AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 24 de maio de 2013

A PARVOÍCE DE CAVACO E DE FÁTIMA TAMBÉM CHEGOU A FRANÇA



Homem morto por polícia sueca era imigrante português


O imigrante que esteve na origem dos distúrbios na periferia de Estocolmo, na Suécia, e que foi morto pela polícia é um português de 68 anos, chamado Lenine Relvas Martins. Vivia naquele país há mais de 30 anos e era casado com uma finlandesa.
 
foto JONATHAN NACKSTRAND/AFP PHOTO
Homem morto por polícia sueca era imigrante português
Tumultos em Husby
 
Os agentes da polícia alegaram que haviam sido chamados por populares para conter uma discussão familiar num bloco de apartamentos em Husby, uma localidade próxima de Estocolmo. Segundo afirmam, ao chegarem ao local foram ameaçados com um machado empunhado pelo português e dispararam em defesa própria.
Contudo, segundo declarações de um cunhado de Lenine Martins, Risto Kajanto, o português teria ido jantar com a mulher a um restaurante e, à saída, o casal teria sido importunado por um grupo de jovens. Já em casa, Lenine Martins ouviu a campainha de casa a tocar e, julgando tratar-se novamente dos jovens, pegou numa faca e veio à varanda.
Os polícias foram alvo de críticas por parte dos vizinhos, que afirmaram aos meios de comunicação social locais terem sofrido insultos racistas por parte dos agentes.
Os agentes foram sujeitos à abertura de uma investigação interna da polícia de Estocolmo.
Entretanto, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário, disse à agência Lusa que a polícia sueca ainda não confirnou se o imigrante morto é o português Lenine Relvas Martins.
"Tudo leva a crer, pelo que apurámos e pelo que circula por lá, nomeadamente pelos jornais suecos, que seja efetivamente este senhor, Lenine Relvas Martins, que já está na Suécia desde 1975, que imigrou como torneiro mecânico - não temos a certeza o que fazia neste momento -, e que terá sido morto. Era casado com uma senhora sueca, mas nascida na Finlândia", precisou o secretário de Estado.
No entanto, e de acordo com José Cesário, as autoridades policiais suecas ainda não confirmaram o incidente.
"Contactámos com Helsínquia e Estocolmo, a embaixada em Estocolmo está a acompanhar a situação, já tem falado com a polícia, só que a polícia diz que apenas a partir de segunda-feira poderão falar sobre o caso. E não confirmam", revelou.
Distúrbios acalmam
A polícia deteve, esta sexta-feira, 13 pessoas que provocaram distúrbios, pela quinta noite consecutiva, na periferia de Estocolmo , com o ateamento de fogo em carros e lojas e por confrontos com os agentes.
Segundo a agência de notícias espanhola Efe, os incidentes foram de menor gravidade do que nos dos dias anteriores e, pelas 4 horas da madrugada desta sexta-feira, a situação estava calma nos bairros do sul e do oeste de Estocolmo , onde ocorreram os distúrbios.
Em Älvsjö, oito pessoas foram detidas por vandalismo, ao tentarem incendiar uma esquadra de polícia.
O caso também teve contornos graves em cidades como Tensta, Kista, Rinkeby e Jordbro, igualmente localizadas nos subúrbios de Estocolmo .
Em Husby, local de origem dos primeiros incidentes de há cinco dias, a situação foi mais controlada.
Os locais afetados têm em comum a elevada concentração de população imigrante, com vários problemas sociais, que se agravaram com a política de austeridade implementada há sete anos pelo Governo sueco, chefiado pelo conservador Fredrik Reinfeldt.

Uma palhaçada em Belém


Em entrevista ao Jornal de Negócios, Miguel Sousa Tavares chamou “palhaço” a Cavaco Silva, o que levou o Presidente da República a pedir à Procuradora-Geral da República (PGR) uma avaliação sobre as declarações com incidência sobre um eventual atropelo do artigo do Código Penal que pune qualquer tipo de “ofensa à honra” do chefe de Estado. A PGR vai assim verificar se as declarações de Miguel Sousa Tavares constituem um atropelo àquele artigo. E de acordo com o Código Penal, “quem injuriar ou difamar o Presidente da República (…) é punido com pena de prisão até 3 anos ou com pena de multa”.

Não que eu seja um admirador do Sousa Tavares, mas a realidade é que, neste caso, quem diz a verdade não merece castigo. Parece-me por isso que todos nós, e peço desde já desculpa aos verdadeiros Palhaços que não merecem de forma nenhuma ser associados a tal personagem, por todos os meios que possamos chamemos palhaço ao Sr. Silva. Por voz, escrita ou imagem vamos todos incorrer no tal crime e esperar que o dito palhaço nos acuse de o injuriarmos e difamarmos. Ele que processe o país todo que isso não vai fazer com que deixe de ser aquilo que é. 
 

OBRIGADO PELA VISITA


ESTRANHA COINCIDÊNCIA NÃO É !? MAIS UMA !

MORREM EM CIRCUNSTÂNCIAS ESTRANHAS OS AGENTES QUE CAPTURARAM OS SUPOSTOS TERRORISTAS DO ATENTADO DE BOSTON


Fallecen dos agentes del FBI del grupo que capturó al atacante de Boston




[Todo lo relacionado con los atentados de Boston cada día huele más a podrido y se podría decir que decididamente apesta toda la historia de estos atentados. Desde ODC creemos que dichos atentados han sido llevados a cabo desde dentro del los aparatos de inteligencia yankis con oscuras intenciones]


Los dos agentes del FBI que murieron en extrañas circunstancias la semana pasada formaban parte del equipo de élite encargado de detener a los sospechosos de los atentados de Boston.
Los agentes Christopher Lorek y Stephen Shaw eran miembros del Equipo de Rescate de Rehenes del buró de investigaciones, el mismo grupo que participó en la captura de Dzhojar Tsarnáyev y que abatió a su hermano Tamerlán, los sospechosos de fraguar el atentado de Boston, informó el diario de Virginia 'Pilotonline'.

El FBI se limitó a informar que los agentes especiales murieron el pasado viernes durante un ejercicio de entrenamiento frente a la costa de Virginia Beach, Virginia.

Los medios locales de Norfolk (Virginia) indicaron que los experimentados agentes fallecieron en un accidente durante ejercicios de entrenamiento en los que debían descender en cuerdas desde un helicóptero hacia un barco.


Fuente: http://actualidad.rt.com/actualidad/view/95376-agentes-fbi-ataque-boston

CINCO PAISAGENS BONITAS E PERIGOSAS

O planeta Terra conta com lugares espetaculares, cheios de belezas naturais incomparáveis. Nós que vivemos no Brasil sabemos muito bem disso. E foi pensando em retratar um pouco o que há de mais belo em nosso planeta que o Cracket elaborou esta lista muito interessante.
O site elencou cinco dos mais incríveis lugares da Terra. Entretanto, eles levaram em conta também outro fator: o perigo. Dessa forma, a listagem traz locações que não só apresentam um visual incrível, mas que também podem tirar a sua vida em um piscar de olhos. 

5. Tsingy de Bemaraha National Park – Madagascar

Tsingy de Bemaraha National Park é um parque nacional localizado em Madagascar, na África. O local é protegido pela Unesco, entretanto, não precisa de cercas ou dezenas de guardas florestais para protegê-lo.
Que tal passear nesse parque formado por lâminas de pedra? (Fonte da imagem:Reprodução/Flickr Olivier Lejade)
Ele é formado basicamente por rochas, gigantescas lâminas de pedra que garantem a segurança do lugar. Com mais de 400 quilômetros quadrados, ele é praticamente uma enorme armadilha.
Esses enormes obeliscos de calcário são cheios de lanças pontiagudas capazes de cortar qualquer pessoa, não importando o quão cuidadosos forem os seus movimentos. O parque é tão intransponível que os biólogos o chamam de “biofortaleza”, e sempre que há alguma expedição ao local novas espécies de animais são descobertas.
Este tipo de trabalho, entretanto, é extremamente perigoso. Se a palavra “tsingy” significa algo como “lugar onde você não anda descalço”, utilizar material comum de escalada também não é uma boa ideia.
Rochas por todos os lados (Fonte da imagem: Reprodução/Marco Zanferrari)
Segundo alguns cientistas que realizaram investidas no parque, as rochas são capazes de mastigar cordas e equipamentos com a mesma facilidade que alguém come um pedaço de carne. E uma queda nessas pontas feitas de pedra não deve ser nada agradável, não é mesmo?

4. Boiling Lake – Dominica

Dominica é uma ilha localizada entre Porto Rico e Trinidad e Tobago. Entre as suas principais atrações está um lugar quente, muito quente.
Estamos falando do Boiling Lake, um lago localizado a cerca de 200 pés de profundidade e que, como o seu nome mesmo sugere, conta com água em ebulição, 24 horas por dia, sete dias por semana.
Águas muito, muito quentes. (Fonte da imagem: Reprodução/George Kourounis)
O lugar não conta com aquelas piscinas termais, comuns em vários lugares famosos por permitirem “banhos terapêuticos”. Aqui, a temperatura média da água fica em 197 graus Célsius – isso em medições realizadas na margem do local.
Já no meio do lago, ainda não foram coletados dados precisos sobre as temperaturas atingidas. O calor é tão intenso que algumas pessoas içam tirolesas por cima da água para cozinhar alimentos no vapor.
Ovos cozidos no meio de um lago incandescente (Fonte da imagem: Reprodução/Storm Chaser)
Ficou a fim de ir lá descobrir a temperatura no meio do Boiling Lake? Então tome muito cuidado, pois além da água fervente, existem vários riscos na margem, como o fato de que ali as pedras são bem escorregadias – e um banho no local não é nada recomendado.

3. Bolton Strid, Yorkshire – Inglaterra

À primeira vista, este córrego localizado em Yorkshire (um dos condados históricos mais famosos da Inglaterra) parece inofensivo. Entretanto, o lugar esconde segredos que podem matar qualquer turista desavisado.
As aparências enganam... (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
Basta caminhar ao lado dele para começar a desvendar os seus segredos: antes de apresentar esse aspecto, o riacho é, na verdade, um grande rio chamado Wharfe. Mas para onde vai toda a água?
É aí que está o mistério. Apesar de estreito e com visual calmo e relativamente tranquilo, o lugar conta com águas muito profundas. E essa distância “para baixo” nunca foi medida, uma vez que a correnteza também é muito mais forte do que parece. Além disso, há uma infinidade de cavernas subaquáticas que funcionam como tanques, armazenando toda a água vinda daquele imenso rio.
Talvez por tudo isso, esse pequeno córrego, que parece ser fácil de ser transpassado, apresenta uma taxa de mortalidade de 100%. Isso mesmo, não há notícias de ninguém que tenha sobrevivido a uma queda em suas águas.

2. Triângulo de Afar – África

O Triângulo de Afar, na África, é considerado como um dos pontos mais instáveis de todo o planeta Terra. O lugar fica entre duas placas tectônicas, a africana e a arábica, e as duas estão se distanciando, fazendo com que surja uma grande e impressionante depressão.
Cada vez maior (Fonte da imagem: Reprodução/Harowo)
E não estamos falando de um simples buraco, pois além da crescente profundidade, ele também fica em uma região vulcânica ativa. Dessa forma, alguns dizem ser possível ouvir o barulho do magma incandescente se movimentando embaixo da terra.
Além disso, labaredas de fogo formadas pelo gás inflamável são comuns no lugar, atingindo temperaturas de até 400 graus Célsius. Ou seja, um tombo no Triângulo de Afar pode não só quebrar os seus ossos, mas também cozinhá-lo vivo.

1. Redemoinho de Corryvreckan – Escócia

Os redemoinhos são um fenômeno natural mais famoso nos desenhos animados do que na vida real. Entretanto, essa afirmação pode não ser tão bem aceita assim, pelo menos para os navegadores escoceses.
O redemoinho não para nunca! (Fonte da imagem: Reprodução/Geograph)
O redemoinho é conhecido por ser um dos mais perigosos e violentos de todo o planeta: ele “funciona” eternamente, não dando descanso para nenhuma embarcação. As causas de sua contínua atuação são várias.
Estar posicionado entre duas ilhas ajuda, mas o fator principal é a existência de um grande pináculo, uma espécie de saliência que surge do fundo do mar e vai quase até a superfície. Logo ao seu lado, há uma grande depressão, com quase 70 metros de profundidade.
Dessa forma, complexas forças causadas pela maré, além da formação geológica favorável, fazem com que o Redemoinho de Corryvreckan exista – e não pare nunca de trabalhar.
Você arriscaria? (Fonte da imagem: Reprodução/Seafari)
Em um dia com tempo bom e águas calmas, é possível pagar um barco escocês para levá-lo até perto do turbilhão. Assim, de uma distância relativamente segura, você pode observar o seu comportamento e toda a sua força.
Bem, para quem já enfrentou imensas pedras afiadas, um córrego sem fundo, um lago de água fervente e um buraco que surgiu entre duas placas tectônicas, até que isso parece ser uma tarefa fácil e tranquila...

A Misteriosa Cidade Perdida de Nan Madol

A Misteriosa Cidade Perdida de Nan Madol
Nan Madol é o nome dado ao misterioso complexo arqueológico megalítico localizado à uma curta distância da ilha de Pohnpei, parte da atual Micronésia. Descoberto por desbravadores europeus no início de 1800, ficou conhecida com a Veneza do Pacífico.
A cidade cobre uma área superior a 80 hectares e é composto por mais de cem ilhotas artificiais construídas sobre corais e interligadas através de uma rede de hidrovias construídas por seus habitantes, até hoje desconhecidos.
Nan Madol significa 'o espaço entre elas', referindo-se as ilhotas interconectadas por uma ampla rede de canais.
Nan Madol significa ‘o espaço entre elas’, referindo-se as ilhotas interconectadas por uma ampla rede de canais.
Diversos motivos tornam este complexo de ilhas artificiais um dos maiores mistérios arqueológicos do nosso planeta.
As ruínas de Nan Madol mostram resquícios de uma arquitetura megalítica sem precedentes. Foi construído utilizando gigantescos blocos de basalto, alguns pesando mais de 50 toneladas e alcançando a marca de 10 metros de altura.
Estudiosos estimam que Nan Madol possua cerca de 250 milhões de toneladas de rocha, porém a fonte de origem dessa enorme quantidade de basalto ainda é desconhecida. Como elas foram transportadas até as ilhotas sobre os corais?
Arqueólogos desconhecem o local de origem das rochas.
Arqueólogos desconhecem o local de origem das rochas.
Grandes paredões de rocha   protegia a cidade das ondas do Pacífico.
Grandes paredões de rocha protegiam a cidade das ondas do Pacífico.
Após a Primeira Guerra Mundial, o complexo de Nan Madol foi dominado pelos Japoneses. Eles realizaram um extensivo estudo das ruínas e de uma boa porção da  região sumersa mais próxima. Infelizmente, esse estudo foi perdido durante a Segunda Guerra.
Mergulhadores movidos pelo espírito de aventura, outros em busca de tesouros, regressam de mergulhos em volta de Nan Madol maravilhados com a quantidade de construções perdidas no fundo do oceano. Ainda mais surpreendente foi a descoberta de que as ilhotas mais importantes eram conectadas por meio de túneis sub-aquáticos.
Na mitologia do povo nativo da região é contada uma história sobre a construção de Nan Madol por sacerdotes que magicamente transportavam as pesadas rochas através do ar e as organizavam nas pequenas ilhas.
Os nativos praticamente não visitam Nan Madol, pois existe uma antiga lenda que afirma que a morte é certa para aquele que passar uma noite na cidade.
Algumas teorias alegam que Nan Madol é uma pequena parte remanescente do lendário continente perdido de Mu que teria abrigado uma civilização conhecida como Lemúria… Mas, isso é assunto para outro post.
Hoje em dia as ilhotas estão em sua maioria cobertas por uma floresta densa e os canais invadidos pelo manguezal.
Hoje em dia as ilhotas estão em sua maioria cobertas por uma floresta densa e os canais foram invadidos pelo manguezal.
nan-madol-2
nan-madol-submersa
Uma das inúmeras hidrovias ligando as ilhotas em Nan Madol.
Uma das inúmeras hidrovias ligando as ilhotas em Nan Madol.
nan-madolOcioso

PRESIDENTE DE BRAGA QUER "EXPROPRIAR" A FILHA ...URGENTE?



Paulo Morais já explicou, diversas vezes, os esquemas dos
autarcas para transformar o negócio imobiliário, numa das melhores formas de 
enriquecimento pessoal, rápido, ilícito mas seguro. 
E eis mais um caso que vem a público nas maior impunidade...
O sector imobiliário está em crise... há pouca procura ,
mas a filha do Presidente de Braga, como qualquer
privilegiada com raízes na politica, está acima da crise,
da lei e da vergonha e precisa de dinheiro e de se
desfazer de uns terrenos.
O certo é que como não encontra comprador que pague
o que ela quer, provavelmente o pai, vai fazer o favor de
obrigar a Câmara a comprar o terreno à filha, pelo
preço que ela quer....
Esta também tem sido mais uma conhecida forma
de oferecer dinheiro do estado a amigos. Expropiar por valores elevados, o estado paga, ninguém sabe, ninguém reclama, o povo aceita tudo.
Basta criar a necessidade de a Câmara "precisar "do dito terreno, e já agora
"urgente", quando é urgente paga-se mais... O mandato está a acabar e há que
desenrascar família e amigos. Nada como o generoso estado para oferecer
balúrdios por terrenos de amigos.
O sector imobiliário, do estado, é um negócio tão rentável como o tráfico de droga.
Compram terrenos agrícolas por 100, 200 euros a agricultores idosos e ingénuos.
Depois transformam-nos em terrenos urbanizáveis através do seu poder na autarquia,
alterando o PDM. E valorizam-nos nas ordem dos 200% .

"Câmara de Braga quer instalar pousada em terrenos que há dias eram da filha 
de Mesquita Machado
Imóveis foram vendidos na semana passada a uma imobiliária. A seguir a autarquia iniciou 
processo de expropriação "urgente".
Os imóveis foram vendidos a uma imobiliária da cidade e, quatro dias depois, foi iniciado o
 processo de aquisição dos terrenos situados junto ao Convento das Convertidas, no centro 
da cidade. Os documentos da 1.ª Conservatória do Registo Predial são claros, dando conta 
da transmissão da propriedade dos dois imóveis para a empresa Urbimodarte no dia 30 de Abril .

Os prédios tinham sido comprados, em 2010, pela filha de Mesquita Machado e pelo 
marido, e estão hipotecados, como garantia por um crédito concedido ao casal em 2011, 
com um montante máximo assegurado de 2,7 milhões de euros. Segundo os registos da 
Conservatória de Braga, os edifícios continuam hipotecados. Caso avance o pedido de 
expropriação dos mesmos, a hipoteca será o primeiro elemento a ser liquidado pelo dinheiro 
público envolvido no negócio.
Quatro dias após a venda dos prédios pela filha e o genro de Mesquita Machado, a autarquia 
deu início ao processo de expropriação dos mesmos, num processo declarado “urgente” e 
em que é evocado o “interesse público” da sua localização. O documento será votado na 
reunião do executivo municipal desta quinta-feira.
Entretanto, o caso foi denunciado pelo Bloco de Esquerda (BE) de Braga, que 
divulgou os mesmos documento a que o PÚBLICO tinha tido acesso. O deputado municipal 
do BE, António Lima considera que, por estar em fim de mandato, “Mesquita Machado
 está a ter as últimas oportunidades para desenrascar amigos e familiares” 
e que só essa condição justifica a urgência dado ao processo quando ainda não há 
certezas da existência de financiamento para a Pousada de Juventude. Os bloquistas 
vão comunicar o caso ao Tribunal de Contas e ao Ministério Público. (...)
Dias depois, Mesquita Machado falava num “grande projecto” para o local, envolvendo 
todo o quarteirão. O presidente da Câmara envolveu-se pessoalmente na ideia, tendo
inclusivamente reunido com o Ministério da Administração Interna (a quem pertence o edifício) 
para garantir a sua cedência ao município.  Agora, o autarca não comenta para já este caso, 
devendo apenas pronunciar-se sobre ele amanhã, no final da reunião do executivo municipal 
bracarense." FONTE


ARTIGO COMPLETO: http://apodrecetuga.blogspot.com/2013/05/presidente-de-braga-expropriar-filha.html#ixzz2UCt7ccaN

Internet 

Políticos aconselhados a controlar 'gritos de alma' nas redes sociais
São frequentes as notícias sobre comentários de personalidades do foro político nas redes sociais, designadamente no Twitter e Facebook. Os politólogos consultados pelo Diário de Notícias (DN) aconselham mais calma e ponderação antes de se escrever um ‘post’, mas o deputado socialista José Lello, que recentemente considerou que o primeiro-ministro devia sair do Governo “morto ou vivo”, promete que vai continuar a dizer o que lhe “vai na alma”.
Políticos aconselhados a controlar 'gritos de alma' nas redes sociais
DR
POLÍTICA
“Cavaco quer cumprir o tratado orçamental mas queixa-se da austeridade generalizada em toda a Europa. É oficial: endoidou”, escreveu o socialista João Galamba, no Twitter, no dia 25 Abril, acrescentando horas depois, “discurso miserável de um Presidente. Que vergonha”. A juntar a este exemplo, o também socialista José Lello twittou, a 21 de Maio, “Pai de Passos diz que ‘filho está morto por se ver livre disto’. Os portugueses estão desesperados por se verem livres dele. Morto ou vivo”. Alguns dias antes, a 19 de Maio quando o FC Porto se sagrou tricampeão nacional, o social-democrata Carlos Abreu Amorim não conteve a emoção e escreveu: “Magrebinos: curvem-se perante a Glória do Grande Dragão”.
Porém, esta linguagem “instantânea” é desaconselhada pelos politólogos a quem desempenha cargos políticos, até porque em alguns casos “a imagem dos partidos sai prejudicada”, considera António Costa Pinto em relação, por exemplo, ao que twittou Carlos Abreu Amorim, acrescentando que a linguagem utilizada “não é compatível” com a dimensão das democracias europeias.
Já Adelino Maltez não se espanta com este fenómeno, que entende serem “gritos de alma”. Particularizando os casos anteriormente referidos, o politólogo e professor universitário comenta que Abreu Amorim segue a “linha iniciada no blogue Mata-Mouros”. O mesmo sucede com José Lello, da parte de quem são habituais “este tipo de bocas”. Além disso, salienta ao DN Adelino Maltez, ambos “são criativos em termos vocabulares, faz parte da sua natureza”.
Na opinião de André Freire, os actores políticos devem primeiro “pensar” e depois escrever no Facebook ou Twitter, até porque não raras vezes são obrigados “a pedir desculpa” ou a “desdizer” o que postaram, devido aos “efeitos indesejáveis” que provocaram.
Ainda assim, o deputado socialista José Lello diz não estar “em liberdade condicional” ou “no tempo da PIDE”, garantido por isso que vai continuar a dizer o que lhe “vai na alma (…) com direito ao humor” e até “a algum cinismo”.