AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quinta-feira, 27 de agosto de 2015

JOÃO MIGUEL TAVARES OU......

… onde a porca torce o rabo
Na sua crónica de hoje no Público, João Miguel Tavares parece espumar de indignação com a «concessão» (nome que esconde a privatização) dos transportes colectivos do Porto (Metro e SCTP). É o que se depreende à primeira vista de afirmações como «esta concessão feita a pontapé e nas costas de toda a gente, incluindo das autarquias que aqueles transportes públicos servem diariamente, é uma pura e simples obscenidade». JMT Tavares também referecriticamente o facto de esta decisão ocorrer a poucas semanas de eleições, invocando «o pudor e o bom senso de não avançar com decisões complexas e politicamente fracturantes a um mês de eleições». De caminho, porém lá nos esclarece que é «a favor da privatização da TAP» e «a favor da concessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto, até porque sou utente e já não aguento mais greves do metro.»
Mas onde a porca torce o rabo é que JMT logo depois sentencia que «se as autarquias estivessem de acordo, se o PS estivesse de acordo, com certeza que sim, avançar-se-ia perante o consenso geral. Mas assim ?».
Ou seja, para JMT, se o PS estivesse de acordo, a proximidade de eleições já não contava nada e, para ele, os acordos entre a direita governante e o PS transformam-se automática e mágicamente em «consenso geral».

A isto chamou eu falta de «pudor e bom senso» e «uma pura e simples obscenidade». Mas é assim a famosa «cultura democrática» de muita gente.


Sem comentários: