AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


segunda-feira, 15 de julho de 2013

VEJA FOTOGALERIA - EUA: júri absolve ex-vigilante por polêmica morte de jovem negro - O ex-vigilante voluntário hispânico George Zimmerman, de 29 anos, foi declarado neste sábado inocente das acusações de assassinato em segundo grau e homicídio involuntário que lhe acusavam pela morte em 2012 na Flórida (EUA) do adolescente negro desarmado Trayvon Martin

O ex-vigilante voluntário hispânico George Zimmerman, de 29 anos, foi declarado neste sábado inocente das acusações de assassinato em segundo grau e homicídio involuntário que lhe acusavam pela morte em 2012 na Flórida (EUA) do adolescente negro desarmado Trayvon Martin

Zimmerman sorri após absolvição Foto: EFE
Zimmerman sorri após absolvição
Foto: EFE


O ex-vigilante voluntário hispânico George Zimmerman, de 29 anos, foi declarado neste sábado inocente das acusações de assassinato em segundo grau e homicídio involuntário que lhe acusavam pela morte em 2012 na Flórida (EUA) do adolescente negro desarmado Trayvon Martin.
Após 16 horas de deliberações, o júri, composto por seis mulheres, chegou ao veredicto unânime de inocente pelas acusações e o entregou por escrito à juíza encarregada do caso, Debra Nelson.
O júri deliberou durante dois dias e estudou a fundo as duas acusações contra Zimmerman, para o que pediram à juíza uma lista com as provas numeradas e suas correspondentes descrições que se exibiram neste processo judicial.
Além disso, durante a longa jornada de deliberação de hoje, solicitaram à juíza do tribunal da cidade de Sanford, no centro da Flórida, esclarecimentos sobre o conceito legal de homicídio involuntário.
Zimmerman, de mãe peruana, enfrentou uma condenação de prisão perpétua, no caso de ser declarado culpado de assassinato em segundo grau, e de até 30 anos de prisão pelo de homicídio involuntário.
Durante as duas semanas de sessões, o júri escutou várias testemunhas, incluindo policiais, legista e vizinhos da cidade onde aconteceu o fato que comoveu os Estados Unidos e polarizou a opinião pública e os meios de comunicação do país.
Nenhuma das testemunhas que compareceu no julgamento de quase cinco semanas - ao todo foram 25 dias - viu como o fato começou, que tirou a vida do rapaz negro estudante de bacharelado em um colégio da cidade de Miami Gardens, próxima a Miami.
A Promotoria tinha retratado Zimmerman como alguém que "se achava um policial", que "fez justiça com as próprias mãos", quando viu Martin caminhando na chuva, e presumiu que o rapaz "não era nada bom".
O promotor Bernie de la Rionda descreveu Martin como um "rapaz inocente de 17 anos" a quem Zimmerman "identificou como um criminoso", perseguiu-o, após evitar a recomendação da Polícia, brigou com ele e o matou com um tiro à queima-roupa "porque quis".
No tempo de refutação dado na sexta à Promotoria, o promotor John Guy fez uma emotiva apelação ao bom senso e ao coração do júri e pediu "justiça" para Martin.
Mas sobre as considerações e decisão final do júri pesou mais o relato dos fatos exposto pela defesa de Zimmerman, que tinha defendido a inocência deste com o argumento de que agiu em defesa própria e pedido a absolvição das acusações.
Mark O'Mara, advogado do vigilante de bairro voluntário, lembrou ao júri na exposição dos argumentos de fechamento que uma "dúvida razoável" que Zimmerman só tentou se defender era suficiente para declarar seu cliente inocente das acusações.
A versão de Zimmerman sobre sua atuação em defesa própria se fundamentou em que Martin lhe deu um soco no nariz, o empurrou e, ao cair no chão, o rapaz se sentou sobre ele e começou a bater nele e sacudir sua cabeça contra o chão, por isso que teve que atirar.
O ex-vigilante voluntário manteve sempre que atirou em defesa própria contra Martin, que retornava de noite para a casa da namorada de seu pai e caminhava por Sanford, no centro da Flórida, com o capuz do suéter na cabeça, o que despertou as suspeitas de Zimmerman.





 advogado de Zimmermam beijando a mulher após a vitória no julgamento
 advogado da vítima



 família da vítima



zimmerman