AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


terça-feira, 19 de fevereiro de 2013



Conversa de café – No fundo, no fundo...


Caí acidentalmente no meio de uma animada conversa de café/tasquinha. Pela profusão de jornais desportivos sobre a mesa, via-se que era esse o assunto principal, embora tivessem decidido fazer uma pausa para a actualidade política.
Não direi a militância partidária, mas pelo menos as simpatias políticas, estavam bem evidentes nas “bocas” à volta da carta de Seguro à troika.
- Vocês, também... criticam o homem por tudo...
- Ó pá... mas achas que aquilo da carta vale o quê?! Se ele é tão do contra, porque é que nunca põe os pés numa manifestação contra a troika e essa ladroagem toda do Coelho e do Gaspar...
E um terceiro, filosoficamente:
- Eles lá no fundo, no fundo... entendem-se todos!
E eu, naquele registo de voz entre o aparte e o meter-me na conversa alheia:
- Então, se calhar... o melhor era mandá-los ao fundo de vez...
“Você esteve naquela coisa da Grândola, na Assembleia!!!” Estive – comfirmei. Rimo-nos todos um bocado. Foi bom! Andamos todos a precisar de um riso que deixe (e crie) espaço para o pensamento.

Obs:  Obrigado ao Nuno Gomes dos Santos, que me "deu" a fotografia...


Poema temperamental de Joaquim Pessoa

Ó caralho! Ó caralho!
Quem abateu estas aves?
Quem é que sabe? quem é
que inventou a pasmaceira?
Que puta de bebedeira
é esta que em nós se vem
já desde o ventre da mãe
e que tem a nossa idade?
Ó caralho! Ó caralho!
Isto de a gente sorrir
com os dentes cariados
esta coisa de gritar
sem ter nada na goela
faz-nos abrir a janela.
Faz doer a solidão.
Faz das tripas coração.
Ó caralho! Ó caralho!
Porque não vem o diabo
dizer que somos um povo
de heróicos analfabetos?
Na cama fazemos netos
porque os filhos não são nossos
são produtos do acaso
desde o sangue até aos ossos.
Ó caralho! Ó caralho!
Um homem mede-se aos palmos
se não há outra medida
e põe-se o dedo na ferida
se o dedo lá for preciso.
Não temos que ter juízo
o que é urgente é ser louco
quer se seja muito ou pouco.
Ó caralho! Ó caralho!
Porque é que os poemas dizem
o que os poetas não querem?
Porque é que as palavras ferem
como facas aguçadas
cravadas por toda a parte?
Porque é que se diz que a arte
é para certas camadas?
Ó caralho! Ó caralho!
Estes fatos por medida
que vestimos ao domingo
tiram-nos dias de vida
fazem guardar-nos segredos
e tornam-nos tão cruéis
que para comprar anéis
vendemos os próprios dedos.
Ó caralho! Ó caralho!
Falta mudar tanta coisa.
Falta mudar isto tudo!
Ser-se cego surdo e mudo
entre gente sem cabeça
não é desgraça completa.
É como ser-se poeta
sem que a poesia aconteça.
Ó caralho! Ó caralho!
Nunca ninguém diz o nome
do silêncio que nos mata
e andamos mortos de fome
(mesmo os que trazem gravata)
com um nó junto à garganta.
O mal é que a gente canta
quando nos põem a pata.
Ó caralho! Ó caralho!
O melhor era fingir
que não é nada connosco.
O melhor era dizer
que nunca mais há remédio
para a sífilis. Para o tédio.
Para o ócio e a pobreza.
Era melhor. Com certeza.
Ó caralho! Ó caralho!
Tudo são contas antigas.
Tudo são palavras velhas.
Faz-se um telhado sem telhas
para que chova lá dentro
e afogam-se os moribundos
dentro do guarda-vestidos
entre vaias e gemidos.
Ó caralho! Ó caralho!
Há gente que não faz nada
nem sequer coçar as pernas.
Há gente que não se importa
de viver feita aos bocados
com uma alma tão morta
que os mortos berram à porta
dos vivos que estão calados.
Ó caralho! Ó caralho!
Já é tempo de aprender
quanto custa a vida inteira
a comer e a beber
e a viver dessa maneira.
Já é tempo de dizer
que a fome tem outro nome.
Que viver já é ter fome.
Ó caralho! Ó caralho!

Ó caralho!





A Contenda

Pastor, me chamo Ivete da Cruz, tenho 22 anos, sou casada em Cristo e moro na cidade de Goiânia(GO). Meu esposo , o Zé, trabalha como servente de pedreiro, sem carteira assinada, e ,muitas vezes, fica parado sem receber. Por isto dou graças ao senhor e a Igreja por terem nos ajudado a conseguir o "Bolsa Família" que ajuda a sustentar nossos 6 meninos e dá a chance da gente sempre contribuir com o vízimo semanal, que agrada tanto a Deus.

Como toda mulher cristã, eu dedico-me aos cuidados do lar e de meu marido, obedecendo suas palavras como Lei. No mês passado, ele veio com uma estória de que tinha sonhado com João Batista( apóstolo de Jesus que escreveu o livro do Apocalipso) que dizia-lhe o número 7. Zé decidiu, contra a minha vontade, que ia comprar uma rifa de uma porca de 200kg e pediu ao seu irmão, que também é nosso vizinho, o Oséias, para comprar o número 7 pra ele, dizendo que mais tarde pagava o bilhete. A noite, meu marido chegou em casa e esqueceu-se de ir pagar-lhe a rifa. No seguinte dia, o Zé descobriu que o 7 foi sorteado e seguiu para a casa do irmão. Meu cunhado já tava de posse da porca e não queria entregar. Foi a maior fuzarca de todas já que o homem dizia que "com o dinheiro dele pagou a rifa e que o prêmio é dele".


A briga continuou por semanas, o Ozeia chegou a esconder a porca nalgum outro lugar pro Zé não colocar as mãos nela. E nisso , duas famílias cristãs ficaram sem se falar por um bom tempo. Meus 2 meninos mais velhos, o Creldismar de 10 e o Cevrolete de 9 , ficaram proibidos de brincar com as filhas do Ozéia, a Jabislene de 12 e a Gloriaopai 15, e olha que eles gostavam tanto de brincar de médico com as primas...

Certo dia , meu esposo acabou de beber uma latinha de cerveja( sem álcool) e , como de costume, atirou a lata pela janela. Sem querer, ele acertou a cabeça do Ozéia que, fulo, arrebentou os nossos cabos de luz. Deu um trabalhão contratar outro eletricista para recolocar os gatos. Decidido a fazer o irmão pagar, Zé jogou veneno no galinheiro dele, matando todas as 20 galinhas. Isso não ficou barato. Meu cunhado pegou nosso cachorro Fido e esquartejou o pobre, jogando os pedaços na nossa porta. O Zé, então, pegou um pedaço de pau e aplicou uma surra no Estanislau, menino mais novo, de 6 anos, do Ozéia. Até ai foi só uma briguinha entre irmãos. Mas o meu cunhado, espumando de raiva pelo que o Zé tinha feito co menino, ateou fogo a nossa casa. O fogo foi tão forte que queimou não só a nossa casa mas se alardeou por todas as da rua , exclusivio a dele.


N'outro dia pela manhã, logo depois de tudo ter se queimado, o Pastor Jucilei, pastor da Igreja que nossa família e a do meu cunhado frequentam, apareceu lá por nossa rua , para nos amparar. Ele perguntou-nos porque tinhamos sumido da Igreja e meu esposo lhe explicou a estória toda. O pastor decidiu que , como o sonho havia sido enviado pelo espírito santo, que a porca deveria pertencer a Deus , ou seja , deveria ser dada a Igreja. E só assim o Ozéia arredou o pé da porca e entregou para a Igreja.

Hoje, nossas famílias já estão reconciliadas em nosso Senhor. Aleluia! Tanto é que nós vivemos juntos no mesmo barraco que montamos embaixo da ponte, dando louvor unidos ao som de Nelson Ned!

Glória a Deus!

Igreja do primeiro impacto
só não vai para o céu quem não quer

VOCÊS TIRARAM-ME TUDO

Mulher imola-se no interior de uma dependência bancária


por Lusa
In Diário de Notícias

Uma mulher está em estado grave, com queimaduras em metade do corpo, depois de ser ter imolado, por motivos ainda não conhecidos, no interior de uma dependência bancária em Almassora, na região espanhola de Valência.

Fontes policiais e dos serviços de emergência da Generalitat (governo regional) valenciana explicaram que se trata de uma mulher de 47 anos que está em estado grave na unidade de cuidados intensivos do Hospital la Fe, em Valência.
A mulher foi transferida para esta unidade num helicóptero médico, depois de receber cuidados médicos iniciais na própria entidade bancária.
Segundo as fontes policiais, a mulher terá entrado na entidade bancária e, pouco depois deitou sobre si própria um líquido inflamável que incendiou.
Não houve, além da mulher, qualquer vítima a registar na entidade bancária, que foi, minutos depois, evacuada pelos bombeiros, tendo as equipas médicas prestado apoio à vítima antes da sua transferência para Valência.
Citando fontes da Guarda Civil, o jornal El Pais refere que no momento em que as equipas médicas a retiravam da sucursal, a mulher gritou "Vocês tiraram-me tudo!".

