AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Morrem três jornalistas que investigavam a participação dos EUA em demolição das Torres Gêmeas

180215 bsEstados Unidos -  











Três jornalistas que trabalhavam em um documentário sobre o envolvimento do governo norte-americano na demolição das torres gêmeas morreram nos últimos dias.

Fotos: Bob Simon, Ned Colt e David Carr
Trata-se do ex-repórter internacional da NBC Ned Colt, o correspondente da CBS News Bob Simon, e o jornalista do New York Times David Carr.
Bob Simon, de 73 anos, foi assassinado na quarta-feira na cidade de Nova York em um acidente automobilístico e na quinta-feira Ned Colt, de 58 anos, dizia-se que tinha morrido por um derrame cerebral massivo, seguido em poucas horas por David Carr, de 58 anos, quem colapsou e morreu em seu escritório na sala de redação do New York Times.
Os três jornalistas mais Brian Willias, quem teve que renunciar à NBC por mentir sobre uma notícia do Iraque, tinham formado uma companhia independente de notícias em vídeo no mês passado e apresentaram os documentos de segurança necessários que lhes permitiriam o acesso ao arquivo mais secreto do Kremlin, onde se encontrariam provas relacionadas com os atentados de 11 de setembro de 2001.
Em relação a esses arquivos do 9/11 em poder do Kremlin, o presidente Putin tinha alertado que iria divulgá-los.
180215 ncOs especialistas norte-americanos acham que, apesar do fato de as relações entre os EUA e a Rússia terem chegado no ponto mais grave desde a Guerra Fria, Putin entregou até Obama problemas menores. Os analistas acham que isto é só a "calma antes da tormenta".
Putin vai golpear e estaria preparando o lançamento de provas da participação do governo dos Estados Unidos e dos serviços de inteligência nos ataques do 11 de setembro.
O motivo para o engano e o assassinato de seus próprios cidadãos terá servido aos interesses petroleiros dos Estados Unidos no Médio Oriente e das suas empresas estatais.
A ponta de lança da empresa de notícias em vídeo independente que pretendia descobrir a verdade do 9/11 foi David Carr, quem no New York Times foi um valedor de Edward Snowden e após ter visto o documentário Citizenfour, tratou de ir dormir "mas não podia"
Carr estava seriamente desiludido com o New York Times pela elaboração da memória da guerra da Ucrânia "e não só por não dizer a verdade, mas também pelos emblemas nazistas nos capacetes de soldados leais ao regime da Ucrânia lutando contra os rebeldes".
Outro que trabalhava muito com Williams e Carr neste projeto do vídeo do 9/11, foi Ned Colt, quem após sair de NBC News continuava sendo um amigo de toda a vida de Williams e aperfeiçoou suas habilidades humanitárias enquanto trabalham no Comitê Internacional de Resgate. Por sua vez, Bob Simon considerava "extremamente lamentável" a manipulação dos meios de comunicação no período prévio à guerra dos Estados Unidos no Iraque.
180215 dcApós a destruição da imagem de Williams, e a estranha morte de Carr, Colt e Simon, o regime de Obama enviou um "mensagem clara" à elite norte-americana quanto à exposição dos seus segredos mais obscuros.
Pior ainda, as elites dos meios nos EUA agora fogem de medo e o regime de Obama ameaça agora os meios de comunicação alternativos com ilegalizar todos os sites dissidentes.
Para isso tem uma escandalosa uma proposta legislativa de Ordem Fraternal da Policial Nacional para classificar qualquer crítica contra a policia nas redes sociais como um "crime de ódio".


www.diarioliberdade.org

ALGARVE - IKEA - Chumbo da Câmara de Faro não trava projeto do IKEA em Loulé - Contactado pelo Sul Informação, Rogério Bacalhau, presidente da Câmara de Faro, explicou que «a proposta de construção de acesso ao IKEA foi chumbada, o que significa que o acesso não pode ser construído. Seria um acesso no sentido Faro-Loulé, e, não podendo avançar, acaba por criar constrangimentos».

Chumbo da Câmara de Faro não trava projeto do IKEA em Loulé

ikea 2A decisão dos vereadores da oposição na Câmara de Faro de chumbar uma licença de obras ao IKEA não vai parar o projeto, apurou o Sul Informação.
A votação na Câmara de Faro inviabilizou apenas a construção de um acesso à futura zona comercial, no sentido Faro-Loulé, e não deverá ter qualquer influência na implantação de uma loja da marca sueca e de uma área comercial de grandes dimensões (três vezes superior ao Fórum Algarve, em Faro), no concelho vizinho.
Contactado pelo Sul Informação, Rogério Bacalhau, presidente da Câmara de Faro, explicou que «a proposta de construção de acesso ao IKEA foi chumbada, o que significa que o acesso não pode ser construído. Seria um acesso no sentido Faro-Loulé, e, não podendo avançar, acaba por criar constrangimentos».
Entretanto, «haverá outras» alternativas para a construção do troço,  «mas não tão boas como esta». «Nesta altura, temos de aguardar e ver a melhor forma de resolver esta questão», disse.
O autarca lembra que, devido à construção do IKEA, em particular deste acesso, «houve investimentos em terrenos situados no município de Faro e agora, na fase final do processo, a oposição votou contra».
A proposta acabou por não passar já que a coligação PSD/CDS-PP no poder não tem maioria neste órgão, nem na Assembleia Municipal. Os votos contra do PS e do PCP – que têm cinco vereadores, quando a coligação de direita tem apenas quatro – determinaram que o pedido de licenciamento da obra não passasse.
Paulo Neves: “Não vamos votar contra só por birra, apesar de, politicamente, não concordarmos com o empreendimento”
O presidente da Câmara de Faro considerou que a decisão dos vereadores do PS e do PCP «é uma decisão política» devido aos processos que estão a correr em tribunal. «Esta votação não coloca em causa a construção do empreendimento, apenas a deste acesso», assegurou.
O vereador do PS Paulo Neves admite que há uma dimensão política no voto contra, já que os socialistas farenses nunca esconderam ser contra o avanço do projeto, dada a «brutalidade» de lojas que tem previstas. «Não se trata de construir um IKEA. Uma loja dessa ocupa, no máximo, 30 mil metros quadrados. O empreendimento previsto tem 126 mil metros quadrados e prevê, além do IKEA, mais de 300 lojas e três stands alone», defendeu.
Também assume que o voto contra foi, em parte, motivado pelo facto de ainda estarem a correr, em tribunal, diversos processos, que pretendem parar a construção do empreendimento, entre os quais uma Providência Cautelar. «Não me parece que, nestas condições, a Câmara de Faro deva licenciar qualquer obra. Devia esperar, pelo menos, pela decisão da Providência Cautelar, que deverá sair num curto espaço de tempo, pela sua natureza», considerou Paulo Neves.
Tribunais à parte, há outras «reticências» de teor técnico da parte da oposição, em relação ao pedido de licenciamento. Paulo Neves coloca em causa, por um lado, a própria Declaração de Impacto Ambiental do projeto, que já recebeu luz verde do Ministério do Ambiente.
Lotes do complexo comercial do IKEAPara o vereador socialista da Câmara de Faro, o estudo em que a declaração se baseou não contempla «os impactos socio-económicos para o concelho de Faro e eventuais medidas para os mitigar».
Por outro lado, há questões de ordenamento do território, já que, para o PS, a obra em causa «não cumpre o que está determinado no Plano Diretor Municipal».
Duas questões que foram levantadas pela oposição e às quais, considera Paulo Neves, «não foram dados esclarecimentos satisfatórios».
Da parte do PS, chega a garantia que, a partir do momento em que forem dissipadas todas as dúvidas, de âmbito legal e técnico, o pedido de licenciamento não será inviabilizado pelos socialistas.
«Não vamos votar contra só por birra, apesar de, politicamente, não concordarmos com o empreendimento», assegurou Paulo Neves.

Ansiedade: sintoma ou doença ? - Como controlar a ansiedade



Como controlar a ansiedade

Algumas mudanças de hábitos podem ser ótimas opções para quem quer controlar a ansiedade, veja quais são elas e seja mais feliz.

Controlar a ansiedade nos dias de hoje pode ser uma tarefa bem complicada, 
afinal a correria da vida moderna nos permite deixar tudo para a última hora e nem 
sempre as coisas funcionam como gostaríamos, ainda mais quando algo não está 
sob nosso controle.
Depressão-e-ansiedade
Para ajudar a diminuir a ansiedade é preciso mudar alguns hábitos alimentares e até 
mesmo de atividades físicas. Se você não tem esse costume pode começar a repensar 
sua rotina e arrumar um tempo para eles. Vamos ver algumas dicas que ajudarão 
nesse processo:
Alimentos que diminuem a ansiedade
Alguns alimentos ajudam muito no combate à ansiedade e são fáceis de se encontrar 
e adicionar em uma alimentação diária. As frutas cítricas, leite, banana, chocolate, 
espinafre, derivados de leite, carboidratos, frutos do mar são exemplos de alimentos 
que auxiliam nesse processo.
Prato-de-comida-saudável
Mas, vale lembrar que todos eles devem ser consumidos com moderação para evitar 
o ganho de peso e a origem de outras doenças, por isso, é fundamental receber ajuda 
de um médico para que avalie o caso, pois cada organismo pode reagir de uma 
maneira diferente.

Benefícios dos exercícios físicos no combate à ansiedade

Praticar exercícios físicos é uma das atividades mais beneficiadoras ao corpo humano, 
além de ser a fonte de cura de várias doenças pode ser a prevenção de muitas outras.
Mas, para quem sofre de ansiedade algumas atividades físicas podem ser ótimas 
opções, nada como uma boa caminhada, andar de bicicleta, exercícios aeróbicos 
que liberam endorfina e trazem uma agradável sensação de bem estar.
Casal-andando-de-bicicleta
A regularidade dessas práticas podem trazer resultados ótimos e evitar que pensamentos negativos e ansiosos voltem a rondar sua mente.
Vale ainda lembrar que alguns casos são mais graves e pode até se tornar uma 
patologia, mas antes que isso ocorra procure ajuda médica e evite passar por 
situações desnecessárias e ainda levar as pessoas que estão ao seu redor ao 
sofrimento também. Se cuidar faz muito bem e o seu corpo agradece.
Para saber mais sobre a ansiedade assista ao vídeo:



http://www.blogers.com.br/

O outro lado da história do sem-abrigo do Reddit - O português que em quatro dias gerou uma onda de solidariedade depois de um pedido de ajuda na internet está a ser acusado de ter enganado um grupo de ex-empregados que desconheciam o seu paradeiro

O outro lado da história do sem-abrigo do Reddit

O português que em quatro dias gerou uma onda de solidariedade depois de um pedido de ajuda na internet está a ser acusado de ter enganado um grupo de ex-empregados que desconheciam o seu paradeiro.



A primeira publicação feita por "_SemFuturo_" na rede social Reddit, no sábado
A história do homem que no sábado fez uma publicação na rede social Reddit,pedindo ajuda para a sua situação – ficou a viver na rua depois de ter sido enganado por uma namorada que o teria deixado sem nada – e gerou uma rápida onda de solidariedade que está a comover a internet pode não ser tão exemplar quanto parece, segundo o que o Observador pôde apurar esta semana.
Na noite de terça-feira, o Público descreveu a história de Fernando e da onda de solidariedade gerada no Reddit depois do seu pedido. O jornal encontrou-se com o alegado sem-abrigo e divulgou o nome, a idade e a antiga ocupação: Fernando, 43 anos, ex-consultor de comunicação.
O artigo que surgiu no Público ajudou a confirmar as suspeitas de um grupo de jovens que desconfiaram da história do homem que se apresentava na rede social com o nome de utilizador “_SemFuturo_”. “Desconfiámos pela forma de ele escrever, pela história que apresentava, por dizer que tinha sido enganado pela namorada quando sabíamos que ele tinha enganado a namorada”, disse Nuno (nome fictício) ao Observador.
Quando leram, no Público, que este se chamava Fernando e era um ex-consultor de comunicação, Nuno e João (nome fictício) acreditaram que “_SemFuturo_” era na verdade Fernando Fonseca, o homem que os empregou entre julho e outubro de 2013 na empresa SomeOps, acabando por burlá-los. João disse ao Observador que dois ex-colegas tinham encontrado recentemente Fernando Fonseca na zona das Avenidas Novas e que este lhes tinha dito, primeiro, que estava a viver na rua e, numa outra ocasião, que estava a viver na Santa Casa da Misericórdia. “Quando vimos na publicação a referência às Avenidas Novas e à Santa Casa da Misericórdia, a associação foi imediata”.
Um desses jovens tomou a iniciativa de contactar o Observador para contar a sua história e disse que o grupo confirmou com a jornalista do Público que se encontrou com “_SemFuturo_” que o ex-empresário e o atual sem-abrigo são os dois a mesma pessoa, recorrendo para isso a uma fotografia que circula na internet. O Observador contactou a jornalista do Público, que confirma esta história.
“Ele abriu uma agência com promessas de que era fiável. Prometeu-nos contratos durante três ou quatro meses e sempre que lhe falávamos disso dizia que estava ‘embargado’. Não pagou o último ordenado a ninguém, nem o penúltimo na totalidade”, disse ao Observador João.
A história foi confirmada pelo colega Nuno. “Em 2013, recebi um convite por parte de um amigo meu que trabalhava lá para ir para lá trabalhar. Não tinha muita experiência e fui e fiquei. Na altura, já tinha sido avisado por outras pessoas que o Fernando não era de confiança, mas eu confiei e entrei no barco. Quando lá estive ia desconfiando dos atrasos nos pagamentos, das faltas de pagamentos…”, disse ao Observador.
Segundo Nuno, Fernando deixou de aparecer na empresa em outubro, não atendendo o telefone e não pagando os ordenados. Fernando terá informado os trabalhadores de que tinha um cancro e que iria procurar tratamento na Irlanda. “Um dia – depois de ele ter desaparecido, inventando uma doença – decidimos falar todos e percebemos que era tudo treta”, disse Nuno ao Observador.
Os jovens ficaram desempregados, sendo que três acabaram por emigrar. Nuno conseguiu emprego um ano e meio depois do caso.
O Observador está desde segunda-feira a tentar marcar um encontro com o homem que no Reddit recorre ao nome de utilizador _SemFuturo_, mas este recusou qualquer conversa presencial, dizendo não querer “qualquer tipo de protagonismo mediático”. Esta é a mensagem recebida pelo Observador na terça-feira:


No sábado, o utilizador _Sem Futuro_ dirigiu-se aos restantes utilizadores pedindo-lhes resposta a três perguntas: como podia usar um computador gratuitamente para elaborar o CV em português e inglês; onde podia lavar roupa e tomar banho e onde podia comer gratuitamente.
Houve centenas de comentários de utilizadores que se disseram, de imediato, dispostos a ajudar. Alguns sugeriram-lhe que recorresse aos computadores de bibliotecas, que pedisse ajuda a instituições como a AMI, a Comunidade Vida e Paz ou a Re-Food. Um utilizador chegou a dizer-lhe que podia tentar fazer uma aula de experiência num ginásio para ter acesso aos balneários. Outros anunciaram mesmo na rede social que iriam fazer transferências bancárias e carregar o seu telemóvel.
Na segunda-feira, o Observador conseguiu falar com o primeiro utilizador a ajudar o alegado sem-abrigo, que no Reddit utiliza o nome de “ithinkandroid”. Jorge Bastos, que se identificou como psicólogo, contou ao Observador em conversa telefónica que no sábado se preparava para ir a Londres com a namorada quando foi alertado para a história publicada na rede social. Contactou “_SemFuturo_” e foi ter com este ao pé de Picoas. Segundo Jorge Bastos, o alegado sem-abrigo quis mostrar-lhe a queixa policial que tinha feito contra a namorada na Esquadra do Bairro Alto e contou-lhe a sua história.
O Observador dirigiu-se à Esquadra da PSP no Bairro Alto e sabe que não existe nenhuma queixa feita por Fernando Fonseca neste local.
“Ele saiu há muitos anos de Portugal, juntou-se com esta pessoa e ela conseguiu enredá-lo numa série de situações. Tinham uma conta conjunta… Ele um dia saiu de casa e de repente encontra-se na rua com uma mochila com alguns gadgets que tratou de vender. Foi com esse dinheiro que se aguentou alguns dias”, disse ao Observador Jorge Bastos. O alegado sem-abrigo estaria em Portugal para “acompanhar a doença da mãe”, disse Jorge Bastos. Segundo a mesma fonte, “_SemFuturo_” não tinha emprego”, não lhe parecendo “uma pessoa que na altura o precisasse de fazer [ter emprego]”.
Jorge Bastos disse ao Observador que pagou ao homem uma noite numhostel em Picoas, arranjando-lhe, no dia seguinte, um quarto na casa de um tio. “Falei com uns familiares meus e arranjámos um quarto para ele ficar. Um tio meu tinha um quarto que estava vago e o senhor foi para lá. Não vai ter despesas com isso”, disse Jorge Bastos ao Observador.
O Observador tentou contactar Jorge Bastos durante toda a manhã de quarta-feira, mas não obteve qualquer resposta.
No artigo de terça-feira, o Público contou ainda como Nuno Soares, engenheiro mecânico e utilizador do Reddit, transferiu 100 euros para “uma nova conta bancária que o ‘Sem Futuro’ entretanto conseguiu criar, com o banco a abrir a exceção de não cobrar comissão inicial.


O Observador tentou entrar em contacto com os 

vários utilizadores do Reddit que ajudaram o 

utilizador “_SemFuturo_”, incluindo Nuno Soares, 

mas não obteve qualquer resposta.


http://observador.pt/

AVISO URGENTE - PJ alerta para falsos telefonemas da Microsoft que visam roubo de informações bancárias





HOJE NO 
  "i"

PJ alerta para falsos telefonemas da Microsoft que visam roubo de informações bancárias

“Com estes dados, os criminosos entram na posse de dados suficientes para concretizar transferências bancárias fraudulentas, em nome das vítimas, provocando danos que podem ascender a milhares de euros”, apontam

A Policia Judiciária (PJ) alertou hoje para a ocorrência de telefonemas “fraudulentos” em nome da empresa Microsoft que incitam à instalação de programas “maliciosos” no computador, com vista ao roubo de informações bancárias. 
 .

Em comunicado, a PJ informou ter recebido diversos alertas de que nos últimos dias tem ocorrido, “de forma massiva e crescente, uma tentativa de distribuição de malware (programa instalado no sistema do computador com o intuito de causar danos, alterações ou roubo de informações), que se inicia com telefonemas fraudulentos utilizando abusivamente o nome da empresa Microsoft”. 

“Estes telefonemas, aleatoriamente dirigidos, pretendem fazer crer aos destinatários, que um funcionário do departamento de segurança de informática da Microsoft, expressando-se em inglês, está a resolver problemas do seu computador pessoal. É referido, ainda, que o problema pode ser resolvido, pagando supostas actualizações do sistema Windows, através da compra de pacotes de suporte e assistência”, explicam. 

A PJ refere que os falsos funcionários da Microsoft procuram também obter detalhes dos cartões de crédito das vítimas, induzindo-as a instalarem software malicioso, através do qual conseguem, de forma remota, aceder a dados confidenciais. 

“Com estes dados, os criminosos entram na posse de dados suficientes para concretizar transferências bancárias fraudulentas, em nome das vítimas, provocando danos que podem ascender a milhares de euros”, apontam. 

Nesse sentido, a PJ sublinha que os potenciais visados não deverão “dar resposta a este tipo de contatos”, nem “fornecer quaisquer tipos de dados pessoais”.



Águas de Portugal alerta para falsos pedidos para ver qualidade da água

Quando as visitas se concretizaram terminaram com a tentativa de venda de aparelhos para colocar nas torneiras, como filtros

A Águas de Portugal alertou hoje para a existência de contactos fraudulentos em nome da empresa em que falsos funcionários tentam agendar visitas a domicílios para depois vender produtos.
A empresa já recebeu várias denúncias de consumidores, que foram contactados por um suposto funcionário para agendar uma visita para verificar a qualidade da água que sai da torneira. 
 .

