AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

INVENÇÕES ENGENHOSAS ENGRAÇADAS

Invenções que até o próprio McGyver duvida. Ideais para quem separou-se recentemente e não sabe o que fazer dentro de casa.


Invenções engenhosasInvenções engenhosas
Enponjente
Uma esponja com detergente,
é só apertar a bolota azul e pronto: espuma a vontade.
Invenções engenhosasInvenções engenhosas
Porta-Algodão
Pois é, a mocréia da ex foi embora
e você não sabe o que ela fazia com aquela
coisa cheia de arames no banheiro.
Aí está a resposta.
Invenções engenhosasInvenções engenhosas
Canud-it
Você é muito esquecido?
Está sempre perdendo os compromissos?
O canud-it irá resolver o seu problema.
Invenções engenhosasInvenções engenhosas
Hashi-shi
Você é mais um que se pergunta o porquê
dos japas terem inventado esta p**** de comer com pauzinhos?
Seus problemas acabaram-se.
Invenções engenhosasInvenções engenhosas
Alô vim
Te convidaram para uma festa a fantasia e
você além de não ter nenhuma está durango?
Não tem problema,
veja como é fácil.
Invenções engenhosasInvenções engenhosas
Hospedar
Quem é que nunca pedalou descalço?
Machuca o pé né?
Machucava.

Manifesto por uma saúde de qualidade para todos/as em defesa dos sistemas nacionais públicos de saúde em Espanha e Portugal






Enviado por Isabel do Carmo, para publicação neste blogue:

PLATAFORMA IBÉRICA DE DEBATE E ACÇÃO

As políticas neoliberais, assumidas e reforçadas pelos organismos que dirigem a União Europeia, estão a ter sérias consequências sobre o direito aos cuidados de Saúde dos cidadãos e sobre os direitos dos trabalhadores/as dos serviços de Saúde, especialmente nos países do Sul da Europa, como Portugal e Espanha. Estas políticas caracterizam-se por cortes no orçamento público para a saúde, incremento da privatização na Saúde, introdução e crescimento dos pagamentos directos por consultas ou medicamentos (taxas moderadoras e margem de comparticipação), potenciação do hospitalo-centrismo e dos cuidados de especialistas, à custa da secundarização dos Cuidados Primários e do abandono do modelo de Saúde comunitário. Tudo isso caminha para o desmantelamento dos Serviços Nacionais de Saúde, para deixar espaço ao mercado, à prestação de serviços pelo sector privado.

As consequências previsíveis são o aumento das desigualdades sanitárias, a limitação da acessibilidade aos cuidados de Saúde, ao incremento da irracionalidade dos cuidados e a um aumento da morbilidade e da mortalidade e portanto pioria dos níveis de Saúde da população.

Pensamos que o serviço público de Saúde é essencial devido aos valores de justiça social e equidade. Os nossos objectivos são os de proteger e promover saúde e bem-estar, prevenir a doença e a incapacidade, eliminar as condições que afectam a saúde e o bem-estar e fomentar a capacidade de recuperação e adaptação. As nossas acções para conseguir estes objectivos devem estar conscientes da fragilidade do nosso planeta e a nossa obrigação de proteger a envolvente física e humana em que vivemos.

A nossa tolerância do neoliberalismo e das forças transnacionais que perseguem fins tão afastados das necessidades da grande maioria das pessoas e especialmente dos mais desfavorecidos e vulneráveis, só podem fazer mais profunda a crise que atravessamos. Vivemos num mundo em que a confiança nas instituições e nos políticos que nos governam está a cair a níveis incompatíveis com sociedades pacíficas e justas e contribui para um amplo desengano da democracia e da participação política.

Estas agressões à saúde e aos Serviços Nacionais de Saúde Públicos têm provocado uma resposta massiva de resposta social e profissional em ambos os países ibéricos gerando o surgimento e consolidação de uma aliança cidadã e profissional em Defesa do Serviço Nacional de Saúde Público em ambos os países.

As consequências das mobilizações e das intervenções sociais e profissionais conseguiram alguns êxitos concretos e criaram uma corrente importante de opinião social e no sector da saúde, com rejeição da privatização desta área.

