AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

1 EM 4 ALEMÃES REIVINDICA ASPECTOS DO NAZISMO - 25% dos alemães segue opinando hoje em dia que o nacional-socialismo (movimento que levou Adolf Hitler ao poder em 1933) tinha aspectos positivos, segundo uma pesquisa publicada na reconhecida revista Stern. A pesquisa, realizada entre 12 e 13 de outubro entre 1.003 pessoas escolhidas de forma representativa, diz que 37% dos maiores de 60 anos afirmam ver coisas positivas na época de Hitler.

25% dos alemães segue opinando hoje em dia que o nacional-socialismo (movimento que levou Adolf Hitler ao poder em 1933) tinha aspectos positivos, segundo uma pesquisa publicada na reconhecida revista Stern. A pesquisa, realizada entre 12 e 13 de outubro entre 1.003 pessoas escolhidas de forma representativa, diz que 37% dos maiores de 60 anos afirmam ver coisas positivas na época de Hitler.

  - "Esta percentagem é de chamar a atenção de qualquer um. Se fossem 10% também seria alarmante e ainda que fosse somente 1%. Nos faz refletir que ainda existe gente que, ou bem desconhece a brutalidade do nazismo, ou bem compartilha seus valores criminosos. A ação criminosa era intrínseca ao movimento nazista". - Comentou o diretor local do Centro Simón Wiesenthal, uma organização que foi criada depois do Holocausto para localizar nazistas em todo mundo.

Para Wider, o nacional-socialismo está indissoluvelmente unido à história da Alemanha e sustentou que a sociedade desse país fez esforços para revisar sua própria história "mas nunca é suficiente o que se trabalhou a respeito das lições do Holocausto e das implicâncias do que ocorreu em termos de destruição, não só da vida de judeus na Europa senão também como uma afronta à dignidade humana".

A pesquisa também indicou que entre as pessoas de 45 a 59 anos o apoio para esse partido foi de 18%, e entre os menores de 45 de 8%.

- "Temos que educar, prevenir e trabalhamos mediante a difusão para fortalecer as sociedades abertas e democráticas para que conheçam os alcances do horror nazista". - Sintetizou Wider.
Um de cada quatro alemães reivindica aspectos do nazismo
Um de cada quatro alemães reivindica aspectos do nazismo


http://www.mdig.com.br/

LEIAM O QUE DIZ O MINISTRO DAS FINANÇAS DA GRÉCIA E COMPAREM COM O QUE TÊM DITO E DIZEM OS IMBECIS E ALDRABÕES QUE NOS GOVERNAM HÁ QUARENTA ANOS

