AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


quarta-feira, 24 de abril de 2013


Massa de frio polar atinge Portugal no fim-de-semana


As temperaturas máximas vão cair na ordem dos 10ºC este fim-de-semana em todo o país, devido à aproximação de uma massa de ar polar na Península Ibérica.  Se na sexta-feira as temperaturas ainda chegam aos 23ºC de máxima e não descem abaixo dos 16ºC em Portugal continental, no sábado e no domingo os termómetros não sobem além dos 14ºC com mínimas que chegam aos 7ºC, segundo informações disponibilizadas no site do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.
Nem o arquipélago da Madeira escapa ao frio e vai mesmo ter uma descida abrupta da temperatura máxima para 17ºC.
No fim-de-semana é a vez de o arquipélago dos Açores ter algum descanso do mau tempo e, apesar de também sofrer uma ligeira descida da temperatura máxima, vai finalmente ter dias sem chuva e com algum sol.
Segundo confirmou à agência Lusa o meteorologista do IPMA Ricardo Tavares, "nos próximos dias vai haver uma alteração do estado do tempo", sobretudo a partir de sábado. A alteração do deve-se, de acordo com o meteorologista, à "passagem de um vale em altitude, que traz uma massa de ar mais fria", que irá provocar uma descida das temperaturas mínimas "na ordem dos 5 a 6 graus" e das máximas "na ordem dos 10 a 12 graus".
SOL

"A REFORMADA"Presidente da Assembleia da República pede respeito pela cerimónia do 25 de Abril



Assunção Esteves pediu a todos para que "respeitem" a sessão solene que se realiza na quinta-feira no Parlamento para assinalar o 39.º aniversário do 25 de Abril. O pedido foi feito durante a conferência de líderes, realizada esta quarta-feira no Parlamento, segundo o porta-voz da conferência, Duarte Pacheco.esidente

A Presidente da Assembleia da República esclareceu que foram convidados para assistir à cerimónia alunos de escolas do ensino básico e secundário para assistirem nas galerias, mas garantiu estarem salvaguardados os lugares para convidados dos grupos parlamentares, como é habitual.
O líder da bancada do PCP Bernardino Soares deu conta de queixas de grupos organizados que pretendiam assistir à sessão, mas que viram o seu pedido recusado por falta de lugar.
A sessão solene do 25 de Abril tem previstas intervenções do Presidente da República e de todos os grupos parlamentares, além de Assunção Esteves.

DOIS ANOS !!!!?????


Isaltino Morais detido à hora do almoço junto à Câmara de Oeiras

Autarca foi detido nesta quarta-feira para cumprir os dois anos de prisão a que foi condenado por fraude fiscal e branqueamento de capitais.

A informação foi confirmada ao PÚBLICO por duas fontes judiciais, apesar de a assessoria de imprensa da Procuradoria-Geral da República não confirmar “neste momento” qualquer informação sobre este caso. 
A detenção ocorreu à hora do almoço junto à Câmara de Oeiras, na sequência do mandado de detenção emitido pela juíza do Tribunal de Oeiras titular do inquérito.
O autarca, antigo magistrado do Ministério Público, encontra-se detido no estabelecimento prisional anexo à sede da Polícia Judiciária, em Lisboa. O PÚBLICO tentou, sem sucesso, contactar o advogado de Isaltino Morais, Rui Elói Ferreira.
Isaltino Morais começou por ser condenado, em Agosto de 2009, a sete anos de prisão efectiva por um crime de corrupção passiva, um de abuso de poder, um de fraude fiscal e um de branqueamento de capitais. Em causa estava, fundamentalmente, o depósito de mais de 1,1 milhões de euros em contas na Suíça, entre 1993 e 2002, que nunca foram declaradas ao fisco. Foi condenado ainda a pagar 463 mil euros ao Estado por fuga ao fisco.
Em Julho de 2010, o Tribunal da Relação reduziu a pena de prisão a dois anos, condenando o arguido por três crimes de fraude fiscal e um de branqueamento e absolvendo-o dos restantes, à excepção do de corrupção passiva, cujo julgamento terá ainda de ser repetido. O mesmo acórdão baixou a indemnização para 197 mil euros.
O arguido recorreu para o Supremo, mas este decidiu, em Abril de 2011, não tomar conhecimento do recurso no que respeita à pena de prisão. Seguiram-se depois vários recursos e reclamações, no total de mais de três dezenas, para várias instâncias judiciais, que Isaltino foi perdendo sucessivamente.  
Isaltino Morais chegou a estar detido perto de 24 horas, entre 29 e 30 de Setembro de 2011, mas foi libertado por se constatar que um recurso que tinha interposto tinha efeito suspensivo.
Em Março deste ano, o Tribunal Constitucional recusou um último recurso do autarca, o que deixou nas mãos do Tribunal de Oeiras a decisão de ordenar o cumprimento da pena de dois anos de prisão efectiva a que foi condenado.