NOTA


Os textos assinados por outrem ou retirados de outros blogs ou sítios não reflectem necessáriamente a opinião ou posição do editor do "desenvolturasedesacatos"

terça-feira, 29 de janeiro de 2013



Islândia: De Vitória em Vitória......

ISLÂNDIA VENCE GUERRA LEGAL CONTRA 


REINO UNIDO E HOLANDA

Tribunal rejeita argumentos de Londres


Islândia não tem de reembolsar clientes de bancos falidos
Depois da falência do primeiro banco privado, Landsbanki, a Islândia foi forçada a nacionalizar o sistema bancário islandês, sem poder responder às inquietações dos depositantes do Icesave, uma filial do Landsbanki onde cerca de 340 mil cidadãos britânicos e holandeses tinham depósitos no valor de cerca de quatro mil milhões de euros.
Os dois países exigiam uma compensação financeira ao Estado islandês para os depósitos bancários que os contribuintes britânicos e holandeses perderam com a falência do Icesave. Ambos os governos reembolsaram os depositantes e exigiam agora o valor à Islândia. O montante não estava definido, mas o Fundo Monetário Internacional (FMI) estimava que poderia rondar os 1933 milhões de euros.
O tribunal da Associação Europeia de Livre Comércio é a entidade que regula as relações económicas e de comércio entre Estados não membros da União Europeia que fazem parte do Espaço Único Europeu. 
Os governos britânico e holandês reembolsaram integralmente os depositantes do Icesave antes de reclamar a soma a Reykjavik. 
Mas, em 2010 e depois em 2011, os islandeses recusaram em referendo as modalidades de reembolso negociadas com Londres e Haia, argumentando que não existia a obrigação legal de assumir as perdas de um banco privado. 
A Comissão Europeia processou a Islândia junto da Associação Europeia de Livre Comércio por violação da diretiva europeia referente às garantias dos depósitos, que obriga a assegurar um mínimo de 20.000 euros aos depositantes de um banco falido.

D"SUL


A desigualdade nos Estados Unidos.
Era uma vez o sonho americano...

Por Santiago O’Donnell

"A autora cita um estudo de 23 países desenvolvidos, realizado pelo economista Richard Wilkinson e a antropóloga Kate Pi-ckett, no qual os Estados Unidos aparecem como o mais desigual em termos de renda por pessoa. Neste estudo, os Estados Unidos também figuram em primeiro lugar nos índices de encarceramento, de mães menores de idade, da mortalidade infantil, de crianças obesas, do custo pela cobertura médica, do gasto militar e do uso de drogas ilegais. Por outro lado, aparece em último lugar nas avaliações educativas, na expectativa de vida e no cuidado com o meio ambiente."


O sonho americano acabou. Um artigo da professora da Universidade de Stanford, Terry Karl , mostra como os Estados Unidos se tornaram um dos países mais desiguais do planeta. Segundo o trabalho, dos 34 países mais desenvolvidos, que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico ( OCDE), só a China, o México e a Turquia possuem maiores desigualdades na renda, que os Estados Unidos.

O artigo, intitulado “Desigualdade: lições latino-americanas para os Estados Unidos”, está baseado em diferentes estudos sobre a questão. Afirma que nos Estados Unidos os 10% mais ricos ganham quinze vezes mais que os 10% mais pobre. A diferença tem crescido muito nas últimas décadas, e fica ainda mais evidente se for levado em consideração o 1% mais rico, em que a média é de uma renda de 1,3 milhão de dólares anuais, e que conta com quatro quintos das pessoas que aumentaram as rendas, entre todos os estadunidenses, de 1980 até 2012. Os grandes ricos, que representam 0,1% dos estadunidenses, são os que mais se beneficiaram com esta tendência. Eles acumulam uma renda anual na média de 27,3 milhões de dólares. Os que representam 0,01% da população recebem 6% do total da renda das famílias estadunidenses.
  
A enorme diferença entre ricos e pobres, que aparece nas rendas anuais, multiplica-se quando é medida a riqueza acumulada, destaca o artigo. Os 20% mais ricos são donos de 87% da riqueza de todos os estadunidenses, e o 1% mais rico tem 69% da riqueza. As quatrocentas famílias mais ricas têm o mesmo que a metade mais pobre, ou seja, dois mil indivíduos têm tanto quanto o capital acumulado por 150 milhões de pessoas.
Em termos raciais, o quadro é o seguinte: em média, uma família branca ganha dois terços a mais e tem uma riqueza doze vezes maior do que uma família negra. Metade dos hispânicos e quase dois terços dos negros não possuem ativos financeiros. No entanto, a diferença da desigualdade total, em termos econômicos relacionados à questão racial nos Estados Unidos, tem encurtado nas últimas décadas.

A autora cita um estudo de 23 países desenvolvidos, realizado pelo economista Richard Wilkinson e a antropóloga Kate Pi-ckett, no qual os Estados Unidos aparecem como o mais desigual em termos de renda por pessoa. Neste estudo, os Estados Unidos também figuram em primeiro lugar nos índices de encarceramento, de mães menores de idade, da mortalidade infantil, de crianças obesas, do custo pela cobertura médica, do gasto militar e do uso de drogas ilegais. Por outro lado, aparece em último lugar nas avaliações educativas, na expectativa de vida e no cuidado com o meio ambiente.

Apesar de ser o país do sonho americano, outros estudos citados mostram que a mobilidade social é mais difícil nos Estados Unidos do que em outros países de primeiro mundo. Um desses estudos mostra que os Estados Unidos têm menos mobilidade social que o Canadá, Alemanha, França e os países escandinavos, e que está a par de uma sociedade notoriamente classista como é a britânica. Outros estudos mostram que aclasse média estadunidense está se encolhendo e que, pela primeira vez, a geração de trinta e poucos ganha menos que seus pais nessa idade. 


A desigualdade nos Estados Unidos têm raízes que chegam até a etapa de fundação de sua história, continua o artigo, já que suas leis favorecem estruturalmente aos interesses dos ricos. Um estudo mostra que entre os países ocidentais desenvolvidos, os Estados Unidos são os que têm mais atores com capacidade de frear a mudança social. Também assinala que, entre todos os países estudados, o Senado estadunidense é o de pior representação proporcional.


Essa desigualdade original cresceu ferozmente na década de 1980, quando o então presidente Ronald Reagan desenvolveu um programa econômico neoliberal para sair da recessão criada pela crise petroleira no Oriente Médio e com a derrota no Vietnã, que dispararam a inflação e o desemprego, prossegue o artigo. “A crise criou o cenário para uma nova orientação econômica do governo federal, caracterizado pela clássica receita neoliberal: desregulamentação de empresas e finanças, renúncia às políticas fiscais anticíclicas, fortes cortes no gasto social, rebaixamento de impostos para os ricos e as empresas, e um novo marco normativo em que predominam as soluções do mercado para todo tipo de problemas”, destaca Karl. “Ironicamente, em 1980, os Estados Unidos se submeteu à mesma receita que vinha empurrando, até o abarrotamento, na América Latina”.

A orientação econômica de Reagan tornou os lobistas a nova classe dominante de  Washington. Em 1971, havia 175 empresas de lobby registradas em Washington. Em 1982, esse número já havia subido para 22.245 empresas. Os comitês de ação política, que financiam as campanhas, cresceram de 89, em 1974, para 1682, em 1984.

A política tornou-se muito cara e somente os mais ricos puderam aspirar aos principais cargos eletivos. Para os cargos legislativos de 2010, os candidatos arrecadaram um total de 1270 bilhões de dólares. Nesse mesmo ano, o custo médio de uma campanha para ocupar uma cadeira no Senado atingiu os oito milhões e meio de dólares e para uma cadeira na Câmara baixa, quase um milhão e meio de dólares.

Enquanto isso, o setor financeiro se erguia com importantes benefícios. Em 1982, um empresário médio ganhava 42 vezes mais do que um empregado médio; em 2010, o mesmo empresário ganhava 325 vezes mais do que o mesmo empregado. Segundo outro estudo, entre 1980 e 2008, a mudança de regras impulsionadas por Reagan produziu uma transferência de 4.505 bilhões de dólares ao setor financeiro entre 1980 e 2008.

Durante esse mesmo período, o esquema tributário se alterou para favorecer aos ricos. Segundo o Brookings Institution, em 2007, a quinta parte mais pobre da população recebeu a média de 29 dólares em descontos tributários, e o 1% mais rico recebeu descontos na média de 41.077 dólares. As famílias com renda acima de um milhão de dólares receberam descontos médios de 114.00 dólares. Graças a estes descontos tributários, os mais pobres melhoraram suas rendas em 0,4%, enquanto os mais ricos melhoram suas rendas em 5,7%. Em 2010, as 25 empresas mais ricas receberam 304 milhões em devoluções tributárias para o que significa lucros de 1900 bilhões de dólares. A desigualdade se acentua porque em média os estadunidenses pagam poucos impostos.

Em 2008, a carga tributária média foi de 26%, enquanto nos demais países da OCDE a tributação média era de 35%. Entre 1982 e 1994, a média da carga tributária dos ricos caiu de 67% para 28%. Enquanto isso, os diretores das principais empresas alcançavam lucros extraordinários, aumentando a janela da desigualdade. Em 2010, os 25 CEO, das cem empresas mais importantes, ganharam mais dinheiro do que as suas empresas pagaram em impostos federais. O que se poupava no fisco costumava ser gasto em esforços por lobby. A General Electric já gastou 4200 milhões de dólares em doações para campanha.

 Ao mesmo tempo, em que os ricos aumentavam sua influência nas políticas públicas, os trabalhadores perdiam representatividade. Em 2010, a porcentagem de filiação sindical, que vem declinando sistematicamente desde 1982, caiu para 11,4% (7% no setor privado), comparado com mais de 27% no Canadá e 70% na Finlândia.

Sem um sindicalismo forte para defender os trabalhadores, o salário mínimo encolheu, caindo de 9,2 dólares por hora, nos anos de 1960 (governo de Johnson), para 5,4 dólares no governo de Bush e para 5,3 no governo de Bush filho, o nível mais baixo desde que se fixou o salário mínimo em 1949. Assim, a distância entre os mais ricos e mais pobres chegou a níveis que ainda não havia alcançado desde a Grande Depressão,de 1928.

 “As consequências desta política, agressivamente neoliberal, ficaram às claras na crise de 2008”, conclui a catedrática de Stanford. “Ao combinar a desregulamentação financeira, e a falta de controle sobre as instituições do setor, com a queda da filiação sindical, o declive na transferência de rendas, a redução do Estado de bem-estar, o desmantelamento do imposto progressivo e outros fatores, os Estados Unidos entraram no século XXI como o país mais desigual de todas as democracias ricas”.

 
 
Texto original em português pode ser encontrado emhttp://media.wix.com/ugd//37018d_380e17911e903fd072261453cde81c4b.pdf

Inquérito 

Quem sai primeiro da zona euro: Portugal ou Alemanha?
Os investidores internacionais acreditam que mais facilmente a Alemanha sai da zona euro do que Portugal ou Espanha. A conclusão é de um inquérito do Euro Breakup Index ,divulgado na segunda-feira pela Sentix, que mostra que 1,8% dos 950 investidores inquiridos aposta primeiro na saída da união monetária da Alemanha e só depois na de Portugal.
Quem sai primeiro da zona euro: Portugal ou Alemanha?
DR
MUNDO
Um inquérito levado a cabo pelo Euro Breakup Index revela que os investidores internacionais já não estão tão pessimistas no que à ruptura da união monetária diz respeito. Dos 950 inquiridos, 1,8% acredita que a Alemanha possa abandonar a zona euro, seguida de Portugal (1,5%) e Espanha (1,4%). No entanto, a Grécia continua a ser o líder das ‘apostas’ ao arrecadar 13,9% dos ‘votos’.


“A Alemanha sair do euro é mais provável do que o fim do euro para os países da periferia actualmente em dificuldades”, pode ler-se no site do Euro Breakup Index.
Para os investidores inquiridos a “leitura absoluta do índice alemão é tão baixa que a ameaça de uma saída do euro não parece muito real”. No entanto, 17,2% acredita que até ao final do ano um ou mais países possam vir a abandonar a zona euro.
O nível de optimismo dos investidores tem vindo a aumentar desde o Verão do ano passado. Em Julho de 2012 a percentagem que acreditava na saída de países da união monetária era de 73%, enquanto em Dezembro já era de 25%, tendo descido ainda para 17,2% no decorrente mês.

Privado 

Trapalhada na lei dos duodécimos põe em causa subsídio de férias
A lei dos duodécimos para o sector privado, publicada na segunda-feira em Diário da República, e que define o pagamento faseado em 12 meses de metade de cada um dos subsídios, o de Natal e o de férias, está a suscitar várias dúvidas técnicas, que põem em causa o pagamento deste último. A questão está já a ser avaliada por uma comissão parlamentar.
Trapalhada na lei dos duodécimos põe em causa subsídio de férias
DR
PAÍS
Para mitigar os efeitos do enorme aumento de impostos, o Governo propôs a lei dos duodécimos para o sector privado, que determina o pagamento em duodécimos de metade do subsídio de férias e de metade do de Natal. O diploma, entretanto promulgado pelo Presidente da República, Cavaco Silva, foi ontem publicado em Diário da República, mas, desde logo, tem suscitado dúvidas técnicas no que diz respeito à sua aplicabilidade ao subsídio de férias.

Isto porque o documento decreta que este regime “não se aplica a subsídios relativos a férias vencidas antes da entrada em vigor da presente lei que se encontrem por liquidar”. Assim, indicam vários especialistas ouvidos pelo Diário Económico, o diploma acaba por excluir o subsídio de férias devido este ano mas que reporta ao trabalho prestado em 2012, tendo em conta que o subsídio a pagar em 2013 remete para férias vencidas em 1 de Janeiro, antes da entrada em vigor, esta terça-feira, da lei dos duodécimos.
O Ministério da Economia rejeita esta interpretação. No entanto, a comissão parlamentar da Segurança Social e Trabalho, e respectivos serviços jurídicos, está a avaliar as dúvidas que têm surgido.
A confirmar-se o lapso na lei, as implicações para os contribuintes não serão, porém, relevantes em termos práticos, uma vez que, defendem os peritos, “na pior das hipóteses”, as empresas “estão a pagar em adiantado”.
Resta saber se, a certificar-se o erro, existirá, ou não, uma declaração de rectificação do diploma
Posted: 29 Jan 2013 07:08 AM PST
Maior roubo de sempre nos salários, pensões e reformas

por CGTP-IN 
As medidas fiscais constantes no Orçamento do Estado para 2013 representam o maior assalto fiscal aos trabalhadores, reformados e pensionistas da história da democracia.
 
