AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Manif de Apoio aos Direitos das Mulheres no Estado Espanhol - Marisa Mat...





Grande manifestação em Bruxelas contra o ataque às mulheres em Espanha

Dezenas de milhar de pessoas juntaram-se em Bruxelas numa impressionante manifestação contra as intenções do governo espanhol de recuar pelo menos três décadas nas leis do aborto e nos direitos de as mulheres disporem do seu corpo.
Manifestação em Bruxelas contra as restrições ao aborto na nova lei espanhola.
“É importante que as pessoas mostrem na União Europeia  que a maioria social não coincide com a maioria política”, declarou a eurodeputada Marisa Matias a propósito da intensidade e do vigor revelados pela manifestação.
Esta lei projetada em Espanha pelo governo de Rajoy, prosseguiu a eurodeputada do Bloco de Esquerda, significa que existe “uma União Europeia que tanto abre em matéria económica e que tanto recua quando se trata de direitos fundamentais adquiridos, direitos humanos, da mulher ou sociais”.
A manifestação foi uma resposta à maioria de direita, conservadora e neoliberal do Parlamento Europeu que rejeitou uma recomendação ao governo espanhol para que não avance no sentido previsto pela polémica lei. Este desfile, comentou Marisa Matias, demonstra que “existe uma parte considerável da União Europeia que está acordada”.
Alda Sousa, igualmente eurodeputada do Bloco de Esquerda, associou-se à manifestação e deu conta da existência de uma carta dirigida ao chefe do governo espanhol pedindo-lhe o recuo na lei e que é subscrita por deputados europeus e também de parlamentos nacionais de países da União Europeia.

RUA AUGUSTA - CALÇADA PORTUGUESA


Lionel Richie & Kenny Rogers -* LADY - MGM Red Carpet 13

USA for Africa - We Are The World ( Original Music Video 1985 ) HD / HQ

Suzanne Vega - Luka

Kate Bush Wuthering Heights.

isabel silvestre - A gente nao le ~ audineca





 .Ai senhor das furnas
Que escuro vai dentro de nós
Rezar o terço ao fim da tarde
Só para espantar a solidão
Rogar a Deus que nos guarde
Confiar-lhe o destino na mão
.
Que adianta saber as marés
Os frutos e as sementeiras
Tratar por tu os ofícios
Entender o suão e os animais
Falar o dialecto da terra
Conhecer-lhe o corpo pelos sinais
.
..E do resto entender mal
Soletrar assinar em cruz
Não ver os vultos furtivos
Que nos tramam por trás da luz
.
.
Aí senhor das furnas
Que escuro vai dentro de nós
A gente morre logo ao nascer
Com olhos rasos de lezíria
De boca em boca passar o saber
Com os provérbios que ficam na gíria
.
..De que nos vale esta pureza
Sem ler fica-se pederneira
Agita-se a solidão cá no fundo
Fica-se sentado à soleira
A ouvir os ruídos do mundo
E a entendê-los à nossa maneira
.
.
Carregar a superstição
De ser pequeno ser ninguém
E não quebrar a tradição
Que dos nossos avós já vem
Composição de Carlos Tê / Rui Veloso
Canta Isabel Silvestre

Relvas admitia há um ano não haver dinheiro para cumprir lei do amianto Funcionários públicos da DGEG que trabalham num edifício com amianto estão alarmados com casos de cancro.

Relvas admitia há um ano não haver dinheiro para cumprir lei do amianto


Funcionários públicos da DGEG que trabalham num edifício com amianto estão alarmados com casos de cancro.
Há um ano, o Governo já admitia que não estava a fazer nenhum levantamento dos edifícios com amianto porque não tinha meios para tal. Isto apesar de haver uma lei que obrigava à elaboração, até Fevereiro de 2012, de uma listagem de edifícios públicos que contenham esta substância na sua construção.
A questão voltou hoje à ordem do dia, depois de revelado que 19 funcionários que trabalham no edifício da Direcção Geral de Energia e Geologia adoeceram com cancro. 
Numa comissão parlamentar, em Fevereiro de 2013 (um ano depois do previsto), o então ministro-adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, revelava que o Grupo de Trabalho para os Assuntos do Território, a quem cabia fazer este levantamento, não tinha meios para levar a cabo a missão.
Na altura, Relvas disse que esperava que o novo quadro comunitário de apoio fosse uma "boa oportunidade" para se fazer o levantamento. "Logo se verá" nessa altura, disse então o ministro, perante a incredulidade da deputada d'Os Verdes, Heloísa Apolónia, que considerou a resposta uma "leviandade absoluta, indiciando uma verdadeira irresponsabilidade do Governo no que diz respeito à salvaguarda da saúde pública".
Quase um ano depois, o amianto volta à ordem dia, com a notícia de que os funcionários públicos da Direcção-Geral da Energia e Geologia estão assustados com casos de cancro na entidade e já pediram a mudança de instalações devido à existência de amianto no edifício.
O primeiro-ministro, Passos Coelho, garantiu de manhã desconhecer o caso. Isto depois de o secretário de Estado da Energia, Artur Trindade, ter avançado à TSF que se está à procura de uma outra localização para a DGEG, mas que é preciso encontrar uma renda mais barata e falta autorização do Ministério das Finanças. A denúncia do caso está numa carta a que a TSF teve acesso e que foi assinada no final de 2013 por 66 trabalhadores da DGEG pedindo a mudança de instalações. O documento fala numa "prevalência significativa de funcionários (19) que adoeceram com cancro".
"Não se brinca assim", referiu Heloísa Apolónia, dos Verdes, acusando o Governo de não ter feito ainda a inventariação de edifícios públicos com amianto, como está definido por lei. O primeiro-ministro admitiu a falha e disse que ela se deve a "insuficiências financeiras" que têm "impedido" o Executivo de "desempenhar essas obrigações". "A resposta que deu é grave", sublinhou a deputada d'Os Verdes
.

PARA QUE NÃO NOS APAGUEM A MEMÓRIA

relogiodependulo.blogspot.pt

o padre da minha aldeia


O COMPLEXO EXISTENCIALISMO DE UM POVO GOVERNADO POR UMA POLITICA DE PALHAÇOS VIRA-LATAS

O COMPLEXO EXISTENCIALISMO DE UM POVO GOVERNADO POR UMA POLITICA DE PALHAÇOS VIRA-LATAS

Por Luís Montreal.

O povo português se submete a uma existência tão fantasma que me dá na real gana de afirmar que estamos todos sendo governados por travestidos de palhaços vira-latas que, pela inferioridade em que o se povo se coloca, voluntariamente, admite ser um rebanho de carneirinhos, como se fosse a escória do mundo.
Uma das áreas em que o complexo sistema implantado pelos vira-latas está mais vivo é a da corrupção, ativa e passiva, que envergonha o País e todos os que sentem algum sentimento em defesa da Democracia. Os recentes estudos indicam que na EU, Portugal é dos países onde um governo pratica fraudes ostensivas com a anuência de muitos carneirinhos, juízes que legislam em causa própria e sempre contra os desgraçados que já não tem mais com que comprar sua alimentação ou como pagar tributos, impostos e educação, para não dizer, que só ainda não se anda completamente nú na rua, por ser considerado atentado ao Pudor.
É por isso que, de forma igual e paralela, uns palhaços governantes do tipo cachorros vira-lata, conseguem assustar uma população inteira, de tal forma, que a fome já os espanta para outras pastagens, onde também grassam a pobreza, a fome e a miséria.
Não existem milagres, o que existe é consciência politica e democrática, que esses palhaços vira-latas não conseguem vislumbrar a um palmo da sua testa e complementam as suas atitudes viscerais, com medidas de afronta anticonstitucional para justificar a humilhação que praticam diariamente. Mantém essa tarefa, com subornos de aumento a policiais, com substituições de Comandos Operacionais militares, onde a demagogia politica fica complexa e de difícil entendimento para os carneirinhos, que assustados, preferem traçar outros caminhos para sua sustentação existencial.
UMA VERGONHA!
Combater essa complexidade de politica vira-lata é uma tarefa de gente grande e que compete a mim, a você e a outro qualquer para que não seja tratado como carneiro e conduzido como fazendo parte de um rebanho sem pastores, orientados apenas pelos os vira-latas. É uma caminhada sem precedentes e de entrega responsável dos líderes políticos de Esquerda e líderes sindicais progressistas, antes que o rebanho fique sem rumo e obedeça á Injustiça, á Soberba, á Incompetência.
O livre arbítrio dos palhaços vira-latas, que ofende os profissionais verdadeiros circenses, demonstra que a fome pelo Poder é um complexado reinado de um neoliberalismo fascista, cheio de rancor e de orientação anticomunista, que se espalha ao universo de outros pseudo- democratas, como o são os militantes e dirigentes do PS e da UGT que fogem de suas reais responsabilidades, no melhor e mais perfeito papel de carneirinhos, contribuindo para a debandada de jovens para fora do País, enquanto que as crianças e os idosos ficam ao abandono de condições de sustentação social.
Não foi para isso que fizemos o 25 de Abril e nem para ver que a Saúde deixa morrer, por falta de assistência médica, quem sempre pagou impostos. Os médicos não tem condições de praticar assistência, os medicamentos escasseiam e, em muitos casos, foram retirados das prateleiras do Serviço Publico.
Os reformados não tem como e onde se apoiar para um digna assistência e ainda sofrem com cortes absurdos de pensões e de reformas.
Por tudo isto, os vira-latas, travestidos de palhaços não podem e não devem continuar numa condução de um rebanho de carneiros tresmalhados que se submetem a uma incapacidade de reação, pelo Medo, pela coação e pela encapuçada vigilância pidesca, trazida das cartilhas de Salazar, pelas quais, Cavaco Silva aprendeu muito bem e consegue passar para a restante matilha raivosa de cachorros vira-lata.
O povo português é a imagem da Inconsciência absolutista e demagógica de um governozinho de merda que pretende “cortar a raíz ao pensamento” dos portugueses. Cabe a todos os sentimento de Unidade Universal, colocando de lado as paranoias anticomunistas e sair á rua, organizadamente, fazer o combate sério e firme a pôr para correr esse vira-latas, antes que comam toda a própria carneirada que ainda persiste em lhes dar suporte politico, como o é demonstrado, com vulnerabilidade, pelo próprio Partido Socialista.
É aquela velha história “quem cala consente” e “deixa andar”! É exatamente esse tipo de comportamento que os dirigentes do OS e da UGT mais mostram, contribuindo dessa para que os carneirinhos fiquem mais tresmalhados e sem rumo nas sua pastagens.
Para que o futuro do Sofrimento não seja imposto em todas as casas de nosso, pelas “botas cardadas” e pelas masmorras de um Fascismo Novo, urge que os carneirinhos e os legitimados que ainda não o são, possam reunir os esforços para fazer correr os vira-latas! É o inverso do verso, onde o militares, também aprisionados por medidas coercivas e de resseção de condições salariais e de benefícios, passarão a fazer parte dos carneirinhos, na mesma proporção da população que necessita de trabalhar e existem alternativas para se instituir um Governo garantidor de medidas institucionais de Progresso para “arrumar a casa” que os vira-latas destroem a todo o momento.
Se não quisermos continuar com a sujeição de uma politica imbecil, teremos que transformar o Poder em um estado de sítio, se for o caso, partir para o direito constitucional de DESOBEDIÊNCIA CIVIL e fazer PARAR O PAÍS, por completo, para que não se gere arrecadação de impostos e se asfixiem as responsabilidades de uma economia de vendagem que não coube ao Povo Português coloca-la no Poder. Isso é responsabilidade de uma paranoia de políticos que ainda usam cueiros e que destroem Portugal como se fosse um canil de vira-latas.
Clamo aos Portugueses, a todos sem exceção, (ouviram senhores candidatos a vira-latas do PS), para que percam as suas relutâncias e a s suas diferenças demagógicas e se juntem a quem já apresentou ao País alternativas sérias para uma governação séria e a séria condução de um rebanho tresmalhado que morre de fome e de condições sociais.
Deixem de ser hipócritas e assumam a vossa responsabilidade de democratas, se ainda o são, ou assumam de vez, que a vossa politica será de continuísmo de uma panaceia vira-lata.
Tenham essa CORAGEM DE DEFINIÇÃO!
E, aos militares conscientes do que se herdou do Programa do 25 de Abril, devem deixar de olhar apenas para seu umbigo e NÃO ESQUECER que outros militares juraram defender o Povo, a Integridade Nacional, a Constituição, o Patrimônio Público e a estabilidade social.
MEUS SENHORES, PORTUGUESES E PORTUGUESAS, CIVIS E MILTARES, não são as condições individuais de subsistência que estão em causa, mas sim O FUTURO DO PAÍS E DO POVO TRABALHADOR!
É A IMAGEM DE PORTUGAL NO MUNDO QUE NÃO PODE REGRESSAR AO PERIODO DE SALAZAR onde os Portugueses eram tidos como “pobres coitados”, SUBMISSOS AO MEDO e apenas alguns CORAJOSOS CONSCIENTES MILITANTES ERAM PERSEGUIDOS, TORTURADOS E MORTOS!
CHEGA DE TANTA ARRUAÇA!
Vamos ter a coragem de deixar de sermos apelidados de carneiros e vamos correr com os VIRA-LATAS!
ESPERO QUE SEJA IMEDIATAMENTE!

