AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Lio Bolin o homem invisível" - ELE ESCOLHE UM CENÁRIO DE FUNDO, UMA PRATELEIRA DE SUPER MERCADO, UMA MÁQUINA, UM MONUMENTO E DEPOIS PINTA-SE E ENQUADRA-SE NOS OBJECTOS E NAS PAISAGENS QUASE TORNANDO-SE INVISÍEL - VEJA AQUI O TRABALHO DESTE ARTISTA







veja os vídeos

mais imagens










texto importante Um Dó Li Tá Perguntam-me muitas vezes por que motivo nunca falo do governo nestas crónicas e a pergunta surpreende-me sempre. Qual governo? É que não existe governo nenhum. Existe um bando de meninos, a quem os pais vestiram casaco como para um baptizado ou um casamento. Claro que as crianças lhes acrescentaram um pin na lapela, porque é giro

texto importante


Um Dó Li Tá
Perguntam-me muitas vezes por que motivo nunca falo do governo nestas crónicas e a pergunta surpreende-me sempre. Qual governo? É que não existe governo nenhum. Existe um bando de meninos, a quem os pais vestiram casaco como para um baptizado ou um casamento. Claro que as crianças lhes acrescentaram um pin na lapela, porque é giro
- Eh pá embora usar um pin?
que representa a bandeira nacional como podia representar o Rato Mickey
- Embora pôr o Rato Mickey?
mas um deles lembrou-se do Senhor Scolari que convenceu os portugueses a encherem tudo de bandeiras, sugeriu
- Mete-se antes a bandeira como o Obama
e, por estarem a brincar às pessoas crescidas e as play-stations virem da América, resolveram-se pela bandeirinha e aí andam, todos contentes, que engraçado, a mandarem na gente
- Agora mandamos em vocês durante quatro anos, está bem?
depois de prometerem que, no fim dos quatro anos, comem a sopa toda e estudam um bocadinho em lugar de verem os Simpsons. No meio dos meninos há um tio idoso, manifestamente diminuído, que as famílias dos meninos pediram que levassem com eles, a fim de não passar o tempo a maçar as pessoas nos bancos, de modo que o tio idoso, também de pin
- Ponha que é curtido, tio
para ali anda a fazer patetices e a dizer asneiras acerca de Angola, que os meninos acham divertidas e os adultos, os tontos, idiotas. Que mal faz? Isto é tudo a fazer de conta.
Esta criançada é curiosa. Ensinaram-me que as pessoas não devem ser criticadas pelos nomes ou pelo aspecto físico mas os meninos exageram, e eu não sei se os nomes que usam são verdadeiros: existe um Aguiar Branco e um Poiares Maduro. Porque não juntar-lhes um Colares Tinto ou um Mateus Rosé? É que tenho a impressão de estar num jogo de índios e menos vinho não lhes fazia mal. No lugar deles arranjava outros pseudónimos: Touro Sentado, Nuvem Vermelha, Cavalo Louco. Também é giro, também é americano, pá, e, sinceramente, tanto álcool no jardim escola preocupa-me. A ASAE devia andar de olho na venda de espirituosas a menores. Outra coisa que me preocupa é a ignorância da língua portuguesa nos colégios. Desconhecem o significado de palavras como irrevogável. Irrevogável até compreendo, uma coisa torcida, e a gente conhece o amor dos pequerruchos pelos termos difíceis, coitadinhos, não têm culpa, mas quando, na Assembleia, um deles declarou
- Não pretendo esconder nem ocultar
apesar da palermice me enternecer alarmou-me um nadita, mau grado compreender que o termo sinónimo seja complicado para alminhas tão tenras. Espíritos tortuosos ou manifestamente mal formados insinuam, por pura maldade, que os garotos mentem muito, o que é injusto e cruel. Eles, por inevitável ingenuidade, não mentem nem faltam às promessas que fazem: temos de levar em conta a idade e o facto da estrutura mental não estar ainda formada, e entender que mudar constantemente de discurso, desdizer-se, aldrabar, não possui, na infância, um significado grave. A irrealidade faz parte dos cérebros em evolução e, com o tempo, hão-de tornar-se pessoas responsáveis: não podemos exigir-lhes que o sejam já, é necessário ser tolerante com os pequerruchos, afagá-los, perdoar-lhes. Merecem carinho, não crítica, uma festa na cabecinha do garoto que faz de primeiro-ministro, outra na menina que eles escolheram para as Finanças e por aí fora. Não é com dureza desnecessária e espírito exageradamente rígido que os educamos. No fundo limitam-se a obedecer a uns senhores estrangeiros, no fundo, tão amorosos, que mal fazem eles para além de empobrecerem a gente, tirarem-nos o emprego, estrangularem-nos, desrespeitarem-nos, trazerem-nos fominha, destruírem-nos? São miúdos queridos, cheios de boa vontade, qual o motivo de os não deixarmos estragar tudo à martelada? Somos demasiado severos com a infância, enervam-nos os impetuosos que correm no meio das mesas dos restaurantes, aos gritos, achamos que incomodam os clientes, a nossa impaciência é deslocada. Por trás deles há pessoas crescidas a orientarem-nos, a quem tentam agradar como podem à custa daqueles que não podem. Os portugueses, e é com mágoa que escrevo isto, têm sido injustos com a infância. Deixem-nos estragar, deixem-nos multiplicar argoladas, deixem-nos não falar verdade: faz parte da aprendizagem das mulheres e homens de amanhã. Sigam o exemplo do Senhor Presidente da República que paternalmente os protege, não do senhor Ex-Presidente da República, Mário Soares, que de forma tão violenta os ataca e, se vos sobrar algum dinheiro, carreguem-lhes os telemóveis para eles falarem uns com os outros acerca da melhor forma de nos deixarem de tanga. Qual o problema se há tanto sol neste País, mesmo que não esteja lá muito certo de o não haverem oferecido aos alemães? E, de pin no casaco que nos fanaram, isto é, de pin cravado na pele
(ao princípio dói um bocadinho, a seguir passa)
encorajemos estes minúsculos heróis com um beijinho, cheio de ternura, nas testazitas inocentes


