AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Gisela João - Vieste do Fim do Mundo

MALDIVAS - O LADO NEGRO DO PARAÍSO - As Maldivas constituídas por mais de 1200 ilhas paradisíacas, ocupadas por resorts de luxo, tem um problema escondido do turismo de luxo: o lixo. O que fazer aos cerca de 7,2 kg de lixo por turista (contra 2,8 kg por habitante local) por pessoa por dia?

Maldivas: o lado negro do paraíso



As Maldivas constituídas por mais de 1200 ilhas paradisíacas, ocupadas por resorts de luxo, tem um problema escondido do turismo de luxo: o lixo.



O que fazer aos cerca de 7,2 kg de lixo por turista (contra 2,8 kg por habitante local) por pessoa por dia?


A solução foi encontrada em Thilafushi, antiga lagoa submersa, mas rente à superfície, meio escondida a 7 quilômetros da capital, Malé, cujo nas suas margens o governo decidiu aterrar os detritos vindos de a toda parte.





No início, buracos eram cavados nas bordas da lagoa, o lixo era lançado lá e coberto de areia. Aos poucos, a pilha foi subindo e foi se formando uma ilha artificial feita do lixo transportado diariamente das cidades e dos hotéis por balsas.


Thilafushi ganhou o apelido de "ilha do lixo" — uma mancha no cenário paradisíaco.

 
Calcula-se que mais de 300 toneladas de lixo sejam despejadas todos os dias e que a ilha aumente um metro quadrado por dia.




Cerca de 150 trabalhadores vindos do  Bangladesh trabalham no meio desta imundice pagos com salários de miséria, 350 dólares por mês por doze horas de trabalho, sete dias sobre sete.


Apenas o plástico, os metais e o papel são recuperados e enviados para a Índia, o resto dos detritos são queimados ao ar livre, desde pilhas a material electrónico poluído o ar e as águas. Chumbo e mercúrio vai assim para a cadeia alimentar.


Com 700 000 turista por ano (30% do PIB), duas vezes mais do que a sua população, este pequeno país tornou-se num dos mais ricos de Ásia com 4 500 dólares por habitantes, mas a que custo!


Mas o que fica são as praias de areia fina para serem desfrutadas por turistas abastados num ambiente paradisíaco...

octopedia.blogspot.pt

SALAZAR POR FERNANDO PESSOA - "Politicamente, só existe aquilo que o público sabe que existe." António de Oliveira Salazar na inauguração do S.N.I. em 1933.

Salazar por Fernando Pessoa

"Politicamente, só existe aquilo que o público sabe que existe."
António de Oliveira Salazar na inauguração do S.N.I. em 1933.

Salazar, capa da TIME em 1946: «Após 20 anos de Salazar (o decano dos ditadores 
Europa), Portugal é uma terra triste de pessoas pobres, confusas e assustadas...» In TIME.
Fernando Pessoa - António de Oliveira Salazar
s.d., em Da República (1910 - 1935) . Fernando Pessoa.
1ª publ. in Diário Popular, Lisboa, 30 Maio e 6 Junho 1974



António de Oliveira Salazar
Três nomes em sequência regular...
António é António.
Oliveira é uma árvore.
Salazar é só apelido.
O que não faz sentido
É o sentido que tudo isto tem.
Este senhor Salazar
É feito de sal e azar.
Se um dia chove,
Água dissolve
O sal,
E sob o céu
Fica só azar, é natural.
Oh, c’os diabos!
Parece que já choveu...


Em 04 de Julho de 1937, Salazar escapou por um triz (infelizmente) a um atentado
organizado por um grupo de anarquistas. Revista Ilustração 16-07-1937.


Coitadinho
Do tiraninho!
Não bebe vinho.
Nem sequer sozinho...
Bebe a verdade
E a liberdade.
E com tal agrado
Que já começam
A escassear no mercado.
Coitadinho
Do tiraninho!
O meu vizinho
Está na Guiné
E o meu padrinho
No Limoeiro
Aqui ao pé.
Mas ninguém sabe porquê.
Mas afinal é
Certo e certeiro
Que isto consola
E nos dá fé.
Que o coitadinho
Do tiraninho
Não bebe vinho,
Nem até
Café.


