmente nas primeiras semanas. Sabendo que estão cercadas de todos os fundamentos e podem concentrar toda sua atenção em dar ao recém-nascido o carinho e cuidados que ele precisa, certamente causou um enorme impacto para as mães finlandesas.
Cada recém-nascido na Finlândia dorme em uma caixa de papelão pela razão mais simples e brilhante
A taxa de mortalidade de recém-nascidos costumava ser extremamente elevada na Finlândia por volta da década de 1930. De fato, morriam 65 em cada 1.000 bebês. Foi por isso que as autoridades da área de saúde decidiram fazer alterações nos programas sociais para garantir que a segurança e o bem-estar dos recém-nascidos fossem atendidos.
Cada recém-nascido na Finlândia dorme em uma caixa de papelão pela razão mais simples e brilhante
Após a distribuição destes geniais kits de maternidade em 1938 todo começou a mudar. Hoje a Finlândia tem uma das taxas de mortalidade infantil mais baixas do mundo. Não é à toa que a Fundação Save The Children nomeou a Finlândia como o "O melhor lugar para ser mãe de todo o planeta".

VÍDEO



 http://www.mdig.com.br

Notas do meu rodapé: Da chantagem à humilhação da Grécia - Referendo. A nova arma dos credores para pressionar a Grécia

Notas do meu rodapé: Da chantagem à humilhação da Grécia


Referendo. A nova arma dos credores para pressionar a Grécia
Sem grandes rodeios, o ministro alemão das Finanças largou a bomba esta segunda-feira: “Se a Grécia quiser fazer um referendo, poderá ser útil”. Foi em Bruxelas, à chegada para a reunião do Euro grupo, que Wolfgang Schäuble admitiu que colocar a decisão nas mãos do povo grego pode ser a solução para a falta de entendimento entre o governo grego e os credores.

***«»***
Da chantagem à humilhação da Grécia
Ainda ontem, escrevi num comentário do Grupo "E agora Portugal" que o grande objetivo da Alemanha passou a ser o desejo de provocar uma grande humilhação à Grécia e ao seu governo, legitimamente eleito. Ela, a humilhação, está aí provocantemente escancarada, através das palavras do ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schauble, e do presidente do Parlamento Europeu, por acaso (!), também alemão, que cometeram um grosseiro erro ao imiscuírem-se num assunto que apenas diz respeito ao governo grego e ao seu povo. Não é da competência dos órgãos da UE, nem de nenhum dirigente político de um país membro dizer ao governo grego o que deve ou não deve fazer em termos eleitorais, pois isso está escrito na Constituição da Grécia. Além de ser um gesto de intolerável má educação, representa, acima de tudo, uma manifestação de arrogância, de quem sabe que tem muito poder. Ao longo da História, a Alemanha já nos habituou a essa arrogância, irreverente e perigosa.
E o destinatário desta ignominiosa provocação, antecedida por um longo período de manobras chantagistas, não é apenas o povo grego e o seu atual governo. A provocação também pretende constituir-se num sério aviso a todos os povos e a todos os governos da Europa que ousem discordar do pensamento único e totalitário do governo alemão e das suas domisticadas extensões nos órgãos comunitários.
Não devemos ter medo da ameaça, nem entregarmo-nos às inevitabilidades da resignação. E isto, porque somos nós que temos razão, ao querer defender a soberania dos povos, que está a ser agredida pela Alemanha, servindo-se do seu ascendente nos órgãos decisórios da UE, o que lhe permite que também já ande a propor a necessidade de centralizar na Comissão Europeia a gestão dos mares circundantes ao velho continente, ao mesmo tempo que lançou a ideia de se constituir um exército europeu. São mais que evidentes as tentativas de assalto à soberania dos povos europeus.

Alexandre de Castro

alpendredalua.blogspot.pt

Avião aterra de emergência para retirar família de autista - Um avião da United Airlines aterrou de emergência para que uma jovem autista de 15 anos saísse, depois de o piloto ter alegado “desconforto” em voar com a rapariga a bordo. A mãe de Juliette garante que vai processar a companhia por discriminação.