António Lobo Antunes (em Visão de 31 de Outubro de 2013)
cris-sheandbobbymcgee.blogspot.pt

Municípios Câmaras mais 'troikistas' que a própria troika As Câmaras Municipais, conta hoje o Jornal de Negócios citando dados fornecidos pelo Governo, foram além da meta definida pela troika (4%) para o corte no pessoal, tendo reduzido o número de trabalhadores em 10,76%. A contribuir para este fenómeno esteve também a quebra de receitas e a devolução de pessoal não docente das escolas.

Municípios 

Câmaras mais 'troikistas' que a própria troika
As Câmaras Municipais, conta hoje o Jornal de Negócios citando dados fornecidos pelo Governo, foram além da meta definida pela troika (4%) para o corte no pessoal, tendo reduzido o número de trabalhadores em 10,76%. A contribuir para este fenómeno esteve também a quebra de receitas e a devolução de pessoal não docente das escolas.
ECONOMIA
Câmaras mais 'troikistas' que a própria troika
DR
Dados do Governo disponibilizados ao Jornal de Negócios mostram que as Câmaras Municipais foram mais ‘troikistas’ que a própria troika, tendo desde o final de 2010 reduzido o número de funcionários em 14.596, o equivalente a 10,76%.

“Esta redução [de pessoal] reflecte [também] um esforço de adaptação a uma realidade orçamental nova, com cortes orçamentais anuais”, destaca o vice-presidente da Associação Nacional de Municípios (ANMP), Rui Solheiro, na prática verificada desde 2011 na não renovação de contratos a termo e na devolução de pessoal não docente das escolas.
Esta percentagem está, porém, bastante acima da definida pela troika (4%) e estimada para o conjunto de 2012 e 2013, refere o Jornal de Negócios. Assim sendo, no final do terceiro semestre de ano, as autarquias tinham 121.001 funcionários, fase aos 135.597 registados no final de 2010.

