AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 8 de agosto de 2014

AGORAM VEJAM A INTELIGÊNCIA DESTE BICHINHO !

OS PERIGOSOS JOGOS DE GUERRA DE OBAMA - "Bastaria que a quase totalidade das transações de petróleo deixassem de ser realizadas em dólares para que a moeda americana se afundasse estrondosamente.

Os perigosos jogos de guerra de Obama

Os perigosos jogos de guerra de Obama
Nota dos Editores de ODiário.info
"Bastaria que a quase totalidade das transações de petróleo deixassem de ser realizadas em dólares para que a moeda americana se afundasse estrondosamente. As conclusões da cimeira dos BRICS em Fortaleza tiveram o peso de uma séria advertência a Washington. A Rússia é hoje um país capitalista, mas os seus interesses nacionais são incompatíveis com os do imperialismo estado-unidense. 
Obama está consciente disso e sabe que as emissões contínuas de um dólar desacreditado não podem prosseguir indefinidamente.

Daí a estratégia das criminosas guerra de saque, desencadeadas em nome da defesa da democracia e das liberdades, mas cujo objetivo é a permanência da hegemonia imperial norte-americana sobre o planeta.
O balanço dessas agressões tem sido desastroso para os EUA. Mas a atual campanha contra a Rússia demonstra que Washington não soube extrair as lições dos acontecimentos do Iraque, do Afeganistão e da Líbia e da renúncia, por ora, a um ataque ao Irão.
Obama apoia a agressão genocida do estado terrorista de Israel contra o povo da Gaza (quase 2000 palestinos mortos), mas derrama lágrimas pelos fascistas ucranianos caídos nos combates contra os adversários do governo de Kiev."
Nas últimas semanas, a campanha dos EUA contra a Rússia intensificou-se. As sanções que atingem aquele país, a pretexto da situação existente na Ucrânia, geraram uma atmosfera de guerra fria.
A histeria de Washington, patente na agressiva oratória de Barack Obama, deforma grosseiramente a realidade.
A acusação de que as forças do leste ucraniano derrubaram o avião da Malaysia Airlines foi forjada; tudo indica que é falsa. Peritos militares de diferentes nacionalidades afirmam que o aparelho foi abatido por um caça da força aérea de Kiev.
As recentes sanções financeiras impostas pela Comissão Europeia resultaram da insistente pressão dos EUA. A resposta de Moscovo foi imediata, proibindo a importação de produtos alimentares de países que aprovaram essas sanções.
O presidente Putin sublinhou com razão que a União Europeia precisa hoje mais da Rússia do que o inverso. Tem uma dependência acentuada do gás e do petróleo russos e dificilmente poderia encontrar alternativa para essas importações se Moscovo fechasse o seu fornecimento. A UE depende em mais de 50% da importação da energia que consome; 85% do petróleo, 67% do gás e 41% do carvão que consome são importados. Ora a Rússia é a primeira fornecedora de todos eles (35% e 30% do petróleo e do gás, e 26% do carvão importados).
Em Portugal, os media, controlados pelo grande capital têm ocultado que a crise económico-financeira norte -americana é mais profunda do que a europeia, aliás desencadeada a partir dos EUA.
Como o diplomata indiano Bhadrakumar esclareceu (odiario.info 7.8.14) essa crise mergulha as raízes na fragilidade crescente do dólar.
Bastaria que a quase totalidade das transações de petróleo deixassem de ser realizadas em dólares para que a moeda americana se afundasse estrondosamente. As conclusões da cimeira dos BRICS em Fortaleza tiveram o peso de uma séria advertência a Washington. A Rússia é hoje um país capitalista, mas os seus interesses nacionais são incompatíveis com os do imperialismo estado-unidense.
Obama está consciente disso e sabe que as emissões contínuas de um dólar desacreditado não podem prosseguir indefinidamente.
Daí a estratégia das criminosas guerra de saque, desencadeadas em nome da defesa da democracia e das liberdades, mas cujo objetivo é a permanência da hegemonia imperial norte-americana sobre o planeta.
O balanço dessas agressões tem sido desastroso para os EUA. Mas a atual campanha contra a Rússia demonstra que Washington não soube extrair as lições dos acontecimentos do Iraque, do Afeganistão e da Líbia e da renúncia, por ora, a um ataque ao Irão.
Obama apoia a agressão genocida do estado terrorista de Israel contra o povo da Gaza (quase 2000 palestinos mortos), mas derrama lágrimas pelos fascistas ucranianos caídos nos combates contra os adversários do governo de Kiev.
A concentração de poderosas forças aéreas, marítimas e terrestres dos EUA e da NATO nas fronteiras da Rússia, do Báltico ao Mar Negro, levou alguns observadores e influentes media ocidentais a admitir a iminência de uma guerra contra a Rússia.
Uma tal tragédia é, porém, muito improvável.
O próprio secretário-geral da NATO, o ultra conservador Rasmussen, reconhece que a organização não está preparada para uma guerra convencional de grandes proporções nos espaços russos. Idêntica é a opinião de influentes chefes militares do Pentágono.
Quanto ao recurso a armas nucleares – tema que suscita especulações - parece hipótese remota porque configuraria uma ameaça à própria sobrevivência da humanidade.
No tocante à estratégia belicista de Obama, pode-se afirmar que o tiro está a sair pela culatra.
Enquanto a sua popularidade cai para um nível muito baixo, a de Putin sobe. A esmagadora maioria do povo russo apoia a política que adotou na crise ucraniana e nas relações com os EUA e a União Europeia. Significa essa reconquista da popularidade que a política que praticou no exercício do poder foi globalmente positiva? Não. Putin deve a sua ascensão à Presidência a Ieltsin, e foi então cúmplice da estratégia criminosa da restauração do capitalismo na Rússia.
Porém a inteligência e a paciência diplomática do atual governo russo tem evitado o pior e, a pouco-e-pouco, vai expondo os sinistros objectivos hegemónicos e agressivos dos EUA e seus aliados.
OS EDITORES DE O DIÁRIO.INFO

Querem ser putas do Tio Sam? Pois paguem!

Querem ser putas do Tio Sam? Pois paguem!


● — A Rússia está proibindo, por 12 meses, todas as importações de carne de boi, de porco, frutas e legumes, carne de frango, pescado, queijos e laticínios em geral, da União Europeia, dos EUA, da Austrália, do Canadá e do Reino da Noruega, para a Rússia.
● — A Rússia também fechou o espaço aéreo para linhas europeias e norte-americanas que sobrevoem [seu] espaço aéreo para o leste da Ásia, a saber, a Região do Pacífico Asiático, e está considerando mudar os pontos chamados de entrada e saída do espaço aéreo russo, para voos europeus, agendados e charter.
Além disso, a Rússia está preparada para modificar as regras de uso das rotas transiberianas e interromperá conversações com autoridades aéreas dos EUA sobre o uso das rotas transiberianas. Finalmente, a começar nesse inverno, podemos revogar direitos adicionais concedidos por autoridades aéreas russas além de acordos prévios.
EUA e União Europeia vs export/import Rússia
É desenvolvimento interessante e importante, que exige análise muito mais sutil que o cálculo estreito do quanto pode custar aos EUA ou à União Europeia. Em vez de tentar cálculo desse tipo, destacarei os seguintes elementos:
Primeiro, é resposta tipicamente russa. Há uma regra básica que todas as crianças russas aprendem na escola, em brigas de rua, no exército e por toda parte: nunca ameace e nunca prometa; aja. Diferente dos políticos ocidentais que passaram meses ameaçando sanções, os russos limitaram-se a dizer vagamente que se reservavam o direito de responder. Então, BANG! Aí está embargo amplo e de grande alcance, o qual, diferente das sanções ocidentais, terá forte impacto no ocidente, mas ainda maior na própria Rússia (mais sobre isso, adiante).
Essa tática de “palavras zero & só ação” é concebida para maximizar a contenção de atos hostis: uma vez que os russos nunca anunciaram antes o que poderiam fazer como retaliação, só Deus sabe o que podem fazer agora, na sequência! :-)
Segundo, as sanções escolheram a dedo os próprios alvos. Os europeus têm agido como prostitutas sem cérebro nem autorrespeito em todo esse assunto; sempre se opuseram às sanções, desde o primeiro momento, mas não tiveram coragem de fazer-saber ao Tio Sam. Por isso, acabaram tendo de render-se total e vergonhosamente. A mensagem dos russos é simples: “Querem ser putas do Tio Sam? Pois paguem o preço!” Esse embargo ferirá especialmente o sul da Europa (Espanha, França, Itália, Grécia) cuja produção agrícola sofrerá muito. São também os países mais fracos na União Europeia. Ao atingi-los, a Rússia está maximizando a inevitável fricção dentro da União Europeia em torno das sanções contra a Rússia.
Terceiro, não é só que as empresas de aviação da União Europeia sofrerão com custos mais altos e tempos de voo mais longos nas importantíssimas rotas da Europa à Ásia: as empresas de aviação asiáticas nada sofrerão, o que assegura às segundas dupla vantagem competitiva. Que tal esse arranjo, para castigar um dos lados e recompensar o outro? A União Europeia criou problemas para uma empresa aérea russa (Dobrolet), por causa de seus voos para a Crimeia, e por isso toda a comunidade das empresas aéreas da União Europeia pagará o preço de tremenda desvantagem em relação às suas contrapartes asiáticas.

Vai desfazer nossa amizade no Facebook?
Quarto, a Rússia usou essas sanções para fazer uma coisa vital para a economia russa. Explico-me: depois do colapso da URSS, a agricultura russa permaneceu em completo desarranjo, e Yeltsin só fez piorar tudo. Os agricultores russos simplesmente não podiam competir contra avançadas empresas de agroindústria, que se beneficiam de grande economia de escala, de pesquisa química e biológica de alta (e caríssima) tecnologia, que controlam toda a cadeia de produção (quase sempre coligadas em imensas empresas holdings) e têm alta capacidade paramarketing e qualidade. O setor agrícola russo precisava muito, precisava desesperadamente, de barreiras e tarifas que o protejam contra as gigantes capitalistas ocidentais; mas, em vez disso, a Rússia só fez ordenar-se voluntariamente pelos padrões da OMC; até se tornou membro. Agora, a Rússia está usando esse embargo total para dar à agricultura russa um tempo crucialmente necessário para investir e alcançar fatia muito maior do mercado russo.
Não esqueçam que os produtos russos são LIVRES DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS; [20/5/2014, “Rússia prendeu o demônio Monsanto de volta na garrafa”, F. William Engdahl, Global Research, Canadá (em inglês)] que usam muito menos conservantes, antibióticos, corantes, intensificadores de sabor e pesticidas. E, dado que são produção local, não exigem que se usem técnicas desse tipo de refrigeração/preservação que, como todos sabem, fazem todos os produtos ficar com gosto de caixa de papelão. Em outras palavras, os produtos agrícolas russos têm muito melhor sabor e qualidade – o que, como se sabe, não basta para fazer um campeão de mercado. Esse embargo servirá como impulso poderoso para investir, desenvolver, e alcançar melhores fatias de mercado.
Quinto, há 100 países que não votaram com os EUA na questão da Crimeia. Os russos já anunciaram que esses são os países com os quais a Rússia comerciará para obter produtos que não se possam produzir indigenamente. Boa recompensa a quem se levanta contra o Tio Sam.
Sexto, é pouquinho, mas é doce: vocês perceberam que as sanções da União Europeia foram impostas só por três meses e “para posterior revisão”? Ao impor embargo por 12 meses, a Rússia também envia mensagem bem clara: “E agora?! Quem vocês acham que se beneficiará da confusão que vocês armaram?”.
Sétimo, é absolutamente errado calcular que o país X da UE exportava Y milhões de dólares à Rússia, e daí concluir que o embargo russo custará Y milhões de dólares ao país X da UE. Por que está errado? Porque a não venda desse produto criará um excedente que afetará adversamente a demanda ou, se a produção cair, afetará os custos de produção (economias de escala). Na direção inversa, para um hipotético país não-UE Z, um contrato com a Rússia pode significar dinheiro suficiente para investir, modernizar-se e tornar-se mais competitivo, não só na Rússia, mas nos mercados mundiais, inclusive na UE.

Sanções!
Oitavo, os países bálticos desempenharam papel particularmente daninho em todo o caso da Ucrânia, e agora algumas de suas indústrias mais lucrativas (por exemplo, de pescado), que eram 90% dependentes da Rússia, terão de fechar. Aqueles países já estão em terrível confusão, mas agora a coisa piorará muito. Mais uma vez, a mensagem bem simples: “Querem ser putas do Tio Sam? Pois paguem!”
Nono, e esse é tópico realmente importante: o que está acontecendo é que a Rússia vai gradualmente se separando das economias ocidentais. O ocidente rompeu alguns laços financeiros, militares e aeroespaciais; a Rússia rompeu os laços monetários, agrícolas e industriais. Não esqueçam nem por um instante que o mercado EUA/UE é mercado em processo de naufrágio, afetado por profundos problemas sistêmicos e questões sociais gigantescas. Em certo sentido, a comparação perfeita ainda é o Titanic, com a orquestra tocando enquanto o navio afundava. A Rússia é como um passageiro que, naquele momento, recebeu a notícia de que as autoridades do Titanic não o consideravam bem-vindo a bordo e o desembarcariam no próximo porto. Quer dizer... Mas... Que diabo de ameaça é essa?!
Décimo e último, mas de modo algum menos importante, essa guerra comercial, combinada à russofobia histérica do ocidente, está oferecendo a Putin a melhor campanha de Relações Públicas com que o Kremlin poderia sonhar. A propaganda na Rússia só tem de dizer à população a mais absoluta verdade:
Os russos fizemos tudo certo; fizemos tudo conforme o manual deles; fizemos todo o possível para desescalar essa crise; e, em troca, a única coisa que pedimos foi que, por favor, façam parar o genocídio do nosso povo na Novorrússia... E o que fez o Ocidente? Como respondeu? Com uma campanha insana de ódio, com sanções contra nós e com apoio total aos nazistas genocidas em Kiev.
Relógio - por Josetxo Ezcurra
Além disso, como quem acompanha atenta e cuidadosamente a imprensa-empresa russa, posso dizer a vocês que o que está acontecendo hoje parece muito com coisa já conhecida. Parafraseando Clausewitz, pode-se dizer que o que estamos vendo hoje é “uma continuação da IIª Guerra Mundial, mas por outros meios”. Em outras palavras, uma luta a ser combatida até o fim, entre dois regimes, duas civilizações que não podem conviver no mesmo planeta e que estão atadas uma à outra, em luta de vida e morte. Nessas circunstâncias, o apoio do povo russo ao presidente Putin só fará aumentar ainda mais.
Em outras palavras: em movimento que os judocas conhecem bem, Putin usou a fúria da campanha ocidental anti-Rússia e anti-Putin, mas contra o ocidente e a favor da Rússia e de Putin: a Rússia beneficiar-se-á de tudo isso, economicamente e politicamente. Longe de ser ameaçada por algum tipo de “Maidan nacionalista” no próximo inverno, o regime de Putin será fortalecido pelo modo como gerenciou a crise (os índices de aprovação popular de Putin estão ainda mais altos que antes).
Sim, claro, os EUA já mostraram que têm vasto conjunto de capacidades para ferir a Rússia, sobretudo mediante um sistema de cortes e tribunais de justiça (nos EUA e na UE) que é tão subserviente ao estado profundo dos EUA, quanto as cortes e os tribunais da Coreia do Norte são subservientes ao “Amado Líder” deles, em Piongueangue. E a perda total do mercado ucraniano (de importações e de exportações) também ferirá a Rússia. Temporariamente. No longo prazo, toda essa situação é imensamente proveitosa para a Rússia.
Entrementes, Maidan está novamente em fogo, Andriy Parubiy renunciou, e os Ukies não param de bombardear hospitais e igrejas na Novorrússia. Sem novidades, pois.
Liberdade de movimento na União Europeia
Quanto à Europa, amanheceu furiosamente bombardeada e em choque. Francamente, nessa manhã, minha feia capacidade para sentir prazer ante a desgraça de alguns parece não ter limites. Que aquelas arrogantes não entidades do tipo de Van Rompuy, Catherine Ashton, Angela Merkel ou José Manuel Barroso se afoguem na tempestade de merda que a estupidez deles, a falta de vergonha, de coragem, de espinha dorsal dessa gente, criou.
Nos EUA, Jen Psaki parece viver sob a impressão de que a região de Astrakhan mudou-se durante a noite para a fronteira da Ucrânia, enquanto o Ministério de Defesa da Rússia anuncia que:
(...) abrirá contas especiais nas redes sociais e redes abertas de distribuição de vídeos e filmes, para conseguir fazer chegar ao Departamento de Estado dos EUA e ao Pentágono informação prestável, não errada, sobre as ações do exército russo.
Será que, tudo isso posto, os líderes da UE conseguirão entender que puseram seu dinheiro no cavalo errado?


A punição das Francesas que colaboraram com os nazistas

No final, da Segunda Guerra Mundial, milhares de cidadãos Franceses acusados ​​de Colaboração com a Alemanha nazista, sofreram hum ato particularmente humilhante de Vingança: tiveram como Cabeça raspadas em público. 
Mulheres Que colaboraram com OS nazistas, tiveram hum castigo Vergonhoso apos a Libertação da França. Uma Mulher da FOTOGRAFIA Acima, Que se acredita ter Sido UMA prostituta atendia OS Ocupantes Alemães, TEVE UMA Cabeça raspada POR Civis Franceses, o Objetivo era marca-la publicamente . Esta foto foi Tirada em Montelimar, França, EM 29 de agosto de 1944.

Vinte mil Francesas foram punidas 


A Nitido tom punição, de machista, Aplicada FOI SEM UM Acusação formal, Provas e Julgamento, O Que imperava absoluto era o Desejo de Vingança, Algo Que Semper obscurece o senso de Justiça.

Desfilam'com Duas Mulheres ", como Cabeças rapadaso, Uma delas TEM desenhada na testa UMA suástica nazista


Quase TODAS Como punidas Mulheres, foram acusadas de manterem Relações sexuais com OS soldados Alemães


"Tapas e cusparadas choviam SOBRE TÃO infelizes Mulheres"

Vídeos VEJA








Octopus Houdini

Ministra britânica demite-se em protesto contra apoio de Londres a Israel

Ministra britânica demite-se em protesto contra apoio de Londres a Israel  

Ministra britânica demite-se em protesto contra apoio de Londres a Israel
A ministra britânica para a Commonwealth e para a Fé e as Comunidades, Baronesa Warsi, demitiu-se esta terça-feira do Governo de David Cameron considerando “imoral” a política de Londres em relação ao conflito em Gaza.
“Com grande pesar, escrevi esta manhã ao primeiro-ministro e apresentei a minha demissão. Não consigo mais apoiar a posição do Governo em relação a Gaza”, escreveu na rede social Twitter.
Na carta de demissão, acrescentou que a posição inglesa era “moralmente indefensável, contrária ao interesse britânico e danosa a longo prazo para a reputação doméstica e internacional do Governo”.
Warsi, uma destacada dirigente do Partido Conservador, tornou-se em 2012 a primeira mulher muçulmana a integrar um Governo inglês. Era considerada muito próxima do primeiro-ministro.
A crise em Gaza tem provocado divisões no Governo de David Cameron, com o líder do partido parceiro de coligação dos conservadores, os Liberais Democratas de Nick Clegg, a admitir que “não é segredo” a existência de opiniões diferentes sobre o assunto no seio do Executivo.
Londres é uma das principais aliadas de Telavive.
Desde 8 de Julho, a violência no Médio Oriente já matou cerca de 1.800 palestinianos – a maioria civis – e 67 israelitas. O estado hebraico tem sido especialmente criticado por bombardear alvos civis, nomeadamente escolas das Nações Unidas que serviam de abrigo a refugiados. Grande parte das vítimas palestinianas são crianças.