Avião aterra de emergência para retirar família de autista

Avião aterra de emergência para retirar família de autista D.R.

Um avião da United Airlines aterrou 


de emergência para que uma jovem 


autista de 15 anos saísse, depois de 


piloto ter alegado “desconforto” 


em voar com a rapariga a bordo. A 


mãe de Juliette garante que vai 


processar a companhia por 


discriminação.

O caso está a ser noticiado por toda a imprensa norte-americana, depois da reportagem de um órgão de comunicação local, a Koin 6 News, ter revelado o caso. A mãe de Juliette alega que a família foi expulsa do voo da United Airlines, depois do piloto se ter sentido "desconfortável" com a rapariga autista a bordo.

Este é o momento em que a família é retirada do avião, captado por um passageiro. Uma gravação onde se ouvem alguns comentários dos passageiros como “vai haver um processo legal”.


Video do passageiro Chris Hall, fornecido à KOIN 6 News
O caso ocorreu a 5 de maio, num voo da United Airlines entre Houston e Portland, quando a família regressava de uma viagem à Disney.

Donna Beegle, a mãe de Juliette, uma jovem autista de 15 anos, conta que Juliette não quis comer antes de embarcar. Donna perguntou depois a bordo se havia uma refeição quente que pudessem servir à filha da ementa da primeira classe, mesmo pagando, já que Juliette normalmente recusava comida à temperatura ambiente.

Depois das primeiras recusas da tripulação, Donna explicou “tenho uma filha com necessidades especiais e preciso de lhe dar algo para comer”. Perante uma nova recusa da assistente de bordo, e perante alguma frustração de Juliette, a mãe disse “que tal nós esperarmos por uma crise, que ela comece a chorar e a tentar arranhar alguém, em frustração. Não quero que ela chegue a esse ponto”, conforme Donna contou à ABC News
A refeição apareceu, e Donna diz que a filha comeu e ficou bem. 
Aterragem de emergência
Cerca de 25 minutos depois, o piloto anuncia uma aterragem de emergência a meio do percurso, em Salt Lake City, devido a um “passageiro com problemas de comportamento”.

Já em terra, paramédicos e polícia entraram a bordo para retirar a jovem e a restante família. A mãe conta que a rapariga estava calma no seu lugar.

De acordo com o relato de Donna Beegle, a família teve de abandonar o avião devido ao “medo do autismo” e que a polícia argumentou que tinham de sair porque o comandante “disse não estar confortável a voar para Portland com Juliette a bordo".

Um dos passageiros a bordo do avião disse à ABC News criticou o que considerou ser discriminação, e que tinha “sido totalmente ridículo” já que a adolescente estava calma. 
Processo por discriminação
A mãe de Juliette já fez queixas à United Airlines e à entidade que tutela a aviação nos Estados Unidos, e ambos deverão analisar o caso. E garante que vai processar a companhia aérea por discriminação. Donna diz que será um incentivo ao treino dos trabalhadores das companhias aéreas para lid
Donna Beegle afirma que Juliette viaja com frequência, inclusivamente para Londres, Paris e 22 estados norte-americanos. Juliette teve diagnóstico de autismo quando tinha três anos e de acordo com a descrição da mãe, a jovem tem um QI elevado, mas dificuldades em comunicar.arem com casos de pessoas com autismo. “Percebi a ignorância”, diz Donna à Koin 6 News, acrescentando “que isso vai mudar, para que ninguém mais tenha de passar por isto”.

Em comunicado, a United Airlines respondeu aos meios de comunicação social norte-americanos dizendo que, depois de tentar acomodar a família durante o voo, “a tripulação tomou a melhor decisão para a segurança e comodidade dos passageiros e decidiu fazer a paragem em Salt Lake City depois da situação se tornar disruptiva”. A companhia marcou novo voo para a família numa outra companhia.