Entrevista com Yanis Varoufakis, ministro das Finanças do Governo do Syriza

Nesta entrevista, para o público falante de alemão, dada a Johanna Jaufer da cadeia pública austríaca ORF, Varoufakis afirma: “A Europa não aprendeu com as lições da história e, enquanto não mudarmos de rumo, é altamente improvável que consigamos manter o conjunto da união”.
Yanis Varoufakis, ministro das Finanças do Governo do Syriza
Yanis Varoufakis é o ministro das Finanças do governo grego do Syriza. É um reconhecido economista greco-australiano, professor na Universidade do Texas e na Universidade de Atenas. Em março de 2014, foi um dos 74 economistas de 20 países que assinaram o manifesto internacional que apelou à reestruturação da dívida portuguesa e apoiou o manifesto das 70 personalidades portuguesas.
Você é há três semanas político profissional…
Duas semanas.
Teve que pensar muito? No seu blogue escreveu também que a decisão lhe dava pânico.
Foi uma decisão grave. Porque eu entro na política para realizar uma tarefa que sempre pensei que tinha que levar a cabo, e era-me dada a oportunidade de meter mãos à obra. Tem a ver com as negociações entre a Grécia e a União Europeia, em caso de vitória do Syriza: trata-se de um projeto e de uma perspetiva extremamente difíceis. Por outro lado, eu sou um académico, sou um cidadão, um cidadão ativo, de maneira que estou habituado a um tipo de diálogo em que o que se trata é que eu aprenda realmente consigo e você comigo: teremos desacordos, mas através desses desacordos, os nossos respetivos pontos de vista enriquecer-se-ão.
Não se trata de alguém se impor a outro…
Exato. Mas na política é pior: cada parte tenta destruir a outra parte – perante o público -, e isso é algo que me é alheio, algo que de nenhuma forma estou disposto a fazer.
E o que acontece com o seu trabalho na universidade? Fica suspenso?
Sim, efetivamente. Deixei a Universidade do Texas. Mantenho a minha cátedra na Universidade de Atenas – sem pagamento -, e espero que não passe muito tempo até regressar.
Está disposto a permanecer num governo por mais tempo?
Não. Não desejo fazer carreira política. Idealmente, o que quereria é que outra pessoa fizesse isto, e que o fizesse melhor que eu. Só que esta era a única forma de fazer algo que não poderia fazer de outro modo. Não sou um profeta, de modo que não lhe posso dizer onde estarei daqui a dois, três, cinco ou dez anos. Mas se me pergunta agora, o ótimo para mim seria que o nosso governo tivesse sucesso na renegociação de um acordo com a Europa que tornasse a Grécia sustentável, e que depois outras pessoas viriam, já se sabe… o poder deve ser rotativo, ninguém deveria prender-se a ele.
Algo que foi divulgado várias vezes na Alemanha e na Áustria é o assunto das reparações de guerra, porque a Alemanha se esquivou a pagar reparações propriamente ditas depois da II Guerra Mundial. Na sua opinião, por que aconteceu isso? Talvez porque alegaram que a Alemanha se encontrava dividida, e esperavam uma reunificação? Ou foi porque os norte-americanos alegaram que precisavam de uma Alemanha capaz de albergar as suas bases militares, o que deixava pendurados os reclamantes? Ou foi uma combinação de ambas as coisas?
Foi uma combinação. Nos anos 40, os Aliados tinham decidido converter de novo a Alemanha num país camponês. Propuseram o desmantelamento de 700 fábricas, e foram os norte-americanos que travaram esse plano. De maneira que, sim, destruíram 700, mas depois mudaram de ideias. Mudaram por razões que têm a ver com o modo como os EUA estavam a desenhar o capitalismo global: precisavam de uma moeda forte na Europa e de uma moeda forte na Ásia (que acabaram por ser o marco alemão e o iene japonês), e todo o projeto da União Europeia se construiu em torno desse plano. Na Europa nós gostamos de pensar que a União Europeia foi uma criação nossa. Não foi. Foi um desenho norte-americano que depois nós adotamos e que, certamente, era congruente com o que desejávamos, com as nossas aspirações. Parte desse desenho passava por estimular a economia alemã, tirá-la da depressão, tirá-la do poço em que se encontrava nos anos 40, e uma componente importante de qualquer tentativa de revigorar uma economia passa por aliviar a sua dívida, por um corte importante da dívida, pelo perdão de dívida. Assim, em 1953 foi organizada a Conferência da Dívida em Londres, da qual resultou um violento corte da dívida alemã em prejuízo de muitas nações, entre as quais a Grécia. Mas a Grécia é um caso especial, porque a Alemanha tinha contraído com ela uma dívida que não tinha com nenhuma outra nação: em 1943, a Kommandatur aqui, em Atenas, impôs ao Banco da Grécia um acordo pelo qual este banco imprimiria um montão de dracmas – dracmas de guerra— e fornecê-lo-ia às autoridades alemãs para que estas pudessem comprar material, financiar os seus esforços de guerra e acumular bens agrícolas para a Wehrmacht, etc. O interessante é que as autoridades alemãs assinaram um contrato: deixaram por escrito o montante de dinheiro que tomavam como empréstimo. Prometeram pagar juros. Foi, por conseguinte, um empréstimo formal. Os documentos existem ainda e encontram-se em poder do Banco (Central) da Grécia. Em nenhum outro país aconteceu algo parecido. De modo que isto é como uma dívida oficial, como um título, contraído com a Grécia em tempo de guerra pelo estado nazi alemão.
