AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Marinho e Pinto continua no Parlamento Europeu se falhar eleição para deputado



O ex-bastonário da Ordem dos Advogados, António Marinho e Pinto, é o principal candidato às eleições legislativas do Partido Democrático Republicano (PDR), pelo círculo de Coimbra. É o círculo da cidade onde reside, mas provavelmente um dos mais arriscados para ser eleito. Se isso vier a acontecer, e apesar de ter várias críticas a apontar ao funcionamento da eurocâmara, Marinho e Pinto não vai deixar Bruxelas e Estrasburgo.
O líder do PDR diz ao jornal i que o Parlamento Europeu “não é um verdadeiro parlamento”, mas não vai abandonar o mandato de eurodeputado caso não consiga ser eleito nas eleições de 4 de Outubro.

"Não tenho razões para sair, apesar de ter sido uma desilusão", assume. "Deve ser o único parlamento do mundo onde os deputados não podem fazer propostas. Não é um verdadeiro parlamento", critica, em declarações ao jornal i.

Marinho e Pinto já se tinha insurgido contra o vencimento que é atribuído aos eurodeputados, que "pode chegar aos 17 mil euros", caracterizando-o de "vergonhoso". Na altura, apesar das críticas, o ex-bastonário também se recusou a abdicar desse salário: "Eu sou pobre, preciso do dinheiro, tenho uma filha no estrangeiro".

A campanha do PDR será "semelhante à que a oposição democrática fez antes do 25 de Abril", antecipa, porque "os métodos que as maiorias utilizam são semelhantes aos métodos que a ditadura fascista utilizava para segregar aqueles que ameaçavam a sua sobrevivência".

Quanto ao risco de se candidatar em Coimbra, Marinho e Pinto assume-o, mas diz que "toda a vida" correu riscos. "Vivo e trabalho em Coimbra há 45 anos. Se for eleito deixarei o Parlamento Europeu com todas as mordomias e assumirei o lugar de deputado na Assembleia da República", promete.

Sem comentários: