AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

A NATUREZA É LINDA



As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008

As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008
As melhores fotos da natureza de 2008


Portugal e Espanha, guardas pretorianos da austeridade - «[Para Passos Coelho] a austeridade é o princípio e o fim da sua política. E (...) a ideologia única da União Europeia e da Zona Euro.

Portugal e Espanha, guardas pretorianos da austeridade



«[Para Passos Coelho] a austeridade é o princípio e o fim da sua política. E (...) a ideologia única da União Europeia e da Zona Euro. Nesse aspecto Lisboa e Madrid parecem irmãos. Lutam, entre ambas, para ser a Finlândia do Sul. Passos Coelho recusa-se a ir a uma conferência sobre a dívida da Grécia e insulta num estilo agreste o novo governo desse país. O espanhol Luis de Guindos terá sido, no Eurogrupo, um dos mais radicais contra as mudanças de posição sobre a dívida grega. Para eles a sangria é a melhor forma de curar um doente. Passos Coelho tem a experiência da sua farmácia fiscal em Portugal: o país só não pereceu por milagre.

Portugal e Espanha tornaram-se as patrulhas ideológicas da Alemanha. Passos Coelho será condecorado por isso. Esta posição de guarda pretoriano da austeridade tem, no entanto, uma causa: as eleições. Passos Coelho teme que se a Europa ceder algo à Grécia fique demonstrado que toda esta austeridade brutal foi um equívoco que teve a ajuda de mordomos portugueses. E aí a oposição ficará com mais trunfos para o esmagar eleitoralmente. Por isso, Passos Coelho quer livrar-se da sua culpa. Da demente "destruição criativa" que implodiu o contrato social em Portugal.»

Fernando Sobral

entreasbrumasdamemoria.blogspot.pt

VAMOS LÁ DESENHAR NA AREIA - Agora é vez o artista de San Francisco Andres Amador, que se especializou na arte efêmera em praias de areia branca. Armado com diversos ancinhos de variados tamanhos e sua imaginação, Andres normalmente passa algumas horas em cada peça. Primeiro esboça o padrão, antes de fazer qualquer trabalho na areia, cujo resultado guarda a perspectiva e a visão global como um desafio constante.

Agora é vez o artista de San Francisco Andres Amador, que se especializou na arte efêmera em praias de areia branca. Armado com diversos ancinhos de variados tamanhos e sua imaginação, Andres normalmente passa algumas horas em cada peça. Primeiro esboça o padrão, antes de fazer qualquer trabalho na areia, cujo resultado guarda a perspectiva e a visão global  como um desafio constante.


Obras de arte efêmeras na areia da praia 01

Obras de arte efêmeras na areia da praia 02

Obras de arte efêmeras na areia da praia 03

Obras de arte efêmeras na areia da praia 04

Obras de arte efêmeras na areia da praia 05

Obras de arte efêmeras na areia da praia 06

Obras de arte efêmeras na areia da praia 07

Obras de arte efêmeras na areia da praia 08

Obras de arte efêmeras na areia da praia 09

Obras de arte efêmeras na areia da praia 10

Obras de arte efêmeras na areia da praia 11

Obras de arte efêmeras na areia da praia 12

Obras de arte efêmeras na areia da praia 13

Obras de arte efêmeras na areia da praia 14

Obras de arte efêmeras na areia da praia 15

Obras de arte efêmeras na areia da praia 16

Obras de arte efêmeras na areia da praia 17

Obras de arte efêmeras na areia da praia 18

Obras de arte efêmeras na areia da praia 19

Obras de arte efêmeras na areia da praia 20

Obras de arte efêmeras na areia da praia 21

Obras de arte efêmeras na areia da praia 22

Obras de arte efêmeras na areia da praia 23

 http://www.mdig.com.br

MALLOY, UM HOMEM TERRIVELMENTE BRUTO - Malloy era um vagabundo de origem irlandesa da década de 30 em Nova Iorque que, desafortunadamente, tornou-se amigo dos piores maus elementos que, tentando se beneficiar de sua morte, fizeram 3 seguros de vida em seu nome. Eram quatro homens chamados Murphy, Marino, Pasqua e Kriesberg, que esperavam cobrar um seguro equivalente a 60 mil dólares atuais. O que eles não sabiam é que Malloy era vaso ruim e com certeza suplantou até mesmo a Rasputin na arte de driblar a morte.