 
Pretendendo escamotear a brutal redução do rendimento da generalidade dos portugueses, o Governo, por via dos exemplos que fez transmitir pela comunicação social, propagandeia que a maioria dos trabalhadores irá ver aumentado o seu rendimento mensal líquido. Nas contas que publicou, o Governo omite deliberadamente que os trabalhadores portugueses, ao final do ano com repercussões em 2014, vão perder uma parte do seu rendimento anual.
 
O aumento das taxas de retenção e sobretaxa de 3,5%
 
As tabelas de retenção publicadas revelam um aumento das taxas de retenção que varia entre 2 e 4,5%, a que se soma a sobretaxa de 3,5% a incidir sobre todos os rendimentos.
A título de exemplo verificamos que:
 
- Um agregado familiar, com dois trabalhadores com salário base de 1205€ (casado, 2 dependentes) passa a reter na fonte 4.884€ por ano, mais 32% do que em 2012, e paga ainda 346€ de sobretaxa. No total, tem um aumento de impostos na ordem dos 41%, o que determina uma perda de rendimento anual de 1.528€;
 
- Um agregado familiar, com dois trabalhadores com salário base de 1700€ (casado, 2 dependentes) passa a reter na fonte 9.622€ por ano, mais 19% do que em 2012, e paga ainda 1.244€ de sobretaxa. No total tem um aumento de impostos na ordem dos 27%, o que determina uma perda de rendimento anual de 2.806€;
 
A quebra de poder de compra que o aumento das taxas de retenção e a sobretaxa do IRS representa, terá consequências incomportáveis na qualidade de vida dos portugueses, para além de efeitos recessivos na economia.
 
A redução do número de escalões e limite às deduções: o efeito em 2014
 
Outro elemento omitido pelo Governo é o aumento do IRS a pagar quando se proceder à respectiva liquidação em 2014referente aos rendimentos auferidos em 2013. As alterações inscritas no Orçamento do Estado para 2013 são várias, e determinarão o aumento do IRS para todos os trabalhadores e pensionistas portugueses. No leque das alterações temos a redução do número de escalões de rendimento e consequente aumento das taxas de imposto, a redução ao limite das deduções fiscais (despesas de saúde, educação e habitação) e redução das deduções pessoais.
 
pedro passos coelho paulo portasEstas alterações afectarão todas as famílias, provocando uma redução na devolução de IRS que se pagou a mais ao longo do ano.
 
A título de exemplo destacamos:
 
 
Exemplo 1
Casal com dois filhos, em que auferem ambos um rendimento bruto mensal de 1205€. Considerando o nível de despesas com saúde, educação e habitação própria[1] no total de 5400€, temos que:
 
 
20132012Variação
Salário Base
1205
1205
-
Salário Líquido Mensal (sem duodécimos)
883,00
939,00
-56,00
Rendimento anual líquido (casal)
24788
26316
-1528
Quanto recebe/paga nos acertos
428
633
-205
Perda total de rendimento
-1733
Nº de salários líquidos perdidos
1,96
 
 
Isto significa que, além dos cortes no seu rendimento anual bruto, esta família perderá por via da redução de escalões e limites às deduções, mais 205€.
 
No total serão menos 1.733€, ou seja, um agregado nesta situação perde um valor igual a dois salários líquidos!
 
Exemplo 2
 
Casal com dois filhos, em que auferem ambos um rendimento bruto mensal de 1700€. Considerando o nível de despesas com saúde, educação e habitação própria no total de 5400€, temos que:
 
 
2013
2012
Variação
Salário Base
1700
1700
-
Salário Líquido Mensal (sem duodécimos)
1198,00
1224,00
-26,00
Rendimento anual líquido (casal)
31466
34272
-2806
Quanto recebe/paga nos acertos
458
1363
-905
Perda total de rendimento
-3711
Nº de salários líquidos perdidos
3,1
 
Isto significa que, além dos cortes no seu rendimento anual bruto, esta família perderá por via da redução de escalões e limites às deduções, mais 905€.
 
No total serão menos 3.711€, ou seja, um agregado nesta situação perde um valor igual a três salários líquidos!
 
Empobrecimento não é solução
 
A CGTP-IN reitera exigência da subida real dos salários, e rejeita esta forma encapotada de reduzir os rendimentos do trabalho que, por maior que seja a maquilhagem e a propaganda, determinará um aceleramento no processo de empobrecimento da população portuguesa, com consequências na qualidade de vida e na satisfação das necessidades básicas do povo, bem como no acentuar da espiral recessiva para a qual a política de direita empurra o país.
 
Há alternativas a esta política e a este assalto fiscal. A CGTP-IN apresentou um conjunto de propostas que incidem sobre os rendimentos do grande capital e que incorporam uma receita potencial superior a 6 mil milhões de euros.
 
O Governo PSD\CDS não só se recusa a taxar o grande capital, como impõe ao povo uma carga fiscal cujos destinatários são os grupos financeiros e os grandes grupos económicos.
 