Alimentação e Veterinária Cristas nomeou diretora que não foi sujeita a avaliação

Alimentação e Veterinária 


Cristas nomeou diretora que não foi sujeita a avaliação

A ministra da Agricultura, Assunção Cristas, nomeou para o cargo de diretora-geral de Alimentação e Veterinária em regime de substituição, Teresa Villa de Brito, que não foi sujeita à avaliação por parte da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP). Isto, quando tinham estado a concurso outros dois candidatos que haviam sido avaliados, conta a edição desta sexta-feira do Diário de Notícias.
POLÍTICA
Cristas nomeou diretora que não foi sujeita a avaliação
DR
No dia seguinte à sua nomeação oficial para a direção-geral de Alimentação e Veterinária, Nuno Vieira e Brito saiu para abraçar as funções de secretário de Estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar, deixando, assim, vaga a cadeira que nem chegou a aquecer.

Posto isto, em março do ano passado, a ministra da Agricultura, Assunção Cristas, decidiu nomear para o cargo, em regime de substituição, Teresa Villa de Brito. Acontece, que a responsável não foi sujeita à avaliação da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP), quando existiam outros dois candidatos, que se submeteram ao mesmo procedimento concursal que viria a desembocar na escolha de Vieira de Brito, que o haviam sido, relata o Diário de Notícias.
“À data, de entre os três candidatos, foi escolhido aquele considerado ser detentor do perfil mais adequado ao cargo” e que com “a designação expressa no despacho da ministra de janeiro de 2013, deu-se como concluído, nos termos legais, o procedimento concursal referente ao cargo em causa”, justificou o gabinete de Assunção Cristas ao Diário de Notícias.
Assim, com a saída de Vieira e Brito para a referida secretaria de Estado, “foi iniciado um novo procedimento de recrutamento (…) que se encontra a decorrer, estando neste momento já numa fase de seleção”, é ainda explicado pelo mesmo gabinete.
Tal leva a crer que Teresa Villa de Brito virá a integrar este novo concurso, já com a vantagem no currículo de ter "experiência" na função, critério definido enquanto preferencial.

CASTIGO

ESTOU DE CASTIGO 24 HORAS SEM PODER POSTAR OU COMENTAR