AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

As 100IDEIAS de Javier Pérez Javier Pérez, ilustrador, conta histórias com objectos do quotidiano e sem manobras de recuperação ou DIY. Canivetes, cascas de ovo, clips, palitos, rolhas, pregos, etc são simplesmente associados ao desenho, criando todo um novo conjunto de significados. Uma delícia que podemos acompanhar no seu instagram.

As 100IDEIAS de Javier Pérez

Javier Pérez, ilustrador, conta histórias com objectos do quotidiano e sem manobras de recuperação ou DIY. Canivetes, cascas de ovo, clips, palitos, rolhas, pregos, etc são simplesmente associados ao desenho, criando todo um novo conjunto de significados. Uma delícia que podemos acompanhar no seu instagram





Por outras palavras:o interesse nacional é o de Cavaco! Mas isso era em Março de 2010. Agora, Cavaco acha que está tudo porreiro. Como era expectável, as palavras de Cavaco sobre a manif dos polícias orientaram-se pela vacuidade discursiva habitual :"não vi, não sei, ainda não falei com o PM" . Depois apelou à serenidade (traduzido para Cavaquês: tenho de concertar a posição com o Pedro, ele é porreiro e para me evitar mais problemas,até vai pagar as dívidas do presidente do Benfica ao BPN)

Por outras palavras:o interesse nacional é o de Cavaco!

Mas isso era em Março de 2010. Agora, Cavaco acha que está tudo porreiro.

Como era expectável, as palavras de Cavaco sobre a manif dos polícias orientaram-se pela vacuidade discursiva habitual :"não vi, não sei, ainda não falei com o PM" . Depois apelou à serenidade (traduzido para Cavaquês: tenho de concertar a posição com o Pedro, ele é porreiro e para me evitar mais problemas,até vai pagar as dívidas do presidente do Benfica ao BPN
A propósito da lei sobre a convergência das pensões Cavaco reafirmou que não cede a pressões e analisa todos os diplomas com muito rigor mas, no momento de decidir, se está nas tintas para a Constituição e só vê o superior interesse nacional.
O problema é que, para Cavaco, o interesse nacional confunde-se com os seus próprios interesses.
Em 2010 dizia que os portugueses já não aguentavam mais sacrifícios e incitava escolas, pais e professores a rebelarem-se contra o governo ( chamou-lhe sobressalto cívico, lembram-se?) porque só tinha em mente entregar o governo ao seu partido.
Três anos depois, protege os seus interesses aguentando o governo que lhe dá garantias de silenciar tudo em torno do BPN e dos seus ex-compinchas na governação. Em troca, permite  que este governo aplique todas as medidas de austeridade que bem entenda;  esquece o juramento de cumprir e fazer cumprir a Constituição; aprova o estatuto do ensino particular e cooperativo, com medidas ainda mais gravosas do que as que  condenou ao governo Sócrates, sem cuidar que se trata de um enorme cambalacho de Crato e vai custar o futuro a pelo menos, uma geração, mas encher os bolsos a algumas "famiglia".
Interesse nacional, o tanas! Interesses de Boliqueime, dos vizinhos da Quinta da Coelha e do bando do BPN.  São esses os únicos interesses que movem Cavaco

BEM " AGORA VOCÊS VÃO VER A REAÇÃO, A EXPRESSÃO DE ALGUMAS PESSOAS QUANDO DE REPENTE ALGUÉM SE DEIXA DORMIR NO SEU OMBRO DURANTE UMA VIAGEM

Reações inestimáveis ​​da Subway Riders, quando de repente dormiram sobre o seu ombro