Pensamos que temos que organizar uma Aliança Ibérica para avançar para uma saúde de qualidade para todos/as, cujos pontos-chave seriam os seguintes:
  1. Serviço Nacional de Saúde universal e gratuito financiado através do orçamento geral do Estado. 
  2. Esse financiamento público deveria eliminar as taxas moderadoras que limitam o acesso aos serviços e recursos. 
  3. Deverá haver uma separação clara entre público e privado. 
  4. A planificação deve ser geral e autónoma e a gestão dos serviços deve ser descentralizada em áreas de Saúde. 
  5. Deverá haver uma intervenção multidisciplinar e integradora dos serviços de Saúde. 
  6. A estrutura deve ser orientada para a promoção da Saúde e prevenção da doença, com potenciação dos Cuidados Primários baseados num modelo de Saúde comunitário. 
  7. Deve haver participação e partilha de soluções ao nível social e profissional. 
  8. Deverá haver uma utilização racional dos recursos, baseada em demonstração científica, no sentido da qualidade e da eficiência.
Com estes princípios as entidades que subscrevem a Plataforma comprometem-se a estabelecer uma aliança luso-espanhola contra o desmantelamento e a privatização dos Sistemas de Saúde Pública em Portugal e Espanha, que analise e valorize as políticas de Saúde e realize propostas alternativas para a melhoria e manutenção dos serviços de Saúde e medidas de actuação conjunta.

Lisboa e Madrid, 15 de Janeiro de 2015

·       GRUPO DE SAÚDE DO CONGRESSO DEMOCRÁTICO DAS ALTERNATIVAS 
·       FEDERACION DE ASOCIACIONES PARA LA DEFENSA DE LA SANIDAD PÚBLICA
·       FUNDACION 1 DE MAYO
·       FUNDACION PARA LA INVESTIGACION, ESTUDIO Y DESARROLLO DE LA SALUD PÚBLICA
·       ASOCIACION ESPAÑOLA DE NEUROPSIQUIATRIA. PROFESIONALES DE SALUD MENTAL
·       ASOCIACION DE ENFERMERIA COMUNITARIA
·       ASOCIACION ESTATAL DE DIRECTORAS Y GERENTES EN SERVICIOS SOCIALES
·       CONFEDERACION DE ASOCIACIONES DE VECINOS DE EXTREMADURA
·       ASOCIACION EXTREMADURA ENTIENDE
·       ASOCIACION PARA LA RECUPERACION DE LA MEMORIA HISTORICA DE EXTREMADURA
·       CONFEDERACION DE CONSUMIDORES Y USUARIOS DE MADRID (CECUMadrid)
·       CONFEDERACION DE ASOCIACIONS DE VECINOS GALICIA (COGAVE)
·       AYUNTAMIENTO DE FUENLABRADA
·       PARTIDO SOCIALISTA DE MADRID
·       IIZQUIERDA UNIDA COMUNIDAD DE MADRID
·       ESQUERDA UNIDA GALICIA
·       OBSERVATORIO IBEROAMERICANO DE POLITICAS Y SISTEMAS DE SALUD

http://entreasbrumasdamemoria.blogspot.pt/

DENTRO DESTA CASA PODE-SE PESCAR SEM SAIR PARA O FRIO

Durante o verão é fácil  ter estilo para fazer uma bela pescaria, é só ter uma daquelas lanchas assinadas por um famoso designer italiano,  E no inverno? O que podemos fazer para gastar a dinheirama que está sobrando?


Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno
Pesca no inverno

Ex-administrador do banco admite . operações menos corretas - Ex-administrador do BPP, Paulo Lopes, admitiu nesta terça-feira em tribunal ter feito operações que não eram corretas, mas mantém a convicção de que não prejudicou ninguém.

Ex-administrador do banco admite
. operações menos corretas

Ex-administrador do BPP, Paulo Lopes, admitiu nesta terça-feira em tribunal ter feito operações que não eram corretas, mas mantém a convicção de que não prejudicou ninguém.

O ex-administrador do BPP, Paulo Lopes, admitiu nesta terça-feira em tribunal ter feito operações que não eram corretas, mas mantém a convicção de que não prejudicou ninguém e assegurou que não tirou delas qualquer benefício pessoal.

Paulo Lopes, que exerceu funções na administração do Banco Privado Português de abril a dezembro de 2008, é um dos 10 dos 11 arguidos que interpuseram recurso junto do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, em Santarém, das contraordenações decretadas pelo Banco de Portugal (BdP) em outubro de 2013, superiores, no global, a dez milhões de euros, por diversas infrações, incluindo falsificação de contabilidade e informações falsas.

