AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

MANUEL CLEMENTE PATRIARCA DE LISBOA SOBRE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA


MANUEL CLEMENTE


PATRIARCA DE LISBOA 



SOBRE FILIAÇÃO PARTIDÁRIA 

"É muito pouco entrar num grupo partidário e, de 

tempos a tempos, ver se se entra no Parlamento"

* Excerto de entrevista ao "JORNAL DE NOTÍCIAS" 

** É raríssimo comentarmos inserções desta etiqueta, mas não resistimos à afirmação do sr. patriarca, retorquimos: 


" É bem pior vestir uma batina para beatamente 

fazer a aproximação e sodomizar crianças".




apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

“Falidos mas livres”, grita-se de Atenas para a Europa

“Falidos mas livres”, grita-se de Atenas para a Europa
A praça Sintagma, em Atenas, voltou a acolher um protesto anti-austeridade. Desta vez, cerca de 15 mil gregos reuniram-se na principal praça de Atenas, em frente ao Parlamento, para apoiar o novo governo liderado por Alexis Tsipras.
Alexis Tsipras tem, dentro de portas, um trunfo para pressionar a Europa: o apoio popular. No espaço de apenas alguns dias, a praça Sintagma enche pela segunda vez para apoiar os esforços anti-austeridade do novo executivo grego. Esta quarta-feira à tarde foram cerca de 15 mil os gregos que optaram por criticar a política de austeridade da Europa, empunhando cartazes como "o povo está acima dos mercados". Há manifestações em várias outras cidades europeias.

"Falidos mas livres", "só pedimos que dêem uma oportunidade à Grécia", "Cuidado, a história está a assistir" ou "Europa, a resposta é a democracia" são algumas das mensagens que estão em cartazes empunhados por vários cidadãos, de acordo com vários "tweets" que estão a circular. A estimativa de 15 mil pessoas na praça Syntagma foi avançada pela polícia ao jornal grego Kathimerini.

O próprio primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, partilhou uma das fotos da manifestação em frente ao Parlamento grego, acompanhada de uma mensagem. "As pessoas estão a participar na batalha da negociação nas cidades da Grécia e da Europa – elas são a nossa força", escreveu Tsipras, na sua conta do Twitter.

Manifestações em toda a Europa chegam a Lisboa

A manifestação tem lugar no mesmo dia que marca a estreia de Yanis Varoufakis em reuniões do Eurogrupo, que reúne os ministros das Finanças da Zona Euro. O novo ministro das Finanças grego afastou a saída do seu país da moeda única. Além de Atenas, os gregos estão a manifestar-se em várias outras cidades helénicas, como Salónica. As manifestações também chegaram a Londres, Bruxelas ou Lisboa.

Uma das manifestantes explicou à Reuters os motivos que a levaram a marcar presença na praça Syntagma, em Atenas. "Estamos aqui para apoiar a decisão do nosso governo. Estamos contra a austeridade e contra o resgate. Não é possível viver com 500 euros por mês. Detestamos Merkel porque a Alemanha é responsável pela nossa crise", afirmou Angela Dimou.