AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

HOJE NO "i" Amnistia Internacional denuncia imigrantes tratados como animais no mundial do Qatar

HOJE NO
"i"

Amnistia Internacional denuncia imigrantes tratados 
como animais no mundial do Qatar

A Amnistia Internacional (AI) publicou esta segunda um relatório onde denuncia a exploração “alarmante” dos imigrantes que trabalham na preparação do mundial de futebol de 2022, no Qatar.
De acordo com a organização não-governamental, em alguns casos os trabalhadores, na sua maioria provenientes do sudeste asiático, são chamados e tratados como animais e sujeitos a práticas de escravatura, sem receberem salário e trabalhando em condições perigosas e duras.

A Amnistia diz também que os trabalhadores vivem em alojamentos "escandalosos", sem ar condicionado, num país onde as temperaturas são especialmente elevadas, e, por isso, pede à FIFA que intervenha junto das autoridades do Qatar para que fiscalizem e melhorarem as condições dos imigrantes.

O relatório, que surge depois de uma reportagem publicada no britânico “The Guardian” sobre as más condições de trabalho a que eram submetidos os imigrantes  no Qatar e semana após o presidente da FIFA, Joseph Blatter, ter dito Qatar , a propósito do assunto e  na sequência de um encontro com as autoridades do país, que “está tudo no bom caminho”.

Em resposta ao relatório da Amnistia, a federação afirmou, num comunicado que “tem todo o respeito pelos direitos humanos e que aplica essas normas de comportamento em todas as suas actividades. A FIFA também espera que quem organiza os torneios e as competições também tenham o maior respeito pelos direitos humanos".

Entretanto, as autoridades do Qatar anunciaram também que vão incluir as conclusões deste relatório na investigação às denúncias de exploração dos trabalhadores imigrantes.

* Foi a escolha de Blatter, pôs a FIFA à consignação.


apeidaumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

HUMOR - DESCOBERTA A ORIGEM DA PALAVRA EJACULAÇÃO

A origem da palavra EJACULAÇÃO.

> E J A C U L A Ç Ã O ... descoberta a origem da palavra....

> > Qual a origem da palavra EJACULAÇÃO ??????
> > Parece ser de origem 'chinoca', tal como alude remota lenda...
>
> > Um dia, ou melhor, uma noite, um casal 'chinoca' entretinha-se no
> > mórbido prazer da concupiscência quando ela, já estafada do esforçado
> > exercício, lhe pergunta:
> > - Amôle, falta muito pala te vile ???
>
> > Solícito, ele responde:
>
> > - É JÁ, CULAÇÃO...

E HOJE PARA DESCONGESTIONAR ! O MESMO TRAPINHO EM CORPOS DIFERENTES


 O MESMO 

TRAPINHO














apeidaeumregalodonarizagentetrata.blogspot.pt

propósito da «saída da recessão» Como sabe qualquer observador minimamente atento destas coisas da sociedade, aquilo a que estamos a ser sujeitos de há uns tempos a esta parte é uma verdadeira «experiência de laboratório». Um pouco à imagem das experiências em biologia, química ou fisica...

propósito da «saída da recessão»

Como sabe qualquer observador minimamente atento destas coisas da sociedade, aquilo a que estamos a ser sujeitos de há uns tempos a esta parte é uma verdadeira «experiência de laboratório». Um pouco à imagem das experiências em biologia, química ou fisica...
Parte-se do presumido conhecimento de alguns «princípios» ou «leis» científicas e depois experimenta-se a ver se é meso assim, se de facto há esta ou aquela relação de «causa» e «efeito».
Parece que aquilo que estes senhores (des)governantes do laboratório social em que nos transformaram querem demonstrar, é se em resultado das medidas de austeridade se vem (ou não) a verificar algum crescimento económico. 
Já presenciei um exame da «Probabilidades e Estatística» em que na prova oral da cadeira um aluno respondeu, literalmente, a uma determinada questão, «a probabilidade desse evento é de 105%»...
O professor começou por ficar embatucado, mas rápidamente recuperou a compostura disse ao aluno, com alguma rispidez, para voltar a tentar no ano seguinte.
Vem esta lembrança dos recônditos da minha memória «académica» a propósito da «noa notícia» do muito satisfeito Cavaco Sila relativamente ao crescimento de 0,2% (zero vírgula dois por cento) supostamente verificado no último trimestre... 
Será que o ilustre «professor» terá percebido, quando era aluno, o conceito de «margem de erro» ou «valor significativo» ou ainda o que são «smoothing techniques» («técnicas de alisamento»?...) nas linhas mais ou menos curvas, cheias de altos e baixos, nas tendências de médio prazo ?...
Se está tudo doido, alguém que me ajude a sair deste manicómio.
Se o desespero dos nossos (salvo seja...) (des)governantes é tal que embandeiram em arco com «milagres económicos» (miragens que só alguns conseguem ver...) ou com «saídas de recessão com crescimento de 0,2%», então a situação é capaz de ser ainda mais grave do que alguns observadores mais atentos vão começando a suspeitar... 


foicebook.blogspot.pt

EU E A TEMPESTADE - trabalho gift de António Garrochinho


MISTÉRIO




Rorschach cartão: O Que É?

HISTORIA - Seis desastres naturais que levaram os homens à guerra

Seis desastres naturais que levaram os homens à guerra

1 – A erupção da ilha de Thera em 1600 antes de Cristo
Alguns dos eventos mais importantes da história antiga, bem como várias narrativas da mitologia grega, resultaram de um dos desastres mais espetaculares que já atingiram o leste do Mediterrâneo: aerupção da ilha vulcânica de Thera, hoje conhecida como Santorini, por volta de 1600 antes de Cristo.

Esta enorme explosão, jogou milhões de metros cúbicos de terra e rocha para o ar e no mar, e, em conjunto com um terremoto, provocou um tsunami que varreu o Mar Egeu. A antiga civilização minoica na ilha de Creta foi fatalmente enfraquecida por esse desastre natural. Pouco tempo depois, os minoicos foram conquistados pelos micênicos, invasores guerreiros da Grécia continental que arrasaram os indefesos cretenses e uma série de outras civilizações em todo o Mediterrâneo Oriental.

De fato, registros do Egito falam de condições caóticas da natureza e da humanidade em torno daquela época. No século XIV antes de Cristo, as crônicas egípcias mencionam pela primeira vez, os "Povos do Mar" – invasores marítimos que quase conquistaram o Egito antes de serem finalmente repelidos nos séculos  XII e XIII antes de Cristo. Embora a identidade dos povos do mar permaneça um mistério, é bem provável que eles tenham sido os gregos micênicos, que segundo a lenda, também atacaram a cidade de Tróia, na Ásia Menor, por volta de 1200 antes de Cristo.

bild
2 – O terremoto em Esparta, em 464 antes de Cristo
Além de viverem encima de uma bomba geológica, os antigos gregos enfrentavam inúmeras divisões étnicas e sociais - os desastres naturais, às vezes,  forneciam o catalisador para essas diferenças explodirem em guerras. Isso era especialmente verdadeiro em Esparta, onde uma população relativamente pequena de esparciatas (cidadãos com plenos direitos) governavam uma vasta população de trabalhadores contratados, conhecidos como hilotas, que não tinham direitos e trabalhavam em condições semelhantes as da escravidão.
Os espartanos sempre temeram uma rebelião dos hilotas, e com razão. Depois de um forte terremoto que nivelou a cidade de Esparta e matou muitos guerreiros espartanos em 464 antes de Cristo, os hilotas aproveitaram a chance e fizeram o que se tornou o levante mais grave da história da cidade. A situação ficou tão terrível, que os espartanos chamaram seus rivais atenienses para ajudar a sufocar a rebelião - mas depois, mudaram de ideia, temendo que os democráticos atenienses  se tornassem simpáticos à causa dos oprimidos hilotas. Os cidadãos de Atenas, sentindo-se humilhados pelos espartanos, ficaram furiosos com a dispensa  do seu contingente. O palco para a Guerra do Peloponesocomeçava a ser erguido, de modo que dois conflitos resultaram do mesmo desastre!


3 – Seca da Ásia Central, 350 – 450
Como pastores nômades que dependiam dos animais do rebanho para se alimentar e se vestir, oshunos da Ásia Central eram tão vulneráveis ​​à seca como qualquer população agrícola moderna. Assim, quando um período de seca prolongada, que começou por volta do ano 350, devastou sua terra natal e as áreas circunvizinhas, os hunos  mudaram-se para climas mais agradáveis ​​na Europa Oriental e Meridional. Houve alguns pequenos obstáculos, é claro, incluindo as tribos germânicas e o Império Romano, mas os hunos nunca deixaram esse tipo de coisa atrapalhar seus planos. Hordas de guerreiros montados a cavalo saíram da Ásia Central, subjugando várias tribos bárbaras, que se tornaram vassalas dos hunos ou buscaram proteção na fronteira com o Império Romano. No entanto, o Império Romano do Ocidente não conseguia proteger nem a sua própria população, quanto mais as tribos germânicas. Por volta do ano 395, os hunos invadiram o Império Romano do Oriente e o Império Persa. Durante o reinado de Átila, eles devastaram a Europa, dos portões de Constantinopla até a cidade francesa de Orleães. Como já dito, as investidas dos hunos também provocaram as migrações germânicas, que em última análise, resultaram na queda de Roma.

La-invasion-de-los-barbarosLos-hunos-en-Roma.-1887-by-Ulpiano-Checa

4 – O misterioso evento climático, 535 – 536
Os hunos desapareceram do cenário histórico pouco depois da morte de Átila e as tribos germânicas que invadiram o Império Romano, entraram em cena. Antigos servos viraram senhores, grandes conquistadores se tornaram escravos e estranhos eventos climáticos continuaram a resultar em conflitos violentos.
Embora ninguém saiba exatamente o que aconteceu, o historiador bizantino Procópio descreve eventos climáticos extremos registrados em 535 e 536, que indicam um resfriamento drástico do planeta. Crônicas irlandesas que cobrem o mesmo período de tempo, também falam de colheitas fracassadas e de invernos rigorosos. Além disso, secas e quebras de safra, ocorridas na mesma época, foram relatadas em lugares tão diversos como China e Peru.

No norte da África, os efeitos desse misterioso evento climático forçaram novos conflitos, com vândalos, mouros e soldados romanos amotinados se rebelando e saqueando os campos após suas demandas por terra terem sido repelidas. Embora a rebelião se espalhasse pela África do Norte, os bizantinos finalmente derrotaram os rebeldes, que de acordo com Procópio, estavam "lutando contra a fome", enquanto também lutavam contra os romanos. Estudiosos contemporâneos especulam que os eventos de 535 e 536 foram causados ​​pela poeira atmosférica resultante de uma enorme explosão vulcânica ou por um cometa ou meteorito que atingiu a Terra.


5 – Dragões de fogo – Oitavo século da nossa era
Embora seja  mais uma vez difícil saber exatamente o que aconteceu (o início do período medieval não ficou conhecido por sua meteorologia precisa), as primeiras incursões vikings, aparentemente, também resultaram de uma sequência de eventos climáticos incomuns, que levaram a colheitas ruins, e por fim, à violência desesperada. As infelizes vítimas dos ataques vikings viviam na Inglaterra, onde os anglo-saxões governavam desde o fim do Império Romano e onde, em 792, os habitantes daNortúmbria estavam aterrorizados pelo "excesso de turbilhões e tempestades de raios", junto com "dragões de fogo". Enquanto isso, seguindo através do Mar do Norte, na Noruega, as colheitas  foram arruinadas nos anos 792 e 793. Então, provavelmente, não seja mera coincidência que uma das primeiras incursões vikings: a pilhagem do famoso mosteiro de Lindisfarne, tenha ocorrido em janeiro de 793. E isso foi apenas o começo, secas atingiram novamente a Europa Ocidental em 794 e 797.
Uma possível explicação: estudiosos contemporâneos especulam que os "dragões de fogo" podem ter sido chuvas de meteoros, que cobriram os céus com poeira atmosférica, resultando em outro período de frio rigoroso; crônicas chinesas descrevem repetidas chuvas de meteoros nessa mesma época.

viking-longboat-in-vikings-on-history-channel

6  - Seca na América Central – Nono e  décimo séculos da nossa era

Mudanças climáticas severas, provavelmente, foram responsáveis ​​por grande parte das guerras que acompanharam o colapso da civilização maia clássica, no início do oitavo século da nossa era. Embora os maias vivessem no meio de exuberantes florestas tropicais, havia, na verdade, poucas fontes de água doce disponíveis durante todo o ano. Os maias das cidades-estado contavam com técnicas avançadas para a coleta e  o armazenamento da água da chuva, usada na agricultura e no consumo humano. Tamanha dependência da chuva, os tornava particularmente vulneráveis ​​às secas repetidas. E isso foi exatamente o que aconteceu em intervalos de 50 anos em 760, 810, 860 e 910, de acordo com os cientistas que estudaram amostras de sedimentos do Mar do Caribe para determinar a quantidade de chuvas durante o citado período.
Essas quatro secas correspondem a fases distintas do declínio e eventual colapso da civilização maia. Essa e outras condições ambientais adversas desencadearam uma série de acontecimentos que culminaram no fim da civilização maia: cidades-estados rivais lutando pelos parcos recursos, cidades-estado dissolvidas na guerra civil e as populações migrando em busca de comida. Registros maias e descobertas arqueológicas indicam que durante este período, as guerras foram travadas com mais frequência, com mais pessoas envolvidas e com métodos mais brutais. Entre as evidências arqueológicas estão fortificações construídas ao redor até mesmo de pequenas aldeias, traumas esqueléticos resultantes de combates e o súbito aparecimento de objetos estranhos à época, o que sugere que, além dos conflitos internos, os maias também tenham sido atacados por povos estrangeiros.

kid-bentinho.blogspot.com.br

O ANTI-COMINISMO PRIMÁRIO DA IGREJA E DOS SEUS LACAIOS -FOI ASSIM É AINDA ASSIM QUE ELES SEITAS E CAPITALISMO DOMINAM A HUMANIDADE EXPLORANDO OS SIMPLES, OS QUE TÊM "FÉ" E ASSIM ARRECADANDO FORTUNAS PARA OS SEUS LUXOS, DESVARIOS E VÍCIOS COMO A PEDOFILIA A INTOXICAÇÃO DOS MAIS FRAGILIZADOS E DOENTES. - 10 Preguntas Freqüentes Sobre Fatima 1. QUAL É A MENSAGEM DE FÁTIMA? A mensagem de Fátima consiste em umas determinadas predições, pedidos, avisos e promesas em relação à Fé e ao mundo que foram comunicadas pela Santa Virgem Maria a três pastorinhos--Lucia, Jacinta e Francisco--numa série de aparições em Fátima entre Maio e Outubro de 1917.