Questionado pela procuradora do Ministério Público, Edite Carvalho, sobre se está “arrependido” por ter ordenado a transferência dos Credit Default Swaps (CDS, um seguro sobre obrigações) do Lehman Brothers (LB) da carteira do banco para a carteira dos clientes quando já tinha sido decidido o pedido de insolvência do LB, Paulo Lopes respondeu que fez a operação obedecendo a “instruções” de João Rendeiro e de Paulo Guichard com a consciência de que não era um procedimento correto. “Se soubesse que podia fazer de outra maneira faria. O que fiz, a forma como fiz, não prejudicou ninguém e não tirei daí nenhum benefício. Pode não ter sido a forma mais correta mas não fiz de propósito para ocultar”, disse.
 .
RENDEIRO, O MANDANTE DE PAULO LOPES
O advogado de Paulo Lopes, António Pragal Colaço, questionou o que levou o Banco de Portugal a condenar o seu constituinte a uma coima de 400 mil euros (suspensa em metade do valor por cinco anos), a quarta mais pesada imputada a pessoas singulares no processo, quando este só foi administrador durante sete meses e quando outros que operaram milhares de euros em mercados nas Bahamas, Suíça, Singapura, Estados Unidos nem sequer são arguidos.

Paulo Lopes, até agora o único arguido que quis prestar declarações, assegurou que nunca criou nenhuma offshore, que nunca desviou dinheiro e que nunca recebeu prémios, tendo Pragal Colaço afirmado que juntou ao processo uma certidão do relatório das Finanças que consta do processo-crime que atesta esta afirmação.

A pedido do Banco de Portugal, o tribunal procedeu a uma acareação do arguido com os peritos do supervisor João Rosa e Miguel Espiga para esclarecimento de alegadas discrepâncias nos depoimentos relativos a uma reunião realizada em 28 de novembro de 2008, destinada a esclarecer os movimentos de compras e vendas, de valores significativos, que haviam sido detetados em contas de clientes. Paulo Lopes terá admitido nessa reunião que as transferências para as contas dos clientes (alguns offshores do próprio banco) eram uma “grande trapalhada” e que iria proceder ao estorno.

Paulo Lopes afirmou que as transferências dos CDS da Lehman Brothers para a carteira de clientes foi feita em setembro, dois dias antes da falência da LB, com data de 20 de junho para que os clientes recebessem os juros relativos a esse trimestre e que em novembro foi feita a provisão das perdas.

Pragal Colaço questionou por que razão não foi a comissão liquidatária buscar os 9 milhões de euros dessas perdas aos Estados Unidos, como também questionou o que levou o Banco de Portugal a nomear, no final de 2008, Fernando Adão da Fonseca para a presidência do BPP, perguntando se não foi “estranha” a nomeação de uma pessoa que trabalhava para o BCP.

O advogado afirmou que vai juntar um requerimento sobre as “discrepâncias” das atas do BPP em liquidação, tendo Paulo Lopes afirmado que existem “imensos documentos relevantes” que não constam daquelas atas. Pragal Colaço afirmou que são imputados ao seu constituinte factos com base em documentos que este não assinou e deixou no ar a interrogação do que terá levado à falência um banco que “era viável”.

* É preciso ter descaramento, grande vígaro, executar "operações menos correctas" é crime! Um indivíduo que seja apanhado a conduzir sem carta de condução é preso mesmo que não tenha provocado nenhum acidente e tenha conduzido impecavelmente, porque cometeu um crime. Se interpretarmos a atitude do condutor como "operação menos correcta" não deve ir preso.




apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

O MOSTEIRO DE PETRA - O DESENVOLTURAS & DESACATOS JÁ TEM PUBLICADO IMAGENS DESTE MOSTEIRO AQUI PUBLICAREI MAIS ALGUMAS -

Petra? Onde é isso? A pergunta é recorrente. Essa cidade  na Jordânia ainda não se tornou um destino turístico conhecido no Brasil, diferentemente do que ocorre em outros países, especialmente na Europa. Trata-se de um local único, inteiramente esculpido na pedra pelo povo Nabateu e que, apesar de parecer distante de outras regiões turísticas, não é tão isolado assim.


A cidade de Petra é a principal atração  turística da Jordânia e abriga o imponente templo Helênico "O Tesouro" (Al-Khazneh). Com 42 metros de altura e 30 de largura, em sua fachada esculpida com pedra rosada há representações de mulheres, cavalos e soldados. Peritos no domínio da hidráulica, os Nabateus dotaram a cidade de um enorme sistema de túneis e de câmaras de água. Um teatro, construído à imagem dos modelos greco-romanos, dispunha de capacidade para 4000 espectadores. Atualmente, os túmulos reais de Petra, o templo, o mosteiro de El-Deir, constituem exemplos impressionantes da cultura do Oriente Médio. 

