AVISO


OS COMENTÁRIOS, E AS PUBLICAÇÕES DE OUTROS
NÃO REFLETEM NECESSARIAMENTE A OPINIÃO DO ADMINISTRADOR DO "desenvolturas e desacatos"

Este blogue está aberto à participação de todos.


Não haverá censura aos textos mas carecerá
obviamente, da minha aprovação que depende
da actualidade do artigo, do tema abordado, da minha disponibilidade, e desde que não
contrarie a matriz do blogue.

Os comentários são inseridos automaticamente
com a excepção dos que o sistema considere como
SPAM, sem moderação e sem censura.

Serão excluídos os comentários que façam
a apologia do racismo, xenofobia, homofobia
ou do fascismo/nazismo.


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

MONUMENTO Á BATALHA DAS NAÇÕES - O MAIOR MONUMENTO DA EUROPA

A possibilidade de uma nova guerra já estava lançando uma longa sombra em 1913. No entanto, foi neste ano que o povo da cidade de Leipzig, no estado alemão da Saxônia viu a conclusão de seu monumento a uma batalha ocorrida exatamente um século antes. O Monumento à Batalha das Nações, comemorava a derrota de Napoleão na batalha de Leipzig. No entanto, há quase um século depois de sua inauguração, esta lembrança de uma batalha do passado seria usado por um grupo ou outro para seus próprios propósitos ideológicos.


Em 1813, os exércitos da coalizão da Rússia, Prússia, Áustria e Suécia lutaram contra o exército francês que também continha tropas polonesas e italianas para não mencionar os alemães da Confederação do Reno. Não é de admirar que também ficou conhecida como a Batalha das Nações: envolvendo mais de 600 mil soldados, a batalha foi a maior da Europa anterior a Segunda Guerra Mundial. O monumento certamente reflete a imensidão do conflito.
O Monumento à Batalha das Nações : O maior monumento da Europa 02
Via Christian


No entanto, o simbolismo deste templo da morte e da liberdade foi muitas vezes mal utilizados: os monarquistas na República de Weimar, os nazistas do Terceiro Reich e os stalinistas na Alemanha Oriental fizeram de um todo para tentar usá-lo para seus próprios fins. Apenas as últimas décadas viram que ele voltou para o seu verdadeiro papel no panteão da comemoração e da cultura europeia de lembranças.


Conhecido na Alemanha como Völkerschlachtdenkmal (por vezes abreviado para Volki) o monumento fica no local onde os combates mais sangrentos da batalha gigantesca ocorreram. Ergue-se 90 metros (500 degraus) até o topo onde é possível ter vistas deslumbrantes da cidade. Foi neste lugar que Napoleão ordenou que seu exército recuasse, obrigando-o a retirar-se para a França. A invasão do país pelos exércitos da coalizão aconteceram um ano depois, e Napoleão logo depois acabou no exílio na ilha de Elba .


A batalha de quatro dias viu a morte de mais de 100.000 soldados, um número de mortes tão calamitosa que nunca havia acontecido na Europa antes. O ano após a batalha, em 1814, foram feitas propostas para um monumento à batalha. No entanto, a primeira pedra não foi colocado até o 50º aniversário do evento, em 1863. Mesmo assim, não havia fundos disponíveis para construir qualquer coisa.


Décadas mais tarde, Clemens Thieme, que era um membro da Associação Histórica de Leipzig, ficou sabendo sobre esses planos abortados e decidiu fazer algo sobre isso. Em 1894, fundou a Associação Alemã de Patriotas e levantou dinheiro suficiente, por meio de loterias e doações, e os meios necessários para a construção do monumento. Este foi um feito notável: o total arrecadado foi de 6 milhões de Reichsmark (algo em torno de 75 milhões de dólares hoje).
O Monumento à Batalha das Nações : O maior monumento da Europa 11

O Monumento à Batalha das Nações : O maior monumento da Europa 12
Via Elena


Dois anos depois, a cidade de Leipzig doou o terreno e o arquiteto Bruno Schmitz foi contratado para projetar e construir o Monumento à Batalha das Nações, que se tornaria sua obra mais famosa. A construção começou em 1898 e levou 15 anos, envolvendo a remoção de 82 mil metros cúbicos de terra. No total, 26.500 blocos de granito foram colocados sobre fachada de concreto do monumento.


O monumento tem, incrivelmente, apenas dois andares. A primeira é uma cripta que é dominada pelas estátuas colossais de oito guerreiros caídos, bem próximos a uma série de estátuas menores conhecidas como o Totenwächter, guardiães dos mortos.
O Monumento à Batalha das Nações : O maior monumento da Europa 16

O Monumento à Batalha das Nações : O maior monumento da Europa 17
Via az112


O outro piso, Ruhmeshalle, apresenta quatro estátuas adicionais que representam as qualidades atribuídas ao povo alemão: coragem, fé, sacrifício, e fertilidade. Cada um tem mais de 30 metros de altura. Todas as estátuas foram esculpidas por Christian Behrens que infelizmente morreu no meio do projeto. O restante do trabalho foi realizado por seu aprendiz, Franz Metzner, cuja grande parte de seu trabalho foi perdido nos escombros da Segunda Guerra Mundial.


Tal arquitetura heróica, apresentada como os ideais alemães de virilidade e coragem de tal forma gigantesca e folclórica naturalmente foi associada com as tensões políticas do nacionalismo alemão no período entre as guerras mundiais. Quando Hitler visitou a cidade, exigiu o uso do monumento para sediar suas reuniões.
O Monumento à Batalha das Nações : O maior monumento da Europa 21

O Monumento à Batalha das Nações : O maior monumento da Europa 22
Via Maria


Quando a cidade se tornou parte da Alemanha Oriental comunista depois da guerra, o futuro do monumento foi debatido. No entanto, sua longa história ajudou na sua preservação. Apesar de ter sido usado durante a era nazista como um símbolo do poderio germânico, o verdadeiro propósito do monumento foi para comemorar um momento em que soldados russos e alemães estavam lado a lado para derrotar seu inimigo comum: Napoleão. Como tal, foi concedido um indulto e sobreviveu até o fim do comunismo da Alemanha Oriental, em 1989.


Sua imagem ainda é de vez em quando roubada pelos partidos de extrema-direita. Os cidadãos de Leipzig, no entanto, não compram nada disso. Para a maioria dos alemães, o monumento agora é firmemente parte de um sistema de comemoração e da cultura da lembrança da Europa.


 http://www.mdig.com.br/

Sem comentários: