AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


domingo, 10 de novembro de 2013

INCLUI VÍDEO DA CHEGADA DO TUFÃO - TUFÃO PODE TER CAUSADO MAIS DE 10.000 VÍTIMAS NAS FILIPINAS - VEJA AQUI FOTOGALERIA DA CATÁSTROFE
























VÍDEO DA CHEGADA O TUFÃO, AS PRIMEIRAS IMAGENS


 Sempre em busca de grandes eventos naturais, um grupo de caçadores de tempestades conseguiu registrar a chegada de um dos maiores tufões do mundo, o Haiyan, que atingiu as Filipinas na sexta-feira deixando um rastro de destruição. Mark Thomas, Josh Morgerman e James Reynolds estavam no que foi considerado o marco zero da tragédia, a cidade de Tacloban, na ilha de Leyte.




























  http://oglobo.globo.co


A DOR E O MEDO QUE ELES TÊM ! REAÇAS, TRAIDORES E OUTROS QUE TAIS REAGEM AO CENTENÁRIO DE ÁLVARO CUNHAL - Crise traz cunhalismo de volta PCP regressa às origens e recentra discurso na defesa do patriotismo A crise e a troika trouxeram de volta ao PCP o reforço do discurso do patriotismo, num regresso às origens e ao "cunhalismo". Uma orientação que coincide com o centenário de Álvaro Cunhal, que hoje se comemora.

Crise traz cunhalismo de volta

PCP regressa às origens e recentra discurso na defesa do patriotismo

A crise e a troika trouxeram de volta ao PCP o reforço do discurso do patriotismo, num regresso às origens e ao "cunhalismo". Uma orientação que coincide com o centenário de Álvaro Cunhal, que hoje se comemora.
 

Crise traz cunhalismo de volta
Álvaro Cunhal
 
Historiadores e antigos dirigentes ouvidos pelo JN convergem na ideia de que a situação de dependência em que se encontra o país é o terreno fértil para que a atual direção do PCP aproveite o centenário do líder histórico para "voltar às origens" e consolidar a identidade partidária.
É nesse contexto que o discurso político comunista se recentrou na defesa do patriotismo, ilustrada no slogan "Por uma política patriótica e de Esquerda".
O historiador José Neves, antigo militante do PCP, sublinha que foi com essa linha de identidade nacional que "Cunhal garantiu a resistência do partido à queda da União Soviética e é com a mesma orientação que Jerónimo tenta polarizar à Esquerda, num quadro de intervenção externa no país".
Se é verdade que "o patriotismo teve sempre uma presença no partido com e sem Cunhal", como lembra Octávio Teixeira, antigo líder parlamentar no consulado de Carlos Carvalhas, a conjuntura era outra. É que "não era preciso cerrar fileiras contra a agressão externa".
Também Carlos Brito, o histórico dirigente que se afastou do partido em 2002, considera que esta aproximação pública ao "cunhalismo" por parte da direção de Jerónimo é circunstancial. Brito não subscreve a tese de que há um regresso ao legado ideológico de Cunhal. Pelo contrário, lamenta que "não se retire o melhor do pensamento" do líder histórico, o que "reflete um vazio ideológico". E acusa os dirigentes de usarem "de forma incompleta e fora do contexto" alguns pensamentos de Cunhal. Ou seja, "num culto da personalidade usado para capitalizar o descontentamento nacional pela crise e a ingerência da troika".
Na mesma linha de pensamento, o historiador João Madeira, que já militou no PCP, duvida que a aproximação a Cunhal seja ideológica. "É instrumental, numa tentativa de consolidação da identidade partidária para polarizar o descontentamento em relação à crise".
A ideia de que há culto da personalidade na comemoração do centenário de Cunhal é rejeitada por Manuel Loff, historiador próximo do PCP, que, assume, no entanto, existir "estratégia e empenho particular na gestão da comemoração" como forma de "reforçar a identidade do partido".

www.jn.pt