AVISO

O administrador deste blogue
não é responsável pelas opiniões
veiculadas por terceiros
nem a sua publicação quer dizer
que delas partilhe, apenas as
publica como reflexo da
sociedade em que se inserem
dando-lhes visibilidade
mas nunca fazendo delas opinião própria.
Ao desenvolturasedesacatos reserva-se ainda o direito
de eliminar qualquer comentário anónimo ou não identificado, que contenha ataques
deliberadamente pessoais, que em nada contribuampara o debate de ideias ou para a denúncia
de situações menos claras do ponto de vista ético.


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013


entre miradouros (portas do sol e stª luzia).

_MG_7016
_MG_7027
_MG_7030
_MG_7043
_MG_7139
_MG_7143
_MG_7172
Diário de Lisboa

HUMOR - PAULINHO COVARDOLAS


UM CASAL PERFEITO




Papa vai ter segurança e imunidade ao ficar no Vaticano

15 de fevereiro de 2013

A decisão do papa Bento 16 de viver no Vaticano depois de se aposentar lhe permitirá ter segurança, privacidade e proteção jurídica contra eventuais processos que o relacionem a casos de abuso sexual cometidos pelo clero, segundo fontes eclesiásticas e juristas.
"Sua continuada presença no Vaticano é necessária, do contrário ele poderia ficar indefeso. Ele não teria sua imunidade, suas prerrogativas, sua segurança, se estivesse em outro lugar", disse um funcionário do Vaticano, pedindo anonimato.
Fontes no Vaticano disseram que três coisas foram levadas em conta na decisão de manter Bento 16 vivendo num convento da Santa Sé depois que a sua renúncia se efetivar, em 28 de fevereiro.
A polícia do Vaticano, que já conhece o papa e seus hábitos, poderá proteger sua privacidade e segurança, sem que seja necessário contar com uma força policial estrangeira.
Outra consideração foi que, se o papa se mudasse permanentemente para outro país, indo viver em reclusão num monastério da sua Alemanha natal, por exemplo, esse poderia ser tornar um local de peregrinação.
Isso seria complicado para a Igreja, especialmente na improvável hipótese de que o próximo papa tome decisões que desagradem à ala conservadora, que então se dirigiria ao local de residência do antecessor para lhe prestar homenagens.
A última coisa levada em conta foi a possível exposição do pontífice a processos judiciais por causa dos escândalos sexuais.
Em 2010, por exemplo, Bento 16 foi apontado como réu em um processo que o acusava de se omitir na época em que era cardeal, em 1995, e teria ficado sabendo de abusos cometidos décadas antes nos Estados Unidos. Os advogados retiraram o processo no ano passado, e o Vaticano disse que isso foi uma comprovação de que o papa não pode ser responsabilizado por atos de subordinados.
Apesar de algumas outras tentativas recentes de imputar crimes ao papa, ele não está atualmente sendo citado em outros processos, e o Vaticano acredita que isso não deverá mais acontecer, embora não descarte a possibilidade.
"Embora essa não tenha sido a principal consideração, foi certamente um corolário, um resultado natural", disse uma fonte.
Depois que renunciar, Bento 16 deixará de ser o monarca soberano do Estado do Vaticano, mas reterá cidadania e direito de residência no país, que fica dentro da cidade de Roma.
Dessa forma, ele manteria a imunidade prevista no Tratado de Latrão, ao menos enquanto estiver no Vaticano, ou mesmo que entre na Itália na condição de cidadão vaticano.
O Tratado de Latrão (1929), que foi assinado entre a Itália e a Santa Sé e instituiu o Vaticano como um Estado soberano, estipula que esse será "invariavelmente e em todos os casos considerado um território neutro e inviolável".
(Por Philip Pullella; reportagem adicional de Robin Pomeroy) 


Procura-se amante


Ainda a pensar no dia de celebrar o amor e a paixão, deixo aqui um texto do médico psiquiatra argentino Jorge Bucay, que considero assaz interessante, fraturante até, sei lá! Não me levem a mal...

«Muitas pessoas têm um amante e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm e as que tinham e perderam.

Elas contam-me que as suas vidas correm de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar o tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente a perder a esperança.

