AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 19 de março de 2015

Portugueses são dos mais infelizes com a sua vida na União Europeia -Só os búlgaros estão mais insatisfeitos com a sua vida do que os portugueses, de acordo com um inquérito divulgado esta quinta-feira pelo Eurostat. Os escandinavos são os que estão mais felizes.

Portugueses são dos mais infelizes 
com a sua vida na União Europeia

Só os búlgaros estão mais insatisfeitos com a sua vida do que os portugueses, de acordo com um inquérito divulgado esta quinta-feira pelo Eurostat. Os escandinavos são os que estão mais felizes.

O Dia Internacional da Felicidade é já amanhã, sexta-feira, mas não deverá haver grandes motivos para celebrar: os portugueses estão no grupo de cidadãos europeus menos satisfeitos com a sua vida. Numa escala de zero (nada satisfeito) a 10 (totalmente satisfeito), os portugueses atribuíram à sua satisfação com a vida uma nota de 6,2, que é, ex-aequo com Grécia, Chipre e Hungria, a segunda mais baixa na União Europeia. Pior, mesmo, só a Bulgária, com 4,8. Os dados são relativos a 2013.

A nota que os portugueses atribuem à sua satisfação com a vida está também abaixo da média europeia, de 7,1. Olhando às notas que os portugueses das diferentes faixas etárias atribuem, percebe-se que a nota baixa é muito influenciada pela insatisfação dos mais velhos. Os jovens dos 16 aos 24 anos são os mais satisfeitos e atribuem uma nota de 7,5, que depois começa sempre a descer: dos 25 aos 34 já é de 6,8, dos 35 aos 49 cai para 6,3, e dos 50 aos 64 recua para os 5,7.

O único aumento de satisfação ocorre nos portugueses entre 65 e 74 anos, que atribuem 5,9 à sua satisfação com a vida. Aqueles que têm mais de 75 anos dão uma nota 5,6, a mais baixa de todos os escalões. A tendência que se verifica em Portugal é comum a toda a Europa, com raras excepções escandinavas. Os vizinhos de Espanha dão 6,9 à sua satisfação com a vida.

É na Finlândia, Dinamarca e Suécia que há cidadãos europeus mais satisfeitos: os três países dão nota 8 à sua satisfação com a vida. E na Dinamarca e Suécia, os cidadãos acima de 65 anos, em idade de reforma, estão mais satisfeitos com a sua vida do que os jovens até aos 24. Logo a seguir vêm os austríacos e holandeses, com nota de 7,8.

Suíça rivaliza com a Escandinávia
O estudo do Eurostat avalia os níveis de satisfação em quatro outros países que não fazem parte da União Europeia. Na Suíça, a satisfação com a vida é similar à da Suécia: os suíços atribuem nota 8. Na Islândia e Noruega a nota é de 7,9, muito próxima do topo. Segue-se a Sérvia, com 4,9, um dos piores resultados.

É, portanto, no Centro e Norte da Europa que os cidadãos europeus estão mais satisfeitos com as suas vidas. Nas periferias, especialmente este e oeste, a satisfação é menor.

O estudo divulgado pelo Eurostat concentra-se no indicador de satisfação com a vida porque ele é "um indicador-chave de bem-estar subjectivo". "A satisfação com a vida é um conceito multi-dimensional que é muito moldado por vários factores sócio-demográficos, que conduzem a situações de vida distintas, bem como a diferentes expectativas e preferências", lê-se no destaque da publicação.

Surpreendentemente, ou não, não é o salário que mais contribui para os europeus estarem satisfeitos com a sua vida. "As condições de saúde são um dos factores determinantes na satisfação com a vida, à frente de outros factores como a posição financeira, a situação do mercado laboral ou as relações sociais", conclui o Eurostat.

*  A infelicidade em Portugal vem da subserviência ao poder.


apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

AS VIGARICES QUE OS LACAIOS E INIMIGOS DO POVO GREGO FAZEM POR TODO O MUNDO - Apresentador da TV alemã confessa montagem em vídeo de ministro grego

Apresentador da TV alemã confessa montagem em vídeo de ministro grego


  • Yanis Varoufakis foi alvo de montagem na TV alemã
    Yanis Varoufakis foi alvo de montagem na TV alemã
Um apresentador da TV alemã declarou nesta quarta-feira (18) que "montou" um vídeo do ministro grego da Fazenda, Yanis Varoufakis, cuja difusão em um programa de grande audiência na Alemanha causou polêmica.
Jan Böhmermann, apresentador de um programa humorístico da TV estatal ZDF, explicou que um vídeo postado no site do seu programa Neo Magazin Royale utilizou uma montagem para fazer com que Varoufakis mostrasse o dedo do meio.

A montagem utilizou um vídeo gravado em 2013 durante um festival em Zagreb, no qual Varoufakis falava em "passar um pente na Alemanha", mas sem mostrar o dedo do meio.

Böhmermann explicou que sua equipe inseriu o sinal de dedo no vídeo original e depois o postou no YouTube.

A montagem foi exibida na noite de domingo em um programa de grande audiência da ARD, outro canal estatal alemão, no qual Varoufakis foi entrevistado "ao vivo" em Atenas.

Mulher ensina a cozinhar só de calcinha e vira sucesso no YouTube [vídeo]

Mulher ensina a cozinhar só de calcinha e vira sucesso no YouTube [vídeo]


Uma argentina de 24 anos chamada Jenn parece ter descoberto o jeito perfeito de incentivar as pessoas – principalmente os homens – a cozinhar: ela ensina receitas usando apenas uma calcinha. Através de seu canal noYouTube, curiosamente chamado de “A Fuego Máximo” (“A Fogo Máximo”, em espanhol), a moça tem conseguido bastante fama na internet e acumulado milhares de visualizações em seus vídeos.
Durante todo o quadro, a cozinheira aparece apenas de calcinha, cobrindo os seios com os ingredientes usados nas receitas ou utensílios da cozinha. O seu primeiro prato foi um enroladinho de salsicha, mas Jenn também já ensinou os internautas a fazerem uma saladinha e guacamole
Os vídeos são curtos e claros”, explicou a moça ao jornal argentino 
Veloz 24/7. Segundo a chef, a ideia surgiu de um amigo e inicalmente 
teve bastante resistência por parte dela. Entretanto, um dia Jenn resolveu 
dar uma chance ao projeto e fez as filmagens na cozinha dele, mas com 
UMA CONDIÇÃO NÃO MOSTRAR NENHUMA PARTE ÍNTIMA
O resultado é o que você confere nos vídeos dessa materia. Jenn vive em uma 
pequena cidade de San Isidro, província de Buenos Aires. Estudante de produção 
cultural e teatro, a moça mora com os pais e ainda não descartou a ideia de ser chef 
de cozinha. “Não sei o quão longe posso chegar. Dançando, que tal? Não sei, pode ser”. 
Será que tem futuro?




