AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 9 de maio de 2015

IMPRENSA E PODER - Do meu ponto de vista foi positiva a reacção das empresas de comunicação social à tentativa, ao que parece de geração espontânea, de um grupo de deputados do centrão, CDS-PP, PSD e PS, que sem surpresa são capazes de estabelecer consensos, de instituir um visto prévio na cobertura da campanha eleitoral.

Posted: 09 May 2015

Do meu ponto de vista foi positiva a reacção das empresas de comunicação social à tentativa, ao que parece de geração espontânea, de um grupo de deputados do centrão, CDS-PP, PSD e PS, que sem surpresa são capazes de estabelecer consensos, de instituir um visto prévio na cobertura da campanha eleitoral.
Essa proposta caiu e o CDS-PP e PSD apresentam nova proposta de cobertura das campanhas eleitorais que está a merecer as críticas de duas dezenas de responsáveis editoriais de órgãos de comunicação social.
Algumas notas sobre este universo, a relação dos poderes, designadamente do poder político, com a comunicação social que tem algumas particularidades interessantes.
Se estivermos atentos, reparamos como todos se procuram servir da comunicação social para a defesa dos seus interesses pessoais, partidários, institucionais, económicos, etc. Nada de novo, sabemos o peso que a comunicação social tem nas sociedades actuais e nos últimos tempos também temos tido sucessivos episódios ilustrativos dessas nebulosas relações.
Nesta matéria, para além das consequências óbvias destes comportamentos, parece-me particularmente irritante a forma quase infantil, está um pouco na moda este tipo de infeliz comparação mas não resisto, como algumas figuras reagem ao ser abordadas pela imprensa sobre assuntos sobre os quais, por várias razões, não lhes interessa discorrer. Surgem então as afirmações patéticas, “não tenho nada a acrescentar”, “desculpem, não comento”, “não estou aqui para falar dessas matérias,” “no estrangeiro não comento questões nacionais”, etc., etc. Este pessoal desenvolve assim uma espécie de surdez selectiva, só ouve o que lhe convém, de mutismo selectivo, só fala do que lhe convém, de cognição selectiva, só conhece o que lhe convém.
No entanto, são também estas as figuras que directamente ou através de terceiros, lambem as botas às redacções e aos jornalistas (quanto mais influentes melhor) e pedem, exigem, tempo de antena quando tal serve os seus diferentes interesses.
Algumas dessas figuras quando, quase sempre fruto do alpinismo partidário, ascendem a alguma forma de poder conseguem ainda ir mais longe nessa relação com a imprensa, se não lhes agrada calam-na como também não é raro. É um método velho e intemporal.
Devo confessar que tal cenário é, para mim, profundamente irritante e patético, sinto que nos insultam, que nos consideram destituídos, como se por não abordarem as diferentes matérias, elas não se passassem ou não existissem ou, noutros processos, que somos manipulados de forma nem sempre perceptível pela opacidade das situações.
Finalmente, incomoda-me também uma comunicação social, boa parte dela, passiva e resignada, que não confronta as figuras públicas com estes comportamentos, não os denuncia, e que acorre solícita quando essas figuras entendem que têm algo a dizer, as mais das vezes, irrelevante. Também lhe convém esta subserviência interesseira que alguns profissionais mantêm, também têm as suas agendas. Às vezes são recompensados.

É, quase, tudo farinha do mesmo saco como dizia a minha Avó Leonor.



http://atentainquietude.blogspot.pt/



SIR EDWIN LANDSEER - PINTOR E ESCULTOR - A SUA OBRA (repetição)

Edwin Landseer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Retrato de Landseer, feito na década de 1860
Sir Edwin Henry Landseer
 (7 dMarço de 1802Londres — 1 de Outubro de 1873) foi um pintor e escultor inglês, bastante conhecido por suas pinturas de animais — ervídeos. Entretanto, as obras mais conhecidas de Landseer são as esculturas: os leões da Trafalgar Square, em Londres.




Vida e obra

Landseer foi uma espécie de menino prodígio cujos talentos artísticos foram precocemente reconhecidos; estudou com vários artistas, incluindo Benjamin Robert Haydon, um pintor muito conhecido e controverso que encorajou o jovem Landseer a realizar dissecações no intuito de compreender por completo a estrutura muscular e esquelética animal.
Em 1815, quando ainda tinha 13 anos, Landseer já havia exibido suas obras na Academia Real Inglesa. Foi eleito um associado da Academia Real aos 24 anos, e cinco anos mais tarde, em 1831, tornou-se acadêmico. Em 1850, foi nomeado Cavaleiro, e apesar de ter sido eleito presidente da Academia Real, em 1866, Landseer recusou o convite.
Landseer foi um personagem notável na arte inglesa do século XIX, e suas obras podem ser encontradas no Tate Britain, no Victoria and Albert Museum, na Kenwood House e na Coleção Wallace, em Londres. Ele também colaborou com seu colega pintor Frederick Richard Lee.

FOTOGALERIA

ATENÇÃO! SE QUISER DIMINUIR O TAMANHO DAS IMAGENS BASTA CLIKAR NUMA DELAS











































 O PINTOR - AUTO RETRATO