Antes de me contarem tudo isto, já tinham estado noutros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme: "Depressão"... além da inevitável receita do anti-depressivo do momento. Assim, depois de as ouvir atentamente, eu digo-lhes que elas não precisam de nenhum anti-depressivo. Digo-lhes que o que elas precisam é de um Amante!

É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem o meu conselho. Há as que pensam: "Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa destas?!".

Há também as que, chocadas e escandalizadas, despedem-se e não voltam nunca mais. Às que decidem ficar e não fogem horrorizadas, eu explico-lhes o seguinte: Amante é "aquilo que nos apaixona". É o que toma conta do nosso pensamento antes de adormecermos, e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir.

O nosso Amante é o que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida.

Às vezes encontramos o nosso amante no nosso parceiro, outras vezes, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no desporto, no trabalho, na necessidade de nos transcendermos espiritualmente, numa boa refeição, no estudo, ou no prazer obsessivo do nosso passatempo preferido...

Enfim, Amante é "alguém" ou "algo" que nos faz "namorar" a vida e nos afasta do triste destino de "ir vivendo".

E o que é "ir vivendo"?

"Ir vivendo" é ter medo de viver. É vigiar a forma como os outros vivem, é o deixarmo-nos dominar pela pressão, andar por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos, afastarmo-nos do que é gratificante, observar decepcionados cada ruga nova que o espelho nos mostra, é aborrecermo-nos com o calor ou com o frio, com a humidade, com o sol ou com a chuva. "Ir vivendo" é adiar a possibilidade de viver o hoje, fingindo contentarmo-nos com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã.

Por favor não se contentem com "ir vivendo". Procurem um amante, sejam também um amante e um protagonista da vossa vida...

Acreditem que o trágico não é morrer, porque afinal a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver, por isso, e sem mais delongas, procurem um amante.

A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo transcende:

"Para se estar satisfeito, activo, e sentirem-se jovens e felizes, é preciso namorar a vida".»


(Do livro: "Hay que buscarse un Amante")

Picos de roseira brava

Comunicado de apoio e solidariedade pelas próximas manifestações populares contra este governo e suas políticas





Comunicado de apoio e solidariedade pelas próximas manifestações populares contra este governo e suas políticas

As ofensivas das politicas de direita, às Conquista da Revolução de Abril, ao longo destes 37 anos, agravadas nestes dois últimos, «mais não têm sido do que a descaracterização e a destruição de elementos essenciais da democracia politica, económica, social e cultural, nascida da Revolução de Abril e consagrada na Constituição da República aprovada em 2 de Abril de 1976». A Associação Conquistas da Revolução teve oportunidade de o afirmar há um ano e, infelizmente, é obrigada a repeti-lo agora.
Há um ano assinalávamos que “o Programa imposto pela troika do grande capital financeiro e aceite, servilmente, pela troika PS/PSD/CDS, trilhava o caminho de tais ofensivas destruidoras numa dimensão e gravidade sem precedentes”.
Os Orçamentos de Estado , quer para 2012,quer para 2013, formalizam, não só, o mais brutal ataque às condições de vida dos portugueses e à democracia, (ferindo mesmo direitos constitucionais,) como, constituem o maior embuste alguma vez desencadeado pelo regime dito democrático perigosamente muito próximo dum regime autoritário e “fascizante” de quem tudo quer ,pode e manda!
E a provar que era mesmo um logro, temos os catastróficos resultados da actuação deste governo. A sua acção anti-social e até anti-constitucional e a consequência das medidas que apelidava de salvadoras do país, não só não atenuaram em nada a crise como ainda a agravaram e tornaram completamente ineficazes os sacrifícios impostos aos portugueses.
Em razão directa da colossal incompetência deste governo (que erra nos diagnósticos e erra nas terapias), as metas previstas não só não foram alcançadas como se agravaram: a divida soberana aumentou, a economia e o aparelho produtivo continuam a decrescer e o desemprego atinge níveis assustadores. Estes dirigentes provocam e agudizam falsos conflitos intergeracionais e entre trabalhadores públicos e privados O empobrecimento do país e mal-estar social alastram-se em paralelo com a desvairada irresponsabilidade governamental.

Só um governo, como este, autoritário, teimoso e vingativo pode ser tão cego e mudo perante o protesto generalizado da sociedade portuguesa, como consequência dum governo que tira aos fracos para dar aos fortes e dum primeiro-ministro afogado em contradições e vassalo dos poderosos, preocupado, sim, com os mercados e com eles pactuando mas relegando «para trás das costas» os sérios e graves problemas que escandalosamente afectam o povo português.
Nada se reveste de seriedade nestes governantes, verdadeiros representantes dos interesses dos inimigos de Portugal. Mais do que «Governo Português», como gostam de se intitular, de bandeira na lapela, são efectivamente e cá dentro os representantes de quem nos ataca la fora! Não tenhamos dúvidas; eles constituem um verdadeiro “cavalo de troia”( e da troika) dos poderosos e de quem vai comprando as nossas riquezas ao desbarato. Já se preparam , com a bênção da Comissão Europeia ,para a seguir privatizar a «água», um bem genuinamente propriedade pública e de todos nós.
Por outro lado: «o despudorado assalto aos direitos dos trabalhadores, da juventude, dos reformados e da população em geral, continua um monstruoso crime contra todos os portugueses .Urge desmascarar e combater esta prática politica» obriga-nos a repetir o que já dissemos anteriormente:
-Agrava-se a progressiva destruição das conquistas de Abril.
A contra-revolução deu significativos passos em frente. 
Assiste-se à preparação de clamorosos e gravosos pseudo -estudos, como o da chamada refundação do Estado, com o prévio anúncio do corte de 4.000 milhões de euros por ano no OE, para uma continuada destruição de Portugal, concretizada através do fraudulento processo de privatizações, da aprovação do código anti-laboral, dos ataques ao Estado Social, ao Sistema de Saúde Nacional, à Escola Pública, à Segurança Social e, drasticamente, ao definhar do investimento público e da cultura, entre outros malefícios.
-As mais significativas Conquistas da Revolução estão a ser atacadas sem dó nem piedade.
A Associação Conquistas da Revolução, como é sabido sempre tem dado a sua total e activa adesão a todas as lutas travadas inequivocamente contra as políticas de direita e tendo como referência a Revolução de Abril, a sua Democracia, as suas Conquistas.
Só as acções das massas acabam por ter visibilidade causando incómodo e embaraço. A luta de hoje é mais do que nunca canalizar o descontentamento, frustração e revolta das pessoas para o combate dando-lhes um sentido e uma forma de expressão. O actual regime ocupa os meios de comunicação manipulando «à tripa forra» conforme as suas conveniências. A mentira tem constituído uma desavergonhada bandeira, fora da lapela, mas cara a este desgoverno.
Não podemos permitir esta situação, combatendo sempre e reforçando as lutas das massas e tornando-as visíveis na rua.
Por isso a Associação Conquistas da Revolução manifesta-se uma vez mais solidária com as manifestações populares já anunciadas e que terão lugar em 16 de Fevereiro e em 2 de Março.
Apelamos à participação dos nossos associados no que serão, estamos certos, uma vez mais, importantes e grandiosas jornadas de luta.

A LUTA CONTINUA.

Conquistas da Revolução

humor - use a camisinha anti-relvas



16 Fevereiro 2013 - Concentrações/Manifestações

Jornada Nacional de Acção e Luta
16 Fevereiro 2013
Concentrações/Manifestações



DISTRITO
LOCAL
HORA
ACÇÃO /INICIATIVA
ALGARVE



Vila Real de Stº Antº
Praça Marques de Pombal
15:30
Manifestação
Portimão
Alameda Praça da República
15:30
Manifestação
Faro
Rotunda junto à Escola João de Deus (antigo liceu)
15:30
Manifestação
AVEIRO
Largo da Estação de Comboios de Aveiro
Desfile até ao Parque do Rossio;

15:30
Concentração
BEJA
Junto à casa da Cultura

10:30
Concentração
BRAGA
Parque da Ponte com desfile até à Avenida Central

15:00
Concentração/desfile
BRAGANÇA
Praça Cavaleiro Ferreira
15:00
Concentração
CASTELO BRANCO



Covilhã
Campo de Festas da Covilhã (trajecto: Campo de Festas – Av. Frei Heitor Pinto – Rua Comendador Melo – Praça do Município)
15:30
Manifestação
    
COIMBRA
Praça da República
14:30
Concentração
ÉVORA
Praça 1º Maio

10:30
Concentração
GUARDA
Largo João de Almeida - Praça de Táxis
14:30
Manifestação
LEIRIA
Concentração em frente ao Tribunal
15:00
Manifestação pelas ruas da cidade a terminar junto ao ex-edifício do Banco de Portugal
LISBOA
Largo do Príncipe Real         com desfile para Praça do Municipio
15:00
Manifestação
PORTALEGRE
Largo do Café Alentejano com deslocação até ao Plátano do Rossio (sujeito a confirmação)
10:00
Concentração
PORTO
Da Praça da Batalha para a Praça da Liberdade
15:00
Manifestação
SANTARÉM
Avenida dos Forcados Amadores (junto à Segurança Social) e com deslocação até ao largo Cândido dos Reis (junto ao shopping).
15:00
Manifestação
SETÚBAL
- Praça do Brasil
- Praça do Quebedo
(com desfile para Av. Luisa Todi - Coreto)
15:00
Pré-concentrações/
Manifestação
VIANA DO CASTELO
Praça da República
10:30
Concentração
VILA REAL
Av. Carvalho de Araújo (junto à Sé)
10:30
Concentração/manifestação
VISEU
No Rossio em Viseu

14:30
Concentração/manifestação
AÇORES



Angra do Heroísmo        
Alto das Covas
10:30
Concentração/manifestação
Ponta Delgada
Portas da Cidade
15:00
Concentração
Horta/Faial
Largo Duque D´Avila e Bolama
14:45
Concentração (dia 15)
MADEIRA



Funchal
Placa central da Avenida Arriaga, saindo depois a manifestação rumo à Quinta Vigia, mas passando antes pela Assembleia Legislativa da Madeira
15:30
Concentração


HUMOR EM TEMPO DE CRISE

Chegou um tipo ao bar e gritou:
Ei, dê-me um copo de tinto!
O empregado encheu o copo e avisou:

- Aqui toda a gente que bebe um copo deita pró chão um pouco e oferece ao santo!
O freguês fez um manguito com o braço.
- Aqui, oh! Pró santo eu faço um manguito!
No mesmo instante o braço dele endureceu de tal forma que não se mexia.

- O que aconteceu? - gritou o homem, desesperado.
- O senhor ofendeu o santo e foi castigado.
Mas como é a primeira vez que o senhor vem ao bar, vou resolver isso.
O empregado chamou todos os fregueses e pediu que rezassem.
O braço do sujeito foi voltando ao normal.
Um velhinho viu tudo e ficou impressionado.

Dirigiu-se ao empregado, pediu um copo e bebeu de uma só vez.
O empregado perguntou:
- E pró santo?
O velhinho baixou as calças e tirou o dito pra fora:
- Aqui pró santo...!
O dito endureceu na hora.
Logo o velhinho sacou uma arma e gritou:
- Se alguém aqui
 rezar, MORRE!!!!!!!!

A especiaria

EDUARDO CATROGA

"Estado é como família que se endivida e vende as jóias"

por Dinheiro Vivo
"Estado é como família que se endivida e vende as jóias"
Fotografia © Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da EDP, Eduardo Catroga, falou ao Dinheiro Vivo sobre a venda dos 4,14% que a Parpública ainda detinha na EDP, uma operação que marca a saída definitiva do Estado da empresa.

Para Catroga, este é apenas "um acto simbólico" porque o Estado abandonou a empresa - ao deixar de nomear o presidente do CGS - aquando da venda dos 21,35% aos chineses da Three Gorges.
Com a venda dos últimos 4,14%, o Estado sai definitivamente da EDP. É um marco importante para a empresa?
Hoje o Estado já tinha uma posição residual na empresa e por isso esta operação tem mais um valor simbólico. O Estado já tinha perdido o controlo da empresa há uns anos e a saída mais relevante deu-se no final de 2011 com a venda à Three Gorges, por isso este é um acto simbólico de saída da EDP porque de facto já tinha saído.
A EDP já atuava como uma empresa privada?
Sim. Já há anos que a empresa atuava como totalmente privada. Houve oito fases de privatização e a empresa, após o inicio desse processo, funcionou sempre como uma empresa guiada por principios de racionalidade económica e não política.