Em informação prestada à Agência Lusa fonte oficial da empresa disse que a maioria dos casos aconteceu na região da grande Lisboa mas que também já se registaram situações semelhantes nos distritos de Leiria, Santarém e Setúbal. 

Quando as visitas se concretizaram terminaram com a tentativa de venda de aparelhos para colocar nas torneiras, como filtros, disse a fonte. 

A Águas de Portugal garante que não faz a recolha de amostras de água para análise da qualidade dentro das casas, e que se tal acontecer será a título excecional e previamente comunicado aos consumidores por meios oficiais. 

E acrescenta que os técnicos que desloquem a casa dos consumidores estão sempre devidamente identificados.  

* Não descure estes dois alertas!



apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

Sionismo senil? - "o que mais surpreende é o carácter caricato – para não se dizer imbecil – de tais mensagens pré-eleitorais. Será da baixa consideração em que o sionismo tem o seu eleitorado, ou dar-se-á o caso de o sionismo ter entrado na fase senil? Uma coisa é certa: quando Netanyahu for levado a julgamento pelos seus crimes (e esse dia há-de chegar), pode sempre apresentar estes vídeos e invocar inimputabilidade."

Sionismo senil?

Sionismo senil?
por Filipe Diniz



"o que mais surpreende é o carácter caricato – para não se dizer imbecil – de tais mensagens pré-eleitorais. Será da baixa consideração em que o sionismo tem o seu eleitorado, ou dar-se-á o caso de o sionismo ter entrado na fase senil? Uma coisa é certa: quando Netanyahu for levado a julgamento pelos seus crimes (e esse dia há-de chegar), pode sempre apresentar estes vídeos e invocar inimputabilidade."


Realizam-se em Março eleições gerais em Israel. O partido de Netanyahu, o Likud, publicou já dois vídeos de pré-campanha que têm deixado estarrecidos os mais empedernidos sionistas.

No segundo, uma carrinha com indivíduos vestidos como militantes do ISIS. O condutor pergunta a outro automobilista o caminho para Jerusalém. Este responde: «o caminho épela esquerda». Em fundo dos militantes ISIS ouve-se um rap: «Desde criança que sei que quero ser enterrado na terra onde jaz o meu avô. Desde criança que sei que quero ser soldado e pertencer à Fatah, Hamas e Abbas». Contra esta ameaça, há que votar Netanyahu, porque a referida «esquerda» é fraca e submissa. Trata-se dos trabalhistas, tão sionistas como o Likud.

Mas o primeiro vídeo é o mais marcante. Um casal está em casa à espera da babysitter. Quem lhes entra pela porta é o próprio Netanyahu, que se apresenta como Bibi-sitter (o tosco trocadilho resulta de «Bibi» ser o diminutivo pelo qual os seus admiradores o conhecem). Garante-lhes: «sou eu quem tomará conta dos vossos filhos». O casal despede-se: «Shalom» (paz). Netanyahu responde: «Não a qualquer preço».

Estes vídeos conseguem em minutos resumir questões essenciais: a falsa «bipolarização» sobre a qual este tipo de regimes constrói a sua fachada «parlamentar»; o genocídio e a guerra como meios insubstituíveis de defesa. Que Netanyahu tenha escolhido a defesa das crianças como arma de campanha diz tudo sobre a dimensão humana do personagem. 

Segundo dados fiáveis e documentados (por exemplo em rememberthesechildren.org) desde 2000 até à operação «Chumbo fundido» terão morrido mais de 2300 crianças palestinas, não se incluindo nesse número todas as que morreram em consequência da falta de cuidados médicos e de medicação resultantes do bloqueio israelita. No mesmo período, morreram 129 crianças israelitas.

Mas o que mais surpreende é o carácter caricato – para não se dizer imbecil – de tais mensagens pré-eleitorais. Será da baixa consideração em que o sionismo tem o seu eleitorado, ou dar-se-á o caso de o sionismo ter entrado na fase senil? Uma coisa é certa: quando Netanyahu for levado a julgamento pelos seus crimes (e esse dia há-de chegar), pode sempre apresentar estes vídeos e invocar inimputabilidade.




Fonte: Avante


VÍDEO - .Você tem 3 segundos para descobrir onde está o animal nesta imagem


Você tem 3 segundos para descobrir onde está o animal nesta imagem


Dá para acreditar que nesta imagem existe um animal? Antes de dar play no vídeo, tente descobrir onde ele está. 
VEJA VÍDEOS


Pinturas incríveis por Cora e Tiana - DUAS ARTISTAS RUSSAS QUE TRABALHAM COM TODO O TIPO DE MATERIAIS, ACRÍLICO, ÓLEO, AGUARELAS

Pinturas incríveis por Cora e Tiana


www.oblogdomagrelo.com








DASSIE UM RARO PARENTE DO ELEFANTE - Os dassies são muito parecidos com roedores como o porquinho da índia, mas seus parentes vivos mais próximos são os elefantes, pese a que seu aspecto físico seja muito diferente devido a evolução divergente.

