AVISO

O administrador deste blogue não é responsável pelas opiniões veiculadas por terceiros, nem a sua publicação quer dizer que delas partilhe, apenas as publica como reflexo da sociedade em que se inserem, dando-lhes visibilidade, mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia de situações menos claras do ponto de vista ético.

Atenção este blog tem tradutor se quiser traduzir clique com o botão direito do rato ou procure o tradutor no fim da publicação e clique onde diz traduzir para português ou outro idioma.


segunda-feira, 30 de junho de 2014

EVOLUÇÃO DOS CONCEITOS - CULTURA POPULAR/CULTURA ERUDITA

Artes

As abordagens sociológicas da cultura frequentemente enfermam de preconceitos elitistas, nomeadamente quando identificam a "cultura de massas" como a perversão da própria cultura. Hoje o problema centra-se em volta da questão da diversão. Durante séculos ela foi encarada como uma das componentes da cultura, mas hoje está transformada na expressão mais difundida do seu conteúdo.
1. Cultura Erudita/Cultura Popular
A maioria dos historiadores actuais continua a estabelecer a partir do século XVI uma distinção entre "cultura erudita" e "cultura popular". Em relação ao período anterior esta distinção parece não ter existido. Terá havido um grande  circulação de ideias entre as várias formas de expressão cultural, o que esbateria as suas fronteiras. O século XVI funciona como uma data de referência para assinalar o momento a partir do qual se reconhece que distinção entre grupos sociais se traduz também de forma nítida em termos de gostos e consumos culturais.
2. A Cultura Popular
O conceito de cultura popular é contudo recente, está intimamente associado ao processo de urbanização que ocorre a partir do século XVIII, e ao despertar uma outra forma de cultura- a cultura de massas. A cultura popular, divulgada pelo romantismo, ocupará no imaginário da burguesia oitocentista as memórias de uma sociedade que estava a desaparecer. Neste imaginário aparece retratada uma cultura feita por camponeses. Símbolo de um povo idealizado, puro e feliz na sua ignorância. Trata-se de uma imagem que é a antítese das massas de operários e pobres que se arrastam pelas cidades em vias de industrialização.
A imagem deste "povo"- actor desta cultura, identifica-se aos olhos dos românticos com o espírito nacional. Os seus usos, costumes, romances, cantares dão origem a um conceito novo de "Folclore", expressão deste saber ancestral preservado pelo povo.
A cultura popular surge frequentemente decomposta nas suas múltiplas manifestações, como sejam: a arte, o teatro, o folclore, a música, arquitectura, as festas e romarias, a culinária, a poesia, os jogos, os divertimentos. Uma panóplia de saberes pré-industrais.
O conceito de cultura popular apesar de persistir, revela-se hoje profundamente limitativo para descrever a própria realidade social dos campos. As comunidades rurais estão impregnadas de valores próprios da cultura de massas, sem no entanto terem abandonado por completo as suas referências culturais. Constituem já uma cultura intermédia em fase de rápida integração na cultura de massas.
2. A Cultura Erudita
Por oposição ao conceito de arte popular, a partir do século XVI ter-se-á consolidado uma cultura erudita, alta cultura ou cultura cultivada, própria dos grupos sociais dominantes.
O traço mais importante desta cultura devia-se ao facto dos grupos dominantes serem os mecenas e os principais compradores das obras produzidas pelas elites dos criadores culturais.
A situação começou a ser rapidamente alterada após a segunda guerra mundial. As diferenças na fruição das artes passaram a ser feitas em função de grupos culturais, que não coincidem necessariamente com grupos sociais.
Nunca como antes foi tão evidente a importância dos críticos, historiadores de arte, curadores e outros públicos especializados na selecção dos criadores de vanguarda como a influenciarem a compra das suas obras pelos grupos sociais dominantes ou pelas instituições públicas
A explicação para este divórcio entre os grupos dominantes e os artistas de vanguarda, teremos que a procurar na natureza hermética das propostas estéticas das novas correntes artísticas.
2.1. Trocas
Entre o século XVI e o século XVIII predominou a concepção de que a cultura, funcionava de forma descendente, isto é, das elites para o povo. Apesar do aparente isolamento entre o povo e a nobreza, as trocas eram frequentes em sentido inverso. Alguns grupos intermediários, como os artesãos, actores, músicos, cantores, o baixo clero e os serviçais, como as amas, terão contribuído para este movimento ascende da cultura.
3. A cultura de Massas
O desenvolvimento da urbanização desenraizou as populações rurais das suas formas culturais identitárias. Nas grandes cidades estas populações forçadas a conviverem para sobreviverem começaram a construir novas formas de expressão cultural.
Nos países industrializados, o aumento da produção, dos tempos livres e dos rendimentos familiares traduziu-se num consumo em larga escala, nomeadamente de produtos culturais. No século XX assistiu-se ao nascimento de uma das mais importantes industrias, a industria cultural.
3.1. O problema ideológico
A cultura de massas, é frequentemente apontada como um subproduto da cultura dominante. Tese fundamental das correntes marxistas. Esta tese  tem sido objecto de contínuas revisões, destacando-se autores como  Pierre Bourdieu ou Michel de Certeau .
Em tudo o caso, a dimensão global da cultura de massas está ainda pouco estudada.
3.2. Vertentes
A maioria dos estudos sobre a cultura de massas tende a apontar algumas vertentes como indissociáveis da cultura de massas: a tecnologia, a comunicação de massas, a densificação das imagens, a sociedade espectáculo, a diversão, o primado dos gostos massificados e ultimamente a globalização.
3.2.1. Tecnologia
Desde o século XIX, que a cultura de massas está intimamente ligada ao progresso tecnológico que permitiu:
 a)Embaratecer o preço dos produtos democratizando o seu consumo.
 b) Desenvolver as tecnologias de reprodução e comunicação, possibilitando desta forma criar meios adequados à expansão de uma cultura de massas, como a difusão da imprensa, a rádio, o cinema, a industria discográfica e a televisão. 
Entre as características que costumam ser associadas à cultura de massas destacam-se a padronização, o conservadorismo estético e a manipulação de bens de consumo através da publicidade.
3.2.2. Comunicação de massas
A comunicação de massas constituiu a expressão mais visível da cultura de massas. A imprensa, o cartaz, a publicidade e a propaganda, a banda desenhada, a rádio, o cinema e a televisão fazem parte dessa panóplia dos seus meios.
3.2.3. Primado da gostos massificados
Tocqueville,  início do século XIX, analisando a sociedade americana constatava que na mesma ocorria um processo de nivelamento cultural por baixo. Imitava-se tudo o que hábeis artesãos produziam, mas secundarizava-se a perfeição dos produtos. O objectivo dos produtores era tão somente o de reduzir os custos destes produtos de forma a torná-los acessíveis a largas massas de consumidores. Estas imitações baratas destinavam-se a consumidores com reduzidos recursos económicos e de baixa formação cultural. As elites culturais criticavam então estas opções económicas, afirmando que as mesmas estavam a gerar uma sociedade de cretinos com gostos aberrantes. Neste capítulo as críticas continuam a ser mas mesmas.
Os novos produtos culturais passaram a utilizar um estilo novo para veicularem a informação e proporcionarem o entretenimento: insistiam em acontecimentos e emoções cada vez mais chocantes e com conteúdos demasiado elementares. Em vez de se elevar a capacidade de  entendimento do público, afirmavam os críticos anteriores, estava-se a rebaixar as suas capacidades intelectuais. Neste capítulo as críticas continuam também a ser as mesmas. 
3.2.4. Densificação das imagens
A cultura de massas é frequentemente associada a uma cultura de imagens. As imagens perderam o seu estatuto de raridade e banalizaram-se, vulgarizando tudo. A avalanche de discursos e as imagens que circulam no espaço público tornam as coisas, os objectos, os acontecimentos e as pessoas in-significantes devido ao excesso de sentidos que provocam (Henry-Pierre Jeudy).
3.2.5. A sociedade espectáculo
Num texto que marcou uma época Guy Debord começava por afirmar: "Toda a vida das sociedades nas quais reinam as condições modernas de produção anuncia-se como uma imensa acumulação de espectáculos. Tudo o que era directamente vivido, afastou-se numa representação." A sociedade da massas, acabou também por esvaziar o conteúdo do espectáculo, gerando um simulacro de espectáculo.  Os actores tornaram-se simulacros de actores, os textos simulacros de textos,etc (Jean Baudrillard). O Vazio instalou-se nas nossas sociedades. O discurso é conhecido.
3.2.6. Diversão
A diversão é frequentemente a principal caracterítica positiva associada à cultura de massas. Ela cumpre uma função social importante num quotidiano que se afirma ser insuportável. Funciona como um escape, uma libertação de energias e recalcamentos.
O homem contemporâneo costuma chegar à conclusão de que a sua vida foi esvaziada de significado, trivializada. Ele sente-se alheado dos eu passado, do seu trabalho, da sua comunidade e , possivelmente, de si mesmo - embora o seu "eu" seja difícil de localizar. Ao mesmo tempo, tem nas suas mãos uma dose sem precedentes de tempo, que, como assinalou Van Den Haag, precisa matar para não ser morto por ele. A sociedade detesta o vácuo, e procura preenchê-lo rapidamente através da diversão. O vazio de ideias e sentido ameaça, por dentro, o homem moderno.
É por isso que a diversão ter-se-ía, mais do que em qualquer outra época histórica, tornado um instrumento de poder fundamental de "entorpecimento das massas". 
3.3. Críticas
As elites culturais desde o século XIX que de forma sistemática tem vindo a denunciar a cultura de massas, como a responsável pela difusão de uma cultura de idiotas.
Escritores, filósofos e sociólogos como Tocqueville, Flaubert, Eça de Queirós, Ortega y Gasset,  Orson Welles, Huxley, Jean Braudrillard, Umberto Eco e tantos outros, produziram obras onde denunciam os malefícios desta cultura de multidões. Uma das ideias mais frequentemente difundidas é que a humanidade estaria a caminhar para uma incultura generalizada, malgrado todos os progressos tecnológicos.
3.3.1. Os Divertimentos mais populares do passado
A brutalização da cultura contemporânea não tem qualquer justificação histórica. Alguns historiadores tem posto em relevo que a maioria dos divertimentos anteriores ao século XIX primavam pela brutalidade, a cultura erudita foi sempre minoritária e apenas apreciada por uma elite entre as elites sociais.
Três exemplos:
 Em Inglaterra, um dos divertimentos mais populares até ao século XIX, foi o açulamento de cães contra ursos acorrentados.
 Em Portugal e Espanha a toiradas de morte ou as execuções públicas.
Em toda a Europa os espectáculos de ópera, teatro ou dança estavam longe de terem espectadores particularmente atentos.
3.3.2. As elites culturais/elites mediáticas
O progressivo impacto da cultura de massas alterou o estatuto dos criadores culturais. 
A cultura cultura de massas não é produto de simples artesãos que trabalham para para satisfazer pessoas que conheciam as necessidades e os hábitos de vida. É, pelo contrário, produto de técnicos e artistas formados em escolas de artes que concebem produtos destinados a explorar os desejos de consumidores anónimos por empresas industriais. Neste aspecto, esta forma de cultura distingue-se claramente das restantes.
O impacto da comunicação de massas alterou também a relação do público com as elites. As capacidades de um criador ou um artista passaram a ser valorizadas em  função da sua projecção mediática. Actualmente futubolistas, cantores, apresentadores de televisão, etc. são chamados a comentar acontecimentos ou eventos culturais, para os quais não tem qualquer conhecimento especifico.  A importância do que afirmam não decorre da sua competência técnica ou científica na matéria em causa, mas tão só, do facto de serem reconhecidos por vastas audiências. Entre os artistas plásticos, passou a existir um novo tipo artista: aquele cuja projecção da obra resultou de uma eficiente gestão da sua promoção no circuito internacional.
A principal ameaça que a cultura de massas representa para a cultura de vanguarda decorre do seu predomínio avassalador.  Corremos o risco de todos os criadores serem absorvidos pela sua infernal lógica produtiva. A cultura de massas pode transformar todos os criadores em simples produtores de objectos para o grande consumo.
Carlos Fontes

Ku Klux Klan: Cavaleiros das trevas - Conheça um dos grupos mais macabros que existiram nos EUA

Ku Klux Klan: Cavaleiros das trevas

  • Conheça um dos grupos mais macabros que existiram nos EUA

Criada para intimidar os negros, a Ku Klux Klan cresceu e ampliou seu alvo: judeus, imigrantes, católicos. Mas como 6 homens vestidos de fantasma puderam espalhar tanto terror? Saiba por que essa encarnação do ódio nunca morre; apenas adormece.

Começou de repente. A calma de Colfax, na Louisiana, foi quebrada pelo som trovejante das armas de fogo. 

Na manhã de 13 de abril de 1873, uma milícia de 300 homens invadiu a cidadezinha. Todos eram brancos. Muitos estavam vestidos com capuz e túnica igualmente brancos. Logo eles cercaram os defensores da cidade, quase todos negros, dentro do pequeno tribunal local. Alguns dos sitiados tentaram escapar: foram perseguidos e apanhados pelos cães dos invasores. Esses foram os sortudos. Os que finalmente se renderam após a luta foram fuzilados sistematicamente ou jogados vivos aos aligátores dos pântanos da região.

Estima-se que o número de vítimas tenha ficado entre 100 e 300. O Massacre de Colfax oficialmente ocorreu por causa da disputa entre dois candidatos à prefeitura da cidade - um apoiado por brancos e outro por negros. Na verdade, o que transformou uma pequena intriga política em uma tragédia foi o ódio racial. O mesmo ódio responsável pela criação de uma das organizações mais terríveis de todos os tempos: a Ku Klux Klan, culpada pelas mortes em Colfax e por outras centenas de crimes. Ao longo de seus quase 150 anos de existência, a Klan mostrou ser parecida com a ave mitológica fênix, que renascia das próprias cinzas: diversas vezes considerada extinta, ela sempre conseguiu se reerguer com novos nomes, grupos e objetivos. 

"Esses ciclos sempre começaram em momentos de rápida mudança na sociedade americana", afirma Michael Newton, autor de The Ku Klux Klan: History, Organization, Language, Influence and Activities of America’s Most Notorious Secret Society ("A Ku Klux Klan: História, Organização, Linguagem, Influência e Atividades da Sociedade Secreta Mais Notória da América"), inédito no Brasil. Segundo ele, as tensões provocadas por mudanças sociais levam à busca de um bode expiatório. "A Klan sempre se aproveitou desse sentimento", diz. "É fácil culpar os negros ou outras minorias quando se perde o emprego ou sua loja vai à falência. Os nazistas fizeram o mesmo com os judeus, mas a Klan foi criada mais de 50 anos antes."

Tudo começou com um grupo de amigos entediados. Na véspera do Natal de 1865, 6 colegas resolveram criar um clubinho secreto na cidade de Pulaski, no Tennessee. A idéia era fazer brincadeiras, dar alguns sustos e se divertir com rituais de iniciação - como os trotes aplicados nas universidades. Eles resolveram batizar sua sociedade secreta com a palavra grega kuklos, que significa círculo - no caso, um pequeno círculo de amigos. Como todos tinham ascendência escocesa, também foi acrescentada ao nome a palavra klan, uma referência aos antigos clãs (famílias) da Escócia. Como resultado, a pequena confraria passou a ser designada como Ku Klux Klan. Ela também seria conhecida como KKK, ou simplesmente Klan. Uma das diversões dos rapazes era sair cavalgando à noite, cobertos por lençóis, para assustar os negros da região. Em poucas semanas, a Klan já impedia que os negros se encontrassem nas igrejas e invadia as casas de famílias negras para roubar suas armas. Mais alguns meses e as brincadeiras se transformaram em assassinatos, linchamentos, enforcamentos, estupros, castrações e incêndios criminosos. Nessa altura, a Klan já tinha centenas de membros e se espalhava cada vez mais rápido por todo o sul dos EUA.

Essa explosão de ódio contra os negros se explicava pela situação da região. Os EUA tinham acabado de sair da sangrenta Guerra de Secessão, em que a questão racial foi um dos fatores centrais. Os estados americanos do norte tentaram abolir a escravidão nos estados do sul, cuja economia era basicamente agrícola e dependente da mão-de-obra negra e escrava. Contrariados, os sulistas resolveram se separar do resto do país e formaram a Confederação Americana. O Norte não aceitou a decisão e foi à luta para garantir a unidade do país. A guerra durou de 1861 a 1865 e terminou com a derrota do Sul, que teve sua economia arrasada pelas batalhas e pelo fim da escravidão.

Para muita gente, fazia sentido culpar os negros pela ruína do Sul. "Quando os soldados do exército confederado derrotado voltaram para casa, encontraram a antiga sociedade sulista de pernas para o ar", diz o historiador Allen W. Trelease, da Universidade da Carolina do Norte. "Muitas das famílias tradicionais estavam arruinadas e seus antigos escravos eram agora seus iguais. A região virou um poço de descontentamento. Os próprios fundadores da Klan eram todos ex-soldados confederados." Essas condições fizeram com que também surgissem na região outros grupos semelhantes, como os Cavaleiros da Camélia Branca, a Irmandade Branca e a Liga Branca. O que os unia era o fato de seus integrantes serem brancos, sulistas e descontentes.Financiada por fazendeiros e pequenos comerciantes, a Klan começou a crescer.

Estima-se que a organização tenha chegado a reunir cerca de meio milhão de membros, chamados de klansmen, por volta de 1867. Foi aberta uma sede em Nashville e eleito seu primeiro líder oficial, que tinha o título de "grande mago". O escolhido foi Nathan Bedford Forrest, um famoso ex-general do exército confederado. Mas, na prática, ele tinha pouco controle sobre a organização: a Klan era um amontoado de grupos de radicais espalhados pelos estados do sul. Todos eram clandestinos; não tinham filiação oficial, taxas, jornais ou oradores. No entanto, o grande mago teve um papel fundamental para a Klan - ele definiu um rumo político para a organização.

Após a guerra civil, o Congresso americano criou a chamada Reconstrução, um programa de políticas destinadas a integrar os negros recém-libertos à sociedade sulista. Entre outras medidas, a Reconstrução dava aos negros o direito de votar, freqüentar escolas e portar armas. O objetivo número 1 da Klan era lutar contra a Reconstrução. E também contra seus simpatizantes: o principal era o Partido Republicano (o mesmo do ex-presidente americano George W. Bush). Em 1868, a Klan assassinou o congressista republicano James Hinds. Isso teve uma repercussão enorme, e colocou o governo dos EUA contra a Klan.
Em 1869, um júri federal classificou o grupo como "organização terrorista", e centenas de klansmen foram processados. Foi aprovada uma lei, conhecida como Civil Rights Act ("Ato dos Direitos Civis") ou Ku Klux Klan Act, para defender os negros.

E os crimes raciais passaram a ser julgados em tribunais federais, onde já havia vários juízes negros. Essas medidas resultaram na decadência da Klan a partir de 1872. Mesmo enfraquecido, o grupo ainda era capaz de atrocidades como o Massacre de Colfax - citado no começo desta reportagem. Ainda que a Klan já não fosse capaz de agir em grande escala, ações localizadas como essa eram suficientes para intimidar a população negra. O pavor que o grupo espalhara fez com que muitos negros não aparecessem para votar, permitindo aos democratas manter o controle dos estados do sul. Isso fez com que, em 1876, fossem aprovadas as "leis Jim Crow": um conjunto de medidas que impunha a segregação racial em ambientes públicos, como escolas, trens e ônibus. Um enorme retrocesso para os direitos humanos. E uma grande vitória para os racistas.

  • Bombando no cinema

Durante quase meio século, a Ku Klux Klan só existiu como uma lembrança assustadora. Com a maioria dos membros da organização mortos ou muito velhos, parecia que o terror branco não voltaria a assombrar os EUA. 

Mas, dois fatos ocorridos em 1915 fizeram o grupo voltar com tudo. O primeiro foi o lançamento do filme O Nascimento de uma Nação, de D.W. Griffith. Baseado no livro The Clansman, de Thomas Dixon Jr., o filme mostra os membros da Klan como heróis - são nobres cavaleiros que lutam contra bandidos negros. O filme inventou vários mitos em torno do grupo, como o ritual de queima das cruzes (que nunca havia sido realizado pela Klan). Mesmo para os padrões da época, o filme foi considerado extremamente racista. O único problema, por assim dizer, é que ele fez o maior sucesso. O Nascimento de uma Nação foi a produção mais lucrativa de todos os tempos até então. Para divulgar o filme em algumas cidades, atores se vestiam como os membros da Klan e cavalgavam em frente aos cinemas antes da estréia. O filme também foi o primeiro a ser exibido na Casa Branca, onde recebeu elogios do presidente, o democrata Woodrow Wilson.

Aproveitando a "klanmania" gerada pelo filme, o representante comercial William Simmons resolveu recriar a organização. Ele era um espertalhão, que via a chance de obter altos lucros com a possível volta da Klan. E outro fato deu mais força à empreitada: em 1915, o judeu Leo Frank foi condenado pelo estupro e assassinato de uma garota chamada Mary Phagan. Muita gente via semelhanças entre a menina e uma personagem do filme, Flora, que se joga em um abismo para evitar ser estuprada por um negro. Inflamado pelos jornais sensacionalistas, o caso suscitou uma onda de anti-semitismo. Foi criado um grupo chamado Cavaleiros de Mary Phagan, que seqüestrou Frank da cadeia e o linchou. O oportunista Simmons recrutou os Cavaleiros de Mary Phagan para formar a espinha dorsal da nova Klan. Batizado agora de Cavaleiros da Ku Klux Klan, o grupo incorporou todos os rituais mostrados no filme de Griffith, especialmente a queima das cruzes. De início, a KKK não chegou a ser um sucesso estrondoso, se limitando basicamente ao estado da Geórgia e apostando na empolgação com o filme de Griffith. Novamente, foi preciso uma onda de mudanças sociais para que o grupo realmente engrenasse: a 1ª Guerra Mundial, entre 1914 e 1918, deu o empurrãozinho que faltava.

A guerra deslocou um fluxo enorme de imigrantes europeus para os EUA. Fugindo dos combates e da crise econômica, esses imigrantes tiveram um grande impacto religioso (muitos eram judeus ou católicos), cultural e econômico na sociedade americana. Quando os soldados americanos voltaram, encontraram um país em ebulição, e muitos viram a Klan como uma defesa dos interesses dos "verdadeiros americanos". A xenofobia do pós-guerra transformou a década de 1920 na era dourada da Ku Klux Klan. E a nova Klan tinha 3 diferenças básicas em relação à antiga: em primeiro lugar, tinha vários inimigos. Além dos negros, era contra os imigrantes, os judeus, os comunistas e outros novos personagens da sociedade americana. Em segundo lugar, ela não era limitada ao sul, mas se espalhava por todo o país. E essa nova versão da Klan era mais presente nas grandes do que nas pequenas cidades, que tinham menor concentração de negros e estrangeiros. 

O novo grupo também era muito bem organizado. Com quartel-general em Atlanta (conhecida como a "cidade imperial"), era uma entidade registrada legalmente, que pagava impostos e tinha reconhecimento jurídico. Só os métodos continuavam iguais: intimidação, assassinato, tortura e linchamento.
O grupo cresceu rapidamente até se tornar a maior organização do país, com mais membros do que o Exército e o governo federal. Em seu auge, por volta de 1924, os Cavaleiros da Ku Klux Klan reuniam mais de 5 milhões de membros, equivalente a cerca de 10% de toda a população urbana americana da época. Em alguns estados, o percentual de membros atingia 40% da população total. O sucesso do grupo foi tanto que chegou até mesmo a ultrapassar as fronteiras americanas, com a criação de uma "filial" no Canadá. Em comum, essa vasta gama de membros compartilhava o fato de que sua esmagadora maioria pertencia ao segmento social conhecido como wasp, sigla em inglês das iniciais de branco, anglo-saxão e protestante. 

"O conceito wasp está intimamente ligado à segunda encarnação da Klan", afirma o escritor Michael Newton. "O grupo levava esse conceito de modo radical: era branco, contra os negros; anglo-saxão, contra os imigrantes; e protestante, contra os católicos e os judeus", completa. Além de conduzir perseguições raciais, a Klan também tentava impor regras morais. Tornaram-se comuns as batidas do grupo em bordéis, atrás de "mulheres imorais" e de homossexuais. O grupo também divulgava listas em que constavam os nomes de jovens que eram pegos fazendo sexo dentro de carros. E no Alabama uma mulher divorciada foi seqüestrada, despida, amarrada em uma árvore e chicoteada.

Apesar de se considerar um movimento não político, a Klan logo passou a ter uma forte influência nos governos de diversos estados, como Alabama, Texas, Oklahoma, Indiana, Oregon e Maine, além de representantes dentro do Congresso. O escritor Wyn Craig Wade, autor de The Fiery Cross ("A Cruz Ardente", inédito no Brasil), afirma que a Klan teria tido entre seus membros 11 governadores e 16 senadores nos anos 20. Até mesmo alguns presidentes americanos chegaram a flertar com a organização (veja quadro na página ao lado). Em seu auge, o grupo atingiu tamanha força política que tentou indicar seu próprio representante para concorrer à Casa Branca nas eleições presidenciais de 1924. Na convenção do Partido Democrata, em Nova York, a Klan apoiava o candidato William McAdoo contra Al Smith, que era católico. Os klansmen tentaram de tudo para fazer prevalecer sua indicação: marcharam, queimaram cruzes, fizeram o diabo a quatro. O impasse só foi resolvido quando ambos os candidatos retiraram suas indicações e escolheram o moderado John Davis como nome de consenso. O episódio, que se tornou conhecido como Klanbake, teve péssima repercussão para os democratas. Davis acabou derrotado pelo republicano Calvin Coolidge.

  • Superman versus KKK

A era dourada da Klan começou a esmaecer no final dos anos 20. O desgaste na imagem veio tanto das seguidas ações violentas do grupo quanto da desmoralização de seus líderes. O caso mais notório foi protagonizado por David Stephenson, chefe da Klan em Indiana, preso por estuprar e assassinar uma professora. Durante o julgamento, surgiram detalhes sórdidos. Stephenson feriu sua vítima de tal modo que ela "parecia ter sido atacada por lobos", segundo os legistas. Também ficou evidente a ligação de Stephenson e de parte da cúpula da Klan com um grande esquema de corrupção que envolvia o governador de Indiana e o prefeito de Indianápolis, ambos apoiadores do grupo. Com vasta cobertura dos jornais, o caso gerou uma péssima publicidade para a Klan e fez cair de modo drástico o número de sócios. 

Os 5 milhões de membros de 1924 acabaram se reduzindo para cerca de 30 mil por volta de 1930. Com a chegada da 2ª Guerra, o prestígio do grupo caiu ainda mais. Embora a cúpula da Klan apoiasse oficialmente a guerra contra o "invasor amarelo" japonês, eram evidentes as ligações entre as doutrinas do grupo e do nazismo. Mas o golpe final contra a segunda encarnação da Ku Klux Klan viria de dentro. Os responsáveis seriam Stetson Kennedy, escritor e ativista dos direitos humanos, e... o Superman. Isso mesmo, o herói do planeta Krypton teve participação fundamental na queda do grupo. A história começou assim: Stetson Kennedy tinha uma profunda aversão pela Klan desde que sua ama-de-leite negra, Flo, havia sido assassinada pelo grupo por dirigir a palavra a um condutor de bonde que lhe dera o troco errado. Em 1944, ele decidiu se infiltrar na Klan. 

Procurou uma taverna na qual os membros da organização se reuniam, ganhou a confiança deles e em pouco tempo já era aceito como sócio. Rapidamente, Kennedy aprendeu todos os códigos, palavras secretas e rituais da Klan. Ele começou a vazar essas informações para os produtores do programa de rádio do Superman. O resultado foi uma série de 4 episódios onde o personagem enfrenta e vence os mascarados da Klan. A desmoralização foi total. Ao ter seus segredos revelados e ainda ser derrotada pelo Superman, a organização perdeu muito de sua aura de terror: durante algum tempo, passou a ser objeto de toda sorte de ridicularização. Com a evasão de associados, a Klan não conseguiu dinheiro para pagar seus impostos. Isso foi fatal. A falta de pagamento deu finalmente ao governo uma chance, e ele aproveitou: os Cavaleiros da Ku Klux Klan tiveram decretada sua falência e foram obrigados a fechar as portas no final de 1944.
Em 1981, um grupo que se intitulava Cavaleiros Brancos da Ku Klux Klan planejou uma operação incrivelmente ousada: eles queriam invadir a Dominica, uma pequena nação situada numa ilhota do Caribe. 

Os líderes do grupo se uniram ao antigo primeiro-ministro local Patrick John. A idéia era levar um barco cheio de armas e munição até a costa da ilha e entregar a carga a um grupo de rebeldes sob o comando de John. Em troca da ajuda, a ilha seria transformada em uma nação branca nacionalista, na linha do apartheid na África do Sul. A pequena força policial da ilha fazia com que o plano, aparentemente maluco, tivesse chances reais de sucesso. O FBI, que vinha monitorando a operação, resolveu intervir: em abril de 1981, prendeu no porto de Nova Orleans os membros do grupo, que já estavam carregando o navio com as armas.

Recentemente, um relatório divulgado pela Liga Antidifamação, organização que monitora grupos radicais em território americano, praticamente decretou o fim da Klan. "Aquela que já foi a organização terrorista mais importante do país é hoje uma coleção amorfa e fragmentada de grupos e indivíduos." De fato, existem nos EUA entre 100 e 150 grupos que se denominam herdeiros da Klan. Nenhum deles tem ligação direta com a organização original ou com o poderoso grupo dos anos 1920: como o termo Ku Klux Klan é de domínio público, qualquer grupo pode usá-lo. Hoje as principais atividades são a distribuição de panfletos, marchas de protesto e alguns encontros anuais. 

O dinheiro é pouco, e até os líderes máximos dos grupos precisam ter empregos normais para conseguir sustento. E a famosa influência política virou pó: o único congressista americano com ligações conhecidas com a Klan é o senador Robert Byrd, que foi membro do grupo há quase 50 anos. Ele diz que "se arrepende profundamente". Alguns dos principais grupos hoje são o Klans Imperiais da América, o Cavaleiros Americanos da Ku Klux Klan e o Cavaleiros da Camélia Branca da KKK. Eles têm forte inclinação cristã fundamentalista e acreditam em uma conspiração judaica para dominar o mundo. Outras facções tentam tornar sua imagem mais aceitável ao criar eufemismos para suas crenças. Falam mais da "glória de sua herança branca" do que no ódio por outras raças. O mais famoso deles é o Partido dos Cavaleiros, que se define como "racialista".

A diferença é sutil, mas importante. Enquanto o racismo prega a superioridade de uma raça sobre outra, o racialismo diz que elas são iguais, mas devem viver separadas.O conceito de racialismo, aliás, é responsável por um dos fatos mais bizarros dessa história toda: os supremacistas negros que apóiam grupos inspirados na Ku Klux Klan. Segundo a lógica deles, apoiar a Klan é dar força ao movimento racialista - e com isso fortalecer a idéia de separação entre as raças. Marcos Garvey, um dos primeiros líderes do movimento negro do mundo, convidou membros da Klan para falarem em manifestações.

Robert L. Brock, um líder negro anti-semita, doa dinheiro ao Partido dos Cavaleiros e já chegou até a vestir a roupa branca da Klan. "O fato de esse tipo de tese ter seguidores é sinal de que as tensões raciais e sociais continuam fortes na sociedade americana", diz o historiador Allen Trelease. "Assim, nunca se pode descartar completamente o risco do ressurgimento de um grupo como a Klan", completa. O escritor Michael Newton tem uma opinião parecida. "Há temas, como a imigração mexicana, com potencial para despertar problemas similares aos que fizeram a Klan renascer na década de 1920". Quando se fala na Ku Klux Klan, nunca se pode dizer que a ameaça chegou ao fim.

  • Ódio racial no Brasil

Além dos EUA, a KKK fincou raízes em alguns outros países, como Inglaterra, Alemanha, Canadá e África do Sul. Já no Brasil, o grupo nunca foi muito bem-sucedido. O que existe no país é um grupo (estima-se que sejam menos de 10 pessoas) chamado Klans Imperiais do Brasil, ramificação da organização americana Klans Imperiais da América. Ele foi praticamente desmantelado em 2003, quando a Polícia Federal prendeu o líder da organização (ao contrário dos EUA, no Brasil é crime divulgar conteúdo racista) e tirou o site da organização do ar. No entanto, a operação brasileira da Klan sempre foi pequena quando comparada aos demais grupos de ultradireita que existem hoje no país. Os mais próximos das motivações da Klan são os diversos grupos skinheads (cabeças raspadas) espalhados pelo Brasil. A maior parte deles é composta de neonazistas que abraçam o conceito do white power ("poder branco"), ou seja, a superioridade dos brancos sobre as demais raças. São totalmente contra negros, nordestinos e homossexuais.


  • Racistas na Casa Branca

Embora o grupo não tenha conseguido eleger abertamente um membro, pode ter exercido forte influência sobre pelo menos 3 presidentes dos EUA

1. Warren Harding (Republicano, 1921 a 1923)
Foi acusado pelo ativista político Stetson Kennedy, que se infiltrou na Klan, de ter se filiado à organização em 1923, em cerimônia realizada na própria Casa Branca.
2. Woodrow Wilson (Democrata, 1913 a 1921)
Retomou a segregação racial no governo federal, que havia sido abolida em 1865. E escreveu um livro em que chama a Klan de "venerável império do sul".
3. Harry Truman (Democrata, 1945 a 1953)
Em 1924, foi aconselhado a entrar para a Klan (então uma poderosa aliada dos democratas). Chegou a pagar a inscrição, mas ninguém sabe se realmente se filiou.

  • A nova Klan

É o pesadelo de muita gente, mas já existe até um programa de governo. Um dos grupos atuais que se inspiram na Klan, o Partido dos Cavaleiros, se define como um movimento político e elaborou uma lista de medidas a ser implantadas caso o grupo chegue ao poder. Confira as principais propostas:
  • • Incentivo financeiro para a repatriação de estrangeiros ao pais natal.
  • • Internação obrigatória em hospitais de todos os infectados pelo vírus HIV.
  • • Criação de uma lei proibindo a prática do homossexualismo.
  • • Aprovação de medidas que incentivem a posse de pelo menos uma arma por cidadão.
  • • Proibição da entrada de mulheres na Polícia e nas Forças Armadas.
  • • Fim do ensino da Teoria da Evolução nas escolas.
  • • Uso de tropas do exército para impedir a entrada de imigrantes no país.
  • • Proibição da compra de empresas e propriedades americanas por estrangeiros.
  • • Abolição do aborto.
  • • Fim de todas as cotas para negros em universidades e para mulheres em cargos públicos.
  • • Fechamento das agências que monitoram o abuso de crianças pelos pais.
  • • Término de todos os programas americanos de ajuda humanitária ao exterior.
  • • Retirada dos EUA das Nações Unidas.
  • www.comunidademib.blogspot.com.br

ASSASSINOS DE ALUGUER - ALGUNS DOS FAMOOSOS

.

1) Benjamin “Bugsy” Siegel

Wikimedia Commons 1
Pode-se dizer que o temperamental Bugsy foi um profissional de sucesso no ramo que escolheu seguir. Diferente dos outros casos que você vai conferir, Siegel era um dos poucos chefões da máfia que fazia o trabalho sujo sozinho. Por esse motivo, ele cometeu assaltos e assassinatos primeiramente para o grupo mafioso Bug & Meyer e depois para o Sindicato Nacional do Crime, que foi o nome que a imprensa deu ao crime organizado.
De todos os casos em que se envolveu, Benjamin Siegel é suspeito de ter participado do sangrento atentado a Joe “The Boss” Masseria e Salvatore Maranzano em 1931. Juntamente com Louise “Lepke” Buchalter, Bugsy é considerado um dos responsáveis pelo início da formação do movimento que ficou conhecido como o mais bárbaro esquadrão de assassinato já criado – o Murder, Inc.
Siegel também ajudou transformar a máfia judia em um império unificado junto com a facção italiana, que era liderada por Lucky Luciano. Curiosamente, o pistoleiro acabou sendo vítima de um assassino de aluguel em 1947. Benjamin Siegel foi assassinado enquanto lia um jornal na casa de sua namorada na Califórnia e o crime nunca foi solucionado. O personagem de Moe Greene, de O Poderoso Chefão, foi baseado em Bugsy Siegel.

2) Harry “Happy” Maione

Wikimedia Commons 2
A lenda conta que Harry Maione ganhou esse apelido irônico “Happy” (que é feliz em inglês) por causa da expressão fechada que sempre sustentava. Maione foi mais um dos muitos assassinos que trabalhou para a Murder, Inc. e representando o lado italiano da máfia, conseguiu chegar ao topo e ser um dos profissionais mais bem pagos da época.
Apesar dos advogados e oficiais de justiça terem dificuldades em identificar qual assassino matou qual vítima – porque os pistoleiros sempre trabalhavam em pequenos grupos de duas ou três pessoas – Maione foi acusado de ter cometido pessoalmente pelo menos 12 assassinatos desde 1931.
O pistoleiro foi condenado à cadeira elétrica pelo assassinato de Georg Rudnick, que na verdade foi morto por seu xará Harry Strauss – mais um matador de aluguel que veremos a seguir – em 1937 com 63 golpes executados com um picador de gelo. A participação de Happy consistiu apenas em acabar com a vítima cravando um cutelo em seu crânio. Como os oficiais podiam executar os matadores em duplas, Maione deu seu último suspiro ao lado de Frank “The Dasher” Abbandando, que também trabalhava para a Murder, Inc.

3) Harry “Pittsburgh Phil” Strauss

Pinterest
Com a frieza e a brutalidade dos crimes praticados pelos membros da Murder, Inc. na década de 1930, existe um debate sobre quem seria o pior dos assassinos. Por sua sede de sangue, Harry Strauss certamente fazia parte dessa lista. A história conta que Pep – como era chamado por alguns – era capaz de matar uma pessoa cruelmente, se sentar para jantar logo em seguida e ainda fazer piadas sobre a situação com seus colegas pistoleiros.
Quando a polícia descobriu que Strauss e outros pistoleiros estavam matando pessoas a mando da máfia há quase uma década, os oficiais entraram com o pedido de condenação. Pittsburgh Phil se ofereceu para trabalhar como informante do governo, mas não teve sucesso. Então, ele apelou para a insanidade.
A corte não acreditou na súbita mudança de comportamento que veio acompanhada de barba e cabelos desgrenhados e murmúrios no tribunal. Assim como muitos assassinos da Murder, Inc., Harry Strauss foi condenado à cadeira elétrica e morreu em 1941.

4) Joseph Meldish

Headline News
Além dos terríveis assassinos que estavam ligados à Murder, Inc., existem outros pistoleiros que fizeram seu nome no mundo da criminalidade. Com um talento natural para causar medo nas pessoas, Joseph Meldish trabalhou como matador de aluguel por cerca de 20 anos para a máfia praticamente sem ser notado. Como membro de uma filial da Purple Gang no Bronx, em Nova York, Meldish começou cedo sua carreira como assassino, aos 18 anos.
O pistoleiro era tão bom que frequentemente prestava serviços para os Lucchese e os Genovese – duas famílias da máfia de Nova York. Porém, o criminoso antes intocável foi acusado de pelo menos 40 assassinatos desde a década de 1970. Em 2011, com 55 anos, toda a discrição de Meldish desapareceu e ele foi condenado. Seu irmão, Michael – que também tinha envolvimento com a máfia – levou um tiro na cabeça dentro de seu carro no Bronx, em 2013.

5) Jose Manuel Martinez

Daily Mail
Outro dos matadores de aluguer mais recentes é Jose Martinez, que foi acusado pelo assassinato de nove pessoas. A questão é que o pistoleiro baseado na Califórnia revelou para as autoridades que ele havia tirado a vida de cerca de 40 pessoas, a maioria delas a pedido dos cartéis mexicanos de drogas.
De 1980 até sua captura em 2014, o assassino profissional impôs com frieza o tráfico de drogas na região central da Califórnia. Ainda, Martinez não se encaixa no perfil do típico pistoleiro – ao que tudo indica, ele poderia ser mais facilmente confundido apenas com um velho solitário.
As autoridades locais acreditam que ele possa ser suspeito de uma série de assassinatos que incluem atirar em um homem em seu carro e em outro homem que estava em casa deitado na cama enquanto seus quatro filhos estavam em casa. E como todo matador de aluguer de confiança, Martinez se recusa a revelar quais são os cartéis que contratam seus serviços.

mastercurioso.blogspot.com.br

IMAGENS ANIMADAS (GIFTS) PARA VOCÊ SE DIVERTIR






APÓS A II GRANDE GUERRA, OS NAZIS MOLDARAM OS GOVERNO DA EUROPA OCIDENTAL - 1 - O aparecimento em larga escala dos partidos extremos do grande Capital, os partidos que apelidamos de nazis ou fascistas desde os anos 30 do século passado, está ligado, pela História e pela evolução da economia política,....

APÓS A II GRANDE GUERRA, OS NAZIS MOLDARAM OS GOVERNO DA EUROPA OCIDENTAL

1 - O aparecimento em larga escala dos partidos extremos do grande Capital, os partidos que apelidamos de nazis ou fascistas desde os anos 30 do século passado, está ligado, pela História e pela evolução da economia política, ao antagonismo crescente entre a burguesia que entra em decadência e procura a sobrevivência, colocada perante o caminho inexorável para o seu desaparecimento, e, as classes trabalhadoras, que de uma maneira autónoma, mas ainda sem uma orientação classista acentuada, produzem reivindicações e direitos que colidem com os privilégios desmesurados daquele.

Todavia, tais partidos não nascem de um dia 

para outro, nem aumentam a sua expressão 

política e eleitoral, se não tiverem uma base de 

apoio dentro do regime que lhes permite 

“engrandecer”.


//Jean Marie Le Pen teve a cobertura directa de toda a direita conservadora, que, no rescaldo do fim da guerra, não poderia declarar-se abertamente fascista, tendo sido eleito deputado, pela primeira vez, em 1956, numa lista do partido de Pierre Poujade, que se intitulava, significativamente, na Assembleia Nacional francesa, Unión et Fraternité Française (UFF)//.


Pierre Poujade e Jean-Marie le Pen
Além dos apoios directos em dinheiro (banqueiros, empresários, especuladores bolsistas, grandes traficantes de drogas) e em auxílio propagandístico com os grandes meios de comunicação social, tais como jornais, rádios e televisões, igualmente surgem “projectos” de manipulação de comentadores, especialistas de formação de “campanhas” de manipulação de massas, entre outras.

Mas, acima de tudo, o enquadramento persistente do aparelho de Estado com homens e estruturas que lhe vão dando capacidade de inserção e de força de apoio, incluindo a segurança de Estado, a segurança policial, lobbies “secretos”, como organizações maçónicas, ou religiosas (OPUS DEI, Jesuítas, Templários, islamistas sunitas wahhabistas, Judaistas, Budistas -Dalai Lama-, Manás, Mórmons, etc.etc) e as próprias Forças Armadas.


2 – As principais formações castrenses e de 

segurança estatal do chamado mundo ocidental, no 

pós II Grande Guerra, foram edificadas, tendo como 

suporte material” a oficialagem nazi-fascista e 

a sua ideologia, dentro do contexto supremo, não 

de defesa da Pátria, mas de um possível 

enfrentamento revolucionário com as 

classes trabalhadoras.

Dentro do mesmo princípio, se constituíram e fortaleceram as máquinas militares de países como a Rússia e a República Popular da China, embora nestes o enquadramento e a formação tivessem outros critérios.

Ficamos, a saber em 2014, através de documentos parcelares, agora desclassificados,  dos Serviços de Informações Federais da Alemanha, o Bundesnachrichtendienst, (BND), que o centro nuclear das Forças Armadas da então Alemanha Federal foi constituída por um conjunto de oficiais e soldados provenientes do Exército nazi de Adolf Hitler.


//Ver Der Spiegel, Suddestsche Zeitung, Focus, entre outros.//


O relatório do BDN, com laivos de ingenuidade para papalvos, descreve que um grupo de oficiais hitlerianos (cerca de dois mil) de alta patente, (Exército, SS e SS-Waffen) chefiados, por um operacional, um coronel de nome Albert Schnez, organizou uma formação castrense “clandestina” de 40 mil homens, todos provenientes daqueles corpos hitlerianos, para combater uma possível subversão interna, e, secundariamente, uma “invasão comunista”.

Adenauer passa revista ao Exército Alemão formado por nazis

A parte do relatório conhecido assinala que esta criação de um Exército hitleriano dentro da então Alemanha Ocidental teria tido lugar em 1949 e só seria do conhecimento... do chanceler Konrad Adenauer em 1951.

Que, sem pestanejar, lhe deu cobertura.

E os integrou.

A constituição operacional, de formação política militar e de enquadramento logístico deste “Exército democrático", ficou, portanto, dependente, desde então, da doutrina nazi.

(Convém referir que à frente do BND, instituição que o criou e moldou até hoje, estava já e esteve, até 1968, o general nazi Reinhard Gehlen, que foi o responsável máximo dos serviços secretos militares nazis na Frente leste – um cargo de obediência sem limites a Hitler.

Foi ele que construiu o BND, em estreita ligação com o Exército norte-americano e o seu comandante-chefe David Dwight Eisenhower, bem como do embrião da CIA, o OSS, cujo director era Allen Dulles, e este irmão de John Foster Dulles, secretário de Estado do general como Chefe de Estado norte-americano.

A fascização dos serviços secretos alemães, com o apoio directo da Administração norte-americana e dos dirigentes saídos da queda do nazismo, desde o início da criação da Alemanha Ocidental, será analisada mais à frente).

De acordo com a imprensa alemã de Maio de 2014, referindo, candidamente, sem interpelação, a documentação secreta, posta à disposição de uma equipa de historiadores, pelo BND, o projecto de Schnez iniciou-se, logo no pós guerra, na Suábia, perto de Estugarda, onde aquele coronel nazi organizava reuniões com veteranos de guerra, cujas questões – assinala o BND, que, curiosamente, até conhecia o seu teor, ou seja estava presente – se colocava da seguinte forma “que devemos fazer se os russos e os seus aliados da Europa de leste nos invadem?”.

O BND até os financiou.

Especifica o BND, de Gehlen, nos seus relatórios: Schnez ofereceu os préstimos do “seu Exército”, sob a supervisão daquele.

Ele aceitou – e argumentou para este assentimento: era “simplesmente como uma força potencial”.  


Engraçado, não é?.

Segundo os relatórios dos Serviços Secretos, ressalta a imprensa, começaram a organizar-se fora das estruturas das tropas ocupantes, neste caso norte-americanas, britânicas e francesas, e, em 1950, estavam em plena forma. 


Que ingénuos eram os ocupantes!!!

Para tal receberam apoios imediatos dos antigos patrões hitlerianos, de empresas de transportes e logística, bem como armamento, e, vejam tornaram-se populares...sem o conhecimento do governo e dos Estados Unidos (grandes bananas, não é?)!!!.


Foi um general nazi Anton Grasser que supervisionou a recolha de armas.

Curiosidade: estava destacado no Ministério do Interior, a dirigir a nova polícia alemã.


general nazi Anton Grasser (à esquerda de um outro general) 




A nova polícia alemã (Bundesgrezschutz) formada por Grasser, que passa revista como seu inspector-general. Repare-se nos mesmos capacetes nazis, estilo SS



A teia nazi que formou toda a estrutura estatal da Alemanha Ocidental formou-se, organizou-se e estabeleceu-se até aos dias de hoje, como “por encanto”. Mas, apenas... na visão idílica dos manipuladores burgueses!!!

O conselheiro de segurança nacional de Konrad Adenauer – este um antigo dirigente do Partido Católico, de Von Pappen, que esteve aliado até 1933 a Hitler, com o beneplácito do Papado Romano – chamava-se Hans Globke, um dos teóricos do nazismo das ideais raciais de Nuremberga.


O principal assessor militar de Adenauer foi o marechal Erich von Manstein, um dos principais chefes militares de Adolf Hitler.

(Escapou à prisão por intervenção directa do marechal inglês Montgomery e do antigo Primeiro-Ministro britânico Winton Churchill.

Manstein, como chefe militar da Alemanha Ocidental, foi um dos defensores da *Wehrmacht limpa*, a tese de que as forças armadas hitlerianas não foram culpadas dos crimes de guerra).


Hitler e Von Manstein



Von Manstein com Franz Josep Strauss, ministro da Defesa

Em finais dos anos 50 do século passado, Schnez, como general, era o “braço direito” do nazi Ministro da Defesa alemão Franz Josep Strauss, dirigente do CSU (a União Social Cristã), uma formação pró-fascista, pintada com as cores do catolicismo... mas mais reaccionário, a única estrutura da CDU existe, autonomamente, na Baviera.

Esse Schnez ascendeu ao cargo de Chefe do Estado-

Maior das Forças Armadas, sob o mandato, como 

chanceler, de Willy Brandt, que o antigo dirigente da 

CIA Victor Marchetti denunciou, num livro chamado 

“A CIA – O culto da espionagem”, como admite ter 

sido recrutado por aquela.


Albert Schnez com o Presidente da República Heicih Lubke (1968)


E o BND, ou seja Gehlen, coloca as palavras de 

Schnez – documentos dixit – que a criação do 

citado Exército “clandestino” teve a aprovação 

de Hans Speidel, que veio a ser o comandante 

supremo da NATO na Europa Central em 1957, 

de Adolf Heusinger, que foi o primeiro 

inspector-geral do Bundeswehr e presidente do 

Comité Militar da Nato. 

Ambos foram generais de Hitler, tendo o segundo sido mesmo o seu Chefe do Estado-Maior...

Vejamos a sucessão política nessa Alemanha, dita democrática, toda ela entranhada de nazi-fascismo:

Depois de Adenauer – um cúmplice do nazismo auto-proclamado de democrata, pelos ocupantes ocidentais – o cargo recaiu em Ludwig Ehrard, que teve a sua carreira ligada ao patronato hitleriano o *Reichsgruppe Industrie*, como seu principal conselheiro económico (1963-69).

O escolhido entre 1966 e 1069 foi Kurt Georg Kiesinger, membro do NSDAP, de Hitler, e, no seu consulado tenebroso, director adjunto da Rádio, junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros, de Ribbentrop.



Kiesinger, como alto funcionário nazi

A que segue, 1969, Willy Brandt, social-democrata, que merece a aprovação do BND, depois de se saber a sua submissão a Washington.

Aquele cai, em 1974, devido a um escândalo mal esclarecido de ter no seu núcleo duro político um eventual espião da Alemanha de Leste.

O chanceler seguinte é Helmuth Schmidt, também social-democrata. Ingressou na Juventudes Hitlerianas.

Alistou-se na Wehrmacht, e foi integrado numa Divisão Blindada, como tenente, que actual na frente leste e, mais tarde nas Ardenas, sendo condecorado com a Cruz de Ferro hitleriana.

Helmuth Schmitd 

Regressemos à BND, e a determinado passo dos escritos insertos nos documentos que estamos a citar, aqueles serviços colocam reservas a nomeação de um dirigente político do SPD Fritz Erler para líder parlamentar do partido, porque era “meio judeu”.

Mas, nesses escritos, a vigilância era, principalmente sobre activistas de esquerda.

Concentremo-nos agora no papel do BND – a sua organização permanente nazi-fascista e o seu apoio contínuo à extrema-direita alemã.

Em 2012, o director do BND Heiz Fromm, formado na escola Gehlen, demitiu-se do cargo depois de se ter descoberto que mandara destruir documentação que implicava, directamente, os serviços secretos na direcção de um grupo neonazi de nome National Socialist Underground (NSU) implicado no assassinato de nove imigrantes numa década.

Fromm exercia o cargo...há 12 anos. 


O passado do BND/Organização Gehlen pode ser consultado em artigo anterior deste blogue.

Assim, a seguir a Gehlen sucedeu no cargo o seu número dois  Gerhard Wessel, coronel da SS, que permaneceu no cargo de 1968 a 1978, tendo falecido em 2002.

Faço questão de recordar o seguinte: 


“Em documentos norte-americanos que tem sido desclassificados nos últimos anos, mas pouco divulgados, sabe-se que foi feita uma auditoria interna, efectuada conjuntamente por autoridades alemãs e norte-americanas, que referenciou que os lugares cimeiros (de estratégia e operacionais) do BND estavam ocupados, pelo menos, por 200 antigos nazis.

“Nenhum deles foi posto em causa.

“Sabia-se então que o BND encobriu, abertamente, a "lavagem" de uma parte da elite nazi-fascista da Alemanha Federal, permitindo-lhe a ascensão nos meios económicos e políticos do novo Estado pró-ocidental saído da II Grande Guerra.

Assim, sucedeu com os principais artífices da economia capitalista nazi, como os Kruup, os Thyssen, os Porsche, entre outros. 



Ferdinand Porsche com Hitler

"Foi, também, com a "lavagem" da actividade pró-nazi de cientistas e torturadores que muitos se vieram a estabelecer nos Estados Unidos da América, e em muitos países da América Latina.

“Curiosamente, contaram com a colaboração prestimosa da Igreja Católica de Roma, que, em 1927, se prontificara a apoiar o regime fascista de Mussolini, através do Tratado de Latrão.

“Há anos, fora já divulgado, até pela rádio oficial 

alemã Deustche Welle, que "um grupo extremistas de 

direita", actuando na "clandestinidade e sem ser 

importunado" assassinou uma série de trabalhadores 

estrangeiros. Por meras razões racistas”.

3 – Não vou fazer uma análise exaustiva de todos os países da UE. 

Situo-me justamente na França, aparentemente tão democrática e apologista dos direitos humanos.

Pois, ela nos pós guerra foi, toda essa, formatada no colaboracionismo e no fascismo.

Desde as Forças Armadas até à Chefia do Estado.


(Ver a propósito a ascensão de François Mitterrand à Presidência no artigo deste blogue "A franco-maçonaria francesa e o branqueamento do colaboracionismo", de 13 de Fevereiro de 2014.)


Pacientemente, ao longo deste anos todos, que vieram a fazer crescer a força política do novo nazismo sob a denominação de Front National (Frente Nacional), cujos testas de ferro estão na família le Pen.

(As forças políticas dos fascismos português e espanhol estão dentro do aparelho de Estado – político, militar, social e económico. Não necessitam, neste momento, de criarem partidos típicos, eles estão no poder: Em Espanha, como PP, de Mariano Rajoy, que foi fundado, justamente, por filhos queridos de Franco, como Fraga Iribarne, em Portugal, a força coligada do PSD/CDS, que tiveram no seu gérmen, figuras do chamado “fascismo liberal”, como Sá Carneiro, Pinto Balsemão, João Salgueiro, Adelino Amaral da Costa, Freitas do Amaral, Nogueira de Brito, entre outros.

Os seus Exércitos, ou nunca foram desmantelados, caso de Espanha, ou foram remodelados e expurgados, paulatinamente, dos seus oficiais de topo, que se mostraram democratas, tudo feito, a partir de 25 de Novembro de 1975, por ideólogos militares pró-nazis, como o general Soares Carneiro, no caso português).


Quando se aproxima o fim da II Grande Guerra, no interior de França o que restava do Exército profissional, particularmente, a quase totalidade dos seus generais e almirantes eram colaboracionistas ou mesmo quadro ligados ao sistema nazi ocupante.

O verdadeiro Exército resistente era constituído pelos chamados “francs-tireurs e partizans (FTPF)”, a única verdadeira guerrilha francesa lutadora contra os nazis ocupantes.

Atingiram o número que se pode situar nos 200 mil homens e mulheres armados. 

Deste conjunto, só uma parte minoritária obedecia, directamente, a de Gaulle, sediado em Londres, com uma estrutura montada pelos ingleses chamada Bureau Central de Rensignements e d`Action (BCRA).


Na realidade, a maioria guerrilheira era controlada pelo PCF, mas do interior, chefiados por Charles Tillon.


Maurice Thorez vivia exilado em Moscovo, não participara na resistência armada, e seguia, sem qualquer contestação, a política da União Soviética de Stáline, decidida em conjunto com Roosevelt (EUA) e Churchill (Inglaterra), de divisão da Europa por zonas de influência. 


Na realidade, foram os guerrilheiros, armados e organizados militarmente, os reais libertadores de França, que derramaram sangue pela defesa da sua sociedade (30 mil fuzilados, 60 mil deportados politicamente) e não os norte-americanos, que não conheciam o terreno e fizeram erros tremendos de condução da guerra na região. 

Aqueles, como força interventora tardia na guerra europeia, estavam, essencialmente, preocupados com o controlo, pós o conflito, da produção e da gestão capitalistas da parte ocidental europeia.

Quando, já a partir de 1944, se debatia dentro de França e do próprio PCF, em constituir um Exército nacional, a partir das unidades de guerrilha, de Gaulle, os ingleses e norte-americanos, querem uma instituição castrense baseada na ordem burguesa militarista.


Desde que o governo provisório se instalou em Paris libertado, em 31 de Agosto, com dois ministros comunistas, o objectivo a aliança inglesa-norte-americana, mediada por de Gaulle, era a de desmobilizar os "partizans".


Os comunistas do interior opunham-se.


Stáline discutiu esse tema com de Gaulle, em Moscovo, tendo sido negociado o regresso de Thorez a França (o líder do PCF fora desertor do Exército francês em 1941), em troca da dissolução das forças guerrilheiras. 


(Em Outubro de 1945, efectuam-se, em França, eleições para a Assembleia Constituinte. O PCF recolhe 26% dos votos expressos. De Gaulle convida Thorez para Ministro de Estado e da Administração Pública - haverá mais quatro membros do PCF no executivo. Tom laudatório imediato do general para Thorez: um "homem de Estado"; o seu partido aconselha os franceses a participarem na *batalha da produção* e a não reivindicarem aumentos salários, nem a fazerem greves. 


Tal como em Portugal entre 1974 e 1976...


Thorez chegou a vice-Presidente do Conselho de Ministros no governo seguinte. 


Em 1947, deixou de ser o "comunista estadista" útil e a nova burguesia já refeita do descalabro protagonizado pelo poder armado dos guerrilheiros, que foi desarticulado, deu-lhe com os pés. 


Charles Tillon, membro destacado do secretariado do PCF, que era o ministro dos Armamentos, entrou em ruptura e saiu daquele partido. 


Este foi-se desmoronando, desde então, progressivamente).


Os norte-americanos, que entraram pelo norte de África entenderam-se, logo às mil maravilhas com os colaboracionistas pró-nazis de Vichy ali destacados, como os generais Maxime Weygand, que fora anteriormente Ministro da Defesa de Pétain, e, depois Delegado-Geral daquele para as colónias francesas norte-africanas, Henri Giraud e Alfhonse Juin.


Deram cobertura directa a outros generais colaboracionistas, como Raoul Salan (que foi Secretário de Estado das Colónias de Pétain) e Edmond Johaud.


E tentaram impor, com todos esses colaboracionistas, a direcção política do novo poder ao próprio general de Gaulle, que era apoiado pelo ingleses.


Não conseguiram tudo. 


De Gaulle foi o chefe do primeiro governo, mas a montagem da nova estrutura militar ficou na mãos desses colaboracionistas.


Quando o poder capitalista em França se refaz, pela via parlamentar, a seguir às eleições constituintes de 1947, pelo menos três dos principais torcionários policiais do regime colaboracionista nazi de Phillippe Pétain vão assumir cargos relevantes em cargos de responsabilidade e formação policial ou securitária: São eles Maurice Pappon, Jean Baylot e Jean-Paul Martin.


Outros altos responsáveis policiais de Vichy, como René Bousquet (foi considerado como criminoso contra a humanidade e defendido pelo poder instalado, seus confrades na actividade colaboracionista) e Jean-André Faucher, enveredam pela actvidade política, do grande patronato jornalístico ou da grande banca.






Maurice Pappon foi director-geral da Polícia da região da Gironde, entre 1942 e 1944. Depois, em 1958, ascende a director do maior centro policial de França, Paris, autónomo em relação à própria polícia nacional, que resultou da "reconstituição" da millice vichista. 

(Trepa rapidamente na hierarquia gaullista e pós gaullista: Presidente do Conselho de Administração da Sud Aviation, secretário das finanças do próprio partido, Ministro do Orçamento , com Valéry Giscard d`Estaing na Presidência).


Antes de Papin, na chefia da policia de Paris esteve Jean Baylot, que vai de Vichy directo para a liderança policial dos Baixos Pirenéus, de 1944-46, depois nos "bouches-du-Rhone", até ascender ao cargo supremo do ramo em Paris.


Aparece depois sempre ligado a François Mitterrand, o colaboracionista, reciclado pelo poder gaullista, em vários Ministérios (antigos Combatentes, depois secretário de Estado na Presidência de Conselho de Marir, Schumamm e Queille. Ministro do Ultramar (1950/51), Ministro de Estado com Faure, ministro do Interior com Pierre Mendés-France e da Justiça, com Guy Mollet).



Bosquets com os carniceiros nazis

Curiosamente, como chefe de gabinete de Mitterrand surge o número dois de Bosquet, na chefia máxima de polícia de Vichy. De seu nome, Jean-Paul Martin. 


Uma personalidade pró-nazi francesa que vai acompanhar Mitterrand, juntamente, com outros colaboracionistas apoiantes de Hitler, como Bousquet, Charles Hernu, Gui Penne e Jean-André Faucher. 


Ver *A FRANCO-MAÇONARIA RIA FRANCESA E O BRANQUEAMENTO DO COLABORACIONISMO*




4 - A depuração do nazi-fascismo na Europa e na restante parte do planeta, incluindo os Estados Unidos, onde apologistas directos daquela ideologia estiveram no poder político, militar e económico, como os irmãos Dulles, a família Harrimann, Henry Ford, Vernon Waters, entre muitos outros, nunca poderia ser feita por qualquer regime burguês.

Em particular quando sentiam que a principal força de poder, no final da guerra, na Europa, estava, nos principais países, França, Itália, Alemanha, Grécia, Jugoslávia, nas "espingardas" da resistência, que abominava a burguesia que esteve, de alma e coração, com os regimes fascistas e nazistas, desde Portugal até à Alemanha, passando pela Áustria, 

Roménia ou Bulgária.

Por isso, no rescaldo da guerra, a burguesia decapitada, acossada pela acção armada dos guerrilheiros, não teve pejo, em lançar as mãos aos PC stalinistas, subservientes ao regime de Moscovo, para desfazer essa ameaça que era real.


Mas débil, porque ideologicamente, estavam sujeitos aos  bonzos pró-moscovitas que enxameavam as direcções daqueles partidos e ansiavam por serem ministros obedientes da nova ordem parlamentar que se estava a reconstituir.


Foram eles, realmente, que ajudaram a colocar nos carris a economia burguesa europeia que estava no caos e na balbúrdia da destruição pela guerra.



Togliatti no governo do marechal Badoglio

Thorez em França, Togliatti em Itália, foram eles, os "verdadeiros" heróis da burguesia, os subservientes destruidores do papel do comunismo no mundo, ao se submeterem aos ditames da ideologia do capitalismo de Estado que governava a antiga União Soviética, e ao seu objectivo imperial geo-estratégico, que *demonizou* e adulterou a teoria de Marx até aos dias de hoje, porque a prática ditatorial stalinista se sobrepôs às análises agudas, profundas, e, grande parte actuais, do filósofo e pensador alemão.



tabancadeganture.blogspot.pt