AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 23 de julho de 2013

A SAÚDE E A FALTA DELA DÃO MUITO DINHEIRO AOS CORRUPTOS - JÁ HA DETIDOS MAS OS TUBARÕES NADAM BEM FUNDO-Balanço Fraudes no SNS originaram 250 arguidos em dois anos

Balanço 
Fraudes no SNS originaram 250 arguidos em dois anos
Em dois anos de investigações, as fraudes no Serviço Nacional de Saúde (SNS) trouxeram à Justiça 35 detidos e 250 arguidos. As denúncias partiram da Inspecção Geral das Actividades em Saúde (IGAS) e do Infarmed, assim como da Inspecção Geral de Finanças (IGF), de farmácias e de fontes anónimas, explica o jornal i desta terça-feira.
Fraudes no SNS originaram 250 arguidos em dois anos
DR
PAÍS
Os dois anos de combate à fraude no SNS deram origem a 35 pessoas detidas, 250 arguidos, mais de 200 buscas, 59 inquéritos pendentes, seis acusações, um pedido de indemnização, superior a 4 milhões de euros, e suspeitas de fraudes de mais de 135 milhões de euros.
 As denúncias tiveram várias origens. A maioria partiu da Inspecção Geral das Actividades em Saúde (IGAS) e do Infarmed. Contudo, tiveram igual importância as partipações realizadas pela Inspecção Geral de Finanças (IGF) e por farmácias, que desconfiaram de tantas receitas do mesmo medicamento passadas pelo mesmo médico ou de quem ia constantemente aviar as receitas.
Fonte da Polícia Judiciária (PJ) contou ao jornal i que as denúncias anónimas também têm vindo a multiplicar-se, motivadas pelas notícias de investigações com nomes apelativos como ‘Remédio Santo’ ou ‘Esquizopharma’, o que tem ajudado a desmantelar esquemas idênticos.
Nos últimos três meses, e segundo o balanço feito pelo Ministério da Justiça, registaram-se 50 novos casos e uma subida de quase 40% nos valores sob suspeita de fraude.
As operações de desmantelamento de fraudes ligadas às farmácias e às burlas do SNS ficaram mais ágeis desde o início do acordo de cooperação entre os ministérios da Saúde e da Justiça, assinado em Janeiro de 2012, o que é justificado por mais “diálogo” e melhores “mecanismos internos de despiste”.

HISTÓRIA - BRUXAS NA NOITE * Entre as múltiplas faces do heroísmo manifestado pelo Exército Vermelho no decurso da 2ª Guerra Mundial – a Grande Guerra Pátria – existem muitos rostos de mulher, nomeadamente das mulheres piloto da aviação soviética. Devem ser recordadas não apenas como heroínas, mas também como exemplos de conquista da igualdade, que apenas a sociedade socialista poderá efectivamente concretizar.

BRUXAS NA NOITE *


Entre as múltiplas faces do heroísmo manifestado pelo Exército Vermelho no decurso da 2ª Guerra Mundial – a Grande Guerra Pátria – existem muitos rostos de mulher, nomeadamente das mulheres piloto da aviação soviética. Devem ser recordadas não apenas como heroínas, mas também como exemplos de conquista da igualdade, que apenas a sociedade socialista poderá efectivamente concretizar.
“Para nós era simplesmente incompreensível que os pilotos soviéticos que nos criavam tantos problemas fossem … mulheres. Estas mulheres não temiam nada: vinham, noite após noite, nos seus desajeitados aviões e não nos deixavam dormir”.(Hauptmann Johannes Steihoff, piloto de guerra nazi)
A Alemanha invade a União Soviética a 22 de Junho de 1941, e boa parte da aviação soviética foi destruída nos primeiros momentos. Enquanto os aviões nazis continuam a dominar os céus, milhares de jovens, muitos membros dos clubes civis de aviação, acorrem a alistar-se para lutar contra os ataques fascistas.
Muitas eram mulheres e depararam-se com uma rejeição inicial, mas em Outubro de 1941 já estavam, como recrutas, a treinar na base aérea do povo de Engels, a norte de Stalingrado. Sob as ordens da sua instrutora, a Major das Forças Aéreas Soviéticas Marina Raskova, as futuras aviadoras começaram a treinar.
Enfrentaram muitas dificuldades, a primeira das quais foi a desconfiança e desdém de alguns dos seus companheiros, que consideravam que eram de fiar e que, inclusivamente, recusavam voar juntamente com elas. Além disso, os uniformes estavam feitos para homens, e houve que fazê-los de novo para que elas os pudessem vestir; o mesmo aconteceu com as botas, que tiveram que ser cheias com papel de jornal para que se adaptassem ao pé, normalmente mais pequeno, das combatentes. Em muitos casos também os aviões tiveram de ser modificados pois as novas recrutas não chegavam aos pedais. E ainda tiveram que cortar o cabelo até um máximo «de duas polegadas», quando em muitas regiões da URSS era tradição deixá-lo crescer até à cintura. Embora nos nossos dias possa parecer trivial uma mulher cortar o cabelo muito curto, em 1941 isso revelava um compromisso total.
Treinavam mais de dez horas por dia, pois com as tropas alemãs a avançar na Frente Oriental, tinham que aprender em dias o que outros se podiam dar ao luxo de aprender em meses ou anos.
Depois de seis meses de duríssimos treinos, Marina Raskova enviou as jovens recrutas para a linha da frente em três regimentos: o 586º de Caças, o 587º de Bombardeamento e o 588º de Bombardeamento Nocturno.
As mulheres do 588º pilotavam aviões Polikarpov U-2, biplanos desenhados originalmente para treino e fumigação, que só tinham capacidade para duas bombas (pelo que tinham de fazer várias viagens) e não podiam comparar-se nem em velocidade nem em potência de fogo com os aviões alemães.
No entanto, rapidamente se tornaram num pesadelo para os aviadores nazis.
As combatentes do 588º mostravam grande capacidade de manobra dos U-2 e combinavam-na com tácticas extremamente arriscadas. Apareciam de noite, com o motor desligado para não serem detectadas pelo som, e faziam bombardeamentos de precisão e de fustigamento contra o exército alemão. Em combate contra os aviões nazis, estas aviadoras costumavam pôr-se no campo de tiro dos alemães enquanto as suas companheiras aproveitavam a distracção para apontar aos alvos.
Devido à sua habilidade e astúcia, e à ferocidade dos ataques, os soldados nazis começaram a chamá-las Nachthexen: as «Bruxas na Noite».
Em Fevereiro de 1943, o 588º Regimento reorganizou-se dentro do 46º Regimento de Aviação de Bombardeamento Nocturno, que em Outubro de 1943 era conhecido como a «Guarda de Taman», pelas vitórias conquistadas pelo Exército Vermelho na península de Taman.
Foi o regimento de mulheres com mais condecorações, e no seu apogeu chegou a ter quarenta tripulações duplas. No final da Guerra as Bruxas tinham feito cerca de 23.000 saídas e despejado aproximadamente três mil toneladas de bombas. Calcula-se que cada aviadora tenha feito mais mil missões de combate, e 23 delas foram condecoradas com o título de heroínas da União Soviética, a mais alta distinção da URSS.
Trinta das «Bruxas da Noite» morreram em combate; muitas delas eram muito novas, algumas eram mesmo adolescentes.

Marina Raskova

Nasceu numa família da classe média em 1913, filha de uma professora e de um professor de música. Apesar da intenção da família ser que fosse cantora lírica, ela começou a estudar química, e depois de se licenciar começou a trabalhar numa fábrica de tintas.
Um ano depois casou com o seu companheiro, Sergei, e tiveram uma filha chamada Tânia. Em 1931 começou a trabalhar como desenhadora no Laboratório de Aeronavegação da Academia da Força Aérea. Em 1933 tornou-se a primeira aviadora soviética com o título oficial, e um ano depois era instrutora da Academia Aérea Zhukovsky. Em 1935 divorciou-se do seu marido, e em 37, juntamente com Valentina Grizodubova, bateu o recorde feminino de voo sem escalas.
Em 1938, juntamente com outras aviadoras (Grizodubova e P. Osipenko), estabeleceu um novo recorde. Voaram desde Moscovo até Komsomolsk-no-Amur num voo de mais de 26 horas sem escalas, a bordo do Rodina («Pátria»). Marina não teve dúvidas em saltar do avião com pára-quedas, quando a visibilidade impedia a aterragem, tendo sido encontrada por um caçador em plena estepe. Nesse mesmo ano foram condecoradas com o título de Heroínas da União Soviética, sendo as primeiras mulheres a conquistar tal distinção.
Quando rebentou a Segunda Guerra Mundial na Frente Oriental, muitas mulheres com experiência civil de voo acorreram a alistar-se. No Exército Vermelho não havia nenhuma norma que impedisse as mulheres de combater na primeira linha mas, na prática deparavam-se com inúmeros obstáculos, sendo relegados para ocupações de tipo auxiliar.
Marina Raskova recorreu à sua autoridade como aviadora de fama mundial para mudar a situação, e com a aprovação directa de Stalin pôde convencer as autoridades militares a organizar e treinar três regimentos de aviação onde as mulheres seriam aviadoras, engenheiras e pessoal de apoio.
Raskova comandou pessoalmente o Regimento 587º de Bombardeiros, que em 1943 foi reorganizado como o 125º Regimento. Estas aviadoras, que combateram em Stalinegrado, voavam em modernos Petlyakov Pe-2, enquanto as outras unidades compostas por homens utilizavam aviões mais velhos.
Marina Raskova morreu a 4 de Janeiro de 1943, quando o seu avião se estatelou no chão devido a uma tempestade. Como estava numa missão militar foi considerada morte em combate e teve um funeral de Estado. As suas cinzas foram colocadas no Muro do Kremlin, e foi condecorada a título póstumo com a Ordem da Guerra Patriótica de Primeira Classe.

A Rosa Branca de Stalinegrado

«Era uma pessoa muito agressiva… Nascida para o combate»,
(Boris Eremin, Oficial da Força Aérea Soviética).

Lydia Litvak (1921-1943), de origem moscovita, entrou para um clube de aviação popular com catorze anos, e aos quinze fez o seu primeiro voo sozinha.
Um ano depois já tinha licença de instrutora de voo.
Quando começou a invasão da URSS pelos nazis, alistou-se numa unidade de aviação militar mas foi rejeitada. Alterou o seu historial de voo, acrescentou-lhe mais de cem horas de voo do que realmente tinha feito, e foi admitida na base aérea de Engels, próximo de Stalinegrado.
Ali foi treinada por Marina Raskova e, seis meses depois já combatia no 587º Regimento de Caças, uma unidade exclusivamente composta por mulheres.
Fez os seus primeiros voos de combate no Verão de 1942, sobre Saratov. Em Setembro foi transferida, juntamente com outras seis aviadoras do 587º e algum pessoal civil para o 437º Regimento. Esta unidade, que até à sua chegada era exclusivamente composta por homens, combatia nos céus de Stalingrado. Três dias depois da sua chegada fez o seu primeiro derrube, tornando-se provavelmente na primeira mulher na História a derrotar um avião inimigo em combate. Poucos minutos depois derrubou um segundo caça que perseguia a comandante do seu esquadrão. O piloto nazi pôde saltar a tempo do avião e foi capturado pelas tropas soviéticas. Era Erwin Maier, um Ás alemão com onze vitórias, três vezes condecorado com a Cruz de Ferro. Maier pediu para conhecer ao piloto russo que o tinha superado e, quando o apresentaram a Lydia Litvak indignou-se, pensando que os oficiais soviéticos o estavam a vexar. Até ela descrever todos os pormenores do combate, o piloto nazi não aceitou que tinha sido derrubado por uma mulher.
Em finais de Setembro, à medida que iam conseguindo mais vitórias, Lydia e outras camaradas foram transferidas para o 9º Regimento de caças da Guarda, também em Stalingrado. Diz-se que, então, já estava pintado na fuselagem do seu caça uma flor branca, pelo que começou a ganhar o nome de Flor Branca de Stalingrado.
Pouco depois, Lydia e a sua companheira Katia Budanova foram novamente transferidas, desta vez para o 296º Regimento de Caças da Guarda (renomeado depois de 73º Regimento de Caças da Guarda). Aí, Lydia conseguiu o seu quinto derrube, tornando-se na primeira das duas únicas mulheres Ases na história da aviação militar (a outra foi a sua camarada de armas Budanova).
Poucos dias depois, em 23 de Fevereiro, foi condecorada com a Ordem da Estrela Vermelha, promovida a subtenente, e indicada para um grupo de caças de elite chamado okhotniki («caçadores livres»). Nessa iniciativa, pares de pilotos veteranos movimentavam-se com mais liberdade que dentro do regimento, procurando objectivos de acordo com o seu próprio critério.
Em Março fez um ataque sobre um grupo de bombardeiros alemães e foi ferida por um dos caças que os escoltavam. Teve forças para derrubar outro dos caças, mas quando aterrou na sua base já tinha tido uma grave perda de sangue devido aos ferimentos.
Em Maio, o que tinha sido o seu companheiro de voo em muitas ocasiões, o Ás soviético Solomatin, morreu num acidente. Segundo as palavras posteriores da mecânica de Lydia depois da morte de Solomatin, «Litvak só queria voar em missões de combate».
Dez dias depois, Lydia apresentou-se como voluntária para derrubar um balão de observação alemão, utilizado para localizar objectivos para fogo de artilharia. A missão era extremamente arriscada: o balão estava defendido por dezenas de canhões antiaéreos que sempre tinha tido êxito a repelir os ataques da aviação soviética.
Apesar de ter tido dificuldades, Lydia foi capaz de calcular a hora precisa do dia em que podia aproximar-se do balão, utilizando a luz do sol para camuflar o seu caça, pelo que destruiu o dirigível alemão.
Em Junho foi nomeada comandante de esquadrão. Apesar de em meados de Julho ter sido novamente ferida e ter tido de realizar uma aterragem de emergência, rejeitou a baixa médica e poucos dias depois estava de novo a voar.
A 1 de Agosto saiu quatro vezes em combate no sector sul da Batalha de Kursk. Durante a quarta missão de voo, o seu grupo foi atacado de surpresa por um grupo de caças nazis, e o avião de Lydia foi visto pela última vez, desaparecendo por entre as nuvens, fumegando e perseguida por vários caças inimigos. Tinha 21 anos.
Lydia já tinha sido condecorada coma Ordem da Bandeira Vermelha, a Ordem da Estrela Vermelha e duas vezes com a Ordem da Guerra Patriótica. No entanto, os restos do seu avião nunca foram encontrados, e isso impediu que também se lhe concedesse a distinção máxima.
Não o foi durante décadas até os restos do seu avião terem sido encontrados e, finalmente, foi condecorada postumamente como Heroína da União Soviética.

Salvé às que lutam

A crença de que o socialismo trará automaticamente a libertação da mulher deve ser afastada da cabeça dos revolucionários, mas tampouco se deve esquecer que a derrota do patriarcado só é possível dentro de um sistema em que a exploração económica da maioria por parte de uma minoria não seja permitida.
A Segunda Guerra Mundial foi um conflito atroz, e muitas mulheres tiveram o seu papel nos respectivos exércitos de cada território. A maioria delas foram relegadas para trabalhos administrativos, auxiliares ou de enfermagem. Apenas na União Soviética estiveram na primeira linha de combate. Mais de oitocentas mil mulheres combateram no Exército Vermelho como franco-atiradoras , artilheiras ou aviadoras; vinte mil mulheres foram condecoradas; oitenta e nove receberam a condecoração máxima: Heroína da União Soviética.
Nos Estados Unidos, a «terra das liberdades», as mulheres não pilotaram aviões de combate até 1993.
A crise capitalista em curso, a que ninguém consegue ver o fim, pode relegar muitas mulheres exclusivamente ao trabalho não remunerado, o que quer dizer que se agravará a sua dependência, sendo possível que acabem dependendo do suporte económico de um homem. Darão passos atrás na sua liberdade.
Vivemos tempos com cheiro a barricadas, e devemos fazer um esforço para combater as atitudes patriarcais dentro da esquerda revolucionária. Dizer que a repressão policial é mais terrível porque «batem nas mulheres” é relegá-las a uma posição de debilidade. Afirmar que as nossas companheiras não devem estar na primeira linha porque «não são tão fortes como um homem», é insultar milhares de anos de desenvolvimento da humanidade.
Ambos os argumentos se podem ouvir no sector da esquerda revolucionária. O patriarcado anda há centenas de anos a moldar as sociedades e as cabeças das pessoas, mas isso não é desculpa: é motivo para redobrar os esforços na luta.
As Bruxas da Noite não necessitaram de testosterona nem cromossomas XY para se colocarem na primeira linha. O capitalismo caminho lado a lado com a opressão patriarcal, e a sua ideologia dominante concentra-se em fazer amar o explorador e odiar o explorado. Devemos ter um espírito crítico, mas tal não quer dizer que devemos criticar o que o poder estabelecido queira.
A União Soviética não foi perfeita; não podia sê-lo. A crítica é necessária, mas sempre a partir da esquerda e, em caso algum, deve fazer o jogo do poder estabelecido ou converter-se em peça da engrenagem da propaganda imperialista. E se há muitos erros a aprender com a experiência soviética, também há muitos triunfos que reivindicar.
Com o socialismo não se eliminaram as contradições de género por artes mágicas, e vimos acima como muitas mulheres lutadoras foram inicialmente rejeitadas, tanto pelo Estado como pelos seus companheiros varões, mas não pode negar-se que foi feito um avanço.
A URSS do meio dos anos trinta era um país onde uma mulher como Marina Raskova podia decidir divorciar-se e tornar-se numa oficial militar de elevada patente; mais impressionante é que era um país que permitia que a mulher concebesse isso não como um milagre, mas como uma opção viável. Isto não surgiu do nada: foi o trabalho organizado de muitas militantes que permitiu haver tais avanços na União Soviética, deixando claro que a libertação das mulheres só pode ser fruto da sua própria luta, e acontecer num sistema em que a economia esteja ao serviço das pessoas e não o contrário.
A ofensiva ideológica do capitalismo esconde-nos os triunfos, para que não possamos recordá-los e Agarrarmo-nos a eles, para que nos sintamos desligados e desligadas do passado, daquelas pessoas que lutaram. Não podemos permiti-lo.
Tal como a história dos povos lutadores, a história das mulheres lutadoras é inviabilizada pela classe dominante. É nosso dever recuperar a nossa história, a história das que não se renderam. Mulheres lutadoras procedentes de povos lutadores, como as Bruxas da Noite não podem ser esquecidas. Devem ser um exemplo.
Temos que lutar pelo futuro mas sendo herdeiras e herdeiros do passado, recuperando os nossos heróis e heroínas.
E as minhas heroínas atravessaram os céus levando bandeiras vermelhas.

* Miguel Huertas Maestro, espanhol, é estudante de Psicologia.


She and Bobby McGee

Fenômenos da natureza incríveis - Diário do Curioso - VEJA ESTE VÍDEO

Os fenômenos naturais são absolutamente impressionantes. Nem a ciência explica. A seguir você pode acompanhar sete fenômenos impressionantes, que muita gente desconhece.

A PLANTA QUE PODE VIVER 1500 ANOS





Welwitschia Mirabilis: Esta planta pode viver até aos 1.500 anos, necessitando somente da humidade do orvalho para sobreviver.


Titan Arum: Cresce até cerca de 3 metros de altura de diametro, seria maravilhosa se não cheirasse a pôdre. A sua alcunha é "flor cadáver" e atrai os mesmos insectos que infestam os mortos.


Tacca Chantrieri:As folhas em forma de morcego chegam a ter 3,60 metros de largo enquanto que as guias podem crescer até 8,50 metros.


Sarracenia Oreophila: Os pelos dentro dos copos desta bizarra planta fixam os insectos e digerem-nos com ajuda dos sucos existentes na base de cada copo.



Romanesco Broccoli: Os padrões fractais existentes nesta prima da couve-flor transformam-na na coisa mais matemática que pode colocar numa salada.

Rafflesia: A única parte visível desta planta parasita é a sua grande flor olho-de-Sauron que pode medir mais de 1metro e pesar até 10 quilos, todo o resto da planta vive dentro das raizes de outras plantas.


Horned Melon

blog:napeidaeumregalo-onarizagentetapa

Mário Campos (facebook) Divulgo e pergunto, isto são cenas do quotidiano na Porcinolândia? Nota: A Porcinolândia! ( é uma pocilga onde antes era um país)... NOTÍCIAS QUE PODIAM SER

Mário Campos (facebook)
Divulgo e pergunto, isto são cenas do quotidiano na Porcinolândia?
Nota: A Porcinolândia! ( é uma pocilga onde antes era um país)...
NOTÍCIAS QUE PODIAM SER
Os jornais, sobretudo aqueles que levam no nome manhã ou tarde, conforme se trate de matutinos ou vespertinos, fazem agora títulos de caixa alta com notícias que eu também sei fazer, se para aí estiver virado. Por exemplo:
Um dia destes, em grandes parangonas, como já disse, noticio a detenção de um coelho bravo que, em plena autoestrada do sul, circulava a mais de duzentos quilómetros por hora. O dito condutor, que não possuía carta de condução válida, conduzia nu e ouvia num mal tratado cd pirata uma música antiga do extinto grupo feminino “As Doce”. A seu lado, portas afora e portas adentro, o som era ensurdecedor.
O coelho bravo foi presente a juízo, pagou fiança com um cheque do BPN e saiu em liberdade com a condição de deixar de ser estúpido, mentiroso, fora da lei e assim evitar que os restantes utentes da via não ficassem à beira dum ataque de nervos. Em comunicado, a Brigada de Trânsito diz que tudo tem feito para diminuir os acidentes na estrada, embora no caso presente tivesse demorado mais de dois anos para apanhar o delinquente em flagrante delito.
N.da R. : O referido animal foi declarado como inimputável e o Estado vai ter que lhe devolver o cargo que exercia na administração e o dinheiro da fiança, que entretanto não conseguiu receber por insolvência da instituição bancária titular do crédito.