A demissão do Governo e o fim do memorando, a par da implementação de uma política alternativa em que os trabalhadores, a generalidade da população e o interesse de Portugal sejam a prioridade, são condições essências para a saída da crise e o desenvolvimento do país.



[1] Tendo como base o Inquérito às despesas das famílias 2010/2011, INE



Fonte: CGTP-IN em www.cgtp.pt


Mafarrico Vermelho

 
Posted: 29 Jan 2013 06:31 AM PST
O País aguenta uma banca privada?
por Vasco Cardoso
 

"Com este Governo, com este PR, com esta política (que o PS partilha), com esta UE, os banqueiros estão, como agora se costuma dizer, na sua zona de conforto. Ganham com a dívida pública e a especulação, com o crédito à habitação e ao consumo, com as PPP e o garrote às empresas públicas. E quando perdem, não perdem. Ou melhor, entra o Estado com milhares de milhões como aconteceu no BPN ou no BPP. "


Num momento em que se discute, ou melhor, se afirma de forma massacrante que o País não comporta o Estado social, que para não aumentar mais os impostos é urgente cortar na despesa; que há escolas, creches, hospitais, juntas de freguesia, estradas, tribunais, teatros e museus a mais; que há que reduzir funcionários públicos e acabar com os que, na preguiça, vivem à conta de subsídios, há que perguntar se o País aguenta manter uma banca privada. É que a brincadeira tem saído cara!

A recente decisão de entregar mais de 1100 milhões de euros de recursos públicos ao BANIF (pouco antes tinham sido o BCP e o BPI em cerca de 5 mil milhões), foi apenas mais uma, de muitas outras que revelam ao serviço de quem está o Estado, e por maioria de razão, ao serviço de quem estão os brutais sacrifícios, toda a exploração e empobrecimento impostos ao povo português.

Com este Governo, com este PR, com esta política (que o PS partilha), com esta UE, os banqueiros estão, como agora se costuma dizer, na sua zona de conforto. Ganham com a dívida pública e a especulação, com o crédito à habitação e ao consumo, com as PPP e o garrote às empresas públicas. E quando perdem, não perdem. Ou melhor, entra o Estado com milhares de milhões como aconteceu no BPN ou no BPP. 

 
O Estado, que pede dinheiro emprestado para derreter na chamada recapitalização da banca nacional 12 mil milhões. O Estado que só este ano gastará quase tanto em juros como com o Serviço Nacional de Saúde.
 
O Estado que tem comprometidos mais de 20 mil milhões de euros de garantias bancárias à banca privada. O Estado que tem o seu banco público cheio de lixo tóxico que absorveu da banca privada.
 
Pois os bancos privados, dos muitos milhões de euros de lucros privados acumulados ao longo dos anos, que gerem com a tal sabedoria que só os privados sabem gerir, recapitalizam-se com dinheiros públicos, pedem dinheiro emprestado com garantias públicas, assumem riscos a coberto do Estado e ainda conseguem fugir aos impostos.
 
E se, ainda assim, a coisa correr mal e aqui o correr mal tem que se lhe diga, terão sempre os recursos públicos que um qualquer governo ao seu serviço lhes concederá sem espinhas.

É preciso cortar na despesa? Nacionalize-se a banca!
 
 
Fonte: Jornal Avante em www.avante.pt
 
 

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013


quem manda? salazar! salazar! salazar!

Portugal, em plena II Grande Guerra. Os portugueses faziam fila para receberem senhas de racionamento. Fizesse frio ou chovesse a potes, pernoitavam junto das lojas na esperança de conseguirem comprar um naco de pão, um quilo de feijão, umas batatas. Uma sardinha era repartida por quatro ou cinco. Mas a zona de Belém, em frente dos Jerónimos, foi terraplanada, um bairro destruído (primeiras duas fotografias) para que Salazar pudesse inaugurar a "grande exposição do mundo português", em 1940. Nenhum custo, por mais astronómico que tivesse sido, foi demais para louvar o mago que regularizou as finanças públicas, a sua gloriosa obra e o seu imenso império colonial. Império que perduraria, apenas, por mais 35 anos.



















Todas as fotografias recolhidas em:
http://restosdecoleccao.blogspot.pt/

Quatro almas


O Regresso aos Mercados

A nova fraude. A mentira para enganar tolos. Um novo roubo para dar aos bancos
 

O apregoado "regresso aos mercados" é fraude para enganar tolos. É uma manobra de diversão. Os juros baixam porque os grandes capitalistas financeiros (os mercados) começam a ter dificuldade em aplicar as imensas fortunas que estão a ganhar com o roubo que fazem a muitos milhões de pessoas. A quantidade de bancos (mercados) interessados em “comprar” dívida a estes juros está a aumentar, justamente porque o negócio é uma mina. Continuam a ir buscar dinheiro dos estados a menos de 1% (BCE) e emprestam aos estados a mais de 4%. É a moderna forma de roubo a somar à antiga exploração de quem trabalha. É o capitalismo especulativo financeiro.


