AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 16 de abril de 2013



Um olhar sobre Portugal


Retrato de Eduardo Portugal, um homem cuja paixão foi fixar o país em imagens. 
Sobretudo as da Lisboa entre os anos 30 e 50, de que nos deixou um legado único.

 Eduardo Portugal, retrato de estúdio. 1927.
Fotografou exaustivamente as ruas de Lisboa, em particular entre as décadas de 30 e 50, deixando-nos uma das mais ricas fontes documentais sobre a cidade e as suas transformações durante esse período. Fê-lo sobretudo como olisiponense entusiasta da fotografia, actividade que praticou, de forma quase obsessiva, até ao final da sua vida. O resultado foi um vasto espólio que tem estado a ser organizado nos anos mais recentes pelo Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa.

Senhoras passeando na Rua Garret. sem data.

O homem, Eduardo Macedo d'Elvas Portugal, teve uma vida relativamente curta. Nasce a 2 de Fevereiro de 1900, numa altura em que se começava a propagar a moda dos fotógrafos amadores. Eduardo Portugal deixa-se contagiar profundamente. A fotografia nunca chegou a ser a sua actividade profissional, muito menos a sua fonte de sustento, mas ele foi muito mais do que um mero amador. Encarou-a com grande meticulosidade e determinação, preocupando-se em deixar indicações precisas sobre as imagens que captava com as suas câmaras. Começa cedo. Em 1919 já tinha reunido, num pequeno livro, fotografias de acontecimentos ocasionais como reuniões familiares e de amigos, viagens e retratos. Em 1925 obtém o 5º prémio na Exposição Nacional de Fotografia que decorreu nos Armazéns Grandella. 

Venda ambulante de jornais (Ardinas) no Largo do Conde Barão. sem data.

De início o seu trabalho revela algumas preocupações artísticas, mas em breve vira-se para uma abordagem mais «neutra», de índole documental. Fotografa com a clara intenção de criar registos para a posteridade, ele que após ter frequentado o curso comercial da Escola Académica, começou por ser funcionário do Banco Portuguez e Brazileiro, onde chega a chefe-arquivista. Em 1932, o banco fecha e acaba por ir trabalhar na loja do pai, a chapelaria Portugal e Diniz, situada na Rua Augusta. O estabelecimento, especializado em artigos de senhora, era conhecido como o «Challet das Canas» e havia sido fundada pelo seu bisavô. É justamente o facto de ter passado a trabalhar na chapelaria (que depois da morte do pai passaria a dirigir) que lhe permite ter disponibilidade para se dedicar a sério à fotografia.

Tipos populares na Rua do Capelão. sem data.

A influenciá-lo terão estado as viagens que fez pela Europa, nomeadamente por França, onde conhece o trabalho de outros fotógrafos. Deixa-se fascinar também pela experiência de viajante, o que o leva a corresponder-se com diversas agências de turismo, que lhe enviam os seus folhetos de divulgação. Aí vai buscar inspiração para, à imagem do que se fazia lá fora, tentar dinamizar em Portugal o turismo e a nova «indústria das recordações». Percorre o país a fotografar, faz postais, brochuras, cartazes e diversa literatura de divulgação do património cultural e turístico nacional. O interesse pelo levantamento patrimonial leva-o também a adquirir diversas colecções de fotógrafos portugueses do século XIX.

Venda ambulante de azeite na Mouraria. sem data.

Como fotógrafo a sua produção acabaria por se centrar mais na sua cidade, por cuja história e património nutria grande afecto. Em 1940 adere ao grupo «Amigos de Lisboa», fundado pelo seu primo Luís Pastor de Macedo, autor de inúmeras livros sobre a cidade e antigo vice-presidente da Câmara de Lisboa. A autarquia edita então um guia, que compilava vasta informação produzida por Eduardo Portugal sobre a cidade. O município acaba também por lhe encomendar a cobertura fotográfica das transformações urbanísticas que ocorrem nos anos 40. Com as suas câmaras fotográficas de grande formato (cujos negativos, muitos dos quais em chapa de vidro, lhe permitiam muitas vezes fazer cópias por contacto, sem ter de efectuar ampliações) percorre afincadamente as ruas da cidade que tão bem conhecia. 

Rua da Mouraria vista da Rua do Capelão. 1932 e Rua de São Nicolau. sem data.

Fotografa a construção de novos bairros, demolições, pormenores de edifícios - como lápides ou azulejos -, candeeiros, chafarizes, ruelas, becos de bairros tradicionais ou subúrbios. Também por encomenda, fotografa as instalações da Exposição do Mundo Português. As suas imagens ilustram obras sobre a cidade, de autores como Pastor de Macedo ou Norberto Araújo. Independentemente de haver ou não solicitação de trabalhos, Eduardo Portugal faz continuamente, durante décadas, o retrato das ruas e dos edifícios de Lisboa. É isso que torna singular o conjunto do seu trabalho, distinguindo-o do produzido pelos seus contemporâneos.

Rua Marquês do Alegrete, vendo-se o arco, a ermida de Nossa Senhora 
da Saúde e a Rua da Mouraria. 1949 e Rua Victor Cordon. 1952.

Henrique D'Oliveira Mata - que o auxiliou nas suas incursões fotográficas pela cidade durante os anos 50 - lembra-se dele a correr para as zonas da cidade onde fixava para a posteridade os prédios em risco de demolição. Recorda-o como um homem excêntrico com um feitio complicado, que teve uma «noiva eterna», uma relação que durou até ao final dos seus dias sem nunca ter chegado a casamento. Vivia com o irmão, que era mentalmente diminuído, numa casa na Rua do Salitre herdada dos pais. Dividia os seus dias entre a loja (onde tinha reservado ao fundo uma divisão para os seus trabalhos de fotografia, entre os quais também o de reprodução de diversos documentos), as idas ao grupo «Amigos de Lisboa» e as saídas para fotografar. 

Rua e Travessa de São Tomé. 1953.

Grande conversador, gostava de ir à noite para o café Nicola. «Quando chegava bebia um garoto ao balcão, que era mais barato, antes de se ir sentar à mesa com os amigos. Era muito agarrado ao dinheiro, apesar de não ter necessidade», recorda Oliveira Mata, para acrescentar que «na fotografia, pelo contrário, era capaz de gastar o que fosse preciso. A fotografia era a sua loucura». No Nicola convivia com outros fotógrafos, intelectuais, pintores, músicos e compositores. Daí saíam para irem jogar bilhar. Entre os seus hábitos também se contava a pesquisa de antiguidades. Naturalmente, dava especial atenção aos espólios fotográficos. Desta forma adquiriu parte do acervo do fotógrafo Pouzal Domingos, que começou a inventariar com a ajuda de Oliveira Mata. Depois de mais um dia de trabalho, os dois homens despediram-se: era sexta-feira. Na segunda, quando voltou à loja, Mata soube que Eduardo Portugal tinha falecido, súbita e inesperadamente, na noite de sábado para domingo, enquanto dormia. Estava-se em Junho de 1958 e ainda hoje é desconhecida a causa da sua morte.

Texto e titulo em Expresso
12 de Junho de 2003

Fotos de almoços do Grupo Amigos de Lisboa na Quinta de São Vicente em Telheiras. Na da esquerda vê-se João Villaret a cantar. Na do centro vê-se o actor Vasco Santana a ler e na da direita, o Senhor Almeida, proprietário do restaurante abraça Luís Pastor de Macedo. Junho e Julho de 1942. Clique para aumentar a foto.

Rua de São Lázaro e Igreja do Socorro antes das demolições 
do Martim Moniz, 1949 e Rua Barros Queiroz. 1944.


A história de uma doação

À parte os trabalhos que realizou para a Câmara de Lisboa e colecções de postais que eram vendidas numa papelaria da cidade, todo o vasto espólio de Eduardo Portugal permaneceu, décadas depois da sua morte, com o irmão, João Portugal, na casa onde ambos habitaram na Rua do Salitre. José Luís Madeira, fotógrafo e investigador da história da fotografia em Portugal, tentou ao longo de vários anos ter acesso a ela, para a inventariar. Em Março de 1991 recebeu um telefonema de Rui Macedo, primo do fotógrafo, a informá-lo da morte de João Portugal. Como os dois irmãos tinham falecido solteiros e não deixaram descendentes, havia que encontrar um destino para todo aquele património. Foi nesse contexto que José Luís Madeira conseguiu finalmente ter acesso ao espólio. Quando lá chegou, deparou com uma biblioteca temática sobre Lisboa, dezenas de livros e revistas sobre fotografia e - mais importante que tudo - o arquivo fotográfico de Eduardo Portugal. Surpreendeu-o pela dimensão e pelas informações minuciosas que continha em dois livros de registo. Em termos de imagens eram cerca de 55 mil, não apenas as de autoria de Eduardo Portugal - em provas em papel e milhares de chapas de negativos -, mas também trabalhos de outros fotógrafos, como o de António Novaes, negativos de Bárcia e Paulo Guedes e uma rica colecção de fotografia portuguesa, em grande parte do século XIX. José Luís Madeira aconselhou Rui Macedo a doar o espólio à Câmara de Lisboa, que já detinha, aliás, mais de mil negativos de Eduardo Portugal. O Arquivo Municipal de Lisboa tem estado, entretanto, a proceder ao tratamento de todo esse património, a partir do qual já realizou uma exposição de António Novaes, e agora leva a cabo a primeira retrospectiva de Eduardo Portugal. A história do modo como decorreu a doação é contada por José Luís Madeira, num texto que é acompanhado por uma entrevista ao antigo auxiliar do fotógrafo, Henrique de Oliveira Mata. Relatos que estavam para ser incluídos no catálogo monográfico sobre Eduardo Portugal. Alterações propostas pelo Arquivo Municipal de Lisboa levaram a que as duas partes se desentendessem. Os textos vão ficar de fora.

Expresso, 12 de Junho de 2003

Rua de Belém antes das demolições. 1939.

Rua de São Lázaro. 1955.

Avenida António Augusto de Aguiar, 1949 e Casa Africana na Rua Augusta. sem data.

Quatro caminhos actualmente Rua dos Sapadores. 1953.

Praça da Figueira antes da demolição do mercado. 1949.

Praça da Figueira, arraial. 1950.


Lago do Parque Eduardo VII. 1940. 

Parque Eduardo VII. 1940. 


Panorâmica tirada do Teatro Apolo sobre a Rua da Palma no cruzamento da Rua de São
 Lázaro, antes das demolições, 1927 e Praça da Figueira antes da demolição do mercado. 1949.

Linha férrea de cintura junto do mercado Geral de Gados na Avenida 5 de Outubro. 1944.

Carruagem e carroças no Campo das Cebolas. sem data.




Cais das Colunas visto do rio Tejo. sem data.
Citizen Grave - Para quase todos

PROTESTOS ANTI-TOIKA ESTA TARDE EM LISBOA - UMA MULHER FOI DETIDA POR AGITAR UMA BANDEIRA, ATITUDE QUE A POLÍCIA CONSIDEROU SER DE AGRESSÃO










Plano desestabilizador avança: hordas fascistas assassinam chavistas e incendeiam sedes do PSUV

Plano desestabilizador avança:
hordas fascistas assassinam chavistas e incendeiam sedes do PSUV
Grupos de choque do fascismo opositor, apoiado pelo imperialismo norte-americano e europeu, ocupam ruas e atacam revolucionários e revolucionárias em diferentes cidades venezuelanas.
Venezuela - Hordas fascistas pró-Capriles assassinam a quatro chavistas e incendeiam sedes do PSUV, petrocasas e centros médicos.


Informações preocupantes chegam da Venezuela, confirmando os planos denunciados pelo governo sobre a preparação do ambiente que favoreça um golpe fascista contra a institucionalidade revolucionária.

O apelo do líder direitista Capriles Radonski para que a base social de apoio à burguesia ocupe as ruas do país foi seguido de atuações de grupos fascistas que incendiaram vários Centros de Diagnóstico Integral (CDI), sedes do Partido Socialista Unido de Venezuela PSUV, Petrocasas, moradas de militantes do PSUV, entre outros atos vandálicos.

A sede de TeleSur terá sido rodeada também por grupos de fascistas, que ameaçaram os trabalhadores e trabalhadoras.

Além desses ataques, ao menos quatro pessoas morreram assassinadas em ações dos grupos de fascistas que tentam tomar conta das ruas de diferentes cidades.

Assim, em Táchira, resultou assassinado o ativista chavista Henry Rangel Aroza, segundo revelou o governador Vielma Moura.

Em Miranda, estado governado pelo próprio Capriles, hordas opositoras assassinaram o chavista Luis Ponce.

Na Limonera, município Baruta, outro militante revolucionário faleceu como resultado de ataques perpetrados por hordas pró-Capriles.

Em Palo Verde, ao este de Caracas, foi incendiado outro centro médico (CDI).

Nos setores Oropeza e Trapichito de Guarenas, opositores atacaram um CDI e os médicos cubanos que fazem serviço internacionalista na região.

A ordem de ataque a CDIs veio do jornalista opositor Nelson Bocaranda, que ordenou aos seus 1.2 milhões de seguidores atacar um CDI com o suposto pretexto de que medicos cubanos ocultam caixas com votos.





Segundo denunciam moradores e moradoras, a polícia de Baruta estão utiliando franelas vermelhas para indicar alvos ligados ao chavismo e realizar ataques contra pessoas e bens de simpatizantes revolucionários.

Também estão sendo incendiadas instalações de petrocasas em Flor Amarelo, Maracay, CDIs, sedes de Mercal... por hordas fascistas llideradas por Richard Mardo, denunciou Mario Silva.

Na Trigaleña entraram mas de 150 pessoas ao CDI, denunciou o governador Ameliach, quem despregou um operativo anti-golpista.

Em San Cristóbal, queimaram a sede do PSUV, atacaram várias emissoras comunitárias e provocaram uma morte em Santa Ana, do militante do PSUV, Henry Rangel, atacaram CDIS, Mercales e atacaram casas de habitação de militantes do Psuv em várias localidades do estado Táchira, denunciou o governador Vielma Moura.

Em Anzoátegui queimaram a casa do PSUV em Barcelona, depois passaram motorizados e dispararam.

"Em andamento uma tentativa de golpe de estado", assegura Maduro

O presidente Nicolas Maduro já denunciou a existência de um processo de ativação de um plano golpista, que tenta bloquear o acesso da população aos alimentos e empreender uma "guerra brutal" contra o chavismo.

Os aparelhos mediáticos da grande burguesia no interior do país e a nível internacional ativaram uma campanha de acusações contra o processo eleitoral venezuelano, contribuindo para os planos de desestabilizaçom pilotados pela CIA norte-americana para tentar derrubar o governo e o processo revolucionário em curso.

O plano foi ativado logo que o CNE proclamou Nicolás Maduro como presidente após conseguir sete milhões 563 mil 747 votos (50,75 por por cento) face ao candidato antichavista, que obreve sete milhões 298 mil 491 votos (48, 97 por cento).

Contrariamente ao que sucede nos estados capitalistas que dirigem a campanha antichavista, o processo eleitoral venezuelano contou com equipes de observadores internacionais que certificaram a limpeza e as garantias do mesmo.





Com Aporrea e outros.

RTP Politicos Reformas aos 40 Anos

                            

Outros Relacionados:
Reformas dos Políticos/Salazar adora                     Reforma da Presidente do Parlamento
As Mentiras de Passos sobre as Pensões                 Reformas na Suíça
Quem Paga o Estado Social Raquel Varela               Escândalos deste rectângulo à Beira Mar
Reformados e Pensionistas os Mal enterrados           Salários Milionários Catroga e Mexia
Afinal a que Pensionistas se Referia Passos              Salários do Políticos em Portugal
Pensões Corte de 4,78% iniciadas em 2013              Reformas por António Alves Caetano



MANUEL DE OLIVEIRA, 103 ANOS, TRABALHA; 
ASSUNÇÃO ESTEVES, 42 ANOS REFORMADA - 2ª FIGURA DO ESTADO
(DESCUBRA AS DIFERENÇAS)
É filha de Manuel Esteves, militante do Partido Popular Democrático - Partido Social-Democrata, o qual acompanhava aos plenários das concelhias, onde desde cedo demonstrou o seu interesse pela política.[2]
É licenciada em Direito (1980) e Mestre em Ciências Político-Jurídicas pela Faculdade de Direito de Lisboa (1989). Assunção Esteves é membro da Sociedade Portuguesa de Filosofia. [4]
Foi a primeira Juíza Conselheira do Tribunal Constitucional de Portugal(AOS 33 ANOS)  função que exerceu entre 1989 e 1998. Está neste momento reformada desse cargo (9 ANOS DE SERVIÇO = REFORMADA).[5]
Foi Assistente de Direito Público na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em Direito Constitucional e Direitos Fundamentais entre 1989 e 1999.
(COMO É QUE CONSEGUE ACUMULAR SER ASSISTENTE NA FACULDADE E JUÍZA NO TC?)

Política

Eleita Deputada pela primeira vez em 1987, na primeira maioria absoluta do PSD durante a liderança de Cavaco Silva. 
(COMO É QUE CONSEGUE ACUMULAR SER ASSISTENTE NA FACULDADE E JUÍZA NO TC E DEPUTADA?)
Em 21 de Junho de 2011, foi eleita sob proposta do PSDPresidente da Assembleia da República de Portugal, da XII Legislatura; com 186 votos, 41 em branco e 1 nulo. É a primeira mulher a ocupar o cargo de Presidente da Assembleia da República, a segunda figura do Estado Português.[6]
(NÃO RECEBE O SOLDO DO CARGO DA AR PARA RECEBER A CHORUDA REFORMA DE 9 ANOS DE TRABALHO NO TC)

Viriato à pedrada

ESPECTÁCULO - DELICIE-SE ! ESTA É A MAIS EXTENSA FOTOGALERIA QUE O DESENVOLTURAS & DESACATOS PUBLICOU ATÉ HOJE ! VEJA ESTAS FOTOS MARAVILHOSOS E SINTA-SE COMO SE ESTIVESSE LÁ !


A incrível parceria dos golfinhos e pescadores em Laguna

Flagrante aéreo da Praia do Mar Grosso, com os Molhes
da Barra e a Lagoa Sto Antônio aos fundos
Muito embora também se tenha registo de forma esporádica deste tipo de "união" em algumas desembocaduras de rios mais ao Sul do Brasil, como na do Araranguá, ainda em Santa Catarina, e no Mampituba em Torres, e na Barra do Rio Tramandaí, em Tramandaí, ambas as praias no litoral norte do Rio Grande do Sul, o espetáculo anual, habitual e permanente da pesca com o auxílio de golfinhos (botos, para os brasileiros) só existe em três lugares do mundo: na costa da Austrália, na Mauritânia, país do continente africano, e em Laguna, Santa Catarina, mais precisamente na Barra dos Molhes, onde as águas do Rio Tubarão e da Lagoa Santo Antônio atravessam o canto Sul da cidade histórica onde nasceu Anita Garibaldi, para desaguar no Oceano Atlântico. É na temporada da tainha, que a parceria se torna mais freqüente e os pescadores passam o dia inteiro na água à espera dos cardumes trazidos pelos golfinhos. Com o auxílio dos alegres cetáceos, os pescadores chegam a capturar mais de 80 tainhas de uma só vez. Sem dúvidas de Laguna vem um belo exemplo de cumplicidade entre homem e animal. Basta os golfinhos ajudarem os pescadores a encher a rede de tainhas, que a parceria vira um espetáculo para encantar os turistas que ficam horas e horas esperando o espetáculo acontecer. Quando os golfinhos dão o sinal, as tarrafas começam a cair em sequência. 
A convivência é tão forte que cria intimidade e cada golfinho é chamado pelo nome. Os pescadores conseguem não só identificar os indivíduos, como também os comportamentos que eles adotam, indicando a presença ou não de peixes na área. Esse nível de interação é único e ocorre somente na Barra dos Molhes. Em 1997, os golfinhos foram declarados patrimônio natural da cidade.
Em Laguna encontra-se uma quantidade de aproximadamente 50 golfinhos. Estes são conhecidos pelos pescadores locais, que os chamam pelos seus apelidos. Os golfinhos aprenderam a interagir com os pescadores, ajudando a "empurrar" os peixes em direção aos pescadores na margem da barra, que atiram suas tarrafas. Por sua vez os peixes que escapam das tarrafas são facilmente capturados pelos golfinhos. Não se tem precisão sobre o início da pesca com o auxílio dos golfinhos em Laguna. Sabe-se que é secular. Os pescadores mais antigos dizem que por volta de 1930 já existiam golfinhos velhos como Fandango, Chinelo, Judeu, Rampeiro, Alumínio, Cego, Boto Branco, Cisne Branco, Cisne Pequeno. Daí por diante foram se multiplicando. A cada ano de 3 a 5 novos golfinhos habitam a região. A partir da década de 50 os golfinhos mais velhos foram misteriosamente desaparecendo, e surgindo outros novos, tais como como Galha Torta, Galha Cortada, Marusca, Prego, Riscadeira, Borrachinha, Caróba, Lindinho, Figueiredo e outros. 
Este post é uma coletânea de fotos que serve como homenagem ao fotógrafo lagunense Ronaldo Amboni,ele que passa dias e dias às margens da Barra só para pegar os flagrantes da união entre golfinhos e pescadores. São mais de 100 fotos para você se deliciar. Sendo que as 11 primeiras foram tiradas na tarde de hoje, acreditem, dia 15 de abril de 2013. 











O fotografo Ronaldo Amboni 


FOTOS TIRADAS EM OUTROS DIAS. 
ALGUMAS ATÉ NO ANO PASSADO 










































































































Post(s) à beira mar