 1938, um ano antes de começar a guerra, Salazar organiza uma caçada em
Mafra para membros do Corpo Diplomático. Revista Ilustração 16-07-1937

SIM, É O ESTADO NOVO

Sim, é o Estado Novo, e o povo
Ouviu, leu e assentiu.
Sim, isto é um Estado Novo
Pois é um estado de coisas
Que nunca antes se viu.
Em tudo paira a alegria
E, de tão íntima que é,
Como Deus na Teologia
Ela existe em toda a parte
E em parte alguma se vê.
Há estradas, e a grande Estrada
Que a tradição ao porvir

Salazar, anos 50.  Foto de Rosa Casaco, um Pide. Encontrada na net.
Liga, branca e orçamentada,
E vai de onde ninguém parte
Para onde ninguém quer ir.
Há portos, e o porto-maca
Onde vem doente o cais.
Sim, mas nunca ali atraca
O Paquete "Portugal"
Pois tem calado de mais.
Há esquadra... Só um tolo o cala,
Que a inteligência, propícia
A achar, sabe que, se fala,
Desde logo encontra a esquadra:
É uma esquadra de polícia.
Visão grande! Ódio à minúscula!
Nem para prová-la tal
Tem alguém que ficar triste:
União Nacional existe
Mas não união nacional.
E o Império? Vasto caminho
Onde os que o poder despeja
Conduzirão com carinho
A civilização cristã,
Que ninguém sabe o que seja.
Com directrizes à arte
Reata-se a tradição,
E juntam-se Apolo e Marte
No Teatro Nacional
Que é onde era a inquisição.
E a fé dos nossos maiores?
Forma-a impoluta o consórcio
Entre os padres e os doutores.
Casados o Erro e a Fraude
Já não pode haver divórcio.
Que a fé seja sempre viva.
Porque a esperança não é vã!
A fome corporativa
É derrotismo. Alegria!
Hoje o almoço é amanhã.


Salazar - Um cadáver emotivo


Salazar
Um cadáver emotivo, artificialmente galvanizado por uma propaganda...
Duas qualidades lhe faltam — a imaginação e o entusiasmo. Para ele o país não é a gente que nele vive, mas a estatística d'essa gente.
Soma, e não segue.
1932?
Pessoa Inédito. Fernando Pessoa.
(Orientação, coordenação e prefácio de Teresa Rita Lopes)
Lisboa: Livros Horizonte, 1993.  - 221.

D. Maria chorando no velório de Salazar. 1970. Foto da net.
“passou a época da desordem e da má administração; temos boa administração e ordem. E não há nenhum de nós que não tenha saudade da desordem e da má administração.”
(Fernando Pessoa, 1935)
Fernando Pessoa (1888-1935)

citizengrave.blogspot.pt

PARA QUEM GOSTA DE ACORDEÃO

OLHÓ AVANTE !



Foi você que pediu?

Há muitos anos havia uma marca de Vinho do Porto que tinha como slogan a expressão que dá título a esta crónica, e de que eu me lembro recorrentemente a propósito de um certo resultado saído das últimas eleições do Parlamento Europeu.
E veio-me novamente à cabeça, com a novidade anunciada esta semana de que a estrela cintilante desse mesmo resultado, que prometia revolucionar toda a forma de fazer política, que até escolheu o partido pelo qual se candidatava, afinal já não lhe apetece ser eurodeputado, apenas meia dúzia de dias depois de ter tomado posse.
O resultado de Marinho e Pinto nas eleições para o PE foi construído, como na altura o PCP afirmou, pela sua prolongada exposição mediática, na base de um discurso demagógico e assente no mais desbragado populismo, incluindo contra a política e os políticos. Com aquele jeito de quem não se cala, voz grossa e tronitruante, com meia dúzia de episódios a roçar o burlesco, MP apresentou-se com a mascarilha de justiceiro, a cavar fundo na desesperança e no desalento que o capital e os governos ao seu serviço vão instigando e de que precisam para prosseguirem a sua política anti-social e antipopular.
Milhares de homens e mulheres esperariam assim, ter agora a voz de MP no Parlamento Europeu, seguramente na expectativa de que isso garantisse a expressão pública das suas legítimas preocupações.
Passados esta meia dúzia de dias, e depois do episódio da família política em que o tal partido acabou por se inserir – o MPT, dito ecologista, vai integrar-se no Grupo dos Liberais – Marinho Pinto anunciou que se virá embora. Pelo meio fica a sua declaração (ele que se afirmava contra a carreira na política) de que não poderá prescindir do salariozinho, ainda que diga que lhe parece excessivo, porque é, imagine-se, pobre.
Sublinhe-se que não se põe em causa o método de eleição por lista, em que fica ao Partido concorrente, verdadeiro detentor dos mandatos, a responsabilidade de gerir a sua participação.
Mas neste caso MP e o MPT assentaram toda a sua campanha na fulanização da eleição do cabeça de lista, num compromisso pessoal que, agora, ainda antes da primeira curva, rasgam, sem qualquer vergonha.
E é por isso que me lembra sempre de perguntar, foi você que pediu um Marinho Pinto no PE ?

João Frazão

CURIOSIDADES INTERESSANTES SOBRE O ANTIGO EGIPTO - MUITO A APRENDER EXPLICADO DE MANEIRA SIMPLES SOBRE ESTE PAÍS QUE JÁ FASCINOU O MUNDO

11 fatos sobre o Antigo Egito que provavelmente você desconhece

O Antigo Egito manteve-se como uma das civilizações mais avançadas do mundo por cerca de 3.000 anos e criou uma cultura tão rica que gerou o seu próprio campo de estudo: a egiptologia. A arte, a arquitetura e a religião egípcia tornaram-se objetos duradouros da nossa fascinação e ainda há muita coisa que nós não sabemos sobre os famosos construtores das pirâmides. Desde o primeiro tratado de paz que se tem notícia até  a paixão dos faraós por antigos jogos de tabuleiro, nessa postagem descobriremos 11 fatos surpreendentes sobre o presente do Nilo.


1 – Cleópatra não era egípcia

917_05_0510000517
Junto com  Tutancâmon, talvez nenhuma figura associada com o Egito Antigo seja mais famosa do que Cleópatra VII. Nascida em Alexandria, Cleópatra era, na verdade, parte de uma longa linhagem de gregos macedônios originalmente descendentes de Ptolomeu I, um dos generais de confiança de ​​Alexandre, o Grande. A dinastia ptolomaica governou o Egito de 323 a 30 a.C, sendo que a maioria de seus líderes permaneceu em grande parte grega em sua cultura e sensibilidade. Cleópatra era famosa por ser um dos primeiros membros da dinastia ptolemaica que realmente falava a língua egípcia.


2 – Os antigos egípcios fizeram um dos primeiros tratados de paz da história
hl-hittite-peace-treaty
Por mais de dois séculos, os egípcios lutaram contra o império hitita pelo  controle das terras do que é hoje a moderna Síria. O conflito deu origem a confrontos sangrentos como a Batalha de Kadesh, em 1274 a.C. Lá pela época do faraó Ramsés II,  nenhum dos lados tinha conseguido subjugar o outro. Os egípcios e os hititas passaram a enfrentar ameaças de outros povos, então, em 1259 a.C, Ramsés II e o rei hitita Hatusil III negociaram um famoso tratado de paz. O acordo punha fim ao conflito e decretava que os dois reinos ajudariam um ao outro em caso de uma invasão por terceiros. O tratado egípcio-hitita é agora reconhecido como um dos primeiros acordos de paz da história. Uma cópia dele pode até mesmo ser vista na entrada para a Câmara do Conselho de Segurança das Nações Unidas, em Nova Iorque.


3 – Os antigos egípcios tinham paixão por jogos de tabuleiro

IH019941
Depois de um longo dia de trabalho ao longo do rio Nilo, os egípcios muitas vezes relaxavam jogando jogos de tabuleiro. Existiam vários jogos diferentes, incluindo "Mehen" e "Cães e Chacais", porém,  o mais popular talvez tenha sido um jogo de azar conhecido como "Senet." A idade desse passatempo remonta tão longe quanto 3500 a.C. Ele era jogado em uma placa longa com 30 quadrados pintados nela. Cada jogador tinha um conjunto de peças que eram movidas ao longo da placa de acordo com o número indicado por quatro plaquinhas de madeira. Os historiadores ainda se debatem sobre as regras exatas do Senet, mas há pouca dúvida sobre a popularidade do jogo. Pinturas retratam a rainha Nefertari jogando Senet e faraós, como Tutancâmon, tinham tabuleiros do jogo enterrados com eles em suas tumbas.


4 – As mulheres egípcias tinham uma ampla gama de direitos e liberdades

99004008
Embora possam ter sido publicamente e socialmente vistas como inferiores aos homens, as mulheres egípcias desfrutavam de uma grande dose de independência jurídica e financeira. Elas podiam comprar e vender bens, atuar como membros de um júri, fazer testamentos e até mesmo assinar contratos legais. As mulheres do Antigo Egito não costumavam trabalhar fora de casa, mas quando o faziam, elas geralmente recebiam um salário equivalente ao dos homens, quando realizavam o mesmo trabalho. Ao contrário das mulheres da Grécia antiga, que eram efetivamente  propriedade de seus maridos, as mulheres egípcias também tinham o direito de se divorciar e de se casar novamente. Os casais egípcios são conhecidos por negociar um antigo acordo pré-nupcial. Esses contratos listavam todos os bens e riquezas que a mulher havia trazido para o casamento e garantiam que ela  seria compensada, no caso de um divórcio.


5 – Os trabalhadores do Antigo Egito organizavam greves
951_05_55402020
Mesmo considerando o faraó uma espécie de deus vivo, os trabalhadores egípcios não tinham medo de protestar por melhores condições de trabalho. O exemplo mais famoso vem do século XII a.C, no Império Novo, durante o reinado do faraó Ramsés III. Quando os trabalhadores envolvidos na construção da necrópole real em Deir el-Medina não receberam seu pagamento habitual de grãos, eles organizaram uma das primeiras greves registradas da história. Os operários simplesmente entravam nos templos mortuários próximos e lá ficavam sentados, se recusando a sair até que suas queixas fossem ouvidas. A estratégia funcionou; eles acabaram recebendo os salários atrasados.


6 – Os faraós geralmente eram gordos

hl-ancient-egypt-hatshepsut-overweight
A arte egípcia geralmente retrata os faraós como tendo corpos esculturais, mas é provável que não tenha sido bem assim. A dieta egípcia de cerveja, vinho, pão e mel, era rica em açúcar, e estudos mostram que ela pode ter feito um estrago nas cinturas reais do Antigo Egito. Exames em múmias indicaram que muitos governantes egípcios eram doentes, acima do peso e que muitos deles sofriam de diabetes. Um exemplo notável é a lendária rainha Hatshepsut, que viveu no século XV a.C, seu sarcófago a retrata como esbelta e atlética, mas os historiadores acreditam que ela era, na verdade, gorda e com pouco cabelo.


7 – As pirâmides não foram construídas por escravos

WP001585
A vida de um construtor de pirâmides certamente não era fácil. Os esqueletos dos trabalhadores dessas construções mostram comumente sinais de artrite e de outras doenças laborais, mas as evidências sugerem que os túmulos dos faraós  foram construídos não por escravos, mas por trabalhadores pagos. Essa antiga massa de trabalho da construção era formada por artesãos qualificados e por trabalhadores temporários que pegavam no pesado. Alguns deles parecem ter tido muito orgulho por seu ofício. Desenhos encontrados perto dos monumentos sugerem que muitas vezes os trabalhadores davam nomes humorísticos aos seus grupos, como os "Bêbados de Miquerinos" ou os "Amigos de Khufu." A ideia de que escravos construíram as pirâmides ao estalo de um chicote, foi evocada pela primeira vez pelo historiador grego Heródoto, no século V a.C, mas a maioria dos historiadores modernos a rejeita, considerando-a um mito. Contudo, os antigos egípcios certamente não eram contrários a manter escravos, tudo indica que eles eram usados principalmente nas lavouras e como servos domésticos.

8 – Tutancâmon pode ter sido morto por um hipopótamo

IH020068
Pouco se sabe sobre a vida do faraó menino Tutancâmon, mas alguns historiadores acreditam que sabem como ele morreu. Tomografias do corpo do jovem monarca mostram que ele foi embalsamado sem o seu coração ou sem  a sua parede torácica. Esse desvio drástico da prática tradicional do sepultamento egípcio, sugere que ele pode ter sofrido uma lesão horrível antes de sua morte. De acordo com um punhado de egiptólogos, uma das causas mais prováveis ​​para esta ferida teria sido a mordida de um hipopótamo. As evidências indicam que os egípcios caçavam esse animais por esporte, e estátuas encontradas na tumba de Tutancâmon o retratam no ato de atirar uma lança. Se o faraó menino, de fato apreciava caçar hipopótamos, então talvez, sua morte tenha sido o resultado de uma caçada que deu errado.


9 – Alguns médicos egípcios se especializavam em certos campos da medicina
42-22308757
Um antigo médico  geralmente era pau para toda obra, mas existem provas de que os médicos egípcios, por vezes, se focavam no tratamento de apenas uma parte do corpo humano. Essa forma inicial de especialização médica foi observada pela primeira vez em 450 a.C pelo viajante e historiador Heródoto. Descrevendo a medicina egípcia, ele escreveu: "Cada médico é curandeiro de uma doença e não mais ... alguns dos olhos, alguns dos dentes, outros do que se refere à barriga." Esses especialistas egípcios tinham nomes específicos. Dentistas eram conhecidos como "os médicos dos dentes", já o termo para proctologista se traduz literalmente como "pastor do ânus."


10 – Os antigos egípcios criavam e adestravam animais de estimação
CS005352
Os egípcios viam os animais como encarnações dos deuses e foram uma das primeiras civilizações a manter animais de estimação. Eles gostavam particularmente  de gatos, que eram associados com a deusa Bastet, mas também reverenciavam os falcões, íbis, cachorros, leões e babuínos. Esses animais ocupavam um lugar especial no lar egípcio e muitas vezes eram mumificados e enterrados com seus donos depois de terem morrido. Outras criaturas eram especialmente treinadas para trabalhar como animais auxiliares. Policiais egípcios, por exemplo, eram conhecidos por usar cães e macacos treinados para ajudá-los quando em patrulha.


11 – Egípcios de ambos os sexos usavam maquiagem
CS008497
A vaidade é tão antiga quanto a civilização e os antigos egípcios não eram exceção. Tanto homens como mulheres eram conhecidos por usar grandes quantidades de maquiagem, que segundo a crença, dava-lhes a proteção dos deuses Hórus e Rá. Esses cosméticos eram feitos por moagem de minérios como malaquita e galena em uma substância chamada Kohl. Em seguida, eram aplicados ao redor dos olhos com utensílios feitos de madeira, osso e marfim. As mulheres também enfeitavam suas bochechas com tinta vermelha e usavam henna para colorir as mãos e unhas; ambos os sexos usavam perfumes feitos a partir de óleos, mirra e canela. Os egípcios acreditavam que sua maquiagem tinha poderes mágicos de cura e não estavam totalmente errados: pesquisas comprovaram que os cosméticos à base de chumbo usados ​​ao longo do Nilo, realmente ajudavam a evitar infecções oculares.

15 curiosidades fascinantes sobre o Antigo Egito

Sou fascinado pela civilização do Antigo Egito desde que me entendo por gente. Sei que não estou sozinho com meu fascínio. A  história da terra dos faraós, sempre envolta em mistérios sobre templos, múmias, hieróglifos, deuses poderosos e conhecimentos incrivelmente avançados, povoa a imaginação da humanidade desde que o primeiro estrangeiro se viu diante das magníficas pirâmides. 

O Antigo Egito é fonte inesgotável de estudo, com novas descobertas sendo feitas a todo momento, mas, apesar de tudo, as pessoas que viveram naquela época, não eram assim tão diferentes como talvez julguemos, no fundo, eram bem parecidas a nós, com crenças sobre a eternidade e com preocupações cotidianas como  as que temos hoje. Eram pessoas que  trabalhavam, se divertiam, cuidavam da aparência pessoal, rezavam para aqueles que entendiam como deuses, enfim, iguaizinhos a nós, cidadãos modernos. As 15 curiosidades a seguir, falarão um pouco sobre a sociedade e a cultura do Antigo Egito. É uma pequena introdução aos mistérios dos senhores do Nilo!
tutankamon

1 – Um faraó nunca deixava seu cabelo ser visto. Ele sempre usava uma coroa ou um toucado chamado nemes. O nemes mais famoso talvez seja o que está representado na máscara mortuária de Tutancâmon, mostrada na figura acima.

2 – O faraó Pepi II, para impedir que as moscas pousassem nele, mantinha sempre por perto escravos nus, cujos corpos eram besuntados com mel.

3 – Tanto as mulheres como os homens egípcios usavam maquiagem. A pintura dos olhos era verde ( com tinta feita de cobre ) ou preta ( com tinta feita de chumbo ). Os egípcios acreditavam que a maquiagem tinha poder de cura e originalmente, era usada como proteção contra o sol, não como adorno.

4 – Embora o uso de antibióticos só tenha começado no século XX, as pessoas tem usado alimentos mofados para tratar infecções desde os primórdios da humanidade. No Antigo Egito, por exemplo, as infecções foram tratadas com pão mofado.

5 – No Antigo Egito, as crianças começavam a usar roupas somente a partir dos cinco anos. Devido ao clima quente e seco, as roupas dos adultos eram leves e finas. Os homens vestiam apenas saiotes e as mulheres vestidos simples ou túnicas.

Great_Sphinx_of_Giza_

6 – Não se sabe ao certo que destruiu o nariz da Esfinge de Gizé,
nem qual foi o paradeiro do mesmo. Embora Napoleão tenha levado a culpa de ter decepado a estátua, desenhos feitos em 1737, 60 anos antes do francês ter chegado ao Egito, já ilustravam a esfinge sem o nariz. O único acusado formalmente foi Muhammad Sa'im al-Dahr, um fanático sufi, que em 1378, foi linchado pelo vandalismo.

7 – Piolhos eram um problema sério no Antigo Egito. Muitos, principalmente os da classe rica, resolviam o problema raspando o cabelo e usando perucas. Os meninos egípcios, até aos doze anos, tinham a cabeça raspada, com exceção apenas de um pequeno tufo deixado no centro da cabeça. A medida também visava combater a infestação de piolhos.

8 – Os antigos egípcios acreditavam que a terra era plana e redonda, ( semelhante a uma pizza ) e que o Nilo, fluía desde o centro do mundo.

9 – As mulheres do Antigo Egito, usufruíam de igualdade legal e econômica com os homens. Entretanto, havia restrições: embora recebessem educação, as mulheres não podiam, por exemplo, ser escribas, entre outras profissões que lhes eram vetadas. Uma mulher podia ser faraó, emborra fosse extremamente raro.

10 – Oficialmente, o  faraó era o responsável pelos serviços sacerdotais em todos os templos do Antigo Egito, porém, outorgava esse privilégio aos sacerdotes.

Saqqara_pyramid

11 – A Pirâmide de Djoser, considerada a primeira pirâmide a ser erguida no Egito, construída em torno de 2600 anos antes de Cristo, era originalmente cercada por uma parede com cerca de 12 metros de altura, com 15 portas, porém somente uma podia ser aberta.

12 – Soldados do Antigo Egito, às vezes eram usados como um tipo de polícia interna. Além disso, também coletavam impostos para o faraó.

13 – Ao contrário das crenças populares, descobertas arqueológicas comprovam que os construtores da pirâmides foram trabalhadores egípcios assalariados, não escravos.

14 – Quando um corpo era mumificado, o cérebro era removido por uma das narinas. As vísceras eram retiradas por um corte do lado esquerdo do abdômen. Pulmões, intestinos, estômago e fígado iam para vasos especiais, cada um desses órgãos tinha um vaso específico. O resto, incluindo o cérebro, era jogado no Nilo. O único órgão que permanecia no corpo era o coração, pois os antigos egípcios o consideravam a sede da alma.

15  - Ramsés II, teve oito esposas oficiais e cerca de 100 concubinas. Ele morreu aos 90 anos de idade, no ano 1212 antes de Cristo.

Seis horripilantes segredos do faraó Tutancâmon

Em 3 de janeiro de 1924, o arqueólogo britânico Howard Carter, que estava escavando a câmara mortuária de Tutancâmon, no Vale dos Reis do Egito por quase dois anos, encontrou o maior tesouro de sua vida, uma tumba de pedra contendo três sarcófagos, o último deles, feito de ouro maciço, continha os restos mortais de Tutancâmon, o faraó menino. 

A tumba de Tutancâmon e as riquezas que ela guardava, alimentariam uma obsessão mundial pelo Egito Antigo, em especial, pelo governante morto há muito tempo, que reinou por apenas uma década, há cerca de 3.300 anos. No aniversário da lendária descoberta de Carter, exploremos seis fatos surpreendentes sobre o faraó adolescente e seu lugar de descanso final.

tutancâmon

1 – Nunca existiu a maldição de Tutancâmon
Quando Carter entrou pela primeira vez no túmulo do faraó Tutancâmon em novembro de 1922, seu financiador George Herbert, um senhor rico com uma paixão pela egiptologia, estava ao seu lado. Quatro meses mais tarde, Herbert morreu de uma infecção no sangue, causada por eripsela, certamente contraída pela picada de um mosquito infectado. 

Os periódicos especularam que o aristocrata inglês havia sido vítima da "maldição da múmia",  supostamente inscrita em uma tabuleta de argila fora do túmulo de Tutancâmon. Os rumores ecoaram novamente após as mortes súbitas de outras pessoas que haviam visitado o Vale dos Reis. Acontece, porém, que jornalistas sensacionalistas fabricaram a história da inscrição. E, em 2002, cientistas examinaram as taxas de sobrevivência de 44 ocidentais que estiveram no Egito durante a escavação de Carter, concluindo que eles não correram nenhum risco de morrer prematuramente, a não ser, é claro, os que são comuns a todos os filhos da humanidade.


2 – A morte prematura de Tutancâmon foi provavelmente acidental
Durante anos, especulou-se que a morte do rei Tutancâmon, aos 19 anos,  resultara de um golpe na cabeça, causado, talvez, por um rival assassino. Mais recentemente, no entanto, os especialistas determinaram que o dano no crânio de sua múmia ocorreu após a morte, durante o processo de embalsamento ou nas mãos da equipe de Carter. Assim sendo, como o rei menino morreu? 

Em 2005, um estudo revelou que ele quebrou a perna e desenvolveu uma infecção no ferimento pouco antes da morte. Segundo uma teoria, o faraó sofreu a contusão ao cair do seu carro durante uma caçada. Enquanto isso, testes de DNA feitos em 2010, sugeriram que Tutancâmon tinha malária, o que pode ter agravado a infecção na perna ou o levado a cair, em primeiro lugar. Teorias alternativas sobre a morte do faraó Tutancâmon pululam por aí, incluindo a hipótese de que ele sucumbiu à mordida letal de um hipopótamo furioso.

Howard Carter e a múmia de Tutancâmon

3 – Tutancâmon reverteu as reformas religiosas feitas pelo seu pai
Os historiadores descrevem o reinado de Tutancâmon como em grande parte sem intercorrências, mas o jovem faraó fez pelo menos uma grande reforma. Seu pai,Aquenáton, considerava o deus Aton como a divindade mais importante do panteão egípcio e incentivava seu culto acima de todos os outros. Aquenáton também transferiu a capital egípcia de Tebas para um nova cidade dedicada a Aton. A Tutancâmon é dado o crédito de ter revertido essas mudanças religiosas impopulares, restaurando o deus Amonà sua antiga glória e trazendo a capital de volta para Tebas. Ele abandonou seu nome original, Tutankhaten ("imagem viva de Aton"), para Tutancâmon ("imagem viva de Amon").

4 – Tutancâmon foi, provavelmente, o produto de incesto
Em 2010, pesquisadores que realizaram análises de DNA nos restos mortais do faraó Tutancâmon e de seus parentes, fizeram um anúncio chocante. O rei menino, acreditavam eles, era o produto do incesto entre o faraó Aquenáton e uma de suas irmãs. A endogamia era galopante entre os membros da realeza egípcia, que se viam como descendentes dos deuses e desejavam manter a pureza das linhagens. Os peritos afirmam que essa tendência contribuiu para a maior incidência de defeitos congênitos, tais como fenda palatina os pés tortos, entre os antigos governantes egípcios. Tutancâmon também acabaria por casar-se com a filha de seu pai,  sua meia-irmã  Anchesenamon.


5 – Tutancâmon não foi sepultado sozinho
restauro-tutank
Zahi Hawass, supervisor de antiguidades do Egito, coordena a remoção de Tutancâmon do seu sarcófago

Aventurando-se mais no túmulo de Tutancâmon, Carter descobriu uma sala de tesouro repleto de objetos funerários inestimáveis, incluindo estátuas de ouro, joias rituais, pequenos barcos que representam a viagem para o submundo e um santuário para os órgãos embalsamados do faraó. A câmara também guardava dois sarcófagos em miniatura com fetos dentro deles. Testes recentes de DNA sugerem que uma das múmias é a da filha natimorta de Tutancâmon e que a outra, provavelmente também era de seu filho. Especialistas acreditam que Tutancâmon não deixou herdeiros vivos, talvez porque ele e Anchesenamon só podiam conceber filhos com doenças congênitas fatais.


