AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 15 de dezembro de 2013

USA FOR AFRICA - We Are The World

Tina Turner - We Don't Need Another Hero [Official Music Video]

Cabo Verde Chineses vão construir porto de águas profundas em São Vicente A empresa "China Road & Bridge Corporation" vai construir um porto de águas profundas e um terminal de cruzeiros e reabilitar os estaleiros da Cabnave na ilha cabo-verdiana de São Vicente, noticia hoje a imprensa local.


ECONOMIA
Chineses vão construir porto de águas profundas em São Vicente
A "China Road & Bridge Corporation", especializada em obras marítimas, indicou também ter sob sua responsabilidade a construção de várias infraestruturas ligadas à economia marítima, "muito importantes" para a dinamização da economia da ilha do Porto Grande.
Sem avançar datas concretas para o arranque das obras nem os custos a elas associados, a empresa garantiu a "qualidade e eficiência" dos projetos, integrados no "Cluster do Mar" defendido pelo Governo cabo-verdiano, de forma a tornar o Mindelo uma plataforma marítima logística no meio do oceano Atlântico.
Com o porto de águas profundas, um sonho que as autoridades cabo-verdianas mantêm desde a independência, em 1975, irá ajudar a incrementar o negócio de reparação naval e de apoio às frotas pesqueiras internacionais, prevendo-se também a instalação de um centro internacional de pescas.
Projetada para funcionar como centro de excelência em segurança marítima e investigação oceanográfica, o porto de águas profundas do Mindelo irá concorrer diretamente com os de Dacar (Senegal) e de Las Palmas (Canárias, Espanha), quer a nível de preços, quer nas facilidades e serviços portuários.
Segundo estimativas da Empresa Nacional de Administração dos Portos de Cabo Verde (Enapor), a edificação do porto no Mindelo vai possibilitar a criação de 300 a 500 empregos diretos e gerar receitas anuais entre 14,2 milhões e 21,4 milhões de euros até 2023.
O administrador da Enapor, Franklin Spencer, indicou que a infraestrutura permitirá também diminuir os custos na importação de produtos, com poupanças anuais entre os 2,8 milhões e os 4,2 milhões de euros.
A China tem-se tornado, nos últimos anos, um parceiro cada vez mais forte de Cabo Verde, tendo em vista os investimentos em vários domínios, num projeto que, desde 2009, envolve mais de 200 milhões de euros.
Os setores mais fortes são os da defesa e segurança, infraestruturas e pescas que, através da cooperação/investimentos chineses, têm permitido a Cabo Verde desenvolver vários setores cruciais para o desenvolvimento, havendo também ações ligadas às áreas sociais, nomeadamente no combate à pobreza.
Nas infraestruturas, a China já construiu o novo estádio nacional, os palácios do Governo e do Parlamento e vai começar a remodelar, antes do final do ano, o Presidencial, além de ter construído a primeira barragem do país, a do Poilão, interior de Santiago, e várias escolas rurais e unidades de saúde.

1 - Portas é um power-point em 3D O Guião de um pequeno fuhrer. Adulador de empresários gerados com dinheiro do estado. 2 - Um fascismo periférico 2.1 – O adulador de empresários 2.2 – A veneração das sotainas 2.3 – O patriotismo como manto de cinismo e mentira 2.4 – A “operação Barbarrossa” do pequeno fuhrer 2.5 – O pequeno fuhrer interpreta o sentido da tradição pátria





1 - Portas é um power-point em 3D


O Guião de um pequeno fuhrer. Adulador de empresários gerados com dinheiro do estado.

2 - Um fascismo periférico
2.1 – O adulador de empresários
2.2 – A veneração das sotainas
2.3 – O patriotismo como manto de cinismo e mentira
      2.4 – A “operação Barbarrossa” do pequeno fuhrer
      2.5 – O pequeno fuhrer interpreta o sentido da tradição pátria

A condução política do governo passou para as mãos de Portas. É o mais dotado 
para representar o que Nietzsche define como político: aquele que divide as pessoas 
entre instrumentos e inimigos;
O mais interessante nos versículos contidos no Guião é a proposta de mercantilização 
total da sociedade portuguesa, esvaziada dos direitos que não possam ser objeto de 
compra e venda;

