NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

sexta-feira, 31 de maio de 2013


Ai a letra P!

Portugal. País paradisíaco porém povoado parcialmente por pessoas pérfidas. País portentoso, pilhado para prover o prazer de poucos privilegiados. Pobre povo pisado, possuído, pervertido, planeando poder partir para patamares posteriores, porém permanecendo prisioneiro de processos paralisantes, putrefactos e pirrónicos.

Presos a partidos políticos, a promessas de prosperidade, a premissas de progresso, permitimos que a peçonha permaneça pairando, putrificando, perpetuando a pena pesada passada pelos principais planeadores da pantomina. Pululam os parasitas, pindéricos, prostitutos, pavões, pisoteando os princípios primordiais para poderem predominar principescamente perante a populaça.

Percorremos passo a passo paisagens preenchidas de pesadelo, pensando o porquê de penarmos para preenchermos percentagens, provermos programas ou princípios pecuniários. O pânico pulsa, o povo padece, os políticos pululam.

Políticos? Pressionem-lhes as partes pudibundas! Políticos? Ponham-lhes pinças nos polegares! Políticos? Pendurem-nos pelo pescoço! Políticos? Partam-lhes os pés! Políticos? Prendam-lhes os pulsos! Políticos? Pobres das progenitoras que permitiram que pusessem os pés no planeta! Políticos? Párias paridos pela peidola!

Perpetuamente pertença do povo,
Pobre Perfumado 

 [EsPero Piamente não Poder vir a ser Processada por causa do Pequeno Palhaço do P lá do toPo...]

picosderoseirabrva

FOTOGRAFIA ARTÍSTICA por: himitsuhana