AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 29 de maio de 2013

uma mala verde ! sem palavras



Relvas recebeu 14 mil euros de reforma


O ministro Adjunto já está reformado. Miguel Relvas, de 51 anos, optou por suspender a sua pensão quando aceitou integrar o Governo liderado por Passos Coelho, dando cumprimento à lei que impede a acumulação de salários com pensões aos titulares de cargos políticos.
A subvenção vitalícia de Relvas é de 2800 euros por mês. No ano passado, a Caixa Geral de Aposentações pagou mais de 14 mil euros ao ministro Adjunto a título de pensão vitalícia, um pagamento que foi suspenso quando tomou posse no actual Governo.
Miguel Relvas junta-se assim a Dias Loureiro, Armando Vara, António Vitorino e Zita Seabra no grupo de políticos que pediram a pensão vitalícia, uma regalia que terminou em Outubro de 2005.
Entretanto, o procurador-geral da República disse ontem que, caso haja ilícitos criminais ou documentos falsos no processo de licenciatura do ministro Adjunto, o Ministério Público terá de actuar. "Se houver ilícitos criminais, se houver documentos falsos, teremos de actuar. O resto, sobre a qualidade do ensino, é da responsabilidade do ministro da Educação" disse Pinto Monteiro, que confirmou que neste momento estão a ser analisados os documentos revelados pela Lusófona, e que a comunicação social tem divulgado, sobre o processo de licenciatura de Miguel Relvas em Ciência Política e Relações Internacionais.
Já o Ministério da Educação adiantou ontem que "em breve" será realizada uma auditoria à Universidade Lusófona, pela Inspecção-Geral da Educação (IGE). Em 2009, a Lusófona já tinha sido alvo de auditoria, no âmbito do plano de fiscalização da IGE.


GRUPO FINERTEC AINDA PAGOU 62 MIL EUROS DE SALÁRIO
Miguel Relvas foi administrador de várias empresas do grupo Finertec, presidido por José Braz da Silva. Ainda em 2011, Relvas era vogal na Finertec - Serviços C. P. F. SA, cargo que assumiu em 2008. Era também administrador da Finertec Ambiente SGPS e da Finertec Infraestruturas SGPS. Por todos estes cargos, recebeu um total de cerca de 62 mil euros.
O ministro suspendeu todos os seus cargos no grupo antes de tomar posse.
PASSOS QUER MAIS EXIGÊNCIA NOS CURSOS
O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, recusou ontem comentar o caso da licenciatura de Miguel Relvas, mas disse concordar com a necessidade de alterações para "aumentar a exigência" na atribuição de créditos e equivalências nos cursos universitários. Segundo as palavras de Passos Coelho, "o ministro da Educação já disse que o Governo está a preparar alterações nesses regulamentos e nesses critérios de modo a poder aumentar a exigência".

CM


A INDIVIDUALIDADE CRIATIVA - DE VASCO BARRETO - ANGELO DE LIMA - CARTAS ESCRITAS A FAMILIARES


Excertos de cartas dirigidas a familiares

    Ele é tão belo, o mar...
    E depois, quando em pequeno[,] quanta vez adormeci ouvindo o seu meigo cantar sonoro e brando.
  Quanta vez, à meia noute o seu rugir leonino, o seu ulular majestoso, titânico, de lutador enorme, quanta vez me acordou sobressaltado.
   Em casa tudo dormia, eu bem me lembro; as janelas batidas pelo vento rangiam nos caixilhos, e pela porta, que comunica com a cozinha, vinha uma lufada de ar frio, que parecia trespassar-me, fazendo estrondo incrível.
  Além pela janela que ficava meia aberta, para que a luz do dia nos advertisse da hora a que nos devíamos levantar, entrava de espaço a espaço a claridade sulfurosa, e azulada, de um relâmpago que iluminava sinistramente o quarto. Depois tudo era treva novamente.
   Além do canto do quarto escuro parecia-me que saíam fantasmas de formas horrendas e enormes, cuja cabeça de uma tez avermelhada escura, mais negra que o tijolo, onde sobressaíam dois olhos de um fulgor estranho e uma boca enorme, quase sem fundo com laivos de sangue e grandes dentes irregulares e amarelos, os cabelos empastados e hirsutos, cuja cabeça, digo, parecia erguer-se além do tecto...........................................................................................................................................................
...................................................................................................................................................................
    E o mar serenava por um instante e as sombras iam-se.
    E eu esperava ansioso que ao silêncio se seguisse o seu marulhar sinistro e angustioso, e n'estes momentos tão longos de ansiedade estremecia se o estalar da madeira, ressequida do ar do mar e novamente humedecida da tempestade, se fazia ouvir, ou se, algum prato mal seguro na prateleira, descaía, fazendo ouvir um rumor, quase imperceptível n'outra ocasião e medonho n'aquela.
    E desejava novamente o doido assobiar do vento e o cavo marulhar do mar.
....................................................................................................................................................................
    E ele vinha e com ele, novamente, os fantasmas. Eu tinha medo e gozava ao mesmo tempo...

(C)ratices




Hoje acordei a ouvir dizer que nunca como agora Portugal teve tantos projetos e estudos de investigação científica premiados internacionalmente.

E eu pus-me a pensar: deve ser resultado direto e imediato da aplicação do malfadado método de ensino chamado de “eduquês”, invenção – ou teria sido mesmo descoberta científica naturalmente decorrente do mais que rigoroso método experimental e depois mundialmente reconhecido e aceite? – do atual ministro (C)rato e que tanto maravilhou grande parte dos meus colegas professores elitistas (?) à época zangados com a avaliação do desempenho a que, ao contrário dos restantes funcionários públicos e privados, mostraram ser alérgicos, avessos, direi mesmo, oblíquos. Muito menos provável seria ter algo a ver com o mal-amado Programa das Novas Oportunidades que também tanto incomodou os elitistas – ou serão apenas pseudo elitistas? Ou serão mesmo só provincianos? – deste país.

E aí – não são só as palavras que são como as cerejas, os pensamentos também são! – lembrei-me de um belíssimo artigo do pedagogo Professor Manuel Rangel subordinado ao tema «A obsessãopelos exames» que termina com a seguinte reflexão/queixa: «Vai levar-nos muito tempo a refazer tudo o que o Nuno Crato está a desfazer!»

picosderoseirabrava

FOTOGALERIA ! PASME-SE ! - OLHEM O QUE A POLÍCIA NO DUBAI USA !!!!


Olhem o que a polícia de Dubai usa:

Em Dubai, nos Emirados Árabes, uma das ricas cidades do mundo, a polícia usa carros que muitos de nós, brasileiros, sequer sonhamos conhecer, quanto mais comprá-los. Além de usar até Lamborghinis Aventador - um dos carros mais caros do mercado mundial - você poderá ver mulheres na força policial dirigindo Ferraris. Mas não é só isso. Também tem Aston Martin One-77, AMG Mercedes-Benz SLS, Bentley Continental e Camaro SS. Acontece que de acordo com números publicados na CNN, 15% das multas aplicadas na cidade estão relacionadas à ultrapassagem da velocidade máxima, de 209 km/h, o que justificaria em parte a aquisição de um carro de alta potência. Veja mais fotos dos verdadeiros "bólidos" da Polícia de Dubai na sequência.































Post(s) à beira mar

CAÇADOR DE METEORITOS


O caçador de meteoritos diz que decidiu seguir esta carreira após ter comprado um pedaço de meteoro em sua cidade natal, Tucson, Arizona. Ele ficou obcecado pelo objeto vindo do espaço, então resolveu que iria percorrer o mundo em busca de novos fragmentos. Ele diz que existem milhares de pessoas que usam o tempo livre para a busca, mas apenas cerca de 20 pessoas actualmente fazem disso uma profissão.

A aventura fez com que Farmer já tenha cruzado mais de 70 países, além de contabilizar mais de 50 viagens ao continente africano. O caçador diz que lá é um dos melhores campos para exploração dos fragmentos. Ele cita o deserto do Saara como um dos ambientes mais propícios para recolher pedaços de meteoritos: seu terreno torna a busca e identificação mais simples, além de manter o conteúdo sempre bem preservado.
Michael Farmer ainda conta que, em grande parte dos locais distantes que ele visita, um dos maiores desafios é ter a ajuda de moradores locais para a exploração. Na África, por exemplo, ele diz que em grande parte das comunidades as pessoas não entendem exactamente o que está acontecendo e a maioria não se importa muito com a queda do meteoro.
Entre vários apuros, Farmer já foi inclusive preso, acusado de mineração ilegal. No mesmo ano, em uma exploração no Quênia, ele foi roubado e quase morto. Mas tanto esforço vale a pena: entre todas as buscas, o caçador diz que o fragmento mais caro que ele já vendeu foi por cerca de US$ 100 mil, ou R$ 200 mil.

UM GIFT REAL DUM TSUNAMI ! - PEQUENO MAS IMPRESSIONANTE, É DOS MAIS VISTOS NA NET


Gabinete anti-fraude da UE investiga empresa de Passos

Investigação à Tecnoforma após queixa apresentada pela eurodeputada Ana Gomes


O gabinete da luta anti-fraude da União Europeia (OLAF) abriu uma investigação formal sobre o financiamento, com fundos comunitários, da empresa Tecnoforma, na sequência de uma queixa apresentada por Ana Gomes, indicou à eurodeputada a Comissão Europeia.

A deputada recordou, esta quarta-feira, que, em dezembro de 2012, havia remetido o dossier para averiguação das instâncias da UE na sequência das revelações feitas pela imprensa portuguesa a propósito de alegada má gestão ou fraude na aplicação de fundos europeus por parte da Tecnoforma, na altura em que Miguel Relvas ocupava o cargo de Secretário de Estado da Administração Local, e da organização não-governamental (ONG) Centro Português para a Cooperação (CPPC), fundada pelo atual primeiro-Ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho.

Ana Gomes recebeu hoje uma carta do comissário europeu responsável pelo Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão, entidade competente pela gestão do Fundo Social Europeu, na qual László Andor indica que, em março passado, a OLAF informou o executivo comunitário que efetivamente abriu uma investigação, acrescentando que os seus serviços manter-se-ão em contacto com o gabinete de luta anti-fraude para seguir o caso.

Ana Gomes disse esperar que as autoridades europeias «façam o seu trabalho e averiguem se houve ou não irregularidades sérias, tráfico de influências ou uso fraudulento de dinheiros comunitários».

«Interessa a todos, desde logo aos próprios protagonistas deste caso e ao povo português, saber se o primeiro-ministro e um ex-membro do Governo engendraram ou foram instrumentais num esquema de manipulação de fundos europeus para benefício de uma empresa privada em projetos desprovidos ou defraudantes do interesse público», argumentou.

A 22 de fevereiro passado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) esclareceu que Pedro Passos Coelho não está envolvido nos dois inquéritos judiciais à empresa Tecnoforma, à qual o primeiro-ministro esteve ligado antes de assumir funções governativas.

Em comunicado, a PGR referiu que, em resposta a um pedido de esclarecimento de Pedro Passos Coelho, «correm termos dois inquéritos em segredo de justiça» às «atividades da empresa Tecnoforma».

Sublinhando que as investigações, «não correm, até à data, contra pessoa determinada», a PGR acrescentou que um inquérito estava a ser investigado pelo DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) de Coimbra e que outro se encontrava no DCIAP (Departamento Central de Investigação e Ação Penal).