AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 2 de setembro de 2014

Take Another Plane - A acreditar nos responsáveis da TAP, as notícias sobre avarias mecânicas que, nos últimos meses têm surgido na comunicação social, são francamente exageradas.

Take Another Plane

A acreditar nos responsáveis da TAP, as notícias sobre avarias mecânicas que, nos últimos meses têm surgido na comunicação social, são francamente exageradas. Talvez. A verdade é que, nos últimos dois meses, foram noticiados dez incidentes com aviões da companhia que, até há bem pouco tempo, era tida como uma das mais seguras do Mundo. De resto, as estatísticas não mentem: a transportadora nacional teve apenas em desastre de grandes dimensões em toda a sua história e, por alguma razão, muitas companhias de aviação continuam a fazer a manutenção dos seus aviões em Lisboa.
Acontece que, de há anos a esta parte, a TAP - a exemplo de outras companhias de bandeira - se viu confrontada com as crises de crescimento inerentes à própria industria: se por um lado aumentou o número de rotas e dessa forma ganhou novas clientelas, por outro foi obrigada a modernizar a frota e dessa forma aumentar o passivo que, numa área de transportes cada vez mais competitiva, acabaria por levar à integração da companhia numa "aliança" internacional, como forma de evitar a privatização da mesma e de resistir ao aparecimento das companhias "low-cost", cada vez mais utilizadas por diferentes segmentos da população. Se a esta situação,  acrescentarmos a crescente insatisfação do pessoal de bordo (pilotos e hospedeiras) que nos últimos anos têm trocado a companhia portuguesa por outras companhias internacionais, bem mais interessantes em termos económicos, está explicada parte da actual crise. As exigências da troika relativamente às privatizações acelerou este processo e a venda da companhia a um magnate colombiano esteve por um triz. De resto, o processo foi apenas adiado e nada garante que no próximo ano o mesmo colombiano não volte à carga, como o próprio referiu em recente entrevista.
Também é muito possível que todas estas avarias sejam normais, e sempre tenham existido, como nos fazem crer os relações públicas da companhia. Mas, então, porque é que nunca ouvíamos falar delas e agora surgem todas as semanas, nos mais variados voos? Terá a ver com uma frota reduzida e sobreutilizada, devido à falta de aviões; ou com uma "estratégia" de desvalorização da companhia com vista à sua venda pelo melhor preço? Esta é a questão levantada por muito boa gente.
Uma sugestão aos utilizadores frequentes (como eu), que prezam a sua vida: caso se mantenham os acidentes reportados nos últimos meses, não se acanhem, pois podem sempre levar à prática a sugestão implícita no acrónimo da companhia: Take Another Plane..

faceocultaterra.blogspot.pt


TOMEM LÁ MAIS DA DITADURA DO PASSOS, DO PORTAS E DO CAVACO ! - Segurança Social multa em quase 35 euros dívida de 4 cêntimos

Segurança Social multa em quase 35 euros dívida de 4 cêntimos

A Segurança Social exigiu o pagamento de 34,96 euros a um cidadão que tinha uma alegada dívida de 0,04 euros, segundo um documento a que a Lusa teve acesso.
ECONOMIA
Segurança Social multa em quase 35 euros dívida de 4 cêntimos
O documento estabelece que o visado tem "o prazo de dez dias" para efetuar o pagamento integral do montante em causa.
Na origem desta execução fiscal estará uma dívida de 0,04 euros à Segurança Social, que o indivíduo rejeita ter e face à qual solicitou um pedido de análise aos serviços competentes.

A espada - Era uma vez um grupo de jovens que decidiu divertir-se numa noite de sábado.


A espada




Era uma vez um grupo de  jovens que decidiu divertir-se numa noite de sábado. Depois de emborcarem uns copos, ficaram sem   nada para fazer, nem vontade de regressarem a casa, apesar de a noite ir alta e o alvorecer já despontar no horizonte. Foram, por isso, dar uma volta pela cidade.
A determinada altura um jovem  de 26 anos ( no meu tempo aos 26 anos já eramos adultos e tínhamos responsabilidades, mas enfim, os tempos evoluem e quanto mais tarde as pessoas deixarem de ser jovens melhor) achou piada a uma estátua de um tipo com uma espada de bronze e resolveu  desafiá-lo para um duelo.  Como se estivesse num qualquer jogo da Internet. Enfastiada com a postura do jovem e recusando-se a dar-lhe réplica, a estátua ignorou-o. 
O jovem, desafiante, decidiu  sentar-se em cima da espada, na vã tentativa de obrigar a estátua a responder ao desafio. O melhor que conseguiu foi partir a espada. Sem saber o que fazer com aquele bocado de metal foleiro que cedera ao seu peso, o jovem pegou na lâmina da espada e rumou finalmente a casa. Talvez, ao chegar, decidisse assaltar o frigorífico e partir uns bifes com a lâmina da espada do Fundador.  Talvez até fizesse uma selfie, para mais tarde recordar.
Não teve sorte. Pelo caminho, a polícia interceptou-o. Lá se foi o prego  e a selfie
Esta manhã o jovem foi presente a tribunal. No final da audiência fugiu em louca correria dos jornalistas que o aguardavam, depois de a juíza ter determinado que aguardaria julgamento com termo de identidade e residência.
Dentro de dias a  juíza mandá-lo-á em paz. Afinal é apenas um jovem, por isso, os pais que paguem os prejuízos. Não tendo estes recursos para pagar, paga o contribuinte, porque é para isso que ele existe. Para pagar as irreverências dos jovens. 
Amen
Para quem não leu ou ouviu a notícia, deixo os links:
Aqui e aqui ( este com video)

cronicasontherocks.blogspot.pt

A ARTE DE ALEXANDRA NEDZVETCKA - FOTOGALERIA - PINTURA


Nascimento 1981, São Petersburgo, Rússia
1999 - formou-se na faculdade de arte de Ioganson no Instituto Repin IE de Pintura, Escultura e Arquitetura.
2000 - Introduzido Instituto Repin IE de Pintura, Escultura e Arquitetura, estúdio de pintura de cavalete.
2006 - formou-se no Instituto-seRepin IE de Pintura, Escultura e Arquitetura, estúdio de pintura de cavalete.