AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 2 de julho de 2013

Passos, Portas, Seguro, os comentadores de serviço, os canais de televisão, todos alinham pelo mesmo diapasão... Falta vir Cavaco falar-nos do inesperado!

É NA RUA QUE A LUTA CONTINUA !!!!

Passos, Portas, Seguro, os comentadores de serviço, os canais de televisão, todos alinham pelo mesmo diapasão... Falta vir Cavaco falar-nos do inesperado!

"No dia 22 de Outubro de 2012, há pouco mais de oito meses, dirigi-lhe uma carta em que assinalava a urgência da minha substituição no cargo de Ministro do Estado e das Finanças. - Agora, em meados do ano seguinte, essa substituição tornou-se inadiável..." Gaspar, na tal carta de renúncia
Inesperado o carago! Cada um foi delineando o que dizer, para o dia em que viesse a acontecer! E a encenação continua, e continuará mesmo depois do governo ir para a rua. Os comentadores, que se bem se lembram há oito meses atrás eram bem menos, farão o papel que lhes foi traçado. Continua o teatro, mesmo sem as pancadas de Molière.

Só que há uma realidade que terá mudado: ninguém liga às marionetas. Acabou-se o teatro. E é na rua que a luta continua!

Conversa avinagrada

NA AGONIA MAS AGARRADO AO PODER


Ainda há quem diga que fazer greve...


Rede de corrupção cobrava até 7500 euros por carta de condução PJ acredita que alguns examinadores vendiam cartas de forma fraudulenta há mais de uma década. Identificadas centenas de "clientes".

Rede de corrupção cobrava até 7500 euros por carta de condução

PJ acredita que alguns examinadores vendiam cartas de forma fraudulenta há mais de uma década. Identificadas centenas de "clientes".
Parte dos "clientes" da rede não preenchia requisitos mínimos para a obtenção da carta, como saber ler

A Polícia Judiciária anunciou esta terça-feira a detenção de 24 pessoas suspeitas de integrarem uma rede de corrupção que se dedicava a vender cartas de condução por um valor que variava entre os 2500 e os 7500 euros.
A PJ acredita que alguns elementos da organização, que operava na Região Norte, se dedicavam a esta actividade há mais de uma década. Isto, porque já foram suspeitos em sucessivos inquéritos-crime, muitos dos quais resultantes de denúncias anónimas, que acabavam arquivados por falta de provas.
Nesta investigação, que começou há mais de um ano, foram identificados “centenas” de condutores que beneficiaram deste esquema de corrupção, uma parte dos quais não reunia os requisitos mínimos para obter a carta, como saber ler e escrever.
“Esta acção foi o culminar de uma investigação desenvolvida na Unidade Local de Investigação Criminal de Vila Real desta polícia, onde vem indiciada a prática reiterada por aqueles suspeitos de crimes de corrupção e de falsificação de documentos e que visou pôr cobro a uma actividade criminosa relacionada com a obtenção de cartas de condução de forma fraudulenta”, lê-se num comunicado da PJ.
Entre os detidos, 21 homens e três mulheres, com idades entre os 38 e os 66 anos, há sócios-gerentes e directores de escolas de condução e examinadores, que vão ser presentes nos próximos dias a interrogatório judicial para aplicação das medidas de coacção.
A operação, com o nome de código Carta Branca, foi levada a cabo na Região Norte e contou com a participação de investigadores da Directoria do Norte e das unidades de Vila Real e da Guarda que realizaram cerca de meia centena de buscas.

Marine Le Pen pode ser julgada por incitamento ao ódio racial PÚBLICO 02/07/2013 - 12:40 Parlamento Europeu retirou-lhe a imunidade. Líder da extrema-direita francesa comparou as orações de rua muçulmanas à ocupação nazi.

Marine Le Pen pode ser julgada por incitamento ao ódio racial

Parlamento Europeu retirou-lhe a imunidade. Líder da extrema-direita francesa comparou as orações de rua muçulmanas à ocupação nazi.
Marine Le Pen é deputado europeia desde 2009 

A maioria dos deputados do Parlamento Europeu aprovou esta terça-feira o levantamento da imunidade a Marine Le Pen, que pode agora ser julgada em França por incitamento ao ódio racial.
A Procuradoria de Lyon acusou Le Pen há três anos, depois de a líder da Frente Nacional ter comparado as orações de rua dos muçulmanos à ocupação nazi do seu país durante a Segunda Guerra Mundial. Seguiu-se o pedido de levantamento da imunidade para Estrasburgo, agora aprovado.
"Sim, isto acontece porque eu sou uma dissidente", comentou Marine Le Pen. "Não temo absolutamente nada", acrescentou.
Se for considerada culpada, a política de extrema-direita pode ser condenada a um ano de prisão e ao pagamento de uma multa de 45 mil euros.
De mais longo prazo poderão ser as consequências políticas de um julgamento público, num momento em que a Frente Nacional tenta aproveitar a crescentemente popularidade de Le Pen para ganhar votos à direita e ao Partido Socialista do Presidente nas próximas eleições europeias, em 2014.
Uma sondagem de Junho do instituto YouGov antecipa 18% de votos para o partido, à frente dos socialistas e atrás da UMP, o maior partido de direita. Quando Le Pen foi eleita para o Parlamento Europeu, em 2009, a Frente Nacional obteve 6,3%.

O NAUFRÁGIO


Passos admite surpresa com a demissão de Portas mas não «abandona» o país O primeiro ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, admitiu que ficou surpreso com a demissão de Paulo Portas. Mesmo assim, pelo país, não se vai demitir.

Passos admite surpresa com a demissão de Portas mas não «abandona» o país


Passos admite surpresa com a demissão de Portas mas não «abandona» o país

O primeiro ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, admitiu que ficou surpreso com a demissão de Paulo Portas. Mesmo assim, pelo país, não se vai demitir.

«O país foi surpreendido pela demissão de Paulo Portas. Eu próprio tenho de manifestar a minha surpresa. Os acontecimentos de hoje eram impensáveis», afirmou Passos Coelho na sua comunicação ao país, que considerou a provável crise política fatal para Portugal.
«A ameaça de crise política significaria dois anos deitados por terra», defendeu.
Para evitar o caos, Passos Coelho revelou que não pediu ao Presidente da República, Cavaco Silva, a exoneração do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros («Seria precipitado aceitar esse pedido de demissão», defendeu), acrescentando que irá, nas próximas horas, procurar junto do CDS a necessária estabilidade política para o país.
«Isso significa que assumo como minha a missão de esclarecer todas as condições de apoio político junto dos partidos que suportam o Governo. Nas próximas horas procurarei junto do CDS clarificar e garantir todas as condições de estabilidade para o Governo e para o país para superar esta crise nacional. Procurarei garantir todas as condições de estabilidade. Saberemos ultrapassar as divergências», defendeu.
«Não depende apenas da minha vontade resolver definitivamente este problema, mas ambos os partidos têm a obrigação de não desiludir o país. Em conjunto, teremos de esclarecer o sentido do pedido de demissão do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros no contexto mais amplo possível: no contexto do nosso projeto comum e dos perigos que conseguimos evitar.»
Passos Coelho afirmou ainda que não se demite por razões de honra.
«Comigo o país não escolherá um colapso político, económico e social. Há muito trabalho pela frente. O país está primeiro. Os tempos não exigem menos do que isto (…) Não me demito, não abandono o meu país.»

DOIS AMORES - A FANTOCHADA CONTINUA - UM VÍDEO DE ANTÓNIO GARROCHINHO

video

O CU DO BURRO

O CU DO BURRO


No tempo em que a maioria dos trabalhos rurais se faziam á custa destes dóceis mas valentes animais, contava-se na Conceição de Faro que certo dia, um homem que seguia atrás do seu burro, ia retirando de uma das suas algibeiras, os figos torrados que lhe serviam de refeição matinal.

Quando por vezes encontrava algum figo, um pouco mais queimado da torra, atirava-o á traseira do burro naturalmente que alguns acertavam no cu do burro outros não.

 O homem tinha esta atitude porque pensava que trazia consigo figos que chegavam e sobravam para as suas necessidades do momento.

Mas aconteceu que no final do dia, ao regressar pelo mesmo caminho, cheio de fome e já sem figos na algibeira, ia apanhando do chão e comendo, aqueles que de manhã havia atirado ao traseiro do burro.

Naquela altura era-lhe impossível saber quais os figos que tinham ou não acertado no animal, por isso, limitava-se a apanhá-los do chão, passando-os pelo seu próprio vestuário para lhes retirar alguma poeira, comia-os. Sabiam-lhe bem!

Para acalmar alguma repulsa pelo facto de os comer depois de os ter atirado ao animal, pensava para si: "-Estes não passaram pelo cu do burro!"

Também nós agora estamos a usar algumas coisas que na fartura de um passado recente atirámos para o esquecimento mas que o tempo e as actuais necessidades nos obrigam a socorrer do que dantes desprezámos!

amigos da aldeia - Conceição de Faro

NÃO TE DEIXES ENGANAR ! - UM LOGRO, UMA ARMADILHA PARA CAÇAR VOTOS ! AONDE CHEGA A ASTÚCIA DOS XUXAS PARA ENGANAR O ZÉ POVINHO.





UM LOGRO, UMA ARMADILHA PARA CAÇAR VOTOS !
AONDE CHEGA A ASTÚCIA DOS XUXAS PARA ENGANAR O ZÉ POVINHO.

A ABERTURA DO CAFÉ ALIANÇA DEPENDE TANTO DE PAULO NEVES PARA REABRIR COMO DE MIM !

CONHEÇO E DE CERTEZA QUE MUITA GENTE CONHECE TODA A PROBLEMÁTICA DO ANTIGO CAFÉ ALIANÇA QUE REALMENTE É UMA PENA ESTAR FECHADO MAS CRIAR A ILUSÃO DE QUE VAI REABRIR COM OS VOTOS NO CANDIDATO XUXA É MAIS UMA MENTIRA DE QUEM NÃO TEM ESCRÚPULOS E NÃO OLHA A MEIOS PARA ATINGIR O POLEIRO.

AGORA É SÓ PROMESSAS... DEPOIS ESQUECE-SE TUDO ! AS FREGUESIAS DO DISTRITO DE FARO NOMEADAMENTE A MINHA, SANTA BÁRBARA DE NEXE TEM SIDO VOTADO AO ESQUECIMENTO PELOS XUXAS PELOS LARANJAS E PELO MARQUÊS DA CAMPINA ENQUANTO OCUPOU O CARGO E ENCHEU OS BOLSOS COM AS CÉLEBRES FLOREIRAS.

VÁ FESTAS, CAFÉZINHOS, BOLINHOS REGIONAIS E APERTOS DE MÃOS, OS ISCOS VENENOSOS QUE TODO ELES APRENDERAM PARA SE ENCHERAM PESSOALMENTE.

DE QUEM É A CULPA ?


Bum Catrapum lá vai o Gaspar

Bum Catrapum lá vai o Gaspar

O Vitor Gaspar pediu finalmente a demissão por não se sentir apoiado no governo e mal amado pelos cidadãos. Demorou tempo a perceber, que a inteligência é coisa que por ali parece ser inversamente proporcional à teimosia, mas lá acabou por entender. Valeu por isso a pena todos os protestos que foram feitos, todos os nomes que lhe chamaram. Sai triste como triste está o país que deixa. A diferença é que rapidamente lhe vão arranjar um tacho enquanto mais de um milhão de portugueses vai continuar no desemprego e muitos milhões a viver na pobreza e na miséria num país destruído e sem economia. Triste legado nos deixa. E o pior é que quem o substitui não dá garantias nenhumas de ser melhor. Mesmo assim, vai-te embora Gaspar que não deixas saudades.

Uma maioria, um governo, um presidente e a Maria Luís Parece que a política económica desta grande maioria, que vai de Belém até São Bento, sofreu uma grande evolução, até aqui as previsões falhavam e como a Nossa Senhora de Fátima é pouca dada à econometria de pouco servia a intimidade da Dona Maria com a Santa. Agora o país deixa de ter previsões, com uma ministra dada a jogos de sorte e azar as previsões da economia portuguesa passam a estar cotadas nas casas de apostas de Londres. A partir de agora Cavaco Silva deixará de prever coisas como o crescimento e a criação de emprego nos segundos semestres de todos os anos, ou assegurar que a meta do défice será mais uma vez cumprida, limitar-se-á a sugerir que respeitemos os mercados e manda-nos consultar as casas de apostas.

Uma maioria, um governo, um presidente e a Maria Luís

Parece que a política económica desta grande maioria, que vai de Belém até São Bento, sofreu uma grande evolução, até aqui as previsões falhavam e como a Nossa Senhora de Fátima é pouca dada à econometria de pouco servia a intimidade da Dona Maria com a Santa. Agora o país deixa de ter previsões, com uma ministra dada a jogos de sorte e azar as previsões da economia portuguesa passam a estar cotadas nas casas de apostas de Londres. A partir de agora Cavaco Silva deixará de prever coisas como o crescimento e a criação de emprego nos segundos semestres de todos os anos, ou assegurar que a meta do défice será mais uma vez cumprida, limitar-se-á a sugerir que respeitemos os mercados e manda-nos consultar as casas de apostas.
  
Cavaco deve achar que o Palácio de Belém está embruxado e não seria de admirar, agora que o exorcismo voltou a estra na moda na Igreja Católica, a requisitar os serviços do padre Gabrielle Amorth, o famoso exorcista da diocese de Roma, porque isto já não vai lá com rezas e promessas à santinha da Cova da Iria. Longe vão os tempos em que Cavaco jogava nas acções da SLN e ganhava, era um tempo feliz e se tudo correu mal foi porque os gestores do BPN não eram tão competentes como o Hora Osório.
 
Agora que Cavaco conseguia o seu velho sonho tudo lhe correu mal e o Palácio de Belém parece a primeira fila do purgatório, tantas são as almas penadas que lá estão sentadas assistindo ao espectáculo. O último fantasma foi precisamente o do Horta Osório, esse brilhante banqueiro de sucesso tão admirada pela nata e pela borra da gestão das nossas empresas públicas, o grande campeão da venda de swaps do Banco Santander.
 
Toda a gente sabia que Cavaco não se perdia de amores por um Vítor Gaspar que nem se dava ao trabalho de ler o que ele dizia sobre a política económica do governo, era um espinho nessa maioria laranja há tanto desejada. Graças aos swaps Gaspar recebeu uma prenda do Horta Osório, a única gestora de empresas públicas que ganhou dinheiro com tóxicos, o equivalente na actualidade aos primeiros clientes da Dona Branca, mais uma vedeta da economia portuguesa que emergiu com o Cavaquismo.
 

Cavaco tem todos os motivos para ser um homem feliz, feito o trabalho do padre Gabrielle Amorth Portugal está como ele sempre desejou, uma maioria, um governo e um presidente e ainda mais uma prenda inesperada, a Maria Luís, uma especialista em ganhar dinheiro com tóxicos, algo que já não se via desde o tempo em que as saudosas acções da SLN rendiam 100%, digamos que a Maria Luís está para os swaps como certos investidores estavam para o BPN.

o Jumento

VAI FORMOSO E NÃO SEGURO


O ADMIRADOR Durão Barroso "Admiro muito" quem aceita assumir pasta das Finanças

O ADMIRADOR

Durão Barroso "Admiro muito" quem aceita assumir pasta das Finanças
O presidente da Comissão Europeia elogiou hoje o trabalhado realizado pelo anterior ministro das Finanças, Vítor Gaspar, e desejou felicidades à sua sucessora, Maria Luís Albuquerque, sublinhando a coragem necessária para assumir a pasta no atual contexto.
“Admiro muito qualquer pessoa que aceite ser ministro das Finanças de Portugal nas atuais circunstâncias, quer o dr. Vítor Gaspar, quer, agora, a dra. Maria Luís Albuquerque”, declarou José Manuel Durão Barroso, em Estrasburgo, a jornalistas portugueses, à margem da sessão plenária do Parlamento Europeu.
Notícias ao Minuto

A Dita e o Balde

Pais do Amaral 'livra-se' de fraude fiscal... ao pagar 1,4 milhões

Operação Furacão 

Pais do Amaral 'livra-se' de fraude fiscal... ao pagar 1,4 milhões
O empresário Miguel Pais do Amaral, foi acusado pelo Ministério Público de ter apresentado, enquanto presidente da Media Capital, várias facturas, entre 2001 e 2004, num valor total superior a 4,5 milhões de euros, que circularam por empresas criadas no estrangeiro com o objectivo de fugir aos impostos. Essas facturas, refere a acusação, foram "recebidas, contabilizadas e pagas, sendo que todas elas dizem respeito a serviços que não foram efectivamente prestados”.
Pais do Amaral 'livra-se' de fraude fiscal... ao pagar 1,4 milhões
DR
ECONOMIA
Concluído o primeiro inquérito, dos sete, da Operação Furacão, o Ministério Público acusou 24 pessoas mais seis empresas que terão lesado o Estado em 36,6 milhões de euros. O empresário e presidente da Media Capital, Miguel Pais do Amaral, era um dos acusados, mas o pagamento de mais de 1,4 milhões de euros ao Estado, permitiu-lhe escapar a uma acusação de fraude fiscal qualificada.
A informação é avançada pelo jornal Público, citando o despacho de acusação do primeiro inquérito da Operação Furacão, que está a ser investigado há cerca de nove anos por um serviço especializado na investigação da criminalidade económico-financeira do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).
O envolvimento de Pais do Amaral neste caso prende-se com várias operações feitas por empresas do grupo Media Capital, a que presidia e preside. Segundo o documento do Ministério Público, entre Janeiro de 2001 e Fevereiro de 2004, foram emitidas facturas, num valor global superior a 4,5 milhões de euros, que circularam por empresas criadas no estrangeiro (a maioria no Reino Unido e na Irlanda) com o objectivo de fugir aos impostos.
As facturas foram "recebidas, contabilizadas e pagas, sendo que todas elas dizem respeito a serviços que não foram efectivamente prestados”. Os montantes foram depois depositados em contas bancárias e, "posteriormente, colocadas na disponibilidade de Miguel Pais do Amaral", lê-se no despacho de acusação. Apesar de não ter havido prejuízo em sede de IRC, dados os prejuízos das empresas, o mesmo não aconteceu em sede de IRS, não tendo o empresário declarado os rendimentos que auferiu.
"Os factos praticados permitiram, (…), a transferência para a esfera pessoal de Miguel Pais do Amaral da quantia de 4.382.000 euros, equivalente aos fundos que deram entrada nas contas bancárias por si controladas, directa ou indirectamente", lê-se no despacho de acusação do Ministério Público.
Pais do Amaral justificou ao jornal Público que o "mecanismo não foi implementado por si", apesar de reconhecer que "na altura era uma prática corrente em várias empresas” e “uma forma das que tinham dificuldades de cumprirem os seus compromissos e aliviarem a factura fiscal”.

Governo Passagem de testemunho de Gaspar acertada há semanas O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, havia já acertado a data de saída do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, há semanas, bem como decidido o nome da secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, para herdar a pasta, avança a edição desta terça-feira do Diário de Notícias. Aliás, tanto o Eurogrupo como o Ecofin estavam já a par da remodelação governamental.

Governo 

Passagem de testemunho de Gaspar acertada há semanas
O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, havia já acertado a data de saída do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, há semanas, bem como decidido o nome da secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, para herdar a pasta, avança a edição desta terça-feira do Diário de Notícias. Aliás, tanto o Eurogrupo como o Ecofin estavam já a par da remodelação governamental.
Passagem de testemunho de Gaspar acertada há semanas
DR
POLÍTICA
A demissão do ministro das Finanças, Vítor Gaspar, formalizada ontem, a muitos terá surpreendido. À semelhança da sua substituição no cargo pela até aqui secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque.
No entanto, há semanas que esta dança de cadeiras estava decidida, com o devido conhecimento das partes envolvidas, sendo que, inclusivamente, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, informara já os ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) e da zona euro (Eurogrupo) acerca da passagem de testemunho de Gaspar a Albuquerque, adianta a edição de hoje do Diário de Notícias.
Refira-se que o nome do ministro da Saúde, Paulo Macedo, chegou a ser avançado como provável substituto do responsável pela pasta das Finanças. Mas essa informação não circulou mais do que cerca de meia hora, uma vez que a Presidência da República tornaria oficial através do seu site que, afinal, seria a agora ex-secretária de Estado a desempenhar as funções deixadas orfãs por Gaspar.
Não obstante, Macedo terá sido efectivamente sondado, porém, recusou a missão que Passos gostaria de lhe ver imputada.
Ao mesmo tempo, segundo o Diário de Notícias, o facto de Gaspar ter aprovado, por assim dizer, a divulgação da notícia, na passada sexta-feira, que dava conta da desconfiança da troika face à capacidade do Governo de levar a bom porto os cortes de 4,7 mil milhões na despesa do Estado, constituiu já um sinal de que o seu adeus estaria para muito breve.
Saliente-se ainda que o acordo com os professores por parte do ministro da Educação, Nuno Crato, o desconforto em relação ao ministro dos Negócios Estrangeiros e líder do CDS, Paulo Portas, ou o escândalo dos ‘swaps’ terão sido as gotas de água para que a saída do governante adquirisse um carácter “inadiável”, como o próprio classificou numa carta enviada ao primeiro-ministro, por sinal, também ontem divulgada.
Aliás, será caso para dizer que à terceira foi mesmo de vez, tendo em conta que o agora ex-ministro tinha solicitado já a sua exoneração por outras duas ocasiões, tendo-lhe sido pedido que ficasse por forma a assegurar o Orçamento Rectificativo e a concluir a sétima avaliação da troika ao programa de ajustamento português.
Por outro lado, quase todas as opiniões auscultadas convergem num ponto: Portas será aquele que mais lucrará com a demissão de Gaspar. Além de ter sido ‘promovido’ a número dois do Executivo, sagra-se vencedor de um já longo braço-de-ferro, e isto, em vésperas do congresso do partido que dirige.
Resta acrescentar que as reacções à saída do polémico ministro não se fizeram esperar: Se o PS exige eleições antecipadas, em uníssono com toda a oposição, os parceiros internacionais não poupam elogios à performance de Gaspar ao longo destes dois anos.
A nova ministra das Finanças será empossada esta tarde pelo Presidente da República, Cavaco Silva, no Palácio de Belém, numa cerimónia que está agendada para as 17h00.