Em declarações ao Jornal de Negócios, o secretário de Estado da Administração Local, António Leitão Amaro, reconhece que “a esmagadora maioria dos autarcas está a fazer um esforço de ajustamento”, considerando que apesar dessa “resposta às obrigações internacionais”, “os serviços prestados” não estão a sofrer “uma diminuição”.
No entanto, há 29 autarquias que estão a contrariar esta tendência, tendo desde 2010 aumentado o pessoal, com particular o município madeirense de Porto Santo à cabeça com um aumento de 38,9% no número de funcionários. O autarca Filipe Menezes de Oliveira esclarece que este facto se prende com “a internalização de pessoas de duas empresas municipais que foram extintas”.

SIMPLESMENTE ESPECTACULAR ! Park Seung-mo e suas incríveis esculturas de arame Compartilho com vocês esta lista de imagens publicadas pelo en.rocketnews24, cujo realismo dessas obras feitas de arame é impressionante! Segue adaptação: "Arte com arame não tem nada de novo, em qualquer feira de artesanato local, se pode encontrar um pequeno sapo ou uma avestruz cheia de charme folclórico. Mas vocês nunca viram nada parecido com o que escultor coreano Park Seung-mo consegue produzir com finas tiras de metal.

Park Seung-mo e suas incríveis esculturas de arame



Compartilho com vocês esta lista de imagens publicadas pelo en.rocketnews24, cujo realismo dessas obras feitas de arame é impressionante! 

Segue adaptação:

"Arte com arame não tem nada de novo, em qualquer feira de artesanato local, se pode encontrar um pequeno sapo ou uma avestruz cheia de charme folclórico. Mas vocês nunca viram nada parecido com o que escultor coreano Park Seung-mo consegue produzir com finas tiras de metal.

violino (2005)

Dizer que ele leva a arte a outro nível é um eufemismo. Seus retratos e estátuas elaboradas em 3-D, são impressionantes em seus detalhes e incompreensíveis ao se pensar em quanto tempo e esforço foi preciso para fazê-las.

piano (2004)

As obras de Park Seung-mo são divididas em três áreas.

Na sua série Object, Park cria objetos inanimados de arame. Uma variedade de instrumentos musicais, formas abstratas, e interpretações de esculturas antigas, são cuidadosamente organizados por incontáveis ​​metros de fios de alumínio e bronze.

vênus (2003)

Bangasayusang (2006)

avião (2005)

fornalha de vento (2005)

Human, como o nome sugere, são figuras do sexo masculino e feminino, criadas parecendo às vezes como se o fio de alumínio fosse continuamente enrolado ao redor de um corpo.

Nas primeiras obras, os contrastes entre a suavidade do corpo humano e a natureza suave e caótica dos cabelos eram incrivelmente intrincados.

1986 (2005)

YU Hyeon JEONG (2009)

Yoo Hyeon Jeong (2011)

Kim Seong su (2010)

Kim Yoo Jung (2008)

Park Soo Young (2008)

ego (2003)

Algumas de suas obras mais tarde foram ainda mais elaboradas, imitando a textura fluindo do pano para as figuras. É tudo tão realista que causa a preocupação de que haja alguém de verdade dentro das obras de arame.

Yves Saint Laurent (?)

Han Hye Yeon (2011)

Kim Tae Yeon (2010)

SON MYUNG HEE (2010)

Por último, mas provavelmente as mais impressionantes, são as imagens da série Maya. Ele projeta uma imagem em chapas de malha de arame criando as formas. No entanto, isso é feito em várias chapas que são em seguida sobrepostas umas sobre as outros para obter um efeito holográfico em 3D e sombreamento foto-realístico na peça. Esta lista de imagens, provavelmente, nem sequer faça jus ao que essas obras realmente são, ao serem vistas na vida real.

MAYA MONALIZA (2013)

MAYA390 (2011)

MAYA434 (2012)

MAYA1037 (2011)

MAYA879 (2012)

MAYA 7616 (2012)

MAYA7657 (2012)

MAYA9782 (2013)

E a melhor maneira de terminar esta lista, é com um auto-retrato do gênio, Park Seung-mo.

Park Seung-mo (2011)

Esta é apenas uma pequena amostra da coleção de Park, em todas as três categorias. Vocês podem ver mais em seu website, ou melhor ainda, se vocês tiverem a sorte de estarem perto de uma de suas exposições (também listadas em seu site), vocês pode vê-las com seus próprios olhos."

Um vídeo que mostra o trabalho em MAYA1037


Show né cupinchas? Riso 

For
http://www.rusmea.com/2013/10/alan-wolfson-esculturas-urbanas-em.html













www.rusmea.com

EM DEFESA DE MARGARIDA REBELO PINTO - Margarida sente-se triste, profundamente triste enquanto cidadã Portuguesa que mora perto da Assembleia da República com as manifestações que se têm feito. Tem razão, tem toda a razão, é do piorio querer-se sair à rua para… sei lá rica, para beber um café por exemplo, perdão um chá (algo que ela não teve ter bebido em pequena) e ter de se levar com a gentinha toda na rua, ainda por cima fazerem barulho. “Có’rror”

Em defesa de Margarida Rebelo Pinto!

margarida rebelo pintoMargarida Rebelo Pinto tem sido alvo dos mais variados ataques nas redes sociais motivados pelas declarações que prestou no programa Bom Dia Portugal da RTP 1. É de todo injusto atacar-se da forma como se tem atacado quem tem toda a razão no que diz.
Analisemos o que foi dito por Margarida Rebelo Pinto e vejamos como ela está absolutamente certa na linha de raciocínio que segue, partindo do benévolo principio que tem uma linha e do milagroso principio de que terá raciocínio. Margarida sente-se triste, profundamente triste enquanto cidadã Portuguesa que mora perto da Assembleia da República com as manifestações que se têm feito. Tem razão, tem toda a razão, é do piorio querer-se sair à rua para… sei lá rica, para beber um café por exemplo, perdão um chá (algo que ela não teve ter bebido em pequena) e ter de se levar com a gentinha toda na rua, ainda por cima fazerem barulho. “Có’rror”. Além disso demonstram falta de civismo, não têm respeito nenhum, a rica que gosta de se levantar tarde tem de acordar a ouvir o povinho a berrar de tal forma que, ainda por cima, interrompem e perturbam aqueles que agora governam o País. Neste último argumento Margarida enganou-se, é que os que actualmente governam o País têm escritório na Av. da República, nem a plenos pulmões os berros do Povo em São Bento lá chegam. Perdoe-se este lapso de Margarida, coitada, não é obrigada a saber tudo.
Depois do erro anterior, teve um lapso de inteligência e reconheceu que não chegámos aqui por acaso. Muito bem Margarida, muito bem mesmo, não foi por caso não senhora, foi mesmo por incompetência, gestão danosa, compadrio, corrupção e outras sacanices que ela não referiu, nem tal se esperava, uma senhora é uma senhora e não deve dizer certas coisas. Ela até sabe que antes deste governo houve outro, aliás outros. Uau!!! Obrigado Margarida e eu que pensava que esta treta tinha andado em auto-gestão, antes tivesse andado.
Margarida Rebelo Pinto acha que os Portugueses têm falta de inteligência, portanto, dito de outra forma, são estúpidos que nem uma porta. Mais uma vez tem toda a razão no que diz, aliás, sendo ela Portuguesa é ela própria um magnífico exemplo desse défice de inteligência. Mas a derradeira prova de que os Portugueses são estúpidos verifica-se sem margem para qualquer tipo de dúvida com o simples facto de lhe comprarem aqueles amontoados de páginas a que ela chama livros. Causa-lhe repulsa a ela e a mim também que alguém que foi desmascarada em 2005 por João Pedro George no livro «Couves & Alforrecas – Os Segredos da Escrita de Margarida Rebelo Pinto» em que explicou por A mais B que a literatura de cordel não passava de um auto-plágio tenha o despudor de aparecer de forma descarada a insultar os Portugueses. Repulsa-me  que alguém intelectualmente desonesto tenha sequer a leviandade de abrir a boca para falar mal dos Portugueses e ainda por cima que o faça no canal público de televisão.
Diz mais Margarida, diz ela que como todos os cidadãos também teve cortes. É bonito e simpático ela confessar que teve cortes, mas perfeitamente desnecessário, já tínhamos dado conta que a lobotomia pré-frontal que lhe fizeram não tinha dado grande resultado. Portugal nunca teve grandes recursos explica Margarida esforçando-se por dar um ar de entendida. Se estava a referir-se aos seus próprios recursos enquanto pseudo escritora, tem razão, nunca teve e dificilmente virá a ter. Agora se estava a referir-se ao País, está de todo enganada. Portugal teve muitos recursos que foram criminosamente destruídos por ordem da Europa tendo sido o actual aposentado de Belém o carrasco ao serviço dos interesses que comandam a Europa.
Tenho de reconhecer que Margarida tem visão, diz ela que ficaremos muito bem se nos virarmos para as energias do Mar. Yeeessss é isso mesmo Margarida, dá-lhe forte, vai até ao Cabo da Roca olha para o Mar, para a sua energia e dá um passo em frente. Portugal e os estúpidos dos Portugueses agradecem. Eu, ao contrário do que Margarida Rebelo Pinto afirma até abro uma excepção, deixarei por momentos de ser treinador de bancada e vou com ela para a ajudar a definir a estratégia de tão magnifico passo em frente.
A terminar ainda sobrou fôlego para Margarida defender as taxas moderadoras dos hospitais, acha ela muito bem que se pague taxas, coisa estranha essa de se querer usar as coisas sem pagar. Alguém explique por favor à Dondoca, eu já não tenho pachorra, que pagamos e pagamos bem. Expliquem-lhe também que um reformado que recorre a uma urgência hospitalar ter de pagar vinte e tal euros, fora os eventuais exames, é um crime, é desumano.
Portugal é realmente um País estranho, tem a estranha capacidade de criar todo o tipo de anormais e além de os criar tem o mau hábito de os manter.
(Este texto é publicado na rubrica de cultura porque, por lapso, este site não tem nenhuma rubrica para a “falta de cultura”)


noticiasonline89.wordpress.com

A CIA PARA PARA FAZER ESPIONAGEM - A CIA está a pagar à AT&T mais de 10 milhões de dólares por ano para ter acesso às bases de dados de chamadas telefónicas internacionais, revela o jornal The New York Times desta quinta-feira.



CIA paga a AT&T para ter acesso a registos de chamadas internacionais


CIA paga a AT&T para ter acesso a registos de chamadas internacionais
Larry Downing / Reuters

A CIA está a pagar à AT&T mais de 10 milhões de dólares por ano para ter acesso às bases de dados de chamadas telefónicas internacionais, revela o jornal The New York Times desta quinta-feira.

A cooperação entre os serviços secretos norte-americanos e uma das principais empresas de telecomunicações do país acontece por causa de um contrato voluntário, escreve o jornal, e não é conseguida através de mandados judiciais ou outros mecanismos legais. No âmbito deste contrato, a CIA fornece os números de telefone de suspeitos de terrorismo elo mundo inteiro e a AT&T rastreia as suas bases de dados à procura de informações que possam ser úteis aos serviços secretos.

Esta revelação acrescenta uma nova dimensão ao debate sobre a privacidade das comunicações e sobre as actividades de espionagem que, até agora, tem estado focado no papel da National Security Agency (NSA), escreve The New York Times, e traz alguma luz às ligações entre os serviços secretos e as empresas de telecomunicações.

Devido ao facto de a CIA estar proibida de espiar atividades domésticas de cidadãos americanos, a agência tem especiais cuidados nesta colaboração com a AT&T, explicam as fontes anónimas do The New York Times. Muitas das chamadas rastreadas pela AT&T são do estrangeiro para o estrangeiro, mas quando existem ligações de ou para os Estados Unidos a empresa mascara diversos dígitos, de forma a impossibilitar a sua identificação.

Quendo entender que essa informação pode ser relevante, a CIA pode enviar esses números mascarados para o FBI, de forma a que esta agência consiga os necessários mandados judiciais para obrigar a AT&T a revelar os números de telefone completos. Dean Boyd, porta-voz da CIA, recusou-se a confirmar a existência do contrato com a AT&T, mas disse que todas ac actividades da agência são legais e estão "sujeitas a extenso escrutínio".

Mark Siegel, porta-voz da AT&T, disse: "Valorizamos a privacidade dos nossos clientes e trabalhamos para a proteger, garantindo que respeitamos a lei em todos os aspetos. Não fazemos comentários sobre questões de segurança nacional".