Portas repete a adulação dos chamados empresários, muitos deles gerados pelo 
financiamento público e estigmatiza os que o não são nem serão, apontados como 
párias. Essa adulação é uma prestação de serviços com  óbvias contrapartidas 
financeiras;
A lógica da habitual privatização tende a ser ultrapassada pela contratualização com 
privados, num género de concessão, com garantias de rendabilidade dadas pelo 
financiamento público;
A criação de um empresariato dependente do Estado é tão artificial como a tentativa 
de engrossar uma falsa classe média com trabalhadores independentes, travestidos de 
empresários em nome individual ou empresas unipessoais;

Portas coloca-se no pedestal do mais genuino patriotismo ocultando as muitas 
demonstrações de ausência de soberania expostos, tanto nos tratados europeus, como 
na realidade financeira que vem justificando os cortes. E que são imensas;
Traça o destino dos portugueses com um “não há qualquer possibilidade de superar a 
emergência financeira sem reduzir a despesa pública; e não há qualquer possibilidade 
de reduzir a despesa pública sem ter impacto nos salários das Administrações 
Públicas e nas aposentações do Estado”;
Qual inquisidor moderno, Portas apresenta os condenados ao sacrifício para que a 
soberania regresse – aposentados e funcionários públicos – eleitos como os novos 
judeus, 
os novos herejes, apontados como inimigos dos “mercados”. Esses, são escolhidos 
para a primeira linha das vítimas do genocídio em curso e, outros se seguirão, 
certamente;

Portas adopta relativamente ao Tribunal Constitucional uma “pose de estado”; deixa as 
ameaças para os trauliteiros de serviço como o Vítor Bento ou o António Barreto ou, para 
a inimputabilidade dos cargos de suserania – Durão ou Lagarde;
Defende o modelo económico tradicional em Portugal, baseado em baixos salários, 
pobreza, punção fiscal elevada mas, aligeirada para as camadas possidentes que, 
insatisfeitas na sua subalternidade no contexto do capital global, canibalizam o seu 
Estado.

O Guião de um pequeno fuhrer
1 - Portas é um power-point em 3D
Alguns anos atrás, em Istambul, vendedores de pêssegos impediam os clientes de tocar 
nos frutos. Estes eram organizados de modo habilidoso para que se não visse terem as 
partes bichosas sido subtraídas, ficando os buracos cuidadosamente fora das vistas dos 
prováveis compradores.
Portas não é tão habilidoso quanto os vendedores de pêssegos de Istambul; Portas é, 
ele mesmo, o verme que é preciso extrair do pêssego para o tornar comestível.

Na sua cabeça e nas dos seus assessores de imagem entende-se que a forma do 
discurso, com a bandeira por detrás e o ar institucional do personagem, afastam do 
Guião, as atenções para as grosseiras falsidades, as ideias enviezadas, as tiradas 
ideológicas sem concretização, as frases que não passam de agregados ocos de 
palavras. Chamar Guião para a reforma do Estado ao acumular de frases feitas 
que enformam o texto do pequeno fuhrer é trágico, ridículo e falso.
Portas ocupou, de facto, o lugar da pileca política que formalmente é o primeiro-ministro. 
Cavaco, logo no início deste governo marcou um dia por semana para se encontrar com 
Portas, sabendo-se da pouca consideração que tinha para com o antigo chefe jotinha. 
 E, quando este se viu amputado do seu principal apoio (Gaspar) e obrigado a colocar 
nas 
finanças uma secretária daquele, a condução política do governo passou para as mãos 
do vice-primeiro-ministro, mesmo sem conhecimentos na área económica.
Portas, perante o vazio de competências políticas no PSD até gostará da purga
anunciada dos críticos da direção do PSD que os acusa do desaire eleitoral; e já não 
dos incêncios florestais porque outubro já estava à espreita. Quanto mais invertebrado 
estiver o PSD mais Portas sonhará com uma fusão das duas castas, sob a sua tutela. 
Aliás, o que os divide de substantivo olhando para o cardápio fascizante e genocida dos 
neoliberais ? Recorde-se que Portas até já foi da casa, do PSD… como foi acerbo crítico 
de Cavaco, com o seu “Independente” enquanto o impedido Manuel Monteiro cumpria 
ordens no CDS, numa delegação que acabou por correr mal para o Monteiro.

