AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sábado, 8 de junho de 2013

CASO SWAP

Presidente da Carris diz que foi demitido sem motivo


O presidente da Carris e do Metropolitano de Lisboa diz que não se demitiu, foi demitido, sem motivo que o justificasse. É a reacção de Silva Rodrigues à decisão tomada na quinta-feira em conselho de ministros, que determinou o afastamento dos gestores públicos responsáveis pela aprovação de contratos “swap” especulativos. Num extenso comunicado, o gestor justifica as decisões que tomou e questiona os motivos do accionista Estado.
“Obviamente, não me demiti”. São as primeiras palavras de Silva Rodrigues, num longo comunicado de oito páginas, onde começa por explicar que foi convidado a demitir-se, para eliminar qualquer eventual constrangimento na comissão parlamentar de inquérito. 

Silva Rodrigues sublinha que nunca tomaria tal iniciativa, porque não existe qualquer razão que o justifique. Acabou, assim, por ser demitido, com base num relatório da Inspecção-Geral de Finanças que desconhece e sem direito a contraditório.

Em sua defesa, o gestor apresenta os encargos dos quatro contratos “swap” assinados pela Carris. Dois deles admitem a possibilidade dos juros aumentarem, mas nenhum depende de variações cambiais ou de preços de matérias-primas.

Silva Rodrigues lembra ainda que foram assinados entre 2005 e 2007, numa altura em que era inimaginável a actual crise. Silva Rodrigues acusa o Estado de estar a exigir que se conheça o resultado do jogo antes do mesmo ser jogado.

O presidente da Carris diz ainda que estes contratos passaram por várias análises, incluindo uma auditoria da Inspecção-Geral de Finanças, sem nunca serem questionados.

Foram também sempre incluídos nos Relatórios e Contas, aprovados todos os anos pelo accionista Estado, com louvores à gestão, incluindo o último, no final de Março.

Silva Rodrigues escreve que não quer acreditar que os membros do Governo despachem com base em documentos que não conhecem.

A tudo isto acresce o facto da questão dos “swap” ter sido levantada apenas há dois meses pelo mesmo Governo que o reconduziu em Agosto na Carris e o nomeou para presidente do Metropolitano de Lisboa.

Há um mês, já depois de denunciados os contratos especulativos, foi convidado para acumular ainda a presidência da Transtejo/Soflusa. Factos que levam Silva Rodrigues a contestar esta demissão, que considera ser totalmente injusta e injustificada.

O que são os “swap”?
Os contratos de gestão de risco - os chamados "swap" - permitem que se pague uma taxa de juro fixa em vez de uma taxa variável. É algo que pode ser utilizado, por exemplo, quando quem pede dinheiro teme que a taxa de juro vá subir muito no futuro - assim, ao fixar um valor fixo, pode evitar pagar mais caso haja mesmo esse aumento.

O problema surge quando a taxa de juro variável, em vez de subir como se esperava inicialmente, acaba por descer. Desta forma, a taxa fixa que foi acordada pode estar acima do valor da taxa variável em vigor. Foi o que aconteceu com os contratos feitos durante vários anos em empresas públicas e que podem ter resultado em perdas de três mil milhões de euros.

A polícia criou um perímetro de segurança no local do tiroteio (foto AP)
Tiroteio perto de universidade da Califórnia fez seis mortos (com fotos)










Morreram seis pessoas durante um tiroteio, esta sexta-feira, perto do campus da Universidade de Santa Mónica, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos da América (EUA). Segundo a CNN, um homem não identificado disparou tiros, sendo que a maioria das vítimas foram aleatórias.

Jacqueline Seabrooks, chefe da polícia local, avançou que dois dos mortos seriam alvos escolhidos pelo atirador, mas ainda não forneceu mais pormenores, dizendo apenas que uma «testemunha crucial» foi detida.

Seabrooks disse ainda que houve vários incidentes a acontecer durante a tarde desta sexta-feira em toda Santa Mónica, entre incêndios, cenas de violênica e vandalismo, «culminando no tiroteio perto da faculdade».

Num dos incêndios foram encontrados dois feridos.

O sargento da polícia Rudy Flores disse, citado pela Associated Press, que o atirador está entre os vários feridos tendo sido detido, sem especificar quais seriam os ferimentos e qual a gravidade dos mesmos.

O incidente ocorreu a três quilómetros do local onde o presidente daquele país, Barack Obama, participava num evento relacionado com obras de caridade. Os serviços secretos garantiram que o tiroteio não interferiu no percurso do presidente.

01:08 - 08-06-2013




O Cabo da Santa Marta e o maior farol da América Latina

O Cabo de Santa Marta é a ponta de terra mais oriental do Sul do Brasil. Nela esta edificado o Farol que leva o mesmo nome, considerado o maior das Américas, justamente pela sua posição geográfica estratégica somado a sua lente. No topo de um morro, num pequeno promontório, a 45 metros acima do nível do mar, está localizado o Farol, a maior atração local. Com 29 metros de altura, é um dos mais potentes do Brasil em alcance e serve como guia para os navios que se aproximam do Cabo. No período noturno, a iluminação do Farol chama a atenção. O seu alcance é de quarenta e seis milhas náuticas (oitenta e cinco quilômetros).

Foi construído pela companhia francesa Barbier, em 1891.Seu maquinário e o globo ótico também vieram da França e o farol foi todo edificado com pedras, areia e óleo de baleias. Localizado no município de Laguna, o Cabo de Santa Marta é uma das praias com melhor visual de Santa Catarina. Os turistas costumam apreciar a beleza na areia da Prainha, tranquila e muito frequentada por surfistas.
Além do Farol e a Capela localizado ao seu lado, próximo a Prainha existem enormes sambaquis, sítios arqueológicos onde as populações pré-históricas usavam como depósito de resíduos. As outras praias do Cabo de Santa Marta são a de Cardoso, a Cigana e a Praia Grande. Na Cigana, pode-se praticar sand board nas dunas. A região também é muito destacada pela pesca praticada por uma grande comunidade de pescadores profissionais. Todas são indicadas para banho e surfe.Veja mais fotos na sequencia. 

Fotos tiradas nas décadas de 60 e 70, quando a população do Farol era resumida aos faroleiros e alguns pescadores.
 





 
Hoje uma comunidade multicolorida, uma herança dos portugueses que pintavam suas casas com restos das tintas das embarcações.


O Farol de vários ângulos





















Outras atrações na região











A pesca, uma das grandes atrações da região








Post(s) à beira mar