Pode dar números exatos?
Números exatos. Será escusado dizer que a dificuldade está em traduzir essa moeda de guerra, que muito rapidamente foi absolutamente inflacionada por causa da quantidade de dracmas imprimidos. As autoridades alemãs, ao aceitar esse empréstimo do Banco da Grécia e ao fazerem compras, desvalorizaram a moeda, o que teve enormes custos sociais secundários em toda a Grécia. É muito difícil calcular exatamente em quanto se traduz esse empréstimo em termos atuais, como se compõe o juro, como se converte, como se calcula o custo da hiperinflação causada… O meu ponto de vista é que somos parceiros; deveríamos deixar-nos de moralismos, deveríamos deixar de apontar-nos mutuamente com o dedo. A teoria económica bíblica – “olho por olho, dente por dente” - deixa todo o mundo cego e desdentado. Deveríamos, simplesmente, sentar-nos com o mesmo espírito com que os EUA se sentaram em 1953, sem levantar questões como: “os alemães merecem o castigo?”, “é culpa ou é pecado?”. Já sei que em alemão os dois conceitos - “culpa” e “dívida” - se expressam com a mesma palavra (Schuld), antónima de crédito. Deveríamos limitar-nos a levantar esta simples questão: como podemos voltar a tornar sustentável a economia social grega de modo que os custos da crise grega sejam minimizados para o alemão médio, para o austríaco médio, para o europeu médio.
Por que é que muitas pessoas da Europa setentrional não temeram que os cortes nos direitos laborais nos anos 90 pudessem ser presságio do mesmo tipo de coisas que agora estão a ocorrer aqui (na Grécia)?
Acho que tudo é culpa de Esopo. A sua fábula da formiga e da cigarra: a formiga trabalha duro, não desfruta da vida, guarda dinheiro (ou valor), enquanto a cigarra se limita a descansar ao sol, a cantar e a não fazer nada, e depois vem o inverno e põe cada uma no seu lugar. É uma boa fábula: desgraçadamente, na Europa predomina a estranhíssima ideia de que todas as cigarras vivem no Sul e todas as formigas no Norte. Quando, na realidade, o que há são formigas e cigarras em todo o lado. O que aconteceu antes da crise - é a minha revisão da fábula de Esopo— é que as cigarras do Norte e as cigarras do Sul, banqueiros do Norte e banqueiros do Sul, por exemplo, se aliaram para criar uma bolha, uma bolha financeira que os enriqueceu enormemente, permitindo-lhes cantar e descansar ao sol, enquanto as formigas do Norte e do Sul trabalhavam, em condições cada vez mais difíceis, até nos tempos bons: conseguir que as contas quadrassem em 2003, em 2004, não foi nada fácil para as formigas do Norte e do Sul; e depois, quando a bolha, que as cigarras do Norte e as cigarras do Sul tinham criado, estoirou, as cigarras do Norte e do Sul puseram-se de acordo e decidiram que a culpa era das formigas do Norte e das formigas do Sul. A melhor forma de fazer isso era confrontar as formigas do Norte com as formigas do Sul, contando-lhes que no Sul só viviam cigarras. Assim, a União Europa começou a fragmentar-se, e o alemão médio odeia o grego médio, o grego médio odeia o alemão médio. Não tardará que o alemão médio odiará o alemão médio, e o grego médio odiará o grego médio.
Isso já começou, não?
Sim, já se vê. E é exatamente o que ocorreu nos anos 30, e Karl Marx estava completamente equivocado quando disse que a história se repete como farsa. Aqui a história repete-se, simplesmente.
No tocante à decisão do Sr. Draghi de inundar o mercado com biliões de euros, vi que você disse que isso é como usar uma pistola de água num incêndio florestal.