10 Preguntas Freqüentes Sobre Fatima
1. QUAL É A MENSAGEM DE FÁTIMA?
A mensagem de Fátima consiste em umas determinadas predições, pedidos, avisos e promesas em relação à Fé e ao mundo que foram comunicadas pela Santa Virgem Maria a três pastorinhos--Lucia, Jacinta e Francisco--numa série de aparições em Fátima entre Maio e Outubro de 1917.
2. PORQUE É QUE EU DEVO ACREDITAR NA MENSAGEM DE FÁTIMA?
Deve acreditar na Mensagem de Fátima, porque:
(1) Foi confirmada por um milagre público sem precedência, o Milagre do Sol, que ocurreu precisamente no momento em que Lúcia disse que ocurreria. Mais de 70,000 pessoas, incluso maçons, comunistas e ateus viram o sol, contrrio a todas as leis cósmicas, girar no céu, lançar cores e descer à terra. O acontecimento foi noticiado em jornais pelo mundo fora, incluso no New York Times.
(2) Todos os Papas desde o Milagre de Fátima têm reconhecido que a Mensagem de Fátima é autêntica. Vrios Papas foram a Fátima pessoalmente, incluso Paulo VI, João Paulo I e João Paulo II. João Paulo II disse em Fátima em 1982 que "a Mensagem de Fátima impõe uma obrigação sobre a Igreja".
(3) Foram feitos por Deus outros milagres autenticando a Mensagem de Fátima como vinda de Ele, não só na altura do Milagre do Céu, a 13 de Outubro de 1917, mas através dos anos até ao dia de hoje, milagres de conversões e de curas que a ciência não pode explicar por meios naturais.
(4) A Mensagem de Fátima prognosticou acontecimentos mundiais, o que prova que é uma profecia verdadeira.
3. QUE PROGNOSTICOU A MENSAGEM DE FÁTIMA?
A Mensagem de Fátima prognosticou correctamente em 1917 todos os seguintes acontecimentos:
(1) O fim da Primeira Guerra Mundial;
(2) O emergir da Rússia como um poder mundial que "espalharia os seus erros (incluso o comunismo) pelo mundo fora ...promovendo guerras e perseguições à Igreja;
(3) A eleição de um Papa que se chamaria Pío XI;
(4) A emergência de uma segunda Guerra Mundial que seguiria uma luz estranha no céu.
A Mensagem de Fátima prognosticou também que se os pedidos da Virgem Maria em Fátima não fôrem honrados, muitas almas serão perdidas, "o Padre Santo ter muito que sofrer," haver mais guerras e perseguições à Igreja e "vrias nações serão aniquiladas. A aniquilação de nações prognosticada em Fátima ainda não ocurreu, mas muitos temem que em breve acontecer, porque a imoralidade e a corrupção cresce por todo o mundo.
4. QUE PEDE A MENSAGEM DE FÁTIMA?
Nossa Senhora disse em Fátima que Deus desejava establecer no mundo a devoção ao Coração Imaculado de Maria. Disse que muitas almas seriam salvas do Inferno e aaniquilação das nações seria evitada se, a tempo, fosse establecida a devoção ao Seu Coração Imaculado, principalmente por estes dois meios.
1) A consagração da Rússia ao Coração Imaculado de Maria pelo Papa junto com os bispos do mundo em uma cerimônia solene, e
2) o costume de receber a Santa Comunhão (e outras devoções específicas de aproximadamente 1/2 hora de duração) em reparação pelos pecados cometidos contra a Santa Virgem Maria, no primeiro sbado de cinco meses consecutivos--um costume conhecido pelos Católicos como devoção do "Primeiro Sbado do mes".
5. FORAM HONRADOS ESTES PEDIDOS DE NOSSA SENHORA?
Não, não inteiramente. Um número de fieis pratica a devoção do "Primeiro Sbado," mas falta consagrar a Rússia ao Coração Imaculado de Maria em uma cerimónia solene e pública conduzida pelo Papa junto com os bispos católicos do mundo.
Em 1982 preguntou-se à última vidente sobrevivente de Fátima, Lúcia, que é agora uma freira clausurada vivendo em Coimbra, Portugal, se a consagração tentada pelo Papa João Paulo II tinha sido o suficiente. Respondeu que não foi o suficiente porque a Rússia não foi mencionada e os bispos do mundo não participaram. Outra consagração, tentada em 1984, tão pouco mencionou a Rússia nem involveu a participação de muitos dos bispos do mundo, e a Irmã Lúcia declarou imediatamente que esta consagração também faltou às requisições de Nossa Senhora.