Pagar dívida com mais dívidas e juros
 

Com o “regresso aos mercados” Portugal continua a afundar-se, pois os juros que pagamos aos “mercados” são superiores ao que se produz com esse dinheiro. É como ir ao banco pedir emprestado para comprar mais um carro que apenas vai trazer mais despesa. Pagar dívida com novas dívidas mais elevadas (dívida e mais juros) não leva a lado nenhum. É a espiral recessiva que os economistas falam.

De 117% para 120% de dívida 


A dívida pública portuguesa continua a aumentar. Atingiu o seu valor mais alto de sempre. No terceiro trimestre de 2012, a dívida passou de 117,4% para 120,3% do PIB, sendo a terceira mais elevada da UE, a seguir à Grécia e à Itália. Comparativamente com o terceiro trimestre de 2011, o aumento estimado da dívida foi de 10%. Mais 25 mil milhões de euros de dívida desde que este Governo iniciou o seu mandato, mais 11 mil milhões do que aquilo que estava previsto no memorando com a troika. 


Comparem-se estes milhões todos com os 4 mil milhões que o governo quer retirar à Saúde, Educação e Serviço Social (pensões, etc.).
 

Ricos mais ricos, pobres mais pobres
É esta a situação a que nos conduz esta política de austeridade para dar dinheiro aos Bancos. É esta política que faz com que 10 milhões de portugueses estejam a empobrecer para os mais ricos continuarem a enriquecer com a crise. Os 7 mais ricos de Portugal aumentaram as suas fortunas em mais de 1540 milhões de euros em 2012 ou seja tiveram um aumento de 13% enquanto 10 milhões de portugueses baixam ordenados e pensões.

É o regresso da política de Salazar. “Roubar aos pobres porque eles são muitos e já estão habituados”. 


De quem é a responsabilidade?


No tempo de Salazar não havia escolha pois as eleições não eram livres. Agora não há desculpa pois sãos os pobres que escolhem quem governa. Não se deixem enganar pois os exemplos duram há 36 anos, com os mesmos sempre no poder PS, PSD e CDS. Os que assinaram o pacto com a troika.

Os indignados, os revoltados, os desiludidos que não arranjem novas desculpas para dizer que não vão votar. Isso é o que eles querem. É entregar as armas ao inimigo.

Se todos os que discordam desta política não votarem, apenas votam os da direita, os mais ricos. Então, esses, continuam a ganhar as eleições com a abstenção a aumentar. Continuam a poder roubar-nos. Acordem!

C de...

A história de Josh


Eram 6 horas e trinta minutos quando Josh acordou. Estava deitado na cama, a mesma que tinha há já 20 anos, mas sentia-se desconfortável. Talvez se sentisse melhor se conseguisse dormir sem ter os sapatos calçados, mas desde que aos 13 anos se levantou para ir à casa de banho a meio da noite e foi surpreendido descalço pelo podengo da família que é incapaz de dormir sem sentir os pés protegidos.
“Paranóias”, dizem Ted e Nibles, os seus dois melhores amigos. Josh sabe que não o fazem por mal, que apenas o dizem para o tentar ajudar a ultrapassar os seus traumas, mas eles não percebem. Como poderiam? Nunca passaram pelo mesmo, até porque os dentes de leite não têm pés.
Josh levantou-se e dirigiu-se para a casa de banho. Entrou na banheira e ensaboou o cabelo 3 vezes, saindo de seguida. Josh lavava sempre a cabeça três vezes, mas não usava água, limitando-se a espalhar o shampoo pelo cabelo. “Os hunos podem aproveitar-se”, pensava. Para além disso, era-lhe insuportável a ideia de se separar do seu shampoo, uma vez que pagava para o ter no cabelo e não nos canos da casa.
Enquanto se vestia, Josh pensou na vida. Tinha 38 anos e a sua maior conquista tinha sido conseguir passar por um robalo há dois dias sem cantar o "Embraceable You", coisa que fazia desde os 10 anos, altura em que a empregada da casa da sua mãe o apanhou a acariciar lascivamente a côdea de um pão de centeio.
Josh saiu de casa, entrou no carro a correr e sentou-se. Olhou primeiro para a esquerda, depois para direita, depois para trás e depois para a frente. Começou a transpirar, o mundo parecia que estava parado e que toda a gente olhava para si. Josh teve um taque de pânico. Todos os dias lhe acontecia o mesmo sempre que precisava de meter a chave do carro na ranhura. Este gesto, absolutamente normal, tinha para Josh toda a promessa de amor perdido. Oh, a vergonha… as recordações de Sony, a torradeira de 4 fatias com quem tivera uma relação na faculdade e que fugiu com o seu colega de dormitório. Josh nunca mais confiou em electrodomésticos e desde aí que salga ou defuma toda a sua comida, o que faz dos seus iogurtes uma experiência gastronómica única.
Finalmente conseguiu ligar o carro e arrancou em direcção ao trabalho. Josh sai sempre de casa mais cedo porque o facto de só conseguir virar para esquerda, um trauma que ganhou quando viu sua mãe a separar o grão-de-bico no quarto do algoz, faz com que demore o triplo do tempo a chegar ao seu trabalho. Pelo caminho, Josh tenta comprar café, mas quando entra na pastelaria acaba sempre por pedir pretzels e um leite morno. Há anos que não consegue dizer a palavra “café” em público e só mesmo em casa, tapado até aos olhos com um saco de sarapilheira e um sombrero, consegue pronunciar as silabas, mas sem o acento. Mais um trauma com a cortesia de sua mãe, que não se importava que a ouvissem dizer à boca cheia que a sua personagem favorita era Cunegundes Rostislavna era a sua rainha da Boémia favorita.
Josh voltou ao carro para mais um ataque de pânico e arrancou. Não ligou o rádio, pois não ouve música desde o incidente. Há 3 anos, num congresso, Josh enganou-se e afirmou que o seu gelado favorito era chocolate e menta, em vez de chocolate e morango, facto que nunca foi perdoado por Hess, um alemão nascido na Alemanha que Josh nunca conheceu. A partir desse dia, só uma nota é suficiente para Josh perder os sentidos.
Finalmente chegou ao seu emprego. Josh saiu do carro e entrou para o seu edifício. Passou apressado pelo corredor sem levantar a cabeça, pois tinha pavor de tectos desde que percebeu que estes não eram suportados por magia. Entrou no seu escritório e sentou-se, mais calmo. Esperou 5 minutos e pegou no telefone:
“Mrs. Gill, diga ao chefe clínico que já cheguei. Podem mandar entra o primeiro paciente da psiquiatria”.
Under Analysis
ARISTOCRATAS