Acho que o Sr. Draghi tem boas intenções. Quer manter unida a zona euro, e é muito competente. Faz o que pode, dadas as restrições que tem. Não tenho a menor dúvida - ainda que ele nunca o admita - de que entende cabalmente que o que está a fazer é demasiado pouco e demasiado tarde: uma pistola de água perante um grande incêndio florestal. Mas ele acha que até uma pistola de água é melhor que nada. Se se declarou um incêndio, ele preferiria servir-se de um canhão de água, e teria preferido começar a usá-lo antes, mas não era permitido porque na Europa temos uma Carta do BCE que o ata de pés e mãos e o lança perante o monstro da deflação, o que é muito injusto para o BCE. E assim será enquanto a Europa não compreender o que é imperiosamente necessário do ponto de vista económico para sustentar uma união monetária, enquanto não entender por que se dá toda esta fragmentação e a crescente renacionalização de tudo, incluída agora a flexibilização quantitativa do senhor Draghi (80% das compras de títulos serão realizadas pelos Bancos Centrais nacionais, como se estes existissem separadamente do BCE). Porque essa fragmentação e essa renacionalização é exatamente o oposto do que deveríamos estar a fazer, apoiar, consolidar. Como se formaram os EUA? Pois, porque cada vez que tinham uma crise - a Guerra Civil, a Grande Depressão - avançavam na sua união. Nós dizemos que estamos a fazer isso com as “uniões bancárias”, com os “Mecanismos Europeus de Estabilização”, mas não é verdade. Criámos uma união bancária que não é uma união bancária, é uma desunião bancária, e chamamo-la, à maneira orwelliana, “união bancária”. A Europa não aprendeu com as lições da história , e enquanto não mudarmos de rumo, é altamente improvável que consigamos manter o conjunto da união.
A propósito dos planos do Syriza para revitalizar a indústria na Grécia, Theodoros Paraskevopoulos disse que se trata também de recuperar as dimensões do setor farmacêutico na Grécia, porque tem uma boa base. Como é isso?
Ao que sei, por alguma razão, temos boas empresas farmacêuticas que têm exportações sólidas. Precisamos ajudá-las e precisamos criar indústrias assim também noutros setores.
Por exemplo?
Acho que temos excelentes programadores informáticos e engenheiros de software, de modo que deveríamos fazer algo parecido ao que fez Israel. Criar uma rede de pequenas empresas emergentes orientadas internacionalmente para a exportação. Se algumas delas acabarem por ser compradas pela Google, etc., não é uma má coisa. É o tipo de coisas que deveríamos ensaiar e apoiar, se podermos.
Se pusermos a questão de que fazer para atrair investidores estrangeiros para a Grécia, há alguma ideia parecida com parcerias público-privadas, algo que nos países da Europa setentrional tem dado muitos problemas?
Eu não sou partidário das parcerias público-privadas. Onde essas associações foram ensaiadas, acabaram sempre por drenar recursos do estado sem produzir nenhum valor acrescentado significativo. Normalmente, foram exercícios de corte de custos, e no final, sem o menor efeito de desenvolvimento. O que eu acho é que devemos tender para o desenvolvimento de ativos públicos já existentes sem os vender - mesmo agora estamos a liquidar e a vender simplesmente para angariar receitas -, de modo que o dinheiro do setor privado, os fundos de investimentos, possam vir e contribuir para o desenvolvimento de forma mutuamente benéfica. É um tipo de empreendimento público-privado, mas não ao estilo do que se ensaiou na Grã-Bretanha e noutros lugares.
Voltando à discussão do memorando: entre que fatores acha que a Sra. Merkel está condicionada?
Acho que a Alemanha está dividida. Os interesses da banca em Frankfurt não são os mesmos que os da banca média, tal como os interesses das pequenas e médias empresas na Alemanha central não são os mesmos que os da Siemens e da Volkswagen, etc. É muito diferente ter a capacidade produtiva exclusivamente localizada na Alemanha, como as empresas pequenas e médias, ou estar mergulhado na globalização e ter fábricas na China e no México. E a Sra. Merkel é uma política astuta que se preocupa - ou pensa precaver-se - de que haja consenso entre esses interesses sobre o que há que fazer com o euro, com o nosso Banco Central, com a periferia, etc. A Sra. Merkel, simplesmente, não moverá qualquer peça até que haja um consenso que lhe garanta a sobrevivência política.
Mas esse consenso não é possível.
Bom, repare, por exemplo, o que se passou em 2012 com o anúncio unilateral por parte do Sr. Draghi das Operações Monetárias sobre Títulos, ou mesmo ontem, com a Flexibilização Quantitativa. Verá que, quando começam a ouvir-se vozes que dizem: “olhem, rapazes, que a deflação nos está a matar, há que fazer algo”, então a Sra. Merkel pode servir-se dessas vozes para dizer: “apoiarei o Sr. Draghi, façam o que fizerem”. Por conseguinte, não é um consenso-consenso, mas ela está a calibrar as movediças placas tectónicas sob os seus pés. E o modo como o faz é muito astuto. Eu convidá-la-ia a pensar no seu legado para além da mera sobrevivência, e gostaria que considerasse a possibilidade de que daqui a 10, 20, 100 anos, a Europa pudesse falar não só de um plano Marshall que salvou a Alemanha, mas também de um plano Merkel que salvou o Euro.
Artigo traduzido para espanhol sinpermiso.info por Estrella Mínima e para português por Carlos Santos para esquerda.net

MOSTEIROS DO MUNDO -O distante e difícil acesso a vários monastérios pelo mundo tinham em sua criação o propósito de isolação e expiação pelos pecados mundanos. Daí surgiram os esportes radicais, as pessoas buscam cada vez mais o efeito da adrenalina e os Monastérios, antes pouco visitados, tornaram-se pontos turísticos com grande afluxo de turistas.

O distante e difícil acesso  a vários monastérios pelo mundo tinham em sua criação o propósito de isolação e expiação pelos pecados mundanos. Daí surgiram os esportes radicais, as pessoas buscam cada vez mais o efeito da adrenalina e os Monastérios, antes pouco visitados, tornaram-se pontos turísticos com grande afluxo de turistas.

Monastério de Sigiriya, Sri Lanka - Montanha do Leão
Monastérios 01
Monastérios 02
Monastérios 03
Monastérios 04
Monastérios 05
Monastérios 06
Monastérios 07
Monastérios 08
Monastérios 09
Monastérios 10
Monastérios 11
Monastérios 12

Monastério de Meteora, Grécia
Monastérios 13
Monastérios 14
Monastérios 15
Monastérios 16
Monastérios 17
Monastérios 18
Monastérios 19
Monastérios 20
Monastérios 21
Monastérios 22
Monastérios 23

Monastério da Capadócia, Turquia
Monastérios 24
Monastérios 25
Monastérios 26
Monastérios 27
Monastérios 28


 http://www.mdig.com.br/

Ex-director nacional do SEF em prisão domiciliária reuniu-se com sindicato do setor - O ex-director nacional do SEF, em prisão domiciliária com pulseira eletrónica, reuniu-se hoje com o sindicato dos inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), para analisar a sua situação laboral, disse à Lusa fonte sindical.

Ex-director nacional do SEF 
em prisão domiciliária reuniu-se 
com sindicato do setor

O ex-director nacional do SEF, em prisão domiciliária com pulseira eletrónica, reuniu-se hoje com o sindicato dos inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), para analisar a sua situação laboral, disse à Lusa fonte sindical.
 .
14 ANOS DE "SABE-SE LÁ"
O presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do SEF (SCIF-SEF), Acácio Pereira, adiantou à agência Lusa que a reunião decorreu no escritório do advogado do ex-director nacional do SEF, Manuel Jarmela Palos.

Na reunião, em que estiveram presentes os membros da direcção do sindicato, Manuel Jarmela Palos e o seu advogado, foram tratadas questões de "âmbito laboral", afirmou Acácio Pereira, acrescentando que o sindicato ouviu o ex-director do SEF, enquanto seu associado.

O presidente do sindicato escusou-se a revelar mais pormenores da reunião, alegando reserva da vida do associado.

Jarmela Palos, atualmente em prisão domiciliária com pulseira eletrónica, foi detido a 13 de novembro de 2014, com 10 outros arguidos suspeitos de corrupção, branqueamento de capitais, tráfico de influências e peculato, no decorrer da operação Labirinto, uma investigação relacionada com a atribuição de vistos 'gold'.

Jarmela Palos, diretor nacional do SEF durante 14 anos, foi exonerado pela ministra Anabela Rodrigues após ter apresentado a demissão.

Fonte ligada ao processo disse à Lusa que Jarmela Palos recebeu do SEF um despacho a notificá-lo de que o vencimento de inspetor superior ia ser suspenso, por estar ausente do trabalho há mais de 30 dias, tendo recorrido hierarquicamente desta decisão, pelo que continua a receber o ordenado.

* Uma prisão domiciliária especial, sai de casa, reúne-se com o sindicato nas instalações do advogado e continua a receber o seu salário sem trabalhar, alguém que ponha termo a este desaforo.



apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

VEJA AQUI NO DESENVOLTURAS & DESACATOS COMO VESTIAM AS COLEGIAIS DOA ANOS 60 - UMA EXCELENTE FOTOGALERIA A DEIXAR-NOS ÁGUA BOCA RECORDANDO ESSES BELOS TEMPOS PARA QUEM OS VIVEU


01
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 01
A agitação cultural dos anos 60 nos Estados Unidos nos deu algumas das influências estilísticas mais importantes do século XX, e a moda de várias subculturas, como a hippie ou a disco, se estenderam até o século XXI.