6. QUE AVISA A MENSAGEM DE FÁTIMA?
Avisa que se os pedidos de Nossa Senhora de Fátima pela consagração da Rússia e pela devoção do Primeiro Sbado não forem honrados, a Igreja ser perseguida, haver outras grandes guerras, o Santo Padre sofrer muito, e serão aniquiladas vrias nações. Muitos países serão tiranizados por a ateus militantes Russos. De maior importância, se perderão muitas almas.
7. QUE PROMETE A MENSAGEM DE FÁTIMA?
A Mensagem de Fátima promete que se os pedidos de Nossa Senhora de Fátima forem realizados, "O Meu Imaculado Coração triunfar. O Santo Padre consagrar-Me- a Rússia, que se converter, e ser concedido ao Mundo algum tempo de paz."
8. NÃO É VERDADE QUE A CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA FOI FEITA EM 1984 E QUE A "QUEDA DO COMUNISMO" PROVA QUE A CONSAGRAÇÃO FOI EFICAZ E QUE A RÚSSIA AGORA SE ESTÁ CONVERTENDO?
Não, não é verdade. Sabemos que não porque:
(1) A 25 de Março de 1984, depois da consagração do mundo, o Papa João Paulo II disse duas vezes que o pedido de Nossa Senhora que a Rússia fosse consagrada não foi cumprido.
(2) Pouco depois da consagração tentada em 1984, que não mencionou a Rússia nem involveu a participação dos bispos do mundo, a Irmã Lucia declarou que foi insuficiente porque não satisfez os requerimentos especificados por Nossa Senhora.
(3) Desde 1984 o estado espiritual e moral do mundo tem evidentemente piorado: nos últimos 14 anos tem havido 600 milhões de abortos, e têm surgido guerras por todo o mundo. A eutansia e os atos homosexuais têm sido "legalizados". Na própia Rússia acaba de passar uma lei que discrimina contra a Igreja Católica e a favor do Islã, do Budismo, do Judaismo e das igrejas Ortodoxas que ocuparam forçosamente as paróquias debaixo dos comunistas. Portanto est claro que a Rússia não est convertida à Fé Católica, como prometeu Nossa Senhora que aconteceria se o seu pedido fosse cumprido.
(4) Têm havido muito poucas conversões ao Catolicismo na Rússia nos últimos catorze anos. Em toda a Rússia hoje h só 300.000 católicos--muito menos de um porcentoda população Russa. Em contraste, depois de aparecer Nossa Senhora em Guadalupe, México, no Século XVI, mais de 7 milhões de mexicanos se converteram do paganismo à Fé Católica dentro de nove anos e o México veio a ser um país católico.
9. POR QUE A MENSAGEM DE FÁTIMA É IMPORTANTE PARA MIM E PARA A MINHA FAMÍLIA?
A Mensagem de Fátima é importante para si e para a sua família porque envolve a salvação de almas, paz no mundo e, se os pedidos de Nossa Senhora de Fátima não forem realizados, as consequências são a aniquilação de nações e a escravização de toda a humanidade debaixo dos ateus militantes da Rússia.
10. MAS A MENSAGEM DE FÁTIMA NÃO É APENAS UMA REVELAÇÃO PRIVADA QUE NENHUM CATÓLICO TEM QUE ACREDITAR?
Não, não é apenas uma mensagem privada. É uma revelação pública e profética dada pela Virgem María, Mãe de Deus. Não se deve confundir com a "Revelação," ou como também se chama, o Depósito da Fé que acabou com a morte do último apóstolo. Mas uma revelação pública e profética não deve ser desprezada. A profecia da Virgem Maria foi confirmada por um milagre público e autenticada por uma linha inteira de papas. Além disso, as suas predições têm sido realizadas.
Portanto, enquanto que a crença em Nossa Senhora de Fátima, como um artigo de fé, pode não ser um requerimento estrito para os católicos, sería néscio negligenciar uma mensagem do Céu tão obviamente autêntica. Como ensinou São Paulo: "Não desprezar as profecias, mas provar todas as coisas; defender o que é bom." (1 Thess. 5:20-21) A profecia de Fátima tem provado que merece a crença. Não a devemos desprezar, mas antes defender o que nos disse Nossa Senhora em Fátima.