.






O canal "A Fuego Máximo" teve sua conta no YouTube excluída no dia de hoje (18).

A mulher do Tio Patinhas e a filha de Salazar - Eu pensava que Tio Patinhas era um irrevogável celibatário mas estava rotundamente enganado. Há algum tempo já que corriam rumores sobre o casamento, mas desconhecia-se quem era a eleita do mais famoso milionário da BD.

A mulher do Tio Patinhas e a filha de Salazar



Eu pensava que Tio Patinhas era um irrevogável celibatário mas estava rotundamente enganado. Há algum tempo já que corriam rumores sobre o casamento, mas desconhecia-se quem era a eleita do mais famoso milionário da BD.
Ontem, no Pombal,  ( que até fica perto de Fátima) Maria Luís Albuquerque revelou o segredo da identidade  da mulher do Tio Patinhas ,numa  mensagem  a um grupo de jovens  da claque laranja:
“Temos os cofres cheios!” – disse com um rasgado sorriso.
De imediato os  jornalistas  que se deslocaram ao Pombal, a convite do Lomba, concluíram que  essa mensagem só poderia ter sido proferida pela mulher de Tio Patinhas.
No entanto,  quando alguns jovens  se levantaram dizendo que iam pedir um empréstimo ao banco, para aproveitar a onda,  Maria Luís barrou-lhes  o caminho dizendo  que o dinheiro não era para gastar, era mesmo para ficar nos cofres para “qualquer eventualidade”. Esta atitude da ministra das finanças gerou uma divisão entre os jornalistas. Enquanto uns reforçavam a sua convicção, alegando que o ar jovial de Marilú nos últimos tempos se deve aos banhos que toma no cofre do Patinhas,outros colocavam a hipótese de Marilu ser  a filha de Salazar, cuja existência o ditador sempre negou.
 Ainda a polémica não se tinha esgotado já  a ministra, em resposta  a uma pergunta de um jovem, respondia: 
“ Ide e multiplicai-vos”
Levantou-se um burburinho na sala mas, descartada a hipótese de Maria Luís ser uma enviada de Deus ( apesar de estarmos perto de Fátima, essa hipótese é pouco verosímil)  alguém fez uma pergunta sobre as listas VIP
Alegando cansaço por estar a falar há uma hora ( quanto tempo duram as aulas na Universidade onde a ministra dá aulas e teve Passos Coelho como aluno?)  Marilú abandonou a  sala.
Talvez alguns leitores tenham esboçado um sorriso perante estas declarações da ministra mas, se querem o meu conselho, NÃO SE RIAM!
Vão assistir, nos próximos meses, a mensagens deste jaez - que pensávamos serem um exclusivo do pm- por parte de muitos membros deste governo. Parecem estúpidas, mas produzem o efeito desejado junto dos eleitores.
Os tugas salivam cada vez que lhes dizem que os cofres do país estão cheios. Esse é, aliás, um dos argumentos invocados por muitos para defenderem que estávamos melhor no tempo do Estado Novo. Se  Salazar tinha os cofres cheios e havia reservas de ouro a dar com um pau, é porque o governo era bom e poupadinho. A pobreza extrema, as perseguições políticas, o Tarrafal, a censura, eram apenas pormenores que em nada beliscam a “grandeza de Salazar”
Acreditem em mim. O país mudou muito depois do 25 de Abril, mas o tuga não!


cronicasdorochedo.blogspot.pt

USA - O capitalismo no país das maravilhas - "São as regras do jogo do capitalismo em todo o seu brutal esplendor: privatizar a produção de riqueza e socializar a produção prejuízos, pelo que os resultados económicos negativos que se sucedem em catadupa* nos EUA fazem adivinhar que a escala e a gravidade da miséria extrema irão continuar a agudizar-se, acentuando cada vez mais as contradições mais abjectas e anti-humanas do capitalismo. Neste jogo viciado, a falta de habitação, de emprego e de comida não são infortúnios, são jogadas de classe. As cartas do capitalismo estão há muito tempo à vista: desvalorização do trabalho; guerra infinita; miséria. Não basta virar o jogo, é preciso virar a mesa."

USA - O capitalismo no país das maravilhas

O capitalismo no país das maravilhas
por António santos


"São as regras do jogo do capitalismo em todo o seu brutal esplendor: privatizar a produção de riqueza e socializar a produção prejuízos, pelo que os resultados económicos negativos que se sucedem em catadupa* nos EUA fazem adivinhar que a escala e a gravidade da miséria extrema irão continuar a agudizar-se, acentuando cada vez mais as contradições mais abjectas e anti-humanas do capitalismo. Neste jogo viciado, a falta de habitação, de emprego e de comida não são infortúnios, são jogadas de classe. As cartas do capitalismo estão há muito tempo à vista: desvalorização do trabalho; guerra infinita; miséria. Não basta virar o jogo, é preciso virar a mesa."

Num ano em que a cidade de Nova Iorque enfrenta o frio mais inclemente de várias décadas, o número de «sem-abrigo» na Grande Maçã também bateu o maior recorde de todos os tempos: 60 000 pessoas sem casa, metade das quais são crianças. E de acordo com um estudo publicado na semana passada pela Universidade de New Hampshire, o problema é à escala federal. Na segunda economia mais rica do mundo, o número de gente sem casa triplicou desde 1983 para 3,5 milhões. Curiosamente, desde essa mesma data, também triplicou para 18 milhões o número de casas sem gente.

O estudo concluiu que de geração para geração cada vez é mais difícil sair da pobreza. Na «terra das oportunidades», a pobreza das famílias de classe trabalhadora tem uma tendência consistente para perpetuar-se e crescer nas gerações vindouras, criando um ciclo vicioso e cada vez mais difícil de inverter. 

Ou, como demonstra o testemunho recolhido pela investigadora e jornalista Tiffany Willis: «Uma vez, eu precisava de lápis-de-cor para um trabalho. A minha professora disse-me que se eu não os trouxesse levava um zero. Disse-lhe que não tinha, mas ela respondeu-me que eu tinha de tratar disso. No caminho para a escola, a minha mãe entrou no super-mercado e pediu-me para esperar à porta. Eu não percebi, porque ela tinha dito que não tinha dinheiro. Quando saiu, levava com ela os meus lápis-de-cor, mas não estavam dentro de um saco de plástico, estavam escondidos dentro da blusa. Acho que os roubou. Ela estava a chorar.» Segundo os autores do estudo, a percentagem de crianças sem-abrigo que conclui o ensino secundário situa-se nos 20 por cento. No reverso da medalha, observa o estudo, cresce a tendência para que os filhos dos muito ricos ultrapassem a fortuna dos pais. 

O que dizem as crianças sem teto dos EUA 



Há actualmente 15 milhões de crianças com fome nos EUA. Destas, 1,5 milhões não tem casa. Com efeito, na lista de países que melhor protegem as suas crianças, a UNICEF coloca os EUA abaixo da Grécia e apenas duas posições acima da Roménia. Poderíamos acreditar que a colossal dimensão deste crime, que constitui uma continuada violação da Convenção Internacional dos Direitos da Criança e que, para além do mais, decorre num país rico, seria alvo de severas atenções mediáticas e de consensuais admoestações internacionais. 

Mas a pobreza das crianças dos EUA é invisível. Na verdade, é exactamente essa a estratégia de um número crescente de estados: varrer a miséria extrema para debaixo do tapete. No Arizona proíbem a mendicidade; em Boston instalam a chamada «arquitectura hostil», que impede as pessoas de repousarem nos espaços públicos; no Colorado, o Estado oferece bilhetes de autocarro aos sem-abrigo, para que vão e não voltem; em Hollywood, a cidade está a comprar às organizações de caridade os imóveis onde funcionam os abrigos nocturnos... para poder demoli-los; no Alasca, o Representante Don Young foi mais longe e sugeriu «alcateias de lobos» para acabar com o problema.

São as regras do jogo do capitalismo em todo o seu brutal esplendor: privatizar a produção de riqueza e socializar a produção prejuízos, pelo que os resultados económicos negativos que se sucedem em catadupa* nos EUA fazem adivinhar que a escala e a gravidade da miséria extrema irão continuar a agudizar-se, acentuando cada vez mais as contradições mais abjectas e anti-humanas do capitalismo. Neste jogo viciado, a falta de habitação, de emprego e de comida não são infortúnios, são jogadas de classe. As cartas do capitalismo estão há muito tempo à vista: desvalorização do trabalho; guerra infinita; miséria. Não basta virar o jogo, é preciso virar a mesa.



*catadupa = 

1. Queda estrondosa de água corrente. = CATARATA

2. Saída ou corrente impetuosa de algo (ex.: elogios em catadupa). = JORRO, TORRENTE

"catadupa", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha],  http://www.priberam.pt/DLPO/catadupa 




Fonte: Avante



Da série "o lado mais magrinho do Estado" - Para todos nós que vimos salários e pensões confiscados e fomos sobrecarregados com os impostos que foram poupados às grandes fortunas, rendas e lucros não foi novidade nenhuma o que ouvimos ontem à Ministra das Finanças

Da série "o lado mais magrinho do Estado"


Para todos nós que vimos salários e pensões confiscados e fomos sobrecarregados com os impostos que foram poupados às grandes fortunas, rendas e lucros não foi novidade nenhuma o que ouvimos ontem à Ministra das Finanças: “temos” os cofres cheios. Têm os cofres cheios, dizia a senhora. Obrigadinho, pagámo-lo nós. O que porventura a maioria não sabe é que esse excedente de liquidez, pelo qual Portugal já paga um juro aos especuladores que compraram a dívida correspondente, ainda rendem ao BCE o juro negativo que actualmente o remuneram pelo maior stock de liquidez de sempre  que lá temos depositados. Repararam que dispensei as aspas neste último temos. É que somos nós a pagar outra vez.


opaisdoburro.blogspot.pt

CASTELO BRANCO APOIA O PRIMO ANTÓNIO COSTA - Marchand afirma que Costa "é corretíssimo"

A FERVER
CASTELO BRANCO APOIA O PRIMO ANTÓNIO COSTA

Marchand afirma que Costa "é corretíssimo"
FOTO: LUSA/FILIPA COUTO
"Apoio a campanha do António Costa, não por uma questão de sangue, mas porque é um dos únicos políticos corretíssimos" conta José Castelo Branco, que é primo do atual líder do PS. "O tio Orlando [da Costa, pai de António e Ricardo Costa] deu-lhe uma educação perfeita e era um homem de causas, a honestidade era característica sua", defende o marchand.

"Somos ‘primíssimos’! Não estamos todos os dias juntos, mas falamos muitas vezes, especialmente com o António [Costa]. O Ricardo vejo menos vezes", revela o marido de Betty Grafstein ao FLASH!Vidas. "O tio Orlando era presença frequente na nossa casa e devamo-nos todos muito bem, era o tio do coração", continua José Castelo Branco, que só começou a lidar mais com os primos em idade adulta, devido à infância passada em Moçambique (de onde é natural) e em colégios internos.




A mãe de José Castelo Branco, Inês Paulino Castelo Branco era prima direita do pai dos irmãos Costa, Orlando da Costa, conhecido escritor e político português, falecido em 2006, pelo que o marchand, António e Ricardo Costa são primos em segundo grau.

Sobre a polémica com Zezé Camarinha, José Castelo Branco garante que é assunto encerrado: "Sou católico, apostólico e de comunhão! Pratico o que Nosso Senhor Jesus Cristo ensinou", conclui.

CM

ELECTRICIDADE GRATIS A 300.000 LUGARES E UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO - PARLAMENTO GREGO APROVA AJUDA HUMANITÁRIA AOS MAIS NECESSITADOS

Parlamento griego aprueba ley de ayuda humanitaria para necesitados

El Parlamento de Grecia aprobó este miércoles con el apoyo de todos los grupos el proyecto de ley que facilitará a las familias más desfavorecidas bienes y servicios de primera necesidad de forma gratuita o subsidiada.
La propuesta aprobada es la primera de las medidas sociales anunciadas por el gobierno del primer ministro Alexis Tsipras y por la cual se proveerá de electricidad gratuita a unos 300.000 hogares, un programa de alimentación para igual número de familias y subsidios para el alquiler de viviendas.
Según la ley, tendrán preferencia las familias con niños y los parados de larga duración o sin prestación económica, aunque estarán amparadas todas las personas que se encuentran por debajo del umbral de la pobreza.
Durante el debate, Tsipras afirmó que su gobierno no dará marcha atrás en sus promesas electorales ni “en lo que consideremos necesario para que la sociedad tenga un respiro”, en respuesta a las críticas emitidas por algunos responsables de instituciones europeas.
Además, subrayó que las negociaciones en el marco del Eurogrupo son difíciles pero “el gobierno tiene la obligación de llegar a un acuerdo, que será para el beneficio del pueblo”, y no abandonará esa línea a pesar de que sus esfuerzos son saboteados por poderes externos y dentro de Grecia.
La nueva norma fue criticada como una “acción unilateral” por parte del responsable de la misión para Grecia de la Comisión Europea, Declan Costello, quien exigió “las necesarias consultas políticas” antes de la aprobación de la ley.
PL

NOTAS - OS SALGADINHOS DE RICARDO SALGADO

O RICARDO SALGADO NA COMISSÃO DE INQUÉRITO DISTRIBUI SALGADINHOS PARA ENTRETER OS DEPUTADOS.


ESTÁ A DECORRER HÁ HORAS O REALITY SHOW DO INQUÉRITO A RICARDO SALGADO PELOS DEPUTADOS DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA.
NÃO RECEIO DIZER AQUI QUE POUCO PESCO DO EMARANHADO E DA TEIA DE ARANHA QUE PARA MIM SÃO OS NEGÓCIOS DA BANCA E DOS BANQUEIROS, SOBRETUDO QUANDO ELES, OS NEGÓCIOS SÃO ESCUROS, E OS BANQUEIROS AINDA MAIS NEGROS. ARRISCO TAMBÉM A PENSAR QUE NEM TODOS OS DEPUTADOS ESTARÃOTOTALMENTE APTOS A ENTENDER O NEVOEIRO QUE OS OS SENHORES DO COLARINHO BRANCO FAZEM DESPONTAR QUANDO ESTÃO EM CAUSA OS SEUS LUCROS E OS SEUS SEGREDOS.
NOTA-SE O À VONTADE E O TOM CATEDRÁTICO DE RICARDO SALGADO QUE MAIS PARECE ESTAR A ENSINAR ALGUNS ALUNOS NUMA AULA QUALQUER DE ECONOMIA.
PARA ELE, RAPOSA VELHA E SABEDORA DOS MEANDROS DE COMO SE MEXE NO DINHEIRO NO MUNDO DO CAPITAL, ESTA COMISSÃO É UM ÓPTIMO TREINO PARA QUANDO VIER SER CHAMADO MAIS UMA VEZ AOS TRIBUNAIS QUE A MEU VER E PELO QUE SE CONHECE DA JUSTIÇA EM PORTUGAL FICARÃO A VER NAVIOS POR NÃO TEREM FORÇA PARA CONDENAR TUBARÕES DESTA ESTIRPE.
NÃO TEREM FORÇA, OU NÃO SE INTERESSAREM EM CONSEGUI-LA JÁ QUE EXISTE MUITA GENTE QUE DEPENDE DO DINHEIRO QUE ESTES SENHORES DISTRIBUEM A QUEM LHES PRESTA VASSALAGEM DE VÁRIAS FORMAS.
POSTO ISTO, CONSIDERO QUE TODO ESTE ASSUNTO É MAIS UMA NOVELA PARA ENTRETER O ZÉ POVINHO E DAQUI NADA MAIS SAI DO QUE CONVERSA PARA BOI DORMIR COMO DIZ O MEU AMIGO E CONTERRÂNEO ADVOGADO VALÉRIO BEXIGA.
António Garrochinho

SUÉCIA - Tiroteio em bar na Suécia faz pelo menos dois mortos - Um número indeterminado de homens disparou tiros de Kalashnikov num bar onde dezenas de pessoas viam um jogo de futebol. Polícia crê tratar-se de uma guerra de gangues.

SUÉCIA

Tiroteio em bar na Suécia faz pelo menos dois mortos


Um número indeterminado de homens disparou tiros de Kalashnikov num bar onde dezenas de pessoas viam um jogo de futebol. Polícia crê tratar-se de uma guerra de gangues.

Gotemburgo é uma cidade onde se têm verificado problemas com gangues
Mike Cooper/Allsport/Getty Images
Um ou mais homens entraram esta quarta-feira à noite num bar de Gotemburgo, na Suécia, e dispararam vários tiros que mataram pelo menos duas pessoas e feriram diversas outras. De acordo com a polícia, o número de vítimas mortais poderá ainda aumentar, à medida que se for percebendo exatamente o que aconteceu.
À AFP, a porta-voz da polícia local, Ulla Brehm declarou que “existem várias baixas” e que as pessoas feridas foram transportadas para o hospital. “Foi usada uma arma automática e não podemos excluir [a hipótese] de que isto esteja relacionado com gangues. Já há algum tempo que temos problemas com gangues nesta zona”, acrescentou.
Segundo os jornais locais, serão entre 10 a 15 as pessoas que ficaram feridas no tiroteio, que foi perpetrado por um número indeterminado de homens armados. Uma pessoa que estava dentro do bar no momento dos disparos disse ao jornal Aftonbladet que viu dois homens com metralhadoras Kalashnikov a entrarem no estabelecimento cerca das 22h20 da noite de quarta-feira. Outras pessoas falam em quatro atiradores. A polícia, para já, não diz nada sobre a quantidade de criminosos que seriam, apenas confirma que não foram feitas detenções.
Decorria na altura um jogo de futebol, pelo que o bar estava cheio de adeptos que assistiam à partida pela televisão. Os mortos já confirmados são dois homens na casa dos 20 anos.

Feministas Querem Tornar Mentiras Ditas às Mulheres Um Crime no Mesmo Nível do Estupro - Sob um novo crime chamado de "estupro por fraude", as feministas querem tornar ilegal mentir para as mulheres antes do sexo. Mesmo após meses ou até anos, elas querem perseguir amantes que as rejeitaram por serem desonestos antes da relação sexual, e atingi-los com acusações de estupro.

Feministas Querem Tornar Mentiras Ditas às Mulheres Um Crime no Mesmo Nível do Estupro


"Estupro mediante fraude" lei puniria desonestidade nas relações com  20 anos de prisão

Sob um novo crime chamado de "estupro por fraude", as feministas querem tornar ilegal mentir para as mulheres antes do sexo. Mesmo após meses ou até anos, elas querem perseguir amantes que as rejeitaram por serem desonestos antes da relação sexual, e atingi-los com acusações de estupro.

Esta campanha está sendo liderada por uma mulher chamada Joyce M. Short, cujo blog sugere que seu ex "minou a sua capacidade de ter uma família amorosa". Durante anos, desde que ela esteve em uma cruzada para ter o que ela chama de "estupro mediante fraude" - ou seja, mentir antes do sexo - instituída em lei como crime no mesmo nível de agressão sexual violenta.

Short também argumenta que as mulheres devem exigir prova de identificação e histórico pessoal antes de consentir com o sexo, incluindo passaporte, carteira de motorista, comprovante de endereço, comprovante de renda, certidão de divórcio, diploma, histórico familiar e registros pessoais de saúde.

Ela também convida suas leitoras rejeitadas a derrubarem "suspeitos gigolôs" nomeando e envergonhando-os da mesma forma que a Lei Megan, uma lista de criminosos sexuais criada em resposta à morte de Megan Kanka, uma menina de 7 anos de idade, que foi estuprada e assassinada.

Dezenas de pessoas, a grande maioria dos quais são homens, estão listados neste site com seus nomes completos, data de nascimento, estado civil, número de filhos que tem, cidade e local - sem nenhuma evidência real para provar que eles fizeram nada de errado - colocando-os no mesmo contexto de um assassino pedófilo que matou uma menina, tudo porque essas mulheres rejeitadas afirmam que os homens mentiram em algum momento durante a relação.

E se você acha que toda essa ideia é apenas uma louca asneira de feministas iludidas, então pense novamente. No ano passado, o deputado Troy Singleton de New Jersey introduziu uma lei que tornaria o crime de "agressão sexual mediante fraude" punível com até 20 anos de prisão.

Ressaltando novamente como o vírus da terceira onda do feminismo está infectando o sistema de ensino, "estupro mediante fraude" também foi um tema de discussão em uma aula de saúde do primeiro ano do ensino médio.

Assim como jovens universitários estão sendo doutrinados com a noção "cultura do estupro" do campus, a qual foi completamente desmascarada pelas estatísticas do Departamento de Justiça, agora crianças do ensino médio estão sendo bombardeadas com a mesma conversa fiada fraudulenta.

A qual que nos traz de volta o círculo completo. Assim como o mito da cultura do estupro na faculdade, a dimensão desta fábula "estupro mediante fraude"tem de ser completamente exagerada pelas feministas, porque não existe uma cultura de estupro real, nos Estados Unidos. Há uma cultura do estupro verdadeiro entre os imigrantes muçulmanos que abusam e traficam meninas brancas em países europeus, mas as feministas não falam sobre isso, porque não é politicamente correto, e porque elas são absolutamente hipócritas.

Apesar de estar indignado há anos sobre um escândalo de estupro na UVA, que foi completamente inventado, as feministas ignoraram a muito real e brutal invasão de domicílio e estupro da estrela pornô Cytherea, por causa de seu ódio dogmático das mulheres que trabalham em entretenimento adulto.

A pura loucura da lei "estupro mediante fraude" é meramente um outro método através do qual as feministas estão doutrinando as mulheres a viverem em um estado de vitimização permanente - uma condição de desamparo aprendido que contradiz completamente a premissa de que o feminismo deve empoderar as mulheres.

Short diz às mulheres para se "libertarem" de pessoas que lhes dizem "apenas supere isso" e "siga em frente".

Em vez disso, ela sugere que as mulheres abracem a noção de que elas têm Transtorno de Estresse Pós-Traumático - que está em pé de igualdade com as vítimas de combate militar violento, ataques terroristas e abuso sexual violento prolongado, novamente tudo porque alguém simplesmente mentiu para elas antes do sexo sobre uma característica, sua renda ou educação.

É óbvio que é desagradável se alguém minta para você apenas para conseguir sexo. Mas, transformar isso em uma vingança pessoal, que se arrasta por anos ou décadas e, em seguida, tentar tornar mentiras dos relacionamentos uma ofensa criminal em pé de igualdade com o estupro é claramente completamente absurdo do ponto de vista prático e legal.

Por que as feministas não se concentram em apoiar as vítimas reais de estupro verificáveis ​​e não ignorá-las por causa do politicamente correto ou rancores ideológicos dogmáticos? Temos questões genuínas a respeito da cultura do estupro que precisam ser abordadas, mas em vez disso, as feministas estão ocupadas conduzindo falsas campanhas ultrajantes e movimentos inteiros em torno problemas completamente inventados como a cultura do estupro na faculdade e o "estupro mediante fraude".

Participe da discussão no Fórum Anti-NOM.

 http://www.anovaordemmundial.com

Eles não cabem em Miami - "O que mobiliza os medos e ódios da massa de gente que se reuniu em São Paulo é um sistema de dominação montado ao longo de décadas em que se esmagou a cultura popular e se impôs, para substituí-la, o simulacro globalizante.

Eles não cabem em Miami

Eles não cabem em Miami
por Nílson Lage


"O que mobiliza os medos e ódios da massa de gente que se reuniu em São Paulo é um sistema de dominação montado ao longo de décadas em que se esmagou a cultura popular e se impôs, para substituí-la, o simulacro globalizante.

Os quadros jornalísticos foram filtrados, com a exclusão quase total do pensamento inconveniente No entanto, os meios de comunicação - a mídia globalizada - são parte da fragilização institucional do Brasil, mas não a única."

" a despolitização e a falta de informação sobre o mundo manifestam-se em teses simplistas sobre a "culpa da Dilma", a "corrupção" ( 61 anos depois, o "mar de lama"), a ameaça comunista (a "conspiração bolivariana"),a indolência ("vivem do bolsa família"), o ódio à inteligência ("abaixo Paulo Freire", "prisão para Karl Marx") etc. ."

Certa vez ouvi de Leonel Brizola que a revolução cubana seria impossível no Brasil. Argumentava que Fidel Castro pôde se livrar da fração mais ativa da burguesia - algumas dezenas de milhares de pessoas -, expulsando-a para Miami, e isso seria impossível aqui. (Nota do Tijolaço: "não cabe", explicava)

A burguesia de São Paulo - a de verdade e a pequena - é muito maior do que a cubana e foi convencida por propaganda insistente de que não tem saída senão a rua, no caso,a Avenida Paulista. Polarizada e acuada, defende, como era de se esperar, um programa protofascista, que inclui repressão e segregação da população pobre e de tudo que a faz lembrar, inclusive o governo trabalhista.

Descendentes da elite colonial do café ou oriundos de imigração relativamente recente, os formadores de opinião de São Paulo Imaginam uma vida confortável integrados na grande comunidade latino-americana com capital cultural em Miami e financeira em paraísos fiscais. O Brasil, para eles, é como uma espécie de clube social que os diferencia e uma vaca com enorme teta em que mamam, jamais uma pátria independente.

O que mobiliza os medos e ódios da massa de gente que se reuniu em São Paulo é um sistema de dominação montado ao longo de décadas em que se esmagou a cultura popular e se impôs, para substituí-la, o simulacro globalizante.

Os quadros jornalísticos foram filtrados, com a exclusão quase total do pensamento inconveniente No entanto, os meios de comunicação - a mídia globalizada - são parte da fragilização institucional do Brasil, mas não a única.

O trabalho da inteligência dos Estados Unidos que coordena a agitação com objetivos econômicos e políticos evidentes foi muito facilitado pela modernização deformante das estruturas legais e das normas jurídicas, pela formação viciada nas escolas militares e pela desorientação do ensino em todos os níveis.

A combinação desses fatores, a despolitização e a falta de informação sobre o mundo manifestam-se em teses simplistas sobre a "culpa da Dilma", a "corrupção" ( 61 anos depois, o "mar de lama"), a ameaça comunista (a "conspiração bolivariana"),a indolência ("vivem do bolsa família"), o ódio à inteligência ("abaixo Paulo Freire", "prisão para Karl Marx") etc. .

É uma vitória que nenhuma violência tenha ocorrido. Um milhão de pessoas- se foram tantas - é um duzentos avos da população do Brasil, reunida em fração mínima de seu território. Mas um fagulha pode, agora, causar explosão, como já tem acontecido em outros lugares.

Eles não cabem em Miami, por Nílson Lage. 21825.jpeg


PS do Tijolaço. E a nossa pequeno-burguesia, aqui, com seus "ideais maiâmicos", com seu complexo de vira-latas, dá-lhes ouvidos e faz-lhes modelo. Mesmo que seja para limpar a sujeira dos ricos de verdade. Imagino o prazer da Veja ao tuitar a foto acima, ontem.


De Nílson Lage



Original em : Pravda.ru



CIVILIZAÇÕES AFRICANAS (XX) - A Civilização Ioruba Os iorubás ou iorubas (em iorubá: Yorùbá), também conhecidos como ou yorubá (io•ru•bá) ou yoruba, são um dos maiores grupo étno-linguístico ou grupo étnico na África Ocidental, composto por 30 milhões de pessoas em toda a região. Constituem o segundo maior grupo étnico na Nigéria, com aproximadamente 21% da sua população total.

A Civilização Ioruba



Os iorubás ou iorubas (em iorubá: Yorùbá), também conhecidos como ou yorubá (io•ru•bá) ou yoruba, são um dos maiores grupo étno-linguístico ou grupo étnico na África Ocidental, composto por 30 milhões de pessoas em toda a região. Constituem o segundo maior grupo étnico na Nigéria, com aproximadamente 21% da sua população total.




Origem

As lendas contam que Ilé-Ifé teria sido o próprio berço da humanidade. Ali Todos os povos e reinos descenderiam do deus-rei Odudua, fundador da cidade sagrada. Outra lenda diz que Odudua seria o condutor de uma gente vinda do Leste.




Após a fundação da cidade sagrada o povo teria se espalhado pela região e tomou forma final por volta do final do primeiro milênio. Possível época da fundação de Oyo, capital política dos iorubas. Cidades independentes com seus governantes, camponeses. O Senhor do reino ratificava o poder dos mandantes de cada cidade que era chamado de Bale e tinha a assembléia dos notáveis, que era na realidade a detentora da autoridade. O guarda muralhas, em geral era um mágico, o babalaô, que recolhia os impostos. Uma aristocracia improdutiva controlava as armas, o poder político, o comércio local, nacional e internacional.




As comunidades iorubas que se desenvolveram principalmente no sudeste da atual Nigéria constituíram um dos grandes centros civilizatórios da Guiné e chegaram a influenciar outras civilizações da região, como o reino de Benin. Esta irradiação cultural não se restringiu apenas ao continente africano.

A maioria dos iorubás vivem em grande parte no sudoeste da Nigéria; também há comunidades de iorubás significativas no Benin, Togo, Serra Leoa, Cuba e Brasil. Os iorubás são o principal grupo étnico nos estados de Ekiti, Kwara, Lagos, Ogun, Ongo, Osun, e Oyo. Um número considerável de iorubas vive na República do Benin, ainda podendo ser encontradas pequenas comunidades no campo, em Togo, Serra Leoa, Brasil e Cuba.

Milhares de iorubas escravizados foram desembarcados no Brasil, fecundando a cultura e a história do nosso país. Uma explicação plausível sobre a gênese do povo ioruba, seria as diversas migrações através das regiões entre o Lago Chade e o Níger.




Bem como tendo acesso ao mar, eles compartilham fronteiras com os Borgu (variadamente chamados Bariba e Borgawa) no noroeste, os Nupe (que eles chamam muitas vezes, "Tapa") e os Ebira no norte, os Edo que também são conhecidos como Bini ou povo benin (não-relacionado com o povo da República do Benin), e os Ẹsan e Afemai para o sudeste. Os Igala e outros grupos relacionados, encontram-se no nordeste, e os Egun, Fon, e outros povos de língua Gbe no sudoeste. Embora a maioria dos iorubás vivam no oeste da Nigéria, há também importantes comunidades yorubás na República do Benin, Gana e Togo.

A maioria dos iorubás são cristãos, com os ramos locais das igrejas Anglicana, Católica, Pentecostal, Metodista, e nativas de que são adeptos. O islamismo inclui aproximadamente um quarto da população iorubá, com a tradicional religião iorubá respondendo pelo resto. Os iorubas têm uma história urbana que data de 500 d.C. As principais cidades iorubás são Lagos, Ibadan, Abeokuta, Akure, Ilorin, Ogbomoso, Ondo, Ota, Shagamu, Iseyin, Osogbo, Ilesha, Oyo e Ilé-Ifè.

Arte



Escultura cabeça de bronze
Yoruba, Ife, Nigéria.

Os Yorubas do Sul da África Ocidental (República do Benin, Nigéria e Togo, incluindo também peças de Gana, Camarões e Serra Leoa), tem uma muito rica e vibrante comunidade artesanal, criando arte contemporânea e tradicional. O costume de arte e artesãos entre o Yoruba é profundamente assinalado no corpo literário Ifá que indica os orixás Ogun, Obatala, Oxum e Obalufon como central à mitologia de criação inclusive a obra artística (isto é a arte da humanidade) Ao longo dos anos, muitos já vieram cruzar idéias estrangeiras da obra artística e arte contemporânea com as formas de arte tradicionais encontradas na África Ocidental.

Língua

O iorubá ou ioruba (Èdè Yorùbá, "idioma iorubá") é um idioma da família linguística nigero-congolesa, e é falado ao sul do Saara, na África, dentro de um contínuo cultural-linguístico, por 22 milhões a 30 milhões de falantes.

A língua iorubá vem sido falada pelo povo iorubá há muitos séculos. Ao lado de outros idiomas, é falado na parte oeste da África, principalmente na Nigéria, Benim, Togo e Serra Leoa.

No continente americano, o iorubá também é falado, sobretudo em ritos religiosos, como os ritos afro-brasileiros, onde é chamado de nagô, e os ritos afro-cubanos de Cuba (e em menor escala, em certas partes dos Estados Unidos entre pessoas de origem cubana), onde é conhecido também por lucumí).

Pesquisas

Segundo diversos pesquisadores o termo iorubá é recente. Segundo Biobaku, aplica-se a um grupo linguístico de vários milhões de indivíduos. Ele acrescenta que, "além da [língua] comum, os iorubas estão unidos por uma mesma [cultura] e tradições de sua origem comum, na cidade de Ifé, mas não parece que tenham jamais constituído uma única entidade política, e também é duvidoso que, antes do século XIX, eles se chamassem uns aos outros por um mesmo nome". A. E. Ellis mencionou-o, judiciosamente, no título do seu livro The Yorùbá speaking people ("O povo que fala iorubá"), dando a significação de língua a uma expressão que teve a tendência a ser posteriormente aplicada a um povo, a uma expressão ou a um território. Antes de se ter conhecimento do termo iorubá, os livros dos primeiros viajantes e os mapas antigos, entre 1656 e 1730, são unânimes em chamar Ulkumy ou Ulcuim, com algumas variantes. Depois de Snelgrave, em 1734, o termo Ulkumy desapareceu dos mapas e é substituído por Ayo ou Eyo (para designar Oyo).

Francisco Pereira Mendes, em 1726, comandante do forte português de Ajudá, já mencionava em seus relatórios enviados à Bahia os ataques dos ayos contra os territórios de Agadjá, rei de Daomé chamado de "o Revoltoso" por haver atacado Allada em 1724, e que iria, posteriormente, conquistar Uidá, em 1727. Foi esse povo, chamado atualmente uidá (glébué para os daomeanos, igéléfé para os iorubás, ajudá para os portugueses, juda ou grégoy para os franceses, Whidah para os ingleses e fida para os holandeses) e habitado pelos hwéda, que se tornou o principal ponto de exportação dos escravos originários das regiões vizinhas, inimigos do Daomé.


Fontes: Wikipédia / Prefeitura de Barra Mansa
civilizacoesafricanas.blogspot.pt

"Dois pesos e duas medidas" - intervenção de Paulo Sá deputado do partido Comunista Português na Assembleia da República


Intervenção de Paulo Sá na Assembleia de República

"Dois pesos e duas medidas"






Sr.ª Presidente, Srs. Deputados,
As opções ideológicas do Governo e da maioria PSD/CDS que o suporta podem ser condensadas na expressão popular: “Dois pesos e duas medidas!” Para o grande capital, para os senhores do dinheiro: todas as facilidades! Para os trabalhadores, para o povo: brutais sacrifícios!
Todos os sacrifícios impostos nos últimos anos pelos PECs e pelo Programa da Troica recaíram e continuam a recair sobre os trabalhadores e o povo. No reverso da medalha, o grande capital, nacional e transnacional, foi e continua a ser o beneficiário desta política, apropriando-se de parcelas crescentes da riqueza nacional.
Dois pesos e duas medidas! Cortam-se salários para se continuar a pagar juros de uma dívida pública que não pára de crescer. Confiscam-se pensões, mas os encargos com as parcerias público-privadas continuam a aumentar. Os portugueses são confrontados com brutais aumentos do IMI, mas as grandes empresas e os grupos económicos pagam cada vez menos impostos. O Governo penhora a casa a quem tem pequenas dívidas ao fisco, mas cria uma lista VIP deixando por esclarecer se todos os cidadãos ou apenas alguns têm direito à proteção dos seus dados fiscais, se todos os apenas alguns ficam sujeitos às medidas de combate à fraude e evasão fiscais.
Sr.ª Presidente, Srs. Deputados,
Os mais recentes desenvolvimentos confirmam a existência de uma lista VIP de contribuintes. Bastou uma semana – apenas uma semana – para que as afirmações do Primeiro-Ministro, aqui no Parlamento, fossem desmentidas. A lista VIP existe, mas mantêm-se as dúvidas sobre quem a pediu, quem definiu os seus objetivos, quem decidiu que nomes a integram. De acordo com notícias vindas a público, a lista poderá ter sido fornecida pelo Governo, através do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, à administração fiscal. Esta situação, a confirmar-se, seria de extrema gravidade e exige o absoluto esclarecimento sobre a proveniência da lista VIP e seus objetivos. Como se coaduna a existência desta lista com a propaganda do Governo sobre o combate à fraude e evasão fiscais, é outra questão que tem que ser esclarecida. Há cidadãos que estão protegidos deste combate? A proteção de dados fiscais é um direito de todos os cidadãos ou apenas de alguns? O Governo, além de esclarecer cabalmente todas estas questões e punir quem tenha de ser punido, tem que assumir a responsabilidade política pela existência desta lista VIP de contribuintes e isso exige que sejam retiradas consequências pelos responsáveis políticos do Governo.
Em matéria fiscal, a opção governamental de dois pesos e duas medidas não fica por aqui. Os dados da execução orçamental de 2014 confirmam essa opção: a receita de IRC caiu 580 milhões de euros, enquanto a receita de IRS aumentou na mesma medida, 540 milhões de euros.
Mas o Governo também mexeu no IMI, procedendo a uma reavaliação do valor tributário dos prédios, que resultou num agravamento brutal do imposto a pagar. Com a eliminação da cláusula de salvaguarda, que servia de travão ao crescimento do imposto, muitos proprietários de imóveis sofrerão, em 2015, agravamentos no IMI que, de acordo com a Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, atingirão, em média, 35-45%. Mas ao mesmo tempo que esbulha os pequenos proprietários, o Governo e a maioria PSD/CDS recusam-se a eliminar a isenção de IMI e de IMT de prédios integrados em fundos de investimento imobiliário. Também aqui o Governo deixa clara a sua opção de dois pesos e duas medidas.
Sr.ª Presidente, Srs. Deputados,
Entre os constrangimentos que conduziram o país à desastrosa situação atual destaca-se a dimensão colossal da dívida pública. Uma dívida que não pára de crescer, quer em volume, quer em percentagem do PIB. Os mais recentes dados mostram que a dívida direta do Estado aumentou em janeiro de 2015 quase 8.800 milhões. A dívida na ótica de Maastricht também aumentou: 6.600 milhões de euros em apenas um mês. Quanto aos juros da dívida, aumentaram em janeiro 34,5%.
Esta é uma situação que o capital financeiro nacional e transnacional, com a cumplicidade do Governo, pretende perpetuar com o objetivo de, a pretexto da dívida, condicionar a soberania nacional e prosseguir o saque dos nossos recursos por via dos juros que, em 2015, ultrapassarão os 8 mil milhões de euros, mais do que é gasto no Serviço Nacional de Saúde.
O saque dos recursos nacionais também se concretiza por via das parcerias público-privadas, ruinosas para o país, mas extremamente lucrativas para o grande capital. Apesar de toda a propaganda governamental em torno da renegociação das PPPs, a verdade é que, em 2014, os encargos aumentaram nas parcerias rodoviárias, ferroviárias e do setor da segurança.
Sr.ª Presidente, Srs. Deputados,
Portugal precisa de se libertar da ditadura da dívida e pôr fim ao ruinoso negócio das PPPs. Os milhares de milhões de euros gastos anualmente em juros da dívida e em encargos com as PPPs fazem falta para garantir a devolução de salários, pensões, prestações sociais e serviços públicos, para garantir o investimento no desenvolvimento do aparelho produtivo, para aumentar a produção nacional e criar emprego.
O Governo, antevendo uma pesada derrota nas urnas, tenta desesperadamente esconder a situação desastrosa a que conduziu o país e o retrocesso que infligiu aos trabalhadores e ao povo. Contando com a prestimosa ajuda do Presidente da República – que agora até consegue ver um crescimento económico de 2% para 2015 – tenta disfarçar a sua opção política de dois pesos e duas medidas. Para o grande capital: benefícios e privilégios! Para os trabalhadores e o povo: exploração e empobrecimento! Esta é uma política que não serve os trabalhadores, as populações, as micro, pequenas e médias empresas, os produtores, a economia nacional e o país. É pois preciso derrotá-la, abrindo caminho a uma política patriótica e de esquerda, que devolva a Portugal e aos portugueses a esperança num futuro melhor.
Disse!

www.pcp.pt