Os dassies são muito parecidos com roedores como o porquinho da índia, mas seus parentes vivos mais próximos são os elefantes, pese a que seu aspecto físico seja muito diferente devido a evolução divergente.

Dassie, um raro parente do elefante
São originários da África há 50 milhões de anos, e atualmente estendem-se por toda África e a Península Arábica. Costumam viver em grupos e comunicam-se mediante diversos grunhidos.
Dassie, um raro parente do elefante
As espécies terrestres são diurnas e mais gregárias, refugiam-se dos predadores em tocas e gretas das rochas. As espécies arbóreas são noturnas e vivem em grupos menores que costumam se refugiar nos ocos das árvores durante o dia. Também se alimentam de diferentes vegetais dependendo do tipo de espécie.
Dassie, um raro parente do elefante


 http://www.mdig.com.br


Ucrânia Raízes da guerra - A escalada de confrontação dos EUA-UE-NATO com a Rússia encerra enormes perigos para a paz na Europa e no mundo.

Ucrânia Raízes da guerra

Ucrânia Raízes da guerra
por Albano Nunes



"É aqui que mergulham as raízes de um foco de guerra tanto mais perigoso quanto se desenvolve no quadro da mais profunda e prolongada crise capitalista e em que é visível a tentação dos sectores mais reacionários e agressivos do grande capital para voltarem a recorrer ao fascismo e à guerra para dirimir as suas contradições e, à custa de colossais destruições materiais e humanas, restaurar as condições de reprodução do capital como aconteceu com a 2.ª Guerra Mundial cujo 70.º aniversário do seu fim este ano assinalaremos. "

A escalada de confrontação dos EUA-UE-NATO com a Rússia encerra enormes perigos para a paz na Europa e no mundo. As frenéticas movimentações diplomáticas que levaram Merkel e Holande a Kiev, Moscovo e a Washington (só Merkel) e a uma nova cimeira em Minsk da Alemanha, França, Ucrânia e Rússia, mostram que a situação é realmente muito séria. O cessar fogo acordado para o Sudeste da Ucrânia foi-o num quadro em que à instalação do sistema anti-míssil dos EUA, à multiplicação de bases militares na região e à acção criminosa das brigadas nazis armadas pelos EUA, vem juntar-se as decisões da NATO de triplicar os efectivos da sua «Brigada de Intervenção Rápida» e do Congresso dos EUA sobre o fornecimento ao governo golpista de armamento «letal», que constituem autênticos preparativos para a guerra.

A Rússia de hoje é um país capitalista. Que ninguém espere do seu governo uma política externa consequentemente anti-imperialista. Mas é uma evidência que Putin não é Ieltsin e, sobretudo, que um governo russo não pode deixar de ter em conta a força de um povo que nos alvores da Revolução de Outubro e na «Grande Guerra Pátria» rejeitou e derrotou heroicamente a agressão estrangeira salvando a Humanidade da barbárie nazi-fascista. Caracterizar o drama da Ucrânia e a perigosíssima escalada de tensão com a Rússia como simples expressão de «contradições inter-imperialistas», é um erro que ignora que as raízes da guerra são fundamentalmente internas à sociedade ucraniana, erro que se vingasse facilitaria os objectivos do imperialismo.

Para compreender a situação é necessário ter presente duas dinâmicas. Uma que se inicia em Novembro de 2013 com a recusa da Ucrânia em assinar o acordo de associação com a União Europeia. A partir daí desenvolveu-se uma imparável escalada de ingerências externas e subversão, a reabilitação e apoio a forças fascistas e a perseguição dos comunistas, a imposição em Kiev de um governo títere ao serviço das grandes potências imperialistas, a brutal repressão no Sudeste do país da generalizada rejeição popular do governo golpista provocando milhares de vítimas, um dramático fluxo de deslocados e refugiados, e crimes terroristas como o assalto de 2 de Maio à Casa dos Sindicatos de Odessa. 

A outra, a cavalgada do imperialismo para Leste na sequência da desagregação da URSS e das derrotas do socialismo, cavalgada em que UE, NATO e EUA cooperam (e rivalizam) para liquidar até aos alicerces tudo o que décadas de socialismo haviam conquistado, destruir o potencial econômico e assenhorear-se dos mercados destes países, avançar os dispositivos da NATO até às fronteiras da Rússia cujo poderio econômico e militar, nomeadamente nuclear, os EUA procuram por todos os meios destruir. Da anexação da RDA à destruição da Jugoslávia, feitos em que a Alemanha foi o principal protagonista, tudo tem sido feito para afastar qualquer resistência. A Ucrânia é o mais recente exemplo disso.

É aqui que mergulham as raízes de um foco de guerra tanto mais perigoso quanto se desenvolve no quadro da mais profunda e prolongada crise capitalista e em que é visível a tentação dos sectores mais reaccionários e agressivos do grande capital para voltarem a recorrer ao fascismo e à guerra para dirimir as suas contradições e, à custa de colossais destruições materiais e humanas, restaurar as condições de reprodução do capital como aconteceu com a 2.ª Guerra Mundial cujo 70.º aniversário do seu fim este ano assinalaremos. Combatendo o fascismo, o imperialismo e a guerra. Unindo forças pela paz.




