AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Indochina – Paisagens deslumbrantes e milénios de cultura

Indochina, mistério e encanto

Banteay-Srei---Camboja (2)


Este pode muito bem ser um caso onde as palavras não fazem jus à realidade. O próprio conceito de realidade não parece estar em casa num ambiente que mais se presta ao mundo da imaginação, com rios míticos, selvas luxuriantes, templos perdidos e ilhas paradisíacas na ordem das centenas. Mas este sítio existe, tem um nome e está à sua espera.
Uma das muitas pérolas escondidas na região da Indochina, as cascatas de Kuang Si são a mistura perfeita entre sagrado e convidativo. Situadas a cerca de 30 quilómetros de Luang Prabang, são um ponto referencial de um país com uma beleza natural imensa. Pequenas lagoas recebem a água de tons cristalinos que cai de forma quase poética, em várias etapas, a partir de uma altura de mais de 60 metros. São estas águas de cor turquesa – que convidam a um mergulho – que também lhe garantem o seu caráter sagrado. Um local que deve ser visitado, explorado e reverenciado.
No Vietname, o Mekong dá continuidade a esta relação com a água, intrínseca à região da Indochina. O vale do Mekong é um exemplo de campos luxuriantes, um sinal de que a abundância está intimamente ligada à existência deste corpo de água que serve ao mesmo tempo de fonte de alimento e canal de comunicação vital, tanto hoje como há milénios atrás. O nome Mekong deriva de dialetos antigos da região, nos quais era apelidado de Mae Nam Khong, onde Mae é traduzido como Mãe, e Nam como água. Um simbolismo facilmente compreensível, quando se pensa que a bacia deste rio é lar para uma das biodiversidades mais ricas do mundo, com mais de 1200 espécies de peixe que representam uma fonte vital de alimento para os habitantes locais, e uma marca indelével na gastronomia do país.
Terra onde os templos são uma constante da paisagem, ainda assim o Camboja não deixa de surpreender a cada passo, com os seus grandiosos monumentos religiosos, que lhe emprestam uma aura solene e artística. Em Banteay Srei encontramos um dos melhores exemplos da enorme herança do país, num monumento do século X dedicado à deusa Hindu, Shiva. Localizado bem perto de Angkor, Banteay Srei foi construído na sua maioria com arenito vermelho, um material que facilita as intrincadas decorações das suas paredes, que suportaram o teste do tempo. Pelo seu tamanho reduzido, quando comparado com as dimensões dos templos vizinhos, Banteay Srei é considerado uma parte valiosa do Camboja, a joia da arte do povo Khmer.






nortravel.tsf.pt

Sem comentários: