AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Conheça os 11 fatos que você provavelmente não sabia sobre o Antigo Egito - A primeira greve da história foi no Egipto por exemplo


Conheça os 11 fatos que você provavelmente não sabia sobre o Antigo Egito

Pirâmide do Egito | Notícias | The History Channel
A civilização desenvolvida no Antigo Egito foi, definitivamente, uma das mais avançadas do mundo pré-cristão. Sua cultura foi tão rica e abrangente que seu estudo representa um campo inteiro em todas as ciências. Sua arquitetura, arte e religião há séculos são objeto de fascinação e, até hoje, muito se desconhece sobre essa civilização que construiu um dos monumentos mais grandiosos e misteriosos da humanidade. Será que você está por dentro destes 11 assombrosos fatos sobre o Tesouro do Nilo listados abaixo?
 
 

1. Cleópatra não era egípcia


Exceto pelo faraó Tutancâmon, Cleópatra VII é, sem dúvida, a figura histórica mais associada ao Antigo Egito. De fato, ela nasceu em Alexandria e pertencia a uma antiga linhagem de gregos macedônios, descendentes de Ptolomeu I, um dos conselheiros mais próximos de Alexandre, O Grande. A dinastia ptolomaica governou o Egito de 323 a 30 a.C. e seus líderes, a maioria composta por gregos, influenciou imensamente o aspecto artístico e cultural da civilização egípcia. Na verdade, Cleópatra foi famosa por ser um dos primeiros membros da dinastia ptolomaica a dominar o idioma egípcio. 
 
 

2. Os antigos egípcios adoravam uma jogatina


Depois de um longo dia de trabalho no Nilo, os egípcios costumavam relaxar disputando um dos diversos jogos de mesa como o “Mehen”, “Cachorros e Chacais” ou o mais popular deles, um jogo de azar conhecido como “Senet”. Esse passatempo remonta ao ano 3.500 a.C e era praticado sobre uma grande mesa pintada, com 30 armários. Cada jogador usava um conjunto de peças que avançavam sobre o tabuleiro. O jogo era tão popular que a maioria dos faraós era enterrada com ele. 
 
 

3. As mulheres egípcias tinham seus direitos reconhecidos e bastante liberdade


Apesar de, historicamente, a sociedade considerar a mulher inferior ao homem, as egípcias desfrutavam de independência jurídica e financeira. Podiam comprar e vender propriedades, participar de juris, deixar testamentos e até efetivar contratos legais. Embora, normalmente, não saíssem de suas casas para trabalhar, as que o faziam recebiam o mesmo salário que o homem pela mesma tarefa. Diferentemente das mulheres gregas, que eram propriedades dos maridos, as egípcias podiam se divorciar e casar novamente. Os casais do Antigo Egito costumavam fazer contratos pré-nupciais, onde os bens e riquezas que a mulher trazia à sociedade conjugal eram enumerados, o que garantia uma compensação por eles, em caso de divórcio. 
 
 

4. As pirâmides não foram construídas por escravos


A vida de um trabalhador de construção das pirâmides não era nada fácil. Prova disso são os esqueletos que revelam artrite e outros males. Mas as evidências sugerem que essas enormes tumbas não foram construídas por escravos e, sim, por trabalhadores assalariados. A mão de obra empregada na construção era de artesãos qualificados e operários temporários. Os hieróglifos próximos aos monumentos e pirâmides demonstram a utilização de apelidos bem-humorados para as equipes, com “Os bebuns de Micerino” ou “Os amigos de Quéops”. 
 
 

5. Os egípcios tinham diversos animais de estimação


O povo egípcio considerava os animais encarnações dos deuses e foram uma das primeiras civilizações a adotá-los como animais domésticos. Os egípcios eram amantes de gatos (relacionados a deusa Bastet), falcões, cachorros, leões e macacos. Os animais de estimação ocupavam uma posição privilegiada nos lares da época e eram mumificados e enterrados com seus donos, quando eles morriam. Sabe-se também que os policiais do Antigo Egito utilizavam cães e macacos treinados em patrulhas. 
 
 

6. Tutancâmon pode ter sido assassinado por um hipopótamo

 
Pouco se sabe sobre a vida do jovem faraó Tutancâmon. Mesmo assim, alguns historiadores asseguram saber exatamente como ele morreu. O estudo de sua múmia indica que ele foi embalsamado sem seu coração ou sua caixa torácica, uma alteração bastante drástica de acordo com as tradições funerárias da época e que pode indicar o fato de Tutancâmon ter sofrido uma lesão horripilante, que deformou seu corpo. Segundo diversos egiptólogos, uma das causas mais prováveis para tal ferida seria a mordida de um hipopótamo, cuja caça desportiva era uma tradição daquele tempo.
 
 

7. Muitos médicos egípcios tinham especialidades determinadas

 
A profissão de médico na Antiguidade costumava ser genérica, ou seja, o profissional estudava e empregava todo o conhecimento disponível sobre a saúde do corpo humano. Existem provas, porém, de que os médicos egípcios se agrupavam e atuavam em determinadas partes do organismo. Pode-se dizer que foi uma forma bastante antiga de especialização médica. O historiador grego Heródoto observou, a partir de 450 a.C que, no Antigo Egito, havia um médico para curar cada tipo de doença: alguns cuidavam dos olhos, outros dos dentes, entre outros exemplos. 
 
 

8. Os trabalhadores egípcios faziam greve

 
Os trabalhadores do Antigo Egito não pensavam duas vezes em protestar por melhores condições de trabalho. Um dos exemplos mais famosos foi o da grande greve de trabalho ocorrida no século XII a.C, durante o reinado de Ramsés III. O que motivou o protesto foi a falta de pagamento, na época feito em grãos, aos trabalhadores envolvidos na construção da necrópole real de Deir el-Medina. O protesto foi pacífico e consistiu na ocupação dos templos mortuários até um líder ser ouvido. A greve foi bem-sucedida. Depois de receberem seus grãos, todos retornaram ao trabalho. 
 
 

9. Os faraós do Antigo Egito sofriam de obesidade 

 
A arte egípcia retratava os faraós sentados e com corpos esculturais, mas a dieta faraônica revela outra história. Rica em cerveja, pão, vinho e mel, a alimentação egípcia era riquíssima em açúcar e diversos estudos demonstram que, na cintura da realeza, os quilos se acumulavam ainda mais. O exame de várias múmias revelou que muitos imperadores eram gordos e tinham uma saúde debilitada, agravada pelo diabetes. Um dos exemplos mais notáveis é o da rainha Hatshepsut, que em seu sarcófago é representada por um corpo esbelto e atlético, mas, na vida real, era gorda e careca. 
 
 

10. Homens e mulheres egípcios usavam maquiagem 

 
A vaidade é tão antiga quanto a humanidade e os antigos egípcios não foram exceção. Homens e mulheres se maquiavam pesadamente e acreditavam que o costume invocava a proteção dos deuses, mais exatamente Horus e Ra. Os cosméticos eram feitos à base de diversos minerais e misturados a uma substância chamada Kohl. A mistura era aplicada aos olhos com utensílios feitos de madeira, osso e marfim. Também era bastante comum o uso de perfumes, feitos com uma base de óleo, mirra e canela. Além disso, acreditava-se que a maquiagem tinha propriedades de cura. A pesquisa mostra que os cosméticos com chumbo, muito usados ao longo do Nilo, ajudavam a evitar infecções oculares.
 
 

11. Os antigos egípcios forjaram um dos mais antigos tratados de paz da história

 
Durante séculos, os antigos egípcios lutaram contra o império hitita pelo controle das terras que formam o atual território da Síria. Ramsés II governou sob ameaça constante de invasões em seu território por diversos povos. E foi então que, em 1259 a.C, egípcios e hititas negociaram um tratado de paz que deu fim ao conflito armado e promoveu um acordo de cooperação mútua, para evitar uma invasão por um terceiro povo.
 
noticias.seuhistory.com

CAVALO LUSITANO, O MAIS ANTIGO CAVALO DE SELA DO MUNDO - Raças de cavalos que sobreviveram até aos nossos dias, a raça Lusitano ocupa um lugar especial. De fato, em sua linha ancestral, o Lusitano - nome pelo qual é conhecido o cavalo Português - é o mais antigo cavalo de sela do mundo.

Cavalo Lusitano

O mais antigo cavalo de sela do mundo
cavalo-SuesteRaças de cavalos que sobreviveram até aos nossos dias, a raça Lusitano ocupa um lugar especial. De fato, em sua linha ancestral, o Lusitano - nome pelo qual é conhecido o cavalo Português - é o mais antigo cavalo de sela do mundo. Ele sabia como montar as idades históricas e em todos os continentes, preservando suas qualidades e habilidades, uma odisséia única quase sempre bem sucedida, selecionando as melhores práticas, sem o uso de cruzamentos com outras raças.
Curiosamente, porém, o cavalo Lusitano, que em sua linha ancestral também está na origem de praticamente todas as raças equinas que existem agora preservados, até recentemente, um lugar muito discreto, e, por vezes negligenciados no Mundo mundo equestre. Felizmente, a situação parece agora inverteu, eo puro-sangue lusitano retomou seu status de vários milhares vencedor cavalo. Era cavalo de guerra na antiga cavalo real da Europa do Renascimento, e torna-se o vigésimo primeiro século cavalo populares dos maiores campeões de arte equestre.



É por isso que parece bastante apropriado para dedicar-lhe algumas linhas.
Mas antes de entrar-se no coração desta discussão, no entanto, requer um pouco de conversa cavalo em geral, porque de todos os animais que o homem sabia como domar o cavalo é, sem dúvida, um dos mais nobres e generoso, ele também foi um dos primeiros animais a serem domesticados pelo homem, que ele rendut inestimáveis ​​serviços proporcionando-lhe, entre outras coisas, a mobilidade mais rápida e fácil, para uma superioridade sobre o inimigo, especialmente quando guerra, porque a cavalaria nunca foi melhor ou pior do que outras armas - era apenas diferente.
cavalos-peninsulares2Gostaria também de salientar que, muitas vezes discutido neste artigo cavalo Ibérico Peninsular ou ambas partes puro-sangue lusitano e andaluz a mesma herança histórica e genética. Os cavalos espanhóis e portugueses eram originalmente uma raça, vulgarmente conhecido como Peninsular Ibérica ou a cavalo, dependendo do período histórico. Ambas as raças têm cada um criado seu livro genealógico já no século XX (a data do Lusitano 1967). As diferenças entre as duas raças são mais pronunciadas nas habilidades da morfologia, porque seu gado sofreu ligeiramente diferentes direções a partir de um ponto.
A evolução do cavalo
Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a evolução do cavalo não era uma linha reta. Equus nossos tempos modernos é simplesmente o único ramo que resta de um arbusto uma vez muito ramificado de equinos, e quase todos do continente norte-americano.
As primeiras espécies equinas, muito pequenas aillleurs tamanho, apareceu na Terra há cerca de 55 milhões anos e não gosta de cavalos como os conhecemos hoje.
Os antepassados ​​do nosso Equus moderna entrou em cena apenas há cerca de quatro milhões de anos atrás e eles foram divididos em três única espécie com características semelhantes: um corpo atarracado, largo pescoço, uma cabeça semelhante a de um orelhas de burro, de tamanho médio e arranhões em suas costas e pernas como uma zebra. Estas três espécies foram rapidamente ramificada para dar origem a 12 novas espécies agrupadas em quatro grupos.
Durante os primeiros grandes glaciações do final do Plioceno, há cerca de dois milhões e seiscentos anos, a geologia da Terra era muito diferente do que conhecemos hoje, o que permitiu que certas espécies de eqüinos até América do Sul, o Canal do Panamá tinha acabado de formado. Outras espécies cruzaram o continente eurasiano norte da América para o Estreito de Bering, como ainda há anos um milhão e meio poderia traversser do continente americano para EuroAsia por causa do gelo. Ásia, estes cavalos migrou para a Europa e a partir daqui para outras partes da terra.



O fato é que estes cavalos são do continente norte-americano, que deu origem ao onagro ( Equus hemionus ) e do jumento ( Equus asinus ) deserto na África, Ásia e as zonas Média Médio, as duas espécies de zebras africanas ( Equus zebra e Equus grevyi) e também se tornaram cavalos reais na Ásia, no Oriente Médio e, claro, a Europa -Equus caballus .
No final do Pleistoceno, há cerca de 12.000 anos, estamos a assistir a uma extinção em massa de grandes mamíferos na América do Norte, como o mamute eo sabre tigre. E entre a extinção de mamíferos foram também cavalos. Pela primeira vez desde que os primeiros espécie equina tinha aparecido na terra, havia mais cavalos nas Américas.Eles vão ser reintroduzido a partir do século XV pelos europeus que vieram a descobrir (ou redescobrir) o Novo Mundo: espanhol e português.
A causa da extinção dos grandes mamíferos do continente norte-americano continua a ser um mistério, mas parece ser uma combinação de mudanças climáticas e caça excessiva por humanos, que tinham acabado de chegar ao continente norte-americano.Além disso tal situação acontece quando o Inglês e os franceses chegaram no Novo Mundo e foram praticamente exterminados, não só os índios, mas também grandes rebanhos de búfalos.
Extinção Assim, a única espécie de eqüinos escaparam eram aqueles que tinham emigrado, ou seja, zebras, prímula, burros e cavalos, eles se tornam Entretanto autóctones espécies várias regiões do mundo. Na Europa, estes cavalos eram principalmente refugiados na Península Ibérica, onde as condições são mais favoráveis ​​para a sobrevivência, esta parte do globo tem sido muito raramente sob o gelo.
Por volta de 4000 aC, o início do Calcolítico, o clima da Terra tornou-se mais suave, permitindo a migração do cavalo de volta para a Europa Central e Setentrional. Este período também coincidiu com o surgimento de uma nova cultura, conhecido como o recipiente de cultura da taça, cujo berço estava, de acordo com o consenso dos historiadores, na bacia hidrográfica do Tejo (território Português hoje) . Nós certamente nunca se sabe ao certo se este é o cavalo que tem contribuído para a expansão dessa cultura, ou se é esta cultura que tem contribuído para a emigração do cavalo, mas sabemos que estes dois migração estão ligados.
Puro-sangue lusitano e andaluz puro originalmente um único cavalo
Antes de retornar agora à história do Lusitano, cavalo puro-sangue Português, é oportuno salientar que será pergunta, muitas vezes neste documento, cavalo ibérico (ou península), como o andaluz e puro-sangue Lusitano compartilham o mesmo património histórico e genética. Os cavalos espanhóis e portugueses eram originalmente uma raça, vulgarmente conhecido como Peninsular Ibérica ou a cavalo, dependendo do período histórico. Além disso, as duas raças têm cada um criado seu livro genealógico já no século XX. As diferenças entre as duas raças são mais pronunciadas nas habilidades da morfologia, porque seu gado sofreu ligeiramente diferentes direções a partir de um ponto. No entanto, estudos genéticos foram realizados em tempos recentes mostram que as diferenças no nível genético, também existe entre as duas pistas.
Evidências históricas e arqueológicas
vestígios arqueológicos, tais como ferramentas ou objetos de decoração e apresentações artísticas que demonstram a existência do cavalo na Península Ibérica, agora são bastante numerosos, tanto em Espanha e Portugal, e nós indicam que podemos diminuir pelo menos até cerca de 25.000 anos antes de nossa era a presença do cavalo na região da Europa.



Pinturas rupestres descobertas até agora na Península Ibérica, a maior de Portugal incluem: 
• cavernas Escoural, Alentejo, datando de um período de 17 à13.000 BC. JC. 
• gravuras paleolíticas Mazouco, com um pequeno número de figuras, incluindo uma representação completa de cavalo 
placas • gravado encontrados em Vale de Boi, Algarve, um sítio arqueológico do Paleolítico Superior • e, acima de tudo, as famosas pinturas rupestres Foz Coa Valley, na área do vinho do Porto, algumas pinturas datam mais de 25.000 anos, sendo assim, as mais antigas pinturas rupestres na Europa. Aqueles de Lascaux data de cerca de 15.000 anos atrás; Chauvet entre 19 a 20 mil anos Altamira entre 12,5 a 14 mil anos)
cavalo-canada-inferno
Obviamente, essas relíquias antigas não são o Lusitano (Lusitano puro-sangue) dos tempos modernos, mas as formas ancestrais de cavalos que coexistiram na Península Ibérica.cavalos-sorraia1Sorraia Entre eles, um cavalo selvagem todas as razões para acreditar que ser a partir do cruzamento de grupos aborígenes locais cavalos primitivos com cavalos tensão Oriental e / ou Norte Africano de idade. Algumas cópias ainda existem hoje em Portugal, e da relação entre o Sorraia eo Lusitano foi recentemente confirmada pela genética.
Para o registro, o Sorraia era conhecido na Idade Média, sob o nome de Zebro (Zebra).Isso é por causa da semelhança do Sorraia, com seus "primos" que os afro-Português chamados de "zebras" cavalos de África. Nas línguas européias, pelo menos, a palavra para zebra é de origem Português.
Como vimos, será principalmente ao sul da Península Ibérica, nas regiões que mais tarde se tornariam o Alentejo, em Portugal e Andaluzia em Espanha, as grandes manadas de cavalos vai encontrar o ambiente ideal para sobreviver e desenvolver, esperando o momento de voltar, de 4000 aC, de volta para a Europa Central e do Norte, durante a expansão do navio cultura taça. O Sorraia, também, permanecer isolado por milhares de anos, essas vastas planícies para tribos War Horse, que, de acordo com evidências arqueológicas, a área já habitadas durante o Neolítico.
De acordo com vestígios arqueológicos, também sabemos que a fabricação de cordas usadas para amarrar cavalos já era praticado na Península Ibérica durante o período neolítico. Ele também usou uma pedra de armas, como a alabarda de tempos medievais. No entanto, a função da alabarda era derrubar o inimigo a cavalo. Por outro lado, a data de forma significativa desde os tempos neolíticos ou até mais antiga, algumas gravuras encontradas em monumentos megalíticos que representam cavaleiros.
O 3 º milênio aC, tribos ibéricas do norte da África (Líbia) invadiram a Península Ibérica, que, assim, tomar o seu nome. Essas tribos trouxeram cavalos, e cruzamentos inevitáveis ​​ocorreu com cavalos peninsulares aborígenes.
Para o 1 º milénio aC. AC, os fenícios primeiro entrar em relações comerciais com a Península Ibérica. Eles são seguidos pelos cartagineses. No entanto, o comércio com esses recém-chegados, todas as nações marítimas, não desempenham qualquer papel na corrida de cavalos Ibérica.
Não era até a chegada dos Celtas por volta de 700 aC. JC para novas contribuições sucesso, e certamente é que essas cruzes são dos famosos cavalos celtiberos. No cinto de ouro mostrado à esquerda, vemos uma espécie de procissão de cavaleiros e guerreiros com duas espadas e um pequeno escudo redondo (caetra) e usando um capacete com três plumas, como os descritos por Estrabão (Livro III, 3 , 6). Este cinto foi encontrado ao norte da Península Ibérica, especificamente nas Astúrias (actualmente em Espanha).
p3140371-cavaleiro-estela-funerariaEntre os vestígios arqueológicos que mostram uma predominância Celtiberian desenvolvido, a cultura equestre pré-romana da Península Ibérica, encontramos também algumas lápides e objetos para vários usos.
Quanto à evidência histórica, eles são apenas, como muitos, mas às vezes misturada com lendas e mitos.
Na verdade, nós já disse Homero na Ilíada (vocal XVI, versos 203 e seguintes), falando dos cavalos de Aquiles, a partir da Península Ibérica: " Pátroclo ordenou Automedon, ele honrou a mais depois de Aquiles e que foi o mais fiel na batalha para aproveitar os cavalos à carruagem. E é por isso Automedon submetidos ao jugo harpiacavalos velozes, Xanthus e Balius, que ambos, voando como o vento, ea Harpia frogmouth foi projetado Zephyr, quando pastando em um prado nas margens do rio Oceanus " . O rio Oceanus foi o Oceano Atlântico para os Antigos. É por esta razão que Homer considerado invencível.
Os cavalos de Aquiles provavelmente após gregos Pegasus, os cavalos mais famosos imortais. Estes cavalos eram mais uma característica bastante singular: eles falaram. Na verdade, são eles que, em outra passagem da Ilíada, Aquiles anunciar que sua morte será em breve.
Uma característica particular do myhtologie grega é que os deuses do vento são normalmente representados por cavalos. Zephyr era o deus do vento oeste. Por outro lado, é curioso que alguns deuses são deuses dos pilotos, e há no Museu Britânico um mosaico de Cartago, cujo tema nos desafia e nos intriga. É a representação da deusadeusa-atlânticagrega Atalante. Segundo a lenda, a Virgem Caçadora ter jurado se casar com ele só quem ganharia a corrida.Hippomène atingido, caindo tois maçãs douradas escolhidos do jardim das Hespérides. No entanto, não só o cavalo Lusitano recorda o extraordinariamente - especialmente em sua forma mais antiga de Sorraia -, mas, além disso, as três ninfas Hespérides também eram conhecidos como a Deusa do sol, de modo que o seu jardim brilhava com um brilho dourado de pôr do sol.Considerando que, no que diz respeito à Grécia, a Península Ibérica situa-se no Ocidente, de modo que o lado do sol poente, deixo as conclusões a sua imaginação ...
centauroOutra figura mítica, o Centauro, também parece estar associado com guerreiros ibéricos, incluindo os lusitanos, os seus cavalos.Os pontos de vista dos historiadores, além disso, é mais no sentido de que esta é a união perfeita entre o cavalo eo cavaleiro Lusitano que se desenvolveu o mito do centauro, metade homem, metade cavalo .
Se estas poucas alusões a origens gregas e habilidades dos pilotos e seus cavalos licença Ibérica reflete um pouco lenda, não podemos dizer o mesmo do que Xenofonte nos diz noHellenic (Livro VII, o Peloponeso Wars) em 50 pilotos Ibérica liderado por Dionísio de Siracusa Tiran para lutar ao lado Spartiens contra os atenienses. De acordo com o general grego, famoso escritor e filósofo discípulo de Sócrates, a cavalaria ibérica tinha conseguido, sua maneira particular em combate, para romper as forças atenienses poderosos e causar sua derrota.
Quando os gregos chegaram à Península Ibérica, encontraram um tipo de piloto que se destacou pela velocidade de seus cavalos, a forma original de combate e sua equitação superior. Os gregos têm ou não fornecidos ou a evolução do cavalo ou a cultura do cavalo no nada Península Ibérica. Se nos lembrarmos do que dissemos Homero naIlíada , nunca é questão de cavalaria, porque os gregos na época da Guerra de Tróia estavam usando cavalos no chicote de fios, não como um monte, a menos que ele teve que fugir.
Divisao-admin-alto-imperio romano-Com a conquista romana da Península Ibérica, conhecida a partir desse momento como Hispania (Hispania em correto e moderno francês, para de modo algum ser confundida com a Espanha, que é um país que só existe desde 1492) ou melhor Hispaniae (os Hispanies) , a cultura equestre vai experimentar um avivamento. No entanto, ao contrário do que muitas pessoas acreditam, e que às vezes falar de escritos recentes feitas às pressas e sem levar em conta a verdade histórica no início da invasão das legiões romanas, no entanto, não tinha cavalaria. Os romanos importado este equestres povos cultura celtiberos. Os romanos, como os gregos, antes deles, usado carruagem puxada por cavalos - uma vez que estes tanques corridas que vemos em filmes históricos, eles não usá-los como montarias.
Se lermos as histórias de guerras hispânicos, percebe-se que os romanos sentiu uma grande admiração por guerreiros hispânicos, muitos dos quais participaram das Guerras Púnicas para os Guerreiro-Lusolados dos cartagineses. Romanos exaltar qualidades particularmente guerreiras do Lusitano. Viriatus é a figura mais emblemática da resistência Lusitana contra Roma, e por cerca de dez anos, ele e seus pilotos Lusitano vai infligir derrota após derrota os romanos.Para se livrar de Viriatus, Roma teve de usar o método de má reputação de fazer um assassinato.
De acordo com o historiador e filósofo grego Arrianus, a melhor prova de apreço que os romanos podiam testemunhar para a cultura equestre ibérica reside no fato de que eles adotaram a forma de combate dos povos ibéricos e seus cavalos usados ​​para melhorar suas próprias raças.Descrições Valuable dos cavalos ibéricos também deixar-nos Virgílio, Varro, Livy, Isidoro de Sevilha, Ápia, Diodoro da Sicília, Valerius Maximus, para citar apenas os mais conhecidos.
Júlio César, nos diz repetidamente em seus Gália Guerras , cavalos e cavaleiros que tinham vindo de Hispania - então já pacificado e se tornou uma província romana - a ter lugar em Roman morre.
Hispania, especialmente na Lusitânia, também serão selecionados para os melhores cavalos para correr em pistas de Roma. Os romanos, contudo, não se esqueça de construir pistas também na Península Ibérica, e três pistas conhecidas, uma delas está localizada no Alentejo (Portugal), e faz parte do complexo de ruínas romanas Mirobriga um grande centro de corridas de cavalos no momento. Infelizmente, este site excepcional é completamente abandonado, como é, infelizmente, muitas vezes, o caso também com outros sítios arqueológicos, as autoridades portuguesas têm dinheiro para gastar na construção megalomaníaco de futebol que vai de vez em quando, mas queda em ruínas do património histórico e cultural.



Mas voltando à nossa história do cavalo Lusitano. Há alguns anos, em Torre de Palma, também Alentejo foram atualizados ruínas de uma villa romana do final do século terceiro, um quarto foi decorado com um mosaico de cinco vencedores cavalos, conhecidas desde que o cavalos de mosaico. As imagens são muito realistas eo interesse desta descoberta está no fato de que, naquela época, o imperador romano tinha quase um monopólio estábulos fornecendo cavalos de corrida e apenas criadores de Hispania tinha o direito de vender seus cavalos em todo o Império, o que significa que os particulares poderiam comprar ... se tivessem os meios financeiros, é claro.
Os cavalos semelhança representadas nestas imagens - especialmente Inacus (direita e inferior), Hiberus (esquerda, em cima) e Lenobatis (Centro) - com os nossos tempos modernos Lusitano não deixa dúvidas. Isso eles ilustrado no hipódromo de Mirobriga ou em outro lugar? Nós provavelmente nunca saberemos. Por contras, estes cavalos trazem a marca do produtor, e se um dia nós pode encontrar informações sobre esses agricultores, então isso irá permitir um conhecimento mais profundo sobre a criação de cavalos naquele período inicial.
Justino, um historiador romano do terceiro século dC, menciona em sua obra Epythome(XLIV Book) sobre a Lusitânia e seus cavalos: " A partir daí (Lusitânia), na verdade, não são apenas um monte de grãos, mas também vinho, mel e azeite. Seu ferro é excelente e rápido cavalos de corrida . " O historiador romano também nos diz que "Para muitos (Lusitano), os cavalos de guerra e suas armas são mais caros do que seu sangue . " Este descrições esposa afirmação de outros autores clássicos, que consideravam a ligação entre o cavalo Ibérico e cavaleiro tão especial que, quando um cavaleiro não poderia levar com ele o seu ponto de cavalo, faillait leva pelo menos a sua aproveitar em um único anexo demontration.
Em outra passagem de sua obra, Justino também nos dá uma interpretação interessante e realista do éguas fertilização mítico da Península Ibérica, que falava grego. Ele escreve: " Muitos autores têm dito que Lusitânia, perto do rio Tejo (Tejo hoje) éguas de design pelo vento, mas tais histórias têm a sua origem na fertilidade éguas e da grande quantidade de manadas de cavalos, que são tão numerosas e rápidas, Galiza e Lusitânia, podemos pensar, não sem razão, eles são o filho do vento ".
Virgílio (70-19 aC a. AC), o grande poeta latino, também voltou para o tema de éguas que projetam apenas pelo vento ... ( Geórgicas )
Seria impossível mencionar aqui todas as referências históricas que as fontes convencionais nos deixaram sobre os pilotos famosos ibéricos e seus cavalos, mas também devemos mencionar que entre eles há alguns que descrevem os cavalos ibéricos somar "frenati "isto é, usando um pouco, o que, aparentemente, não foi usado por outras pessoas cavaleiros da época, como os númidas e os hunos, no entanto, este último tendo sido o primeiro a utilizar os estribos.
No século V da nossa era, novos invasores chegam à Península Ibérica. Vândalos resolvido sul, na área conhecida como Andaluzia, portanto, de acordo com alguns autores região, outros autores consideram uma origem árabe, em vez do nome desta região. Vândalos siga os godos. Estes trazem com eles seus cavalos pesados ​​germânica, sem causar uma influência significativa sobre o modelo e as qualidades tradicionais do cavalo Ibérico.
As coisas estão se movendo novamente, no entanto, quando os mouros desembarcaram na Península Ibérica no início do século VIII. Este é outro erro que, infelizmente, muito comum considerar os invasores mouros, como os árabes. Eles não eram. Por esta razão, é também um erro atribuir o cavalo Português ou Espanhol, uma relação com os puros-sangues árabes. Não houve contribuição de sangue árabe. Como a história nos mostra, se o comércio não tinha, eles não poderiam estar com a farpa.
Além disso, estudos genéticos recentes mostram que os cavalos puro-sangue árabes não compartilham do mesmo grupo que o andaluz e puro-sangue Lusitano. Por contras, estes estudos genéticos confirmam que o Sorraia é um ancestral primitivo do cavalo e do Lusitano e da Andaluzia, portanto, também o ancestral de cavalos de sela de sangue quente. Além disso, estudos genéticos também confirmam a relação entre o Sorraia eo Tarpan, cavalo pré-histórico da Eurásia (Indo-Europeu), que é considerado o ancestral direto de cavalos domésticos em geral, e cujo último exemplar morreu em um zoológico em Moscou em 1875. Cientistas procuram recuperar, utilizando para o efeito o Sorraia e hibrides poloneses.
Voltando às invasões dos mouros, no entanto, algumas reflexões são também necessários. Pelas fontes históricas sabemos da Meralla chegada (agora Tarifa em Espanha), 712, quatrocentos berberes acompanhado cem cavalos. Mas algumas décadas mais tarde, na batalha de Zakala entre as forças cristãs sob Afonso VI de Leão e Castela e muçulmano Ibn al-Tashufin e Mutamid, as forças muçulmanas já tinha 30.000 milhas cavalos. Temos algumas dúvidas para acreditar que todos estes cavalos eram da África. Por contras, parece bastante plausível que os mouros, um especialista em assuntos equestres pessoas, ter usado a seu favor a maravilhosa herança que o cavalo era peninsular. Especialmente desde que os mouros - como, aliás, quase todos os povos muçulmanos - já praticada na época um cavalo diferente dos pilotos europeus. Eles subiram para a gineta.
Esta equitação foi praticado com estribos muito curtos, o que permitiu que o piloto não só melhor manter o equilíbrio no combate, mas também para ter maior mobilidade e maior disponibilidade de movimento, porque a guerra era gineta baseado mais sobre a carga brutal contra o inimigo, como no caso da guerra contra o brida, mas em combate próximo.
Este tipo de equitação chamado cavalos afiados e muito útil, qualidades que são facilmente encontrados na península de cavalo.
Cristãos de pilotos Hispania irá adoptar rapidamente este tipo de equitação. São a prova do buffer de D. Fernando e escultura de pedra calcária, ambos representados aqui.
Balde equestre de D. Fernando
Balde equestre de D. Fernando
escultura de pedra calcária
escultura de pedra calcária
Com seus cavalos peninsulares, o Português vai fazer maravilhas durante a luta contra os mouros e, certamente, contribuir para a conquista de territórios, já em 1143, formado em Portugal, e se tornou ap3190421-Cavaleiro-english-mata-mouroprimeira nação independente na Europa. A figura à esquerda mostra uma cena de batalha, onde um piloto Português na gineta mata mouros.
Obviamente, montando a brida continuar a usar paralelo, especialmente como choque de cavalaria. Há no Salão de Batalhas do Mosteiro de El Escorial um enorme afresco representando cavaleiros freou e outro para Gineta em uma batalha ocorrida em 1431 entre o rei de Castela, Juan II, e o rei mouro de Granada, Mohamed VII.
O período após a independência de Portugal certamente marcar uma primeira clivagem na criação de cavalos Peninsular, superior de um lado ou do outro da fronteira por diferentes povos.
O cruzamento de cavalos peninsulares com cavalos berberes Mouros é, no entanto, não é de todo excluída e não está excluído, quer após a reconquista cristã, quando os mouros retornou à África, que tomaram cavalos ibéricos com eles, porque eles gostavam muito deles, como informamos alguns historiadores, incluindo Ben Price Kaitia já 711, e muitos outros como El Doby, Al Makkari El Silense, Idacio, Isidore, Preço Aben Taric Ben Adhary ...
Em qualquer caso, centenas, até mesmo milhares de cavalos peninsulares são deixados com o Português durante incursões no Norte de África, no século XV, e milhares permaneceram lá após a terrível batalha de Alcácer-Quivir em 1578 (foto) onde o jovem Português D. Sebastião perdeu a vida, um evento que marcou o abandono das possessões portuguesas em Marrocos.
O fluxo de cavalos ibéricos para a África e cavalos africanos para a Península Ibérica durante os quase oito decorrido entre a chegada ea partida definitiva dos séculos mouros só tem reforçado as corridas já geneticamente características muito próximas peninsular equinos e berbere, o que explica a estabilidade extraordinária do cavalo Lusitano.
A partir do século XVII, o cavalo peninsular - que nasceu de um lado ou do outro da fronteira - é admirado por toda a Europa, destronando assim o cavalo Napolitano, apesar de ter sua mesmo muito sangue cavalo Peninsular não era o menos um cavalo bastardo pesado e, depois de atravessar praticada na Idade Média, com os cavalos pesados ​​do norte da Europa.
O peninsular cavalo torna-se, assim, a montagem premiado de reis e escudeiros mestres da época, e os nomes de alguns pilotos famosos dos séculos XVIII e XIX são o suficiente para testemunhar, como o Marquês de Marialva (foto), cujo nome é inseparável da arte equestre em Portugal, o Sr. Nestier, escudeiro do rei de França (1753) (foto), o Marquês de Castello-Melhor ou o Sr. Manoel Carlos de Andrade.
Enquanto isso, o real anda Portugal e Espanha criar todos os tipos de shows de cavalos, cavalo peninsular, que dá um brilho especial. Entre esses shows são as "corridas", para a qual o entusiasmo popular é cada vez mais crescentes.
No entanto, as coisas vão mudar em breve, especialmente na Espanha, onde o advento da Phillipe V de lado origem francesa dos Bourbons, o declínio resultando na arte de touradas na Espanha. Isso não tem impacto em Portugal, onde a tradição continua. Pelo contrário, acho que podemos dizer que é a partir deste ponto que a separação final entre os dois agricultura peninsular ocorre e se tornar a sela do cavalo Lusitano que conhecemos hoje. As diferenças entre os andaluzes e raças de cavalos Lusitanos sendo mais pronunciada nas habilidades da morfologia ou genética, é a orientação do gado que vai agir sobre a separação.
O cavalo Lusitano, assim como seu primo da Andaluzia, foi selecionada por séculos, especialmente tendo em vista a arte do toureio, para o qual ele tem qualidades inatas.Com a abolição da tauromaquia em Espanha, foi este componente que foi perdido.Espanha também foi favorecido pela sua puro-sangue andaluz a aparência excessivamente elevado em um objetivo um tanto espetacular apreciado para desfiles e equipes. Em Portugal, por contras, funcionalidade sempre foi um ponto importante ao selecionar o puro sangue lusitano.
Embora seja muito difícil de aceitar por pessoas sensíveis (inclusive eu), deve-se reconhecer que não é possível falar sem mencionar o touradas espetáculo Lusitano para o qual e pelo qual as habilidades tradicionais de puro-sangue lusitano foram melhorados. Tourada em Portugal - chamado tourada (fotos) - no entanto, diferentes de seu primo espanhol pelo fato de que não há morte do touro na arena, e as suas pontas são revestidos couro. Para tanto a tourada aficionado pela arte equestre amador, touradas proporções manifestações portuguesas de virtuosismo inigualável em qualquer outra modalidade equestre. É, aliás, uma das formas mais bem sucedidas de entendimento entre cavalo e homem.
Estes elementos bastante positivos pode sugerir criação do puro-sangue lusitano era perfeitamente, mas com as guerras napoleônicas no início do século XIX viu um declínio no número de cavalos nos dois países ibéricos. Em Portugal, o ex-Real Stud de Alter vive de tempos de desespero e está em vias de extinção: os cavalos são leiloados e dispersos. Esta terrível situação permanecerá até o século XX, e que devemos a Dr. Ruy d'Andrade, zootechnicien si mesmo e criador do puro-sangue lusitano linhagem familiar que leva seu nome, o resgate do patrimônio genético valioso é a tensão Alter.Além disso, deve reconnaiître se o puro sangue lusitano em geral poderiam ser salvas in extremis, ele deve enfrentar a dedicação ea persistência de criadores particulares portugueses.
Para adicionar a esse quadro trágico que falamos, a consagração, no século XIX, moda cavalos árabes e Inglês, vai atrapalhar ainda mais o mundo equestre e influenciar a visão de esportes, o que exigia mais potência e mais rápido, portanto, um forte desempenho financeiro, que modalidade de cavalos árabes e seus cruzamentos eram preferidos. Além disso, o gosto das corridas na Inglaterra começou, de acordo com fontes históricas, já no século XII, quando Ricardo Coração de Leão tinha trazido em seu retorno da Terceira Cruzada, leste de dois cavalos, que faziam parte do espólio Chipre, ea primeira corrida está falando Sir Bevis e métrico românicas escritores foram, assim, realizada sob seu reinado.
Este Anglomania compromete a sobrevivência dos cavalos hispânicos. Valores como elegância, graça, leveza e flexibilidade foram colocados por último. Esta crise vai durar mais de um século, até que o mundo do esporte equestre encontra a sua diversificação e horsemanship experimenta a sua reavaliação. Para o sucesso deste último desafio foi a significativa contribuição do Sr. Nuno de Oliveira, um dos maiores pilotos do século XX, que discutiremos mais tarde.
Além disso, inovações introduzidas tecnologiques entretanto no campo militar a sentença de morte para o cavalo de guerra em quase toda a Europa. Seu uso vai continuar, no entanto, ainda século XX em Portugal, foi usado pela última vez durante a guerra em Angola, nos anos 60 e início dos anos 70. Com o fim de cavalaria militar, por conseguinte, um passo longo da vida do cavalo termina muito. Não se esqueça, por exemplo, que, desde a incorporação em 1912 da modalidade nos Jogos Olímpicos da era moderna, com três exceções, todas as medalhas de ouro foram ganhas por militares e isso até em 1948.
Felizmente as atitudes estão mudando com o tempo, ea razão para finalmente compreender que o prazer de Arte Equestre pode ser jogado também em outras tabelas. A equitação é uma arte com uma alta gama de cores e diversificada. Assim, a competição de alto adestramento evolui, Equitação de Trabalho ganhando terreno, o acoplamento se torna tendência, passeios de lazer e esporte está batendo corações.
Montando em Portugal implanta evolução multifacetada permanece constante influenciado por equitação esporte, mas mantendo as suas tradições, caracterizada pela funcionalidade e extremos estéticos. É no contexto da valorização da arte equestre que devemos situar a obra de Nuno Oliveira Master (foto), este escudeiro Português talentoso que tentou, com um entusiasmo inabalável, "passando" saber , fruto de um grande conhecimento da tradição equestre Latina, o trabalho constante e, especialmente, um talento excepcional. Ele foi sem dúvida um dos maiores pilotos do século XX. Dos seus cavalos mais famosos, lembramos Beau Geste (as fotos), ou Euclides Ansioso, o último tendo sido um brilho inigualável, apesar de seu pequeno tamanho.
Nós vimos no início deste artigo seria importa muitas vezes o nome do cavalo ibérico ou peninsular e mesmo andaluz ou espanhol. Temos que voltar a este ponto, a fim de compreender que se o cavalo Lusitano é historicamente conhecido como alguns nomes incorretos, este é principalmente devido à negligência do Português, que nunca se preocuparam em certos detalhes de precisão histórica - mas extremamente importante . Além disso, a má tradução da palavra Hispania Espanha, mesmo às vezes até mesmo antes da formação da Espanha como uma nação independente, também são parcialmente responsáveis ​​por essa situação, leva muito Souvant a confusão, mesmo impasses.
Seria difícil acreditar que Portugal já e como um país cristão, iria comprar seus cavalos na Andaluzia, por vezes, quando a área ainda estava nas mãos dos mouros, porque, como sabemos que é a Espanha como um país unificado e independente desde 1492.Não é possível, quer como "vassoura de Espanha", usada por muitos pilotos e reis cristãos, incluindo Ricardo Coração de Leão (1157-1199) eram de origem andaluza, pelas mesmas razões que nós temos vista.
Tais situações surgem quando falamos do Inglês puro-sangue, conhecido como o produto cruzado de padrões árabes ou norte-Africano - os mais conhecidos são o Darley Arabian e Barb Godolfin - com éguas "andaluzes". Durante séculos, nós tentamos, em vão, descobrir exatamente o que esses "éguas reais" (éguas reais) e que quase sempre à procura de um longo tempo sem encontrá-lo, porque ele nunca encontra nada se não procurar no lugar certo. Seria mais lógico pensar que as éguas foram comprados em Portugal, como o tribunal de Inglaterra manteve relações comerciais e políticos mais estreitos com Portugal com a Espanha. Além disso, Charles II, uma soberana Inglês, que desempenhou um papel importante no estabelecimento da arte equestre em seu país, era casado com uma princesa Português, Catarina de Bragança.
Tendo esclarecido estes pontos, que eu considero uma enorme importância para a história do puro-sangue lusitano e seu lugar na história, revenos Haras Real. Criado em 1748 por D. João V, o cravo foi instalado na vila de Alter, que mais tarde tomou o nome. D. José I continuou o trabalho de seu pai, e ele é sempre comemorado com seu cavalo Lusitano "Nice" na estátua equestre na Praça do Comércio, em Lisboa.
Haras Real (ou Stud Alter), desde o puro sangue lusitano utilizado por pilotos do "Picaria Real", ou seja, a Armaria Real, a Academia do tribunal Português, criado no século XVIII século. A Armaria Real foi extinta em 1807, no início das invasões napoleónicas em Portugal, como já vimos, mas, felizmente, suas tradições e ensinamentos não foram perdidos - especialmente com as touradas. Após as vicissitudes trágicas que marcaram e salvamento pelas mãos do Dr. Ruy d'Andrade, Haras d'Alter recuperou seu prestígio, e seus padrões são os únicos utilizados pela Escola de Arte Equestre Português.
A Escola de Arte Equestre Português foi recentemente criada em 1969, no entanto, é o guardião de uma rica tradição equestre começado com a Armaria Real, que ela se recuperou trajes e arreios na época, eo trabalho acadêmico executadas de acordo com os princípios da equitação clássica (fotos). Os estábulos são temporariamente localizado no exterior do Palácio de Queluz, a cerca de 15 km de Lisboa, mas, apesar de planos para reinstalar esta prestigiada academia no antigo Palácio de Belém (onde hoje é o Museu dos Coches) , nada de grave foi novamente realizada. Apresentações públicas são realizadas de maio a outubro, toda quarta-feira às 11 horas, nos jardins do Palácio de Queluz.
Em alguns spectales pela Escola Português de Arte Equestre, os pilotos usam o hábito do século XVIII, inspirado pelo Marquês de Marialva, grande cavaleiro do tribunal Português, que também marcou para sempre a arte de Montando em Portugal, este vestido é composto por um creme de camurça culote e altas meias brancas, usadas com leggings de couro preto. Jacket, colar longo, vermelho e preto enfeitado com trança preto e dourado. O colete é creme, com pequenos botões dourados, e tricórnio preto, sem penas.
E uma vez que estamos no riders traje de montar roupa portugueses touradas Português de volta também na época do Marquês de Marialva, mas é muito mais cintilante do que a escola Queluz, que acabamos de discutir. Os tecidos utilizados são de veludo ou seda, em cores apropriadas, com ricos bordados de ouro e um jabot e punhos com rendas. O traseiro é branco e é usado com meias brancas até o joelho. As botas são pretas. O tricorn também é preto, mas decorado com penas.
Outros trajes típicos de Português estão montando traje e segurando campanha campino e não deve confundir as duas coisas.
O vestido de batalha é uma roupa elegante usada por pilotos em competições e outros eventos equestres, incluindo os Golegã Feira - ou International Horse Fair Puro Sangue Lusitano - é o maior em Portugal e mais conhecido fora das suas fronteiras. O equipamento é composto por uma calça preta ou cinza e um casaco curto preto normalmente, mas também pode ser bege, cinza ou marrom, de acordo com o mais cor para combinar com a calça. É costume deixar jaqueta ourverte também.
campino sendo as planícies de camponeses do Alentejo e Ribatejo, sua roupa é feita de utilidade grosseira e tecidos. É composto por uma camisa branca, um colete vermelho muito característico - o colete de campino - e calças pretas usadas com meias brancas e sapatos pretos, complementada por uma tampa verde, também muito típico Este personagem não passa despercebido quando navegue nas vastas planícies portuguesas.
Em termos de puro-sangue lusitano singular, titular, eles são muito mais simples e menos restritiva do que os pilotos que os utilizam. O vestido de puro-sangue lusitano aceita todas as cores, exceto cavalos Alter estirpe, quando a intenção de ser usado pela Escola Português de Arte Equestre. Nesta instituição cavalos vestido sempre presente baía preto, por razões de coerência do show. Mesmo no que diz respeito ao vestido Lusitano, não é incomum que as cópias também tem algumas marcas consideradas primitivas, como a chamada "faixa dorsal", embora este seja um sinal de seu fim verdadeiro ancestral de origem Português Sorraia. George Hamilton, um grande amante do cavalo ibérico, no século XVIII, nos dá um vislumbre neste vestidos de mesa puro sangue lusitano de seu tempo.
Como entendemos, o cavalo puro-sangue lusitano é um cavalo com habilidades variadas, refletindo sua carreira, que remonta mais de 5.000 anos. Era cavalo de guerra e caça, mas ele também era os pastores companheiro diário Plains Tejo e Alentejo, onde ainda é usado hoje por campinos manter tauraux selvagem, que é como inseparáveis.
Desde os primórdios da história da Lusitânia até hoje, o puro-sangue lusitano - quer na sua forma ancestral, ou na sua modernidade - a partilha diária do povo português, que ganhou por suas qualidades e que ele proporcionado momentos gloriosos. Seu temperamento extraordinário, puro-sangue lusitano não deixa ninguém indiferente. Por sua capacidade de coletar, ele conquistou para os entusiastas séculos Arte Equestre.Por seu poder e senso de antecipação, ele venceu a competição Dressage ou acoplamento. Por sua inteligência e equilíbrio é o aliado essencial e artistas companheiro cativantes. O Lusitano também se destaca na equitação de lazer e desportos equestres. E se todas essas qualidades não foram suficientes para fazer dele um cavalo excepcional, ainda nos surpreende por sua frugalidade e economia fonte rusticidade.
O actual Lusitano vem de quatro linhas principais, dois garanhão privado (Veiga e Andrade) e dois responsbilité cravo sob o Governo Português (Coudelaria Nacional e Coudelaria Alter). Em Alter e Andrade, encontrou as linhas de origem espanhola. Linha Veiga é um dos mais populares, o que dá o maior número de espécies e de mobilidade para alguns agricultores esta linha é considerada essencial, especialmente para os profissionais de touradas. Mas, como tudo na vida, existem vários outros fatores que desempenham na produção de um puro-sangue lusitano de alta qualidade.
A complementaridade da Veiga tensão com a de Andrade foi excelente e deram cavalos pendentes como Novilheiro, o cavalo quase mítica de grande campeão olímpico John Whitaker (foto).
Outros exemplos de várias linhas de prestígio são Neptuno e Opus 72, também irmão Novilheiro porque ambos Guerrita filho da égua, a linha Veiga. Nirvana, a criação Interagro Lusitano Brasil (foto).
No acoplamento de alto nível puro sangue lusitano também mostrou sua habilidade quando Felix Marie Brasseur belga (foto) dedicada ao acoplamento campeão mundial Jogos Equestres 2006, Alemagne com Odoroso Quijote, Orpheu e Tulipa.
A lista de cavalos em destaque seria longa por causa de Orfeu, que atingiu o nível olímpico pelas mãos de Catherine Durand (foto) campeão por equipe na França Impacto, o vencedor da Copa do Mundo em 2006 Hitch pelas mãos de A. belga Herman (foto), por meio de Guizo montado pelo cavaleiro espanhol Juan Antonio Jimenez, Ripado, montado por Carlos Pinto Campeonato Mundial, Mulato, montado por David Duarte Oliveira (foto), vencedor no teste de capacidade de manobra no adestramento o II Campeonato Mundial de Equitação de Trabalho, que teve lugar em 2006 em Lisboa, e Garoto, cavalo do adestramento clássico, tudo puro-sangue lusitano tem que algo especial que nos faz sempre ir mais longe e descobrir novas experiências que ainda não tinha suspeitas na arte equestre.
Existem hoje cerca de 350 agricultores puro sangue lusitano Portugal, mas apenas um deles produz tópicos cinquentaine acima modelo. Os criadores de Lusitanos são representados em Portugal pela Associação Português de Puro Sangue Lusitano, que também mantém o supevision Livro genealógico no âmbito do Ministério da Agricultura.
O livro genealógico do puro-sangue lusitano foi inaugurado em 1967, mas agora está fechado, assumindo, assim, mais longe Título Original inscrição.
Fora de Portugal, a criação do puro-sangue Lusitano também está crescendo. Na primeira linha, encontramos o Brasil, Português-tradição, que produz muitos high modelo Lusitano. Na Europa, especialmente na Bélgica é o Lusitano é melhor representado; amantes adestramento acadêmico e de condução são numerosos e bem informados, como vimos pela lista de vencedores cavalos liderados por belgas. Puro-sangue lusitano também é alta na Grã-Bretanha, Suíça, Alemanha, França, Itália, Holanda, México e assim por diante.
Por sua história de milhares de anos, o cavalo Ibérico era o criador de todas as raças de eqüinos, especialmente antes da moda de puros-sangues ingleses. Quase todas as raças de cavalos tem, de uma forma ou de outra, o sangue ibérico. No entanto, porque as relações externas mais longos de Portugal com outros países europeus, podemos dizer que a influência do Lusitano foi pelo menos tão importante, se não mais, do que o cavalo espanhol. E foi mais longe do que nós pensamos, porque todos os cavalos na América do Norte e na América Latina de cavalos ibéricos. Cavalo Appaloosa no Bairro, através Criollo e cavalo Paint, todos eles Sangue Ibérica, por vezes ancestral, porque direto do Sorraia. Isto já foi confirmado por meio de análise genética.
Na verdade, mais uma vez ao contrário do que está escrito, infelizmente, na maioria dos livros de história, os cavalos que Colombo levou ao Novo Mundo não eram cavalos andaluzes, mas pequenos cavalos Sorraia. É verdade que Colombo tinha pago como modelo cavalos andaluzes, ele ainda estava inspectionnés antes do carregamento, mas no último minuto alguém fez uma piada do trocador contra os pequenos cavalos de Sorraia . Em vez de perda, era uma vantagem, porque estes cavalos rústicos e resistentes foram capazes de sobreviver em condições onde outros provavelmente teria morrido.
Não faria sentido falar de equitação equitação sem mencionar os tratados que preocupação. O mais antigo que conhecemos são as da gregos Simon (424 aC. AC) e Xenofonte (cerca de 371 aC. DC). O primeiro tratado de arte equestre da era cristã - e, sem dúvida, o primeiro apareceu desde Xenofonte é o "Livro de Educação para o Bem a cavalo selas de cavalo All", escrito em 1434 pelo rei Português , Duarte, irmão do famoso Infante D. Henrique. Estranhamente, no entanto, quando mais de um século depois, em 1550, o Grisone francês escreveu seu tratado, não é feita qualquer referência à obra de D. Duarte. O mesmo silêncio é observado em todos os tratados posteriores. Ele será "descoberto" em 1820 depois que o Português Manoel Carlos de Andrade publicou em 1790 o livro "umière de arte liberal e nobre da cavalaria" (da Luz e Nobre Arte da Cavalaria Liberal). No entanto, outro enigma da história ...
Agora, para o modelo ideal subjacente o puro-sangue lusitano que tem uma grande harmonia com todas as linhas arredondadas, e cuja nobreza de atitude e olhar suave não deixou confundido com qualquer outro. Normalmente disse que seu sillouette pode caber em um quadrado. Seu tamanho ideal é de 1,55 m para 1,60 m femmelles e para os homens. Ele pesa cerca de 500 kg (mas femmelles um pouco menos). Para o vestido, as cores mais comuns são cinza e marrom, mas como vimos, todas as cores são aceitas. A cabeça é bem proporcionada, de comprimento médio, perfil subconvex fino, seco, e famoso, com uma testa ligeiramente saliente.
O cavalo puro-sangue lusitano, com suas qualidades de equilíbrio e coragem, sua generosidade, sua docilidade, mobilidade ... e assim por diante, é totalmente compatível com o atual mundo equestre. Este cavalo ancestral, que ao longo dos séculos tem sido melhorada por seleção - nunca pelo cruzamento com outras raças - sabia corajosamente conquistar os corações de amadores e profissionais da arte equestre do século XXI. Ele assume o lugar de ganhar cavalo que era seu por séculos, até mesmo milênios atrás. Isso podemos garantir considerar um cavalo barroco ou um cavalo moderno é o usuário escolher. O Lusitano está acima dessas questões.
Entre os eventos equestres a decorrer em Portugal para promover o puro-sangue Lusitano, mas também uma maneira certane em sua honra, Feira da Golegã. é o maior e mais conhecido além das fronteiras nacionais. A próxima edição deste evento terá lugar de 2 a 11 de Novembro.
Fora da Feira da Golegã, outros eventos equestres fama mundial também ocorrem em Portugal, incluindo o Cavalo Lusitano Festival Internacional, que acontece todos os anos em Lisboa, em Junho. Este festival apresenta uma grande oportunidade para os criadores e aficionados de todo o mundo.
Eu não queria terminar sem deixar o meu testemunho para um piloto Português que marcou minha juventude: Pimenta da Gama, um membro do Português, cuja carreira de equitação lhe rendeu inúmeros prêmios.
E eu terminar, deixando-o admirar alguns exemplares em plena liberdade nas vastas pradarias portugueses.
cavalos-Lezírias
Dulce Rodrigues