domingo, 27 de janeiro de 2013


Incêndio em boate deixa mortos e feridos em Santa Maria, no RS

  • Bombeiros confirmam que 233 pessoas morreram na tragédia
  • Há 106 pessoas hospitalizadas
  • Bombeiros encontraram dificuldades em entrar no local por haver ‘uma barreira de corpos’


Incêndio em boate em Santa Maria deixa mortos e feridos
Foto: Zero Hora / Germano Roratto/Especial
Incêndio em boate em Santa Maria deixa mortos e feridos Zero Hora / Germano Roratto/Especial
SANTA MARIA — Um incêndio na boate Kiss, no Centro de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, deixou ao menos 233 mortos na madrugada deste domingo, informou o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, em entrevista coletiva. Inicialmente foi divulgado pelo Corpo de Bombeiros que o número de vítimas fatais era de 245. Já a Secretaria de Comunicação do estado diz que o número pode ser maior e chegar a 258. Há, entre as vítimas fatais, 120 homens e 113 mulheres. A Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul divulgou uma relação preliminar com os nomes de 233 vítimas e adiantou que “algumas” ainda não foram identificadas. (CLIQUE AQUI PARA VER OS NOMES)
De acordo com a lista, que compila apenas incêndios em casas noturnas, a mais fatal delas ocorreu nos EUA e completou 70 anos há pouco tempo: o local foi a boate Coconut Grove, em Boston, e a data, 20 de novembro de 1942. O saldo foi de 492 mortos e mais de 600 feridos.Foram transferidas 14 pessoas para Porto Alegre, com queimaduras graves, e outras 92 estão internadas em Santa Maria. Segundo o delegado Marcelo Arigony, responsável pela investigação, poderia haver muitos menores entre as vítimas, que teriam entrado na festa com identidade falsa, já que o evento era para maiores de 18 anos. A Globonews informou que a maior parte das vítimas tem entre 16 e 20 anos. O incêndio já é o segundo maior da história do Brasil e o terceiro mais fatal do tipo no mundo, segundo uma lista de dez incidentes semelhantes, em locais de agremiação de público, compilada pela Associação Nacional de Proteção Contra Incêndios dos Estados Unidos (NFPA, na sigla em inglês).
No momento da tragédia, centenas jovens estavam no local, participando de uma festa universitária. A boate tem capacidade para duas mil pessoas. De acordo com a GloboNews, o dono do estabelecimento já se apresentou à polícia. A festa foi organizada por seis cursos da Universidade Federal de Santa Maria: Pedagogia, Agronomia, Medicina Veterinária, Zootecnia e dois cursos técnicos (em Alimentos e Agronegócio).
O comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Guido Pedroso Melo, contou que cerca de 85 bombeiros que chegaram ao local da tragédia em Santa Maria encontraram dificuldades em entrar no local.
De acordo com Melo, os bombeiros resgataram cerca de 150 pessoas com vida de dentro da boate Kiss. Segundo ele, os profissionais encontraram dificuldades em entrar no local por haver "uma barreira de corpos" próximo à entrada da boate. Pedroso Melo revela que relatos de jovens teriam dito que a porta da boate teria demorado de cinco a dez segundos para ser liberada pelos seguranças da boate.
Segundo Edi Paulo Garcia, capitão da Brigada Militar, 90% dos corpos estariam nos dois banheiros - um masculino e outro, feminino. Segundo ele, a boate teria apenas uma saída. Dois caminhões levaram os corpos até o ginásio esportivo da cidade, que foi isolado pela Brigada Militar para evitar a invasão de parentes e amigos. Familiares formaram uma fila de 500 metros em volta do local, para o reconhecimento dos corpos. Ojornal “Zero Hora” divulgou o nome de seis pessoas que morreram nos hospitais, após terem sido socorridas na boate.
Oito militares do Exército estão entre os mortos
Segundo informações preliminares do Ministério da Defesa, oito militares do Exército estão entre os mortos no incêndio. Os nomes das vítimas ainda não foram revelados, mas a Defesa identificou que se trata de um capitão, um tenente e dois cabos. Nas próximas horas devem ser divulgadas mais informações a respeito do caso.
O fogo foi controlado por volta das 5h30m, mas às 7h ainda havia equipes no local, fazendo o trabalho de rescaldo. A polícia e o Corpo de Bombeiros apuram as circunstâncias que provocaram fogo. Segundo as primeiras informações divulgadas pelo site G1, as chamas teriam começado por volta das 2h30m quando o vocalista da banda que se apresentava fez uma espécie de show pirotécnico. As faíscas atingiram a espuma do isolamento acústico e as chamas se espalharam. O secretário de Segurança do estado, Airton Michels, não confirmou a informação de que um show pirotécnico teria desencadeado o incêndio.
Seis hospitais fazem atendimento às vítimas
O prédio ficou destruído, mas não existe mais risco de desabamento.Relatos de sobreviventes mostram como incêndio provocou pânico. Muitas pessoas não conseguiram acessar a saída de emergência. O comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul disse que a porta principal da boate Kiss estava trancada na hora do incêndio. Segundo o jornal “O Diário de Santa Maria”, o local possuiria apenas uma porta de saída e houve tumulto na tentativa de fuga. Bombeiros e populares abriram um buraco na parede externa para possibilitar que mais pessoas consigam sair.
- Era uma porta pequena para muita gente sair - disse Luana Santos Silva, que estava na boate, à GloboNews.
- Chegou (socorro e polícia) tudo muito rápido - disse Aline Santos Silva, irmã de Luana.
Profissionais de saúde pedem à população que doe sangue nos hospitais. A cidade também precisa de voluntários como médicos e enfermeiros para atender os feridos. O jornal “Zero Hora” divulgou uma lista com o nome de feridos que estão nos hospitais. Seis unidades estão fazendo o atendimento às vítimas. Parentes e amigos percorrem os hospitais em busca de notícias.
De acordo com o jornal "Zero Hora", nove vítimas já estão em Porto Alegre. Quatro foram levadas por helicópteros da Força Aérea Brasileira (FAB) e outras cinco viajaram em um avião da FAB. Outros feridos devem ser levados para hospitais de Canoas.
“Diário de Santa Maria” informa que, no ginásio do Centro Desportivo Municipal (CDM), há um Comitê Gestor da Crise que tem dado apoio aos familiares. Centenas de amigos, pais e familiares estão no local em busca de informações. O procedimento, segundo o Instituto Geral de Perícias (IGP), é que as famílias se dirijam até o CDM e se identifiquem.
Tragédia em boate é uma das maiores no Brasil
O jornal “Diário de Santa Maria” relata ainda que, na tentativa de identificar os nomes, o Instituto Geral de Perícias (IGP) tem colocado documentos de identificação — como identidade, carteira nacional de habilitação, entre outros — e celulares nos peitos destas vítimas. De acordo com relatos de servidores do IGP, muitos telefones dos mortos no ginásio tocam sem parar. O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, é o maior no Brasil em número de vítimas desde a tragédia no Gran Circus Norte-Americano, em Niterói, em 1961, quando morreram 503 pessoas.
O Ministério da Saúde acionou a coordenação da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (SUS) para identificar as necessidades médicas de equipes, leitos e suprimentos para a tragédia no município de Santa Maria. Um grupo de profissionais especializados em situações de catástrofe está se dirigindo de Brasília ao local para atuar no caso.
A Polícia Militar do Rio Grande do Sul, segundo informações do site do jornal "Zero Hora", descolou um grupo de bombeiros que estava trabalhando na "Operação Golfinho", que atua como salva-vidas no Litoral Norte do estado. Segundo informações preliminares, estes bombeiros vão ajudar a resgatar mais vítimas que poderiam existir nos escombros da boate. Não foi divulgado o número de agentes remanejados.
Plano de Prevenção e Controle de Incêndios estava vencido
Santa Maria é uma cidade universitária porque concentra muitas pessoas da região e até de outros estados que vão estudar. A Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) ainda estava em aulas, devido à greve de 2012. Então, é provável que muitos estudantes estivessem na boate, que começou a queimar por volta das 2h, segundo a Brigada Militar. O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, decretou luto oficial de sete dias por conta da tragédia.
O jornal “Zero Hora” informou que o estabelecimento estava com o Plano de Prevenção e Controle de Incêndios vencido desde agosto de 2012. A FGF (Federação Gaúcha de Futebol) cancelou a rodada deste domingo do Gauchão devido ao incêndio na boate Kiss.