www.fatima.org

O estranho caso dos rodados dos comboios da linha de Sintra CP muda comboios na rede suburbana de Lisboa a partir de hoje por causa de anomalias nos rodados. Automotoras de dois pisos vão circular na linha de Sintra e material do serviço regional assegura suburbanos na linha da Azambuja.

O estranho caso dos rodados dos comboios da linha de Sintra

CP muda comboios na rede suburbana de Lisboa a partir de hoje por causa de anomalias nos rodados. Automotoras de dois pisos vão circular na linha de Sintra e material do serviço regional assegura suburbanos na linha da Azambuja.
A geografia ferroviária da rede suburbana de Lisboa muda a partir desta segunda-feira com comboios de dois pisos a atravessarem o túnel do Rossio para assegurarem a ligação a Sintra e automotoras de cor amarela (habitualmente afectas aos regionais para Tomar) a fazerem a linha Azambuja – Santa Apolónia.A CP justifica esta mudança por falta de material circulante, mas garante que os horários serão os mesmos, não havendo alterações significativas na oferta.
O PÚBLICO apurou que na origem desta escassez de material estão problemas anormais identificados nos rodados dos comboios que compõem a frota da linha de Sintra (séries 2300 e 2400) e que têm levado à sua crescente imobilização em oficina. A compra de novos rodados não é um acto de gestão imediato, devendo estes ser encomendados no mercado internacional com vários meses de antecedência.
A empresa tem detectado um desgaste exagerado nas rodas daquele material circulante (ver PÚBLICO de 21/10/2013) que deveriam poder assegurar 800 mil quilómetros sem ter que ir à revisão, mas que acusam problemas logo aos 100 mil quilómetros, o que obriga à sua desmontagem para serem reperfiladas num torno.
Esta operação e a dificuldade em encomendar novos rodados levou a que parte da frota se encontre agora imobilizada, optando a CP por recorrer a material circulante diferente para poder manter a oferta.
Não é, contudo, pacífico que não venha a haver a partir de hoje perturbações no funcionamento da CP Lisboa. Os comboios de dois pisos obrigam a um maior tempo de paragem nas estações para os passageiros poderem subir e descer, o que tem particular relevância na linha de Sintra, onde a procura é maior.
Por outro lado, na linha da Azambuja é dado como garantido que os passageiros viajarão a partir de hoje como sardinha em lata durante as horas de ponta porque as automotoras de serviço regional para ali destinadas têm uma capacidade inferior à das UQE (Unidades Quádruplas Eléctricas) de dois pisos que dali foram retiradas para irem para Sintra.
A CP prevê que esta situação seja “temporária” e esteja resolvida em quatro semanas.
As origens das deficiências nas rodas das automotoras 2300 e 2400 é que constituem um mistério. Técnicos da CP não têm dúvidas que o problema está na infra-estrutura pois são visíveis em alguns pontos da linha de Sintra alguns troços com “desgates ondulatórios” nos carris (estes acusam pequenas ondas em vez de serem completamente lisos). Tal situação dever-se-á a uma deficiente manutenção da Refer, que a isso tem sido obrigada devido às políticas de contenção de custos.
A Refer rejeita culpas, até porque o simples facto de a linha de Sintra ser a que tem maior tráfego em toda a rede ferroviária nacional é motivo suficiente para nela haver cuidados dobrados na manutenção. De resto, é uma linha que foi modernizada há poucos anos, havendo até um troço (Monte Abraão – Cacém), cuja quadriplicação foi inaugurada há apenas um ano.
Nesta perspectiva, o problema dos rodados seria uma especificidade do material circulante (CP) e não da infra-estrutura (Refer).
O PÚBLICO apurou que foi criado um grupo de trabalho formado por técnicos das duas empresas com o objectivo de encontrar explicações para este fenómeno.

E ELE RIU, RIUUUUUU !


Luz Casal - Piensa En Mi

Sarah Mclachlan - In The Arms Of The Angel

CHICO BUARQUE - MINHA HISTÓRIA

Rui Tavares – Agora é ler o programa... Nas últimas eleições europeias, o BE convidou Rui Tavares para ser um dos seus deputados. Rui Tavares, na primeira oportunidade e com um pretexto que não me interessa “bulhufas”, roeu a corda ao BE e ficou-lhes com o lugar de deputado,

Rui Tavares – Agora é ler o programa...


Nas últimas eleições europeias, o BE convidou Rui Tavares para ser um dos seus deputados. Rui Tavares, na primeira oportunidade e com um pretexto que não me interessa “bulhufas”, roeu a corda ao BE e ficou-lhes com o lugar de deputado, indo acoitar-se para outras bandas, lá, noutra família política com assento parlamentar.
Nenhum partido no seu estado normal de juízo voltará a convidar Rui Tavares para o que quer que seja. Solução... fundar um partido seu!
Deve ser essa a razão da pressa de ter o novo partido “votável” a tempo das próximas eleições europeias. A única forma de ter uma chance de continuar naquele posto particularmente bem remunerado... e sem obrigações de devolução de parte do chorudo ordenado (como acontece – voluntariamente – com outros).
Quer criar uma "esquerda nova". Quer ficar “no meio da esquerda”... e quer, sobretudo – o que acho muito bem! –existir.
Parece que o nome que está em cima da mesa para baptizar o nascituro é... “LIVRE”. É um bonito nome... embora fique a pensar se não serão devidos direitos de autor ao poeta Carlos Oliveira! Adiante...
Agora (e já que anda tudo com a “ciguêra” do futebol)... basta ler o programa, para se saber se aquilo é “livre” directo, se é “livre” indirecto... se anseia chegar a ser “penalty”... ou se começa já em off-side”.

Bruce Springsteen - The River (Clarence Clemons RIP Live NYC) Legendado ...