Portas parece ser o único no governo com pretensões à filosofia política. Ninguém 
imagina os Macedos nessa função. Um, portador daquela voz de locutor de rádio e ar de
alucinado era trucidado por Sócrates, quando tenro chefe da claque PSD na AR; e o 
outro, está mais empenhado no seu trabalho de cabouqueiro dos interesses do 
sistema financeiro na cadeira da Saúde.
Por seu turno. o Aguiar-Branco estará mais dedicado a alargar os seus contactos para 
uturas contratações à sua sociedade de advogados.
Aguiar Branco
O Pires de Lima, falhada a redução do IVA para a restauração, acaba por se contentar 
com a pequena redução do IVA, entre discursos sobre a retoma e tiradas ao heroísmo 
dos empresários… financiados através do não pagamento de impostos ou contribuições 
para a Segurança Social; como ele próprio diz, não passa de um soldado. Temos o 
loquaz Maduro, introdutor em Portugal da moda dos “briefings”, aquela partner de uma 
sociedade de advogados (a Cristas) representante das empresas da celulose e que 
assistiu deliciada pela televisão ao festival dos fogos florestais. Dos restantes, nenhum tem o gabarito do 
Portas para cumprir o que Nietzsche define como político: aquele que divide as pessoas entre instrumentos e inimigos.

Discordamos dos que criticam Portas por se atrasar alguns meses na montagem do 
Guião. Yourcenar demorou vinte anos a escrever “As Memórias de Adriano” e nunca 
alcançou o brilho de Portas como empecilho social. Na realidade, a Portas faltou o 
merecido tempo de prisão que Adolfo, o pinta-monos de Braunau-am-Inn teve para 
escrever o Mein Kampf original, depois do Putsch da Cervejaria. Para aprimorar a sua 
mais recente obra, falta a Portas a tranquilidade do cárcere, por conta da burla dos 
submarinos.
Foi referido nos media que o Guião tem 112 páginas como que a sugerir a capacidade 
analítica, a sábia cópia dos argumentos, sem se referir que o texto, com letra em formato 
menos garrafal ficaria reduzido a umas 33 páginas; e expurgado do palavreado 
necessário para aumentar o tempo de exposição mediática do autor quase nada restaria. 
A prosa extensa é apenas um instrumento de prolongamento da presença do indivíduo e 
do seu tempo de antena, para impressionar o telespectador; um tempo de ludíbrio, de 
estacionamento no palco do pequeno fuhrer, da sua postura de “estado”, daquele ar 
sisudo que distrai a atenção das palavras, as quais denotam a gelatina que se acha sob 
o seu cocuruto.

A voz agreste e a dicção pausada, estudada ao segundo e nos decíbeis, conjuga-se com 
aquele olhar metálico copiado das pinturas daqueles bispos que estão expostas no Museu 
da Arte Antiga, ferozes atiçadores das fogueiras da Inquisição.  Portas assume a conduta 
de Torquemada tomando como judeus e herejes os funcionários públicos e os
 pensionistas, acossando-os com cortes e empobrecimento.
Como fuhrer sem Rommel nem Graf Spee, só com um Afeganistão para enviar uns 
pelotões de subalternos, o Portas ministro da guerra, à falta de melhor, avançou em 2005 
com uma canhoneira contra o “barco do amor” onde navegavam defensores da 
descriminalização do aborto.
Mais ousado, mandou em 2012 homens e cangalhada guerreira para invadir a 
Guiné-Bissau, não sabendo nós, se por impulso evangelizador contra Mafoma ou por 
sonhar com um Anschluss, um retorno daquele país à tutela lusitana concebida por 
Salazar. Embora não detivesse a pasta da defesa, o pequeno fuhrer assumiu a 
operação – que só não deu em desastre por pouco – perante o provável alívio do titular 
daquela pasta, Aguiar-Branco.

2 – Um fascista periférico
Como pretenso grande estratega, Portas preencheu o Guião com ideias anti-sociais com 
aplicação até 2019, envolvendo revisão constitucional e a mercantilização total da 
sociedade portuguesa, esvaziada dos direitos que não possam ser objeto de compra e 
venda. O interessante no Guião não são as propostas mas, o pensamento anti-social do 
autor e é esse que tentaremos explicitar adiante.

2.1 – O adulador de empresários
Nesse projeto entra a campanha ideológica, sempre presente nas suas palavras, de 
deificação da figura do empreendedor, do empresário, do “empregador”, com a 
promoção de cursos de empreendorismo aos desempregados através do seu amanuense 
Mota Soares.
Nessa estratégia está implícito o maniqueísmo que coloca no lado errado da vida, 
os trabalhadores que, por falta de vocação ou, sobretudo, de capital, não podem criar 
empresas e aqueles que têm profissões inadequadas para um funcionamento mercantil. 
Ao diminuir os não-empresários como incapazes ou madraços, estabelece uma 
hierarquia social para além da tradicional, que resulta da riqueza e, ostraciza quem, eventualmente, possa necessitar de apoios sociais, com o anátema do recurso à caridade, próprio para indignos de caber dentro da lógica do mercado. A eliminar, portanto.

O neoliberalismo acentuou o pendor para direcionar e concentrar o produto da punção 
fiscal no bornal dos capitalistas. Para as funções que tipicamente cabiam aos poderes
 públicos apresentam-se agora duas soluções: as funções privatizáveis para cabal 
integração em lógica mercantil, como os transportes ou os correios, a eletricidade ou a 
água e, os que não podendo ter essa solução, são objeto de contratualização com 
privados, num género de concessão, com garantias de rendabilidade dadas pelo 
financiamento público. Neste último caso, trata-se de mandarins partidários elevados ao 
empresariato através do alvará, do contrato com financiamento estatal, figura que Adam 
Smith não imaginaria, no seu romantismo.

A lógica da privatização, ainda que não esgotada depois de duas décadas de sistemática 
aplicação, está a ser ultrapassada pela concessão e a contratualização da exploração
privada de funções ou bens públicos, com garantias e generosos financiamentos públicos[1], de 
favor para com os seus beneficiários e que são claramente contratos nulos, susceptíveis 
da criminalização de quem os assinou, comprometendo o erário público por décadas.

O constante adulação dos empresários por parte do homem tem vários objetivos. Um é 
apresentar-se como o lídimo defensor daqueles que criam riqueza e emprego, para o que 
é importante a tradicional e solene pose “de estado”. Outro, é convencê-los disso para que 
lhe cheguem as encomendas legislativas para embaratecer o preço do trabalho, precarizar 
o desempenho dos trabalhadores, promover apoios sob a forma de incentivos, benefícios e contratos, a introduzir nos interstícios dos decretos da troika. E, como Portas não se enquadra no papel do bom samaritano, espera que os ditos empresários procedam aos conhecidos depósitos de € 10000 em contas bancárias à disposição do CDS e dos homens de mão do seu caudilho.

Nem só de vil metal vive o nosso klein fuhrer. Com a deificação do empresário e da livre 
iniciativa procura-se ampliar uma classe média de empresários ou falsos empresários, 
trabalhadores independentes travestidos de empresários em nome individual ou empresas 
unipessoais. Essas camadas estão longe de estar em crescimento mas, o importante é 
que se gere a ideia de que essa promoção ao empresariato é possível; o importante é 
criar em cada precário, em cada desempregado a ideia de pertença a uma classe média 
só porque vendem o seu trabalho contra recibo assinado e estão inscritos na AT como  
empresários em nome individual ou sociedade unipessoal, aproveitando a modernidade 
criada por Sócrates, da “empresa na hora”.
A lisonja, a elevação, artificial que sejam, são formas de mascarar a precariedade, 
desligando o trabalhador do enquadramento social; constituem odes de retorno ao séc 
XVIII, ao heroísmo do empresário individual, do trabalho duro mas, agora, dissociado da 
ética luterana. 
Para quem a honestidade não circule nas veias há sempre o recurso à corrupção, essa 
sim, um recurso abundante em Portugal, o terceiro produtor europeu desses serviços.

2.2 – A veneração das sotainas
O ministério entregue a Mota Soares, discípulo do pequeno fuhrer, expande  a lógica da 
entrega de instalações de caráter social a instituições – muitas delas ligadas à Igreja 
Católica – que assim, com dinheiros públicos, mostra a sua vocação caritativa, a 
secular lógica da mercê, concedida benevolamente pelos ricos aos pobres, neste caso, 
doadores formais e beneficiários, todos pagos pelo erário público. Caridade com 
dinheiro alheio não será o aviltamento de um preceito cristão?

Nesta regressão na forma como se encara a satisfação de dificuldades de parte da 
população, o Estado terá interesse na redução da pobreza ou das dificuldades sociais no 
mínimo, por razões orçamentais. O mesmo não sucede com a Igreja Católica uma vez 
que essa rede financiada pelo Estado tem todo o interesse na sua perpetuidade. 
De facto, o Estado e as receitas dos jogos explorados pela Misericórdia de Lisboa são 
os reais pagantes  de vasto corpo de auxiliares e funcionários muito mal pagos -  e com 
a genuina dedicação de muitos – em contraste com o luxo que rodeia emplumados bispos.
Essa fonte de financiamento ajuda a Igreja Católica a exercer uma influência ideológica
permanente em parcela significativa da população, fulcral em época de forte 
descristianização e indiferença religiosa. Num país onde não existe um partido 
democrata-cristão, Portas coloca-se, como elo de ligação entre a cruz e o 
orçamento, sem concorrência do PSD/PS, recheado de aventais.
A contrapartida para o poder em geral é a garantia do apoio político dos dignitários da 
Igreja, como o atual cardeal de Lisboa e o seu antecessor; o primeiro, ao permitir o 
aproveitamento político da sua entronização nos Jerónimos e o segundo, na defesa da 
austeridade, com arrotos moralistas saidos do seu retiro dourado. Com a reforma do 
Torgal Ferreira deixa de haver sobressaltos contestatários provenientes do clero católico.

2.3 – O patriotismo como manto de cinismo e mentira
Para comover os corações patriotas Portas refere a urgência da recuperação da 
soberania perdida com a troika. Seria demorada a explicação de como Portugal não 
tem soberania desde 1580, quando passou para um patamar inferior dos jogos imperiais 
a que se entregava a Europa; e como a mesma dita soberania se reduziu gradualmente 
até atingir a bancarrota atual. Como seria extensa a consideração das diferenças entre 
a soberania das pessoas e a desse ente abstrato denominado estado-nação, com vocação 
para uma simples autarquia, em época de globalização.

Portas considera que na UE há uma soberania partilhada (pag. 43) para disfarçar que a 
UE não passa de uma hierarquia de Estados, de governos, de profundas desigualdades, 
com a formação de duas periferias criadas para servir as multinacionais e o sistema 
financeiro - estes, ancorados num Centro[2] - e gerida por um diretório de cinzentos 
funcionários, alheios a qualquer escrutínio, mesmo no contexto da chamada democracia 
representativa.
O cinismo não está somente na ocultação daquela realidade. Está na forma como 
esconde a aceitação submissa do elenco de elementos definidores da ausência actual da 
soberania, para fins ínvios como adiante se decifrará:

· Tratado de Estabilidade, Coordenação e Governança de março de 2012, foi subscrito 
e aceite por Portas e pelo governo que integra, sem um leve sobressalto;

· Tratado e Portas apontam para o cumprimento da “regra de ouro”, do deficit público a 
médio prazo equilibrado ou com excedente, admitindo-se apenas um valor anual, 
excepcional de deficit, inferior a 0.5% e que a dívida pública não superará… 60% do 
PIB (artº 3º);

·  obedientemente, Portas defende a inclusão da “regra de ouro”, na Constituição, 
sabendo que isso constitui um espartilho para a aplicação de qualquer política 
económica autónoma, tornando qualquer governo pouco mais que um conjunto de 
funcionários teleguiados de Bruxelas e Frankfurt;

·  o pequeno fuhrer parece desconhecer que os programas para o reequilíbrio 
são definidos pela UE, de acordo com o Pacto de Estabilidade e Crescimento e 
monitorados pela Comissão e pelo Conselho Europeu (arº 5º);

·  esqueceu que há uma comunicação nacional dos planos de emissão de dívidas 
(art 6º) para não afetar a estabilidade dos “mercados” e do euro - o que os bancos 
fazem alegre e impunemente quando o entendem – ou… para que o BCE intervenha 
para garantir, no caso português, a subscrição dos títulos;

·  finge ignorar que os Estados assumem o compromisso de apoiar as propostas ou 
recomendações apresentadas pela Comissão Europeia (artº 7º) o que é uma forma de 
falsa mutualização da decisão, não extensível à responsabilização pelo pagamento 
dessa dívida, como sonha o PS e a esquerda do sistema. Nem sequer internamente o 
pagamento é mutualizado, pois os capitalistas são, em grande parte, isentos dos
 sacrifícios e cortes, tal como os bancos;

·  oculta que o Tribunal de Justiça pode condenar o país incumpridor ao pagamento de 
uma quantia fixa ou de uma sanção pecuniária compulsória, adequada às circunstâncias,
 não superior a 0,1 % do seu PIB (art 8º), o que no caso português pode ascender a € 
165 M;

·   o vice, até podia ter feito um parêntesis no seu vício da aldrabice, referindo a
 benevolência da UE quando define que os países, contudo, “… estão disponíveis para 
recorrer mais ativamente… à cooperação reforçada … nas matérias essenciais para o 
bom funcionamento da área do euro, sem prejudicar o mercado interno” (artº 10º). 
Ora todos sabemos como o mercado interno dos países intervencionados tem sido… 
acarinhado pelos programas de resgate;

·  Portas não citou a soberania presente no preceito que assinou e em que os países 
terão uma supervisão pós-programa de resgate até que tenham sido reembolsados, 
no mínimo, 75% da assistência financeira recebida de um ou vários outros 
Estados-Membros, do MEEF, do FEEF ou do MEE. (artº 14 do Regulamento
 nº 472/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de maio último). 
Essa supervisão, se tudo correr bem – o que é altamente improvável – ocorrerá até 2021;

·   não referiu que a partir de 2014, os subsídios da UE no âmbito do novo Quadro 
Financeiro Plurianual (2014-2020), os fundos estruturais e regionais serão 
condicionados à situação macroeconómica e ao cumprimento das regras da ortodoxia 
neoliberal;

·   e para terminar, a Assembleia da República que constitucionalmente aprova o 
orçamento assume um papel delegado e subalterno pois os Estados-membros têm de 
apresentar o seu projeto de plano orçamental para o ano seguinte à Comissão e ao 
Eurogrupo antes de 15 de outubro, conjuntamente com as previsões macroeconómicas 
em que se baseiam. “Caso a Comissão considere que o projeto de plano orçamental 
mostra não cumprir as regras acima mencionadas, a Comissão pode exigir a revisão 
do projeto de plano orçamental". À AR não cabe decidir, apenas aceitar;

Por além das limitações impostas pela suserania da UE e do capital financeiro que a 
orienta, o nosso pequeno fuhrer como vice do gang governamental, com altas 
responsabilidades na área económica, não explica:

·  como se pagam anualmente € 6000 M de juros (3.6% do PIB) relativos a uma dívida 
pública de € 203800 M em setembro último;

·  como se reduz a dívida quando parte substancial dela – a de médio/longo prazo 
(€ 125900 M) - tem uma amortização média anual de 14000 M (8.5% do PIB) entre 
2014/2021? A  sua substituição por outros empréstimos representa a manutenção de 
fatura elevada de juros a pagar; e isso aumenta a soberania ?

·  qual o nível de crescimento da economia que permitirá pagar os juros e ainda dinamizar o 
mercado interno, o emprego, etc – e que terá certamente de ser superior aos referidos 3.6%? 
Qual o grau de políticas redistributivas do rendimento que Portas admite para impulsionar o 
poder de compra interno?

·   em que calendas - não diremos gregas porque essas porventura já foram vendidas a 
um consórcio internacional - haverá crescimento para que termine o sacrifício de trabalhadores da 
função pública e pensionistas, como solenemente garantido pelo pequeno fuhrer no seu Guião?

·   como atrai novo investimento estrangeiro ou mantém os níveis do já existente em Portugal[3], 
oferecendo apenas um mercado interno reduzido, salários baixos, reduções de IRC, 
afogamento em impostos de uma população empobrecida e com os jovens mais qualificados 
em fuga para o exterior, com uma Europa em estagnação económica, um orçamento monitorado do 
exterior que limitará também as benesses aos empresários e que obrigará a uma seleção mais cuidadosa 
dos actos corruptos que têm permitido a subsistência de muitos dos grandes e médios empresários?

·   sem ter uma Krupp ou uma IG Farben, como o seu defunto inspirador alemão, o pequeno fuhrer só poderá tentar 
“Il ritorno de Belmiro in patria” trauteando Verdi e orar ajoelhado perante o cardeal Clemente que a Isabel dos 
Santos e o 
papá não desviem os seus fundos para outras paragens. É obra!

Como pode, uma pessoa que aceita estas limitações inerentes a uma tutela externa, ter o 
cinismo suficiente para se arvorar no mais arraigado patriota das terras lusas. 
Portas mente com todos os seus branqueados dentes.
Como se observa, a soberania não existe mas, o argumento da soberania permite a 
aplicação de um plano macabro de 
liquidação de qualquer réstea de bem-estar para os portugueses, com a criação de uma 
sociedade onde não há direitos mas, bens ou serviços que se compram e se vendem.

Como na actual configuração do enquadramento geopolítico não há soberania alguma para povos pobres 
e periféricos como os português; como o paradigma económico de produção 
para o mercado não tem em conta as necessidades dos residentes em Portugal; 
como estes últimos não dispõem de um sistema político democrático no âmbito do qual possam 
colocar no topo da agenda a satisfação dessas necessidades; e porque lhes tem sido negado um 
modelo de representação que obvie ao domínio de uma classe política subserviente e conivente 
com esta subordinação, a questão da soberania é uma meta inalcançável, um conto do vigário permanente 
que dá todo o tempo para que os interesses políticos e económicos procedam aos experimentalismos exigidos para 
a garantia da sua angustiada mas doce existência.