A revolução cultural contra a corrente de massas captou a imaginação de toda uma era, e fez com que as pessoas soltassem as amarras, se tornando mais liberadas em termos de sexualidade, gostos musicais e auto-expressão. Minissaias, calças boca de sino e extravagantes sapatos ornamentados, usados em geral por gente jovem que já não tinha medo de mostrar mais um pouco de pele.

Não deixe de ver estas fotos para conhecer (ou lembrar) as elegantes vestimentas e acessórios de antanho com um pouco de nostalgia!
02
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 02
03
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 03
04
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 04
05
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 05
06
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 06
07
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 07
08
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 08
09
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 09
10
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 10
11
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 11
12
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 12
13
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 13
14
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 14
15
Estas colegiais dos anos 60 se vestiam bem, inclusive para hoje em dia 15


http://www.mdig.com.br/

AS MULHERES GIRAFAS DA TAILÂNDIA - Elas têm algumas outras características distintas que somente o pescoço, usam aros nos pulsos e tornozelos, afinando esses membros também. Baixinhas, geralmente, têm apenas alguns dentes e os exibem em gengivas avermelhadas pelo bétele - planta cujas folhas são mascadas. Só no pescoço, elas chegam a carregar mais de 10 quilos de aros e junto com os anéis dos braços e tornozelos, o peso pode superar os 20 quilos.

Elas têm algumas outras características distintas que somente o pescoço, usam aros nos pulsos e tornozelos, afinando esses membros também. Baixinhas, geralmente, têm apenas alguns dentes e os exibem em gengivas avermelhadas pelo bétele - planta cujas folhas são mascadas. Só no pescoço, elas chegam a carregar mais de 10 quilos de aros e junto com os anéis dos braços e tornozelos, o peso pode superar os 20 quilos.


Ao contrário da imaginação, criada pelo folclore, a cabeça dessas mulheres não cai quando os colares são retirados, tanto que elas costumam tirar o colar para se lavar; o pescoço continua rijo e pode quebrar-se se for virado subitamente.

Segundo estudiosos da Universidade de Chiang Mai, na Tailândia, não é o pescoço que cresce, mas os ombros que descem – a clavícula vai cedendo com o peso dos aros. Dessa maneira, quatro vértebras torácicas passam a integrar a estrutura do pescoço.

Detalhe: elas são chamadas de mulheres-girafas não só pelo tamanho do pescoço, mas também pelo andar característico, extremamente altivo, provocado pelo uso e pelo peso do colar.

De origem Africana, ainda que em menor número hoje em dia, a explicação desse hábito na Ásia tem várias interpretações lendárias:
  • O colar espantaria forças sobrenaturais para as quais os birmaneses animistas (que cultuam a natureza) e até mesmo budistas constroem altares embaixo de grandes árvores;
  • O colar teria sido uma punição para as mulheres adúlteras de antigamente;
  • Os homens teriam feito isso com suas mulheres para torná-las feias, evitando que fossem raptadas ou, ao contrário, ornamentavam-nas dessa maneira para mostrar sua riqueza e se fazer respeitar;
  • Uma proteção para as camponesas contra os tigres que as atacavam na garganta para beber seu sangue quando trabalhavam nos campos;
  • Uma das explicações é que, para os padaungs (principal tribo de mulheres girafas), o centro da alma é o pescoço. Assim, para proteger a alma e a identidade da tribo, as mulheres protegem o pescoço com aros, entre cinco e 25, cada qual com 8,5 milímetros de diâmetro, antigamente de ouro e, hoje, de cobre ou latão.
Mulher-Girafa 01
Mulher-Girafa 02
Mulher-Girafa 03
Mulher-Girafa 04
Mulher-Girafa 05
Mulher-Girafa 06
Mulher-Girafa 07
Mulher-Girafa 08
Mulher-Girafa 09
Mulher-Girafa 10
Mulher-Girafa 11
Mulher-Girafa 12
Mulher-Girafa 13
Mulher-Girafa 14
Mulher-Girafa 15
Mulher-Girafa 16
Mulher-Girafa 17
Mulher-Girafa 18
Mulher-Girafa 19
Mulher-Girafa 20
Mulher-Girafa 21
Mulher-Girafa 22
Mulher-Girafa 23
Mulher-Girafa 24
Mulher-Girafa 25
l http://www.mdig.com.br