Imagine que você está andando de metrô. Agora, como você reagiria se um estranho, de repente caiu no sono em seu ombro?Quer rir e, em seguida, deixar que a pessoa dormir com você ou se você se mover rapidamente lugares? Artista baseado em Brooklyn George Ferrandi está atrás de um projeto de abrir os olhos chamado Parecia que eu soube que você , que capta as reações inestimáveis ​​de passageiros quando eles ficam um pouco "muito perto" de uma pessoa que nunca conheci. A peça performance site-specific, que começou em 2012, tem Ferrandi lentamente afundando em sua cadeira e, em seguida, descansando a cabeça no ombro de um estranho. Do outro lado, do Ferrandi cúmplice Angela Gilland secretamente captura as intervenções fascinantes usando seu iPhone.
Como Ferrandi afirma sobre o projeto, "tento mentalmente e emocionalmente re-esculpir que o espaço em minha mente, eu remodelá-lo -.. Partir do espaço duro e guardado entre estranhos ao espaço suave e flexível entre amigos que eu dirigi toda a minha energia para esse espaço entre nós. quando o espaço mudanças palpável, e sinto-me completamente como o estranho sentado ao meu lado é meu amigo, eu descansar minha cabeça no ombro da pessoa. "
Quando perguntamos Ferrandi o que aprendeu sobre as pessoas deste projeto, ela respondeu: "Ele só confirmou o que eu já sabia sobre os nova-iorquinos. Que me mudei para Nova York em 10 de setembro de 2001, por isso a minha primeira compreensão dos nova-iorquinos foi a de que eles são ternos vulneráveis e carinhosos.






De dezembro 06-31 dezembro, você pode ver essas obras no Guts exposição no Abrons Art Center em Nova York.

revistamodafoca.blogspot.pt

No discurso mais aplaudido da noite, Pacheco Pereira na Aula Magna em "d...

Chamem a polícia...


Chamem a polícia...



Publicado por F. Penim Redondo
dotecome.blogspot.pt

A Manta Resort, em Zanzibar, Tanzânia, é um hotel mais que diferente. Localizado em pleno mar, ele possui 4 quartos, sendo um deles literalmente debaixo d’água. Na parte superior, você pode tomar sol no deque, e na parte inferior, você pode ter uma das vistas mais incríveis do mundo (obviamente se não tiver medo). Uma noite para o casal custa cerca de R$ 3 mil.

Um hotel com um detalhe muito interessante


hotel_mar_01
A Manta Resort, em Zanzibar, Tanzânia, é um hotel mais que diferente. Localizado em pleno mar, ele possui 4 quartos, sendo um deles literalmente debaixo d’água.
Na parte superior, você pode tomar sol no deque, e na parte inferior, você pode ter uma das vistas mais incríveis do mundo (obviamente se não tiver medo).
Uma noite para o casal custa cerca de R$ 3 mil.
hotel_mar_02
hotel_mar_03
hotel_mar_04
hotel_mar_05
hotel_mar_06
hotel_mar_07
hotel_mar_08
hotel_mar_09
hotel_mar_10
hotel_mar_11

VEJA NO DESENVOLTURAS & DESACATOS O FILMA OLGA - DOBRADO EM PORTUGUÊS E COMPLETO - Nasceu Maria Bergner. Recebeu os codinomes de "Frida Leuschner", "Ana Baum de Revidor", "Olga Sinek", "Maria Bergner Vilar" e "Zarkovich". Chamou-se Olga Benário Prestes ao se casar com o líder revolucionário brasileiro Luís Carlos Prestes. Entrou para história, porém não pelos nomes dados, escolhidos ou ganhos, mas pela força que teve como mulher revolucionária. Olga Benário nasceu em Munique, no dia 12 de fevereiro de 1908, em uma família judia de classe média, era filha do advogado Leo Benário e da socialite Eugénie Gutmann Benário. Ainda jovem, com 15 anos, deu seu primeiro passo para a construção da mulher socialista que dedicou sua vida a tentar mudar o mundo, ao se filiar na organização juvenil do Partido Comunista Alemão (KPD) e na Liga Juvenil Comunista da Alemanha (KJVD).

Olga - Filme Dublado Completo






Do site Metamorfose Comunicação

Nasceu Maria Bergner. Recebeu os codinomes de "Frida Leuschner", "Ana Baum de Revidor", "Olga Sinek", "Maria Bergner Vilar" e "Zarkovich". Chamou-se Olga Benário Prestes ao se casar com o líder revolucionário brasileiro Luís Carlos Prestes. Entrou para história, porém não pelos nomes dados, escolhidos ou ganhos, mas pela força que teve como mulher revolucionária.
Olga Benário nasceu em Munique, no dia 12 de fevereiro de 1908, em uma família judia de classe média, era filha do advogado Leo Benário e da socialite Eugénie Gutmann Benário. Ainda jovem, com 15 anos, deu seu primeiro passo para a construção da mulher socialista que dedicou sua vida a tentar mudar o mundo, ao se filiar na organização juvenil do Partido Comunista Alemão (KPD) e na Liga Juvenil Comunista da Alemanha (KJVD).
Mudou-se para Berlim, aos 16 anos, ao lado de seu namorado comunista Otto Braun, com quem acabou sendo presa em 1929, acusada de alta traição à pátria. Quando foi solta, planejou uma fuga que libertou Braun da prisão de “alta segurança” Moabit.
Após a fuga, com a cabeça posta a prêmio pelas autoridades, ambos fogem para a União Soviética (URSS), onde Olga recebe treinamento político-militar e trabalha como instrutora na seção Juvenil da Internacional Comunista.  Em 1931, separa-se de Braun.

Ainda na URSS, em 1934, Olga recebe da Internacional Comunista, a tarefa de acompanhar e proteger o líder revolucionário Luiz Carlos Prestes em seu retorno ao Brasil. Nesta época, o governo Vargas havia decretado a prisão de Prestes.


Como em um filme romântico, os dois estranhos recebem passaportes falsos como marido e mulher, e acabam por se apaixonar durante a longa viagem de navio.
Em 1935, Olga e Prestes desembarcam no Brasil e vivem clandestinamente no Rio de Janeiro. Onde Prestes torna-se a principal liderança do movimento antifascista e incentivado por Olga participa da preparação da insurreição armada contra o governo Vargas.
Quando os primeiros levantes acontecem em novembro de 1935, o governo inicia forte repressão aos comunistas, e o casal é preso em 1936 pelo capitão Filinto Muller, chefe de polícia do governo Vargas.
Separada de Prestes, Olga é conduzida para Polícia Central, levada para a Casa de Detenção da Frei Caneca e em setembro de 1936, grávida de sete meses, foi extraditada para a Alemanha que estava tomada pelo nazismo de Hitler.
Após a pesada travessia no navio de cargas “La Coruña” onde foi embarcada a força sem que tivesse sido julgada, foi conduzida para a prisão de Barnimstrasse, em Berlim.
Na prisão, em 1936, Olga deu a luz a Anita Leocadia, e a criou até que completasse 14 meses, recebendo a ajuda de sua sogra Leocádia Prestes.
Leocádia foi incansável na tentativa de libertar Olga e com a ajuda de diversas delegações estrangeiras, conseguiu pressionar a gestapo para obter a guarda de sua neta.
Olga então é transferida para a prisão de Lichtenburg e mais tarde é levada para o campo de concentração de Ravensbruck. O destino final, em abril de 1942, seria o campo de concentração de Bernburg, local onde seria assassinada numa câmara de gás.
Sua história, retratada em pesquisas, livros e filmes é a de uma mulher forte, que não traiu seus companheiros de luta e viveu como ela mesma diria “pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo” (trecho de carta escrita ao marido e a filha). 
Jornalista e arte: Marina Valente (MTB1961)
http://www.metamorfosecomunicacao.com/site/index.php?option=com_content&view=article&id=487%3Aolga-a-mulher-que-lutou-pelo-justo-pelo-bom-e-pelo-melhor-do-mundo&catid=1%3Alatest-news

blogdocarlosmaia.blogspot.pt

Olga - Filme Dublado Completo







Do site Metamorfose Comunicação

Nasceu Maria Bergner. Recebeu os codinomes de "Frida Leuschner", "Ana Baum de Revidor", "Olga Sinek", "Maria Bergner Vilar" e "Zarkovich". Chamou-se Olga Benário Prestes ao se casar com o líder revolucionário brasileiro Luís Carlos Prestes. Entrou para história, porém não pelos nomes dados, escolhidos ou ganhos, mas pela força que teve como mulher revolucionária.
Olga Benário nasceu em Munique, no dia 12 de fevereiro de 1908, em uma família judia de classe média, era filha do advogado Leo Benário e da socialite Eugénie Gutmann Benário. Ainda jovem, com 15 anos, deu seu primeiro passo para a construção da mulher socialista que dedicou sua vida a tentar mudar o mundo, ao se filiar na organização juvenil do Partido Comunista Alemão (KPD) e na Liga Juvenil Comunista da Alemanha (KJVD).
Mudou-se para Berlim, aos 16 anos, ao lado de seu namorado comunista Otto Braun, com quem acabou sendo presa em 1929, acusada de alta traição à pátria. Quando foi solta, planejou uma fuga que libertou Braun da prisão de “alta segurança” Moabit.
Após a fuga, com a cabeça posta a prêmio pelas autoridades, ambos fogem para a União Soviética (URSS), onde Olga recebe treinamento político-militar e trabalha como instrutora na seção Juvenil da Internacional Comunista.  Em 1931, separa-se de Braun.

Ainda na URSS, em 1934, Olga recebe da Internacional Comunista, a tarefa de acompanhar e proteger o líder revolucionário Luiz Carlos Prestes em seu retorno ao Brasil. Nesta época, o governo Vargas havia decretado a prisão de Prestes.


Como em um filme romântico, os dois estranhos recebem passaportes falsos como marido e mulher, e acabam por se apaixonar durante a longa viagem de navio.
Em 1935, Olga e Prestes desembarcam no Brasil e vivem clandestinamente no Rio de Janeiro. Onde Prestes torna-se a principal liderança do movimento antifascista e incentivado por Olga participa da preparação da insurreição armada contra o governo Vargas.
Quando os primeiros levantes acontecem em novembro de 1935, o governo inicia forte repressão aos comunistas, e o casal é preso em 1936 pelo capitão Filinto Muller, chefe de polícia do governo Vargas.
Separada de Prestes, Olga é conduzida para Polícia Central, levada para a Casa de Detenção da Frei Caneca e em setembro de 1936, grávida de sete meses, foi extraditada para a Alemanha que estava tomada pelo nazismo de Hitler.
Após a pesada travessia no navio de cargas “La Coruña” onde foi embarcada a força sem que tivesse sido julgada, foi conduzida para a prisão de Barnimstrasse, em Berlim.
Na prisão, em 1936, Olga deu a luz a Anita Leocadia, e a criou até que completasse 14 meses, recebendo a ajuda de sua sogra Leocádia Prestes.
Leocádia foi incansável na tentativa de libertar Olga e com a ajuda de diversas delegações estrangeiras, conseguiu pressionar a gestapo para obter a guarda de sua neta.
Olga então é transferida para a prisão de Lichtenburg e mais tarde é levada para o campo de concentração de Ravensbruck. O destino final, em abril de 1942, seria o campo de concentração de Bernburg, local onde seria assassinada numa câmara de gás.
Sua história, retratada em pesquisas, livros e filmes é a de uma mulher forte, que não traiu seus companheiros de luta e viveu como ela mesma diria “pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo” (trecho de carta escrita ao marido e a filha). 
Jornalista e arte: Marina Valente (MTB1961)
http://www.metamorfosecomunicacao.com/site/index.php?option=com_content&view=article&id=487%3Aolga-a-mulher-que-lutou-pelo-justo-pelo-bom-e-pelo-melhor-do-mundo&catid=1%3Alatest-news