Fonte: Avante


Juan Gabriel Labaké: “A Morte de Nisman têm o Selo da CIA”

Juan Gabriel Labaké: “A Morte de Nisman têm o Selo da CIA”


O Dr. Juan Gabriel Labaké revela no programa C5N(publicado no dia 22-01-2015) que o promotor Nisman utilizou um relatório criado pela CIA/Mossad e traduzido pelo agente da SIDE, Antonio Stiusso. Segundo Labaké, que teve acesso a este relatório, todo seu conteúdo acusatório contra o Irã é fantasioso. As agências de inteligência de Israel e EUA (Mossad e CIA) inventaram “terroristas iranianos” para poder acusar o país persa.

No fim da entrevista Labaké alerta que ainda podem morrer mais duas ou três pessoas que estão ligadas à SIDE (Inteligência Argentina), CIA e ao Mossad. Estas pessoas seriam eliminadas como “queima de arquivo”, pois sabem muito e representam uma ameaça aos interesses sionistas.

Israel tenta derrubar o governo argentino e criar um pretexto para atacar militarmente o Irão


veja vídeo 






 http://www.anovaordemmundial.com/


CIVILIZAÇÕES AFRICANAS (2) - O REINO DE LUNDA

Reino de Lunda



Reino de Lunda (1665-1887), também conhecido como Império Lunda, foi uma confederação africana pré-colonial de estados que florescente do século XV ao século XIX, onde são hoje a República Democrática do Congo, o nordeste de Angola e o noroeste da Zâmbia. O seu estado central ficava no atual Catanga.

História


Soba Lunda.

O Reino Lunda, que no Séc.XVII chegou a ser um dos grandes potentados de Angola, foi fundado no início do Séc.XVI, no Leste de Angola, por Mwatiânvua e sua mulher Lukocheka.

Segundo a tradição lunda, Mwatiânvua era descendente de Lweji, filha de Kondo grande chefe lunda, que era casada com o grande caçador Luba Tyibinda Ilunga. Depois da morte de sua mãe, Muatiânvua, submeteu várias tribos lundas e formou um reino, nos finais do séc. XVI.

Embora fosse um reino só e coeso em todos os aspetos e sentidos, Mwatiâmvua governava a metade Norte e a Rainha Lukocheka reinava na metade Sul. Tinham poderes iguais, e as decisões que fossem concernentes ao Reino como um todo, eram baseadas no consenso dos dois, ajudados pelo conselho de séculos (velhos).




Foi um Reino economicamente muito forte, com agricultura muito bem estruturada, com milho, massango e massambala, trabalharam o ferro, o cobre e os tecidos, foram fortes no comércio de escravos, marfim e tecidos.

No Séc. XVIII, uma parte do povo decidiu migrar para a região do atual Moxico, dando origem ao povo Tchokwé ( Kiôco ). Foi o primeiro sinal de fragmentação do Reino Lunda, que talvez fruto do crescimento econômico, ou das facilidades de vida, dadas pela exuberância do solo, foram-se entregando mais aos prazeres da vida do que aos interesses do Reino.

Depois de lutas com os Tchokwé até ao fim do século XIX, os Tchokwé sublevaram-se definitivamente, forçando as barreiras de governantes lunda que os cercavam e expandiram-se rapidamente para norte e sul.

Lundas e Tchokwes




Há muitos séculos atrás os Lundas e tchokwes tinham sido um povo só. Saíram do mesmo núcleo, a grande diferença é que os Lunda ficam no seu território desde sempre, os tchocwe transformam-se num grupo de extrema mobilidade que a partir do século XVI percorre todo o país. São essencialmente caçadores e comerciantes saindo, por isso, em busca de marfim borracha, etc. Essa extrema mobilidade não lhes permite desenvolver estruturas políticas tão pesadas como era a hierarquia da Mussumba, por isso fazem aquilo que se chama a diáspora Tchokue, inflectem para o sul, dividem os Nganguela ao meio. Angola tem Tchokwe em todo o território. No final do século XIX os Tchokwe regressam ao seu território de origem, tomam, militarmente, o poder dos Lunda e absorveram as suas instituições.

Em 1885, ocorre a primeira invasão Tchokwé, que munidos de armas capturaram seis mil lundas, após Musumba, a capital do império, ter sido saqueada. Dois anos depois, em Janeiro de 1887, ocorre uma nova invasão Tchokwé. Musumba foi incendiada e os lunda ficaram sob domínio Tchokwé, até ao final do século XIX.

Os Tchokwé estabeleceram então o seu próprio reino com a sua língua e costumes. Os chefes lundas e o povo continuaram a viver na região lunda porém diminuidos de poder.

A expansão dos Tchokwé levou-os para além das fronteiras de Angola, encontrando-se grandes núcleos na República Democrática do Congo e na Zâmbia.

Dominação Européia

No início da era colonial (1884) o coração da terra lunda foi dividido entre a Angola portuguesa, o Estado Livre do Congo do rei Leopoldo II da Bélgica e o noroeste da britânica Rodésia, que viriam a tornar-se em Angola, R.C.Congo e Zâmbia, respectivamente.

Em 1908, o Estado Livre do Congo deixa de ser propriedade da Coroa e torna-se colónia da Bélgica, sob o nome de Congo Belga, permanecendo assim por quase 60 anos. Por sua vez, o Império Lunda – inicialmente repartido entre o reino Portugal e o Estado Livre do Congo –, encontrava-se, desde meados do século XIX, em decadência, já que “o poder do Mwant Yaav, em larga medida apoiado no comércio de escravos, acabou por ser afetado pela abolição deste tráfico”.

No início do século XX, após a expulsão dos Tchokwé que acabaram sendo vencidos pelas forças coloniais portuguesas, por volta de 1920, o Império Lunda já havia perdido alguns territórios e muito do seu poderio inicial. Diz-nos Manuela Palmeirim que “é decorrente deste contexto histórico que muitos grupos distintos a nível linguístico se encontram frequentemente designados na literatura como ‘povos lunda’, hoje grupos inteiramente autónomos mas que, outrora, partilharam uma unidade política comum sob a autoridade do Mwant Yaav e que reconhecem esta ligação através de um corpus de tradições orais. Podem ser referidos como “lunda” – para além do próprio grupo a partir do qual o império se originou e que ficariam conhecidos na literatura por ‘lunda do Mwant Yaav’ (os aruwund) – os ndembu (ou lunda-ndembu), os yaka, os luvale (também designados por lunda-baluvale ou lwena), os imbangala (reino de Kasanje), as gentes do Luapula sob o domínio do rei Kazembe (…)”.

As variantes linguísticas

Os Lunda-Tchokwé são o grupo etnolinguístico predominante do nordeste de Angola, tendo-se estabelecido, em finais do século XIX, nas províncias administrativas da Lunda-Norte, Lunda-Sul e Moxico, mas estendendo-se, posteriormente, até ao interior da província da Huíla.




Segundo Vatomene Kukanda, este grupo apresenta poucas variantes linguísticas. Na província da Lunda-Norte predominam o lunda, o cokwe (kioku), o mataba, o kakongo ou badimba e o mai. Na província da Lunda-Sul: o Tchokwé (kioku). Em uma parte da província do Moxico: o lunda-lua-shinde, o lunda, o ndembo e o Tchokwé (kioku). Noutra parte das províncias do Bié e do Kuando-Kubango: o cokwe (kioku).

O artesanato Lunda e os desenhos na areia

Apresentavam, em 1960, uma população de 360 mil pessoas, que se espalhavam por milhares de quilómetros quadrados, não apresentando, por este fato, uma população densa. Por tradição, são caçadores savânicos, embora hoje vivam da agricultura.


Cadeira de um Soba Lunda.


Máscara Lunda.


Escultura Lunda.

São também grandes artistas a trabalhar em ferro ou madeira. José Redinha revela-nos que os Tchokwé constituem a parte que mais se destaca neste grupo etnolinguístico e que a designação Lunda- Tchokwé é, a bem dizer, de ordem histórica, porque, na realidade, quem predomina são os Tchokwé.
Para além de hábeis em várias espécies de artesanato, os Tchokwé (kioku) ou Quiocos (na forma aporteguesada), estando na aldeia ou no acampamento de caça, sentados à volta da fogueira ou à sombra de árvores frondosas, costumam passar o tempo a conversar e vão ilustrando os temas dessas conversas com desenhos na areia. Muitos desses desenhos, de acordo com Paulus Gerdes, pertencem a uma velha tradição. Referem-se a provérbios, fábulas, jogos, animais, etc. Acabam por desempenhar um papel importante na transmissão do conhecimento e da sabedoria de uma geração para a seguinte.

Os Diamantes de Lunda




Atualmente Lunda faz parte de Angola e esta dividida em duas províncias, a Lunda Norte e Lunda Sul. Há em Lunda uma reserva diamantífera desde os tempos coloniais. Depois da guerra, os rebeldes da União para a Independência Total de Angola, (UNITA) perderam o controle da sua fonte de receitas: os diamantes, que passaram para as mãos de ex-generais de ambos os grupos, políticos e empresas internacionais.

Calcula-se que cada ano, a produção era mais de um bilhão de dólares. Paradoxalmente, os cofres públicos estão vazios, na Lunda Norte, apenas há uma escola primária e um hospital semi-destruído.

As pedras da morte, é a primeira indicação elaborada sobre as condições de vida da população e das Lundas. Nele, se documentam mais de 70 casos de violação de direitos humanos, desde execuções extra judiciais, outros homicídios, torturas, violações sexuais e detenções arbitrárias.

As Pedras da Morte, dirigido pelo jornalista angolano Rafael Marques - relata o caso de um garimpeiro (mineiro artesanal) André Jorge Honda, ocorrido em 19 de Setembro de 2004. Naquele dia, enquanto se banhava no rio Cuala, o guarda de segurança de uma companhia mineira que funciona na zona aproximou-se dele e acusou-o de ser garimpeiro e disparou-lhe um tiro na nuca.


Fontes: Wikipédia / Ornalde Angola / Carlosduarte.ecn.br /
A matéria do tempo / Pissarro.home.sapo.pt

civilizacoesafricanas.blogspot.pt