A especiaria

coisas sem préstimo vão para a sucata




 

O jornal Expresso deste fim de semana dizia-nos que:
 
"Há 1350 empregos destruídos todos os dias"
"Mais de 120 mil sem trabalho, nem forças para o procurar porque entram em depressão clínica."
"A falta de trabalho atinge já 1.2 milhões de pessoas."

Em consequência desta situação já há muitos suicídios, muitas famílias destruídas.
 
Como assim, em nome de Deus, quem nos governa consegue dormir descansado e dizê-lo sem um mínimo de desconforto, sem que qualquer músculo da cara denuncie uma emoção qualquer, sem um pestanejar nervoso. Nada.
 
Será  que em vez de governantes humanos, temos extra-terrestres?
Porque os humanos têm coração, que esta gente não tem, de certeza.

Talvez, em sua substituição, tenham um pedaço de lata , já enferrujado sem préstimo nenhum.

E as coisas sem préstimo vão para a sucata.



do Com Calma... 

PS Os jovens socialistas que querem derrubar Seguro
Apesar da unidade anunciada em Coimbra, há um grupo de socialistas insatisfeitos com actual direcção de António José Seguro e que, por isso, já começou a preparar um assalto à liderança. Conhecidos por ‘jovens turcos’, este grupo é acarinhado pelo histórico do PS, Mário Soares, revela a edição desta segunda-feira do jornal i.
Os jovens socialistas que querem derrubar Seguro
DR
POLÍTICA
Coimbra não afastou os ‘opositores’ de António José Seguro. O jornal i conta hoje que há um novo grupo de insatisfeitos que, apesar de não se reunir no sótão como aconteceu no início dos anos 80 na casa de António Guterres contra o líder socialista Mário Soares, já começou a preparar um assalto à liderança.


São conhecidos por ‘jovens turcos’ e, por enquanto, o seu ataque é mais no conteúdo do que na forma, dado que ainda estão a acertar pormenores sobre como vão avançar com a sua liderança alternativa, sendo que, acrescenta o i, está fora de questão que dali saia um candidato a líder neste momento.
Assim sendo, restam duas hipóteses a este grupo de jovens socialistas: avançar com uma moção sectorial ao congresso do PS de 26, 27 e 28 de Abril; ou, apresentar um documento conjunto.
Dos ‘jovens turcos’ fazem parte Pedro Nuno Santos (ex-líder da Juventude Socialista e antigo vice-presidente da bancada parlamentar do PS), João Tiago Silveira (antigo secretário de Estado da Justiça e da Presidência), Pedro Delgado Alves (ex-líder da JS), Duarte Cordeiro (antigo líder da JS), Ana Catarina Mendes (deputada e ex-vice presidente da bancada parlamentar), Sérgio Sousa Pinto (antigo deputado no Parlamento Europeu), e João Galamba (deputado e coordenador do PS na Comissão de Orçamento e Finanças).
Estes socialistas, revela o i, são acarinhados pelo histórico Mário Soares, que curiosamente foi 'vítima' da pressão de um grupo semelhante, do qual acabaram por sair três líderes do PS: Vítor Constâncio, Jorge Sampaio e António Guterres.


Rezemos por Jardim Gonçalves e os seus 167 mil euros



Não sou pessoa para fazer piadas fáceis com o que os outros ganham e menos ainda com 
as convicções religiosas de cada um. Mas um homem, católico ao ponto de ser do Opus Dei, 
mostrar-se incapaz de abdicar de parte de uma reforma de 167 mil euros quando o banco 
que fundou está em extremas dificuldades, só pode ter um significado: precisa que rezem por ele.
Esse homem, o Eng.º Jardim Gonçalves, não foi o único (longe disso) causador da atual desgraça 
do BCP. Mas só pode olhar cada pequeno acionista do banco, olhos nos olhos, sem 
sentir vergonha, se não tiver vergonha! Pessoalmente, não sou parte interessada, 
embora por razões várias detenha (há muitos anos) 500 euros de ações do banco, que 
valem agora cerca de 63 euros. Imagino aqueles que investiram não 500, mas 5000 ou 
50 mil, ou mais. Não falo dos grandes acionistas a quem Jardim Gonçalves poderá ter dado 
muito dinheiro a ganhar (e talvez por isso se sinta no direito de ganhar uma reforma pornográfica); 
falo dos milhares de pequenos acionistas que perderam o que tinham.
Pode ser que Jardim Gonçalves siga a máxima bíblica de dar a quem precisa no anonimato 
("não saiba a tua mão direita o que faz a esquerda"). Mas eu não creio. A perceção que 
dele se vai tendo, à medida que se vai sabendo do processo (ontem o BCP e o 
seu atual presidente, Nuno Amado, perderam em tribunal a possibilidade de lhe cortar a pensão) 
é a de um homem arrogante, inflexível e de um auto convencimento incrível
Um daqueles que dificilmente se salva. É bom que rezem por ele. 


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/rezemos-por-jardim-goncalves-e-os-seus-167-mil-euros=f788143#ixzz2LLS4Byp1

Assalto milionário no aeroporto de Bruxelas

Oito homens armados levaram diamantes no valor de dezenas de milhões de euros. Fugiram em duas viaturas. Uma delas foi encontrada mais tarde, incendiada.
Os homens entraram no aeroporto, em duas viaturas, através da vedação BRUNO FAHY/AFP

Uma carrinha de uma empresa de transporte de valores foi na noite desta segunda-feira assaltada no aeroporto de Zaventem, em Bruxelas, por um grupo de homens armados que conseguiram levar – sem que um único tiro fosse disparado – um cofre que continha ouro e diamantes.
“Podemos confirmar que às 19h47, vários indivíduos penetraram no recinto do aeroporto a bordo de dois veículos que atravessaram as vedações”, confirmou o aeroporto de Bruxelas num comunicado.
A carrinha estava estacionada junto a um avião da Swiss Air que tinha como destino Zurique, na Suíça. Os funcionários da empresa de transporte de valores estavam a transferir para o aparelho cofres quando a carrinha foi atacada. Três minutos depois já os assaltantes fugiam com os cofres, que continham ouro e dez quilos de diamantes, de acordo com a imprensa belga. 
Tudo aconteceu minutos antes da descolagem. Os passageiros já estavam no interior do avião, mas ninguém saiu ferido, não foi disparado um único tiro, apesar do aparato: os oito homens estavam "fortemente armados", dizem as informações disponíveis na imprensa belga, munidos com armas automáticas com miras laser.
 O voo daquele avião da Swiss Air com destino a Zurique foi anulado, mas o assalto não causou outras perturbações no tráfego aéreo.
Um dos carros em que os assaltantes conseguiram fugir pela vedação danificada foi encontrado não muito longe do aeroporto, incendiado, adiantou a polícia local, citada pelo jornal belga Le Soir.
Ao que apurou a televisão pública VRT, o valor do produto roubado ascende aos 350 milhões de euros. O Centro Mundial de Diamantes de Antuérpia (AWDC, na sigla em inglês), que representa o comércio de diamantes na região de Antuérpia, avançou entretanto que terão sido roubados cerca de 37 milhões de euros em pedras preciosas. Não foi ainda revelado o valor em ouro que também terá sido levado no assalto.
"São diamantes em bruto vindos de Anvers e com destino a Zurique, na Suíça", explicou a porta-voz do AWDC, Caroline De Wolf, citada pela estação de televisão belga RTL. 
A responsável, que não revelou a identidade dos fornecedores e compradores das pedras preciosas, admitiu que este foi um dos maiores roubos de diamantes alguma vez registado. A RTBF, a rádio televisão belga francófona, lembra que este é o quinto assalto semelhante no aeroporto de Zaventem, o último em 2011.
A porta-voz do Antwerp World Diamond Centre sublinhou que o transportes de fundos e objectos de elevado valor para o estrangeiro é diário. A porta-voz do AWDC questiona, no entanto, como "uma viatura pode ter acedido facilmente ao terminal do aeroporto".
O aeroporto de Bruxelas garantiu que as regras de segurança são "estreitamente respeitadas e controladas frequentemente, tanto pelas autoridades belgas bem como pelas europeias". Por isso, é surpreendente que isto tenha sido possível", afirmou Jan Vandercruyse, porta-voz do aeroporto, em declarações à rádio Bel RTL.




Carne de cavalo detectada em lasanhas da Nestlé em Portugal


As massas recheadas Buitoni, da Nestlé, que estão a ser retiradas dos supermercados espanhóis e italianos por conterem vestígios de carne de cavalo não estão à venda em Portugal. Mas há uma lasanha pré-cozinhada em que é utilizada carne do mesmo fornecedor que é comercializada no país, adiantou ao PÚBLICO o gabinete de comunicação do grupo.
O produto em questão não está disponível nos supermercados, é de venda exclusiva para hotelaria e restauração. A Nestlé Portugal não dispõe, para já, de informação sobre em que locais poderiam estar a ser servidas estas refeições, e sublinha que já estão a ser retiradas do mercado.
“Não se trata de um problema de segurança alimentar”, sublinha o gabinete de comunicação da empresa de produtos alimentares. “Aqui a questão é de fraude, tanto quanto se sabe à escala europeia. E a Nestlé faz a sua investigação aos seus produtos.”
Por enquanto, o único em que foram detectados vestígios de carne de cavalo – apenas 1% – foi esta lasanha da Nestlé Professional, fabricada em França, com carne fornecida pela empresa alemã H. J. Schypke, com quem a gigante suíça já suspendeu as relações comerciais.

Horas antes, a Nestlé tinha anunciado que os ravioli e tortellini de carne da Buitoni estavam a ser retirados dos supermercados espanhóis e italianos depois de, em testes para despistar a presença de ADN de cavalo nos produtos, se ter descoberto que continham vestígios daquela carne.

Num comunicado, a empresa explica que “os níveis detectados estão acima do limite dos 1% que a Agência para a Segurança Alimentar do Reino Unido definiu para uma provável adulteração ou negligência grosseira”.

PGR abre inquérito disciplinar a Cândida Almeida e informa-a que vai deixar liderança do DCIAP

Em causa está uma fuga de informação relativamente a reuniões entre Joana Marques Vidal e alguns magistrados

Na passada sexta-feira, a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, chamou ao Palácio Palmela, em Lisboa, três procuradores do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), incluindo a directora Cândida Almeida, para os informar que iria abrir um inquérito disciplinar aos três magistrados por causa de uma fuga de informação. À margem do encontro informou Cândida Almeida que não a iria reconduzir na comissão de serviço como directora do DCIAP, o departamento do Ministério Público especializado na investigação da criminalidade violenta, altamente organizada ou de especial complexidade.

Por sua vez, Cândida Almeida informou nesta segunda-feira os seus colaboradores que vai abandonar a liderança do DCIAP — um cargo que ocupa há quase 12 anos — já no início de Março, altura em que seria necessário renovar a sua comissão de serviço.
Esta mudança era esperada desde que Joana Marques Vidal tomou as rédeas da Procuradoria-Geral da República, mas mesmo dentro dos colaboradores mais directos de Cândida Almeida havia quem ainda tivesse esperança que a magistrada conseguisse ser reconduzida.
A última renovação de serviço da directora do DCIAP, em Janeiro de 2010, aconteceu já num clima polémico por causa das críticas do anterior presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, João Palma, ao trabalho do departamento mais importante do Ministério Público.
O DCIAP investiga actualmente muitos casos sensíveis, como vários inquéritos por suspeitas de branqueamento de capitais que envolvem altas figuras do Estado angolano, duas megafraudes fiscais (o caso Monte Branco e a operação Furacão), vários processos sobre a bancarrota do Banco Português de Negócios e uma investigação às privatizações da EDP e da REN.
Curiosamente, estes casos são investigados por dois magistrados, Rosário Teixeira e Paulo Gonçalves, que foram chamados na sexta-feira por Joana Marques Vidal para esta lhes comunicar que vão ser visados num inquérito disciplinar por causa de uma alegada violação do segredo de justiça.
Em causa está uma notícia publicada pelo semanário Expresso, a 12 de Janeiro, intitulada “Processo de Angola vai acelerar”, em que se adiantava na entrada que a procuradora-geral tinha pedido aos titulares daqueles processos “para concluírem as investigações” com rapidez. A notícia relatava vários encontros entre Joana Marques Vidal e alguns procuradores titulares dos casos mais sensíveis que estão em investigação. O Expresso escreveu que participaram nas reuniões Cândida Almeida, Paulo Gonçalves e Rosário Teixeira.
Cândida Almeida foi a primeira mulher magistrada do país e, aos 63 anos, é a procuradora mais antiga do Ministério Público, tendo chegado ao topo da carreira do Ministério Público há 22 anos. Ganhou notoriedade ao assumir a acusação no caso FP-25.
Por ser a directora do DCIAP e a magistrada mais antiga do Ministério Público em funções, a procuradora-geral da República teve que pedir a um inspector reformado para vir instruir o inquérito disciplinar, que vai ser conduzido por Gil Felix Almeida.
O procurador-geral adjunto já tinha instruído um outro processo disciplinar a Cândida Almeida por causa das perguntas que os titulares do processo Freeport, Vítor Magalhães e Pais de Faria, deixaram no despacho final do processo dirigidas ao então primeiro-ministro, José Sócrates. O processo terminou arquivado.