Quem assistiu ao filme "Indiana Jones e a Última Cruzada" (1989) deve imaginar que o templo onde está escondido o Santo Graal faz parte de um cenário construído especialmente para as filmagens do último episódio da trilogia. Engano. Na realidade, o templo onde está o cálice é o Tesouro (Al Khazneh).
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra

O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra

O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra

O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra
O monastério de Petra


http://www.mdig.com.br/

Talhos avaliados pela Deco chumbam na conservação e higiene da carne picada - Todos os 26 talhos avaliados num estudo da Deco, hoje divulgado, chumbaram na conservação, higiene e temperatura de venda da carne de vaca picada a granel, com 23 a adicionarem ao preparado sulfitos, aditivos proibidos por lei.

Talhos avaliados pela Deco chumbam na conservação e higiene da carne picada

Todos os 26 talhos avaliados num estudo da Deco, hoje divulgado, chumbaram na conservação, higiene e temperatura de venda da carne de vaca picada a granel, com 23 a adicionarem ao preparado sulfitos, aditivos proibidos por lei.
  .
O estudo da associação de defesa do consumidor analisou amostras de carne picada vendida em talhos de rua, de mercados e de hipermercados e os resultados, já divulgados, serão publicados na edição de fevereiro da revista Deco Proteste.

Os talhos localizam-se na Grande Lisboa e Setúbal e no Grande Porto. Doze dos 26 estabelecimentos citados no teste já tinham sido visitados pela Deco em 2013 e chumbado nos mesmos parâmetros.
De acordo com o estudo, apenas três talhos - dois da cadeia Pingo Doce, em Lisboa e em Vila do Conde, e um do Intermarché, em Setúbal - vendiam carne picada sem sulfitos, aditivos proibidos neste tipo de preparado, mas que são usados para "restaurar a cor original da carne e dar a aparência de frescura".

No teste da Deco, todos os talhos avaliados reprovaram nos parâmetros de higiene e conservação, bem como na temperatura de venda, que, para a carne picada, deve rondar os 2ºC. Todas as amostras tinham vestígios de outras carnes, incluindo de aves, na maioria dos casos.

Segundo o estudo, quase metade das amostras continha a bactéria patogénica "Listeria monocytogenes" e, no Grande Porto, 30% tinham "salmonella".

Na Grande Lisboa e em Setúbal, a temperatura média de venda da carne picada era de 7,9ºC e, no Grande Porto, de 9,8ºC.

Face aos resultados do estudo, a Deco - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor aconselha a picar a carne em casa ou a escolher, no talho, uma peça de carne antes de pedir para picá-la.
A carne fresca "deve conservar-se, no máximo, a 7ºC", alerta a Deco.

* É um fartar vilanagem, a ASAE já emitiu um comunicado dizendo que a utilização dos sulfitos são permitidos por lei, não significa que a mesma não faça muito mal á saúde, a venda de tabaco também é permitida por lei e o seu consumo mata.



apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

VEJA A HISTÓRIA DE KIM PHUC - A MIÚDA QUE FOI QUEIMADA COM NAPALM

Qualquer um conhece esta foto que afetou a guerra do Vietnã e entrou para a história da fotografia como um marco. A imagem, que também está na nossa galeria de fotos que marcaram a história, foi captada em 8 de junho de 1972 pelo fotógrafo vietnamita Nick Ut. Mostra várias crianças correndo e no centro delas Phan Thi Kim Phúc, então com 9 anos, retorcendo-se de dor após o lançamento, supostamente acidental, de uma bomba de napalm, um liquído inflamável à base de gasolina gelificada.


Kim Phúc

Mas a fotografia de minutos depois não é muito conhecida

Kim Phúc

Todos que estavam ali, inclusos profissionais de TV tentaram ajudar a menina que foi levada para um hospital militar.

Kim Phúc

Apesar de que muitos médicos considerassem letais as queimaduras da menina, Kim Phúc sobreviveu e submeteu-se a 17 operações plásticas. Depois da guerra ela ainda morou algum tempo no Vietnam, depois foi para Cuba onde conheceu o seu marido.Depois foi para o Canadá.

Kim Phúc

Em 1997, Kim Phúc foi designada Embaixadora da Paz pela ONU e hoje em dia vive, junto com a família, na cidade de Ontário.


http://www.mdig.com.br