Malloy era um vagabundo de origem irlandesa da década de 30 em Nova Iorque que, desafortunadamente, tornou-se amigo dos piores maus elementos que, tentando se beneficiar de sua morte, fizeram 3 seguros de vida em seu nome. Eram quatro homens chamados Murphy, Marino, Pasqua e Kriesberg, que esperavam cobrar um seguro equivalente a 60 mil dólares atuais. O que eles não sabiam é que Malloy era vaso ruim e com certeza suplantou até mesmo a Rasputin na arte de driblar a morte.


Michael Malloy, um cara muito brutoComo o assassinato devia parecer uma morte natural, pensaram numa morte por envenenamento com álcool, um dos grandes vícios de Malloy, seria oportuna para enganar as seguradoras. Marino, que tinha uma loja de licores e outros aperitivos, teria a "bondade" de dar crédito infinito a nosso bruto herói. Pensando que ante a possibilidade de tomar tudo o que quisesse, ele morreria rapidamente.

Mas não foi bem assim, e Malloy provou ser um Hércules do mundo moderno. Depois de tomar reiteradas vezes quantidades de álcool que envenenariam um elefante, o único efeito secundário que padeceria seria o de ir dormir por várias horas, só para se levantar e voltar a tomar tudo novamente. Isto começou a ser um grande gasto para Marino, pelo que convenceu o grupo de misturar a bebida de Malloy com anticongelante, tentando assegurar uma morte que demorava a chegar.

Depois da frustrada tentativa, tentaram misturar o vinho da vítima com veneno, e inclusive lhe ofereceram mariscos com álcool -algo que os criminosos criam venenoso-. Nada funcionava, inclusive linimento para cavalos ou terebintina misturada com vinho conseguiram derrubar o Hércules nova-iorquino. Nem sequer um sanduíche feito a partir de sardinhas podres e fragmentos de lâminas de barbear.

Tal fracasso levou os homens a buscar outra solução e numa noite de inverno na qual a temperatura conseguiu descer a uma média de -26ºC molharam, Malloy totalmente embriagado, com grande quantidade de água e deixaram-no dormindo num dos tantos parques da cidade. Mas nem o lancinante frio conseguiu vencer Malloy, que no outro dia voltou só com um resfriado. Inclusive tentaram atropelá-lo com um táxi, subornando um taxista de nome Harry Green a quem pagariam $150 dólares se conseguisse matá-lo. Depois de embriagado e inconsciente, Malloy foi levado para uma rua solitária, no qual Green, depois de acelerar por duas quadras com seu táxi, ainda errou o corpo de Malloy. Assustados, levaram a outro rua e ali, sim, conseguiram atropelá-lo. Crendo que ele estava morto, abandonaram-no no local. Mas Malloy estava vivo, e o "acidente" só lhe custaria três semanas de hospitalização por causa de seu ombro e crânio fraturado.

O final de Malloy veio logo após sair do hospital, quando depois de embriagar-se, um dos criminosos tampou sua boca com uma mangueira, afogando nosso intrépido e bebum herói. Mas por sorte, e graças a uma particular justiça poética, matar Malloy foi tão difícil que os criminosos não deixaram de falar do sucedido, fazendo com que a notícia chegasse aos ouvidos da polícia e fossem assim presos. Marino foi condenado a prisão perpétua e o resto executados na cadeira elétrica.


Fonte: Artigo do New York Daily News sobre Malloy.


http://www.mdig.com.br/

CDS junta-se a PSD para travar perguntas a Cavaco sobre BES - O CDS-PP vai, como o PSD, votar contra o requerimento do PCP pedindo um depoimento por escrito ao Presidente da República, Cavaco Silva, na comissão de inquérito BES/GES, indicou hoje o partido.

CDS junta-se a PSD para travar perguntas a Cavaco sobre BES

por Lusa
CDS junta-se a PSD para travar perguntas a Cavaco sobre BES
Fotografia © Global Imagens
O CDS-PP vai, como o PSD, votar contra o requerimento do PCP pedindo um depoimento por escrito ao Presidente da República, Cavaco Silva, na comissão de inquérito BES/GES, indicou hoje o partido.
Em nota enviada à agência Lusa, a coordenadora centrista na comissão, Cecília Meireles, sublinha que a Constituição de Portugal "estabelece um regime político de natureza semipresidencial, em que expressamente a Assembleia da República fiscaliza o Governo, mas o Presidente da República não responde perante o parlamento".
"É essa a natureza do nosso regime e não outra. Independentemente das opiniões que cada um possa ter sobre o nosso sistema constitucional, são estes os princípios, e os princípios têm consequências", advoga a parlamentar.
O PCP apresentou um requerimento onde reclamava um depoimento escrito do chefe de Estado sobre encontros tidos com o ex-presidente executivo do BES Ricardo Salgado.
Também PS e Bloco de Esquerda (BE) manifestaram a sua intenção de apresentar pedidos semelhantes.
"A separação de poderes é um princípio secular das constituições democráticas e deve por isso ser objeto de respeito intemporal", sublinha o CDS-PP na resposta ao requerimento dos comunistas, o primeiro que entrou na comissão.
Se tal requerimento ou outros do género fossem aprovados "estaria aberto o precedente para violar sistematicamente ou inúmeras vezes a separação de poderes, aplicando-se este desrespeito, não apenas ao atual, mas a qualquer futuro Presidente da República", alerta Cecília Meireles.
"Pela minha parte, tenciono cumprir com todo o zelo a minha função nesta comissão, mas não tenciono desrespeitar princípios básicos do nosso ordenamento político-constitucional", diz ainda a parlamentar do CDS-PP, que conclui o seu texto sinalizando que "o ruído é bastante mais eloquente do que a essência" neste caso.
Hoje também, o PSD acusou o PCP de querer envolver o Presidente da República em "manobras partidárias" a propósito da comissão parlamentar de inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo (GES).
Na resposta ao requerimento dos comunistas a pedir um depoimento escrito do chefe de Estado, e a que fonte parlamentar do PSD havia já indicado à agência Lusa na sexta-feira que o partido iria votar contra, os sociais-democratas advogam que o Presidente "não tem funções executivas e o parlamento não tem competências para fiscalizar a sua atividade".
O texto do PCP reclamava que Cavaco Silva prestasse esclarecimentos por escrito sobre reuniões tidas com o ex-banqueiro histórico do BES Ricardo Salgado em 2014.
O antigo presidente executivo do BES Ricardo Salgado reuniu-se duas vezes em 2014 com o Presidente da República tendo alertado Cavaco Silva sobre os "riscos sistémicos" envolvendo o GES e o BES, disse o ex-banqueiro em carta endereçada à comissão parlamentar de inquérito.
Na missiva, conhecida na quinta-feira, Ricardo Salgado diz que se reuniu com Cavaco Silva numa primeira fase a 31 de março, ao passo que a 07 de abril encontrou-se com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.
No dia seguinte o ex-banqueiro esteve com a ministra das Finanças, e a 22 de abril deu-se uma reunião com o agora ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso.
No segundo leque de reuniões, em maio, Ricardo Salgado esteve reunido com o ex-secretário de Estado e atual comissário europeu Carlos Moedas no dia 02, com o Presidente da República a 06, com a ministra das Finanças e o primeiro-ministro a 14, e com o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, no dia 20.
Também em maio deu-se outra reunião com Durão Barroso que Ricardo Salgado não consegue precisar a data.
As diligências, diz o ex-banqueiro na carta enviada ao parlamento, "visavam, entre outros objetivos, informar as entidades competentes sobre as preocupações do GES e, reitere-se, do próprio BES".

Quem mente e oculta compulsivamente, afinal? - Apodou-me Paulo Portas de mentirosa porque eu reproduzi o que diz o Ministério Público no despacho de arquivamento da investigação sobre os submarinos:

Quem mente e oculta compulsivamente, afinal?

Eu preferia falar da renegociação da divida grega, que muito nos interessa a nós, Portugal, e à Europa. Mas declarações de um enervado Vice Primeiro Ministro, na passada 6a. feira, obrigam-me a usar este espaço para reagir: 

Apodou-me Paulo Portas de mentirosa porque eu reproduzi o que diz o Ministério Público no despacho de arquivamento da investigação sobre os submarinos:


Entretanto o  MNE esclareceu, via Lusa, que a 24 de Junho de 2013 comunicou à PGR que tinha entregue uma carta rogatória às autoridades das Bahamas. Já Paulo Portas afirmou na 6a feira que, como MNE, enviou à PGR a 24 de junho de 2013 a resposta das Bahamas. Resposta que o MP escreve nunca ter  localizado.  A questão mantem-se, pois: o que aconteceu à resposta das Bahamas? Veio ou não, via MNE ou directamente, já que a PGR a não encontra?

A questão importa e muito, porque essa resposta das Bahamas pode esclarecer o circuito que percorreram os 30 milhões de euros pagos pelos alemães fornecedores dos submarinos à empresa ESCOM, do Grupo Espírito Santo. Uma sexta parte, ou seja, 5 milhões sabemos hoje, pelas gravações do Conselho Superior do GES, acabaram em "luvas" nos bolsos de Ricardo Salgado e familiares. E 19 milhões foram transferidos para o Fundo Felltree, constituido nas Bahamas para ludibriar a Autoridade Tributária portuguesa - segundo Luis Horta e Costa, administrador da ESCOM, admitiu há dias na Comissão Parlamentar de Inquérito do BES. Ora se os escroques da ESCOM lavaram através do chamado RERT (Regime Especial de Regularização Tributária) 10 milhões de euros que entretanto repatriaram, resta saber a que bolsos foram parar cerca de 9 milhões de euros nunca declarados ao fisco.

Lembro que na Alemanha foram condenados corruptores em Portugal e na Grécia pela compra dos submarinos; na Grécia está preso o ministro da Defesa envolvido; só em Portugal não se acham os corrompidos .... Ora num negócio corrupto e fraudulento como foi este, seria elementar investigar eventuais acréscimos de património de quem tomou as decisões que se revelaram altamente lesivas dos interesses do Estado.

Mas isso o MP encolheu-se de fazer relativamente a Paulo Portas e a Durão Barroso, os principais decisores políticos nesta negociata - e por isso eu requeri ao juiz de instrução criminal que se prossiga  a investigação. Sublinho, no entanto, que  o MP no despacho de arquivamento não conclui que não houve crimes, antes argumenta que o procedimento criminal  já estará prescrito, ao fim de 10 anos  - o que eu também contesto no requerimento de abertura de instrução.

Sucede que muitas das decisões mais  lesivas para o Estado foram tomadas por Paulo Portas enquanto Ministro da Defesa Nacional, como é  confirmado pelo MP no despacho de arquivamento e por abundantes elementos no processo.

Essas decisões incluiram impor a presença da ESCOM no negócio, apesar de saber que trabalhava para os fornecedores alemães, e impor o BES no consórcio financiador da aquisição, contra a vontade dos alemães que até preferiam o banco do Estado, a Caixa Geral de Depósitos, associada ao Deustche Bank. Isto é, Paulo Portas garantiu que Ricardo Salgado e os seus outros comparsas do GES ganhavam por vários carrinhos no negócio, via ESCOM e via BES.

O clamoroso conflito de interesses tinha ainda outras vertentes - o BES era o banco financiador do CDS-PP, que nele tinha contraídos
 2 vultuosos empréstimos. E fora também numa conta do CDS-PP no BES que entrara, na ultima semana de 2004, mais de um milhão de euros em súbito afã depositante de apoiantes, como o fictício  "Jacinto Leite Capelo Rego" - um dos elementos que desencadeou a investigação da PGR, juntamente com intercepções  telefónicas no processo Portucale, em que Paulo Portas é escutado a falar sobre compromissos financeiros secretos.

Por isso eu deixo ao Vice Primeiro Ministro Paulo Portas umas  singelas perguntas, desafiando-o a esclarecê-las publicamente:

- Que empréstimos, e em que condições, tinha o CDS no BES em 2003, 2004 e 2005?
- Qual era a origem do fundo para seu uso exclusivo que o tesoureiro do CDS/PP Abel Pinheiro designava  "ad usum delfini"? E qual foi o destino desse fundo: foi passado ao seu sucessor na direcção do Partido em 2005?
- O que era  "aquilo" que aproveitou para ir fazer ao Canals quando se deslocou à Alemanha no início de Março de 2005? Tratava-se de Michel Canals, sócio fundador da Akoya, sociedade especializada na fuga ao fisco e no branqueamento de capitais?

Fico, ficamos, à espera das respostas. Tranquilamente. Veremos quem mente e oculta compulsivamente, afinal.


causa-nossa.blogspot.pt

Galp multada em 9 milhões por práticas contra a concorrência no mercado do gás engarrafado

Galp multada em 9 milhões por 
práticas contra a concorrência 
no mercado do gás engarrafado

A Autoridade da Concorrência (AdC) condenou as empresas Petrogal, Galp Açores e Galp Madeira, do grupo Galp Energia, ao pagamento de 9,29 milhões de euros por práticas anticoncorrenciais no mercado do gás engarrafado.
 .
A investigação revelou que as empresas do grupo Galp Energia proíbem os seus distribuidores de botijas de gás de vender fora de uma área geográfica definida no contrato, impedindo-os assim de concorrer com outros distribuidores situados em territórios vizinhos ou próximos.

Para a Autoridade da Concorrência, esta restrição concorrencial é suscetível de penalizar os consumidores com preços mais elevados, já que os distribuidores de gás engarrafado da Galp Energia podem praticar preços e condições comerciais sem qualquer pressão concorrencial por parte de outros distribuidores concorrentes.

De acordo com o organismo, a infração cometida pela Petrogal teve uma duração de pelo menos quinze anos, tendo-se mantido, de forma permanente e nesses precisos termos, até hoje.

Já a infração cometida pela Galp Açores teve uma duração de treze anos, enquanto a infração cometida pela Galp Madeira teve uma duração de três anos.

Estima-se que mais de dois milhões de famílias portuguesas adquirem gás em garrafa, suportando uma fatura que ronda os 250 euros por ano, adianta em comunicado o organismo.

* Mas o feudo existe.




apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

A VERDADEIRA VIÚVA NEGRA - Betty Johnson Neumar, de 76 anos, foi presa como suspeita de ter assassinado aos cinco maridos com quem compartilhou sua vida desde os anos cinquenta para poder cobrar seus seguros de vida.

Betty Johnson Neumar, de 76 anos, foi presa como suspeita de ter assassinado aos cinco maridos com quem compartilhou sua vida desde os anos cinquenta para poder cobrar seus seguros de vida.

A verdadeira viuva negra: mulher teria matado 5 maridos
Betty na clássica foto tirada pelas autoridades

A perseverança do irmão de seu quarto marido, Harold Gentry, que não permitiu que cerrassem o caso teve seus frutos e finalmente a idosa aguarda ser julgada numa prisão da Carolina do Norte, acusada de ter contratado um homem para assassinar Gentry.

Isto levou às autoridades a reabrir velhos expedientes para voltar a analisar as "estranhas circunstâncias" nas quais morreram seus outros maridos.

Cinco histórias com final trágico

Jhonson, nascida em 1931 em Ironton (Ohio), se graduou em 1949 e casou já aos 18 anos com Clarence Malone, de 19, em novembro de 1950. Um ano depois declarou num tribunal que seu marido a maltratava e apesar de que tiveram um filho, Gary, em 1952 se separaram.

Malone foi assassinado em novembro de 1970 na parte traseira da loja que dirigia num pequeno povoado ao sudeste de Cleveland. A polícia arquivou o caso como homicídio, ainda que não tenham encontrado nenhum indício de roubo.

Depois de sua separação de Malone, Betty casou com James A. Flynn, que apareceu morto numa embarcação em Nova York em meados dos anos cinquenta.

Em 1965, foi a vez do terceiro marido, Richard Sil, que foi encontrado morto em seu apartamento com um bala na cabeça, supostamente por suicídio.

Três anos depois, Betty casou-se com Gentry e cinco anos mais tarde voltou a contrair núpcias com aquele que foi seu último marido, John Neumar, que faleceu em outubro supostamente de uma infecção bacteriana.

Novas investigações sobre casos passados

Os peritos da polícia analisaram novamente os casos antigos para ver se existia "algum outro fator que pudesse levar à morte" aos outros maridos de Betty.

A conclusão dos agentes foi que os assassinatos dos cinco maridos de Betty foram ordenados ou executados por ela, que embolsou milhares de dólares dos seguros de vida da cada um deles.


http://www.mdig.com.br/

MUSTANG, UM CARRO QUE É UM SONHO -Ele vai fazer 45 aninhos, coisa mais linda ainda não inventaram..

Ele vai fazer 45 aninhos, coisa mais linda ainda não inventaram..

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

Um carro que é um sonho

http://www.mdig.com.br/