6 – Três milênios depois de sua morte, o outrora desconhecido Tutancâmon tornou-se um mito de popularidade
Durante vários anos seguintes à descoberta de Carter, nenhum governante, vivo ou morto, era mais popular do que o faraó menino do Egito. Anteriormente uma nota menor no tomo da história egípcia, Tutancâmon tomou o mundo de assalto. Mulheres usavam braceletes de serpentes e vestidos  inspirados na icônica máscara funerária do faraó; múmias assombravam as telas dos cinemas; dançarinas no Folies Bergère, em Paris, executavam coreografias de temática baseada em Tutancâmon. A "Tutmania", como o movimento ficou conhecido, voltou a varrer os Estados Unidos quando uma coleção de objetos do túmulo do faraó percorreu o país de 1977 a 1979. A mania chegou a tal ponto febril que o comediante Steve Martin a ridicularizou em sua canção de 1978 chamada "King Tut" [ veja o vídeo – link patrocinado ].

O mistério da morte de Cleópatra

Cleópatra Thea Filopator, mais conhecida como apenas Cleópatra, é certamente, uma das figuras mais célebres da Antiguidade Clássica e, em geral, de toda a história. Essa personagem cativou a imaginação de milhões de pessoas em todas as épocas, tanto pela aura exótica que acompanhou a sua figura como rainha do Egito, bem como pelo seu relacionamento com Júlio César e Marco Antônio.

Essa fascinação com a última governante do período helenístico da terra dos faraós, se reflete também no mundo da artes, sendo Cleópatra retratada em muitas pinturas e esculturas. Uma das obras mais marcantes está preservada no Louvre, e é o trabalho de um seguidor misterioso de Leonardo da Vinci, um discípulo que os historiadores chamam de Giampietrino.
cleopatragennari
Detalhe de 'A Morte de Cleópatra' por Benedetto Gennari | Crédito: Wikipédia.
Apesar dos poucos dados disponíveis sobre sua pessoa, agora os especialistas acreditam ter identificado este artista como sendo o pintor Giovanni Pietro Rizzoli, um lombardo cujas obras mostram a influência inconfundível do gênio florentino. No entanto, ao longo de décadas, a verdadeira identidade do artista permaneceu um enigma indecifrável para os pesquisadores.

Aparentemente, a pintura que ele fez com Cleópatra como protagonista, e que agora descansa nos fundos do Museu de Paris, foi feita em 1538, curiosamente, ela também retrata um episódio envolto em mistérios.

A cena captada por Giampietrino não é outra senão a do suicídio de Cleópatra, um evento que  tem sido objeto de controvérsia nos textos históricos que falam sobre a morte da sedutora representante da dinastia ptolemaica.
cleopatra_giampietrino
'A Morte de Cleópatra' por Giampietrino | Crédito:. Wikipédia
Fontes romanas nos contam que a rainha egípcia se suicidou quando ela percebeu as intenções de Augusto de levá-la como prisioneira para Roma. De acordo com Estrabão, autor do texto mais antigo sobre o assunto, na época circulavam duas versões: a primeira alegava que Cleópatra tinha se untado com uma unguento tóxico; a segunda, dizia que ela morreu por causa do veneno de uma cobra egípcia que lhe mordera um peito.

No entanto, apenas alguns anos mais tarde, já circulavam diferentes versões do acontecido: por exemplo, dez anos após o desaparecimento de Cleópatra, poetas romanos falavam que foram duas víboras, e não apenas uma, as responsáveis por dar fim à vida da rainha egípcia.

As  versões só aumentaram com o passar dos tempos, sendo que muitos autores descartaram a versão das cobras, defendendo em vez dela,  a de que foi Augusto quem matou Cleópatra. Mais recentemente, no entanto, historiadores como o alemão Christoph Schaeffer sugerem que, possivelmente, a rainha do Nilo foi envenenada tomando uma bebida feita da mistura de plantas tóxicas.
cleopatramakart
'A Morte de Cleópatra' por Hans Makart | Crédito: Wikipédia.
Seja como for, ao analisarmos as várias representações artísticas que foram feitas do fato ao longo da história, não há dúvida de que a hipótese que mais cativou os artistas foi a da serpente. Precisamente a usada por Giampetrino em sua pintura.

Além do seguidor de Leonardo da Vinci, muitos outros artistas se deixaram seduzir pela inquietante imagem de uma Cleópatra dando fim a existência por meio da mordida de uma víbora em um dos seios. Entre eles, por exemplo, se destacam as pinturas dos italianos Guido Reni e Benedetto Genari e a do historicista austríaco Hans Makart.


kid-bentinho.blogspot.com.br