2.4 – A “operação Barbarrossa” do pequeno fuhrer
Para desenrolar o novelo citemos o digno autor do Guião; “a situação de emergência financeira levou 
a um conjunto de efeitos políticos, económicos e sociais que, legitimamente, a sociedade 
portuguesa não deseja repetir” (pag 10). Esta frase é tão tautológica que se torna imbecil.
O caminho é traçado com clareza, “não há qualquer possibilidade de superar a emergência 
financeira sem reduzir a despesa pública; e não há qualquer possibilidade de reduzir a 
despesa pública sem ter impacto nos salários das Administrações Públicas e nas aposentações do Estado” (pag 11).

Assim, recai sobre uma faixa restrita da população a responsabilidade do retorno a uma imaginária 
soberania que reconstrói o orgulho pátrio de gente deslocada no tempo como Portas. 
Nessas pessoas é delegada a responsabilidade do pagamento dos desvarios financeiros que a classe política 
protagonizou ao serviço do capital financeiro indígena, desestruturando totalmente a economia portuguesa, 
endividando famílias e empresas com dinheiro fácil, empurrando para o Estado os impactos dos reduzidos 
capitais próprios de bancos e empresas e das impunes burlas do gang BPN ou dos arquitetos das parcerias 
público-privadas. São culpados do crime de trabalhar ou ter trabalhado em serviços públicos.
Nessas pessoas recai o anátema de viverem almofadados em mordomias e regalias enquanto se 
tornam secretas aquelas, reais e ilegítimas que a classe política decretou para benefício próprio. Procura-se assim 
segmentar a população trabalhadora apontando para uns que terão vivido,  mais do que os outros, 
acima das suas (parcas) possibilidades.

Estão eleitos os herejes e os judeus deste Torquemada v.2 que, tal como Hitler, se prepara para a locupletação com os 
bens das vítimas, antes de concretizar o genocídio; não em caras câmaras de gás mas, através de forçadas reduções 
em gastos de alimentação, saúde, energia. Estão em causa as poupanças que os trabalhadores, agora na reforma, 
confiaram à ladroagem pós-salazarista do partido-estado PSD/PS - tendo como gestor da sacristia o partido
 do Portas - para se valerem na velhice, saqueadas retroativamente com os cortes e que, conjugados com o aumento da 
carga fiscal em IRS, IVA e IMI, colocam em risco a posse das suas casas, adquiridas num processo da agiotagem montado pelos 
bancos e pelos beneficiários da volúpia imobiliária, amparados por um Estado cuja política de habitação foi o recurso ao “mercado”.

Quanto aos funcionários públicos pretende-se a sua saída seja seguida da contratação de gente
 precarizada – que até poderão ser os antes despedidos - para o exercício de funções públicas, com salários 
miseráveis, sem direitos e contratados através das prestimosas empresas de trabalho temporário. 
É esse o modelo apontado com 
a “entrega das escolas aos professores” em que aquelas deixam de ter uma gestão pública para serem pertença de 
grupos privados, financiados pelos impostos – como os hospitais privados de hoje – sem riscos e rendabilidade 
garantida; e que agradecidos acabam por acolher, reconhecidos, ex-mandarins reciclados como reputados gestores.

O pequeno fuhrer com este modelo polariza as responsabilidades da dívida para cerca de 10% da população; 
de permeio utiliza a desvalorização dos salários e das condições de trabalho no Estado, como exemplo 
incentivador dos capitalistas sem capitais e culturalmente indigentes[4]; a carga fiscal recai sobre a população 
trabalhadora e os reformados para não afetar empresários, historicamente avessos ao investimento criador de riqueza; tenta manter 
falsos empresários – sociedades unipessoais e empresários em nome pessoal para gerar uma ficção de classe média.

O nosso pequeno fuhrer é matreiro e ancorou-se na opinião da OCDE e do FMI. Este último, em janeiro emitia esta fatwa;
 "A massa salarial e as despesas com pensões representam 24% do PIB e 58% das despesas públicas antes de juros. 
Seria impossível alcançar as metas de redução de despesa sem alterações nestas duas áreas, devendo assim ser dada prioridade a 
reformas relevantes com elas relacionadas"[5]. Portas traduziu para português e incorporou a ideia no seu Guião para dar a entender 
que é criativo e que Portugal até tem soberania. Como foi denunciado mas, com fraco interesse por parte da imprensa, 
até as atualizações do Memorando são cozinhadas nos computadores da troika, para assinatura pelo governo, numa clara 
manifestação de submissão e até de falta de dignidade pessoal.

Algo pode correr mal nesta operação, sobretudo na parte respeitante ao Tribunal Constitucional, incapaz de se adaptar 
“aos tempos que correm”, como sugere o burro economicista Vítor Bento que disserta[6] sobre a alteração “do rácio entre 
o número de beneficiários do direito (de pensão) e o número de sujeitos à correspondente obrigação (de contribuição social)
” sem atender à alteração do grau de capitalização das empresas ou da composição orgânica do capital, à existência de empresas 
sem trabalhadores mas, com formação de elevadas receitas e resultados e, sobretudo, à imensa sonegação de rendimentos 
produzidos pelo trabalho através de aumentos de produtividade que em nada beneficiam o trabalhador, quer no salário direto, 
quer no indireto. Mas essa temática é demasiado para ele entender pois… não é por acaso que se tornou conselheiro da 
bafienta figura acampada em Belém.

Nesta linha se posiciona também Portas com “as medidas previstas no Memorando de Entendimento numa leitura dinâmica 
da lei fundamental, levando em conta a excepcionalidade do resgate” (pag 22) tal como esse vulto da vacuidade chamado 
Durão Barroso e o Ângelo Correia defraudado mentor do Passos, que defende um “estado de emergência nacional 
determinado por razões económico-financeiras” ou a Ferreira Leite, com a célebre proposta de “suspensão da democracia”. 
Na nossa opinião, pouco há que se possa suspender mas, percebe-se a intenção: o total domínio dos “mercados”, 
sem máscaras, nem floclore. Mais recentemente o ministro Aguiar-Branco e o intelectual orgânico do sistema, 
António Barreto referiram o “estado totalitário” sem terem percebido que o estavam a ver a imagem do seu próprio projeto político

2.5 – O pequeno fuhrer interpreta o sentido da tradição pátria
O indómito estratega, na sua peça, apenas replica, pretendendo aperfeiçoar o modelo económico tradicional do capitalismo português, 
enterrando as sequelas e até a memória do 25 de Abril, para assegurar a continuidade dos “bons velhos tempos” de ditadura, 
os privilégios do clero e da nobreza capitalista[7]. Essa continuidade, sinteticamente carateriza-se assim:

·   a burguesia portuguesa, incapaz de ter aproveitado a pilhagem colonial como acumulação primitiva para promover o 
salto qualitativo de desenvolvimento capitalista, encaixou-se num papel subordinado e subalterno na hierarquia dos estados e do capital;

·  assegura a sobrevivência no seio da UE e, sendo esta uma vanguarda da concentração e centralização de capitais inerente à globalização, exige:

.  o apoio do Estado nacional (e dos fundos comunitários possíveis) em benefícios fiscais, contratos, empreitadas, privatizações…

.  o recurso extensivo à fraude e à evasão fiscal, bem como à corrupção como elemento decisivo na concorrência;

.  a punção fiscal concentrada numa população empobrecida e amansada através do controlo social exercido pela esquerda do sistema político;

.  a apropriação do produto dessa punção, acentuando desigualdades sociais e baixos níveis de qualidade de vida;

.  mantendo a norma tradicional dos baixos salários com alta emigração, gerando um estreito mercado interno ainda que oleado por remessas 
de emigrantes;

.  baixo nível de investimento estrangeiro que até tem a vantagem de evitar a concorrência ao trabalho qualificado;

O ciclo fecha-se com a constatação de que a burguesia portuguesa, depois de ter sido um denodado gerador de subdesenvolvimento nas 
colónias refugiou-se em Portugal como último refúgio, enquanto existir alguma autonomia do Estado, no seio da UE; também esta, por seu turno, 
é uma estrutura anti-democrática, bem marcada pela incoerência sistémica que convém ao sistema financeiro global.
Como dizia Almada Negreiros, a burguesia portuguesa tem os defeitos de todas as burguesias e mais um, o de ser portuguesa.
Quanto a Portas, ao ler o seu Guião à hora do jantar, ter-se-á visto no lugar de outro alucinado, Nero, diante de Roma a arder. Fonte

[1] - um excelente documento para a área da educação
[2] GraziaGrazia 2
[3] JN
[4] Empresarios-portugueses-incapazes-inuteis-nocivos-e-batoteiros
[5] JN
[6] noticiasaominuto.
[7] portugal-tem-mais-multimilionarios-


ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2013/12/o-guiao-de-um-pequeno-fuhrer-adulador.html#ixzz2nXt9itpj