Os pobres, os ricos e os fingidos Para um conhecido e devoto economista em Portugal há quatro classes sociais, os pobres, os fingidos, os ricos e os qualificados. Estes últimos não fazem parte da equação nacional, é uma alegria velos partir e resta ao devoto economista rezar uns terços no seu gabinete para lhes desejar sorte.

Os pobres, os ricos e os fingidos

Para um conhecido e devoto economista em Portugal há quatro classes sociais, os pobres, os fingidos, os ricos e os qualificados. Estes últimos não fazem parte da equação nacional, é uma alegria velos partir e resta ao devoto economista rezar uns terços no seu gabinete para lhes desejar sorte.
Os ricos são uma classe à parte, o caviar, os carros de luxo, as estadias em hotéis de 7 estrelas, as vivendas de luxo são capital e enquanto tal nem vale a pena questionar a possibilidade de lhes aumentar a carga fiscal. Quantos mais ricos houverem melhor, é bom que não fujam e quanto mais a distribuição de rendimentos for injusta melhor, mais ricos irão aparecer.
  
Não são os ricos nem os pobres que estão a mais no país, são os quadros qualificados e os reformados. Quanto aos primeiros o problema está resolvido, o país não precisa de gente inteligente e qualificada a protestar, estão partindo e quanto mais depressa se forem embora melhor. Os segundos é que são uma praga, gente riquíssima, que leva uma vida luxuosa e ainda têm o descaramento de andarem armados em pobres. Os pensionistas são os parasitas do sistema como não há forma de o país se livrar deles o melhor é reduzi-los à subsistência, são eles e os funcionários públicos, mas destes a boa alma não falou.
Depois temos os pobres, gente que nasceu para trabalhar, que aguenta o que for necessário, ai aguentam, aguentam, e que não há nada a fazer. É um erro tirar aos ricos para dar aos pobres, até porque não foi por acaso que Deus inventou a pobreza, foi para que os pobres fossem o símbolo da virtude e até os marxistas-leninistas concordaram com este princípio e escolheram-nos para líderes do proletariado.
Aumentar o salário mínimo é uma aberração até porque se os pobres ganharem mais o resultado é ficarem mais pobres. O economistas só se esqueceu de que se os pobres ficam ainda mais pobres é porque os seus amigos ricos ficam ainda mais ricos.

É isto que andam a ensinar na Universidade Católica?

jumento.blogspot.pt

Nem que seja a tiro Foi há pouco, há poucos dias, a caminho da Bica, numa vadiagem, pois num vadio ando transformado, talvez irremediavelmente, que dei com este par de portas, gémeas na origem, bem diferentes no momento em que capturei as fotos. Salvo erro, em frente da Escola David Mourão-Ferreira, na Rua das Chagas.


Nem que seja a tiro












Foi há pouco, há poucos dias, a caminho da Bica, numa vadiagem, pois num vadio ando transformado, talvez irremediavelmente, que dei com este par de portas, gémeas na origem, bem diferentes no momento em que capturei as fotos. Salvo erro, em frente da Escola David Mourão-Ferreira, na Rua das Chagas.

E tudo vem a propósito: uma escola, as chagas, as chagas consequência desta política canalha que nos rouba a esperança.
Porque isto me fez matutar no seguinte: as portas, na origem, seriam iguais mas, sei lá por que razões, hoje são bem diferentes: uma bem tratada mas com sinal a prevenir que ali não se brinca, outra com ares de maus tratos e acorrentada.
Ora isto ilustra, pode ilustrar, o futuro das políticas que vão contra a coesão social, coesão só possível por uma escola que, mais que a liberdade de escolha, garanta a igualdade de acesso ao ensino, a par de um SNS para todos, independentemente da sua condição e uma Segurança Social que para todos consagre condições dignas, ainda que não necessariamente iguais.
Mas estas não são preocupações da canalha que nos governa. Por isso, amanhã, poderemos ter uns protegidos por uma porta em que basta um sinal a garantir os privilégios de uns quantos, enquanto a maioria ficará trancada atrás de uma porta acorrentada, para evitar incómodos aos primeiros.
Até quando? Até que a raiva exploda e a justiça se faça. Nem que seja a tiro.

azereiro.blogspot.pt